quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Indonésia, o maior país muçulmano do mundo, sofre um processo de radicalização islâmica e intolerância contra tudo o que não for muçulmano


A islamização do mundo inclui a crescente radicalização dos muçulmanos mais liberais.
A Indonésia, o país com a maior maioria muçulmana do mundo, tem sido celebrada, por muitos, por seu pluralismo, mas há sinais de que isso está mudando. Em um artigo para o Catholic Herald, Benedict Rogers conta o que viu e vivenciou. Ele presenciou a crescente intolerância, e mesmo, perseguição, que diversos grupos não-islâmicos vêm sofrendo. Dentro deste grupo se incluem o Catolicismo, o Protestantismo, o Budismo, o Hinduísmo e o Confucionismo, que junto com o islão, são religiões reconhecidas pelo estado. Porém, na prática, este reconhecimento não tem tido muito efeito. Fora do grupo encontram-se os Ahmadia, um grupo que se considera muçulmano (mas que é considerado apóstata ou herético pelos muçulmanos) e os demais, incluindo-se aí ateus e agnósticos.

O autor narra suas andanças.
Eu visitei xiítas e ahmadi que vivem em campos de refugiados depois que eles fugiram de suas aldeias após ataques brutais . Eu visitei mesquitas ahmadi , que tinham sido fechadas à força, em um caso, fechada com 20 Ahmadis ainda dentro, e eu vi igrejas que tinham sido fechadas ou demolidas. Ouvi falar de planos para bombardear templos budistas, e encontrei com adeptos de crenças tradicionais não reconhecidas pelo Estado, que me contaram sobre a discriminação que enfrentam. Eu mesmo conheci um confucionista, que havia recebido ameaças quando tentou convocar uma reunião sobre confucionismo. Com tudo isso, podemos ainda dizer que a Indonésia é uma nação de harmonia religiosa?

O autor ese refere a várias violações ao reconhecimento de religiões além do islão.
Violações estão crescendo ano a ano. Elas incluem o fechamento de igrejas e mesquitas ahmadi , ataques violentos contra as minorias religiosas e prisões de líderes religiosos. De acordo com o Instituto Setara, de Jacarta, em 2012 foram documentados 264 incidentes, 244 incidentes em 2011, 2.016 incidentes em 2010 e 200 incidentes em 2009. Muitas igrejas das que foram fechadas possuem as licenças necessárias, mas os prefeitos locais, sob pressão dos islamitas, ainda assim as fecharam. Em pelo menos dois casos, as igrejas têm desafiado as autoridades locais nos tribunais, indo até a Suprema Corte. Em cada nível, os tribunais decidiram a favor das igrejas, mas os prefeitos se recusam a permitir que elas fossem re-abertas, desafiando os tribunais e minando o Estado de Direito.

O próprio governo federal está se alinhando com o islamismo radical.
É errado achar que o islamismo na Indonésia é um pequeno grupo, a quem o governo indonésio está lutando contra. Enquanto muitos indonésios continuam comprometidos com a harmonia religiosa, e as vozes da moderação dentro do governo estão revoltados com a direção que o país está tomando, o presidente Susilo Bambang Yudhoyono e seus ministros não estão fazendo nada para combater a intolerância – eles não são apenas negligente, mas cúmplices. Não apenas o "SBY", como o presidente é conhecido, deixou de agir para proteger as minorias religiosas, mas ao longo da última década, o governo introduziu leis que violam a liberdade religiosa. Ele também deu palestras para o Conselho de Ulemás da Indonésia (MUI), o órgão mais poderoso de clérigos islâmicos, prometendo-lhes "um papel central em assuntos relacionados com a fé islâmica" . Em 2005, ele disse ao ultra- conservador MUI: "Nós abrimos nossos corações e mentes para receber os pensamentos, recomendações e decisões [religiosas] fatwas  do MUI a qualquer momento. "O MUI prontamente emitiu uma fatwa pedindo a proibição dos Ahmadia e emitiram também fatwas contra o pluralismo, secularismo e liberalismo. Dois anos depois, o presidente disse: "Depois que uma fatwa é emitida, as ferramentas do Estado podem fazer o seu dever ... Nós todos devemos tomar medidas estritas contra crenças desviantes." Um ano depois, um decreto governamental colocou uma proibição da propagação dos Ahmadiyya.

Um homem Ahmadi de fronte à sua casa, incendiada, em Lombok



Nenhum comentário: