segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Opiniões de personalidades históricas sobre o islão - John Adams



O que John Adams pensava sobre o islão

"No século VII da era cristã, um árabe errante da linhagem de Hagar, a egípcia, combinado os poderes do gênio transcendente com a energia sobrenatural de um fanático, e o espírito fraudulento de um impostor, proclamou-se como um mensageiro do Céu, e espalhou a desolação e a ilusão sobre uma grande parte da terra. Adotando a partir da concepção sublime da lei mosaica, a doutrina de um Deus onipotente; ele conectou indissoluvelmente com isso, a audacia da falsidade que ele mesmo era seu profeta e apóstolo. Adotando, a partir da nova revelação de Jesus, a fé e a esperança da vida imortal, e de retribuição futura, ele reduziu isto à poeira, adaptando todas as recompensas e sanções de sua religião para a satisfação da paixão sexual. Ele envenenou as fontes da felicidade humana junto à fonte, ao degradar a condição do sexo feminino, e a permissão da poligamia; e ele declarou uma guerra de exterminação sem fim como parte de sua religião, contra todo o resto da humanidade. A essência de sua doutrina era a violência e luxúria: exaltar o brutal sobre a parte espiritual da natureza humana ... Entre estas duas religiões, portanto, contrastadas nas suas características, uma guerra de 1.200 anos já se desencadeou. A guerra está ainda flagrante ... Enquanto os dogmas impiedosos e dissolutos do falso profeta fornecerem motivos para a ação humana, nunca poderá haver paz na terra, e boa vontade para com os homens."


- John Quincy Adams (1735 – 1826), fundador e segundo presidente dos EUA


Nenhum comentário: