sábado, 6 de setembro de 2014

Projeto para uma Mega Mesquita em PORTO ALEGRE (e a estratégia de longo prazo para a islamização do Brasil)



Porque permitir que a ideologia islâmica, baseada no supremacismo e na intolerância a tudo considerado como "não-islâmico", se instale no Brasil? Já que existem tremendas restrições por parte da lei islâmica e dos países islâmicos com respeito a todas as outras religiões, porque permite-se a construção de mesquitas no Brasil? Não seria algo lógico esperar que os países islâmicos se tornassem "tolerantes e multi-culturais" para só então deixarmos que mesquitas fossem construídas aqui? Porque permitir que a intolerância islâmica invada o nosso país?
Em 2009, um Trabalho Final de Graduação em Arquitetura, da Universidade do Rio Grande do Sul, desenvolveu o projeto de uma mega mesquita em Porto Alegre. De autoria do acadêmico Rodrigo Mathias, sob a orientação do Professor Glenio Bohrer, o trabalho se intitulou "Centro Islâmico do Rio Grande do Sul, Mesquita Abu Bakr" (o projeto completo pode ser encontrado neste link da UFRGS; este projeto arquitetônico ganhou alguns prêmios). 

Um trabalho final de graduação é parte de uma atividade acadêmica e deve ser considerado como neutro. Como tal, nós parabenizamos os autores. Nós iremos apenas salientar algumas partes do texto. Depois, iremos fazer comentários que vão além do teor do trabalho em questão. 


Capa do Trabalho Final de Graduação, com a Shahada (a profissão de fé islâmica) em destaque

A primeira pergunta que me vem à mente é: seria este um indício de que vem aí uma Mega Mesquita de Porto Alegre?

O projeto é para uma mesquita de 2.600 m², na Av. Venâncio Aires, 901/925entre as ruas Vieira de Casto e Santa Teresinha, a uma quadra da Redenção e bem na frente do Bar do Beto. Este terreno é atualmente ocupado por estacionamentos. 


Localização (ver seta) no contexto da cidade de Porto Alegre

Localização na Rua Venâncio Aires

Esta é uma região com prédios predominantemente baixos, o que vai permitir uma maior visibilidade para o minarete da mesquita. 


Projeto: corte da mesquita



Como justificativa ao projeto, os autores dizem que (os grifos abaixo não fazem parte do texto original):
O Brasil é um país caracterizado pela diversidade. Formado ao longo dos séculos por pessoas dos mais variados lugares, raças e credos, é provavelmente hoje o país mais aberto e receptivo a diferentes culturas no mundo. Não é preciso muito para que um estrangeiro se torne brasileiro: tudo o que ele precisa é viver aqui
É claro que não basta apenas viver aqui para ser brasileiro. Eu não considero brasileiro alguém que deseje a implementação da lei islâmica (sharia) no Brasil. O Brasil aceita imigrantes de todas as partes do mundo. Ao chegarem no Brasil, eles trabalham duro para melhorar as suas vidas e a contribuem positivamente com o país. Mas os muçulmanos que desejam a Sharia, vêm para o Brasil com o intuito de mudar o nosso país, de mudar a nossa cultura, de destruir a nossa civilização, para substituí-la pela Sharia. E eu considero qualquer brasileiro que deseje a sharia no Brasil, ou que facilie a sua implantação, como um traidor da pátria.

O texto continua:
Nos anos recentes, o país tem recebido uma nova leva de imigrantes. Ainda que não tão significativa como os grandes fluxos migratórios do século XIX, não deixa de ser interessante e especial. São os imigrantes árabes que, diferentemente daqueles vindos no início do século passado, são de maioria muçulmana, a segunda maior religião do mundo, com 1,3 bilhão de praticantes, mas ainda bastante desconhecida dos brasileiros em geral. O Rio Grande do Sul tem tido um papel importante nesse contexto, recebendo um grande número desses imigrantes, sejam eles refugiados de guerra ou não.
Cidades como Uruguaiana, Chuí e Venâncio Aires chamam atenção pela expressiva comunidade islâmica e sua clara e marcante presença. Dados sobre o número de muçulmanos no Brasil são contraditórios. Segundo o Censo de 2000, havia no país 27.239 seguidores da religião, porém a Federação Islâmica Brasileira fala em 1,5 milhão de fiéis. Seja qual for o número, é fato inegável que agora, mais do que em qualquer outra época da história brasileira, o islamismo faz-se mostrar e é parte da sociedade multifacetada do país, não mais se limitando a imigrantes árabes e seus descendentes, mas também contando com milhares de convertidos. 

