segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

O islão proíbe a bebida alcoólica para todos (inclusive não-muçulmanos)



Se um muçulmano te disser que o islão é tolerante, ele tem razão, mas desde que você aceite a lei islâmica e o domínio do islão. Caso contrário, a lei islâmica será imposta sobre você. No islão ortodoxo vale a máxima: aceite o domínio politico do islão ou sofra as consequências. No islamismo não existe o conceito de “viva e deixe viver.”

Na semana passada isto pode ser observado de modo bastante claro no tocante à proibição a venda de bebida alcoólica.    

O que diz a lei islâmica

O Manual de Lei Islâmica 'Umdat as-Salik wa 'Uddat an-Nasik (Reliance of the Traveller and Tools of the Worshipper legisla sobre a proibição e punição referente ao consumo de bebida alcoólica.

Os artigos o16 versam sobre a punição relativa ao consumo de bebida alcoólica:
o16.1 – É proibido consumir qualquer bebida que intoxique.
 o16.2 – Quem deve ser punido (por exemplo, apenas quem alcançou a puberdade). 
o16.3 – A punição é de 40 chicotadas.
Os artigos p14.0 dizem porque consumir bebida alcoólica é proibido:
p14.1 – Por ser mencionado no Alcorão 2:219 e 5:90 (ou seja, Alá assim determina). 
p14.2 – Porque Maomé disse em um hadith: “Chame a atenção de quem bebe até 3 vezes, na quarta vez, mate-o.” Mais tarde, Maomé deixou de matar um bêbado, tendo este comportamento tomado o lugar do anterior (daí a punição ser de apenas 40 chicotadas).
Estas regras também afetam os cristãos e judeus vivendo sob a lei islâmica (os al-dhimma), conforme extipulado nos artigos o11.0, nisso incluido o consumo de bebida alcoólica (que deve ser escondido). (leia sobre as Condições de Umar

A “lei dos numeros” 

É sempre bom lembrar a “lei dos numeros:”
1. Quando os muçulmanos são minoria, eles insistem que o islão é a religião da paz, e que somos todos parte da grande família abrahâmica.
2. Quando ainda em minoria, mas já compondo um número considerável, eles pedem um tratamento diferenciado (o que força a sociedade que os hospeda a começarem a alterar as suas regras para satifazer as exigencies dos muçulmanos).
3. Quando em maioria, eles impõem a lei islâmica.
A lei dos numeros é a aplicação prática da Jihad Demográfica, na qual os muçulmanos suplantam os não-muçulmanos tornando-se o grupo populacional majoritário. Este conceito é algo feito pelo próprio Maomé, que mandava construir mesquitas em todas as cidades conquistadas militarmente, e comandava os seus soldados a casarem com as mulheres locais (dentro do limite de 4 esposas simultâneas). (lembre-se que Maomé é o melhor exemplo de conduta!)

Um outro aspecto importante da Jihad Demográfica é fazer com que os muçulmanos vivam uns próximos dos outros (em bairros ou getos islâmicos) sendo deste modo mais fácil controlar o comportamento e impor normas islâmicas (através da chamada “polícia da virtude”).   

Exemplo de onde os maometanos são maioria

Vejamos um exemplo na Nigéria. A Nigéria, é um país dividido. O norte, tem uma população majoritariamente muçulmana, enquanto que o seu é predominantemente cristão. A recente radicalização (custeada pelos petro-dólares dos árabes), levou o norte a exigir um certo nível de autonomia legal, o que permitiu então a introdução da lei islâmica, com tudo o que de mais nefasto existe, inclusive com a criação de uma “polícia da virtude” que impõe a Sharia à todos.

Enquanto isso, o sul, de maioria cristã, permanece aberto, e democrático.

Vejam o que aconteceu com respeito à distribuição de bebida alcoólica.
Nigéria: Polícia islâmica destruiu 240 mil garrafas de cerveja. Isso aconteceu na cidade de Kano, a principal cidade do norte da Nigéria. A polícia islâmica usou um caminhão de transporte para destruir cerca de 240.000 garrafas de cerveja apreendidas de veículos de abastecimento e de pequenas lojas cujos proprietários são cristãos. Enquanto o Xeique Aminu Daurawa, chefe do esquadrão islâmico uniformizado Hisbah, estava comemorando a operação e prometendo ampliá-la, o pequeno comércio e as lojas que dependem da venda de cerveja para sobreviver estavam vendo sua subsistência ameaçada. Enquanto que o Boko Haram mata os cristãos, os que sobram são perseguidos pela “polícia islâmica”. Lei Islâmica é assim: ele é imposta goela abaixo se você é muçulmano ou não (Reuters). 
Exemplo de onde os maometanos são uma minoria significativa

  
A população da Grã-Bretanha está pagando pelo erro dos seus dirigentes politicos e da sua elite intelectual, que não apenas permitiu, mas incentivou, a imigração maciça de maometanos (no jargão military, deixaram o inimigo estabelecer uma “cabeça de ponte”). Um dos truques dentro da Jihad Demográfica é o de se agrupar em getos. E, em Londres, o maior deles é no bairro de Tower Hamlets (bairro onde a Torre de Londres se situa). estima-se que 53% da população deste bairro seja muçulmana, ou seja, uma minoria significativa. A lei islâmica começa a ser imposta à população local.  
Na sexta-feira, 13 de dezembro, ocorreu uma marcha islâmica contra a venda e consumo de bebidas alcoólicas. Esta marcha foi feita na Brick Lane, no bairro de Tower Hamlets, protestando contras as lojas que vendem bebidas alcoólicas. A Brick Lane é famosa por seus bares e restaurantes. Os manifestantas dizem que a venda de bebidas alcólicas é anti-islâmica e que isso pode causar problemas sociais (ibt).
Na verdade, o islão é quem causa problemas sociais. 

Durante o protesto, uma carta, chamada de “Notificação Legal” foi distribuida, na qua los manifestantes avisam o comércio que “a sua licensa para a venda de bebida alcoólica foi revogada – não ignore este aviso.” (veja figura abaixo)

O protesto teve a participação de cerca de 30 manifestantes maometanos ortodoxos (muito menos do que as centenas que os organizadores aladearam) e ainda ouve ingleses patriotas contra-protestando (ibt).

Mas o ponto aqui é que a manifestação expôs com clareza a agenda islâmica de impor a lei islâmica. Como Vlad Tepes disse com muita propriedade:
Quase todos interpretam erradamente o que Choudary [o organizador da marcha] e seus companheiros estão tentando fazer. Não se trata de alguma grande marcha para mostrar que, democraticamente, a sharia substituirá a legislação comum. O que aconteceu foi o anúncio de que os muçulmanos estão prestes a começar a usar a força para se certificar de que as regras da sharia sejam a quem não obedecê-la, e quem operar em contradição com ele vai se machucar fisicamente.

Trata-se da substituição do direito democrático pela imposição da um estilo mafioso de governo. Parece que o mundo ocidental se esqueceu de como ler. Se você olhar para o aviso que foi distribuido, é perfeitamente claro o que eles pretendem fazer. Porque não houveram prisões, já que o aviso distribuido pura intimidação e extorsão?

Um aviso aos cristãos ou a outros que sejam contrários ao consumo de bebida alcoólica: o que os muçulmanos estão arquitetando irá retirar as suas liberdades no futuro.
 
Veja atualização após a imagem abaixo.


Indonésia: proibição total de cerveja entra em vigor
Quando ele tomou posse, em outubro, presidente Jokowi, apesar de ser muçulmano praticante, foi saudado como um presidente disposto a lutar por uma Indonésia mais secular e pluralista. No entanto, sua abordagem para lidar com os males sociais até agora têm sido duras, e complacentes com a Sharia. Cerveja, em geral, só é encontrada em lojas especializadas e nos locias turísticos. Agora, a lei seca vai ser total. Lembre-se disso, quanto alguém te disser que a Indonésia é um exemplo de pais islâmico tolerante e moderado. (The Economist)

Grupo muçulmano diz que alemães devem proibir bebidas alcoólicas para evitar ataques sexuais em grupo como os de Colônia
Um grupo muçulmano, MuslimStern, escandalosamente que disse que os alemães precisam banir o álcool se eles querem parar de repetições dos ataques sexuais como os ocorridos na cidade de Colônia. O que aconteceu em Colônia, bem como em outras cidades européias, chama-se taharrush em árabe (Telegraph).


Nenhum comentário: