domingo, 7 de abril de 2013

Por que, no islamismo, uma mulher é presa, açoitada ou morta depois de ser estuprada?


Tornou-se algo comum ouvir ou ler no noticiário sobre alguma mulher, muçulmana ou não, sendo presa, condenada ao açoite ou mesmo à morte por ter sido estuprada.Tão comum que as pessoas começam a não se incomodar mais. Isso deveria ser algo incompreensível e injustificável para todos nós (exceto para aqueles que justificam este ato sob a ótica do multiculturalismo radical e míope). Pois bem, isto aconteceu novamente, deste vez nas Ilhas Maldivas, um arquipélago considerado um paraíso turístico, mas cuja população (100% islâmica) se encontra sob a tutela de um governo islamista (da linha dos sauditas e da irmandade muçulmana) instalado em um golpe:
Sobrevivente de estupro de 15 anos de idade, nas Maldivas, foi sentenciada a 100 chicotadas em público! Após ter sido estuprada por seu padastro, a jovem foi condenada a 8 meses de prisão e terá que levar 100 chicotadas ao completar 18 anos. Ela cometeu o crime de ter relações sexuais antes do casamento, e foi condenada por um tribunal do país, que segue os preceitos de lei islâmica. O interessante é que o padastro ainda não foi preso, apesar dele ter engravidado a jovem e ter matado o bebê (Jovem Pan; MiniVan News). 
E também o caso a norueguesa que foi presa no Dubai por ter sido estuprada (Terra) ... (e mais exemplos em "direitos das mulheres sob o islão").

Mas porque isto acontece? Entra em campo a CONEXÃO MAOMÉ: O Alcorão diz 91 vezes que Maomé é o "melhor exemplo de conduta para a humanidade." E a lei islâmica segue o exemplo ao pé-da-letra.

Vejamos como isso aconteceu ...


Em dezembro de 626, o que corresponde ao quinto ano da Hijra (quando Maomé se mudou de Meca para Medina), Maomé, o profeta do islão, escolheu a sua esposa Aisha para acompanhá-lo na campanha contra a tribo judáica dos Bani Al Mustalik.  

(Maomé tinha então 58 anos, e Aisha 13).

Os judeus Bani Al Mustalik foram atacados sem aviso prévio, no momento em que eles davam água para os seus rebanhos. A maioria dos homens foram mortos, enquanto que as suas esposas, filhos e filhas foram escravizados .

Este massacre, e o consequente extermínio dos Bani Al Mustalik,  é descrito por Bukhari, Livro 3, Volume 46, Hadith 717 è Na sua vida, ao todo, Maomé exterminou 5 tribos judáicas è isso se chama GENOCÍDIO.

Dentre as cativas se encontrava Juwayriya, a bela filha do chefe da tribo. Aisha teve ciumes de Juwayriya por causa da sua beleza :
Narrado por Aisha: Juwayriya bint al-Harith … era uma mulher muito bonita … por Alá, assim que eu a ví, eu a odiei.
 Aisha estava certa, pois Maomé imediatamente promoveu Juwayriya, de escrava a esposa (este fato foi narrado em outro artigo).

No caminho de volta à Medina, o exército de Maomé fez acampamento para passar a noite. Aisha sentiu vontade de responder ao chamado da natureza (ou seja, ir ao banheiro) e se ausentou do acampamento. Ao voltar, ela se deu conta que havia perdido um colar. Ela provavelmente demorou bastante tempo e estava muito entretida nesta busca, pois ela não ouviu o barulho de um exército de 700 homens, suas mulheres, cavalos, camelos e escravos,  levantando acampamento e deixando o local totalmente. Quando ela chegou de volta ao local do acampamento, ele estava deserto. Ela ficou por lá na esperança que Maomé iria dar pela sua falta. Mas na verdade, Maomé estava bastante ocupado com a sua nova esposa e não sentiu a falta de Aisha.



Então, um jovem soldado, Safwan bin al Mu’attal, que também havia ficado para trás por algum motivo, reconheceu Aisha e deu uma carona para ela no seu camelo.

Para quem assistiu a cena da chegada, Aisha estava retornando junto de Safwan, e isto gerou vários comentários que se desenvolveram em um escândalo. Safwan era jovem, mas Maomé era velho, gordo e fora-de-forma … e também sexualmente impotente 

(comentário : diz-se que Maomé tinha a virilidade de 50 homens; o fato é que ele teve mais de 20 esposas fora as escravas e as outras que se deram para ele, e ele teve com elas apenas um filho (que morreu)! "Narrado por Aisha: Mágica opera sobre o apóstolo de Alá de modo que ele pensa que ele tem relações sexuais com as suas esposas quando na verdade ele não tem -Bukhari 192, 24, 3222).


O pior é que até mesmo seus mais próximos colaboradores, como Ali, que se tornaria o quarto califa, e Hassan ibn Thabit, o poeta de Maomé, estavam meio desconfiados.

Maomé também teve as suas suspeitas, pois manteve Aisha em prisão familiar por um mês. A sua preocupação era de que Aisha tivesse engravidado. Se Aisha estivesse grávida ela seria uma mulher adúltera pois todos sabiam que Maomé não tinha dormido com ela desde que ele se apoderou de Juwayriya.

Mas, depois de um mês, para alívio de Maomé, Aisha ficou menstruada.

Foi então que Maomé disse que ele recebera uma nova revelação do anjo Gabriel dizendo que Aisha era inocente, e que todos aqueles que tinha feito fofoca eram culpados. Isto está no Alcorão 24 :11.

Mas, o Alcorão 24 :13 é que é o problema. Nele, apresenta-se o seguinte desafio : porque aqueles que acusaram Aisha não apresentaram 4 (quatro) testemunhas para provar a sua acusação?

Sim, isso mesmo, QUATRO.

Esta exigência de quatro testemunhas tornou-se um desastre para as mulheres muçulmanas. Por causa dela, nas sociedades muçulmanas, os homens podem estuprar com impunidade.

Como obediência às injunções de Alá, todos os caluniadores receberam 80 chicotadas.

Moral da História

A moral desta história não é a inocência ou culpa de Aisha. A moral é a consequência para as mulheres muçulmanas : se elas forem estupradas, elas só podem acusar o estuprador se elas tiveram 4 testemunhas (masculinas). Caso contrário, elas vão ser, presas, açoitadas (por serem caluniadoras) e se forem casadas elas são apedrejadas (por adultério)!

Veja o que diz a lei islâmica:
O24.9 Se o testemunho está relacionado a fornicação [sexo ilícito] ou sodomia, então exige-se quatro testemunhas do sexo masculino (O: que testemunham, no caso de fornicação, que eles viram o infrator inserir a cabeça de seu pênis na vagina dela)
Fonte Manual de Lei Islâmica 'Umdat al-Salik wa-'uddat al nasik (The Reliance of the Traveller), Amana Publications, p. 638. 
Parêntesis: o que seria "sexo lícito" segundo a lei islâmica?

Para o homem:
  • Sexo com uma das suas 4 esposas;
  • Sexo com uma mulher “que a sua mão direita possuir” (escrava sexual = mulher não-muçulmana … e existem regras para isso também que inclusive justificam o estupro de mulheres não-muçulmanas  é por isso que Mohammed é o nome mais comum dentre os estupradores na Inglaterra)
  • Sexo com uma esposa temporária (independente do seu estado civil)
Para mulher:
  • Sexo com o seu marido
  • Sexo dentro de um contrato de casamento temporário (se ela for solteira ou divorciada)

Comentário final

Eu quero concluir dizendo o seguinte. É comum considerarmos que os fundadores de qualquer religião têm necessariamente que serem pessoas pacíficas, espirituais, que buscaram fazer o bem no mundo, como foram Buda ou Jesus, por exemplo. Este raciocínio levaria à conclusão de que Maomé teria sido igualmente pacífico, espiritual e bondoso. As pessoas pensam que as organizações religiosas podem não serem muito boas, em tempos, ou que membros individuais podem cometer erros, distorcendo os ensinamentos e o exemplo original do fundador. Bem, com o islão isso não se aplica. Apenas neste artigo nós vimos Maomé como assassino em massa (genocídio), traficante de escravos, estuprador, e legislador de uma das mais repugnantes leis jamais feitas, a de que estupro só pode ser confirmado com 4 testumunhas. Isso está na lei islâmica. E é por isso que a jovem de 15 anos das Ilhas Maldivas foi condenada apesar de inocente. E tantas outras têm sofrido injustamente ao longo da história, desde o século sétimo, e vão continuar sofrendo se nós nos calarmos. 












18 comentários:

Anônimo disse...

As leis musulmanas são no minimo ABSURDAS
PS- eu não conheço o Al Corão mas existe uma parte onde diz Maome
"QUANDO PISAREM NA LUA O ISLAM CAI"

Anônimo disse...

Ainda bem que eu estou no Brasil.
Aqui o Islão não tem vez. Aqui é nóis na fita.
Tô tranquis!

Anônimo disse...

gente isso nao e lei!!e um crime!!quer dizer que os imprestavel dos homens pode sair pod ai abusando das mulheres e ficar por isso mesmo!!!!!!!que terra e esta,que em vez de ajuda, mata as coitadas!!eu tenho nojo desse lugar,e dos homens desse lugar que a justica nao serve para ajd,quer precisa.lixo lixi lixo!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

e horrivel quando a gente ler que uma mulher foi morta pq,foi abusada,o que e isso gnt,isso e terra,e gnt,e nacao,e pais,ou e monstruosidade,homene que estupa tem que ser cortado pela raiz.depois fazer comer,o seu propio cocò!!!!!!!!!!!!!

Diana Avakyan disse...

Todo dia morre uma mulher no Brasil, vitima de violencia .. Cuidam do seu pais! Dos seus problemas ...

José Atento disse...

Diana: isso é verdade. Crimes acontecem. A questão é: como combatê-los? A sociedade brasileira mostra-se bastante progressista neste aspecto, existindo uma legislação própria para punir os culpados.

Uma lástima é a lei islâmica, que protege os assassinos, relegando a mulher a um papel mais do que subalterno.

Veja bem, existem implementações em nivéis diferentes da Lei Islâmica. Mas o fato é que quanto mais fundamental um país se torna, pior fica para a mulher.

A propósito, uma artigo interessante é este: "O islão e a Lei Maria da Penha” publicado no blog Rafik Responde ao Islam http://rafik-rafikresponde.blogspot.ca/2013/11/o-islam-e-alei-maria-da-penha.html

Aproveite a leitura. :-)

Anônimo disse...

Execelente artigo e esta muito bem elaborado.
Nao sei se vcs viram mas tem um video de um mulcumano brasileiro, na regiao Sul do Brasil ensinando como bater em mulher! !!!
Por que mulcumanos pensam que podem bater em mulher? ??
Vc poderia fazer um artigo sobre isso ?
Obrigada! !!

José Atento disse...

O vídeo qeu você se refere, do imã no Sul do Brasil, foi abordado em "Maomé, homem sem honra ... "

http://infielatento.blogspot.ca/2011/11/maome-homem-sem-honra-ala-diz-que.html

João Paulo disse...

Meus caros no Brasil alguns homens também acham que "podem" bater em mulher. No discurso todo mundo é progressista mas a realidade é outra. Acho que vocês não acompanham jornais ( alguém viu o video do homem que deu uma cotovelada em uma mulher numa briga de transito e ela ficou em coma? Deem uma "gorgolada" e vocês acharam centenas de casos de violência contra a mulher cometidas por pessoas não mulçumanas.

José Atento disse...

João Paulo. Você está corretíssimo. E é sempre importante lembrar que não foi o islão quem inventou, por exemplo, o abuso de mulheres. Mas pelo fato do seu fundador ter abusado de mulheres (dos mais diversos modos), pelo fato dele ser considerado como o melhor exemplo de conduta para a humanidade, e pelo fato deste seu comportamento servir de base para a lei islâmica, o islamismo sedimentou estes comportamentos como coisas permitidas.

De modo que atitudes que nós consideramos como totalmente erradas, e que condenamos quando acontecem, podem ser consideradas como permitidas sob a ótica da lei islâmica.

Alexandre Sousa disse...

Não se deve aceitar gente de fé muçulmana como imigrante. Eles devem ficar em seus devidos paises enquanto existir esse tipo de fé. Não me comovo em saber que a grande maioria são de pessoas honesta e trabalhadoras. Temos que banir esse livro maldito.

Anônimo disse...

olha so quem ta comentando sobre religião moral violência , um bando de indigentes sem moral alguma, que no minimo cada um de vcs deve ter um parente muito próximo na cadeia passeando, e ainda tem coragem de vir aqi e falar, GENTEEEEEEEEEEEEEEEE O ISLAM DISPENSA IGNORANTES, E VC QI SE ORGULHA DE SUAS LEIS, CADE O ESTUPRADOR DA SUA FILHINHA DE DEZ ANOS, CADE O ASSASINO DA SUA MAE? E ASSIM VAI, O ISLAM DISPENSA APRESENTAÇAO E EM RELAÇAO AOS ESTUPRADORES SEUS COLEGAS DE PROFIÇAO SEJAM ELES MUÇULMANOS OU NAO, SAO CRIMINOSOS COMO VC IGNORANTES, NAO MUITO LONGE DOS CRIMINOSOS DO BRASIL OU DE QUALQUER OUTRA PARTE DO MUNDO SACOU CAMARADA?
OBRIGADA.

José Atento disse...

Amiga, Maomé foi um estuprador. Além disso ele não permitiu, mas incentivou o estupro de mulheres não muçulmans (káfir). E Alá, ao invés de explicar para Maomé que o que ele estava fazendo era errado, simplesmente disse que Maomé estava correto! Deste modo, o estupro de mulheres inféis está consolidado na Sharia. ISSO É O ISLÃO!!! É claro que existem estupradores em outros lugares, mas isso é crime. Apenas a Sharia possui provisões que permitem o estupro. Precisa ser mais claro do que isso?

