sexta-feira, 28 de outubro de 2011

LEI ISLÂMICA (SHARIA) PARA OS NÃO-MUÇULMANOS



Uma leitura atenta deste breve texto vai te dar uma compreensão que poucos têm sobre o Islão, e você vai compreender que o Islão é um sistema político poderoso.


O texto abaixo é uma tradução do livro SHARIA LAW FOR THE NON-MUSLIM, livro  escrito por BILL WARNER e editado por CENTER FOR THE STUDY OF POLITICAL ISLAM. Traduzido por Calatrava Bansharia, com permissão do autor. (Copyright © 2010 CSPI, LLC, ISBN 0-9795794-8-1, ISBN13 978-0-9795794-8-6). PDF disponível aqui ou aqui.


CONTEÚDO
  1. INTRODUÇÃO
  2. O QUE É SHARIA?
  3. MULHERES
  4. LEI DE FAMÍLIA
  5. O KAFIR
  6. JIHAD
  7. SUBMISSÃO E DUALISMO  
  8. O DHIMMI
  9. ESCRAVIDÃO
  10. LIBERDADE DE EXPRESSÃO
  11. SHARIA FINANCEIRA
  12. EXIGÊNCIAS
  13. APÊNDICE
  14. MATERIAL DE LEITURA


CAPÍTULO 1

INTRODUÇÃO

SHARIA (LEI ISLÂMICA) NA EUROPA HOJE

Quando você estuda o Islão na Europa hoje, você está vendo os Estados Unidos daqui a 20 anos (Nota do Tradutor - E possívelmente o Brasil algumas décadas mais tarde). Porque? As ações dos muçulmanos na Europa estão baseadas na Sharia, a mesma Sharia que está começando a ser implementada nos Estados Unidos hoje.
  • Existem vezes quando o tráfego não pode se mover nas ruas de Londres pois muçulmanos controlam as ruas para rezar nelas – um resultado político baseado na Sharia.
  • Existem áreas da Europa que são zonas proibidas (no-go zones) para não-muçulmanos, incluindo a polícia. Essas áreas são enclaves islâmicos onde apenas muçulmanos vivem. Esta regra de "muçulmanos-apenas" é baseada na Sharia.
  • Na Inglaterra, um bispo anglicano pediu para que a Lei Islâmica (Sharia) seja a regra para os muçulmanos. Este bispo está obedecendo a Sharia.
  • Existem escolas onde apenas textos aprovados pelo Islão podem ser usados. Isto é baseado na Sharia.
  • Cristãos não podem falar com muçulmanos sobre cristianismo nem mesmo doar literatura cristã. Isto é o resultado político baseado na Lei Islâmica sendo imposta pelas cortes britânicas.
  • Estupro cometido por muçulmanos é tão prevalente em partes da Suécia  que a polícia foi proibida de coletar dados relativos a investigações que possam levantar suspeitas contra o Islão. Estupro é parte da doutrina islâmica, como aplicada para as mulheres não-muçulmanas.
  • Em Londres, demonstrações em massa de muçulmanos pedem pelo fim da lei britânica e para que a Lei Islâmica passe a regular a vida de todos, independente da religião. Esta ação política é baseada na Sharia.
  • Em alguns hospitais, durante o jejum do Ramadã (um evento religioso islâmico), não-muçulmanos não podem comer na frente dos muçulmanos. A submissão de não-muçulmanos frente a preferências islâmicas é baseada na Lei Islâmica.
  • Em hospitais britânicos, mulheres muçulmanas são tratadas apenas como a Lei Islâmica requer.
SHARIA (LEI ISLÂMICA) NOS ESTADOS UNIDOS HOJE        

Abaixo são apresentados alguns eventos históricos correntes nos Estados Unidos que se alinham de acordo à Lei Islâmica (Sharia).

  • Em 11 de setembro de 2001, jihadistas atacaram e destuiram os prédios do World Trade Center, em Nova York. Esta atrocidade estava em cumprimento à doutrina da jihad encontrada na Lei Islâmica (Sharia). O ataque foi uma ação politicamente motivada por um mandato religioso em prol de uma jihad sem fim.
  • Livros-texto nos Estados Unidos precisam ser aprovados por conselhos islâmicos. Isto está de acordo com a Sharia.
  • Trabalhadores americanos, locais de trabalho e escolas se defrontam com exigências por tempo e espaço para as orações islâmicas. Essas exigências estão baseadas na Sharia.
  • O sistema bancário dos EUA está sendo islamizado com a Sharia Financeira. O sistema bancário está ser tornando condescendente à Sharia em termos de lei financeira, porém totalmente ignorante sobre a totalidade da Lei Islâmica.
  • Universidades recebem pedidos para proverem piscinas e outras salas onde exista segregação entre os sexos para as mulheres muçulmanas.
  • Hospitais são processados por não proverem tratamentos que satisfazam a Sharia.
  • Nenhum curso universitário usa de pensamento crítico ao lidar com a história da doutrina do Islão. Segundo a Sharia, nada sobre o Islão pode ser criticado.
  • Caridades islâmicas fazem contribuições para os jihadistas (terroristas islâmicos) conforme prescrito na Lei Islâmica.
  • Salas para a lavagem dos pés antes das orações islâmicas estão sendo instaladas nos aeroportos, obras pagas pelos contribuintes americanos. Isto é de acordo com a Lei Islâmica.
  • As prisões americanas tornaram-se um reduto usado para conversão de detentos para o Islão.
  • Os locais de trabalho tem se tornado em locais de culto islâmico através de salas especiais e tempo para as orações. Isto de acordo com a Sharia.
  • Refugiados islâmicos trazem suas esposas para bem-estar social e tratamento nos EUA. As autoridades americanas não reagem nem mesmo quando evidências lhes são apresentadas. Poligamia é Sharia pura.
  • Os EUA estão lutando duas guerras, no Afeganistão e no Iraque, para implementar constituições onde o seu artigo primeiro declara a supremacia da Lei Islâmica.
PORQUE NÓS PRECISAMOS CONHECER A SHARIA?

Os estudiosos e doutores do Islão afirmam: a Lei Islâmica é perfeita, universal e eternal. As leis dos EUA são temporárias, limitadas e passarão. É o dever de qualquer muçulmano obedecer as leis de Alá, a Sharia. As leis dos EUA (Nota do Tradutor - bem como as leis do Brasil) são feitas pelos seres humanos; enquanto que a Sharia é uma lei sagrada vinda do único deus legítimo: Alá.

SHARIA: A Sharia está baseada nos princípios encontrados no Alcorão e outros livros político-religiosos. Não existem princípios comuns entre a lei dos EUA (Nota do Tradutor - ou a lei brasileira) e a Sharia.

Sob a Sharia:

• Não existe liberdade de religião.
• Não existe liberdade de expressão.
• Não existe liberdade de pensamento.
• Não existe liberdade de expressão artística.
• Não existe liberdade de imprensa.
• Não existe igualdade entre as pessoas – um não-muçulmano, um kafir, nunca é igual a um muçulmano
• Não existe proteção igual sob a Sharia para classes diferentes de pessoas. A Justiça é dualista, com um conjunto de leis para os muçulmanos homens e outro conjunto de leis para mulheres e para não-muçulmanos.
• Não existem direitos iguais para as mulheres.
• Mulheres podem apanhar.
• Um não-muçulmano não pode possuir armas.
• Não existe democracia, pois democracia significa que um não-muçulmano é igual a um muçulmano.
• A nossa constituição, feita pelos seres humanos, é um documento de ignorancia, Jahiliyah, que deve se submeter à Sharia.
• Não-muçulmanos são dhimmis, cidadãos de terceira classe.
• Todos os governos devem ser regidos pela Sharia.
• Ao contrário da lei comum, Sharia não é interpretativa, nem pode ser alterada.
• Não existe “Regra de Outro”  (Nota do Tradutor - “Trate os outros como você trata a sí mesmo”).

A SOLUÇÃO

Este livro usa uma abordagem para conhecimento baseado em fatos, usando um pensamento analítico ou crítico. Quando voce terminar de ler, voce vai saber o que é a Lei Islâmica (Sharia). Mais importante, voce vai saber o embasamento da Sharia. Você irá alcançar uma compreensão sobre o Islão que a maioria no Ocidente não possui. O Islão vai começar a fazer sentido.

AS TRÊS VISÕES DO ISLÃO

Existem três pontos de vista com respeito ao Islão. O ponto de vista depende do que você pensa sobre Maomé. Se voce acredita que Maomé é o profeta de Alá, então voce é um crente. Se voce não acredita nisto, voce é um descrente. O terceiro é o de um apologista para o Islão. Apologistas não acreditam que Maomé foi um profeta mas são tolerantes com o Islão mesmo sem terem conhecimento sobre o ele.

Aqui vai um exemplo destas três visões sobre o Islão:

Em Medina, Maomé sentou-se o dia inteiro ao lado da sua esposa de 12 anos enquanto assistia as cabeças de 800 judeus serem removidas pela espada. [1]

As cabeças dos judeus foram cortadas porque eles haviam dito que Maomé não era o profeta de Alá. Os muçulmanos vêm essas mortes como necessárias porque negar a missão profética de Maomé era, e ainda é, uma ofensa contra o Islão. Eles foram decapitados porque decapitação é sancionada por Alá.

Descrentes vêm este evento como uma prova da violência “jihádica” do Islão e como um ato mau.      

Apologistas dizem que este foi um evento histórico; que todas as culturas tiveram violência no seu passado e que nenhum julgamento deve ser feito. Eles nunca leram nenhum dos livros fundacionais do Islão, mas falam sobre o Islão com autoridade.

De acordo com os diferentes pontos de vista, a morte dos 800 judeus foi:

• Uma tragédia.
• Um ato perfeito e sagrado.
• Um outro evento histórico. Nós fizemos pior.

Não existe uma visão “correta” do Islão, pois as visões não podem ser reconciliadas.

Este livro foi escrito por um ponto de vista dos descrentes. Tudo neste livro vê o Islão sob a perspectiva de como o Islão afeta os não-muçulmanos. Isto significa que a religião do Islão é de pouca importância. Um muçulmano vai se preocupar com a religião do Islão, mas todos os descrentes são afetados pelas visões políticas do Islão. 

Este livro discute o Islão como um sistema político. Ele não discute os muçulmanos ou a sua religião. Muçulmanos são pessoas e variam de uma região para outra.  Religião é o que uma pessoa faz para ir para o paraíso e evitar o inferno. Não é útil e nem necessário discutir o Islão como uma religião.

Nós precisamos conversar sobre o Islão no campo político, por que ele é um sistema político poderoso.


[1] A vida de Maomé, do inglês The   Life   of   Muhammad, escrito por Ishaq e traduzido por A. Guillaume,   Oxford   University   Press, 1982, página 464. (Nota do Tradutor - Este livro é a Sira de Ishaq)                        


CAPÍTULO 2

O QUE É SHARIA?

Sharia é a Lei Islâmica. A Sharia é a base para todas as exigências feitas pelos muçulmanos na nossa sociedade.

•   Quando muçulmanos pedem que as escolas tenham uma sala para a reza islâmica, eles estão pedindo pela implementação da Sharia.
•   Quando uma muçulmana usa o véu islâmico, ela está em obedecendo a Sharia.
•   Quando os nossos jornais não publicam os desenhos de Maomé feitos na Dinamarca, nossos jornais estão se submetendo às exigências da Sharia.
•   Quando exigências são feitas para os nossos hospitais tratarem as mulheres muçulmanas de modo diferente, isto é Sharia.
•   Quando nossos livros-texto têm que ser inspecionados por organizações muçulmanas antes de serem usados nas escolas, isto está de acordo com a Sharia.

O ataque aos prédios do World Trade Center foi perpertuado em aderência às regras de guerra, jihad, encontradas na Sharia. A Sharia é a base religiosa, politica e cultural de todos os muçulmanos.

Sharia está sendo implementada mais e mais nos Estados Unidos e, mesmo assim, não existe conhecimento sobre o que a Sharia realmente é, pois as escolas, públicas, privadas ou religiosas, não ensinam nada sobre ela.

AS BOAS NOVIDADES

O modo mais fácil de se aprender sobre o Islão é aprendendo sobre a Sharia. Através do aprendizado da Sharia voce é introduzido ao Alcorão e a Maomé de uma maneira prática.

Quando você conhece a Sharia, o Islão faz sentido. A maioria das pessoas acredita que o Islão é complicado ou até mesmo que ele é impossível de aprender, mas quando você conhece os seus princípios, o Islão é muito, muito lógico. Ele é baseado em uma visão diferente da lógica, conhecimento e ética humanas. Uma vez que voce compreende os princípios e a lógica, voce não apenas pode explicar a causa e o motivo do que está acontecendo, voce vai ser capaz de predizer o passo seguinte no processo.   

COMPREENDENDO OS NÚMEROS NAS REFERÊNCIAS

Antes de voce poder compreender a Sharia, voce deve aprender sobre os três livros que formam os fundamentos da Sharia.

Cada regra ou lei na Sharia é baseada em uma referência no Alcorão ou na Sunna, o perfeito exemplo de Maomé, encontrado em dois textos Hadice (tradições de Maomé) e Sira (biografia de Maomé). Cada uma das leis no Islão deve obrigatóriamente ter suas origens no Alcorão e na Sunna. 

Através da Sunna nós conhecemos os detalhes da vida de Maomé. Nós sabemos como ele limpava os seus dentes e qual o sapato ele calçava primeiro. Nós sabemos da Sunna porque nós temos a Sira e o Hadice.

Talvez voce tenha pensado antes que o Alcorão é a bíblia do Islão. Isto não é verdade. A bíblia do Islão é o Alcorão, a Sira e o Hadice; esses três textos podem ser chamados de Trilogia.

O Alcorão é uma pequena parte, apenas 14% do total de palavras, da doutrina do Islão. O texto devotado à Sunna (Sira e Hadice) é 86% do total da doutrina textual do Islão. O Islão é 14% Alá (Alcorão) e 86% Maomé (Sunna).

A Sharia não é nada mais do que uma condensação e extrapolação do Alcorão e da Sunna. Deste modo, é impossível compreender a Sharia sem um pouco de compreensão da doutrina encontrada no Alcorão, Hadice e na Sira. Abra qualquer página depois deste capítulo e você irá encontrar que a maioria dos parágrafos têm um número-índice.

Um manual clássico de Sharia é o The Reliance of the Traveller, N. Keller, Amana Publications. Este livro é muito autoritativo e também guarantido e certificado como acurado por cinco dos grandes doutores do Islão de hoje. Ele é composto por 1.200 páginas, escritas no século quatorze, e devotado a assuntos tais como: controle político dos não-muçulmanos, oração, jihad, testamentos e propriedades, regra dos tribunais de justiça, e uso da terra. Ele cobre aspectos legais e teológicos.

Aqui vai um parágrafo típico:  

o8.008.0 APOSTASIA (DEIXAR O ISLÃO) 

o8.108.1 Quando uma pessoa que tenha atingido a puberdade e é mentalmente sadia, voluntariamente deixa o Islão (torna-se um apóstata), ele merece ser morto.


[Bukhari 9,83,17] Maomé: “Um muçulmano que tenha admitido que não existe deus além de Alá e que eu seja o Seu profeta não pode ser morto a não ser por três motivos: como punição por assassinato, por adultério ou por apostasia.”

A referência “o8.1” é um número-índice no texto da Sharia, The Reliance of the Traveller. Este texto é dividido em divisões — a, b, c, ... Esta lei particular é encontrada na divisão o; seção 8; subseção 1. Com o número índice, o8.1, voce pode se referir diretamente à fonte, The Reliance of the Traveller.

No exemplo acima nós não apenas temos a lei, apóstatas (possoas que deixam o Islão) devem ser mortas, mas também a doutrina que dá embasamento à lei encontrada em um hadice, um texto sagrado usado junto com o Alcorão. Um hadice é o que Maomé disse ou fez.

Este hadice em particular é de Sahih al-Bukhari, uma das seis coleções de hadice canônicos dentro do Islão Sunita. Essas tradições proféticas, ou hadice, foram coletadas pelo doutor muçulmano Muhammad ibn Ismail al-Bukhari cerca de 200 anos após a morte de Maomé e  compilado durante a sua vida.  Esta é a mais autoritativa de todas as coleções de hadice. Sahih significa autêntico ou correto. Repare o número índice — 9,83,17. Este número de referência é como o número de um capítulo e verso, de modo que voce pode consultar o original. Todos os hadice, incluindo o de Bukhari, podem ser encontrados em vários sites de universidades.

Aqui está uma lei da Sharia apoiada no Alcorão:

o9.0 JIHAD

Jihad significa guerra contra os kafirs para estabelecer o Islão (Nota do Tradutor - Um kafir é um não-muçulmano).

Alcorão 2:216 Voce é mandado a lutar muito embora voce não goste disto. Você pode odiar algo que é bom para você, e amar algo que seja ruim para voce. Alá sabe e você não.

Acima, nós temos o texto da Sharia definindo o que é jihad, e depois a referência que o fundamenta. Novamente, você pode verificar a veracidade dos versos do Alcorão e a referência original, o9.0, no The Reliance of the Traveller.

Existe um último tipo de documento de referência usada para um texto fundamental. Vejamos um exemplo sobre “lidando com uma esposa rebelde”

m10.12 Quando um marido nota sinais de rebeldia ...

Ishaq 969 ... Homens devem estabelecer injunções leves para as mulheres porque elas são prisioneiras dos homens e não têm controle sobre as suas pessoas.

Acima nós temos a referência usual da Sharia, m10.12, que se relaciona ao The Reliance of the Traveller —  a referência original. O número-índice para Ishaq, 969, é uma nota de margem que permite a você consultar a Sira (a biografia de Maomé — The Life of Muhammad, A. Guillaume) e verificar a referência por você mesmo. 

CONFIÁVEL E COM AUTORIDADE

Isto é conhecimento baseado em fatos, e em pensamento e análise crítica. Tudo o que você vê aqui pode ser verificado independentemente.

Esta abordagem é muito diferente do que perguntar a um muçulmano ou a um “especialista” sobre o Islão ou a Sharia. Se um muçulmano ou qualquer especialista falar qualquer coisa sobre o Islão que vá contra o Alcorão ou a Sunna, então o especialista está errado. Se o especialista diz algo que concorda com o Alcorão ou com a Sunna, então o especialista está certo, muito embora redundante.

Uma vez quer voce conheça o Alcorão e a Sunna, conselho adicional não é mais necessário.

ISLÃO POLÍTICO

A maior parte da Trilogia não é sobre como ser um bom muçulmano. Ao invés disto, a maior parte do texto se dedica ao descrente. O Alcorão dedica 64% do total de palavras ao descrente e a Trilogia, como um todo, dedica 60% do seu texto para os descrentes.

O Islão não é apenas uma religião. O Islão é um civilização completa com um sistema político detalhado, uma religião e um sistema de códigos legais — a Sharia. Maomé pregou a religião do Islão por 13 anos em Mecca e conseguiu converter apenas 150 árabes. Ele foi para Medina e tornou-se um político e um Senhor da Guerra. Após 2 anos, todos os judeus estavam mortos, escravizados ou exilados.

Maomé esteve envolvido em um evento de violência, em média, a cada 6 semanas dos seus últimos 9 anos de vida [1]. Maomé morreu sem deixar um único inimigo vivo restante.

Este não foi um processo religioso, mas um processo político. Jihad é uma ação política com uma motivação religiosa. O Islão político é a doutrina que lida com os não-muçulmanos.

Maomé não foi bem sucedido com o seu programa de religião, mas ele triunfou com o seu processo político de jihad. A Sharia é uma implementação política da civilização islâmica.

A natureza política do Islão é o que cria a maior diferença entre a Lei Islâmica (Sharia) e a lei religiosa  Judáica (halakha). A lei judáica não tem nada o que dizer com respeito aos não-judeus e explicitamente diz que a lei local (do país onde os judeus residem) tem precedência sobre a halakha.

A Sharia tem muito o que dizer sobre os Kars e como eles devem ser tratados, subjugados e governados. A Sharia proclama supremacia política sobre a Constituição.

Não existe nada bom para os não-muçulmanos na Sharia. É por isso que cada descrente tem motivos para conhecer a Lei Islâmica, especialmente aqueles envolvidos com política, políciamento, regulamentação e assuntos legais. A Sharia possui aspectos legais dedicados ao descrente do mesmo modo que para o muçulmano. As atitudes e ações do Islão com respeito aos descrentes são de natureza política, e não religiosa.

Muito embora a Sharia viole todos os princípios da Constituição dos Estados Unidos (Nota do Tradutor - e também os princípios da Constituição do Brasil), ela está sendo implementada hoje porque os americanos desconhecem a Sharia ou o que ela significa.

SHARIA E INTERPRETAÇÃO

Quando confrontados com versos desagradáveis do Alcorão, o que é comumente dito é que o verdadeito significado do verso depende de como ele é interpretado. Por mais de mil anos, a Sharia tem sido a interpretação oficial e normativa para todo o Islão. A Sharia é o Alcorão e a Sunna interpretados pelos mais finos doutores e estudiosos do Islão. Eles dizem que não existe necessidade de olhar mais por interpretações; este trabalho já foi feito por mil anos. Assuntos novos no Islão devem ser avaliados e julgados de acordo com a Sharia, o código moral final e universal para toda a humanidade até o final dos tempos.

A Sharia está baseada no Alcorão e Sunna, ambos perfeitos e inalterados. A vasta maioria dos doutores e estudiosos do Islão argumentam que a Sharia é a vontade de Alá no passado e no presente. Ela deve ser implementada por todas as pessoas como a única lei sagrada em sua forma presente.

Qualquer mudança na Sharia deve ser baseada no Alcorão e na Sunna de Maomé, exatamente como o texto classico.

DETALHES TÉCNICOS

Se voce está lendo este livro e deseja saber mais, a maioria dos parágrafos possuem um número-índice. Voce pode consultá-los.  


    Alcorão 1:2 é uma referência para o Alcorão, capítulo 1, verso 2.


    Ishaq 123 é uma referência para a Sira de Ishaq, nota de margem 123.


    [Bukhari 1,3,4] é uma referência para Sahih Bukhari, volume 1, livro 3, número 4.


    [Muslim 012, 1234] é uma referência para Sahih Muslim, livro 12, número 1234.



[1] The Life of Mohammed, A. Guillaume, Oxford University press, 1955, página 660.



CAPÍTULO 3

MULHERES

Os doutores do Islão mantém que:
•    As leis na Sharia relativas às mulheres são as regras legais para as famílias islâmicas.
•    O Islão foi a primeira civilização a prover e garantir direitos das mulheres.
•    Maomé deu o exemplo perfeito de como as mulheres são protegindas no Islão.
•    As mulheres muçulmanas são tesouros e somo tesouros elas devem ser protegidas dos males do mundo do kar.
•    Os direitos das mulheres muçulmanas vêm de Alá.

SHARIA: A Sharia possui leis diferentes para grupos de pessoas diferentes. As mulheres são um dos seus casos especiais.

BATER NAS ESPOSAS

A grandiosa visão do Islão para com as mulheres é fornecida em um verso no Alcorão:


Alcorão 4:34 Alá fez os homens superiores às mulheres porque os homens gastam a sua riqueza para mantê-las. Portanto, as mulheres virtuosas são obedientes, e elas devem guardar as suas partes escondidas do mesmo modo que Alá as guarda. Com respeito às mulheres que você receie irão se rebelar, chame a atenção delas primeiro, e depois as mande para uma cama separada, e então bata nelas. Mas se elas forem obedientes depois disso, então não faça mais nada; certamente, Alá é exaltado e grande!

A SHARIA: lidando com esposas rebeldes


m10.12 Quando um marido nota sinais de rebeldia em sua esposa, quer em palavras como quando ela responde a ele de modo frio quando o seu costume é de fazê-lo de modo educado, ou ele a chama para a cama mas ela recusa, contrário do seu hábito usual; ou se em atos, como quando ele a acha adversa para ele quando anteriormente ela era gentil e agradável, ele chama a sua atenção em palavras sem deixar de ficar longe dela ou de bater nela, pois pode ser que ela tenha uma desculpa.
O aviso poderia ser dizer para ela, “Tema Alá com relação aos direitos que voce me deve,” ou poderia ser para explicar que rebelião nulifica a sua obrigação para sustentá-la e dar a sua vez dentre as suas outras esposas, ou poderia ser em informa-la, “A sua obediência para mim é um dever religioso.”
Se ela for rebelde, ele pode deixar de dormir com ela (ter sexo) e recusar a falar com ela, e pode bater nela, mas não de modo que a magoe, significando que ele não pode deixar marcas, quebrar ossos, feri-la ou causar derramamento de sangue. É ilegal bater no rosto dela. Ele pode bater nela se ela estiver rebelde apenas uma vez ou mais que uma vez, embora exista uma vertente de opinião mais fraca que diz que ele não pode bater nela a não ser que exista rebeldia repetidamente.

Ishaq 969 Ele [Maomé] também disse-lhes que os homens têm direitos sobre as suas esposas e as mulheres têm direitos sobre seus maridos. As esposas nunca devem cometer adultério ou agir em um modo sexual para outros. Se elas assim fizerem, elas devem ser colocadas em quartos separados e espancadas levemente. Se elas se contiverem daquilo que lhes é proibido, elas têm o direito a comida e roupa. Os homens devem estabelecer injunções leves para as mulheres pois elas são prisioneiras dos homens e não têm controle sobre as suas pessoas.

[Abu Dawud 11, 2142] Maomé disse: Um homem nunca será perguntado sobre o motivo que o levou a bater na sua esposa.

[Bukhari   7,62,132] O Profeta disse: “Nenhum de vocês deve açoitar a sua esposa como ele açoita um escravo e depois ter relação sexual com ela na última parte do dia.” A maior parte daqueles no inferno são mulheres.

A DOUTRINA DAS MULHERES

Existem várias maneiras nas quais as mulheres não possuem estatura completa na Sharia:

o22.1 A qualificações necessárias para ser um juiz islâmico são:
          (a) ser um homem livre […]

o4.9 A indenização para a morte ou ferimento de uma mulher é metade daquela paga para um homem.


[Bukhari 3,48,826] Maomé perguntou, “Não é o valor de testemunha ocular de uma mulher metade da de um homem? Uma mulher respondeu, “Sim.” Ele disse, “Isto é porque a mente da mulher é deficiente.”

L10.3 Eles dividem a partilha universal de modo que os homens recebem a porção de duas mulheres.


Alcorão 4:11 É deste modo que Alá ordena voces em relação às suas crianças: Um homem recebe a porção igual aquela de duas mulheres, [...]

O hadice abaixo iguala camelos, escravos e mulheres:


[Abu Dawud 11, 2155] Maomé disse: Se algum de vocês se casa com uma mulher ou compra um escravo, ele deve dizer: “O Alá, eu peço a Você para o bem nela, e pela disposição que Você deu a ela; Eu tomo refúgio em Você do mal que existe nela, e pela disposição que Você a deu.” Quando ele compra um camelo, ele deve segurar o topo da sua corcunda e dizer o mesmo tipo de coisa.

Mulheres são inferiores aos homens em inteligência e religião: 


[Bukhari 1,6,301]   Enquanto no seu caminho para rezar, Maomé passou por um grupo de mulheres e disse, “Senhoras, dêm para caridade e doem dinheiro para os menos afortunados, porque eu tenho testemunhado que a maior parte das pessoas no inferno são mulheres. Elas perguntaram, “Porque é isso?” Ele respondeu, “Vocês reclamam muito, e não mostram gratidão para os seus maridos. Eu nunca encontrei ninguém mais desprovido de inteligencia, ou ignorante da sua religião que as mulheres. Um homem cuidadoso e inteligente poderia ser enganado por voces.” Elas responderam, “No que exatamente nos falta em inteligência ou fé?” Maomé disse, “Não é verdade que o testemunho de um homem é igual ao testemunho de duas mulheres?” Depois delas afirmarem que isso era verdade, Momé disse, “Isto ilustra que mulheres são falhas em inteligencia. Não é também verdade que as mulheres não podem rezar nem jejuar durante o seu período menstrual?” Elas disseram que isso também era verdade. Maomé então disse, “Isto ilustra que as mulheres estão em falta na sua religião.”

O testemunho de uma mulher vale metade do testemunho de um homem.


Alcorão 2:282 Crentes! Quando voces contratarem um empréstimo por um certo período, escreva-o, ou, para ser justo, deixe que um escriba o escreva. O escriba deve escrever como Alá o ensinou. Deste modo, deixe o escriba registrar o que o devedor diz mantendo-se ciente do seu dever para Alá, e sem reduzir o valor devido. Se o devedor for ignorante e incapaz de ditar, permita que o seu guardião o faça com justiça. Chame dois homens como testemunhas, mas se dois homens não puderem ser encontrados, então chame um homem e duas mulheres que pareçam capazes para servirem de testemunha. Deste modo, se algumas das mulheres cometer um erro, a outra pode corrigi-la.

MUTILAÇÃO DA GENITÁLIA FEMININA, CIRCUNCISÃO DA MULHER

Infelizmente, o termo circuncisão tem sido aplicado tanto para indicar a remoção do prepúcio do homem quanto para indicar a remoção do clítoris da muher. Estas duas “circuncisões” não se comparam.


[Bukhari 7,72,,779] Maomé disse, “Cinco práticas são características dos profetas de antigamente, circuncisão, depilação dos cabelos pubianos, aparar os bigodes curtos, cortar as unhas, e depilação dos cabelos dos sovacos.”

