sábado, 29 de março de 2014

Possíveis resposta à indagação: “Resistir ao islamismo? Como? Você quer fazer uma guerra contra 1,3 bilhões de muçulmanos?”



Quando você está falando com as pessoas, você quer que eles aceitem o simples fato de que os ensinamentos islâmicos ortodoxos são muito diretos, e que eles chamam pela intolerância e violência contra os não-muçulmanos, e um esforço incessante para tornar o mundo subserviente à lei islâmica (Sharia).

 Algumas das pessoas com as quais você conversar, irão colocar todas as objeções que elas possam pensar, porque elas não querem aceitar essa premissa.

 Se eles articulam o seu medo, soaria algo como isto: "Pelo amor de Deus, isso não pode ser verdade, porque isso significaria que teríamos de ir à guerra com 1,3 bilhões de muçulmanos, e nós não podemos fazer isso!" Algumas pessoas realmente vão dizer isso em voz alta.

 Como muitas objeções que recebemos, esta é uma grande oportunidade para inserir um pouco mais de informação para um cérebro que é provável quase inteiramente vazio de quaisquer fatos sobre o Islã.

Aqui estão algumas possíveis respostas que você pode dar :

 1. Felizmente, não temos de ir à guerra com todos eles. A maioria das pessoas que são agora muçulmanas nunca escolheram isso. Seus ancestrais foram quase todos forçados a se tornarem muçulmanos. Os paises dos ancestrais dos muçulmanos de hoje foram conquistados e lei Sharia foi imposta. Sharia coloca pressão sobre todos para serem muçulmanos, e só não apenas no nome. É contra a lei Sharia pular as cinco orações por dia, ou pular o jejum durante o Ramadã ou deixar de pagar a zakat (esmola à mesquita). Em outras palavras, a prática do Islã ortodoxo é imposta por lei, de modo que depois de algumas gerações, seria difícil pensar fora de ser um muçulmano, especialmente quando a pena por ter deixado a fé é a morte.

 Mas o que isto significa é que muitos deles escolhem viver suas vidas sem o domínio constante da Sharia se tivessem a opção. Assim, mesmo que se tratasse de guerra, não teríamos de ir à guerra com 1,3 bilhões.

 2. Mas seria uma guerra para fazer o que? Quero dizer, por que você acha que uma guerra seria necessária?

 3. Nós não precisamos ir para uma guerra, quando a única coisa que  se precisa fazer seria mudar algumas das nossas próprias leis e algumas de nossas próprias políticas externas. E às vezes nós nem sequer temos de mudá-las, nós só precisamos começar a aplicá-las. Por exemplo, é ilegal tentar derrubar o governo ou até mesmo planejar fazer isso. Isto se chama de sedição. Já é contra a lei. Mas veja o que acontece nos países ocidentais, onde as mesquitas são usadas para a pregação da necessidade da implementação da lei de Alá naquele país. No Brasil, muçulmanos se articulam para montar um partido político islâmico cuja plataforma é a implementação da lei islâmica. E, nos EUA, em três quartos das mesquitas americanas, a jihad está sendo pregada. Jihad significa " a luta para trazer todos na terra sob a lei de Alá. " Em outras palavras, pregar a jihad é sedição.

(leia sobre o que é Jihad aqui e aqui).

 E jihad é um elemento essencial do Islã. É um princípio básico do seu núcleo. Isso não é um princípio secundário que ninguém se preocupa. Este é um objetivo central do Islã.

 Se queremos que os muçulmanos ortodoxos em nosso país parem de trabalhar para minar e derrubar o governo, vamos ter que fazer uma distinção entre os aspectos políticos do Islã e os aspectos religiosos do Islã, e nós vamos ter que impedir as pessoas de cometerem sedição. Nós não precisamos ir à guerra. Nós só precisamos educar um número suficiente não-muçulmanos para evitar que políticos ignorantes dos objetivos políticos do Islã sejam eleitos para ocuparem cargos públicos. A única coisa que precisa acontecer é a educação.

 4. O problema não é com os muçulmanos, por isso não temos que ir para a guerra com eles. O problema não nem é mesmo com a doutrina islâmica. O nosso problema é a ignorância abjeta da maioria dos não-muçulmanos. Devido a essa ignorância, o Ocidente está abrindo mão de suas liberdades. Deixe-me ilustrar o princípio com vítimas de sociopatas. Nos comentários sobre um artigo sobre sociopatas, a maioria dos comentadores são vítimas de sociopatas, e eles contam suas histórias sobre o que aconteceu com eles - eles foram enganados e perderam suas economias de vida, ou se casaram com alguém que abusou de seus filhos, ou um dos seus pais deliberadamente os enlouquece, etc. Mas duas das pessoas que comentaram são os próprios sociopatas, e seus comentários iluminam um princípio importante.

 O ponto de vista da maioria das vítimas, as vítimas não entendem como sociopatas pode ser tão maus ou cruéis ou sem coração. O ponto de vista dos sociopatas, é que eles não entendem como as pessoas normais pode ser tão ingênuas a ponto de confiar em todos, tão tolos para não se protegerem de alguém que já provou ser perigoso, ou tão estúpidos para abrirem mão da escritura de sua casa !

 Mesmo acontece com os não-muçulmanos lidando com Islã ortodoxo. Ok, então, é o dever de um muçulmano de se esforçar para o objetivo político de estabelecer a lei Sharia em todo o mundo. Isso é o que eles fazem e os "verdadeiros crentes " nunca vão parar de tentar isso. Mas não temos que permitir isso! Eles só estão fazendo progressos em direção a sua meta, porque nós deixamos que isso aconteça.  Nós confiamos neles. Fazemos acordos com eles. Nós permitimos que eles imigrem. Nós fazemos suposições sobre eles (que eles devem ser como nós, sua religião deve ser semelhante a outras religiões que conhecemos, etc.). Eles não estão roubando as nossas liberdades. Nós é que estamos concedendo nossas liberdades. Estamos abrindo mão de nossa própria auto-preservação. Estamos voluntariamente cedendo a nossa capacidade de nos defender.

 O problema não é com eles, é com a gente. Nós não precisamos de ir à guerra. Precisamos parar de ser estúpidos, e isso só pode acontecer a partir do momento que as pessoas saibam alguns fatos básicos sobre a doutrina islâmica.

 A maioria das pessoas que comentaram no site sociopata (referido acima) disseram que ficaram surpresas ao descobrir que havia mesmo esta coisa chamada de sociopata. O fenômeno do "sociopata diário " não é muito bem conhecido. As pessoas sabem sobre psicopatas assassinos em série, mas a maioria das pessoas não sabe que existe tal coisa como pessoas andando em vidas comuns que não têm empatia pelos outros e não podem desenvolvê-lo, as pessoas cujo único objetivo na vida é vencer e dominar, pessoas que não sentem piedade ou remorso e que não têm nenhum conflito emocional quando eles são cruéis.

 Algumas das pessoas que narraram os seus contos tristes se casaram com um sociopata por anos sem nunca perceberem que essa pessoa poderia existir, então eles estavam totalmente frustrados, angustiados, e confusos com o comportamento do seu cônjuge, e, claro, em sua ignorância eles cometeram um erro estúpido após o outro, se auto-destrutindo.

 O mundo livre está agindo do mesmo modo fretne a  agressãoimplacável do Islã ortodoxo - fazendo um erro estúpido após o outro e se auto-destrutindo. Esta estupidez precisa parar. A única coisa que falta é gente suficiente que tenha um mínimode familiaridade com os ensinamentos islâmicos básicos.

 Ok, essas são quatro respostas possíveis frente à objeção : "Mas nós não podemos ir à guerra com 1,3 bilhão de muçulmanos!"

 Eu agradeceria (assim como os futuros leitores), se você pudesse sugerir algumas respostas melhores do que estas, e publicá-las nos comentários abaixo deste artigo. Podemos unir nossos recursos, compartilhar a nossa inteligência, e ajudar uns aos outros fazer a única coisa que deve ser feito: Educar nossos companheiros não-muçulmanos.


Texto adaptado do livro Getting Through: How to Talk to Non-Muslims About the Disturbing Nature of Islam, escrito por Citizen Warrior




Nenhum comentário: