quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Liberdade de Expressão e Blasfêmia -- Exemplos

.
Segundo a Lei Islâmica (Sharia) é crime capital criticar o Islão, o seu profeta ou mesmo a própria Sharia (link; ver também lei da Blasfêmia no Paquistão). Vejam exemplos disto abaixo (atualizados à medida do possível)
Mas porque isso acontece? Porque Maomé assassinou todos os que o criticaram, criando com isso o exemplo a ser seguido, e os seus crimes tiveram a aprovação de Alá. E também porque os muçulmanos mais "religiosos" tomam para sí a responsabilidade de "defenderem a honra de Maomé."
Atualização em setembro de 2016


Egito: 5 adolescentes cristãos coptas condenados com cinco anos de cadeia por "difamarem o islão" 
Eles fugiam para a Suíça. Eles reclamam que no Egito ninguém é condenado por "difamar o cristianismo" (ou o ateísmo, ou judaísmo, ...). (Morning Star News

Canadá: diretora de escola é afastada do cargo por ter compartilhado vídeos "anti-muçulmanos"
Aparentemente, um dos vídeos ilustravam a violência praticada pelos "refujihadistas" na Europa. Em outra notícia compartilhada, fazia-se a pergunta de onde está o ultrage dos moderados que não condenam os atos de terrorismo. Ghada Sadaka foi punida por mostrar a verdade. Ela foi denunciada por um "membro da comunidade" e o Conselho Nacional de Muçulmanos Canadenses (que corresponde à organização CAIR nos EUA) aplaudiu o afastamento da diretora. (The Star)

Uma das imagens compartilhadas pela diretora. O texto diz "se os biquínis são banidos nos países muçulmanos, então burcas devem ser banidas na Europa."  Por causa disso ela está ameaçada de perder o seu emprego ... no Canadá!

França: escritor Ghislain Gilberti fica inconsciente ao ser atacado por islamistas
O seu filho de 12 anos também apanhou. Ghislain escreveu uma novela chamada "Jihad." Ele também é membro do movimento Pegida. Ele foi atacado por muçulmanos salafistas que gritavam "branco imundo." (Breitbart) Criticou o islão, o pau rolou, já que a Jihad é uma obrigação comunitária.

Argélia: cristão convertido condenado por insultar o islão no Facebook
Sliman Bouhafs, de 49 anos, foi condenado por uma corte de apelação a 3 anos de prisão por "ofender o profeta" e "denegrir os dogmas e preceitos do islão." A sua última mensagem no Facebook denunciava a "islamização da Argélia" e a repressão do governo contra os ahmadis e cristãos. (Human Rights Watch)

Jordânia: clérigo islâmico mata escritor cristão, que estava sendo processado por ter "insultado o Islã", na saída do tribunal 
Nahed Hattar, popular escritor jordaniano, já estava sendo processado por ter compartilhado uma imagem ridicularizando o Estado Islâmico e que mostrava um jihadista conversando com Alá. Ele mostrou Alá, isso é blasfêmia. Na saída do tribunal, onde ele estava sendo julgado, surgiu o imã Riyad Ismail Abdullah, de 49 anos de idade, que tinha acabado de voltar da peregrinação a Meca, ou seja, ele estava cheio de amor a Alá. Nada mais lógico do que matar um infiél (NAIJ).

Atualização em agosto de 2016

Jordânia: cartunista preso por desenho anti ISIS
Nahed Hattar fez um desenho mostrando um jihadista conversando com Alá no paraíso ao lado de duas mulheres. Mostrou Alá? Foi preso. (Clarion)


Atualização em julho de 2016

Índia: artigo considerado "blasfemo" leva a destruição e morte
Em 2010, depois de um artigo escrito por Taslima Nasrin aparecer em um jornal local, alguns o consideraram ofensivo ao Islã. A violência religiosa balançou Shimoga Karnataka, com incêndios criminosos generalizados (mostrado abaixo) e saques. Duas pessoas morreram e 100 ficaram feridas (Reuters). Taslima é uma cirugiã e ativista de Bangladesh, que teve que fugir para os EUA para não ser morta.