O hadice abaixo se refere a circuncisão da genitália feminina. Ele supõe que tanto o homen quanto a mulher devem ser circuncisados:


[Muslim 003,0684] [...] Então, Abu Musa disse, “Quando é o banho obrigatório” Aisha respondeu, “Você perguntou a pessoa certa. Maomé disse que um banho é obrigatório quando o homen está envolto pela mulher e as suas genitálias circuncidadas se tocam”

Circuncisão é parte da Sharia. Aqui está a tradução enganosa:


e4.3 Circuncisão é obrigatória para homens e mulheres. Para os homens ela consiste na remoção do perpúcio do pênis, e para as mulheres, na remoção do prepúcio da clitoris (não da clitoris em sí, como alguns erroneamente afirmam).

Entretando, o que o texto em árabe diz de verdade é:


e4.3 Circuncisão é obrigatória (para cada homem e mulher) pela remoção do pedaço da pele da glande do homem, mas a circuncisão da mulher se dá pela remoção do clitoris (isto é chamado Hufaad).”

Esta tradução enganosa obscura a Sharia. Esta denganação é chamada de taqiyya, uma forma de enganação sagrada.

Na Batalha de Badr, nós temos uma referência ao costume da remoção do clitoris.

I564 Hamza disse, ‘Venha aqui, seu filho de uma mulher circuncisadora.’ Agora sua mãe era Umm Anmar, a melhor circuncisadora (uma que circuncisava garotas) em Meca. Então, Hamza feriu-o e matou-o.

o12.0 A PUNIÇÃO PARA FORNICAÇÃO


o12.6 Se a punição é apedrejamento, eles são para serem apedrejados, não interessa o tempo nem se eles estão doentes. Uma mulher grávida não é apedrejada até que ela tenha dado à luz e a criança não precise mais de amamentação.


[Muslim 017, 4206] Uma mulher veio até Maomé dizendo: Mensageiro de Alá, eu cometí adultério, [...] Quando ela tinha dado à luz ela veio com a crianção (envolta) em trapo e disse: Aqui está a criança a quem eu dei à luz. Ele disse: vá e amamente-a até que ela esteja desmamada. Quando a criança desmamou, ela voltou para ele com a criança segurando um pedaço de pão em sua mão. Ela disse, Apóstolo de Alá, aqui está ele pois ele está desmamado e come comida. Ele confiou a criança para um dos muçulmanos e então pronunciou a sentence punitiva. E ela foi colocada em uma vala até o seu peito e ele comandou as pessoas, e elas a apedrejaram.

MATAR EM DEFESA DA HONRA

Matar em defesa da honra não está diretamente incluída na doutrina da Sharia. Sharia estipula que uma mulher é inferior ao homem e permite espancamento para reforçar a primazia do homem, mas não confere matar em defesa da honra um status legal. Entretando, não existe punição para quem matar um adúltero:

o5.4 Não existe castigo para matar alguém que tenha deixado o Islão, que seja um ladrão de estrada ou um adúltero casado condenado.

e12.8 ... sem valor (aqueles que devem ser mortos) incluem ... adúlteros casados condenados ...

Isto parece incluir penalidades iguais para homens e mulheres, entretando, um homem tem vários modos legais de ter sexo, enquanto que a mulher é restrita apenas ao seu marido. Deste modo, é muito mais provável que a mulher seja morta (Nota do Tradutor - Um dos modos legais que os homens, e apenas eles, têm para ter sexo extra-conjugal são os casamentos temporários que homens têm direito, mutah na tradição Sunita, e sigeh na tradição Shiita).

O homem governa a mulher e o seu status na comunidade depende de como as suas mulheres se comportam. Ghira é um ciúme sagrado, até mesmo Alá tem ghira. Ghira também é respeito próprio e é uma base para matar em defesa da honra. Repare que neste hadice, a ameaça que Saed faz, de matar um homem caso ele seja encontrado com a sua mulher não é condenada, mas apoiada. Violência em defesa da ghira de um muçulmano é Islão na sua mais absoluta essência.

[Bukhari   8,82,829;   Bukhari   9,93,512] Saed bin Ubada disse, “Se eu visse um homem com minha esposa, eu iria acertá-lo com a lâmina da minha espada.” Esta notícia chegou até Maomé, que então disse, “Voces estão atônitos com a ghira (respeito próprio) de Saed. Por Alá, eu tenho mais ghira que ele, e Alá tem muito mais ghira do que eu, e por causa da ghira de Alá, Ele tornou ilegal feitos vergonhosos ou pecados feitos em aberto ou em segredo. [...]

A maioria das mortes em defesa da honra acontecem em sociedades islâmicas.


CAPÍTULO 4

LEI DE FAMÍLIA

Os doutores do Islão mantém que: A lei islâmica no tocante à Família é perfeita e sagrada pois ela é baseada nas palavras de Alá, contidas no glorioso Alcorão, e na the Sunna (tradições) de Maomé. Todas as outras leis são feitas pelo homem e devem se submeter à vontade de Alá. Deste modo apenas a Sharia é conveniente para os muçulmanos. É uma abominação para os muçulmanos serem governados pela lei dos kafirs.

A SHARIA:


m3.13 Existem dois tipos de guardiões, aqueles que podem compelir cobranças para suas mulheres se casarem com alguém, e aqueles que não podem.

m6.10 É ilegal para um homem livre se casar com mais do que quatro mulheres.


m8.2 Um guardião não pode casar sua filha pré-pubescente com alguém por menos que a quantia tipicamente recebida como pagamente pelo matrimônio de noivas semelhantes.

ADULTÉRIO



[Bukhari   3,38,508] Maomé disse, “Unais, confronte a esposa deste homem e se ela admitir ter cometido adultério ela dever ser apedrejada até a morte.”

[Bukhari 8,82,803] Ali teve uma mulher apedrejada até a morte em uma sexta-feira e disse “Eu a puní do mesmo modo que Maomé a teria punido.”

m10.4 O marido pode proibir sua esposa de sair de casa. Mas se um dos seus parentes morrer, é preferível deixá-la sair para visitá-los.

m5.0 DIREITOS CONJUGAIS, OBRIGAÇÕES CONJUGAIS DAS ESPOSAS


m5.1 É obrigatório para uma mulher deixar o seu marido ter sexo com ela imediatamente quando:

(a) ele pedir a ela

(b) em casa

(c) e ela possa fisicamente aguentar aguentar ter relações sexuais.


[Abu Dawud 11, 2138; 2139] Muawiyah disse: Apóstolo de Alá, como nós devemos nos aproximar de nossas esposas e como nós devemos deixá-las? Ele respondeu: Aproxime-se da sua lavoura quando e como voce desejar, ...

A coisa mais importante que a mulher traz para o casamento é a sua vagina:


[Bukhari 7,62,81] Maomé disse, “O voto matrimonial mais importante que se espera ser respeitado é o direito que o marido tem de usufruir da vagina da sua esposa.”

Alá amaldiçoa as esposas que resistem ao sexo:


[Bukhari 7,62,121] Maomé: “Se uma mulher recusa os pedidos do marido para sexo, os anjos irão amaldiçoa-la por toda o noite.”

Da Sira, nós aprendemos mais sobre os direitos dos maridos:


Ishaq 957 Maomé enviou Muadh para converter o Iêmen. Enquanto ele estava lá lhe foi perguntado sobre os direitos que um marido tem sobre a sua esposa. Ele respondeu para a mulher que o perguntou, “Se você fosse para casa e encontrasse o nariz do seu marido escorrento com puz e sangue e você o chupasse até que ele estivesse limpo, você ainda assim não teria cumprido com os direitos do seu marido.”

ESPOSAS-CRIANÇAS

Maomé, aos 51 anos, propôs casamento a Aisha quando ela tinha 6 anos de idade. Casar com uma criança é Sunna.

[Bukhari 7,62,18] Quando Maomé pediu Abu Bakr pela mão de Aisha em matrimônio, Abu respondeu, “Mas, eu sou seu irmão.” Maomé disse, “Você é apenas meu irmão na religião de Alá e no Seu Livro, deste modo, é legal para mim me casar com ela.”


CAPÍTULO 5

O KAFIR

Até agora, nós tolhamos para a Sharia em termos gerais, e, então, sobre a posição da mulher na Sharia. Agora, nós chegamos a um novo assunto — os descrentes ou não-muçulmanos. A palavra “não-muçulmano” é usada na tradução da Sharia, mas a palavra árabe usada é “Kar”. Contudo, a palavra Kar significa muito mais do que não-muçulmano. O significado original da palavra é “ocultador”, alguém que esconde a verdade do Islão.

O alcorão diz que o kar pode ser enganado, pode-se tramar contra ele, pode ser odiado, escravizado, humilhado, torturado ou pior. A palavra é usualmente traduzida como “descrente” mas esta tradução é errada. A palavra “descrente” é, lógicamente e emocionalmente, neutra, enquanto que a palavra kafir é mais abusiva, preconceituosa e odiosa em qualquer idioma.

Existem vários nomes religiosos para os kars: politeístas, idólatras, Povo do Livro (cristãos e judeus), budistas, ateístas, agnósticos e pagãos. A palavra kafir cobre todos eles, porque independente do nome religoso, eles podem ser tratados do mesmo modo. O que Maomé disse e fez com os politeístas pode ser feito com qualquer categoria de kar.

O Islão dedica uma grande quantidade de tempo para o kar. A maioria do Alcorão (64%) é dedicada ao kar, e quase toda a Sira (Biografia), 81%, versa sobre como Maomé lutou contra eles. Os Hadices (Tradições) dedicam 32% do texto aos kars [1]. No geral, a Trilogia dedica 60% do seu conteudo aos kafirs.


Percentagem de texto dedicado ao kafir




A Sharia não dedica tanto tempo para o kar pois a Sharia é primáriamente para os muçulmanos. Além do mais, o kafir possui poucos direitos, então existe pouco para ser exposto.

O Islão Religioso é que o os muçulmanos precisam fazer para ir para o Paraíso e evitar o Inferno. O que Maomé fez com os kars não foi religioso, mas político. O Islão Político é o que deve ser a preocupação dos kafirs, não a religião. Quem se incomoda como um muçulmano reza? Mas cada um de nós está preocupado com o que eles fazem e dizem sobre nós. Islão Político deve ser a preocupação de cada kafir.

Aqui estão duas referências da Sharia sobre os Kars:

w59.2 […] E isso clarifica os versos do Alcorão e os hadices sobre ódio pela causa de Alá, e amor pela causa da Alá, Al Walaa wa al Baraa, sendo inflexível com os kars, duro contra eles, e detestando-os, enquanto aceitando o destino de Alá, O Mais Alto, na medida em que isto é um decreto de Alá Poderoso e Majéstico.

Ódio pela causa de Alá e amor pela causa da Alá é chamado de Al Walaa wa al Baraa, um princípio fundamental da ética islâmica e da Sharia. Um muçulmano deve odiar o que Alá odeia e amar o que Alá ama. Alá odeia o kafir, deste modo, um muçulmano deve agir de acordo.


Alcorão 40:35 Eles [Kars] que disputam os sinais [versos do Alcorão] de Alá sem autoridade tendo alcançado-os, são odiados muito por Alá e pelos crentes [muçulmanos]. Então, Alá sela cada coração arrogante e desdenhoso.

h8.24 Não é permitido doar zakat [caridade] para um kafir, ou para qualquer um que ele seja obrigado a manter, como uma esposa ou algum membro da família.

Aqui estão algumas referências do Alcorão:

Um kafir pode ser ridicularizado —
83:34 Naquele dia, o fiel irá ridicularizar os kars, enquanto eles sentam sobre os sofás nupciais e os observam. Não devem os kafirs terem retribuição por aquilo que eles fizeram?

Um kafir pode ter sua cabeça cortada fora —
47:4 Quando voce encontrar os kafirs no campo de batalha, corte-lhes fora suas cabeças até que você tenha-os derrotado totalmente e então tome-os como prisioneiros e os amarre firmemente.

Pode-se tramar contra um kar —
86:15 Eles tramam e fazem esquemas contra você [Maomé], e Eu tramo e faço esquema contra eles. Deste modo, lide com eles calmamente e deixe-os sozinhos por enquanto.

Um kar pode ser aterrorizado —
8:12 Então o seu Senhor falou para Seus anjos e disse, “Eu estarei com vocês. Dêm força para os crentes. Eu irei enviar terror no coração dos kafirs, cortar fora as suas cabeças e até mesmo a ponta dos seus dedos!”

Um muçulmano não é amigo de um kar —
3:28 Crentes não devem ter os kafirs como amigos em preferência a outros crentes. Aqueles que fazem isso não terão nenhuma proteção de Alá e terão apenas eles mesmos como guardas. Alá te avisa para teme-Lo pois tudo retornará para Ele.

Um kafir é mau —
23:97 E diga: Oh meu Senhor! Eu procuro refúgio em Você das sugestões dos malvados [kafirs]. E eu busco refúgio em Você, meu Senhor, da presença deles.

Um kafir é desgraçado —
37:18 Diga-lhes, "Sim! E vocês [kafirs] serão desgraçados."

Um kafir é amaldiçoado —
33:60 Eles [kafirs] serão amaldiçoados, e onde quer que eles forem encontrados, eles serão presos e mortos. Esta era a prática de Alá, a mesma prática com aqueles que vieram antes deles, e você não encontrará mudança no modo de Alá.

KAFIRS E O POVO DO LIVRO

Muçulmanos dizem que cristãos e judeus são especiais. Eles são o “Povo do Livro” e são irmãos na fé Abraâmica. Mas no Islão voce é cristão, se, e apenas se, você acredita que Cristo foi um homem que era profeta de Alá; não existe Trindade; Jesus nunca foi crucificado e nem ressucitou, e Ele irá retornar para estabelecer a Sharia. Para ser um judeu verdadeiro, você deve acreditar que Maomé é o ultimo na linha dos profetas judáicos.

Este verso é positivo:
5:77 Diga: Ó, Povo do Livro, não se afaste dos limites da verdade na sua religião, e não siga os desejos daqueles que foram errados e levarem muitos para o caminho errado. Eles foram para o caminho errado ao invés do caminho certo.

A doutrina islâmica é dualista, então também existe uma visão oposta. Aqui está o último verso escrito sobre o Povo do Livro. Um verso mais recente ab-roga (anula) ou substitui um verso mais antigo. Sendo o último verso, é a palavra final. Este verso chama os muçulmanos a fazerem guerra contra o Povo do Livro que não acredita na religião da verdade, o Islão.

9:29 Faça guerra contra aqueles que receberam as Escrituras [judeus e cristãos] mas não acreditam em Alá nem no Último Dia. Eles não proíbem o que Alá e seu mensageiro proíbem. Os cristãos e judeus não seguem a religião da verdade até que eles se submetam e paguem a taxa [jizya] e sejam humilhados.


A frase “Eles não proíbem” significa que eles não aceitam a Sharia; “até que eles se submetam” significa submeter à Sharia. Cristãos e judeus que não aceitam Maomé como o profeta final são kafirs.    
Muçulmanos rezam 5 vezes por dia, e a oração de abertura inclui:

Alcorão 1:7 Nunca o caminho daqueles que o enervam [os judeus] e nem o caminho daqueles que perderam a direção [os cristãos].

A Trilogia dedica muito tempo com os judeus. Em Meca, a menção aos judeus é geralmente favorável. Entretanto, em Medina, os judeus eram inimigos do Islão porque eles negaram Maomé como o profeta final. Aqui estão os dados sobre os textos da Trilogia e os judeus [2]. Repare que a Trilogia possui mais ódio aos judeus do que o Mein Kampf [escrito por Hitler].


Texto anti-judáico na Trilogia




LINGUAGEM



Como a palavra árabe original para os descrentes foi kafir e é esta a palavra usada no Alcorão e na Sharia, esta é a palavra usada aqui por uma questão de precisão e acurácia.

É muito simples: se voce não acredita em Maomé e no seu Alcorão, voce é um kafir.


[1] http://cspipublishing.com/statistical/TrilogyStats/AmtTxtDevotedKafi r.html


[2] http://cspipublishing.com/statistical/TrilogyStats/Amt_anti-Jew_Text.html



CAPÍTULO 6

JIHAD

Jihad é parte da Lei Islâmica (Sharia).


DA SHARIA:


o9.0 JIHAD


    Jihad significa guerra contra os Kars para estabelecer a Lei Islâmica. 


Alcorão 2:216 Você é ordenado para lutar, muito embora você não goste disto. Você pode odiar algo que seja bom para você, e amar algo que seja mal para você. Alá sabe e você não.


Alcorão 4:89 Eles o teriam feito Kars como eles de modo que vocês seriam iguais. Deste modo, não os tome como amigos até que eles tenham abandonado suas casas para lutar na causa de Alá [jihad]. Mas se eles voltarem, encontre-os e mate-os onde quer que eles estejam.


O mundo inteiro deve se submeter ao Islão; os Kars são os inimigos pelo simples fatos deles não serem muçulmanos. Violência e terror são feitos sagrados pelo Alcorão. Paz vem apenas com a submissão ao Islão.


O Islão Político, jihad, é universal e eterno.

[Muslim 001,0031] Maomé: “Eu fui ordenado a fazer guerra contra a humanidade até que eles aceitem que não existe deus exceto Alá e que eles acreditem que eu sou o Seu profeta e aceitem todas as revelações faladas por meu intermédio. Quando eles fizerem essas coisas eu irei proteger as suas vidas e suas propriedades exceto quando especificado diferentemente pela Sharia, neste caso os seus destinos estão nas mãos de Alá.”

[Bukhari 4,52,142] Maomé: “Batalhar os Kars na jihad, mesmo que um apenas por um dia, vale mais do que o mundo inteiro e tudo o que existe nele. Um pequeno pedaço no paraíso, menor do que o da sua colheita, é maior do que o mundo inteiro e tudo o que existe nele. Uma viagem de um dia ou uma noite durante a jihad é maior que o mundo inteiro e tudo o que existe nele.”


o9.1 O CARÁTER OBRIGATÓRIO DA JIHAD


A Jihad é uma obrigação comunitária. Quando pessoas suficientes a praticam, ela não é mais obrigatória sobre outros.


Alcorão 4:95 Os crentes que ficam em casa por segurança, exceto aqueles que tenham alguma deficiência, não são iguais àqueles que lutam com suas riquezas e suas vidas na causa de Alá [jihad].


[Bukhari 4,52,96] Maomé: “Todo aquele que fornece armas para um jihadista será recompensado do mesmo modo que o jihadista; qualquer um que fornece cuidado próprio para os dependentes dos guerreiros santos será recompensado do mesmo modo que um jihadista o seria.”


QUEM É OBRIGADO A LUTAR NA JIHAD


o9.4 Todos os homens capazes que tenham atingido a puberdade.


OS OBJETIVOS DA JIHAD



o9.8 O califa (líder supremo que é um rei e um líder religioso) faz guerra contra os judeus e os cristãos. Primeiro ele convida-os para o Islão; depois, ele convida-os para pagar a jizya (imposto sobre os Kars). Se eles rejeitarem a conversão ou a jizya, então, ataque-os.

Alcorão 9:29 Faça guerra sobre aqueles que receberam as escrituras [judeus e cristãos] mas não acreditam em Alá ou no Último Dia. Eles não proíbem o que Alá e seu mensageiro proibiram. Os cristãos e os judeus não seguem a religião da verdade até que eles se submetam e paguem o imposto [jizya] e sejam humilhados.


o9.9 O califa luta contra todos os outros povos [kars] até que eles se tornem muçulmanos.


OS ESPÓLIOS DA GUERRA


o10.2 Qualquer um que matar ou incapacitar um kar, pode tomar para sí o que ele puder.


[Bukhari 4,53,351] Maomé: “Alá fez legal para mim tomar posse dos espólios da guerra.”


Alcorão 8:41 Saiba que um quinto de todos os espólios de guerra [tradicionalmente, um líder fica com um quarto] pretence a Alá, para o Seu mensageiro, para a família do mensageiro, os órfãos, e os viajantes em necessidade.


Como a jihad pode ser feita pelos muçulmanos contra os kar, com a motivação apropriada, roubar os kafirs é jihad.


MORRENDO NA JIHAD—MARTÍRIO


Um mártir muçulmano é aquele que mata para Alá e pelo Islão. Mas esta matança deve ser pura e devotada apenas para Alá. Se a motivação for pura, então o jihadista irá alcançar o Paraíso ou ser capaz de tomar a riqueza do kar.

[Bukhari 1,2,35] Maomé disse, “O homem que se junta à jihad, compelido por nada mais do que sincera crença em Alá e Seu Profeta, e sobrevive, será recompensado por Alá na outra vida ou com os espólios de guerra. Se ele for morto em batalha morrendo como um mártir, ele será admitido no Paraíso.”

Alcorão 61:10 Crentes! Devo eu mostrar para voces uma troca lucrativa que os manterá longe de um tormento severo? Creiam em Alá e no Seu mensageiro e lutem valentemente pela causa de Alá [jihad] tanto com as suas riquezas quanto com as suas vidas. Seria melhor para voces, se voces apenas soubessem disso!


A EFICIÊNCIA DA JIHAD


Em Meca, Maomé foi um pregador religioso que converteu para o Islão cerca de 10 pessoas por ano. Em Medina, Maomé foi um guerreiro e político que converteu cerca de 10 mil pessoas para o Islão por ano. Ação política e jihad foram mais efetivas do que religião para converter os árabes para o Islão. Se Maomé não tivesse adotado política e jihad, teria existido apenas algumas centenas de muçulmanos quando ele morreu e o Islão teria falhado. A religião do Islão foi um fracasso, mas política combinada com religião foi um total sucesso.


O gráfico abaixo mostra com clareza o crescimento do Islão durante estas duas fases: a primeira fase em Meca, 150 seguidores após 13 anos; a segunda em Medina, 100 mil seguidores em 10 anos.





AS ESTATÍSTICAS DA JIHAD


Jihad ocupa uma granda parte do texto da Trilogia. Os versos relativos a jihad compõem 24% do Alcorão “revelado” em Medina, a parte política e final do Alcorão, e 9% da totalidade do Alcorão. Jihad ocupa até 21% do hadice de Bukhari e a Sira devota 67% do seu texto para a jihad [1]. Note como o dualismo do Alcorão é demonstrado pelo conteúdo dedicado a Jihad “revelados” em Meca e em Medina. O Alcorão de Mecca não possui jihad, sendo este o motivo pelo qual o Alcorão de Meca é o referenciado pelos muçulmanos e seus apologistas como propaganda do Islão.


Quantidade da Trilogia dedicada à Jihad




AS LÁGRIMAS DA JIHAD


Abaixo é apresentada um lista de mortes devido a jihad nos últimos 1.400 anos :


Cristãos ............................ 60 milhões
Hindus .............................. 80 milhões
Budistas ........................... 10 milhões
Africanos ......................... 120 milhões


Total  ..............................  270 milhões


Essas mortes são chamadas de Lágrimas da Jihad.  


[1] http://cspipublishing.com/statistical/TrilogyStats/Percentage_of_Trilogy_Text_Devoted_to_Jihad.html


[2] The Submission of Women and Slaves, CSPI Publishing, página 181.

JIHAD




CAPÍTULO 7

SUBMISSÃO E DUALISMO

Como a Sharia é baseada no Alcorão e na Sunna de Maomé, é inevitável que a Sharia contenha os mesmo princípios fundacionais. O primeiro princípio do Islão é que o mundo inteiro deve se submeter a Alá e seguir a Sunna (exemplo) de Maomé. Isto implica que muçulmanos devem se submeter à Sharia. O kafir é subjugado cada vez que ele é mencionado na Sharia. Não existe igualdade entre um muçulmano e um kafir: o kafir é politicamente inferior.


A Sharia ordena que nossas instituições se submitam ao Islão. Nossas escolas devem se submeter em termos de como elas ensinam sobre o Islão. Nossa imprensa deve apresentar o Islão sempre em bons termos. Cada aspecto da nossa civilização deve se submeter. O que isso significa no dia-a-dia é que se o Islão exige que ocorram orações nas escolas, e nós devemos fazer o que eles pedem.


Jihad é uma exigência pela submissão total e, se o kafir não se submeter por sua vontade, força pode ser usada. O dhimmi deve se submeter de um modo formal para o Islão político.


DUALISMO


O kafir e a jihad são partes da Sharia. A Sharia possui dois conjuntos de leis — um para os muçulmanos e outro para os kafirs. Os kafirs não são tratados como iguais, mas como inferiores. Isto é dualismo legal.


O Islão mantém duas visões sobre quase qualquer assunto relativo aos kafirs. Aqui segue um exemplo de tolerância no Alcorão:


Alcorão 73:10 Ouça para o que eles [Kars] dizem com paciência, e deixe-os com dignidade.


Da tolerância nós nos movemos para a intolerância:


8:12 Então o seu Senhor falou para Seus anjos e disse, “Eu estarei com você. Dê força para os crentes. Eu irei enviar terror no coração dos kafirs, cortar fora as suas cabeças e até mesmo a ponta dos seus dedos!”


SUBMISSÃO E DUALISMO


O Alcorão é tão cheio de contradições que ele próprio provê um método para resolver o problema, chamado ab-rogação.


Ab-rogação significa que um verso mais recente (Nota do Tradutor - revelado em Medina) é mais forte do que um verso mais antigo (Nota do Tradutor - revelado em Meca). Entretanto, ambos versos são verdadeiros, pois o Alcorão é a exata, precisa palavra de Alá. Comparando os dois versos acima, o primeiro verso é mais antigo, portanto, mais fraco. É sempre deste modo. O verso mais antigo, fraco é “bom”, sendo abrogado pelo verso mais recente, mais forte e “mau.”

A “verdade” dos versos antigos, revelados em Meca, é demonstrada pelo fato de que o Alcorão de Meca é o citado pelos muçulmanos e apologistas. Eles podem ser ab-rogados, mas ainda são usados como verdade sagrada do Alcorão.


Falando em termos práticos, isso significa que os versos antigos são usados quando o Islão é fraco, e os versos mais recentes são usados quando o Islão é forte. Este comportamento está em paralelo com a vida de Maomé.


A carreira de Maomé teve duas fases distintas. Em Meca, Maomé foi um pregador religioso. Mais tarde, em Medina, ele se tornou um político e guerreiro e tornou-se muito poderoso. Os versos do Alcorão de Meca dão conselhos de Alá para quando o Islão for fraco e os versos do Alcorão de Medina dizem o que fazer quando o Islão for forte. Quanto mais forte Maomé ficava, mais dura se tornava a sua jihad contra os kafirs. O Alcorão oferece o conselho apropriado para cada muçulmano para cada estágio.


Efetivamente, existem dois Maomés e dois Alcorões que se contradizem mutuamente. O Alcorão religioso e pacífico de Meca é contradito pelo Alcorão de Medina, que veio depois, e é político e jihadista. Mas o Alcorão de Meca ainda é correto e pode ser usado. São esses versos mais antigos, do Alcorão de Meca, que nós ouvimos daqueles que apoiam o Islão.


Como as ações de Maomé são o perfeito padrão de comportamento, suas ações estabeleceram a ética dualista do Islão. O dualismo dá ao Islão uma flexibilidade e adaptabilidade incríveis.


ÉTICA DUALISTA


O Islão não têm uma Regra de Ouro (Nota do Tradutor - Tratar o outro como você deseja ser tratado). A própria existência da palavra “kar” no texto sagrado significa que não existe Regra de Ouro, porque ninguém deseja ser tratado como os kafirs foram tratados por Maomé. Os kars foram mortos, torturados, escravizados, estuprados, roubados, enganados, humilhados e ridicularizados.

[Bukhari 9,85,83] Maomé: “Um muçulmano é um irmão dos outros muçulmanos. Ele nunca deve oprimí-los e nem facilitar a sua opressão. Alá irá satisfazer as necessidades de quem satisfaz as necesidades dos seus irmãos.”


O Islão não tem uma ética comum para a Humanidade. Ao invés disso, o Islão tem uma ética dualista. Existem duas regras: um muçulmano é irmão de outro muçulmano. Um muçulmano trata um kafir como um um irmão ou como um inimigo.


Também, no Islão, algo que não é verdade não é necessariamente uma mentira:


[Bukhari 3,49,857] Maomé: “Um homem que traz paz para as pessoas inventando boas palavras ou dizendo coisas belas, muito embora falsas, não está mentindo.”


Um juramento de um muçulmano é flexível:


[Bukhari 8,78,618] Abu Bakr manteve a suas promessas fielmente até que Alá revelou para Maomé a expiação por quebrá-las. Depois, ele disse, “Se eu faço uma promessa e depois descubro uma promessa mais valiosa, então eu vou tomar a melhor ação e fazer remendos para a minha promessa anterior.”


Maomé disse repetidamente para os muçulmanos enganarem os kars sempre que isso ajudar o avanço e a propagação do Islão.


[Bukhari 5,59,369] Maomé perguntou, “Quem irá matar Ka’b, o inimigo de Alá e Maomé?”


Bin Maslama levantou e respondeu “O Maomé! Te agradaria se eu o matasse?”


Maomé respondeu, “Sim.”


Bin Maslama então disse, “Dê-me permissão para enganá-lo com mentiras de modo que o meu plano tenha sucesso.”


Maomé respondeu, “Você pode falar falsamente com ele.”


[Bukhari 4, 52, 268] Maomé disse, “Jihad é engodo” (Nota do Tradutor - ação de enganar ardilosamente).


O Islão tem uma palavra para o engodo que permite o avanço das suas causas: taqiyya. Taqiyya é a mentira sagrada.


Mas um muçulmano nunca mente para outro muçulmano. Uma mentira nunca deve ser dita a não ser que não exista nenhum outro meio para terminar a tarefa. Al Tabarani, em Al Awsat, disse, “Mentiras são pecados exceto quando ditas para o bem-estar de um muçulmano ou para salvá-lo de algum desastre.” [1]


AMIZADE


A dualidade islâmica inclui a doutrina de amizade. Existem 12 versos no Alcorão que declaram que um muçulmano não é amigo de um Kar. Aqui estão dois exemplos:


Alcorão 4:144 Crentes! Não tomem os kars como amigos em detrimento de outros crentes. Você daria a Alá uma razão clara para puni-lo?


Alcorão 3:28 Crentes não tomam os kars como amigos em preferência a outros crentes. Aqueles que fazem isso não tem a proteção de Alá e terão apenas eles mesmos como guardas. Alá o avisa a teme-Lo porque tudo irá retornar para Ele.

ESCRAVIDÃO

O dualismo dita que um kar pode ser escravizado, mas é proibido escravizar um muçulmano. Se um escravo se converte para o Islão, então existe um benefício em libertá-lo, mas não existe benefício algum em libertar um escravo kar.


[Bukhari 3,46,693] Maomé disse, “Se um homem liberta um muçulmano, Alá irá libertá-lo do fogo do inferno de mesmo modo que ele libertou o escravo.” Bin Marjana disse que, depois que ele contou esta revelação para Ali, o homem libertou um escravo por quem ele tinha uma oferta de mil dinares oferecida por Abdullah.


AL WALAA WA AL BARAA—AMOR SAGRADO E ÓDIO SAGRADO


A Sharia ensina o princípio de ética dualista de “amar o que Alá ama e odiar o que Alá odeia.” Isso inclui ter uma aversão ao sistema político do kafir, tal como lei constitucional, e amar a Sharia. Este princípio está por detrás das exigências pela implementação da Sharia nos Estados Unidos. Não interessa o modo feito pelo kafir, ele não é para ser imitado porque Alá odeia todas as manifestações dos kafirs.


[1]  Bat Ye’or, The Dhimmi (Cranbury, N.J.: Associated University Presses, 2003), 392.





CAPÍTULO 8

O DHIMMI

Os doutores do Islão afirmam: o Islão é uma religião irmã do cristianismo e judaismo; sob o Islão, os cristãos e judeus que se tornam dhimmis, são cuidados e protegidos.


Quando Maomé se mudou para Medina, a metade da sua população era de judeus e ele os aniquilou. Depois disto, ele virou a sua atenção para a riqueza dos judeus de Khaybar. Ele os atacou sem provocação e os esmagou. Eles perderam toda a sua riqueza e foram deixados em um situação política de terceira-classe como dhimmis. Os judeus foram submetidos à Sharia, perderam todo o seu poder político, mas eles ainda podiam ser judeus. Como dhimmis eles tinham que pagar uma taxa annual chamada jizya, metade da sua renda.


Da Sharia:


O11.0 KAFIR COMO SÚDITOS DO ESTADO ISLÂMICO

o11.1 Um contrato formal (dhimma) é feito com os Cristãos e Judeus (mas não Mórmons [1]). Eles se tornam dhimmis.


o11.3 Os dhimmis devem seguir a leis do Islão.
       •    Pagar a jizya, o imposto dos dhimmis.
       •     Se os dhimmis fizerem estas coisas, então eles são protegidos pelo estado. Eles são permitidos a praticarem as suas religiões, ter suas cortes próprias, e leis.


Aqui estãos as regras da Sharia para os dhimmi retiradas de um tratado com os cristãos em 637 DC. Estas regras são semelhantes para os judeus e outros.


O Tratado de Umar


  • Nós não iremos construir, nas nossas cidades ou arredores, novos mosteiros, igrejas, conventos, ou célula para monges, nem iremos consertá-los, de dia ou de noite, mesmo que eles caiam em ruinas ou sejam situados nos bairros dos muçulmanos.
  • Nós iremos manter os nossos portões abertos para os transeuntes e viajantes. Nós iremos dar comida e alojamento por 3 dias para todos os muçulmanos que passarem no nosso caminho.
  • Nós não iremos prover refúgio em nossas igrejas ou casas para qualquer espião, nem escondê-lo dos muçulmanos.
  • Nós não iremos manifestar a nossa religião em público e nem converter ninguém para ela. Nós não iremos impedir que qualquer um de nós se converta para o Islão se ele assim desejar.
  • Nós iremos mostrar respeito para os muçulmanos, e nós iremos levantar dos nossos assentos quando eles desejarem sentar.
  • Nós não buscaremos parecer como os muçulmanos imitando o modo que eles se vestem.
  • Nós não iremos montar em selas, nem cingir espadas, nem portar qualquer tipo de armas, nem carregá-las conosco.
  • Nós não iremos ter incrições em árabe nos nossos selos.
  • Nós não iremos fermentar bebidas (álcool).
  • Nós iremos cortar as franjas das nossas cabeças (manter um topete curto como sinal de humiliação).
  • Nós iremos sempre nos vestir do mesmo modo onde quer que estejamos, e nós iremos amarrar o zunar entorno das nossas cinturas (cristãos e judeus têm que usar roupas especiais).
  • Nós não iremos mostrar nossas cruzes ou os nossos livros nas estradas ou mercados dos muçulmanos. Nós iremos apenas usar chocalhos nas nossas igrejas, bem baixinho. Nós não iremos aumentar as nossas vozes quando seguindo os nossos mortos. Nós não tomaremos escravos que tenham sido determinados para pertencerem aos muçulmanos.
  • Nós não iremos construir casas mais altas que as casas dos muçulmanos.
  • Qualquer um que espancar um muçulmano com intençao deliberada perderá os direitos de proteção deste pacto. (Al-Turtushi, Siraj Al-Muluk, p. 229-230)
Além disto, o dhimmi não pode testificar em um corte islâmica, não possuindo, deste modo, recurso legal em qualquer discussão com um muçulmano. Um dhimmi não pode criticar Maomé ou falar com um muçulmano sobre cristianismo.


A Sharia e o dhimmi explicam como as nações cristãs da Turquia, Egito, Norte África, Libano, Síria, Iraque e Etiópia tornaram-se islâmicas. A jihad colocou os muçulmanos com o controle político e estableceu a Lei Islâmica (Sharia). Então, todos os cristãos se tornaram dhimmis. Séculos de imposto jizya  e status de terceira-classe levaram-os a se converter. Foi a Lei Islâmica e o status de dhimmi que destruiram o cristianismo nas terras islâmicas. A civilização ocidental não tem capacidade para sobreviver sob a Lei Islâmica (Sharia).


[1] O manual de lei islâmica The Reliance of the Traveller foi escrito no século 14. A inclusão dos Mórmons foi uma extrapolação.







CAPÍTULO 9


ESCRAVIDÃO

Sharia: a versão corrente do manual de Lei Islâmica, The Reliance of the Traveller, contém um vestígio da extensa doutrina de escravidão do Islão. A Seção k 32.0, Manumission, da Sharia foi deixada sem tradução. Ao invés, existe um editorial apologético sobre escravidão como algo que o Islão iria abolir assim que fosse possível. Isto é taqiyya, o engodo sagrado. O Islão tem sido o mais poderoso escravizador dentre todas as ideologias que existiram ou existem. O Islão foi construído sobre a escravidão.


MAOMÉ E ESCRAVIDÃO


A palavra escravo possui uma conotação positiva no Islão. Maomé se referiu a sí e aos muçulmanos como escravos de Alá. A segunda pessoa que Maomé converteu foi um escravo.


O próprio Maomé esteve envolvido em todos os aspectos da escravidão. Ele teve todos os homens descrentes mortos de modo que ele pudesse vender suas mulheres e crianças como escravas [1]. Ele deu escravos de presente [2]. Ele possuiu muitos escravos, muitos deles negros [3]. Ele passou escravas para outros com o propósito de satisfazer o desejo sexual de seus companheiros (homens) que eram os seus tenentes [4]. Ele deu apoio quando outros batiam nos escravos [5]. Ele compartilhou o prazer de sexo forçado com mulheres escravas depois das conquistas [6]. Ele capturou escravos e vendeu-os para obter dinheiro para financiar a jihad [7]. Uma das suas parceiras sexuais favoritas era uma escrava, que o deu um filho [8]. Ele recebeu escravas como presente de outros governantes [9]. Até mesmo o púlpito onde ele pregava foi construido por um escravo [10]. Ele comeu comida preparada por escravos [11]. Ele foi tratado medicamente por um escravo [12]. Ele teve um alfaiate escravo [13]. Ele declarou que um escravo que foje do seu dono não tem as suas orações atendidas [14]. E ele aprovou os donos de escravos de terem sexo com suas escravas [15].

ISLÃO E ESCRAVIDÃO


O Islão escravizou africanos, europeus (mais de um milhão deles), hindus, budistas, e qualquer um que estivesse no caminho da jihad. O Islão escravizou mais do que qualquer cultura. Muçulmanos não reconhecem, não se envergonham, e nem pedem desculpas com respeito a história de escravização de todas as raças e crenças.


Um fato pouco conhecido é que a escrava mais cobiçada e valiosa em Meca sempre foi a mulher branca. A Sunna é que a escrava sexual favorita de Maomé foi uma cristã de cor branca.


O Islão ainda pratica escravidão na Africa. Escravidão é encontrada na Arábia Saudia, Mauritânia, Sudão e outras áreas islâmicas próximas dos kars.


Históricamente, foi a ação política de cristãos que terminou a escravidão [16].


[1]    A. Guillaume, The Life of Muhammad (London: Oxford University Press, 1982), p. 466.


[2]     Ibid., p. 499.


[3]     Ibid., p. 516.


[4]     Ibid., p. 593.


[5]     Ibid., p. 295.


[6]     Ibid., p. 496.


[7]     Ibid., p. 466.


[8]     William Muir, The Life of Mohammed (AMS Press, 1975), p. 425.


[9]     Ibid., p. 425.


[10]    Bukhari, Hadice, Volume 1, Livro 8, Number 440.


[11]    Ibid., Volume 3, Livro 34, Number 295.


[12]    Ibid., Volume 3, Livro 36, Number 481.


[13]    Ibid., Volume 7, Livro 65, Number 344.


[14]   Muslim, Hadice, Livro 001, Number 0131.


[15]    Ibid., Livro 008, Number 3383.


[16]   Bernard Lewis, Race and Slavery in the Middle East, Oxford University Press, 1990, page 79.




CAPÍTULO 10

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

O QUE SE DIZ: o Islão é a religião da tolerância.


SHARIA: Apostasia significa deixar o Islão; para um muçulmano, deixar o Islão é um crime capital.

o8.o APOSTASIA DO ISLÃO


o8.1  Quando uma pessoa que tenha açançado a puberdade e for sã, voluntariamente deixa o Islão, ela merece ser morta.


No Islão, a opção de matar um apóstata, aquele que deixa o Islão, é especificada no Hadice e na história inicial do Islão após a morte de Maomé.


Quando Maomé morreu, tribos inteiras deixaram o Islão. As primeiras guerras lutadas pelo Islão foram contra estes apóstatas, e milhares foram mortos (Nota do Tradutor - Estas guerras são conhecidas como Guerras da Apostasia).


[Bukhari 2,23,483] Após a morte de Maomé, Abu Bakr tornou-se o Califa, e ele declarou guerra contra um grupo de árabes que reverteram ao paganismo.


[Bukhari 9,83,17] Maomé: “Um muçulmano que tenha admitido que não existe nenhum outro deus que Alá e que eu seja o Seu profeta não pode ser morto exceto por três motivos: punição por assassinato, por adultério, ou por apostasia.”


Não existe punição grande o suficiente para punir o apóstata.


[Bukhari 8,82,797] Algumas pessoas vieram até Medina e tornaram-se muçulmanos. Eles se tornaram doentes então Maomé os mandou para o lugar onde os camelos eram guardados e disse para eles beberem urina de camelo e leite como remédio. Eles seguiram o conselho, mas quando eles se recuperaram, eles mataram o pastor dos camelos e roubaram o rebanho. De manhã, Maomé ouviu o que os homens tinham feito e ordenour que eles fossem capturados. Antes do meio-dia, os homens foram capturados e levados até Maomé. Ele ordenou que eles tivessem as mãos e pés decepados e seus olhos furados com ferro quente. Eles foram então atirados nas pedras pontiagudas, seus pedidos por água foram ignorados e eles morreram de sede. Abu disse, “Eles eram ladrões e assassinos que abandonaram o Islão e reverteram ao paganismo, deste modo, eles atacaram Alá e Maomé.”


MATE O APÓSTATA        


[Bukhari 9,89,271] Um certo judeu aceitou o Islão, mas depois reverteu para a sua religião original. Muadh viu o homem com Abu Musa e disse, “O que fez este home?” Abu Musa repondeu, “ele aceitou o Islão, mas depois reverteu ao judaismo.”Muadh então disse, “É o veredito de Alá e Maomé que ele seja posto à morte e eu não irei me sentar até que você o mate.”


A idéia de liberdade de religião e pensamento é impossível no Islão. Submissão é a palavra chave e o cidadão ideal é um escravo de Alá. Todos devem se submeter ao Alcorão e a Sunna — Lei Islâmica (Sharia).


(Nota do Tradutor - Os pasíes islâmicos sempre se opuseram fortemente à esta forma específica de liberdade, ou seja, liberdade de consciência, como definida no Artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, afirmando que ela se choca com a Lei Islâmica. É por isso que os 57 países que compõem a Organização da Cooperação Islâmica redigiram e ratificaram a anti-ética Declaração de Cairo, que insiste que a Lei Islâmica exerce supremacia sobre todas as leis feitas pelos Homens.)


ARTE


Não existe limite à extenção e detalhes da Lei Islâmica. Todas as expressões de idéias e arte devem se submeter às proibições da Sharia.


r40.0 MÚSICA, CANÇÃO E DANÇA — INSTRUMENTOS MUSICAIS


r40.1 Instrumentos musicais devem ser banidos.
·    Flautas, instrumentos de corda e similares são condenados.
·    Aqueles que ouvirem cantores terão as suas orelhas enchidas com chumbo no Dia do Julgamento.
·    Canções criam hipocrisia.

r40.2 É illegal usar instrumentos musicais ou ouvir o mandolin, alaúde, címbalo e flauta. É permissível tocar o tamborim em casamentos, circumcisões, e outras horas, mesmo que ele tenha sinos nos lados. Bater em tambores é ilegal.


w50.0 A PROIBIÇÃO DE DESENHAR VIDA ANIMADA

w50.1 Deve-se entender que a proibição de se fazer pinturas é extremamente severa.


[Bukhari 7,72,843] Maomé começou a se sentir deprimido porque fazia um dia que o anjo Gabriel estava atrasado para uma visita. Quando Gabriel veio finalmente, Maomé reclamou do seu atraso. Gabriel disse para ele, “Anjos não entram em uma casa que contenha um cachorro ou uma pintura.”


IMITAÇÃO DO ATO CRIATIVO DE ALÁ


w50.2 Pinturas imitam o ato criativo de Alá.  


