quinta-feira, 5 de março de 2015

Perseguição aos Ateus


Os ateus e agnósticos não são diretamente mencionados como tal nos textos fundacionais do islão, o Alcorão, os Hadices, a Sira (biografia) e nem nos fiqh, a jurisprudência islâmica, pois o ateismo/agnosticismo como nós entendemos hoje é um evento de origem européia muito recente. Contudo, os textos islâmicos são bastante claros com respeito aos "incrédulos" de um modo geral. São os káfirs, as piores das criaturas. Aos incrédulos, o islão dá duas opções: conversão ou morte.

De modo que, meu amigo ateu/agnóstico, você também está na linha de tiro. Lembre-se que se opor ao islão não o torna cristão ou qualquer outra coisa. Na verdade, se opor ao islão é uma prova de sensatez.
Logo infundirei o terror nos corações dos descrentes; decapitai-os e decepai-lhes os dedos! (Alcorão 8:12)
Vou listar abaixo eventos diretamente ligados aos ateus ... e atualizar na medida do possível.


Atualização em abril de 2016


Bangladesh: mais um ateu morto por promover ateísmo
Nazimuddin Samad, 28 anos, foi morto por 3 motoqueiros quando andava nas ruas da capital, Dacca, com um amigo. Ele foi morto por seu ateísmo explícito. Ele criticava o islamismo e promovia o secularismo em seu blog. Os assassinos gritaram o tradicional "Allahu Akbar" ou "Alá é o Maior." (Houston).

Bangladesh: outro ateu morto, desta vez um professor universitário
O professor universitário de inglês, Rezaul Karim Siddique, um ateu, foi assassinado na rua, tendo o seu pescoço sido quase totalmente cortado fora. O Estado islâmico assumiu a autoria de mais este atentado. “Quando você se defrontar com descrentes, ataque o seu pescoço …” (Alcorão 47:4). (Guardian)

Turquia: muçulmanos moderados querem ver os ateus mortos
Muçulmanos turcos dizendo que adorariam matar ateus, e que eles não são humanos (cf. Alcorão 98:51).
OK. https://youtu.be/K29wSu-imYE


Atualização em fevereiro de 2016


Suécia: ateu egípcio teme extradição
Ele chegou a queimao o Alcorão para provar o seu ateísmo


Nova lei saudita transforma ateismo em terrorismo
No islamismo, homossexual bom é homossexual morto (O Globo).


Novembro de 2015

Ashraf Fayadh, ateu palestino e poeta
Ashraf Fayadh, poeta palestino de 35 anos, foi condenado à morte pelo governo saudita por apostasia. (fonte)

Agosto de 2015

Bangladesh: Mais um blogueiro ateísta assassinado por supremacistas islâmicos
Ele é o quarto já morto este ano. Ele era família hindu como dois dos demais. (BBC)

Junho de 2015

Bangladesh: escritora foge das ameaças
Escritora de Bangladesh foge para os EUA após receber mais ameaças dos adeptos da "religião da paz." A escritora Talisma Nasreen já tinha fugido para a Índia. Mas nem lá ela ficou em paz. Ela foi ameaçada pelo mesmo grupo que recentemente matou um blogueiro ateu. (fonte)

Arábia Saudita: blogueiro ateu Raif Badawi permanece na prisão
Arábia Saudita mantem a pena de 10 anos de prisão e mil chicotadas para o blogueiro ateu Raif Badawi. Somos todos kufar (plural de káfir, infiel) sem distinção. O nível de pressão internacional neste caso foi sem precedentes, mas a aplicação da Sharia fala mais alto! (fonte)

Bangladesh: mais um blogueiro ateu assassinado
(O Globo)

Março de 2015

Turquia bloqueia sites ateus
mas permite os sites extremistas islâmicos permaneçam on line (fonte)

Bangladesh: blogueiro ateu assassinado
Um tribunal de Bangladesh na quarta-feira ordenou sete estudantes universitários e um clérigo muçulmano para serem julgados pelo assassinato à base do facão, em 2013, um blogger ateu quem eles alegaram havia difamado o Islão. (fonte)

Bangladesh: outro blogueiro ateu é atacado até ser morto 
Dois dos atacantes são estudantes de uma madrassa. Esta morte segue a de outros blogueiros ateus, Avijit Roy, em fevereiro deste ano, Ahmed Rajeeb Haider, em fevereiro de 2013, e da tentativa de assassinato de Asif Mohiuddin, em janeiro de 2013. Em maio de 2013, depois de grupos radicais islâmicos ameaçarem marchas indefinidas pedindo a execução de blogueiros ateus, ao invés de proteger os blogueiros, o governo intensificou a repressão aos blogueiros e escritores online sob a alegação de supostas mensagens blasfemas (ou seja, eles estão fazendo uma análise crítica do islão, de Maomé e da Sharia). "Se isso continuar, mais blogueiros serão mortos nas mãos de islâmicos, a menos que exista uma vontade política para salvá-los," o que claramente não é o caso. (fonte)

Janeiro de 2015
Ateus na linha de tiro do islamismo
Blogueiro ateísta saudita foi condenado a 1.000 chicotadas e dez anos de prisão. Seu crime: promover o debate público de ideias em seu site. As primeiras cinquenta chibatadas serão dadas neste dia 9 de janeiro e as demais (até completarem 1.000, se ele sobreviver, o que é pouco provável), durante um período de vinte semanas.

No país, são frequentes as decapitações oficiais, das quais há vídeos no Youtube para quem quiser comprová-las.

Em 2014, a Arábia Saudita promulgou uma lei que classifica descrentes como terroristas e, portanto, inimigos daquele verdadeiro reino de trevas regido oficialmente pela Sharia (lei islâmica).

Tanto esquerdistas pró-islâmicos como muçulmanos argumentam que tais governos e seus imames se baseiam numa "interpretação radical da lei islâmica e da religião". Assim, aqueles primeiros, apologistas (não muçulmanos) ocidentais do Islã, se elegem teólogos consumados para argumentar algo que em nada muda o fato básico de que a Sharia nestes países do Golfo (e sua profunda influência nas leis dos que os cercam) é incompatível com nossos valores de liberdades civis e secularidade.

Outro fator importante é que professores universitários, advogados, políticos e outros profissionais de nível superior, em sua maioria esmagadora, apoiam tais leis, mostrando que não se trata de um problema de falta de educação formal de modo algum, como querem os esquerdistas. A ortodoxia islâmica em si é que promove valores teocráticos totalmente incompatíveis com nossas árduas conquistas seculares ocidentais. (agradecimentos a Tob B) (ibtimes)

Raif Badawi, blogueiro ateísta saudita e seus filhos: condenados a 10 anos de prisão e mil chibatadas
Apenas por promover debates sociais e políticos, ele foi condenado a uma década na prisão e 1.000 açoites com uma vara, sob alegações de que teria ofendido o Islã. Agradecimentos a Dutch Defense League por compartilhar o link desta postagem da página de Kacem El Ghazzali. O autor desta, aliás, é ele mesmo também um ateísta criado no mundo islâmico, que foi condenado pelo governo do Marrocos e ameaçado de morte por jihadistas, tendo, por isso, que fugir do próprio país com a ajuda financeira de ativistas europeus em 2010 e se radicar na Europa. (Leia mais no O Globo).

2014
Na Arábia Saudita, ateísmo é terrorismo
Lei promulgada diz, dentre outras coisas, diz que terrorismo é "Chamando para o pensamento ateu, sob qualquer forma, ou pôr em causa os fundamentos da religião islâmica em que este país se baseia."
(HRW)



Nenhum comentário: