domingo, 13 de julho de 2014

A Ablução (lavagem) e o controle criado pelo ritualismo islâmico



Em termos religiosos, o islamismo é ritualista: os muçulmanos têm que seguir os ritos ao pé-da-letra sob o risco de deixarem Alá zangado com eles.

Em termos de controle, o islamismo sufoca e afoga os seus adeptos de um modo que eles respirem islão todas as horas do dia, tornado-os robotizados, prontos a seguirem tudo aquilo que lhes for dito (pelos líderes religiosos, ou pelo Califa ou seu representante), sem questionar nada, defendendo tudo, mesmo o que seja indefensável. 

Albução (lavagem ritualística)

Talvez você já tenha visto ou ouvido dizer que os muçulmanos fazem a ablução, ou lavagem, antes das orações, e antes mesmo de tocarem no alcorão em árabe.

A ablução (lavagem) é ritualística, e deve seguir etapas pré-determinadas, caso contrário, nada terá valor.

Senão, vejamos. 
  1. Lave as mãos três vezes seguidas cada, sem se esquecer dos espaços entre os dedos, esfregando-as bem.
  2. Depois disso, recolha a água com as mãos em forma de concha, e enxágüe bem a boca três vezes. 
  3. Em seguida, aspire a água pelo nariz e assoe, fazendo com que a água que foi aspirada saia do nariz, três vezes consecutivas, lave o nariz, para retirar quaisquer resíduos de sujeira que possa ter permanecido.
  4. Lava-se o rosto três vezes, assegurando-se de que a água chegue a toda superfície do rosto, incluindo as pálpebras e parte do pescoço.
  5. A seguir lave os braços, até a altura dos cotovelos, três vezes, começando pelo braço direito e em seguida o esquerdo.
  6. Enxágüe as mãos e passe-as, assim molhadas na cabeça, de frente para trás e de trás para frente.  Também é permitido passar uma mão só em cada lado da cabeça. Passe as mãos molhadas nas orelhas, por dentro e por fora, mas sem as molhar novamente. Deve-se fazer isto com a água que ainda permanece nas mãos, depois de tê-la passado na cabeça. 
  7. Lava-se os pés até a altura dos tornozelos três vezes, começando pelo pé direito, sem se esquecer dos espaços entre os dedos, esfregando-os convenientemente. 
Não se deve esqueçer de nenhum detalhe. Se esquecer de algum detalhe, por menor que este seja, nada do quer for feito será válido!!!

O que fazer depois do ato sexual?

Depois do ato sexual, ou após o período menstrual, deve-se tomar banho completo. Vejam como: 
  1. Deve-se lavar a parte íntima bem lavada. 
  2. Faz-se a ablução citada acima do passo 1 ao 7 sem esquecer nenhum detalhe. 
  3. Após a ablução ser completada deve-se deixar a água cair na cabeça 3 vezes penetrando até o couro cabeludo. 
  4. Então, deixa-se a água cair por todo o corpo do lado direito direito primeiro e depois o esquerdo. 
  5. Completadas as etapas acima deve-se tomar o banho normalmente. 
  6. No caso das mulheres que estão tomando o banho completo após o período menstrual tem mais uma etapa a ser cumprida. Elas devem pegar um chumaço (pedaço) de algodão embeber (molhar) em perfume e passar na região genital para tirar qualquer odor. (Será que Alá sente o cheiro?)

Isso tudo deve ser feito, intencionando-se no coração, dizendo bismillahi (em nome de alá) senão não vale. Caso alguma das etapas não seja cumprida não valerá nada. 

E depois de ir ao banheiro?

Quando os muçulmanos vão no banheiro fazerem suas necessidades fisiológicas eles devem se lavar. Concordo que isso faz parte da higiene, mas para os muçulmanos significa que se eles tiverem uma única minúscula gota de urina na roupa a oração não será válida. (De novo, será que Alá irá cheirar cada um deles durante a oração?) 

Os muçulmanos também não podem falar quando estão no banheiro, nem mesmo para responder a saudação islâmica 'assalamu waleikum' (paz esteja com você). Este silêncio é porque eles acreditam que os jins poderão vê-los nús.  

Mas isso tudo para que? Controle!

Este ritualismo exagerado leva ao controle de quem o pratica. O fato é que as repetições diárias, várias vezes por dia, das mesmas ações, faz com que as pessoas “respirem islão” o tempo todo. Essa é uma técnica de controle de massa. Alie ao ritualismo da lavagem, executado repetidamente todos os dias, aos outros, como por exemplo, todos os gestos de oração repetidos 5 vezes por dia (como todo aquele senta, levanta, ajoelha, gestos em conjunto como se fosse um tropa), a repetição de palavras em um idioma desconhecido (pois a maioria dos muçulmanos não fala árabe, e, mesmo para os que falam árabe, o árabe do Alcorão é arcaico), e também o ritualismo da vestimenta (como o uso do véu pelas mulheres e de chapéus ou mesmo vestimentas completas pelos homens) que os identifica como muçulmanos, e os torna ‘diferentes’ (ou ‘melhores’, como diz o Alcorão).

A tradição islâmica atribui este ritualismo a Maomé, que o desenvolveu à partir das práticas politeístas da sua tribo, os Coraixitas. Em termos históricos, o ritualismo foi consolidado na Sharia, pelo menos um século após a data atribuída à morte de Maomé.

Independente de quem tenha o desenvolvido, o ritualismo islâmico é muito eficiente em afogar os muçulmanos no islão, mantendo-os sempre prontos para “defenderem o islão” seja do jeito que for preciso (ou do jeito que for-lhes dito). 

E do lado espiritual?

Agora vamos elaborar um pouco neste ritualismo de limpeza, sem a qual a oração não tem valor, de um ponto-de-vista espiritual.

Para que tudo isso?

Será que Alá deseja isso porque ele é uma divindade muito limpa?

Será que Alá é uma divindade que aprecia uma oração apenas quando ela é vem de um exterior limpo?

Será que Alá sofre de TOC, Transtorno Obcessivo Compulsivo?

Mas qual a limpeza mais importante, a exterior ou a interior?

O que os baluartes de outras religiões dizem a respeito?

Vamos ver o que Jesus disse:

"Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei." (Mateus 11:28) 

Jesus não mandou ir se lavar, tomar banho ou assear-se para depois ir até Ele, mas Ele quis dizer 'Vinde como estás'.

E o que Buda disse a respeito?

E o que Allan Kardec disse a respeito?

...

De que adianta estar limpinho e cheiroso se o interior está vazio, e muitas vezes sujo e podre?

(Agradecimentos a Ester por parte do texto.)




8 comentários:

Anônimo disse...

Vc esta totalmente totalmente equivocado sobre o islam. Que mente pobre vc tem. Não julgue o que desconhece.

José Atento disse...

Bem, se você acha que eu desconheço, talvez você possa então nos esclarecer. Ficamos aguardando.

Anônimo disse...

Você é uma pessoa desinformada da religião, um descrente, um ignorante que quer propagar a Islamofobia... Pessoas como você são pobres de pensamentos. Procure estudar, faça teologia, conheça melhor o Islam antes de escrever tanta asneira nesse blog. Que Allah tenha Misericórdia de sua alma no dia do seu julgamento. Você é um hipócrita.

José Atento disse...

Querida, não precisa ficar repetindo o comentário.

Seja específica e diga o que você acha que está errado, que eu te demonstro estar correto usando a jurisprudência islâmica.

PS> ALÁ NÃO EXISTE!!! (A não ser que a pedra esteja viva :-) )

Anônimo disse...

Caro irmão.... tudo isso existe para uma finalidade... temer à Allah (Deus). Nunca devemos nos esquecer disto! Grande abraço!

José Atento disse...

Não se teme o que não existe. Alá foi o alter-ego de um senhor da guerra na Arábia, no século VII. Sinto muito. Uma divindade bondosa nunca iria escolher um criminoso e predador sexual como porta-voz.

Alessandro santos disse...

Engraçado que eles não explicam o porque que o blog está errado . Eles ao menos sabem quem estão adorando temer a Deus requer muito mais que costumes e fardos pesados.

Alessandro santos disse...

Sim,nesse ponto de raciocínio ate os escribas e fariseus faziam isso e muito bem feito,mas o que Jesus ensinou ? A hipocrisia anula tudo isso.
Tal qual hj essa religião faz oprimindo as pessoas e as obrigando a carregar fardos pesadíssimos que nao tem valor algum .se fizer uma coisa tem que fazer tudo e se errar uma coisa dessas ordenanças não tem perdão, porque a mente acusa que você fez errado.Que fardo !!!