sábado, 14 de março de 2015

E-mail enviado ao Centro Loyola, por eles acolherem a propaganda islâmica


Eu escreví anteriormente sobre o Centro Loyola, do Rio de Janeiro, abrir as suas portas para a propaganda islâmica, no artigo "Jesuítas promovem o islamismo no Rio de Janeiro (?)."

Eu resolví escrever para eles, e fiquei aguardando uma eventual resposta ou comentário, nem que fosse o clássico "vá catar coquinhos." Não recebí nada. Silêncio. Ou melhor, fui ignorado.

Bem, eu estou compartilhando com vocês o teor do meu e-mail, que começa com segue abaixo.

Assunto: Vocês estão cometendo um grave erro ao promoverem o islamismo

Prezados Senhores

Eu mantenho um blog (http://infielatento.blogspot.com) que trata e alerta sobre a propagação da Sharia no Brasil e no mundo, e escrevo para vocês dentro de um espírito de caridade cristão.

Gostaria de usar desta mensagem para vos informar que vocês estão cometendo um grande erro. Eu não sei ao certo se vocês são um Centro de cunho católico, ou secular, mas de qualquer modo, vocês levam o nome de Inácio de Loyola, que deve estar se contorcendo no seu túmulo.

VOCÊS ESTÃO PROMOVENDO A PREGAÇÃO ISLÂMICA!

Eu acredito que vocês estejam fazendo isso de boa fé. Mas é preciso deixar a ignorância de lado e compreender bem o erro que vocês cometem.

Em primeiro lugar, vocês abriram o Centro Loyola para a Sociedade Beneficente Muçulmana, que de beneficente não tem nada. Este grupo tem influência wahabista, como atesta reportagem da CNN que mostrou um dos seus membros com a camisa do Estado Islâmico dizendo abertamente da obrigadoriedade da Jihad.

Esta sociedade "beneficiente" promove abertamente o islamismo, praticando taquia para os não-muçulmanos (ou seja, mentindo) mas dizendo a verdade para os fiéis maometanos. Por exemplo, eles promovem a poligamia, algo que é maléfico e humilhante para as mulheres, além de ser anti-cristão.

Por favor, não caiam no engodo do "diálogo inter-religioso" com o islamismo. Ele apenas acontece nos países não-muçulmanos, e é sempre uma via de mão única, pois ele acontece nas igrejas e templos cristãos, promovendo uma imagem higienizadoa do islão que está longe da realidade. Nos países muçulmanos promover outra religião que não seja o islão dá cadeia, ou até mesmo morte. Tenham respeito pelos cem mil cristãos mortos todos os anos nos paraísos islâmicos. Tenham respeito por Asia Bibi, presa pelo governo paquistanês desde 2010, aguardando sua execução, por ter dito que Jesus é Deus! Tenham respeito pelo pastor Abdini, condenado à forca no Irã por ter deixado o islão e abraçado o cristianismo. Estes casos, como tanto outros, não são feitos de grupos terroristas, mas são ações de governo consistentes com a lei islâmica (Sharia) que a sociedade "beneficente" muçulmana promove.

Por favor, não abram o Centro Loyola para a propaganda islâmica, que mente! Ao fazer isso vocês estão colaborando com a destruição do cristianismo, pois os 1400 anos de Jihad Islâmica mostram que o cristianismo morre onde o islão se instala.

Eu estou repassando links de alguns artigos que eu escreví sobre o equívoco que vocês estão cometendo:

1. Jesuítas promovem o islamismo no Rio de Janeiro (?) 

2. Sociedade Beneficente Muçulmana promove poligamia

3. Crislão = Cristianismo + Islão ... um estratagema para enganar idiotas

E, se vocês desejaram aprender mais sobre o islão, sem a taquia islâmica (o princípio islâmico que permite mentir se a mentira ajudar a propagar o islão), eu recomendo estes links:

(a) sobre a lei islâmica: "Lei Islâmica (Sharia) para os não-muçulmanos"

(b) sobre a Jihad na história islâmica: "Islã 101: Uma Introdução ao Islã e a Jihad Islâmica"

(c) um resumo sobre Maomé, o 'Gengis Khan da Arábia', em 3 partes: "A verdade sobre Maomé: Conquistador e Primeiro Soberano da Arábia"

Eu sugiro que vocês convidem palestrantes que digam a verdade sobre o islão, promovendo uma discussão sobre o islão como a ideologia política que ele é, e sobre o perigo que ele representa para todas as sociedades livres (e não vendendo idéias mentirosas, como por exemplo, que muçulmanos e cristãos viveram em harmonia, quando na verdade, sob islão, os cristãos são segregados como cidadãos de terceira-classe, os dhimis).

Permaneço aberto para qualquer comentário ou clarificação que vocês julguem necessário.

Cordiais saudações

José Atento

Um comentário:

Anônimo disse...

Um trabalho modernista de ecumenismo assinado com o sangue comunista da banda de jesuítas hereges da teologia da libertação.