[Bukhari 4,54,447] Um dia eu [Aisha] criei um travesseiro acolchoado para Maomé e o decorei com pinturas de animais. Ele veio com outras pessoas um dia eu reparei um olhar de excitamento na sua face. Eu perguntei, “O que está errado?” Ele respondeu, “O que este travesseiro está fazendo aqui?” Eu respondi, “Eu o fiz para você de modo que voce possa deitar nele.” Ele disse, “Você não está ciente que os anjos não entram em uma casa com pinturas e que a pessoa que faz as pinturas será punida no Dia do Julgamento até que ela dê a vida aquilo que ela fez?”


p44.0 FAZENDO PINTURAS


p44.1 Aqueles que fazem pinturas queimam no inferno.


[Bukhari 8,73,130] Existia uma vez uma cortina com pinturas de animais sobre ela na minha casa [casa da Aisha]. Quando Maomé as viu, sua face ficou avermelhada com ódio. Ele rasgou a cortina e disse “Pessoas com pinturas como essas receberão as mais terríveis punições no inferno no Dia do Julgamento.”


LITERATURA


Toda a literatura deve se submeter às exigências da Sharia. Aqueles que ofendem o Islão devem ser assassinados, pois Maomé assassinou vários artistas. Salman Rushdie tem vivido sob ameaças de morte por ter escrito uma novela, Os Versos Satânicos. Houveram manifestações violentas e assassinatos quando as charges dinarmaquesas de Maomé foram publicadas. Theo Van Gogh and Pim Fortun, dois artistas holandeses, foram assassinados na Europa por “blasfêmia”contra o Islão.


Maomé matou vários artistas e intelectuais, tal como Kab, um poeta, que escreveu um poema criticando o Islão. Repare o emprego de mentiras.


[Bukhari 5,59,369] Maomé perguntou, “Quem irá matar Kab, o inimigo de Alá e Maomé?”


Bin Maslama levantou e respondeu “O Maomé! Te agradaria se eu o matasse?”


Maomé respondeu, “Sim.”


Bin Maslama então disse, “Dê-me permissão para enganá-lo com mentiras de modo que o meu plano tenha sucesso.”


Maomé respondeu, “Você pode falar falsamente com ele.”


Então Maslama foi até Kab e disse, “Maomé exije dinheiro de nós e eu preciso de dinheiro emprestado.”


Sobre isso, Kab disse, “Por Alá, vocês irão se cansar dele!”


Maslama disse, “Agora como nós temos o seguido, nós não queremos deixá-lo. Agora, nós precisamos que você nos empreste um camelo e comida.”


Kab disse, “Sim, eu irei emprestar-lhe comida, mas voce deve hipotecar algo para mim.”


Ele hipotecou as suas armas para ele e prometeu retornar naquela noite. Então, Maslama retornou com dois homens e disse para eles, “Quando Kab vir, eu irei tocar o seu cabelo e cheirá-lo, quando voces virem que eu tomei conta da sua cabeça, matem-o.”


Kab desceu ao seu encontro envolto em suas roupas e cheirando a perfume.


Maslama disse, “Eu nunca cheirei um odor tão bom quanto este. Voce permite que eu cheire a sua cabeça?”


Kab disse, “Sim.”


Quando Maslama conseguiu agarrá-lo com firmeza, ele disse aos seus companheiros, “Pegue-o!”


Então, eles o mataram e foram até o Profeta e o informaram.


[Uma outra pessoa] Abu Rafi foi morto depois de Kab Bin Al-Ashraf [por motivo semelhante].



Ishaq 819 Maomé disse aos seus comandantes para apenas matar aqueles que resistissem; de outro modo, eles não deveriam se incomodar com ninguém exceto aqueles que tinha falado contra Maomé. Ele então emitiu sentença de morte para aqueles que, em Meca, resistiram ao Islão. A lista daqueles que deveriam serem mortos era:

  • Um dos secretários de Maomé. Ele tinha dito que Maomé algumas vezes deixava inserir discursos melhores quando ele estava registrando as revelações do Alcorão de Maomé, e isso tinha feito o secretário perder a fé.
  • Duas garotas que tinha cantado sátiras contra Maomé.
  • Um muçulmano coletor de impostos que tinha se tornado um apóstata, deixando o Islão.
  • Um homem que tinha insultado Maomé.
  • Todos os artistas e personalidades políticas que tinham se oposto a ele.




CAPÍTULO 11

SHARIA FINANCEIRA

OS DOUTORES DO ISLÃO AFIRMAM: Sharia nanceira é finança sagrada e todas as pessoas religiosas e morais devem investir nos seus instrumentos financeiros. O dinheiro não será investido em álcool, tabaco, jogos, porco, arte ou qualquer outro tipo de negócio impuro.


Hoje, existe uma exigência crescente para os muçulmanos terem o seu próprio sistema financeiro e produtos financeiros complacentes com a Sharia. A Sharia nanceira faz malabarismos para evitar o pagamento de juros, o que é ilegal no Islão. O que acontece na verdade é que a Sharia nanceira cobra mais pelo uso do dinheiro, mas isso não é chamado de juros, e sim de “custo do leasing” (leasing cost).


A SHARIA: Sharia nanceira deve alocar parte do seu lucro para a zakat, a caridade Islâmica. A zakat deve ser usada para o seguinte:  

Alcorão 9:60 Caridade [a zakat] deve ser somente dada para os pobres e necessitados, para aqueles que a coletam, para aqueles cujos corações tenha sido conquistados pelo Islão, para resgates, para devedores, para lutar na causa de Alá [jihad], e para o viajante. Esta é a lei de Alá, e Alá é conhecedor e sábio.

A Sharia dedica várias páginas ao zakat. Ele é para ser paga a:


  • Muçulmanos pobres e necessitados, mas não para kars.
  • Aqueles que coletam a zakat.
  • Novos conversos ao Islão (para reforçar o Islão).
  • Para resgatar prisioneiros e escravos.
  • Lutar na causa de Alá  (jihad).
  • Viajantes.
AQUELES LUTANDO POR ALÁ

h8.17 A categoria lutando pela causa de Alá, significa pessoas engajadas na guerra islâmica, mas que não são parte de nenhum exército regular e nem recebem salário. Esses jihadistas devem ser pagos para cobrir gastos com armas, vestimento, refeições, viagens e outras despesas. Suas famílias também devem ser pagas.

h8.24 Não é permitido dar zakat ao Kar.

Quando nós participamos da Sharia nanceira, nós apoiamos:

  • Caridade apenas para muçulmanos, sendo que nenhuma caridade vai para os Kafirs.
  • Reforçar os muçulmanos recém-convertidos.
  • Os burocratas muçulmanos.
  • A Al Qaeda e outros jihadistas. Isto inclui dinheiro para as famílias dos “suicidas-bomba” ou qualquer outro jihadista que tenha morrido.

Dar dinheiro da zakat para a jihad não é teoria. Nós vimos o efeito prático da zakat com a Holy Land Foundation e outras caridades islâmicas. Em 2007, em Dallas, no Texas, o FBI processou com sucesso a Holy Land Foundation por financiar jihad (terrorismo).

Quanto nós participamos na Sharia financeira, ou qualquer outro aspecto da Sharia, nós nos tornamos moralmente parte do resto:

  • Abuso e subjugação das mulheres.
  • Matar os apóstatas.
  • Assassinato de artistas e escritores.
  • O crime ético da escravidão impenitente.
  • Cidadania de terceira classe para os Kafirs.
  • A morte de 270 milhões de pessoas nas Lágrimas da Jihad.

FACILIDADE E NECESSIDADE

A Sharia tem dois princípios que podem ser chamados de “facilidade” e “necessidade.” Fundamentalmente, facilidade e necessidade significa que se um muçulmano vive entre os kafirs, o muçulmano pode fazer negócios no modo do kafir.

w43.0 LIDANDO COM JUROS EM TERRITÓRIO INIMIGO 

w43.1 Muçulmanos podem pagar juros se eles vivem na dar al harb, o território da guerra (ou seja, se eles vivem entre os kafirs), significando que a Sharia não é a lei da terra.

Deste modo, muçulmanos podem pagar e receber juros nos Estados Unidos, de acordo com a Sharia. Porque então os muçulmanos desejam a Sharia financeira? Simples. O princípio de submissão entra em jogo. kafirs devem se submeter à Sharia em todos os aspectos, incluindo o bancário. Também, conceito do amor sagrado e o ódio sagrado, implica que o nosso sistema financeiro kafir deve ser destruído.

Repare que de acordo com a Sharia, os Estados Unidos são “território inimigo.” [Nota do Tradutor - O Brasil também]


CAPÍTULO 12

EXIGÊNCIAS

LÍDERES MUÇULMANOS EXIGEM: para que nós possamos praticar a nossa religião, vocês devem nos dar oração nas escolas, oração nos locais de trabalho, salas destinadas a oração nas escolas e locais de trabalho, comida especial (halal); dias sem trabalho para os feriados islâmicos; véus islâmicos no trabalho e véus no corpo inteiro (burkas) na prática de esportes. Os Kars nunca devem criticar qualquer aspecto que o Islão permite, tais como poligamia, jihad ou bater nas esposas. Os Kars devem fornecer suporte financeiro público [“bolsas”] para as várias esposas, dar tratamento especial para as mulheres muçulmanas nos hospitais, etc.


A SHARIA

A Sharia estabelece o processo completo e estratégia de imigração para dentro da nação do kafir e o que se deve fazer para islamizar a sociedade. Se voce deseja ver o futuro do Islão nos Estados Unidos [Nota do Tradutor - e também mais tarde no Brasil], leia a Sira (biografia de Maomé) de 1400 anos atrás.

Quando os muçulmanos chegam eles primeiro aceitam a sua nova casa. O primeiro passo é em anunciar que o Islão é uma religião irmã do cristianismo e judaismo. Diálogos e sessões de “construção de pontes” são oferecidas para a imprensa e para a comunidade do kafir. Eles também dizem que a Civilização Ociental é na verdade baseada na Era de Ouro do Islão.

Depois que estas afirmações são feitas e aceitas começam as exigências para alterações na nação do kafir. Aqueles que resistem a estas mudanças são chamados de intolerantes, islamófobos e racistas, muito embora nunca seja feito claro o porquê resistir ao Islão Político tem algo a ver com raça.    

OS LÍDERES DOS KAFIRS


Os lideres dos kafirs não sabem nada sobre o Islão e sobre a Lei Islâmica (Sharia). Eles conheçem vários muçulmanos que são pessoas boas e pensam que o Islão deve ser bom e os criadores de caso devem ser extremistas.

Os líderes dos kars não sabem nada sobre a ética dualista ou sobre submissão política. A principal motivação dos líderes dos kars é em ser gentil e se fazer de tolerante para os novos hóspedes. Uma segunda motivação é em não dizer ou fazer nada que possa levá-lo a ser chamado de intolerante ou racista.

O plano mestre das lideranças dos kars é baseado na lógica que se nós formos bons para os muçulmanos, os muçulmanos verão como nós somos bons e irão reformar o Islão. Mas, se o objetivo é a implementação da Sharia, e se o processo de implementação da Sharia tem funcionado sem falhas por 1400 anos, porque reformar o que não está quebrado?


A Sharia não pode ser reformada. Ela é a lei de Alá, perfeita, universal e completa.

AMOR SAGRADO E ÓDIO SAGRADO

A motivação emocional por detrás das exigências do Islão é o “ódio sagrado”, al Walaa wa al Baraa. Alá odeia os kafirs, a sua cultura e a sua estrutura política. Deste modo, qualquer um que ame Alá deve odiar o que Alá odeia e também deve ter uma aversão sobre as nossas leis e Constituição. Então, o Islão deve fazer exigências constantes para que os kafirs se submetam à Sharia.

PRIMEIRA EMENDA

O Islão é uma religião e os muçulmanos têm Liberdade de Religião sob a Primeira Emenda (Nota do Tradutor - O autor se refere a Primeira Emenda à Constituição dos EUA). Negar qualquer exigência religiosa do Islão é inconstituicional, de modo que nós devemos fazer tudo o que eles pedem, se o que eles pedem for religioso. Mas cada uma das exigências “religiosas” do Islão têm uma componente política. Abaixo, nós vemos os presentes especiais que Maomé recebeu de Alá:

[Bukhari 1,7,331] Maomé: A mim foram dadas cinco coisas que não foram dadas para nenhum outro antes de mim:


1. Alá me fez vitorioso pelo terror, por Ele ter amedrontado os meus inimigos para uma distância equivalente a uma jornada de um mês.


2.  A Terra foi feita para mim e para os meus seguidores, um lugar para orações e rituais; deste modo, qualquer um dos meus seguidores pode rezar em qualquer lugar quando a hora da oração tiver chegado.


3. Os espólios de guerra foram feitos legais para mim embora ilegais para quaisquer outros antes de mim.


4. A mim foi-me dado o direito de interceder no Dia da Ressureição.


5. Cada profeta foi enviado para a sua nação mas apenas eu fui enviado para toda a humanidade.

O papel das orações islâmicas é uma exigência política junto com a Jihad e a Sharia. O Islão exige que o Estado o sirva em cada uma das suas necessidades. Esta exigência visa a submissão política dos governos dos kafirs.

Os kafirs devem aprender a diferença entre religião e política. A jihad no World Trade Center foi uma ação política com motivação religiosa. As vítimas inocentes que pularam das Torres para as suas mortes, ao invés de serem queimadas vivas, não estavam fazendo parte de um cerimônia religiosa.

Quando os muçulmanos comandam orações públicas nas ruas, a oração pode ser religiosa, mas ocupar as ruas é uma ação puramente política.

As exigências pela Sharia em todas as suas formas, incluindo, por exemplo, orações islâmicas nas escolas, nos chama a adotar uma ação política, por exemplo, emitir diretivas aos Conselhos Escolares, gastar recursos com reuniões, etc. O ato de rezar pode ser religioso, mas ele requer uma ação política e suporte do Estado para acontecer.

As orações islâmicas têm uma motivação religiosa e um resultado político. Ela é uma exigência para submissão de toda a estrutura politica por uma ideologia que é fundamentalmente antagônica às leis, cultura e tradição dos EUA (Nota do Tradutor - Bem como as do Brasil).

Nós devemos reagir a todas as exigências políticas do Islão com uma resposta política.

FAZENDO FÁCIL E NECESSÁRIO

Os kars não têm que se acomodar às exigências do Islão.

A Sharia possui dois princípios que fornecem direção em situações quando os muçulmanos não podem praticar o Islão puro sob a Sharia. O nome técnico é tayseer, o que significa “tornar mais leve o peso” ou “tornando mais fácil”.

Alcorão 4:28 Alá deseja tornar mais leve a sua carga, pois o homem foi criado fraco.

Quando as circunstâncias são difícies e a Sharia não possui força, a carga do muçulmano é feita mais leve. Eles são obrigados a rezar e a não manipular porco, por exemplo. Mas se as circunstâncias forem difíceis, então os requerimentos se tornam leves. Isto leva ao conceito de darura, necessidade.

Se for necessário, o que é proibido torna-se permitido. Se um muçulmano está famindo e não existe comida halal (ou seja, que satisfaça a Sharia), então ele pode comer qualquer comida. Se um muçulmando está em um lugar onde ele não pode rezar, então a oração pode ser feita mais tarde. Se a Sharia não tiver sido ainda implementada, então um muçulmando pode manipular porco, por exemplo, sem consequências.

Abaixo, um exemplo do princípio da darura:

f15.17 É uma condição necessária para a permissibilidade de se juntar às orações (compensando orações perdidas) a pessoa que:
[...]
(5) Alguém que tema sofrer algum dano no seu ganha-pão.


Em resumo, se um muçulmano não pode rezar no trabalho ou na escola, isto pode ser compensado mais tarde. As exigências islâmicas são sobre “desejos” e não sobre necessidades. Se as exigências não são atendidas, não existe mal para a religião.


Outro exemplo de darura é encontrado na compra de seguro. Seguro é proibido na Sharia, mas se seguro de carro é requerido pelas leis do Kar, então a necessidade permite ao muçulmano comprar o seguro proibido.

Ao banir a Sharia, nenhuma das necessidades dos muçulmanos são violadas. Ao se banir a Sharia, restringe-se o Islão político sem restringir o Islão religioso.

Quando nós dizemos não para as orações islâmicas nas escolas, nós não estamos limitando nenhuma liberdade religiosa, mas protegendo os cidadãos kafirs contra as exigências do Islão político. Se um muçulmano não pode rezar nas horas indicadas, então a Sharia permite que ele faça as suas orações mais tarde. Não existe mal em atrasar uma oração.

Se a oração islâmica for permitida nas escolas, até onde vai a acomodação? Existem diversos elementos — preparação, uma sala especial, rituais de banho e dias especiais nos quais existem orações diferentes e com duração mais longa. Na forma final da oração islâmica, a sala deve ser usada apenas para oração islâmica e deve existir um encanamento especial instalado para a lavagem dos pés antes da oração. Porque o Estado tem que pagar por uma sala e pelo banho dos pés para o Islão?

Enquanto isso, o que deve fazer o professor enquanto os alunos estão fora para as orações? Se o professor ensinar algo que seja necessário para o próximo exame, não seria isso discriminação contra o Islão?

A oração não é um caso privado. Organizações islâmicas terão que vir e “explicar” sobre o Islão para os alunos.

Assim que as orações islâmicas estiverem instaladas, o que existe para impedir que surjam exigências para que a cozinha das escolas torne-se halal (ou seja, servindo apenas alimentos aprovados pela Sharia)? Porque os alunos kafirs devem se alimentar enquanto o jejum do Ramadã estiver em andamento? Considerando que o jejum enfraquece corpo e mente, porque os alunos muçulmanos não são isentos dos exames escolares durante o Ramadã? Porque não permitir que as atletas muçulmanas se vistam com roupas que satisfaçam a Sharia (burka, hijab, ... ) ao invés do uniforme dos times das escolas? Não pense que isso é um cenário imaginário. Submissão a este processo está em andamento na Inglaterra atualmente.

Então, vêm as exigências para a lei familiar segundo a Sharia. Depois disto, vêm as exigências para que os muçulmanos sejam considerados como “minorias” recebendo tratamento especial em nomeações, quotas de trabalho e direitos civis. Então, vêm os “tribunais islâmicos.” Uma vez que uma pequena parte do véu da Sharia cobrir parte da mesa, não existe nada que impeça um cumprimento completo da Sharia pela nação em detrimento do que diga a Constituição.

ARTIGO SEXTO

O Artigo 6 da Constituição dos EUA estabelece que a Constituição é o mecanismo legal mais importante não podendo ser subjugado por nenhum outro código legal  (Nota do Tradutor - artigo semelhante existe na Constituição do Brasil). A reivindicação fundamental da Sharia é que ela é a maior lei no mundo e que todos os outros códigos legais devem se submeter a ela. Existe uma grande contradição que está sendo ignorada enquanto a Sharia está sendo implementada sob a aparência de Liberdade Religiosa.

O Islão, enquanto religião, sempre teve uma componente política que deve ser acomodada. Como um exemplo oposto ao Islão, existem hoje nos EUA o mesmo número de budistas e de muçulmanos. Você poderia mencionar uma única exigência política que os budistas tenham feito nas escolas ou em qualquer outra área? Você conhece algum caso onde budistas tenham feito exigências para entrar nas escolas, negócios, polícia ou hospitais, fazendo exigências para que nós conheçamos e aprendamos sobre o Budismo e nos acomodemos às práticas budistas? Não, porque o Budismo é uma religião e não uma ideologia político-religiosa.

A religião do Islão exige que nós façamos uma acomodação política, pois o Islão é uma ideologia política como também uma religião.

O ataque da Sharia ao Artigo 6 não é direto, mas sim um ataque feito pelos lados. Veja, por exemplo, liberdade de expressão e liberdade da imprensa. Quando os cartoons dinarmaqueses sobre Maomé foram publicados, nenhum jornal dentre os principais jornais dos EUA os publicaram, pois os muçulmanos disseram que os cartoons eram uma blasfêmia e ofendiam o Islão. O resultado foi que nós seguimos a Sharia e não imprimimos os cartoons. Que político protestou contra a Sharia estar sendo implementada e a nossa Constituição sendo enfraquecida pela nossa submissão à Sharia?

A liberdade de expressão está sendo negada quando qualquer um que critique o Islão é chamado de intolerante, racista ou islamófobo. Presentemente, a Primeira Emenda (Nota do Tradutor - que estabelece liberdade de religião nos EUA) está sendo usada para destruir o Artigo 6. A doutrina política do Islão está sendo legitimizada sob a cobertura de liberdade de religião.

Como um assunto constitucional, nenhum aspecto da Sharia deveria ser permitido.




CAPÍTULO 13

APÊNDICE

ESTUDO ESTATÍSTICO DA DOUTRINA ISLÂMICA

Existe uma grande parte da doutrina islâmica dedicada a desigualidade entre homens e mulheres. O que é confuso para um não-muçulmano é que a doutrina possa ser contraditória.  O dualismo islâmico significa que existem duas escolhas, ambas igualmente verdadeiras. Um estudo estatístico da doutrina foi feito de modo que um visão mais ampla possa ser vislumbrada totalmente.

Cada verso ou hadice pode ser julgado sobre a posição da mulher na sociedade. Existem muitos versos que elogiam a mãe sobre todos os homens. Existem versos que dizem que mulheres e homens serão julgados igualmente por suas ações no Dia do Julgamento. Em muitos outras casos, não existe qualquer poderio no relacionamento; é uma referência neutra.

No processo usado para se gerar os gráficos abaixo, foram selecionam todos os textos que contém referência às mulheres. Então, os dados referentes às mulheres foram organizados em quatro categorias: status superior, status igual, status inferior e status neutro.  Uma referência neutra não possui qualquer informação hierárquica. Um exemplo de uma referência neutral seria o nome de uma mulher dentro de uma lista. Aqui estão os dados do Alcorão :

Status das Mulheres no Alcorão (Fração do texto no eixo horizontal: 12.066 palavras)







Agora, os mesmos dados retirados do Hadice:

Status das Mulheres no Hadice (Percentagem do Hadice: 331)




O ALCORÃO


Um dos livros fudamentais da Sharia é o Alcorão. Como o Alcorão é o mais famoso livro que nunca foi lido e nem compreendido pelos kafirs, isto parece um grande obstáculo em entender a Sharia.


O Alcorão é, na verdade, fácil de entender se você conhecer um fato histórico. Nós temos a história dos dias de Maomé e nós verificamos que os árabes anafalbetos não apenas entenderam o Alcorão como também discutiam o seu significado.


Eles podiam fazer isso porque eles estavam usando um Alcorão diferente do que se compra hoje em qualquer livraria. O Alcorão foi produzido vários anos após a morte de Maomé e foi organizado seguindo a ordem de tamanho do capítulo, por razões desconhecidas. Os capítulos mais longos foram colocados no começo e os capítulos menores no final. Imagine se você pegar uma novela, retirar a espinha-dorsal da estória, e reorganizar os capítulos por ordem de tamanho. A novela estaria destruida porque a trama teria sido eliminada. O Alcorão da livraria for reorganizado de forma aleatória e não faz sentido porque ele não tem estória e nem trama.


Se voce fosse um companheiro de Maomé, cada um dos versos faria sentido porque cada verso veio em resposta para a situação que Maomé estava em cada vez. Cada um dos versos possuia um contexto e poderia ser facilmente entendido.


Este Alcorão histórico pode ser reconstruído. Nós temos uma biografia detalhada de Maomé, chamada de Sira. Se nós pegarmos a Sira e colocarmos os versos do Alcorão correspondentes dentro da sua vida, nós iremos recriar o Alcorão. Qualquer um pode ler e entender o Alcorão histórico.

Quando isso é feito, torna-se claro que existem dois Alcorões diferentes. O primeiro Alcorão de Meca é religioso. O Segundo Alcorão, escrito em Medina, é muito político. É importante salientar que eles frequentemente se contradizem. Esta é a própria fundação do dualismo islâmico.


O Alcorão histórico tem um história. Ele começa com poesia sobre deus. Então, ele declara guerra a cada pessoa que não concorda com Maomé. Ele documenta o aniquilamento da cultura de tolerância nativa dos árabes kafirs. No final, todos os árabes foram submetidos, em cada detalhe, pela Sharia. A dominação política da Arábia dos kafirs estava completa.


Para mais informação:   www.politicalislam.com




LISTA DE LEITURA

A Sira


Mohammed and the Unbelievers, CSPI Publishing

Hadice


The Political Traditions of Mohammed, CSPI Publishing


O Alcorão


A Simple Koran or An Abridged Koran, CSPI Publishing


O melhor livro de consulta para cristãos ou judeus


The Third Choice, Mark Durie

Mulheres e Sharia


Cruel and Usual Punishment, Nonie Darwish


Informação geral


Stealth Jihad, Robert Spencer


Why I Am Not a Muslim, Ibn Warraq


They Must Be Stopped, Brigitte Gabriel






44 comentários:

Anônimo disse...

Não há qualquer livro da sharia de maomé, e nem sequer há corão do mesmo.
O islam é baseado em falsificações em cima de falsificações para servir interesses de bandidos e seus lacaios.

Anônimo disse...

Muita coisa errada, só para deixar registrado, esse alcorão que tu compra na livraria não é o alcorão, o alcorão nunca foi manipulado, inclusive segue o desafio descrito no próprio alcorão em se fazer uma sura igual, pois jamais fizeram, por isso o alcorão é unicamente aceito em árabe. E por ae vai...

José Atento disse...

Resposta ao comentário do "Anônimo" acima.

Prezado Anônimo: muito obrigado pelo seu comentário. Ele oferece oportunidade para esclarecer algumas coisas

1. Você diz “Muita coisa errada.” Porém, você não indica o que está errado e isso é inútil. Se você indicasse o que está errado seria um exercício bastante interessante e útil, principalmente para ajudar você a abrir os seus olhos. Se você pesquisar, voce vai ver que a lei islâmica é isso mesmo que o livro descreve.

2. Você diz que o “Alcorão nunca foi manipulado.” Isso não é verdade. As fontas islâmicas narram que o Califa Uthman queimou uma quantidade enorme de alcorões que divergiam entre sí buscando uma versão única, que apenas seria (quase) alcançada muito tempo depois pelo Califa Muawiyah. E mesmo assim isso não adiantou. Existem hoje duas versões diferentes do Alcorão no mundo sunita: a transmissão Warsh encontrada no Ocidente e no Noroeste da África e a transmissão Hafs, decorrente de Kufa, e amplamente disponível através da edição do padrão egípcio de 1924. E ainda lembrando que o exemplar mais antigo do Alcorão, o manuscrito de Sana’a, contém texto diferente do usado hoje, o que contraria a versão islâmica de que o Alcorão é a inalterada palavra de Alá.

3. Quanto ao “desafio descrito no próprio alcorão em se fazer uma sura igual.” Você sabe o porque deste “desafio”? Como narrado por Ishaq. Al-Nadr bin al-Harith era um famoso poeta em Meca. Ele conhecia as lendas dos reis persas e os Quraysh adoravam as suas poesias. Um dia, Maomé estava pregando e tentando arregimentar mais gente para a sua religião. Maomé foi interronpido por Al-Nadr que disse que ele podia fazer versos melhores do que Maomé. A população de Meca concordou pois ela foi assitir às poesias de Al-Nadr e ignorou Maomé. Daí vem este tal “desafio.” Maomé perdeu o desafio.

José Atento disse...

... continuação ...

4. E, finalmente, com respeito a esta argumentação já cansada de que o “alcorão é unicamente aceito em árabe” como se fosse apenas possível entender o que está escrito no Alcorão se ele fosse lido em árabe. Em primeiro lugar, o árabe, como qualquer idioma, pode ser traduzido. Não existe nada que impeça a tradução de textos em árabe. Em segundo lugar, o trabalho de dawa (pregação) que se faz fora do mundo árabe pelos muçulmanos utiliza textos do alcorão em diversos idiomas. Ou seja, quem usa traduções do alcorão são os próprios muçulmanos. Em terceiro lugar, o próprio Alcorão (sura 41:44) diz que o idioma é irrelevante para entender o Alcorão.

5. De modo que a coisa é mais convoluta do que você imagina ou do que o seu imã te diz. Cai fora desta enquanto ainda dá tempo.

EJSantos disse...

Boa. Acho que virei aqui frequentemente, ler o que escreve.
Cumprimentos.

EJSantos disse...

Boa.
Gostei do que li.
Continuarei a cá vir.

José Atento disse...

Obrigado.

Venha sempre.

E repasse o site para os seus amigos.

E não se esqueça que existem outros sites que valem a pena também serem visitados, listados em http://expondoajihad.blogspot.com/.

Fran cisco disse...

Muito esclarecedor. Vou me tornar um leitor ativo e um divulgador do seu blog.

Anônimo disse...

Eu que defendo a democracia , Sharia é o pior dos inimigos.quando será que a humanidade vai se livrar desta ideologia arcaica, machista totalitária, militarista, baseada em comportamentos do século VII ,de tribos politeístas adoradores do deus lua. Em pleno século XXI, aceitar normas de comportamento do século VII É DOSE.

Anônimo disse...

Gostei muito do livro. Moro na Noruega, um país cheio de refugiados, entre eles, muitos do paquistao. Ate estudo com algum, e é exatamente assim... É incrivel como a Noruega abre os bracos para dar apoio e auxilio, e eles sempre com o ar de superioridade....

José Atento disse...

Fica a esperança que a Noruega, e a Europa em geral, acordem antes que seja tarde demais.

Anônimo disse...

O ocidente deveria banir as mesquitas. Um povo que nao aceita a religião alheia, nao pode ter sua religiao respeitada. Sem falar que eles medievalmente, querem outra guerra santa. Bomba neles.

Th disse...

Putz... Temos que dar graças a Deus por termos nascido em um país católico. Mesmo que a pessoa seja ateu ela deveria reconhecer que a civilização judaico-cristã trouxe muito coisa boa ao mundo.

erfan silva disse...

me desculpe más você desconhece o islam verdadeiro nem a historia do islam conselho pra você dê uma olhada na civilisação islamica na pininsula hiberica
e depois o que os cristaos fizeram quando expulsaram de la

erfan silva disse...

me desculpem senhores mas o que foi dito ai é uma destorção da verdade o islam e um modo de vida perfeito e vcê esquecem dos verdadeios terroristas de todos os tempos que são o mundo ocidental refletem nesses fatos que vou relatar;
1)quem foi enstaurou a maldita
inquisiçao ?
2)quem foi q disimou melhoes de indios americanos?
2)quem foi que escravizou melhoes e negros?
3)quem foi que lançou a bomba atomica sobre hiroshima e nagasaqui?
4)o olocalsto que matou 6 milhoes na europa que foi q cometeru?
sera que foram os muçlumanos. espero que reflitam

José Atento disse...

Erfan, eu acho que você é que não conhece o islão e a sua história.
Sem entrar no MITO criado sobre a Ibéria islâmica, que foi mais um reino de terror do que muita gente sabe, eu quero fazer uma reflexão. O que é que o islão foi fazer na Península Ibérica?

O islão foi criado lá no meio do deserto, aparentemente por Maomé, um bandoleiro e senhor da guerra. E depois disso, os bandos de fanáticos da "Religião da Paz" sairam em um frenesí de invasão, pilhagem, estupro e escravidão para onde o nariz apontava.

O islão invadiu militarmente a Península Ibérica, fazendo o que faz de melhor, ou seja, estuprando, matando, pilhando e escravizando. O islão destruiu os reinos visigodos que estavam lá quietinhos, sem incomodar ninguém.

Lembre-se que todos os lugares que hoje se chamam de "terras islâmicas" foram conquistadas militarmente e ocupadas pelo islão.

De modo que a contribuição real do islamismo para a humanidade é o conceito de Jihad, conceito este que não existe nos fundamentos de religião alguma do mundo, exceto o islão.

José Atento disse...

Quanto ao seu outro comentário, sobre eventos históricos tais como inquisição, nações indígenas, escravidão, bomba atômica e holocausto, você reflita com o seguinte.

(1) Não existe nenhum movimento religioso ou político que defenda estes atos. Existem justificativas históricas que os causaram, mas ninguém os defende. Muito pelo contrário, eles são criticados.

(2) Em contrapartida, o islão, enquanto sistema religioso e político, foi o responsável por uma quantidade enorme de atrocidades. O extermínio das cinco tribos judáicas de Medina, por Maomé o total extermínio da civilização budista no Afeganistão, o extermínio quase total da civilização hindu da região hoje compreendida pelo Paquistão, o extermínio da civilização greco-romana-cristã do norte da África, o extermínio da civilização grega da região hoje ocupada pela Turquia, o extermínio dos reinos visigodos da Península Ibérica, a Jihad permanente dos Tártaros contra os eslavos (até serem derrotados por Ivan, o Terrível), a Jihad permanente do Império Otomano (até Ataturk terminar com o Califado), os contínuos 1400 anos de escravidão religiosamente ordenada e políticamente aplicada desde o tempo de Maomé até os dias de hoje dos negros africanos, brancos europeus, hindús, etc., e o sistema de devshirne no qual os turcos tomavam à força o menino primogênito das famílias cristãs sob o seu controle ainda crianças e os doutrinava como muçulmanos membros da tropa de elite Janissários. (tem mais, mas eu paro aqui)

Some-se a isso a permissão de estuprar mulheres infiéis, prática que Maomé fez e vem sendo usada até hoje, veja o que acontece na Europa onde 95% dos estupros é feito por muçulmanos ortodoxos e o nome mais popular entre os estupradores é Muhammad.

A questão é que todos estes fatos e ações advém do exemplo de Maomé, são permitidos no Alcorão e estão consolidados na Sharia.

E, ainda mais, muçulmanos mais fevorosos, como você parece ser, irão negar tudo isso. Quando se nega algo ruim, ou se nega um problema, é garantia de que o problema se repita.

E esse, é o problema primordial do islão. Não vai se reformar munca.

Luana Sil disse...

Olá sr. José Atento. Fiquei com dúvida em relaçao ao livro: Ele é contra a Sharia, é isso?

José Atento disse...

Luana: o livro apresenta os aspectos da Sharia que são ruins para os não-muçulmanos, para as mulheres, para os homosexuais. De modo que ele não é contra, ele apenas destaca a verdade.

Claro que muçulmanos ortodoxos acham que falar a verdade sobre o islão é ofensa, mas isso é um meio para no intimidar.

Anônimo disse...

Concordo, anônimo!

Anônimo disse...

Jose Atento! \0/ \0/ \0/ três vivas pra você! Obrigada informação! Estou aprendendo bastante sobre o intuito desse tal de Maomé, com pessoas letradas iguais a você! Deus te abençoe sempre!!!!!

Saymon Scottyne disse...

Concordo contigo!

Carlos Gomes disse...

Parabéns pelo blogguer e realmente esta história que os muçulmanos dizem que o Islã é a religião da paz só acontece mesmo em países em que os muçulmanos são minoria como no Brasil.Mas quando começam a crescer como na invasão de imigrantes islâmicos na Europa onde países como França,Bélgica,Holanda e Reino Unido já começam a causar problemas pois eles tem uma alta taxa de fecundidade. Na sua opinião a Europa pode se tornar islâmica num futuro próximo,pois vejo comentários de religiosos cristãos e mesmo secularistas seriamente preocupados com este problema.

Anônimo disse...

Parabens pelo artigo, es´ta bem interessante. No entanto notei uma falha com as palavras "árabes anafalbetos".

Pelo contrário, os árabes tiveram grande importancia na ciencia. Na matemática inventaram o número zero e na ciencia eram excelentes astrónomos.

José Atento disse...

O termo "árabes anafalbetos" se refere aos árabes da época de Maomé. Mas, sim, é claro que existiram cientistas árabes, bem mais tarde. PS. O zero foi inventado pelos hindus; os árabes o adotaram.

http://matemativerso.wordpress.com/2010/01/23/numerais-hindu-arabes/

http://www.mediatinker.com/blog/archives/008821.html

Anônimo disse...

Gente, não precisa discutir muito, basta ver o que os cristãos na Nigéria são queimados vivos virando estátuas carbonizadas como num espetáculo macabro, os próprios Palestinos sendo usados como escudos hunanos (Israel avisa antes de atacar mas as pessoas ao invés de sairem do local, eles se amontoam lá mesmo e esperam para morrer em nome da Jihad e virarem mártires, cristãos sendo degolados vivos no Iraque, cristãos sendo crucificados na Síria na frente de crianças, mulheres muçulmandas ultra-religiosas que vão morar na Dinamarca (e são recebidas de braços abertos pelos dinamarqueses, ganham empregos e ajuda do governo...) e essas mulheres chamam as dinamarquesas de vagabundas só porque não usam o véu... isso tudo que eu disse não é segredo pra ninguém, não tem o que discutir, é fato, basta assistir o jornal e estudar a história da expansão islâmica. Não há o que esconder, é isso mesmo... se procurar no Youtube tem lá um apresentador de jornal falando com duas crianças, elas falam sorrindo que a "mamãe está no paraíso porque morreu matando judeus, ela matou 5 judeus e está agora junto com Alá" (essas crianças sorrindo, gente!!! SORRINDO, felizes com a morte da mãe em detrimento do assassinato de 5 judeus (Kafirs)), ou um outro vídeo mostrando um líder religioso ensinando que Alá é justo e misericordioso pois ele proíbe o homem de quebrar os ossos da mulher, ele apenas pode bater nela de forma que não a machuque muito...

É só procurar que está ao nosso dispor a informação e a confirmação disso.

Eu conheci, já falecido, um senhor judeu que não sofreu nada no holocausto porque ele era um judeu egípcio... e olha o que ele me disse: "quando eu era criança, eu fiquei em baixo da cama escondido atrás do corpo do meu irmão, porque homens muçulmanos degolaram toda a minha família, só eu sobrevivi... e fui morar em Israel, depois fui para a França".

Foi ele quem me ensinou minhas primeiras palavras de francês...

Sabe, por que tem tanta gente que não quer enxergar isso? Isso acontece mesmo... infelizmente :(

Anônimo disse...

É uma religião sem AMOR,onde fazer o bem é matar . Como acreditar em um Deus assim ? Um Deus mal !

Anônimo disse...

O islão é um monte de merda, é o que é o islão um monte de merda

Anônimo disse...

Cara eu to chocada, eu achando que era apenas liberdade de expressão, mas a algo muito escuro e cabuloso por detras e nos caimos como patinhos!

S.Cida disse...

Estou fazendo um trabalho na faculdade sobre as mulheres no islamismo, mas agora gostaria de falar mais sobre as kafir (não muçulmanas), porque tenho visto muito nos jornais sobre o sequestro de mulheres e meninas. Por favor, você poderia me indicar algumas fontes para eu usar no trabalho? Grato.

José Atento disse...

Oi S. Cida. Escreve para mim dando mais detalhes do que voce precisa. O meu e-mail é joseatento@gmail.com

Mauricio Albertini disse...

É SACANAGEM O QUE FAZEM PARA AS MULHERES NO CORAO.....SE A GENTE SE MATA PELA CAUSA SÓ TEM VIRGEM DO OUTRO LADO???????NAO TEM UM MONTE DE PINTUDO???NAO VOU MAIS ME MATAR NAO

Anônimo disse...

A máquina da Jihad na Idade Média lançada sobre a Ásia menor, Oriente Médio, Norte da África, Eurásia Central e Sul da Europa matou muito mais que tudo isso aí junto. Foram mais de 10 mil guerras de conquistas. Já foram encontrados perto de 30 mil barcos afundados no mediterrâneo. E eles, como não param, ainda querem mais, tudo sob a justificativa de que o profeta é supremo.

Ayrton Lacerda disse...

Amei seu texto amei seu blogue!

Jorge Michael disse...

É pra propagar estes absurdos que andam explodindo as pessoas?

Anônimo disse...

O Califa é engraçado, manda os outros (otários) se explodir, prometendo as virgens no paraíso. Isso é doença mental. Vocês são doentes. Manipuladores da ignorância.
Nenhuma religião séria manda matar ou maltratar ninguém. A religião é uma coisa feita pelos homens. Todos nos temos o direito de ter nossa crença, até porque no final todas as religiões sérias pregam o bem de TODOS. Ninguém sabe exatamente o que tem após a morte, então trata de fazer o bem aqui na terra, aprender e evoluir e ajudar os outros. Que direito vocês tem de submeter os outros à vossa vontade? Seus DOENTES!! Vocês precisam de tratamento.
No fundo vocês tem inveja do mundo ocidental, porque vocês passam a vida inteira destruindo e não tem competência de construir nada, seus bastardos.

Anônimo disse...

Eles fazem uma lavagem cerebral nas pessoas e usam a fé como meio para justificar a crueldade e a matança. Deus é amor, é o Pai Supremo, Ele ama e não odeia seja quem for, caso contrário não seria Deus, um Deus com sentimentos e maus principios não é um ser superior, seria um homem comum com odio no coração. Um dia estas pessoas (mulçumanos e aderentes) acordem para a verdade, DEUS É AMOR E TODOS NÓS, HOMENS, MULHERES, CRISTÃOS, JUDEUS E MUITOS OUTROS SOMOS SEUS FILHOS E ASSIM SOMOS IRMÃOS!

Juraci Santos disse...

Sou católico flexível e tolerante com todos os irmão de qualquer religião, mas, sinceramente, depois das explicações e das intervenções do José Atento, não vou modificar o meu pensamento, claro, mas vou ficar vigilante com relação aos fundamentos e aos fundamentalistas do Islã.

Anônimo disse...

estou chocada agora sinto que as vezes a ignorância é uma benção,é impressionante como podemos ser manipulados, eu quando era mais nova achava que a Europa era a vilã da historia kkkkk mas na medida que fui ficando mais consciente das coisas fui enxergando melhor, realmente uma religião que precisou forçar através da guerra sistemática a conversão dos povos não deve ter muita credibilidade eu particularmente não sou muito fã de doutrinas religiosas e nem tenho preferencia por nenhuma em particular mas como cresci em uma familia e país de tradição judaico crista posso dizer que pelo menos o cristianismo se espalhou e ganhou força primeiramente pela palavra e por sua doutrina de amor e perdão.

Unknown disse...

O islão é uma religião anticristo, concordo vcs mulssumanos vão atrás de Deus,parem de acreditar em invençoes isto é tudo mentira,toda aquela religião que não crê em cristo como representable de Deus na Terra é errada. Você mulssumanos vão tomar no cú bando de filhos de raparigas, seus descendentes de caim. Filhos da puta

Sr Mister sr mistter disse...

Maomé é um falso profeta otário

Anônimo disse...

EU QUERO QUE O BLOGUEIRO FAÇA UM BREVE HISTORIAL SOBRE OS TEMPLÁRIOS E A SUA GENIALIDADE, AI VAMOS TODOS JULGAR QUEM QUER QUE SEJA

EU PEÇO PRA QUE ASSISTAM A SERIE: OS SEGREDOS DA BÍBLIA DO CANAL HISTORY, AI MUITO DE VOCÊS NEM ARISCARIAM EM TECER COMENTÁRIOS TÃO PROMISCUOS.

Unknown disse...

José Atento, pena poucos se importarem. Compartilhei seu blog no Face, mas ninguém lerá. Depois a minha cabeça e a sua serão arrancadas devido à preguiça dessas sociedades mongolóides. Religião nenhuma presta. NENHUMA! Nem Cristo presta. Ignorante ser humano que aceita a existência de religiões. Nenhuma é pacífica. Todas prometem o Bem apenas caso vc vire um escravo idólatra de seus Deuses. Quanta mitologia burra! Quanta gente burra! Odeio burros! Todos religiosos são burros!
Estou na luta contra os Neo Pentecostais aqui no Brasil, os Satanistas dos Illuminati e a Nova Ordem Mundial, os professores brasileiros de História, Geografia, Sociologia e Filosofia. Parece que se prepararam num hospício! Como soltam merda pela boca!
Só faltava mesmo o Islao dar o ar da graça aki no Brasil tb. Seria mais uma militância de vagabundos vitimistas.
Parabéns pelo seu trabalho. Reconheço que trazer clareza sobre o Islã te exigiu infinitas horas de estudos.
Mto obrigado.
Ronaldo

Anônimo disse...

Como se diz é com um grão de areia que se faz uma montanha... mais pessoas virão e lerão, para mim está sendo muito importante.