Importante que o texto sugere que a nova leva de imigrantes que vem para o Brasil são de muçulmanos (a exemplo do que acontece na Europa nas últimas 4 décadas - basta olhar para a Europa para se ver as consequências disso). E também uma preferência para algumas cidades específicas no Rio Grande do Sul, pois é natural que muçulmanos se agrupem, tornando-se sociedades paralelas (na Europa, estes agrupamentos recebem os nomes de no-go zones, locais onde nem a polícia se atreve entrar). 


Existe um parágrafo do trabalho que faz menção ao profeta do islamismo:
O profeta dos muçulmanos vivia em Meca, cidade que hoje faz parte do território da Arábia Saudita. Foi perseguido pelos seus concidadãos, incomodados pela sua pregação, e refugiou-se em Medina, movimento conhecido como Hégira. Voltando a Meca, assumiu o controle da cidade e da relíquia sagrada da Caaba, com a sua Pedra Preta, que, segundo a crença, teria sido originalmente, construída por Abraão e seu filho Ismael.  
Bem, este é um trabalho de arquitetura e não de história, caso contrário os autores teriam mencionado que durante seu "refúgio" em Medina, Maomé roubou caravanas, sequestrou por resgate, matou todos aqueles que o criticaram, degolou prisioneiros, escravizou, vendeu escravos, praticou pedofilia, permitiu e praticou o estupro de mulheres não-muçulmanas, e levou uma vida sexualmente pervertida. Isso sem falar que a sua "volta a Meca" foi um feito militar. Isso tudo como descrito na sunna (tradição) e sirat (biografia) do profeta. 

Quem financiaria a construção desta mega mesquita? O próprio texto responde:
As mesquitas são geralmente mantidas com recursos próprios dos fiéis de cada comunidade onde se inscrevem, porém é fato sabido que o governo teocrático da Arábia Saudita tem sido, desde a década de 80, o maior financiador de mesquitas ao redor do mundo, especialmente em países onde a população islâmica não é a maioria. Estima-se que desde então esse financiamento já teria atingido o incrível valor de US$ 45 bilhões, sendo dois dos seus maiores investimentos a Mesquita do Rei Fahd, em Culver City, California (US$ 8mi) e o Centro Cultural Islâmico da Itália, em Roma (US$ 50mi).   
A partir daqui, os comentários não são mais relacionados com o trabalho de graduação.

A Arábia Saudita é um pais cuja Constituição diz ser dever do Estado a propagação do islão (isto chama-se dawa, pronuncia-se "dáua"). E eles fazem isso a nível mundial, custeando mesquitas e madrassas em todos os continentes, inclusive aqui. Além de custear a construção de mesquitas ao redor do mundo, a Arábia Saudita exporta e treina clérigos que disseminam o salafismo. 

O salafismo saudita (geralmente referido como wahabismo) é o islamismo oficial da Arábia Saudita. E o que é o salafismo? O salafismo, que significa "antecessores" ou "antepassados", é o termo usado ​​para identificar os primeiros muçulmanos, que formaram o epítome da prática islâmica. A tradição de Maomé (suna) cita Maomé dizendo "As pessoas da minha geração são as melhores, em seguida, aqueles que virão depois deles, e, em seguida, os da próxima geração" (Bukhari, vol. 8, livro 76, 436; e também vol. 5, livro 57, 2), é visto como um apelo aos muçulmanos seguirem o exemplo dessas três primeiras gerações, os "salaf".

O salafismo é aplicado por organizações jihadistas, como a Irmandade Muçulmana (com os seus diversos braços, como o Hamas), os diversos grupos derivados/associados com a Al Qaeda, e, agora em destaque, o Estado Islâmico (Califado). E quais os frutos do salafismo? Para as mulheres, misoginia; para os kufar (não-muçulmanos) as 3 opções: conversão, morte, ou humiliação e pagamento da jizia. E se você tem alguma dúvida basta ver o noticiário atual, porque as atrocidades têm sido tamanhas que não dá mais para esconder. 

O interesse final destes grupos, e daqueles que os financiam, é o estabelecimento de um Califado Global, regido pela Sharia. 

Muçulmanos brasileiros, com o indicador levantado, a marca-registrado do salafismo, empunhando a brandeira negra da Jihad

Enquanto que nos países não-muçulmanos, não existem restrições para a construção de templos religiosos, nos países islâmicos proibições de diversos graus existem. Por exemplo, a Arábia Saudita mantém a proibição de construção de templos de outras religiões (NOW). Mas porque isso? Por causa de Maomé, que disse: 
Vou expulsar os judeus e os cristãos da Península Arábica e não vou deixar nenhum deles, mas apenas os muçulmanos (Sahih Muslim 19,4366). 
E a Lei Islâmica (Sharia) restringe drásticamente os direitos de judeus e cristãos vivendo sob um regime islâmico, regras que advém do Tratado de Umar. Particularmente, diz-se que os cristãos e judeus são proíbidos de: 

  • construir, nas nossas cidades ou arredores, novos mosteiros, igrejas, conventos, ou célula para monges, nem iremos consertá-los, de dia ou de noite, mesmo que eles caiam em ruinas ou sejam situados nos bairros dos muçulmanos.
  • manifestar a nossa religião em público e nem converter ninguém para ela. Nós não iremos impedir que qualquer um de nós se converta para o Islão se ele assim desejar.
Pessoas que promovem outras religiões ou o ateísmo abertamente no países islâmicos acabam sendo presas. 

Se existem todas estas restrições por parte da lei islâmica e dos países islâmicos com respeito a todas as outras religiões, porque permite-se a construção de mesquitas no Brasil? Não seria algo lógico esperar que os países islâmicos se tornassem "tolerantes e multi-culturais" para só então deixarmos que mesquitas fossem construídas aqui? Porque permitir que a intolerância islâmica invada o nosso país?



A estratégia para a islamização do Brasil é um misto de demografia, influência econômica, influência política e influência religiosa: 

  1. Demografia: Como não é possível sobrepujar com rapidez a população brasileira nativa com imigração em massa (apesar do governo federal dar indícios de desejar aumentar o contingente de imigrantes oriundos de "zonas de guerra"), a criação e consolidação e áreas com maioria muçulmana na qual a Sharia possa ser praticada é algo desejado e em andamento. Basta ver que existe sempre aglomeração em algumas cidades e bairros específicos, sempre ao redor das mesquitas. 
  2. Influência Econômica: A indústria de alimentos Halal, ou seja, do único tipo de alimentos que a shaira permite os muçulmanos de ingerir, já se encontra instalada no Brasil há várias décadas (devido à exportação de alimentos para os países muçulmanos). A exemplo do que já acontece em países europeus, o objetivo é que toda a indústria de alimentos seja Halal. Existem dois problemas quanto a isso: (a) a indústria paga uma taxa extra que vai para a "caridade islâmica" que inclui a construção de novas mesquitas, a propagação do islão buscando novos adeptos, e vai também para "instituições de caridade" como o Hamas e o Hezbollah. (b) para os cristãos existe a proibição de se comer alimentos dedicados a ídolos. E existe ainda a Sharia Financeira, na qual os bancos não cobram juros, mas uma taxa específica (fica elas por elas), taxa esta que vai para as mesquitas. Ou seja, quem comer comida halal e usar sharia financeira está ajudando a financiar a islamização - e isso acontece muitas vezes sem que saibamos. 
  3. Influência Política: Influenciar e penetrar nos partidos políticos. Em breve, iremos ter o um ministro de governo muçulmano, um fato que será celebrado como uma prova da pluralidade do Brasil. Aguardem. 
  4. Influência Religiosa: Se apresentar para os cristãos brasileiros como sendo "irmãos em Abraão." Fomentar o "diálogo inter-religioso" que apenas acontece nas igrejas e templos cristãos, onde o islamismo é promovido e qualquer crítica é silenciada aos gritos de "racismo" e "islamofobia." Cooptar padres e pastores para serem promotores indiretos do islão. Deve-se ressaltar que o diálogo inter-religioso com o islamismo é um engodo, pois ele só existe nos países que não sejam islâmicos: nos países islâmicos, regidos pela Lei Islâmica (Sharia), é crime promover qualquer outra religião que não seja o islão.
PS. Eu ouví em uma conferência islâmica em Chicago, um imã dizendo que ele espera a conversão em massa dos cristãos brasileiros. Não sei qual a base desta afirmação, mas de qualquer modo está na hora de se pressionar padres e pastores para que não promovam estes "diálogos inter-religiosos."

PS. Nunca porém, esqueçer que pode existir algum grupo mais afoito que tente um golpe, como aconteceu na ilha do Caribe de Trinidade e Tobago.


A coisa é séria. Como é que se combate a islamização?
  1. Em primeiro lugar, com educação, pois quando se sabe quem foi Maomé não existe conversa-mole de muçulmano para convencer ninguém para se tornar muçulmano. 
    1. E quem foi Maomé? Ele foi um Senhor da Guerra e terrorista, ladrão, assassino, mandante de assassinatos, pervertido sexual, pedófilo, mercador de escravos e pirata. Maomé forjou uma ideologia, o islamismo, que, se seguida em sua totalidade, leva seus seguidores a se comportarem como ele (leia e compartilhe: Parte 1, Parte 2, Parte 3).
  2. Em segundo lugar, impedindo a Jihad demográfica (principalmente coibindo a imigração de muçulmanos - eu sei que esta afirmação pode "ofender" alguns, mas isso é não é brincadeira, é guerra), e combatendo a influência econômica, política e religiosa, impedindo-as de criar raizes. 
Mas como eu posso fazer isso? Alertando os outros, e compartilhando informação,

Veja bem, nós somos a maioria esmagadora no Brasil, e "nós" eu me refiro a todos os kufar, os não-muçulmanos (ateus, agnósticos, homosexuais, cristãos, judeus, macumbeiros, candomblé, etc, etc): ESTAMOS TODOS NA LINHA DE TIRO.

(Você não precisa jogar fora as suas convicções pessoais para combater a islamização, mas você precisa aprender a conviver e se aliar com pessoas que pensem diferente para enfrentar um inimigo comum, neste caso, a lei islâmica (Sharia) e a islamização do Brasil).

Converse com a sua família, com os seus amigos, com o seu representante político, como o seu padre ou pastor, ou rabino, o que seja. (Mas prepare-se que se luta contra o politicamente correto e existe o risco de voce ser chamado de racista e islamófobo. Não se intimide com isso. Não desista. Nunca.)

O que voce faria se você fosse um guarda da torre de uma cidade murada, e percebesse que, durante a noite, o inimigo se aproximasse sorrateriamente enquanto os habitantes da cidade dormem? Você ficaria calado?

Eu termino citando Winton Churchill
Se você não lutar por aquilo que é correto quando você pode vencer facilmente e sem derramamento de sangue; se você não lutar quando a sua vitória é certa e não muito cara; você pode se ver defronte a um momento no qual você terá que lutar com todas as probabilidades contra você e com apenas uma chance precária de sobrevivência. Pode até existir um caso pior. Você ter que lutar quando não há esperança alguma de vitória, porque é melhor morrer do que viver como escravo.



36 comentários:

marcelo disse...

Nos, islâmicos temos os mesmos direitos que vcs cristãos aqui no Brasil. A constituição garante.

José Atento disse...

Todes têm os direitos garantidos pela Constituição. Contudo, o que contraria a Constituição, é crime. E como muitos aspectos da leia islâmica (Sharia) contradizem a nossa Constituição, ela é um crime.

É claro que você, como brasileiro acima de tudo, concorda com isso ...

Anônimo disse...

Marcelo porque você não procura defender o Islã e explicar que esse Islã exposto aqui não é o verdadeiro?
Por que não repudia, tal como islamico o Estado Islamico no Oriente médio?

Por que não esclarece se é verdade ou distorção dos fatos que o seu livro sagrado o Koran dá fundamento para jihad sádica e iniqua do Estado Islamico no Iraque? Por que não nos refresca nossas boas intenções e afirma que o seu livro sagrado não fundamenta a conversão por meio do terror de ser decaptado?
Porque Marcelo, você não explica que Maomé não foi um estuprador e promotor do estupro das mulheres infieis, nem que ele foi um pedófilo que abusava duma criança de 9 anos em diante?
Diga-nos por favor que não é esse o exemplo que os muçulmanos seguem, console-nos dizendo que os mulçumanos brasileiros são parte da verdadeiva organização do verdadeiro Islã. E ai então eu poderia dizer que lhes desejo paz...

Mas se vocês sequer fazem um repudio publico contra aqueles covardes infames do Estado Islamico o que posso pensar de vocês?
Pois esses jihadistas do Estado Islamico e seus simpatizantes, covardes, estupradores e degoladores infames e covardes pagarão por seu sadismo... mas não será por exercito humano... O verdadeiro terror estará sim nos corações deles também.

Realmente estou muito desapontado e chocado do o Islã.
Porém aqueles que tem alguma consciencia moral não afetado por esse veneno descrito, aqueles que se dizem mulçumanos aqui no brasil e nao seguem o exemplo de um carniceiro e estuprador covarde, a estes eu desejo paz. Ao resto desejo paguem pelo sangue em suas mãos.

Douglas Sulzbach disse...

Construir uma mega mesquita em POA pra quê?
Por que não usam esse dinheiro para reformar a orla do Guaíba, pôr iluminação noturna, ajudar os mendigos e desabrigados, melhorar o transporta público daqui...
e aí inventam de construir uma mega mesquita para um povinho lá do deserto que nem sequer chega aos mil adeptos, ah por favor...
Parece que eles têm pressa de islamizar o Brasil...

cRiPpLe_rOoStEr a.k.a. Kamikaze disse...

É uma zona bastante vulnerável a incidentes de ódio a serem perpetrados por maometanos no caso do tal "centro islâmico" ser mesmo erguido, e isso vai muito além de eventuais conflitos com os clientes dos bares. Não apenas pela proximidade a um tradicional reduto judaico (Bom Fim), mas também por juntar muitos homossexuais na Cidade Baixa. Aquele shopping Nova Olaria, por exemplo, seria um alvo convidativo por ser considerado um ponto muito freqüentado por gays. Diga-se de passagem, se os muçulmanos se juntarem aos neonazistas que de vez em quando já tumultuam a região, o que é até um tanto previsível, lascou-se.

Anônimo disse...

O Islam é uma Religião do Amor ao próximo.Quem fez duas GUERRAS MUNDIAIS,Quem fez as CRUZADAS,Quem fez a INQUISIÇÃO,Quem Largou BOMBA TÔMICA,com experiência no JAPÃO,quem criou o NAZISMO,COMUNISMO,quem matou mais de 6 MILHÕES DE JUDEUS.Aqui no BRASIL,quem MATA,ESTUPRA e pratica todo o tipo de CRUELDADE.Não são MUÇULMANOS. ABDALAH PEREIRA RAHAL.

José Atento disse...

Abadala: O islão tem o mérito de ter provocado a morte de 270 milhões de não-muçulmanos ao longo dos seus 1400 anos de história. Tudo isso seguindo o exemplo de Maomé, que foi um Senhor da Guerra.

É claro que voce condena estas atrocidades cometidas por Maomé e seguindo até os dias de hoje, já que voce condena as guerras mundiais, etc. Se você faz isso, estamos de acordo. Se você não faz isso você faz julgamento seletivo.

Quanto a estupro, veja bem, na Suécia e Noruega, países exemplares nos padrões não-muçulmanos, estupro era coisa rara. Hoje em dia existe uma epidemia de estrupros cometidos por muçulmanos imigrantes. De modo que estupro seletivo de mulheres infiéis no Brasil é apenas questão de tempo.

ABDALAH disse...

Para que tanto ódio ao ISLAM.Com certeza se o Brasil estivesse sob a égide da SHARIA estaria bem melhor.

José Atento disse...

Abdallah ("escravo de Alá")

Falar a verdade não é ódio, mas apenas falar a verdade.

E quanto a implementação da Sharia, para ver o que acontece basta olhar para onde ela é aplicada: Afeganistão do Talibã, Arábia Saudita, Irã, Paquistão ... Paraísos Islâmicos hahahahaha

A propósito, qual a sua opinião sobre Asia Bibi, condenada à morte por ter dito que Maomé é um falso profeta ... no Paquistão ... http://infielatento.blogspot.ca/2015/01/sentenciada-morte-por-um-gole-dagua.html

Anônimo disse...

ASIA BIBI.Não deveria ofender o PROFETA MUHAMED,como também outros PROFETAS ANTERIORES DA TORÁ E DO EVANGELHO.

José Atento disse...

Asia Bibi não ofendeu ninguém. Mesmo que ela tivesse ofendido Maomé, por exemplo, tê-lo chamado de "santo", isso não é motivo para ela ter sido trancafiada por 5 anos esperando a sua execução.

Além do mais, quem não é muçulmano não tem que se curvar à Sharia. Se os muçulmanos desejam seguir a sua religião que não tentem impor seus modos aos outros. Deixem os outros em paz.

Mas em se tratando de islão, isso é impossível, não é mesmo?

Anônimo disse...

O BRASIL ISLAMIZADO seria uma benção.Esse ditado de "DAR A OUTRA FACE PARA BATER"é pura hipocrisia.Ladrão tem que cortar a mão e o homicida salvo legítima defesa e crimes hediondos ENFORCAMENTO.ASSALAMU ALEIKUN ABDALAH(SERVO DE ALLAH)

José Atento disse...

Prá você seria uma festa. Você iria poder ser casar com até quatro mulheres ao mesmo tempo, podendo se divorciar quando quiser apenas dizendo "eu me divorcio" 3 vezes. Você poderia ter as suas "mulheres que a mão direita possuir" e no Brasil vai ser uma fartura. Você vai poder bater nas suas esposas e concubinas sem receio da Lei Maria da Penha, que é anti-islâmica, você iria poder roubar dos infiéis sem medo de ser preso, etc ... Que maravilha o Brasil se tornaria pra você, não é mesmo?

Unknown disse...

JOSÉ ATENTO.PORQUE TANTO ÓDIO AO ISLAM.

José Atento disse...

Amigo, porque o islão tem tanto ódio para o resto do mundo? Veja o que ibn Kathir disse: "Tafsir diz que "lutar contra os judeus e cristãos é legal porque eles são idólatras e descrentes" "

http://infielatento.blogspot.ca/2014/06/tafsir-diz-que-lutar-contra-os-judeus-e.html

Eu denuncio isso. Eu digo a verdade. E eu trago conhecimento.

Junte-se aos milhões de muçulmanos que são seres humanos, e como tais, são contra a Sharia!


Miguel Janio disse...

Voces muçulmanos,vão islamizar nos infernos chamados: irã,paquistão,afeganistão etc, vão perseguir cristãos,judeus,homosexuais fora daqui,levem a sharia de vcs pros infernos onde vcs atuam, o islã é um cancer a ser combatido, assim q o povo brasileiro conhecer as verdades desse livro maldito,os muçulmanos do brasil não terão paz,terão q irem embora!

Anônimo disse...

PORQUE NÃO PUBLICAM MEUS COMENTÁRIOS. ABDALAH.

José Atento disse...

Abd Allah ... escravo de Alá. Enviar frases soltas repetidas múltipla vezes, uma atrás da outra, acaba poluindo a página. Sacou?

Anônimo disse...

Prezado José Atento.Felizmente vivemos num País LAICO cada um pode seguir sua Religião.Mas sem ofender seus semelhantes de outras confissões clericais.ABDALAH.

José Atento disse...

Exatamente, escravo da Alá, nada de ofensas, mas apenas análise crítica e fundamentada nas fontes primárias. É isso que eu faço.

E, mais importante de tudo, nunca curvando para a Sharia. Aliás, junte-se às centenas de milhões de muçulmanos que lutam contra a Sharia!

Anônimo disse...

Esperando com alegria pela grande mesquita.. São dois milhões de muçulmanos no Brasil, muitos ajudaram vario estados com o comercio. Em São Paulo, ja são anos de grandes mesquitas, escolas islâmicas.. Nunca vi a cara de um muçulmano estampada no jornal. Vcs falam de problemas políticos no oriente e europa.. Mas vcs esquecem de quanto o Islam contribuiu para a sociedade. Eu tenho certeza, de q vcs compram de lojas islâmicas ( roupas comuns no brasil), conhecem muçulmanos e não sabem. Olham projetos sociais que são financiados por governos islâmicos e não sabem..eh muito triste falar assim, mas quando sabem que a realidade é outra. Sai 2 bilhões de muçulmanos no mundo. 2 milhões no brasil ( não de ontem para hoje ) . Não sejam hipócritas!!! A comunidade em porto alegre esta cada vez maior ! Islam é paz, alcorão é paz. Basta LER (VERSOS COMPLETOS, NAO TRECHOS VOADORES). QUE A PAZ ESTEJA COM TODOS!! ZARAH AYESHA/MUÇULMANA EM PORTO ALEGRE

José Atento disse...

Anônimo. Uma característica dos islamistas como você é inflar os números. Enquanto que as estatísticas oficiais dizem existirem talvez cem mil muçulmanos no Brasil, vocês vivem dizendo serem milhões. Outra coisa, os "projetos sociais" financiados pelos governos islâmicos são feitos apenas para divulgar o islão no Brasil. Veja lá se os Bahai no Irã, os Ahmadia no Paquistão, os Coptas no Egito, todas minorias paupérrimas e perseguidas, têm alguma ajuda dos governos islâmicos.

E quanto a ser hipócrita, eu me baseio no islão como ensinado pelos doutores do islão. De modo que se existe hipócrita eles se chamam Alá, Maomé, Hanbali, ibn Ishaq, Bukhari, Muslim, Shafi, Maliki, Hanbali, ibn Kathir e Al-Qaradawi, tantos outros. Isto mostra a sua ignorância. Eu trago sabedoria.

Junte-se às centenas de milhões de muçulmanos no mundo que são contra a Sharia, e se junte aos grupo dos seres humanos progressistas.

Unknown disse...

Parabéns José Atento. Vejo VC como grande conhecedor. Não creio mesmo ser esses 2 milhões de mulçumanos kkk. Eu mesmo nunca vi algum. Abraço.

Leandro Pereira disse...

José, é exatamente isso que vai acontecer, mas tem brasileiros que já está passando vaselina na bundinha pois acho que o Islã é só outra religião. Se que leu alguma vez alguma parte do Corão e é simpático a farsa da causa palestina. No Brasil a coisa vai ser lenta mas contínua.

Mas já aviso, o primeiro muçulmano filha da puta, que vier a estuprar ou matar em nome do profeta pedófilo levará bala até dentro do cu.

Parabéns pelo texto.

Anônimo disse...

Pelo que eu saiba o islã já matou mais de 280 milhões de não-muçulmanos. Encerro meu caso

Luis Ivan Dourado Ritta disse...

http://holofote.net/espanhois-enterraram-um-porco-em-terreno-onde-teria-uma-mesquita-resultado/

Anônimo disse...

As sociedades não-islâmicas precisam estar alertas, a brasileira, inclusive. Esse plano de dominação do Ocidente pelo islã existe desde a década de 20 do século passado, engendrado pela Irmandade Muçulmana. Ao tempo do ataque do 11 de setembro, nos Estados Unidos, me interessei por conhecer o Corão. Não o li todo, mas muitas das passagens autorizam, sim, essas atrocidades dos jihadistas, em nome de Alá!

Moacir Carocia disse...

Se as pessoas vivessem de um modo que só quisessem o bem uns dos outros, e quando não pudessem ajudar não atrapalhassem, já estaria de bom tamanho. Quanto a tua sharia, se é boa para o senhor, viva com ela. De minha parte, me reservo a defender a minha liberdade, de existir e de pensar, e sim, se precisasse matar para defender essa liberdade, com toda certeza mataria, sem o menor medo de estar pecando por isso.

Fernando Lopes de Almeida Soares disse...

*

À pátria atraiçoa
quem facilita ou aceita
o Islã no Brasil?

- FLASh

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1690626237847043&id=100006990498330
http://infielatento.blogspot.com.br/2014/09/projeto-para-mega-mesquita-em-porto-alegre.html?m=1

.

Anônimo disse...

José atento, teu blog é o melhor, super informativo e só fala verdades. Ass: um ser humano que foi ex-muçulmano por quase 10 anos.

Anônimo disse...

fidelis crus cordeiro tem alguma muçulmana por ai estou atras de uma fermea

Unknown disse...

Por favor quando colocar algum dado coloque a fonte. Obrigado.

José Atento disse...

As fontes estão no artigo. Obrigado.

Anônimo disse...

Claro que não querem a Sharia! Cristão gosta de beber cerveja, fumar maconha e ver mulher pelada!

Piu G.A disse...

Muçulmano gosta de prostituição, pedofilia e de covardia pois gostam do direito de bater em suas esposas, esses jihadistas só são macho mesmo com uma arma nas mãos.

Anônimo disse...

É verdade, mas a partir do momento que sua religião quiser implantar as atrocidades e as leis que em nosso país, estará ferindo nossa constituição, e isso não será permitido.