Chamas sobre Shimoga Karnataka, Índia, consequência da jihad contra Taslima Nasrin

Paquistão: 3 pessoas condenadas à morte por "blasfêmia contra o islão"
Dois cristãos e um muçulmano condenados por um tribunal anti-terrorismo (isso mesmo).  O "crime" remonta a 2015 quando os acusados teriam feito comentários desrespeitosos a Maomé. (Actuall)

Atualização em junho de 2016


Índia: 300 promovem quebra-quebra por causa de páginas arrancadas de um alcorão 
Ficaram irados e saíram queimando tudo: ônibus, carros, viaturas policiais, prédios. (Indian Express)

Atualização em abril de 2016


Bangladesh: Guerra contra a liberdade de expressão

Niloy Neel - blogueiro secular (2015)
Oyasiqur Rhaman - Critico da religião e ateu (2015)
Hussein Ali Sarkar - converteu-se ao cristianismo (2016)

Shafiul Islam - Religioso Hindu (2016)
Jogeshwar Dasa Dhikari - Religioso Hindu (2016)
Nazimuddin Samad - Bloguerio Liberal (2016)

Ananta Bijoy Das - Blogueiro sobre Ciência e Lógica (2016)
Xulhaz Mannan - Editor de revista sobre direitos dos gays (2016)
Faisal Arefin Dipan - Editor e produtor de livros sobre temas seculares (2015)

Tanay Majumder - ator teatral e homossexual (2016)
Rezaul Karim Siddique - Professor e promotor da música (2016)
Avijit Roy - Ateu e Autor (2015)

Pessoas assassinadas pela Religião da Paz nos últimos dois anos

Atualização em março de 2016

Turquia: intelectual criticou Maomé, agora apodrece na cadeia
Sevan Nisanyan (60), um intelectual turco proeminente de origem armênia, foi condenado a uma pena de prisão acumulada de 16 anos e 7 meses depois que ele cometeu o erro fatal de usar a língua zombeteira sobre Maomé, o profeta do Islã, em uma entrada de blog em setembro 2012. Ele foi mantido em uma prisão turca de segurança máxima desde 2 de janeiro de 2014. Ele não será elegível para liberdade condicional até 2024. (blog)

Atualização em fevereiro de 2016

Irã condena ativista Zeynab Jalalian por "lutar contra Alá"
Zeynab Jalalian, representa 2 coisas que a Ideologia Islâmica odeia:
1) é mulher e
2) é uma defensora dos direitos humanos.
"Um tribunal islâmico fez um breve julgamento, sem a devida diligência e representação legal adequada, durando apenas alguns minutos. Com base nisso, o Tribunal Islâmico alegou que Zeynab Jalalian pertencia a um partido político do Curdistão que era oposição ao governo, o PJAK, e acusou Zenayb de " lutar contra Alá" (mohareb) e deu-lhe a pena de morte. Quando foi condenada Zenayb não tinha qualquer advogado para defendê-la e mesmo assim foi acusada pelo Tribunal Islâmico que lhe disse: "Você é uma inimiga de Alá e você tem que ser enforcada muito em breve". Ela está na prisão a 8 anos esperando por sua execução. (fontefontefontefontefonte)

Atualização em janeiro de 2016

Irlanda: pastor processado por dizer que o islão foi concebido no inferno
Ele acabou sendo inocentado ao explicar que estava atacando a teologia islâmica e não os muçulmanos (fonte). Mas só o fato dele ter sido julgado por isso, já é um sinal que o mundo endoideceu.

(atualizações em outubro de 2015)

Irã: poetas condenados por "insultarem o sagrado"
Os poetas Fatemeh Ekhtesari e Mehdi Moosavi a 9 anos e 6 meses e 99 chicotadas e 11 anos e 99 chicotadas, respectivamente, sob a acusação de "insultar o sagrado" para a crítica social expressa em sua poesia. (Iran Human Rights)

(atualizações em junho de 2015)

Sri Lanka: Jornalista muçulmana é ameaçada de morte apenas por questionar a necessidade da utilização da burca 
Apenas isso. (fonte)

(atualizações em maio de 2015)

Sim, o islão pode (e deve) ser criticado! Não se acovarde, e não deixe que os outros te intimidem!
http://infielatento.blogspot.ca/2015/05/sim-o-islao-pode-e-deve-ser-criticado.html

(atualizações em março de 2015)


Kabul, Afeganistão. Mulher é apedrejada por ser ACUSADA de ter queimado o Alcorão
Onde foi que esta turba ensandecida aprendeu que se deve matar uma pessoa por queimar um Alcorão? E outra pergunta: a mulher realmente queimou um livro? Muitas vezes isso é acerto de contas, com uma pessoa acusando a outra e deixando a multidão fazer o trabalho sujo. Isso aí, gente, é aplicar a lei islâmica com as próprias mãos. Para quem quiser veja o vídeo, este é o link. PS. Alguns clérigos islâmicos defenderam o que a multidão fez (Fonte).




Facebook e a "blasfêmia"
O facebook acatou as ameaças do Sr. Erdogan excluindo aproximadamente 1900 páginas contrárias ao Islã ou que simplesmente digam a verdade sobre o profeta Maomé (Fonte).

(atualizações em fevereiro de 2015)

Bangladesh: Pensador humanista Avijit Roy foi morto por terroristas islâmicos 
Avijit Roy era um cientista, escritor, blogger, ateu, feminista, humanista, pensador livre, e fundador da mukto Mona blog para pensadores livres Bengalis. Ele vivia nos EUA, mas veio a Bangladesh para uma semana ou mais para participar da inauguração de seu novo livro na Feira do Livro nacional em Dhaka. Após a inauguração de seu livro hoje à noite, ele e sua esposa deixou a feira do livro, quando devotos islâmicos pararam o seu riquixá, os arrastaram para fora e cortaram Avijit até a morte. A esposa está viva, mas gravemente ferida. Lembre-se: a palavra 'assassino' vem de uma seita islâmica, que praticava o assassinato como forma de atuação (do mesmo modo que Maomé). (freethoughtblogs)

Arábia Saudita: jovem condenado à morte por destratar o Alcorão
Jovem é sentenciado à pena de morte por rasgar um Alcorão, chutá-lo e amaldiçoar o profeta do Islã, Maomé. Punição levada à cabo seguindo o Alcorão 5:33. (breitbart.com)

(atualizações em janeiro de 2015)

Asia Bibi: sentenciada à morte por beber um gole d'água
Leia o artigo no link

Paquistão
Reportagem do The Economist de novembro de 2014 discute a Lei da Blasfêmia do Paquistão. Além de ser algo contrário aos Direitos Humanos Universais, este dispositivo legal no Paquistão tem servido para a perseguição de minorias religiosas (cristãs e hindus) deixando a vítima sem chance de defesa contra acusações maliciosas. Enquanto que os juízes não têm receio de examinar evidências, imames atiçam multidões a se aglomerem do lado de fora exigindo punição dos acusados.
  • Em 2011 houve apenas um caso; em 2014, mais de 100. Um total de 62 pessoas já foram executadas por este "crime." 
  • O presidente da GEO, o maior canal privado de TV, foi condenado a 26 anos de prisão. O canal transmitiu uma canção sufista sobre Maomé (DW).
  • Os clérigos estão unidos na defesa da lei. Até mesmo os Balveris, uma escola islâmica considerada como moderada.
  • Dois anos após uma multidão enfurecida ter queimado uma centena de casas pertencentes a cristãos, a única pessoa presa é o cristão acusado da blasfêmia que provocou os ataques. (Tribune).
(atualizações em dezembro de 2014)
Governo do Paquistão determina inquérito de criança deficiente mental por BLASFÊMIA
Não existe nada mais ridículo e ofensivo para a humanidade do que a lei islâmica.
O Presidente Paquistanês, ASIF ALI ZARDARI, ordenou um inquérito à detenção de uma criança por BLASFÊMIA. O caso remonta à passada quinta-feira, quando a Polícia deteve uma menina Cristã de cerca de 11 anos, PORTADORA DE TRISSOMIA 21, uma perturbação congênita que afeta o desenvolvimento cognitivo. A criança terá sido vista em público com páginas queimadas de textos Islâmicos. A notícia espalhou-se pelo bairro de Mehrabad, na Capital Paquistanesa, e uma multidão em fúria exigiu a detenção da criança. A tensão obrigou os residentes Cristãos a abandonar o bairro.
A criança foi presente a um Tribunal na sexta-feira e foi colocada em prisão preventiva por 14 dias. A BLASFÊMIA pode ser punida com a Pena de Morte no PAQUISTÃO. A intolerância deverá impedir um debate nacional sobre a questão. O antigo Ministro das Minorias, SHAHBAZ BHATTI, foi assassinado no ano passado depois de reclamar a Abolição da LEI DA BLASFÊMIA.
YOUTUBE: http://youtu.be/adN0qgaDPsw

Egito: Fatima Naoot, escritora, é processada por ter escrito uma nota no tweeter criticando o islão
Ela é acusada de "blasfemar contra o islão", por ter dito "feliz abate" ao se referir ao Eid Al-Adha, a celebração na qual muçulmanos festejam sacrificando animais. Se ela tivesse feito o mesmo no ocidente, ela teria sido acusada de racismo e islamofobia. Esse é o estágio das coisas no mundo.
http://www.timeslive.co.za/africa/2014/12/27/egyptian-writer-charged-for-tweet-defaming-islam

(atualizações em novembro de 2014)

Obra-prima de Mozart é uma blasfêmia contra o islão 
Veja o vídeo e admire a música neste link.

