domingo, 10 de junho de 2012

Hagia Sofia: Será que a maior igreja vai se tornar uma mega-mesquita novamente?



Imagine Roma, a capital do cristianismo, sendo ocupada por um exército muçulmano e islamizada à força. As suas igrejas sendo destruídas, suas obras de arte vandalizadas, seus ícones religiosos dessecrados e o Vaticano tranformado em uma mesquita. Bem, isso já aconteceu, não com Roma, mas com Constantinopla (atual Istanbul).

Por mil anos, Constantinopla foi a capital do cristianismo, tendo a Catedral de Hagia Sofia como o seu maior símbolo. Constantinopla foi sítiada por diversas vezes através dos séculos, primeiro pelos árabes e depois pelos turcos otomanos, que, no seu zelo de espalhar o Islão, sabiam que era necessário conquistar militarmente Constantinopla. E isso ocorreu no ano de 1453. Imediatamente, Hagia Sophia foi tornada em mesquita e quatro enormes minaretes foram erguidos ao seu redor, uma demonstração da superioridade do islão sobre o cristianismo. 


Hagia Sofia, uma maravilha bizantina

Hagia Sophia foi, por mais de mil anos, a maior igreja do mundo. Estes atos (os vários ataques a Constantinopla bem como a sua eventual conquista) seriam apenas comparáveis a se os cristãos tivessem sitiado e conquistado Meca, algo que nunca aconteceu.

Por mais de mil anos, a magnífica Catedral de Hagia Sofia manteve-se como o centro da cristandade, até Constantinopla ser conquistada pelas hordas islâmicas dos turco-otomanos. Naquele dia fatídico, duas mil pessoas buscaram refúgio dentro da catedral, achando que os invasores iriam respeitar um lugar sagrado. Na verdade, ele foram abatidos e decapitados dentro dela, incluindo o bispo ortodoxo grego. No dia seguinte, a Catedral de Hagia Sofia foi transformada em mesquita.


Em 1934, líder turco Atatürk tornou Hagia Sofia em um museu. Mas atualmente, um Islão rejuvenecido e confiante, deseja tornar Hagia Sophia novamente em mesquita. E deseja também conquitar Roma.

O interior de Hagia Sofia nos dias de hoje

O artigo abaixo, escrito por Raymond Ibrahim em 8 de junho de 2012, trata da Hagia Sofia. O seu título em portugues soaria como "Será que a maior igreja vai se tornar uma mega-mesquita novamente?" 

Greatest Church Soon To Be Mega Mosque?

Por Raymond Ibrahim

Ostensivamente lidando com um prédio, um relatório recente demonstra como a população da Turquia, Turquia esta considerada como o país mais secular e liberal no mundo muçulmano, está revertendo para a sua herança islâmica, completa com animosidade para o Ocidente infiel e sonhando o com seu passado islâmico, com aqueles dias de glória, jihad e conquistas . Segundo a Reuters:

Milhares de muçulmanos devotos oraram fora do histórico museu de Hagia Sophia no sábado [23 de maio] para protestar contra uma lei 1934 que proíbe serviços religiosos na antiga igreja e mesquita. Adoradores gritaram: "Quebrem as correntes, vamos abrir a mesquita da Hagia Sophia" e "Deus é grande" [o notório "Allahu Akbar"] antes de se ajoelharem em oração enquanto turistas os observavam. Leis seculares da Turquia evitam que muçulmanos e cristãos adorem dentro do monumento do século 6, a maior catedral do mundo por quase um milênio antes dos  otomanos invasores terem a convertido em uma mesquita no século 15.
 Hagia Sophia, palavra grega que significa "Santa Sabedoria," foi, de fato, a maior catedral da cristandade por mil anos. Construída em Constantinopla, o coração do império cristão, era também um símbolo vigoroso de desafio vindo do leste, um símbolo contra um Islã cada vez mais agressivo. Depois de séculos aparando os golpes dos jihadistas, Constantinopla foi finalmente conquistada por turcos otomanos em 1453. Suas cruzes foram profanadas e seus ícones desfigurados, Hagia Sophia, bem como milhares de outras igrejas, foi imediatamente convertida em uma mesquita, com os minaretes altos do Islã que a rodeiam em triunfo. Então, após a dissolução do Império Otomano, como parte de várias reformas, Ataturk transformou Hagia Sophia em um museu "neutro" em 1934 – um gesto de boa vontade de uma Turquia cabisbaixa para o então Ocidente triunfante.