Veja este meu artigo que mostra que os países islâmicos possuem os mais altos índices de estupro do mundo!!!

http://infielatento.blogspot.ca/2016/02/sociedades-islamicas-tem-maior-indice-de-estupro-do-mundo.html

Anônimo disse...

Não adianta comentar nada a pessoas que não acreditam nem na sua própria religião, religião é fé e fé não se discute. No momento que tiverem o privilégio de a obter saiam da ignorância e leiam, pesquisem e tentem voltar para trás na vossa vida para engolir todas essas palavras ofensivas que proferiram.
Caso não aconteça como me parece que não vá acontecer pois a ignorância está "forte ai", então só vos desejo boa sorte e que o castigo de Deus seja ele que religião for seja bem severo!

DICA: Se se julgam minimamente inteligentes então façam o seguinte, vejam a veracidade do que se é dito sobre o Profeta Muhammad (S.A.W.)

Respeitosos cumprimentos

Ass: Muçulmano orgulhoso das leis verdadeiras que o islam tem

Anônimo disse...

Enfia essa verdade no seu cu seu desgraçado. Se vc concorda com estupro, agressão de mulheres, pena de morte pra gays espero q vc vá pra lá e se foda

bonnieh silva disse...

Uma coisa eu percebo nesse blog e não poderia deixar de comentar, há muito ódio ou repúdio por parte do blogger quanto à religião islâmica, devo apenas atentá-lo que vivemos no Brasil, um país laico, onde toda forma de fé é permitida contanto que não haja sacrifício humano. Também atento-o que existe segregação em seus posts que demonstram ser de cunho racista e preconceituoso simplesmente por discordar de algo que você sequer conhece a fundo pois não pertence a cultura de tais países. Observe bem, aqui no Brasil temos muitas coisas ruins como escravidão, racismo, estupro, violência, tráfico de todas as formas (inclusive de mulheres), homofobia, etc. Ao invés de pregarmos ódio pela religião e/ou cultura de outrem devemos primeiramente respeitar e pregar o amor o qual é fundamentado em TODAS as bases de religiões TEÍSTAS.

José Atento disse...

Prezado Bonnieh. Irei respondê-lo com atenção que você merece, e devagar.
1. O islão, desde a sua fundação por Maomé e até os dias de hoje, foi montado com fins políticos, e com o intuito de controlar os adeptos e subjugar os demais. Religião é aquilo que uma pessoa faz para se comunicar com deus e obter algum tipo de recompensa após a morte. Política, neste caso, é quando, para atingir os seus objetivos religiosos, preceitos são impostos sobre outros, inclusive sobre quem não é adepto da religião. No islamismo, isto está codificado na lei islâmica Sharia, e aplicado. E, sim, eu sou contra a Sharia e o seu aspecto político. Sugiro que você leia este livro LEI ISLÂMICA (SHARIA) PARA OS NÃO MUÇULMANOS: http://infielatento.blogspot.com/2011/06/lei-islamica-sharia-para-os-nao.html.
2. Ser contra uma ideologia não fere a Constituição. Muito pelo contrário, eu a defendo, já que a Sharia é 100% contrária a nossa Constituição.
3. Você pode dar algum exemplo de segregação?
4. Para que exista racismo é preciso que alguma raça esteja envolvida. Mas o islão, tanto como religião quanto como ideologia política, não é uma raça.
5. Quanto a preconceito, também fico curioso onde você viu isso.
6. Quanto a você achar que eu desconheço o islamismo, bem, você pode indicar algo que esteja errado no blog que permita-o chegar a esta conclusão?
7. Outra coisa, o islão não é uma cultura, como você menciona. Se fosse, os turcos (99,9% muçulmanos) teriam o mesmo comportamento que os muçulmanos da indonésia. Mas isso não acontece.
8. O Brasil possui várias coisas ruins, sim. Mas tudo o que você mencionou como errado é crime no Brasil. Segunto a Sharia, "escravidão, racismo, estupro, violência, tráfico de todas as formas (inclusive de mulheres), homofobia, etc." são permitidos se aplicados sobre os não muçulmanos.
9. Eu não prego ódio. Eu denuncio o ódio inerente à Sharia.
PS. Existem centenas de milhões de muçulmanos ao redor do mundo que lutam contra a Sharia. Junte-se a eles.

Angélica disse...

O artigo é bem interessante, eu não tenho preconceito sobre religião alguma, não conheço o alcorão mas uma coisa é certa que as leis do país são absurdas são, 4 testemunhas na época talvez tivesse lógica mas hj qualquer médico constata se foi sexo consentido oi não, essa lei é humilhante e por mais que cada local tenha direito de preservar suas raízes e cultura, existem circunstâncias em que em prol do bem maior autoridades mundiais devem intervir, ou então eles que fechem suas fronteiras e se isolem pq submeter um estrangeiro a suas leis é absurdo