República Islâmica do Irã executa homem por interpretar a história do Alcorão como conto simbólico
Amir-Aslani foi enforcado na semana passada por fazer "inovações na religião" e "espalhar a corrupção na terra", mas ativistas de direitos humanos disse que ele era um prisioneiro de consciência que foi condenado à morte por causa de suas crenças religiosas. Essas acusações são baseadas no Alcorão 5:33. (Guardian)

Mas não foi exatamente isso que o Jean Willys disse, que a bíblia era uma alegoria. Mas como o Brasil é um país onde existe liberdade de expresão, nada aconteceu com ele. Contudo, ele apoia o islamismo, que o mataria se ele falasse o mesmo do Alcorão.

Paquistão: Polícia usa um machado para matar uma pessoa acusada de blasfêmia
É isso mesmo, falou algo sobre Maomé que não seja elogio, te matam! (Tribune)

(atualizações em outubro de 2014)
Estado Islâmico degola, crucifica e mata à tiros 700 pessoas que se revoltaram contra o seu governo
Isso aconteceu em agosto. A matança em massa foi para dar um exemplo. O mundo nem está aí com isso. (Jihadwatch)

(atualizações em março/abril/maio/2014)

Paquistão: Cristão condenado à morte por difamar Maomé
O incidente ocorreu em 7 de março do ano passado. Um homem muçulmano jovem acusou Masih de difamar o Profeta Maomé, uma acusação grave em um país onde a blasfêmia pode ser punida com prisão perpétua ou morte.

A Lei de blasfêmia do Paquistão existe desde 1947, mesmo antes de fundação do país. Durante os anos 1980, o ditador militar apoiado pelos EUA, o general Mohammed Zia-ul-Haq, alterou-a para adicionar a pena de morte e destacar o Islã como a religião que não pode ser insultada, entre outras alterações.  (AP) Veja bem que está lei se aplica a qualquer um, inclusive um ateu.


(atualizações em novembro de 2013)
Índia: Professor cristão, falsamente acusado de blasfêmia, é mutilado
Essa é mesma lei da blasfêmia que a OIC tenta ver instituida a nível mundial. TJ Joseph, é um professor cristão acusado de blasfêmia em 2010. Ele foi acusado de incluir questões que insultavam Maomé, em um exame que ele deu aos seus alunos do Newman College. Membros de um grupo supremacista islâmico, a Frente Popular (islâmica) da Índia, ficaram sabendo do exame de Joseph e fizeram a acusação de blasfêmia, o que levou Joseph se ver inundado com ameaças. Finalmente, um grupo de muçulmanos atacou Joseph e cortou a mão direita e parte do braço. Newman College, vendo a forma como o vento estava soprando, seguiu os passos de séculos de acadêmicos covardes, demitindo Joseph e cancelando a sua pensão. Agora, ele foi absolvido das acusações. Acusações falsas que o deixaram mutilado (AsiaNews).

Malásia: Adolescente preso por insultar o Islão no Facebook
(The Star) Na moderna e moderada Malásia parece ser ilegal expressar desaprovação ao terror da jihad  ou à supremacia islâmica. É improvável que uma expressão pública semelhante de antipatia para o cristianismo ou qualquer outra religião teria resultado em prisão. São apenas os supremacistas islâmicos, cuja fé é tão frágil e insegura, que eles têm que anular todas as críticas fundamentadas , bem como o ridículo de sua fé, pela força da lei.

Além disso, este é o tipo de lei que os promotores do mito da “islamofobia”  estão tentando trazer para o Ocidente. Ao  denegrirem toda a oposição legítima ao terror da jihad e à supremacia islâmica como “preconceito” e “ódio”, eles estão tentando atrelar a esta oposição um estigma que irá pavimentar o caminho para a criminalização da crítica do islão em geral. O objetivo disso é , em primeiro lugar, o de impor as leis de blasfêmia da Sharia, proibindo tais críticas, sobre as sociedades livres do Ocidente, e também para limpar todos os obstáculos para o avanço da jihad, tornando impossível para qualquer um de dizer uma palavra contra ela. 

Paquistão: Cristão acusado de blasfêmia entrega-se à polícia para evitar ser assassinado por multidões muçulmanas
Adnan Masih, um pastor cristão de 26 anos, após ser acusado de blasfemar contra o profeta Maomé, se entregou à polícia devido a sérias ameaças à sua vida, oriundas de extremistas pertencentes a uma organização religiosa banida, disse seu advogado ao Pakistan Today. Hafiz Abdul Malik, do grupo islâmico Jamaat ud Dawa, disse há algumas semanas atrás sobre o caso: "É melhor que a polícia prenda o blasfemador e o entregue a nós no sábado, caso contrário nós não seremos responsáveis por qualquer situação relacionada a lei e a ordem na cidade. Como alguém se atreve usar linguagem depreciativa contra o nosso amado profeta ... eles não sabem que o Alcorão nos ordena a cortar a garganta de quem é desrespeitoso ao amado profeta de Alá? " (Morning Star News) O crime do pastor foi ter apontado várias declarações sobre a Bíblia e sobre Jesus Cristo, a qual ele acreditava incorretas, em uma publicação. O pastor é acusado segundo as seções 295-A, 295-B and 295-C da lei paquistanesa. Estatuto 295-A proíbe ultrajar os sentimentos religiosos (dos muçulmanos), 295-B proíbe profanar o Alcorão, e 295-C proíbe difamar o profeta Maomé. As partes A e B exigem que a intenção seja provada, a fim de obter uma condenação. Profanar o Alcorão é punível com prisão perpétua, e difamação o profeta Maomé é punível com a morte, com ou sem multa. 

Comentários:
(1) "Eles não sabem que o Alcorão nos ordena a cortar a garganta de quem é desrespeitoso ao amado profeta de Alá?" - Esse é o tipo de afirmação que se você citar você acaba sendo acusado de "islamofobia". (2) A lei da blasfêmia segue preceitos da lei islâmica (Sharia), que só existe em países de maioria muçulmana (exceto na Grã Bretanha, onde existem 10 cortes islâmicas oficialmente instaladas, apesar dos muçulmanos serem, ainda, apenas 10%). De modo que é de se esperar que qualquer país que passar a ter maioria de muçulmanos o mesmo venha a acontecer. Isso é algo a acontecer na Europa, se as tendências demográficas não se reverterem.
(atualizações em setembro de 2013)
Muçulmanos “pacíficos”tacam fogo em  dezenas de casas cristãs no Paquistão
Isso aconteceu em março/2013. Um muçulmano discutiu com um cristão e não gostou disso. No dia seguinte ele acusou o cristão de ter difamado Maomé. Centenas de muçulmanos atacaram casas de cristãos, ateando fogo, e também desecraram uma igreja. Os cristãos são pobres e perderam tudo (AP). Esse é mais um exemplo do que acontece como consequência da lei da blasfêmia

(atualizações em junho de 2013)
Enquanto isso, em Londres ...

eles levam isso a sério! (vejam exemplos aqui e aqui)

Adolescente executado publicamente por blasfêmia em Alepo, Síria
O adolescente vendia café em um barracão improvisado. Ele disse que não venderia fiado nem que Maomé ressucitasse. Ele foi levado por rebeldes anti-Assad e torturado. Na volta, os rebeldes disseram que apostasia e amaldiçoar o profeta é um crime odiondo e mataram o adolescente com dois tiros na frente da multidão, que incluia os pais do menino (jun/2013, Arutz Sheva).

Lei da blasfêmia nos ... Estados Unidos !!!
Parece brincadeira mas na terra da liberdade, onde o direito de expressão tem uma emenda constitucional própria, criticar o islão agora é crime. Em uma reunião no Tennessee, dois funcionários do governo dos EUA, o procurador Killian e o agente especial do FBI Moore, disseram à platéia de cerca de 800 pessoas que "se você difamar o Islã e se envolver em discurso de ódio em relação aos muçulmanos que você vai ser processado ao máximo." Um dos presentes fez o seguinte comentário: "Eu vejo judeus sendo demonizados a cada dia. Eu vejo muitas religiões diferentes - até mesmo os Mórmons - crucificados diariamente, mas não vejo a promotoria entrar em comunidades para educar, às custas do dinheiro dos contribuintes, sobre o que você pode e não pode dizer em nossa sociedade". Este padrão-duplo foi discutido em um outro artigo (junho/2013, Clare Lopez; WSMTV).

Professora egípcia copta presa sob a acusação de mostrar desprezo ao islão
Esta notícia poderia ser colocado sob preseguição aos cristãos. Dimiana Abdul-Nour, professora de história e geografia na cidade de Luxor, foi acusada pelos pais de um aluno da quarta série de ter mostrado desprezo ao islão durante uma aula. Ela foi solta pagando fiança de 3 mil dólares, mas a investigação continua (maio/2013, FoxNews). A criminalização da blafêmia (contra o islão) faz parte da constituição do Egito, adotada em dezembro de 2012.
A mãe da professora mostra a sua preocupação com a destino da filha. 

Escritor turco-armênio condenado à prisão por blasfêmia
Na Turquia. Sevan Nisanyan, autor turco-armênio e blogueiro, foi condenado por um tribunal de Istambul a mais de um ano de prisão por insultar o profeta Maomé. Crime de Nisanyan escrever no seu blog, ano passado, um artigo intitulado "discurso de ódio precisa ser combatido", no qual ele escreveu: "Não é o discurso de ódio satirizar um líder árabe que alegou que ele tinha contactado Alá centenas de anos atrás e recebeu benefícios políticos, financeiros e sexuais como retribuição à estes contactos. " "É um teste da liberdade de expressão em um nível quase de jardim de infância. "(May/2013, Panorama.am)

(atualizações em dezembro de 2012)
Egito: Tribunal condena cristãos a 3 anos por blasfêmia
Um tribunal do Cairo condenou o blogueiro cristão copta Saber Alber a uma pena de prisão de três anos alegando "blasfêmia e desprezo da religião." Seu crime foi o de compartilhar no Facebook o clipe de "A Inocência dos muçulmanos." Sob a Sharia é um crime de criticar o Islã, Maomé e Sharia. (Dez/2012, YahooNews)

Trailer de filme faz com que a Arábia Saudita peça pela censura na internet
Em uma apresentação para futuras negociações internacionais sobre a governança da Internet, a Arábia Saudita pediu ao novo organismo internacional para censurar a internet, na esteira do clipe do YouTube que recentemente provocou violência no Oriente Médio (The Telegraph, Out/2012).

Casos de “blasfêmia” que ocorreram no mês de outubro de 2012 envolvendo crianças não-muçulmanas em países islâmicos
Em vários desses casos, a multidão se tornou violenta após as orações da sexta-feira, levantando a possibilidade de que as revoltas ocorreram com a coordenação de seus líderes religiosos. [PJMedia]:

1 de outubro, Bangladesh: enfurecidas devido a uma foto do Alcorão que apareceu no Facebook de um menino, multidões muçulmanas tacam fogo em pelo menos 10 templos budistas e 40 casas.

3 de outubro, Egito: Dois meninos cristãos coptas, Nabil Rizk, 10, e Mina al-Farag, 9, foram presos pelo crime de urinar no Alcorão. Multidões enfurecidas se reuniram em frente à delegacia, fazendo a segurança a ser despachada para a aldeia. Após cobertura internacional, os meninos foram liberados, mas ainda são acusados do crime. No caso das crianças egípcias coptas, um líder local islâmico, Shamardal, insistiu (LDNewsque "os dois meninos não poderia ter agido sozinho e que eles devem permanecer sob custódia até que confessar que incitou-los." Raymond Ibrahim Raymond Ibrahim documentou a distribuição de folhetos no Egito convidando "todos os irmãos e irmãs" para "matar ou atacar fisicamente os inimigos da religião de Allah - os cristãos em todas as províncias do Egito, os escravos da Cruz."

8 de outubro, Karachi, Paquistão: 16 anos Ryan Stanten foi preso por encaminhar uma mensagem de texto considerada blasfema. Multidões furiosas saquearam e queimaram a sua casa de família. (ContinentalNews)

12 de outubro de Dar es Salam, Tanzânia: 14 anos Emmanuel Josephat foi preso por urinar no Alcorão. Em resposta à alegada profanação, 10 igrejas foram atacadas e queimadas, janelas de carros quebradas e transeuntes agredidos. A multidão enfurecida, em seguida, se reuniu do lado de fora da delegacia, exigindo que o menino ser liberado para eles com a intenção de o decapitar. Enquanto o menino permanece sob custódia, sua mãe sitiada pede "Eu admito o meu filho cometeu um erro tolo - um erro que poderia ter sido feito por qualquer criança".

A acusação forjada de Rimsha Masih, Paquistão 
A prova de cumplicidade de um Imã aparece no caso de uma jovem paquistanesa com síndrome de Down, o Rimsha Masih, presa e detida por 3 semanas em agosto acusada de atear fogo a papéis que continham versos corânicos. Os protestos resultantes forçaram mais de 600 cristãos a fugirem da área para dentro de florestas com medo. Como se viu, o imã local havia acusado falsamente a menina como o pretexto "de expulsar os cristãos da área". O Imã já foi liberado sob fiança, enquanto Rimsha e sua família permaneceram na clandestinidade. Rimsha foi liberada em novembro de 2012 (Telegraph).