Apesar de Hagia Sophia ser um centro cristão sob a dominação islâmica, várias autoridades cristãs estão contentes de ve-la como um museu, incluindo o Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, líder espiritual dos cristãos ortodoxos: "Queremos que ela permaneça um museu em linha com a República dos princípios da Turquia ", acrescentando," que se tornasse uma igreja seria o caos. "

É verdade; basta recordar como em 2006, quando o Papa Bento estava programado para visitar Hagia Sophia, os muçulmanos ficaram indignados. Na época, o jornal independente turco Vatan escreveu: "O risco é que Bento XVI vai enviar os muçulmanos da Turquia e grande parte do mundo islâmico em paroxismos de fúria se ouver alguma percepção de que o Papa está tentando se re-apropriar de um centro que caiu para os muçulmanos. " Antes da visita do Papa, um grupo de turcos invadiram e ocuparam Hagia Sophia, gritando "Allahu Akbar!" e avisaram! "Papa, não cometa um erro; não canse a nossa paciência." No dia da visita do Papa, uma outra multidão de islâmicos acenavam bandeiras dizendo "Papa saia da Turquia", enquanto cantavam que Hagia Sophia "é turca e permanecerá turca."

Tudo isso é mais um lembrete dos duplos padrões do mundo islâmico: quando os muçulmanos conquistam territórios não-muçulmanos, como Constantinopla e suas igrejas – através do fogo e aço, com todo o sofrimento humano e miséria consequentes – os descendentes daqueles conquistados não devem esperar quaisquer desculpas ou concessões. No entanto, os muçulmanos, aqueles mesmos que nunca concederiam uma polegada de conquistas do Islã, incluindo edifícios, se encontram do outro lado da moeda – palestineos versus Israel, por exemplo – então eles recorrem a Organização das Nações Unidas e a outras cortes de opinião pública, exigindo justiça, restituições, direitos, e assim por diante. (leia sobre este tema no Artigo de Opinião no LA Times em 2006)

Mesmo no breve relatório da Reuter, as evidências de tal comportamento "passivo-agressivo" emerge. Primeiro, não se trata de muçulmanos que querem rezar; trata-se de muçulmanos que querem se vangloriar dos dias de glória da jihad islâmica e conquista: os muçulmanos "encenam as orações antes das comemorações da semana que marcam o aniversário de 559 da conquista da Constantinopla bizantina pelo sultão otomano Mehmet." De acordo com Salih Turhan, um porta-voz citado pela Reuters, "Como netos de Mehmet, o Conquistador, buscar a reabertura da Hagia Sophia como uma mesquita é nosso direito legítimo."

O Sultão Mehmet foi o flagelo do Cristianismo Europeu, cujas hordas islâmicas conquistaram e violaram Constantinopla, islamisando-a à força. Idolatrá-lo abertamente, como muitos turcos fazem, equivale a dizer "Estamos orgulhosos de nossos antepassados ​​que mataram e roubaram as terras dos cristãos." E ainda, apesar de tais conotações militantes, Turhan, cuja posição é compartilhada por muitos turcos, ainda consegue culpar o Ocidente: "Manter a Mesquita de Hagia Sophia fechada é um insulto à nossa população de maioria muçulmana de 75 milhões. Isto simboliza como o Ocidente nos maltrata."

Se apenas manter um edifício 
historicamente cristão e ocidental, que foi roubado pela Jihad Islâmica, como um museu neutro é visto como "maus-tratos pelo Ocidente", em que base podem muçulmanos e não muçulmanos "diálogar"?


Milhares de muçulmanos rezam pela reconquista da maior igreja do mundo cristão


Atualização em novembro de 2016

Turquia Transforma a Hagia Sophia em Mesquita
Ao nomear um imã permanente para a Hagia Sofia, o governo turco do islamista Erdogan torna a antiga catedral em uma mesquita. Deste modo, ele revogou a ordem de Atarturk, de manter a antiga catedral como um museu. Esse é um grito do imperialismo islâmico, afirmando que "apesar das inúmeras garantias dos muçulmanos moderados do contrário, o Islã contemporâneo é intolerante na sua maneira de ver as coisas, beligerante com respeito aos infiéis e perigosamente hegemonista quanto as suas intenções." (Gatestone Institute)

Um comentário:

Anônimo disse...

os maometas dizem que os Cristãos andavam corrompidos, mas depois roubaram a arquitectura das mesquitas aos Cristãos.
E além disso, tb roubaram o símbolo, o crescente, aos Cristãos e nunca perceberam que este é o símbolo que mais insulta os muçulmanos, allah e maomé.
Como foi roubado, não interessa que insulte.
Como em tudo o resto, o que interessa aos maometas é que o que roubam sirva os maléficos e criminosos objectivos do islam.
Em verdade, só fora do maldito islam, esse e outros símbolos podem servir ao bem.