quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Porque a adoção é ilegal no islamismo (e porque incesto é legal): o escandaloso casamento de Maomé com sua nora, Zainab (e o caso de Maomé com a sua tia Kaula)



Escolhas têm consequências. Para satisfazer o seu apetite sexual, Maomé tomou uma série de decisões que resultaram no seu incesto com a sua nora, e na ilegalidade da adoção na Sharia. 

Antes da narrativa, vamos definir “incesto.” Dicionário Aurélio,  Nova Ortografia, 7ª edição:
Incesto: União sexual ilícita entre parentes cosanguíneos, afins ou adotivos.  

O incesto de Maomé com a sua nora, Zainab

Um dia, Maomé entrou na casa do seu filho adotivo Zaid. Zaid não estava em casa, e um vento leve levantou o cortina dos aposentos da sua nora, Zainab, que estava despida. Maomé ficou excitado ao ver a beleza de Zainab, e ela percebeu isso, tanto é que ela comentou este fato com o seu marido. Ao saber disso, Zaid correu para a casa do seu pai adotivo, Maomé, e ofereceu Zainab para ele. Maomé se preocupou sobre como os seus seguidores aceitariam isto. Mas aí, veio uma “revelação” de Alá que satisfez por completo os desejos sexuais de Maomé. O Alcorão 33:37 diz:
Mas após Zaid satisfazer o seu desejo [com Zainab], nós a damos para você [Maomé] como esposa, de modo que não exista dificuldade para os crentes com respeito às esposas dos seus filhos adotivos.

Como que necessitando de mais justificativas, Alá decidiu revelar outro verso no qual ele simplesmente cancelou a adoção de Zaid por Maomé. O Alcorão 33:40 diz:
Maomé não é o pai de homem algum, mas ele é o mensageiro de Alá e o último dos seus profetas.

Mas Alá não ficou apenas nisso. Alá decidou cancelar todas as adoções. O Alcorão 33:4 diz:
... e nem Alá fez os seus filhos adotivos como seus filhos. Este é apenas um modo de falar das suas bocas ...

E ainda veio o Alcorão 33:5, que diz:
Chame-os apenas pelo nome dos seus pais: isto é justo aos olhos de Alá.     

PS. Alguém pode dizer que Maomé teve relação sexual com Zainab sendo ela sua esposa. Mas o fato é que ela nunca divorciou Zaid. E ao ser esposa de seu filho, ela se tornou parente direta. Por isso a necessidade de anular a adoção.

PS. Casamento entre parentes diretos é algo muitíssimo comum entre os muçulmanos, prática esta sendo importada para o Brasil.

Consequência: não existe adoção na Sharia

Como visto, para justificar este seu casamento escandaloso com sua nora Zainab (a esposa do seu filho adotivo Zaid), Maomé proibiu a adoção, esta nobre instituição social, e privou milhões de crianças muçulmanas órfãs ou ilegítimas de serem adotadas por outras famílias.

É importante salientar que é possível que crianças órfãs ou abandonadas sejam cuidadas por pessoas que não sejam seus parentes, mas isso não constitui adoção. A lei islâmica Sharia proíbe que direitos de herança sejam repassados para crianças que não tenham relação direta com o pai. O que se diz é que o islão garante a linhagem ao proibir a adoção legal. (islamweb)

Sem a opção de adoção, milhares de meninas muçulmanas, a cada ano, ou se matam por medo de trazer vergonha para suas famílias, ou são mortas, por seus familiares, em crimes de honra, quando elas engravidam fora do vínculo matrimonial. Por exemplo, em Cartum, Sudão, a cada ano, centenas de meninas muçulmanas são engravidadas por meio do chamado al Zawaj al-'urfi e, após darem à luz, jogam o recém-nascido nos contentores de lixo para ser comido por cães vadios. Al Zawaj al-'urfi é um tipo de um casamento islâmico, que é socialmente reconhecido e aceito por famílias muçulmanas, e bastante difundido no mundo islâmico sunita em geral. É semelhante ao casamento xiíta Mutta (conhecido como o “casamento do prazer”), onde o homem e a mulher se casam sem o conhecimento de suas famílias, sem dote, sem testemunhas ou qualquer documento oficial.

Às vezes as pessoas resgatam o infeliz bebê antes de morrer. Muitas vezes os bebês indesejados perderam alguma parte de seu corpo, como uma mão ou uma perna, que tinha sido comido pelos cães vadios. Por exemplo, o aumento alarmante do número destes bebês “jogados fora”, forçou o governo islâmico do Sudão a abrir o Dar Al-Maigoma Center para cuidar desses bebês indesejados. No entanto, ninguém está autorizado a adotar uma dessas crianças e dar-lhes o seu nome, porque a adoção é ilegal no Islão.

Um outro incesto de Maomé, desta vez com a sua tia, Kaula

Segundo Bukhari (livro 7, volume 62, hadice 48), Kaula bint Hakim era uma das mulheres que se ofereceram para Maomé. Aisha, a esposa-criança de Maomé comentou sobre a falta de vergonha destas mulheres se oferecerem para Maomé, mas quando o verso 33:51 do Alcorão foi “revelado” (dizendo que Maomé poderia ter relações sexuais com as mulheres que ele desejasse), Aisha retrucou dizendo que Alá está sempre pronto para satisfazer os desejos de Maomé.

Mas quem era Kaula? Kaula era uma das tias maternas de Maomé (Hadice de Musnad Ahmad, 26768).
... Kaula bint Hakim al-Salmiya, que era uma das tias maternas de Maomé, ... perguntou ao profeta sobre a mulher tendo sonhos molhados, ele disse que ela deveria se lavar ...




Palavras Finais

Essas narrativas me fazem lembrar das palavras do homem mais sábio da História, Jesus (Mateus 5:28):
Mas eu vos digo, qualquer um que apenas olhar para uma mulher com luxúria, já cometeu adultério com ela no seu coração.





Nenhum comentário: