quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Definições sob uma ótica islâmica






O Islão e seus defensores, incluindo-se aí a Organização da Cooperação Islâmica, fazem um jogo de palavras que consegue iludir a audiência não-muçulmana. O problema é que nós projetamos os nossos valores e definições, pensando serem eles universais, quando na verdade, o Islão possui um entendimento diferenciado para algumas palavras, pelo fato de que a definição destas palavras não pode contrariar a lei islâmica (Sharia). 
Abaixo segue uma lista de definições muito importantes, sob uma ótica islâmica:
  1. Alcorão – A palavra final de Alá, perfeito e inalterado, superior a todos os outros “livros” e o único e verdadeiro guia para a humanidade no tocante a religião, lei e política.
  2. Democracia – O estado no qual o Islã é a lei e religião absoluta, e todas as pessoas se conformam com as leis e costumes islâmicos (veja Liberdade).
  3. Difamação  Mencionar qualquer coisa sobre alguém que um outro disaprove (não interessa se o que foi dito seja verdade ou não).
  4. Escravidão – O estado legal de qualquer infiél capturado em uma batalha contra o Islã.
  5. Igualdade – Igualdade é alcançada quando os muçulmanos forem os únicos líderes da sociedade, e ocuparem os seus lugares como os “melhores dos homens”, liderando todas as instituições políticas e religiosas. O mesmo não se extende aos não-muçulmanos e nem aos apóstatas.
  6. Infiél (kafir– Todo e qualquer não-muçulmano. Segundo a lei islâmica eles são sujeitos a conversão, subjugação ou condenados à morte.
  7. Justica – O estado no qual a Lei Islâmica Sharia é a única lei da terra, e todas as decisões judiciais são baseadas apenas sobre ela. Justiça existe quando os não-muçulmanos não têm direitos perante um tribunal, e quando o testemuno de duas muçulmanas é igual ao de um muçulmano.
  8. Justiça Social – Uma sociedade governada por muçulmanos sob a lei islâmica.
  9. Liberdade – Liberdade existem apenas quando o Islã e seus princípios obtém dominio completo, contitutindo a totalidade da crença religiosa e das regras políticas.
  10. Liberdade de Expressão – É alcançada quando os muçulmanos, e apenas elessão livres para expalhar as suas crenças, e os não-muçulmanos são proibidos de comentar ou criticar qualquer preceito islâmico.
  11. Mentira (takkyia) – Ato de esconder a verdadePermitido pela lei islâmica para um muçulmano para se proteger ou para avançar a causa do Islã.
  12. Opressão – Quando um país não é governado pela lei islâmica, ou quando existem  ações de resitência à implementação da lei islâmica.
  13. Paz - Quando não existe mais resistência ao Islã. Paz apenas existe quando o Islã governa, tanto políticamente quanto religiosamente, e todos os princípios islâmicos regem a lei.
  14. Racismo – Quando qualquer preceito islâmico, ou quando algum muçulmano, é criticado ou rejeitado.
  15. Tolerância – O estado no qual os não-muçulmanos são devidamente subservientes ao governo muçulmano, concordam com seu estado de segunda-classe (Dhimmi), e pagam a taxa Jizya para os seus senhores muçulmanos.
  16. Tratado – Acordo temporário entre muçulmanos e não-muçulmanos, válido apenas até quando os muçulmanos recuperarem o poder para alcançar por outros meios, violentos ou não, aquilo que eles momentaneamente não conseguiram.
  17. Verdade – Consiste em aceitar a versão islâmica dos eventos, como estabelecido no Alcorão e na Sunna. Tudo além disso é boato ou blasfêmia (veja Mentira).

Nenhum comentário: