terça-feira, 10 de abril de 2012

O Califa, a Organização da Cooperação Islâmica e o Califado Moderno


O islamismo é um sistema político-religioso poderoso que deve ser regido por um Califa. O califa é o chefe de Estado e o governador da Ummah Islâmica, a comunidade islâmica regida pela lei islâmica (Sharia). A palavra califa significa "sucessor" ou "representante". Maomé foi um líder político, militar e religioso. Após a morte de Maomé, em 632 DC, os primeiros líderes da nação muçulmana foram chamados de "Khalifat Rasul Allah", os sucessores políticos do Mensageiro de Alá (referindo-se a Maomé). Desde então, e até o século 20, houve uma sucessão de califas até que em 1924 a Assembléia Nacional Turca dissolveu o Califado. Desde então, o retorno do Califado é um desejo da Ummah (Nação) Islâmica.
A lei islâmica define o papel do Califa [1]

Os livros islâmicos definem Jihad como: "a guerra contra não-muçulmanos para estabelecer a religião." 

(o9.0). Jihad não é apenas um dever individual do muçulmano, mas também é o principal dever do chefe de Estado muçulmano (o Calipha):
"Ao califa  muçulmano é confiado a tarefa de levar o seu povo para a guerra e o comando ofensivo e agressivo da Jihad. Ele deve organizar a Jihad contra qualquer governo não-muçulmano que impeça a dawah (pregação para espalhar o Islão) em sua terra." (o25.0 – o25.9).
Sharia o25.9 diz:

"(Quando o califa nomeia um governante em uma região, o dever deste governante inclui) se a área tem uma fronteira adjacente às terras inimigas, (ele irá) empreender a Jihad contra os inimigos, dividindo os despojos da batalha entre os combatentes e deixando de lado um quinto para destinatários merecedores. "
Também:

"O Califa faz guerra contra os judeus, cristãos e zoroastas até se tornarem muçulmanos ou então até aceitarem pagar o imposto do não-muçulmano, desde que eles tenham primeiro sido convidados para entrarem no Islã ou paguem a Jizya, o imposto dos não-muçulmanos, (de acordo com a palavra de Alá Altíssimo – 9: 29). "
Zia-Ul-Haq, ex-presidente do Paquistão, disse que "jihad em termos de guerra é uma responsabilidade coletiva da Ummah muçulmana."

Um dos mais eminentes estudiosos islâmicos do século 20, Sheikh Maolana Maududi, disse:

"O Islã quer destruir todos os estados e governos, em qualquer lugar da face da terra, que se oponham à ideologia e ao programa do Islã, independentemente do país ou do nação que o governe. O propósito do Islã é a criação de um estado com base na sua própria ideologia e programa ... o objetivo da jihad islâmica é eliminar o governo de um sistema anti-islâmico e estabelecer um sistema islâmico. O Isla não pretende limitar esta revolução para um único Estado ou alguns países. O objetivo do Islã é o de promover uma revolução universal."
Algumas pessoas parecem pensar que essas leis são apenas relíquias históricas, nos livros, mas não na prática ou no controle das mentes de muçulmanos. Mas esse é o tipo de negação que não podemos nos permitir. Essas leis governam os corações, mentes e ações da maioria dos indivíduos e países muçulmanos ao redor do mundo de hoje. Estas escrituras são ensinadas, pregadas e promovidas como a palavra incontestável e eterna de Deus e financiadas pelos petrodólares sauditas em todo o mundo, incluindo em países ocidentais como o Reino Unido e os Estados Unidos.

Nenhum líder muçulmano pode sobreviver em um país muçulmano se ele anunciar o fim da Jihad contra os países não-muçulmanos e afirmar que todas as referências à Jihad na lei islâmica não se aplicam hoje. Tratar países não-muçulmanos vizinhos e individuos como iguais, com respeito e em paz, sem tentar convertê-los ao Islão, é simplesmente contra a Lei Islâmica.

Os líderes muçulmanos que se atrevem a ir contra essa teologia são chamados de traidores e fantoches do Grande Satã Ocidental. Essa é uma descrição que nenhum líder muçulmano quer ser rotulado. Quando o presidente Anwar Sadat do Egito assinou o tratado de paz com Israel em 1979, ele disse a seus confidentes que ele sabia que estava assinando sua própria sentença de morte. Ele entendeu que segundo a Sharia, ele deve ter guerra permanente com o não-muçulmano Israel.

Como pode um líder muçulmano ou indivíduo evitar as centenas mandamentos do Alcorão e dos Hadith que comandam os muçulmanos a matarem os judeus e os cristãos? Alcorão 9:29: "Combatei aqueles que não crêem em Alá até que paguem a Jizya com submissão voluntária e se sintam subjugados" Alcorão 9:05: "Matai os infiéis onde quer que você os encontre". Alcorão  47.4: "Quando você encontrar os incrédulos, corte suas cabeças."


O retorno do Califado tem sido um sonho da Ummah. Mas, existindo tantos países islâmicos, qual líder poderá reinvidicar para sí o título de Califa e restituir o Califado? A solução foi a criação de uma organização composta pelos chamados países islâmicos, a Organização da Cooperação Islâmica (OIC), que atualmente promove a Jihad Demográfica e a Jihad Legal.

A OIC e o Califado moderno [2].

A Organização da Cooperação Islâmica (OIC) é uma organização religiosa e política. A OIC compartilha da visão estratégica e cultural da Liga Mundial da Irmandade Muçulmana: a de uma comunidade religiosa universal, a Ummah, baseada no Alcorão, na Sunna e na ortodoxia canônica da Sharia. A OIC representa 56 países e a Autoridade Palestina (considerada como um Estado), constituindo a Ummah universal, uma comunidade de mais de um bilhão de muçulmanos.

O OIC tem uma estrutura única entre as nações e as sociedades humanas. O Vaticano e as várias igrejas são, de fato, destituídas de poder político, mesmo que participem da política, porque no cristianismo, como no judaísmo, as funções religiosas e políticas têm que ser separadas. Religiões asiáticas, também, não representam sistemas que reúnem estratégia, religião, política e lei dentro de uma única estrutura organizacional.

Não só a OIC desfruta de um poder ilimitado através da união e coesão de todos os seus corpos, mas também a isso, acrescenta a infalibilidade conferida pela religião. Reunindo 56 países, incluindo alguns dos mais ricos do mundo, controla a parte do leão dos recursos energéticos globais. A União Européia (UE), longe de antecipar os problemas causados ​​pela concentração de poder e investir na diversificação e autonomia das fontes de energia desde 1973, atuou para enfraquecer os EUA internacionalmente, a fim de substituí-lo pela ONU, uma agente dócil à OIC. Na esperança de angariar algumas migalhas de influência, a UE privilegiou uma imigração maciça de muçulmanos para a Europa, pagou bilhões de dólares para a União do Mediterrâneo e para a Autoridade Palestinina, enfraqueceu os estados europeus, minou a sua unidade, e envolveu-se na bandeira da justiça palestina, como se isso pudesse fornecer algum sistema de proteção contra a jihad global, que se esforça para se concentrar sobre Israel.

Religião emerge como o principal aspecto da OIC a partir da sua linguagem e suas metas. Parece que o OIC está restaurando, no século 21, o Califado, o órgão supremo de controle para todos os muçulmanos. Em seus Estatutos (2008), os Estados-Membros confirmam que a sua união e solidariedade são inspiradas por valores islâmicos. Eles afirmam o seu objetivo de reforçar, dentro da arena internacional, os interesses comuns e a promoção dos valores islâmicos. Eles comprometem-se a revitalizar o papel pioneiro do Islão no mundo, aumentando a prosperidade dos Estados membros, e – em contraste com a dos Estados europeus – assegurando a defesa das soberanias nacionais e integridades territoriais. Eles proclamam o seu apoio para a Palestina, tendo al-Quds Al Sharif, o nome arabizados de Jerusalém, como sua capital, e exortam uns aos outros para promoverem os direitos humanos, liberdades fundamentais, o estado de direito (Sharia), e da democracia de acordo com os seus sistemas constitucionais e legais - em outras palavras, o cumprimento da Sharia.

Eles também se comprometem a estimular nobres valores muçulmanos, a preservar seus símbolos e sua herança comum, e para defenderem a universalidade da religião islâmica – ou seja, a propagação universal do Islã (Da'wa). Eles afirmam que eles estão a promover os direitos das mulheres e incentivar a sua participação ativa em todas as esferas da vida, de acordo com as legislações dos Estados-Membros. Eles concordam em inculcar as crianças muçulmanas com os valores islâmicos e apoiar as minorias muçulmanas e comunidades fora dos Estados-Membros, a fim de preservar sua dignidade e sua identidade cultural e religiosa.

Os objetivos estratégicos dos Estatutos da OIC buscam "assegurar a participação ativa dos Estados-Membros [da OIC] nas políticas globais, econômicas e sociais, e nos processos de decisão para garantir os seus interesses comuns" (I-5) e "promover e defender uma posição unificada sobre questões de interesse comum em fóruns internacionais"(1-17).

Entre suas metas, os Estatutos da OIC especificam a propagação, promoção e preservação dos ensinamentos e valores islâmicos, a difusão da cultura islâmica, e a preservação do patrimônio islâmico (I-11). O artigo I-12 promove a proteção e defesa da verdadeira imagem do Islão, a luta contra a difamação, e o incentivo ao diálogo entre civilizações e religiões. Outros objetivos tratam da proteção dos valores familiares inerentemente islâmicos (I-14) e a preservação de direitos, dignidade e identidade religiosa e cultural das comunidades muçulmanas e das minorias muçulmanas em Estados não membros (I-16). Essa questão aponta para a autoridade da OIC sobre os imigrantes muçulmanos no exterior e sua pressão sobre os governos dos países não-muçulmanos através de canal de diálogo, incluindo a Aliança das Civilizações, cujo relatório apoia programas da OIC bem como redes inter-fé e redes de imigração.

A OIC apoia todos os movimentos jihadistas considerados por ela como resistência a "ocupação estrangeira", incluindo-se aí a Caxemira indiana "ocupada", e condena a "humilhação e opressão" dos muçulmanos na Índia.

Os Estatutos determinam que o Tribunal Internacional de Justiça Islâmica passe a ser o principal órgão legal da Organização (Cap. X, art. 14) e que "a Comissão Permanente Independente de Direitos Humanos deve promover os direitos civis, políticos, sociais e econômicos consagrados nos convênios e declarações da organização [OIC] e instrumentos de direitos humanos universalmente acordados, em conformidade com os valores islâmicos"(Art. 15). Isso implica que os convênios que não estejam em conformidade com os valores islâmicos não serão seguidos.

Pode-se notar que o presidente sudanês, Omar al Bashir, acusado (de acordo com critérios ocidentais de justiça) de genocídio cometido no sul do Sudão e em Darfur, não foi incomodado pelo Tribunal Islâmico de Justiça. Seus colegas da OIC não o consideram de forma nenhuma um criminoso e o recebem com grande respeito, como o faz primeiro-ministro turco Erdogan.

O Tribunal Islâmico de Justiça tem um mandato internacional e poderia julgar estrangeiros, muçulmanos e não-muçulmanos (blasfemos, apóstatas, ou os resistentes à Jihad) que violaram as leis da sharia em qualquer lugar. Além disso, a reivindicação da OIC para ser a guardiã e a protetora dos imigrantes muçulmanos que vivem em todos os países que não são membros da OIC implica uma extensão de sua competência e influência política sobre todos os muçulmanos da Europa, América do Norte e do Sul e outros Estados não-membros. Esta situação agrava o perigo incorrido por muçulmanos europeus não religiosos, sejam eles ateus, apóstatas, ou livre-pensadores.

Dentro de sua organização, os Estatutos da OIC apresentam características semelhantes aos da União Européia. No entanto, em termos de seu espírito, as funções, princípios e objetivos, os Estatutos da OIC são uma antítese dos Estatutos da União Européia. Mesmo empregando a linguagem das organizações internacionais, o significado das palavras é diferente por se encontrarem enraizadas no mundo conceitual do Alcorão, o que contradiz a base do pensamento ocidental secular. Assim, o artigo 32-2 afirma: "O Conselho de Ministros dos Negócios Estrangeiros dos países da OIC recomendará as regras de procedimentos da Cúpula islâmica". Isto implica uma visão e compreensão política islâmicas.

Uma instituição que combina política e religião se coloca na borda externa do pensamento ocidental, que é ancorado na separação entre política e religião. Mesmo que a interferência entre os dois campos tenha persistido, o princípio da separação tem facilitado a emancipação nas arenas intelectuais e políticas da autoridade religiosa e do desenvolvimento do pensamento crítico.

A aspiração atual da Ummah de se submeter a um califado que incorpora uma instituição político-religiosa combinada só pode surpreender o ocidental e destacar o fosso que separa os dois. Enraizados no individualismo, os europeus cultivam a busca da felicidade e prezam a liberdade de pensamento e a exploração racional, científica, que são percebidos como o maior privilégio do ser humano e a sua melhor aventura.

Por outro lado, a aspiração ao Califado indica o desejo de uma autoridade suprema, devendo a sua infalibilidade à Alá e seu intermediário humano, Momé. De acordo com Ibn Khaldun, esta instituição, que coloca a política ao serviço do expansionismo religioso mundial, foi criada como instrumento para uma islamização obrigatória da humanidade. Confrontado hoje com este arcaísmo político, um Ocidente dividido e quebrado busca refúgio na recusa a encarar a realidade e se fixa com o fim do minúsculo Israel como se fosse o seu salva-vidas. Fazendo água por todos os lados, este Ocidente que abandona sua própria identidade em favor do multilateralismo e do multiculturalismo e aruína da sua cidadania através da compra de segurança tem pouca chance de sobrevivência.

[1] Nornie Darwish, Roots of the Gaza Conflict. Frontpage Magazine.

[2] Bat Ye’or, OIC and the Modern Caliphate. American Thinker

Um comentário:

Anônimo disse...

Há um grande erro no islão no seguinte caso:
Foi um dos primeiros califas que mandou compilar o corão.
Mas ele para ser califa, devia ser o muçulmano que mais e melhor conhecesse o corão.
Mas se não foi ele a escrever, compilar e verificar o corão, então não era ele o maior conhecedor desse livro.
E no entanto era califa.
Isto é mais uma prova de que tudo no islão são falsidades ou estão ao serviço de falsidades e que o islão nem sequer é baseado no corão, mas sim em atitudes, atitudes essas próprias de criminosas para justificarem suas ganâncias e crimes.