segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Surrealista e Suicída: As Histórias Ocidentas Modernas sobre o Islão


A magnitude da ignorância do Ocidente moderno com o seu próprio passado é impressionante. Ao se comparar livros de história antiga sobre a jihad secular contra a Europa, percebe-se que a narrativa histórica que está sendo divulgada hoje simplesmente tem muito pouca semelhança com a realidade.
(Depois de ler o artigo abaixo, leia também este outro artigo do mesmo autor: Como o mundo islâmico foi forjado: um exercício de senso comum)

Raymond Ibrahim, em 03 de outubro de 2013

A magnitude da ignorância do Ocidente moderno com o seu próprio passado me impressionou, recentemente, ao reler alguns livros de história antiga sobre a jihad secular contra a Europa. A narrativa histórica que está sendo divulgada hoje simplesmente tem muito pouca semelhança com a realidade.


Essa imagem mostra alguns membros da "religião da paz" durante atos de adoração a Alá.

Considere alguns fatos por um momento.

Apenas uma década após o nascimento do islão, no século 7, a jihad saiu da Arábia como uma explosão. Deixando de lado todos os milhares de quilômetros de terras e civilizações antigas que foram permanentemente conquistados, hoje casualmente chamado de "mundo islâmico", incluindo Marrocos, Argélia, Tunísia, Líbia, Egito, Síria, Iraque, Irã e partes da Índia e China – grande parte da Europa foi também, em um momento ou outro, conquistada pela espada do islão.

Entre outras nações e territórios que foram atacados e / ou ficaram sob o dominação muçulmana se encontram (usamos os seus nomes modernos sem nenhuma ordem particular): Portugal, Espanha, França, Itália, Sicília, Suíça, Áustria, Hungria, Grécia, Rússia, Polônia, Bulgária, Ucrânia, Lituânia, Roménia, Albânia, Sérvia, Arménia, Geórgia, Creta, Chipre, Croácia, Bósnia-Herzegovina, Macedonia, Bielorrússia, Malta, Sardenha, Moldávia, Eslováquia e Montenegro.

Em 846, Roma foi saqueada e o Vaticano dessecrado por invasores árabes muçulmanos; cerca de 600 anos mais tarde, em 1453, outra grande basílica da cristandade, Santa Sabedoria (ou Hagia Sophia) [em Constantinopla] foi dessecrada e conquistada pelos turcos muçulmanos, permanentemente.

As poucas regiões européias que escaparam da ocupação islâmica direta, devido ao seu afastamento, incluem o noroeste da Grã-Bretanha, a Escandinávia e a Alemanha. Isso, é claro, não significa que estas regiões não foram atacadas pelo islão. De fato, no noroeste mais distante da Europa, na Islândia , os cristãos costumavam rezar para que Deus os salvasse do "terror turco." Estes receios não eram infundados, já que tão recentemente quanto o ano de 1627, corsários muçulmanos invadiram a ilha cristã e apreenderam quatrocentos cativos, vendendo-os nos mercados de escravos de Argel.

Nem os Estados Unidos escaparam. Alguns anos após a formação dos Estados Unidos, em 1800, navios mercantes americanos no Mediterrâneo foram saqueados e os seus marinheiros escravizados por piratas muçulmanos. O embaixador de Trípoli explicou a Thomas Jefferson que era um "direito e um dever muçulmano de fazer guerra contra eles [os não-muçulmanos ] onde quer que eles pudessem serem encontrados, e para escravizar tantos quantos eles pudessem tomar como prisioneiros."

Em suma, por cerca de um milênio, pontuado por uma resposta através das cruzadas – cruzadas estas que o Ocidente moderno é obcecado por demonizar – o  islão representou uma ameaça existencial diária para a Europa cristã e, por extenção, para a civilização ocidental.

E é aí que reside o problema: hoje, como se ensina nas escolas ou nas universidades, como se é retratado por Hollywood ou pela imprensa, a narrativa histórica predominante é de que os muçulmanos são as "vítimas históricas" dos cristãos ocidentais intolerantes. É exatamente isso que uma personalidade da TV disse recentemente ao vivo na Fox News.

Então aqui estamos nós , pagando o preço de sermos uma sociedade anti-histórica: alguns anos após os ataques de islâmicos de 9 de setembro – ataques esses que são meramente os mais recentes nesta história secular de jihad contra o Ocidente – os cidadãos americanos elegeram um homem com um nome e herança muçulmanas para presidente, e que dá força, abertamente, à mesma ideologia que seus antepassados ​​viviam com medo mortal, mesmo quando eles sentam e assistem em detrimento do seu próprio futuro.

Certamente os antepassados europeus dos Estados Unidos, que em um momento ou outro lutaram ou foram conquistados pelo islão, devem estar se revirando em seus túmulos.

Mas tudo isso é história , você diz. Por que refazer isso? Por que não deixar prá lá e seguir em frente, começar um novo capítulo de tolerância e respeito mútuos, mesmo que a história tenha que ser "retocada” um pouco?

Esta seria um posição um pouco plausível, se não fosse o fato de que, no mundo todo, os muçulmanos ainda exibem o mesmo impulso imperial e a mesma supremacia intolerante que seus antepassados ​​conquistadores tiveram. A única diferença é que o mundo muçulmano está atualmente incapaz de derrotar o Ocidente através de uma guerra convencional.

No entanto, isso ainda pode não ser necessário. Graças a ignorância de história por parte do Ocidente, os muçulmanos estão inundando a Europa sob o disfarce de "imigração", recusando-se a assimilar, e formando enclaves, que, em linguagem moderna, são chamados "enclaves" ou "guetos", mas que na terminologia islâmica são as ribat – as fronteiras onde a jihad é travada contra o infiél, de um jeito ou de outro.

Tudo isso leva a uma outra questão, talvez ainda mais importante: se a verdadeira história do Ocidente e do islão está sendo virada de cabeça-para-baixo, que outras "ortodoxias" históricas que vêm sendo vendidas como verdades seriam também falsas?

Teriam sido as Idades das Trevas verdadeiramente uma época de atraso intelectual por causa das “forças sufocantes" do cristianismo? Ou teriam sido estas idades das trevas – que  curiosamente ocorreram exatamente durante os mesmos séculos nos quais a jihad estava constantemente molestando a Europa – o produto de uma outra religião sufocante? Teria sido a Inquisição Espanhola um reflexo da barbárie cristã ou um reflexo do desespero cristãos frente às centenas de milhares de muçulmanos que, embora alegando terem se convertido ao cristianismo, estavam praticando taqiyya e vivendo como espiões e quinta-coluna, tentando subverter a nação cristã para um retorno ao Islão?

Não espere conseguir respostas verdadeiras, para estas e outras perguntas, dos fabricantes, tutores e disseminadores da fabricada epistemologia ocidental.

No futuro (qualquer que seja) as histórias escritas sobre os estes nossos tempos, provavelmente, irão salientar o quanto a nossa era, ironicamente chamada de "era da informação", não era uma época em que as pessoas estavam bem informadas, mas sim uma época na qual a desinformação era tão difundida e inquestionável que gerações de pessoas viviam em bolhas de realidade alternativa, até o momento no qual a bolha finalmente estourou.



Nenhum comentário: