domingo, 14 de setembro de 2014

Ex-muçulmano explica ao Presidente Obama que o 'Estado Islâmico' é 'Islâmico'

Um ex-muçulmano, conhecido como Irmão Rashid, explica ao Presidente Obama que o Estado Islâmico é Islão, e que Islão é o Estado Islâmico. 
Nos EUA, o presidente Obama insiste que o auto-declarado Estado Islâmico não representa o islamismo. Mas será que ele está certo? 

O Estado Islâmico (ISIL) é o Islão em sua verdadeira forma (salafismo*). Irmão Rashid é um ex-muçulmano, e como tal jurado à morte. E ainda pior, ele prega cristianismo para os muçulmanos, um crime sob a lei islâmica (Sharia).  De modo que a Sharia quer ele morto duas vezes.

(* O salafismo é a forma de islamismo como praticado pela Irmandade Muçulmana e pelos wahabis sauditas, os mesmos que ajudam a financiar mesquitas no Brasil)

Mas, não se procupe, afinal, o islão é a religião da paz. (sarcasmo)

Neste breve vídeo, irmão Rashid explica ISIL ao Presidente Obama, mostrando o porque ISIL é Islão. O texto do vídeo segue abaixo.



Mensagem para o Presidente Obama, de um ex-muçulmano (com respeito ao Estado Islâmico - ISIL)

Prezado Senhor Presidente

com todo o respeito, você está errado com respeito ao ISIL.

Você diz que o ISIL fala em nome de religião alguma.

Eu sou ex-muçulmano. Meu pai é um imã.

Eu estudei Islão por mais de 20 anos.

Eu tenho Bacharelado em Estudos Religiosos.

Eu estou terminando meu Mestrado em Estudo de Terrorismo.

Eu posso afirmar que ISIL fala em nome do Islão.

Permita-me corrigi-lo. ISIL é uma organização muçulmana.

O seu nome é "Estado Islâmico."

O nome sugere ser um movimento islâmico. O seu líder,

Abu Bakr al-Bagdhadi, é Ph.D. em estudos islâmicos.

Eu duvido você sabe mais Islão do que ele.

Ele foi o pregador e líder religioso em uma mesquita em Bagdá.

Todos os 10 mil membros do ISIL são muçulmanos.

Nenhum membro é de qualquer outra religião.

Eles vem de países diferentes com um único denominador comum: Islão.

Eles imitam o profeta Maomé em todos os aspectos.

Imitam ao crescer as barbas e raspar os bigodes

e como se vestem.

Eles se diferenciam do infiél

ao usarem relógios no pulso da mão direita.

Eles implementam Sharia em todo território conquistado.

Eles rezam 5 vezes por dia.

Clamam pelo Califado, doutrina central no Islão sunita,

e desejam morrer pela religão deles.

Eles seguem os passos do profeta Maomé ao pé-da-letra.

A propósito, se você deseja entender o ISIL, leia a biografia de Maomé escrita por ibn Hisham.

Este é o seu modelo de ação.

Você acha que ISIL não representa o Islão porque eles degolaram um americano

e matam quem eles chamam "infiél."

Do mesmo modo, o profeta Maomé degolou, eu um dia,

entre 600 e 900 homens de uma tribo judáica, os Banu Quraiza.

Na verdade, degolar é recomendado pelo Alcorão,

surata 47, verso 4:

"Ao encontrar os descrentes, lute, e golpeie os seus pescoços."

Curioso, esta surata chama-se "A Surata de Maomé."

Matar prisioneiros é também uma ordem de Alá para Maomé e para todos os muçulmanos.

"Não é para um profeta fazer prisioneiros até que ele tenha massacrado os inimigos de Alá."

"Não é para um profeta fazer prisioneiros até que ele tenha massacrado os inimigos de Alá."

Alcorão 8:67.

A propósito, 3 das esposas de Maomé foram judias que ele sequestrou durante suas incursões contra minorias religiosas.

A propósito, 3 das esposas de Maomé foram judias que ele sequestrou durante suas incursões contra minorias religiosas.

Exatamente como ISIL faz hoje.

Presidente, eu crescí no Marrocos, um país considerado como moderado,

mas ainda pequeno eu aprendí a odiar os inimigos de Alá,

principalmente cristãos e judeus,

hoje representados por Israel e o Ocidente, principalmente o "grande satã", os EUA.

Eu rezava 5 vezes por dia, repetindo a al-Fatiha (Capítulo 1 do Alcorão) pedindo Alá

para não me conduzir no caminho dos que foram extraviados e dos que têm a ira de Alá sobre eles.

Todos nós sabíamos que são os cristãos e os judeus.

Nós sofremos lavagem cerebral para odiar todos vocês, nos nossos livros sagrados,

nas nossas orações, nos sermões de sexta-feira, nas escolas.

Nós estávamos prontos para nos juntar a qualquer grupo que lutasse contra vocês e os destruisse

e fizesse o Islão a religião de todo o mundo, como o Alcorão diz.

Isso é o que eu, e milhões, são ensinados.

Presidente, este é um fato irrevogável.

Felizmente, ao crescer eu deixei o Islão e me tornei cristão,

porque eu creio que Deus é amor.

Outros também deixaram, e deixam todos os dias, buscando rumos diferentes para as suas vidas.

Todos eles sofrem, porque, de novo, o profeta do islão disse:

"Quem deixar a religião, mate-o."

Eu deixei o Marrocos sendo perseguido. Tive sorte.

Outros, ao redor do mundo muçulmano, não têm a mesma oportunidade,

eles pagam um preço alto, de modos diferentes, para ganharem sua liberdade algum dia.

Presidente, eu peço para você deixar de ser politicamente correto e chame as coisas pelo seu nome correto:

ISIL, Al Qaeda, Boko Haram, Al Shabab na Somália, o Talebão, e suas filiais, são todos feitos no Islão.

A não ser que o mundo islâmico lide com o Islão e separe Religião e Estado, este ciclo nunca será quebrado.

A não ser que o mundo islâmico lide com o Islão e separe Religião e Estado, este ciclo nunca será quebrado.

Enquanto não se lidar com a raiz do problema, apenas os sintomas podem ser tratados.

ISIL é apenas um sintoma.

Se desaparecer, outros ISILs irão aparecer com outros nomes.

Pode-se perguntar, porque ISIL mata outros muçulmanos?

A resposta é, eles os consideram infiéis, não muçulmanos.

Você sabia que as 4 Escolas do Islão pregam que se um muçulmano deixar de rezar deve-se pedir que ele se arrependa, caso contrário, ele deve ser morto?

Você sabia que Maomé tentou queimar os seus próprios companheiros quando eles deixaram de rezar?

De modo que qualquer coisa que qualifique um muçulmano como sendo um infiel é motivo para matá-lo, inclusive deixar de rezar.

De modo que qualquer coisa que qualifique um muçulmano como sendo um infiel é motivo para matá-lo, inclusive deixar de rezar.

Se o Islão não é o problema, então porque existem milhões de cristãos no Oriente Médio

mas nenhum se explodiu para se tornar um mártir,

muito embora eles vivem sob as mesmas condições políticas e econômicas, ou ainda pior.

Porque muitos muçulmanos no ocidente se juntaram ao ISIL se o Islão não é o motivo?

Porque até mesmo recém-conversos do Islão se tornam terroristas?

Presidente, se você deseja realmente lutar contra o terrorismo, então lute a raiz.

Quantos Xeiques sauditas estão pregando ódio?

Quantos canais islâmicos estão doutrinando e pregando violencia do Alcorão e da tradição de Maomé?

Quanto sermões de sexta-feira são feitos contra: o Ocidente, liberdade e Democracia?

Quantas escolas estão produzindo gerações de estudantes e professores, que acreditam em Jihad, martírio e lutar contra os infiéis?

Quantas escolas estão produzindo gerações de estudantes e professores, que acreditam em Jihad, martírio e lutar contra os infiéis?

E, finalmente, quantas websites são financiadas por governos, seus alidados,

onde Xeiques têm editados fatwas contra direitos humanos básicos.

Se você deseja lutar contra terrorismo, começe por aí.

A propósito, eu não digo o meu verdadeiro nome, porque o Islão é uma "religião da paz."

Eu sou conhecido ao redor do mundo como Irmão Rashid

E eu imploro que você tome uma posição em favor dos direitos humanos internacionais

e do futuro da democracia, e diga a verdade sobre a verdadeira ameaça que nos está confrontando.

Cumprimentos, Irmão Rashid.

link do vídeo sem legendas: http://youtu.be/GsF5onDXUNg
link do vídeo com as legendas: http://youtu.be/jNHGi0UTINo







Um comentário:

PAULO DICIPOLO DE JESUS disse...

esse povo que falam mal do cristianismo sao loucos doidos barridos nao adianta porque so JESUS CRISTO salva e quem e esse tal de malme deve serum doido como oltro qualquer