quinta-feira, 28 de julho de 2011

O que o assassino norueguês pensou?

Eu endosso as palavras de Phyllis Chesler, cuja coluna, O que o assassino norueguês pensou?, que traduzo abaixo. 


O autor condena fortemente o assassinato, mas desafia o governo e a inteligentsia norueguesa a fazer algo eficaz sobre a sua própria política multi-culturalista, que está falhando.

Eu condeno o assassinato em massa e a matança de inocentes civis desarmados.

Por favor, repare: Breivik pode ter temido e desprezado a recusa da primeira, segunda e terceira geração de imigrantes muçulmanos noruegueses de se tornarem europeus, de abraçarem os valores do Iluminismo —  mas ele matou os filhos daqueles noruegueses que, na sua opinião, foram permitindo que os muçulmanos criassem enclaves separatistas e hostil na Noruega.

Será que isso vai aterrorizar os multi-culturalistas, tanto quanto o islamismo? Será que a ação covarde e terrível de Breivik, irá levar a políticas que vão finalmente começar a lidar com questões como a mutilação genital feminina, a poligamia, casamento forçado, e crimes de honra em solo norueguês? Este constitui apenas um ataque terrorista e, talvez, o primeiro de seu tipo.

Devemos lembrar que, em nome do Islã, muçulmanos islâmicos cometeram milhares de ataques terroristas, tanto em seu próprio povo e sobre os infiéis civis.

Meu caro colega, Barry Rubin, escreve que "Houve mais de 10.000 ataques terroristas islâmicos, muitos deles contra os cristãos, judeus, budistas, hindus e outros. O número de tais ataques contra os muçulmanos no Ocidente ou mesmo no mundo é talvez um por cento desse número. "

Além disso, historicamente, em nome do Islã, os jihadistas colonizaram vastos territórios no Oriente Médio, Ásia, África e Índia. Eles perseguiram, escravizaram, exilaram ou assassinaram os infiéis indígenas que lá viviam e destruiram os seus locais sagrados ou os transformaram em grandes mesquitas.

No entanto, os líderes políticos ocidentais, a mídia, e o professorado se concentraram apenas no imperialismo ocidental, racismo e escravidão histórica, e têm absolutamente se recusado a se concentrar sobre o imperialismo muçulmano, o racismo e a escravidão, histórica e contemporânea.

Enquanto isso, a penetração constante do  apartheid  islâmico, de gênero e religioso, continua em ritmo acelerado no Ocidente, especialmente na Europa, incluindo a Noruega.

Os multi-culturalistas e "progressistas" na Noruega, com viés de esquerda, se recusam a ajudar as meninas muçulmanas e as mulheres ameaçadas em seu meio; o governo norueguês se recusa a limitar os casamentos forçados com primos nos países de origem, e nem têm efetivamente intervido em matéria de violência doméstica quando o autor é muçulmano, bem como suas vítimas.

A destemida Hege Storhaug, escreveu um livro excelente, agora (2011) em Inglês, sobre este assunto. É intitulado "Mas o maior destes é Liberdade. As consequências da imigração na Europa." Juntamente com Rita Karlsson, Storhaug mantém um Serviço de Direitos Humanos um site on-line e um think tank.

Os tipos de esquerdistas e multi-culturalistas, cujos filhos Breivik diabolicamente escolheu massacrar, são os tipos de esquerdistas que persuadiram o governo norueguês para parar de financiar este excelente site. Elas foram acusados ​​de serem ... "islamófobas". Storhaug e Karlsson são feministas, do tipo sadio. Elas querem extender os direitos de liberdade a todos os cidadãos da Europa e da Noruega, mas o seu próprio governo, politicamente correto, e a inteligentsia, tentou derrotá-las ao retirar o financiamento dos seus esforços.

Storhaug pinta um quadro desolador, mas preciso. A maioria dos imigrantes muçulmanos na Noruega são paquistaneses. Em geral, os imigrantes muçulmanos muitas vezes superam os crianças norueguesas nativas  na escola. Ela escreve: "Numa sala de aula típica, expera-se que um total de cinco alunos nativos da Noruega façam  o trabalho de integrar um número de não menos que quinze filhos de imigrantes - uma tarefa praticamente impossível Muitos netos de imigrantes começam seu primeiro dia de aula sem o menor conhecimento da língua ou cultura norueguesa. "

Noruegueses nativos aprenderam a viver com cautela. Casais gays não se atrevem a dar as mãos em público em algumas partes do Oslo. Desde o bombardeio das embaixadas da Noruega em 2006 (devido a uma publicação norueguesa das caricaturas de Maomé), os noruegueses não se atrevem a "dizer qualquer coisa crítica ou negativa sobre o Islã ... tais comentários são reservados para a segurança das conversas privadas." No ponto de vista de Storhaug, o "casamento é o cerne do desafio para a política de imigração, porque o casamento é a principal rota de entrada para a Noruega." É a maneira de imigrar e de obter a cidadania norueguesa também. Aproximadamente 75 por cento de todos aqueles que emigram para a Noruega vêm através da chamada "reunificação com pessoas na Noruega." E, cerca de 75 por cento da primeira geração (e da segunda geração!)  de imigrantes paquistaneses-noruegueses se "casaram ​​no Paquistão." E, entre 30-60 por cento desses casamentos são entre primos. O custo para o Estado europeu e norueguês é considerável. Ela se refere a um estudo britânico que indicava "uma taxa elevada de deformidades entre os recém-nascidos de paquistaneses. As população paquistanesa corresponde a 3,4 por cento de nascimentos no país, mas totaliza 30 por cento dos defeitos congênitos em recém-nascidos ocorrem em crianças de pais com origens paquistanesa . "

Crimes de honra de meninas e mulheres muçulmanas são uma epidemia na Europa, como é a poligamia. Storhaug menciona um padrão no qual homens noruegueses-paquistaneses imigram com várias esposas, a quem eles posteriormente se divorciam sob a lei norueguesa, após o que eles se casam com novas mulheres e as trazm de volta do Paquistão. Mais uma vez, Noruega serve como "base financeira" para tal violações dos direitos humanos.

Storhaug descreve a maneira desumana na qual as mulheres  muçulmanas paquistanesas são tratadas por suas famílias. Por exemplo: "Mina ... a quem foi dada uma 'escolha' entre os três primos, foi pressionada para escolher um em particular - o único que teve a posição mais fraca no mercado de casamento, porque ele não tinha ido à escola e era  mais escuro do que a maioria das pessoas, em uma região onde a pele escura é igualada com baixo status e feiúra. Este jovem, de acordo com Ahmed, foi o que mais precisava desesperadamente de um visto para o Ocidente. No final, portanto, ele foi quem obteve Mina - uma ser humano reduzida ao status de um visto vivo".

Storhaug analisa a paranóia normalizada que caracteriza muitas  famílias muçulmanas paquistanesas. Não há privacidade, pois privacidade, que pode levar a pensamentos ou atos proibidos, é vista com desconfiança. A menor desobediência pode levar a um espancamento ou um crime de honra. Storhaug cita um problema semelhante na Dinamarca, onde "menos da metade dos imigrantes não-ocidentais ... tinham emprego. Imigrantes não-ocidentais respondiam a cerca de cinco por cento da população da Dinamarca, mas recebeu pouco menos de 40 por cento do seu orçamento social." Cita Storhaug Poul C. Matthiessen, professor dinamarquês de  demografia: "historicamente, esta é a primeira vez que a Dinamarca tem experimentado uma onda de imigração por pessoas que são explicitamente antagônicos aos valores e normas dinamarquese ... todos os grupos anteriores de imigrantes ... até meados de 1970, tinham se ajustado rapidamente às normas e valores dinamarqueses. Isto incluiu agricultores holandeses em 1500, huguenotes franceses em 1600, os trabalhadores suecos e poloneses em 1800, refugiados judeus da Rússia por volta do ano 1900, e os chilenos na década de 1970. "

De acordo com Storhaug, "funcionários do governo que supõem-se devam ajudar as mulheres imigrantes ingressarem no mercado de trabalho, pelo contrário, formaram uma "aliança profana" com os maridos daquelas mulheres Os maridos querem que as mulheres fiquem em casa, cuidando da casa e educando os filhos. E os conselheiros de emprego não querem molestar as mulheres, tentando empurra-las para empregos, uma vez que suas chances de encontrar emprego são pequenas de qualquer maneira. Então, em vez disso, eles mandar as mulheres para fazerem cursos como hobby em temas como a preparação de alimentos e bordados. Longe de aproxima-las do mercado de trabalho, estes cursos garantem que elas não vão negligenciar os seus deveres domésticos O governo, em suma, fez um compromisso; ele mantém as mulheres muçulmanas ocupadas dentro dos limites restritos estabelecidos pelos seus maridos e ignora a necessidade delas de se tornarem trabalhadoras qualificadas - e cidadãs ativas ".

Storhaug, como eu e um punhado de outras feministas, está assombrada pelo silêncio de feministas no  Ocidente sobre o apartheid de gênero islâmico que ocorre no Ocidente. Ela explica sobre este silêncio de forma sucinta e precisa. "As feministas estão obcecadas com suas próprias causas étnicas norueguesas: licença maternidade mais longa, dias de trabalho mais curtos para o mesmo salário - enfim, tudo o que possa lhes dar uma vida melhor, materialmente e socialmente. Ao mesmo tempo, muitas das feministas clássicas parecem como velhas socialistas, cegas pelo sonho multicultural - um sonho, infelizmente, que as levou a aceitar a opressão das mulheres em segmentos consideráveis ​​da população." Alguns radicais islâmicos e seus facilitadores estão culpando o Mossad israelense pelas  ações de Breivik. Outros estão culpando os sites anti-jihadistas e pensadores, a quem Breivik aparentemente leu. Será que eles agora culpam  aquelas feministas que facilitaram a penetração do   apartheid islâmico, de gênero e religioso, no Ocidente, especialmente na Noruega?

Permitam-me repetir a mim mesma: eu condeno o assassinato em massa de civis inocentes e desarmados, não importa qual a causa.

Mas eu desafio o governo e a inteligentsia norueguesa a fazer algo eficaz sobre a sua própria emperrada política multi-cultural, e não usar o trágico evento como mais uma oportunidade para silenciar o discurso legítimo e a dissidência.
-

2 comentários:

Anônimo disse...

buy tramadol overnight delivery cheaptramadolonline - tramadol 50

Anônimo disse...

official website ambien cr patient assistance program - ambien your system drug test