Ainda no Paquistão

Há também indicação de que acusações de blasfêmia instigaram o rapto de um menino, Samuel Yaqoob, de 11 anos de idade, de Christian Faisalabad, vários dias após a prisão de Rimsha. Samuel foi brutalmente torturado e queimado até a morte (Aug, 2012 Telegraph)

Recompensa por Salman Rushdie aumentou para 3,3 milhões dólares

Você se lembra da fatwa do Aiatolá Komeini, para algum muçulmano fervoroso matar Salman Rushdie por causa da novela “Os Versos Satânicos.” Isto foi em 1979. Pois bem, a fatwa continua até hoje. E para aumentar o interesse religioso para matar os outros, o Irã aumentou o prêmio para o eventual assassino. Quem matar Salman Rushdie agora irá receber 3,3 milhões de dólares, um aumento em 500 mil dólares. Romântico, não é? (set/2012, Vancouver Sun)



Irã promete caçar autor de filme anti-Islã

A mesma notícia do Vancouver Sun fala que o Irã promete caçar o autor do filme "A inocência dos muçulmanos." Que bagunça é essa. Cadê as Nações Unidas?

Ministro paquistanês oferece US$ 100 mil por morte de autor de filme anti-Islã
O ministro das Ferrovias do Paquistão ofereceu neste sábado uma recompensa de US$ 100 mil para quem matar o autor do filme “Inocência dos muçulmanos”, que satiriza a história de Maomé. Ghulam Ahmed Bilour convocou também o apoio dos grupos extremistas Talibã e al-Qaeda na chamada por ele de “nobre tarefa” de caçada ao produtor, segundo informações das agências internacionais EFE e AFP. Bilour também pediu que os ricos coloquem seu dinheiro e ouro a disposição de mercenários que queiram matar o autor do filme. (Set/2012, O Globo)
Veja bem. Um ministro de um país oferece dinheiro pelo assassinato de um cidadão de outro país. Isso é loucura. Mas ele vai mais longe. Ele convoca o apoio de mercenários e grupos terroristas. Onde nós estamos? É uma barbárie total!

No Kuwait ...
No Kuwait, Hamad al-Naqi recebeu a sentença máxima  de 10 anos, por supostamente insultar Maomé, sua esposa, e seus amigos. Al-Naqi alegou que sua conta no Twitter foi invadida e que alguém enviou as mensagens. Se isso for verdade, esta seria uma maneira mortal de colocar alguém em apuros ou fazer um "acerto de contas." Para piorar as coisas para o acusado, alguns políticos do Kuwait pedem pela pena de morte (Junho, Al Arabyia).

Na Tunísia da "Primavera Árabe" ...
Na Tunísia, o ministro tunisino dos Assuntos Religiosos tenta indiciar Jelil Brick, sob acusações de blasfêmia ao Islã. Jelil Brick é um lutador e veterano dissidente contra qualquer forma de ditadura (seja política, econômica, religiosa). Ele vive em Paris e faz vídeos no YouTube. Jelil Brick já sobreviveu a uma tentativa de assassinato islâmico, enquanto ele estava sentado em um bar na Champs Elyse'e em Paris, ele foi atacado e esfaqueado nas costas por cinco ou seis jovens que ostentavam a inconfundível barba longa usada pelos Salafistas (ENSA). Moral da história: na ausência de um governo para "fazer justiça" vai ter sempre algum muçulmano por perto disposto a isso.

Na Turquia, outrora secular, blasfêmia também é crime
Fazil Say, pianista clássico, está irá ser julgado pelo governo da Turquia, em um tribunal em Istambul, sob a acusação de heresia e insultar o Islã. Fazil Sayd  disse em alguns twiters que o Corão diz que há rios de bebidas no céu, que o faz parecer como um bar, enquanto que as mulheres bonitas disponíveis no céu o faz parecer como um bordel. Esse é o seu crime - escrever um par de frases que descrevem os seus pensamentos (25/Maio/2012, Today's Saman). Este fato é preocupante e mostra que o atual governo turco está se islamizando e seguindo uma linha contrária a Ataturk, o pai da Turquia moderna, que, após terminar com o Califado, disse:
Aqueles que usam a religião para seu próprio benefício são detestáveis​​. Somos contra essa situação e não a permitiremos. Aqueles que usam a religião de tal maneira tem enganado o nosso povo; é  contra essas pessoas que nós lutamos e continuaremos lutando.
Se criticar o Islã na Turquia for crime, a Turquia não é mais um estado secular. E isto vale para qualquer país do mundo.

No Egito, homem é processado por mostrar Mickey e Minnie em trajes islâmicos
O bilionário egípcio e telecom magnata Naguib Sawiris será julgado sob a acusação de desprezo a religião depois de twittar uma caricatura de Mickey Mouse e Minnie Mouse em traje islâmico (ele fez isso para criticar a Irmandade Muçulmana e os salafistas). Para piorar as coisas, o acusado é Copta (9/Jan/2012, Al Arabyia).

Aiatolá iraniano edita Fatwa contra rapper
Última canção de rapper na Alemanha lhe rende pena de morte. Canção foi considerada ofensiva para o reverenciado décimo Imã dos xiitas (YNetNews).

Escritora canadense silenciada na Indonésia e na Bélgica
Repressão policial e ataques de extremistas religiosos são a tônica da excursão da autora canadense Irshad Manji à Indonésia, um país que ela anteriormente havia descrito como um símbolo de "moderação no islamismo." "Quatro anos atrás, eu vim para a Indonésia e experimentei uma nação de tolerância, pluralismo e abertura", disse Manji. "As coisas mudaram". 

Irshad Manji é autora do livro “O problema com o Islão,” que critica o islamismo fundamental.  Devido a este livro ela é acusada de apostasia. Para piorar a situação, ela é lésbica.

O curioso é que ela está promovendo o seu segundo livro intituilado "Alá, liberdade e amor." Este seu livro foi banido na Indonésia por "contrariar os ensinamentos contidos no Alcorão e nos Hadith"  (24/Maio/2012, The Star).

Em dezembro, a Sra. Manji estava falando em Amsterdã quando o evento foi invadido por 20 homens com bandeiras gritando Allahu Akbar (Alá é o maior). Os homens fazem parte do Shariah4Belgium, um grupo islâmico que luta pela imposição da lei islâmica na Europa (10/Maio/2012, National Post).

Egito prende estudante cristão a três anos de prisão por insulto ao Islão
Um tribunal egípcio condenou nesta quarta-feira um rapaz cristão de 17 anos de idade a três anos de prisão por publicar charges, na sua página do Facebook, zombando do Islã e do profeta Maomé (Reuters).

50 ONGs assinam petição pedindo a libertação de Asia Bibi
Ativistas apresentaram uma petição terça-feira ao Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas chamando o Paquistão para libertar uma mãe cristã de cinco condenada à morte sob a acusação de blasfêmia. Um tribunal paquistanês culpou Asia Bibi de profanar o nome do profeta Maomé durante uma discussão de 2009 com companheiras de trabalho de campo muçulmanas. A infracção é punível com a morte ou prisão perpétua, de acordo com o código penal do Paquistão, e Bibi foi condenado à forca. Ela está presa deste então (13/3/2012, CNN)

Interpol prende jornalista por blasfêmia contra Maomé
O jornalista Hamza Kashgari fugiu da Arábia Saudita após colocar uma mensagem no tweeter que ele não rezaria mais para Maomé. As autoridades sauditas o acusarem de apostasia e blasfêmia, e a Interpol o prendeu na Malásia. Agora, a Interpol está sendo criticada por ter prendido uma pessoa com base em uma lei saudita que contraria os direitos humanos (direito de expressão e direito de mudar de religião) (10/2/2012, Guardian).

Atualização: A Arábia Saudita vai processar o jornalista. Se condenado ele será considerado como um apóstata e executado. O que ele falou? Em uma imaginosa conversa com Maomé, o jornalista disse que "eu gosto de seus alguns aspectos e odeio outros." Blasfêmia! Morte!

Atualização 2: para salvar a sua pele (e principalmente, o seu pescoço) o jornalista "recantou" ou seja, pediu desculpas. Viola no saco e bico calado. Liberdade estilo islâmico.  

Rei Saudita prende escritor por "abusar do profeta"
O colunista é acusado de escrever colunas e ensaios considerados como ofensivos ao profeta (Emirates,8/2/2012). Mas não se preocupe pois a Organização da Cooperação Islâmica deseja criminalizar em todo o mundo qualquer pensamento crítico sobre o Islão e Maomé.  

Artista Lars Vilks é atacado por muçulmanos durante palestra sobre liverdade de expressão
Aconteceu na Universidade de Upsala, na Suécia. Em 2007, Lars Vilks desenhou um cachorro cuja cabeça era Maomé. Desenho é haram (proibido). E desenhar Maomé ainda mais. E na cabeça de um cachorro? Lars Vilks estava criticando o mesmo comportamento ao qual ele é agora vítima. Veja o vídeo.


Palestra de Embaixador de Israel interrompida pela Associação de Estudantes Muçulmanos
Aconteceu na Universidade UC Irvine, nos EUA. Michael B. Oren, diplomata e historiador, iria falar sobre a relação entre EUA e Israel por um ponto de vista histórico. Mas ele foi periódicamente interrompido até que a segurança da universidade tivesse que retirar os manifestantes (Fev/2010, CCR).



Nenhum comentário: