sexta-feira, 26 de julho de 2013

Eid al-Adha, o Festival do Sacrifício, durante o qual animais são abatidos cruelmente


Na mitologia islâmica, Ibrahim (conhecido como Abraão pelos judeus e cristãos) leva o seu filho, Ismael (e não Isaac, como no judaísmo e no cristianismo) para ser sacrificado no topo de um morro, até que Alá (e não Yahweh) pede para ele sacrificar uma vaca. Esta é uma narrativa de um evento ficcional que teria ocorrido a milhares de anos atrás.

Os muçulmanos celebram esta ficção, imitando o ficcional Ibrahim, e matam vacas, camelos, ovelhas, bodes, ... tudo que tiver quatro patas e estiver à sua frente, em uma chacina animalesca.

Esses pobres animais são torturados e mortos ritualisticamente por causa de uma mentira.

E as crianças são ensinadas a fazerem isso desde cedo, inculcando uma mentalidade de assassino em série; começe cedo torturando e matando animais, em progressão até torturar e matar pessoas.


Mas, às vezes, os animais se revoltam, como no caso na Faixa de Gaza, em 2012, quando uma vaca teve uma idéia melhor do se deixar sangrando até a morte e atacou o fiél muçulmano que queria matá-la, matando-o na sequência (FoxNews).

Uma vaca em pânico ataca um menino e mata o homem palestino que tentava cortar a garganta dela e fazê-la sangrar lentamente até a morte em agonia no sábado, durante a festa muçulmana de Eid al-Adha.

Os acidentes são comuns, pois a atmosfera festiva em torno do local do abate tende a tornar a animais nervosos. Além da morte em Gaza, outras 150 pessoas foram hospitalizadas, com ferimentos de faca ou outras lesões causadas por animais que tentam fugir. Acidentes semelhantes são comuns em outras partes do mundo islâmico onde estes sacrifícios são realizados.

O abate segue o ritual halal, no qual o animal deve ter seu pescoço cortado de um certo modo, e a ferida aberta até que todo o sangue saia e o animal morra. E isso sem qualquer processo de atordoamento do animal, que sofre o tempo todo. O processo todo pode demorar vários minutos.


No tocante ao Eid al-Adha, a maioria dos abates é feito por pessoas comuns, o que torna o sofrimento dos animais ainda maior, pois os animais acabam sendo mortos de qualquer jeito. Teoricamente, o abate halal deve ser feito com um único corte, preciso, o animal colocado de cabeça para baixo para sangrar até a morte. Para mim, isto já é bárbaro. No caso do Eid al-Adha, pessoas comuns acabam "serrando" o pescoço do animal, o que aumenta o sofrimento.

O abate halal é um retrocesso. O Festival do Sacrifício é repugnante.

Veja mais notícias ao final deste artigo.

Oi, mãe, veja como eu sou poderoso: eu trepo em uma vaca morta!





 



 Durante o festival da sangria, milhares de animais são abatidos cruelmente

O vídeo abaixo mostra o abate de camelos. Gráfico e chocante. 


Mais um vídeo sobre a tortura que os animais são submetidos para que os muçulmanos possam satisfazer Alá com o derramamento de sangue no ritual do Eid al-Adha.

https://youtu.be/b3Ul9bQ84AQ OK


Eid al-Adha em 2016
Rios de sangue em Blangadesh
Durante a celebração do Eid al-Adha, muçulmanos ao redor do mundo imitam o Abraão islâmico que teria sacrificado um carneiro. Nesta data, a matança é generalizada, e sem controle. E, claro, feita no padrão halal, onde o sofrimento do animal é ampliado. Não existe controle sanitário nesta matança generalizada. Veja o que aconteceu em Bangladesh, onde o sangue das centenas de milhares de animais foram levados pela chuva, tornando as ruas em rios de sangue. (Gazeta)


Austríacos revoltados com o abate desumano de 79 carneiros
Na Áustria, um muçulmano turco cortou o pescoço de 79 caneiros e os deixou sangrando à vista de todos, o que gerou revolta na população do local. Os carneiros foram abatidos sem anestesia, o que é proibido pela lei austríaca, porém prescrito pela lei islâmica. (krone)

Estado Islâmico celebra a festa do Eid al-Adha assassinando "espiões" como se eles abatem animais em matadouros
Grotesco. (Mail)

4 comentários:

Silvia Lakatos disse...

Que texto bom! Hoje em dia, é malvisto criticar muçulmanos. Mas eu não critico somente muçulmanos: acho condenáveis quaisquer ideologias ou crenças que validem a morte de seres REAIS em benefício de seres INEXISTENTES (deuses em geral).

Miqueias disse...

Amigo, o que postou assima é um engano, sim realmente deve ser realizado um sacrifício animal.
Porem, tambem deve ser deixado claro para menores o porque do sacrificio.
O animal é abatido em função da religiosidade que faz destruir terrenos, em função da elevação espiritual e dreno de energias.

Ou seja quanto mais religioso formos, mais elevados somos, mais energia, caso necessitemos iremos drenar caso seu vizinho não seja religioso, e então vem o abate animal para que o pecado que é o sangue se mostre, e então o terreno que esta diante dos olhos se assenta.

Miqueias disse...

Sem contar da energização do sangue vermelho que é fortificado pela dor do próprio animal.
É similar a crucificação.

José Atento disse...

Miqueias: "Drenar o vizinho caso ele não seja religioso" ... "energia que vem da dor do animal" ?
Ou você está de sacanagem ou você é doente.