domingo, 26 de abril de 2015

O Aterrorisante Brilhantismo do Islão


Esta é a versão portuguesa do artigo The Terrifying Brilliance of Islam publicado no blog Citizen Warrior. Um dos administradores deste blog, além de escritor, é profissional de psicologia e comportamento humano e aplicou os seus conhecimentos profissionais para analisar o islão. Um dos mais importantes estudos são resumidos neste artigo, que mostra como o islão é um "conjunto de ideias" que se serve dos seus adeptos para a sua própria preservação e propagação. 
O artigo foi traduzido por T. F., a quem externo os meus agradecimentos. 

The Terrifying Brilliance of Islam

Citizen Warrior

Alguma vez você já se perguntou por que tantos homens muçulmanos são dedicados a matar não-muçulmanos? Ou por que muitos estão dispostos a se explodir para matar israelenses? Ou por que eles são tão comprometidos em explodir pessoas aleatóriamente em Bali, Londres, Madrid, Nova Iorque, etc.?

Os muçulmanos devotos estão fazendo isso em todo o mundo, atacando os ocidentais e os seus próprios companheiros muçulmanos. Por quê?

Por causa de uma doutrina. Doutrina é um conjunto de ideias. Estes poderiam ser os costumes, palavras, crenças, etc. A religião não é uma única ideia. É um conjunto de ideias. O conjunto de ideias que compõem a religião do Islã faz os muçulmanos se comportarem e se sentirem como eles fazem.

Conjuntos de ideias competem uns com os outros da mesma forma que um conjunto de células (organismos) competem uns com os outros. E porque o conjunto de ideias compete, e porque novas ideias muitas vezes podem ser adicionadas ou subtraídas da coleção, e porque algumas coleções ganham mais adeptos do que outros, conjuntos de ideias podem realmente evoluir.

Vejamos como conjunto de ideias religiosas evoluem e competem. Para começar, vamos supor que já temos uma religião estabelecida. Ela já tem um livro sagrado e milhões de pessoas que já são crentes.

E depois há uma pequena variação.

A versão original tinha um atitude de "viva e deixe viver", e nunca tentou incentivar seus seguidores a trazer novos convertidos. Mas, então, alguém surge com a ideia de que se você pode convencer um não-crente para se tornar um crente, você ganha algum tipo de mérito espiritual. Você está salvando almas, e suas chances de ir para o céu são melhores.

Ok, agora você tem duas variações sobre a mesma religião. Uma contém a ideia de que ela não se importa se você atrai mais alguém para se juntar à religião. A outra, motiva seus crentes para persuadir os outros a participarem.

Depois de mil anos, qual das duas variações terá mais crentes? Estou apostando na versão que motiva a sua propagação.

Vamos supor, por um momento, que a versão que se empenha em se propagar ganha muito mais seguidores. Isso quer dizer que isso faz as pessoas mais felizes? Ou mais bem sucedidas na vida? Ou ter filhos mais saudáveis? Não. Só porque uma coleção de ideias ganha seguidores mais rápido não significa que ela beneficia qualquer das pessoas que acreditam nessas ideias.

O mesmo é verdade em genética. Ao contrário do senso comum, um gene bem-sucedido não necessariamente beneficia o organismo. É "bem sucedido" no sentido que ele fez muitas cópias de si próprio e é encontrado em muitos organismos. Mas podem realmente ser prejudiciais para o organismo que o hospeda.

Por exemplo, se há um gene para o alcoolismo, e se beber faz com que alguém começe a ter filhos mais jovens do que alguém que não bebe, ao longo de milhares de anos, o gene do alcoolismo pode ser mais bem sucedida (o gene faz o seu caminho em mais descendentes ) do que o gene do não-alcoolismo, embora seja mau para cada indivíduo que transporta o gene.

Da mesma forma, o sucesso de um conjunto de ideias não significa necessariamente que ele seja bom para as pessoas que acreditam nele ou que o sigam.

Se um conjunto de ideias diz que é errado usar métodos de contracepção, ao longo do tempo, esse conjunto de ideias provavelmente será seguido por mais pessoas do que a versão que diz que a contracepção é muito boa (assumindo que as pessoas normalmente ensinam seus filhos a acreditarem como eles fazem).

Então, o crente infeliz de um conjunto de ideias particular vai tentar seguir as regras e ser uma boa pessoa, evitando o “mal da contracepção”, e qual será o resultado para ele pessoalmente? Ele pode ter mais filhos do que ele poderia querer ou poderia pagar, levando-o a trabalhar horas extras para sustentá-los, trabalhando em dois empregos se for preciso. Isso pode mandá-lo para uma morte prematura, mas o seu esforço cria mais crentes para os adeptos daquele conjunto de ideias particular do que alguém que não tenha essas ideias.

Então, num certo sentido, o conjunto de ideias usou o homem para seus próprios fins. E isso é uma perspectiva que lança uma nova visão sobre o Islã.

Se você for projetar deliberadamente um conjunto de ideias com a finalidade dele vir a dominar o mundo - um conjunto de ideias que acabaria com a concorrência ou eliminaria qualquer outra religião ou sistema político – você teria que trabalhar muito para projetar um conjunto de ideias  melhor do que Islã.

Vamos olhar algumas das ideias individuais dentro desta coleção. Muitas das ideias melhoram a outra. Em outras palavras, a adição de uma ideia sobre uma outra pode fazer todo o conjunto muito mais eficaz, porque algumas ideias trabalham sinergicamente.

Aqui estão alguns dos componentes-chave do conjunto de ideias conhecido como o Islã:

1. Uma versão padrão da obra foi escrita

Isso é algo básico para as várias religiões e não é uma invenção islâmica, no entanto é um fator importante para o sucesso do Islã.

Algo que só é transmitido oralmente pode mudar ao longo do tempo, mas algo escrito permanecerá idêntico por milhares de anos, e com as modernas maquinas de impressão, pode ser impresso milhões de cópias, tendo assim uma enorme vantagem em espalhar cópias idênticas à versão original.

2. O Alcorão inclui instruções para a sua própria divulgação

Ele diz aos crentes que eles devem divulgar o Islã. É um dever sagrado propagar as recomendações de Maomé e a lei islâmica para todos os cantos da terra.

3. O Alcorão inclui instruções para sua própria preservação, proteção e fidelidade na replicação

O Alcorão, o mais importante dos livros sagrados islâmicos, diz diretamente aos seus seguidores que eles nunca devem alterar ou modificar ou mesmo "modernizar" qualquer um dos ensinamentos dentro da obra. É perfeito assim como ele é. É um pecado capital tentar alterar algo. Esta ideia garante a preservação de toda a obra.

4. Islã comanda aos seus seguidores a criarem um governo que o apoie

Esta pode ser uma das ideias mais engenhosas de toda a obra. O Islã é a única religião que a utiliza. Outros grupos religiosos tiveram aspirações políticas, mas nenhum outro grande grupo religioso ordenou aos seus seguidores – como um dever religioso – a criarem um governo que siga o seu próprio sistema de leis.

O Islã tem um sistema de leis, chamado Sharia, e todos os muçulmanos são obrigados a se esforçarem continuamente para fazer com que o governo onde eles vivam siga a Sharia, onde quer que eles estejam. Por causa de algumas outras ideias adicionadas ao Islã, você vai ver que esta adição política na obra tem consequências significativas. Não que isto seja talvez a inovação mais  brilhante do Islã, mas é a mais terrível para os não-muçulmanos.

5. Permissão para divulgar a religião pela guerra

Isso é uma outra brilhante inovação do Islã. Apesar de algumas outras religiões terem se espalhado usando a força, elas tinham muita pouca justificativa de suas próprias doutrinas religiosas para fazer isso.

Com o Islão é diferente. A expansão pela conquista é aceita e encorajada pelo conjunto de ideias. Os ensinamentos islâmicos apresentam isso da seguinte maneira: os coitados dos não-muçulmanos  que não vivem em um estado islâmico precisam serem salvos do pecado de seguirem outras leis e não as leis de Alá. Se eles não mudam voluntariamente suas leis para Sharia, então é dever dos guerreiros muçulmanos persistirem. O mundo não pode estar em paz até que todos os governos na terra sigam as leis de Alá.

A própria experiência de Maomé deu o exemplo – um exemplo que, o Alcorão diz, 91 vezes, que todo muçulmano deve seguir. Primeiro, Maomé tentou espalhar o Islã por meios pacíficos. Depois de 13 anos ele tinha apenas 150 convertidos.

Mas depois ele mudou de tática e começou a usar a guerra, o combate, as execuções e os assassinatos e dentro de dez anos, ele converteu dezenas de milhares de pessoas, e depois que ele morreu, seus seguidores usaram as mesmas táticas convertendo milhões. E pelo simples aumento da população, agora já ultrapassa um bilhão.

O uso da guerra combina sinergicamente e poderosamente com a instrução para criar um estado islâmico. Assim o Islã se espalhou rapidamente e logo seus exércitos se tornaram maiores. Eles conquistaram e criaram estados islâmicos, a maioria dos quais duram até os dias de hoje, e as leis dentro de um Estado islâmico tornam o Islã muito difícil de ser desalojado. As leis também tornam muito vantajoso se converter ao islamismo.

Este é um dos métodos mais eficazes já inventado de inserir um conjunto de ideias em  um número tão grande de mentes. É um método de controle e doutrinação semelhantes aos utilizados com sucesso em estados comunistas e totalitários. Contudo, como você vai descobrir a seguir, o Islã faz uso do poder da lei para forçar a completa conversão para a religião islâmica.

6. Terras deve ser conquistadas 

Terras que o Islã perdeu devem ser reconquistadas, como Espanha e Israel, por exemplo.  O império islâmico deve  se expandir continuamente. A contração é ruim, a expansão é boa. Portanto, se uma terra era uma vez Islâmica e agora não é, e isso é uma contração, deve ser reconquistada.

De acordo com os ensinamentos islâmicos, a Terra é de Alá. Se houver partes da Terra que não seguem as leis islâmicas, então é dever dos fiéis ganhar o controle dessas terras e estabelecer a Sharia. É um pecado não fazer isso.

7 . O conjunto de ideias proporciona aos novos soldados a permissão à poligamia

Um homem muçulmano pode se casar com até quatro mulheres, e ele pode ter relações sexuais com o número de escravas que ele desejar.

O Alcorão encoraja de modo muito específico os homens a se casarem com viúvas. Isso é uma ideia importante para o caso de se perderem muitos soldados durante uma guerra. Você precisa renovar o seu exército. Caso contrário, o conjunto de ideias pode morrer por falta de juventude.

8. Criticar o Islã é um crime

Você pode ver porque essa é uma boa ideia de apoio para o conjunto de ideias. Isso ajuda a evitar qualquer ideia que possa reduzir a autoridade das ideias islâmicas. Essa, como muitas outras, é boa para o conjunto de ideias, mas ruim para as pessoas, pois limita a liberdade de expressão. Essa ideia está no Alcorão, e Maomé dá um exemplo forte de como punir as pessoas que criticavam ele ou Islã. O castigo era geralmente a morte.

9. Você não pode deixar o Islã caso tenha se tornado muçulmano

Essa é uma questão interessante. Na verdade é ilegal se converter para outra religião fora do Islã. Essa é parte crítica das leis da Sharia. Alguém que abandonou o Islã, tendo sido muçulmano, é considerado um "apóstata". Isso é, um crime e um pecado, e o castigo para ele é a morte (eterna danação no inferno depois disso).

Obviamente você pode ver o porquê desta ideia ter sido incluída no conjunto-de-ideias, mas essa ideia na verdade tem causado problema para o Islã, visto que aqueles que estão seguindo o Islã ao pé da letra consideram os muçulmanos mais “moderados” (aqueles que querem ignorar ou alterar as partes e passagens mais violentas do Alcorão) apóstatas. E já que a punição para os apóstatas é a morte, os muçulmanos fundamentalistas lutam contra os muçulmanos moderados em todo o mundo, e mantem muitos rebeldes, e muçulmanos moderados longe de se manifestarem por medo da morte.

Cada vez que um grupo de muçulmanos decide que talvez o Islã devesse ser atualizado para o século 21 e, talvez, as mulheres pudessem ter alguns direitos, ou talvez o governo devesse ser mais democrático, os muçulmanos devotos os chamam de apóstatas e até mesmo os tentam matar.

O conjunto-de-ideias protege sua própria fidelidade (o conjunto-de-ideias não pode ser alterado). Isso não é bom para a coletividade (o ser humano muçulmano), mas é ótimo para o conjunto-de-ideias.

Um outra ideia nas leis da Sharia diz que é crime qualquer um tentar converter um muçulmano a outra religião.

10.  Ao Islã deve ser a sua primeira lealdade

Essa é uma grande ideia para adicionar ao conjunto-de-ideias se o objetivo é dominar o mundo. Você é um muçulmano em primeiro lugar, antes de qualquer lealdade a sua família, sua tribo, ou seu país.

Isso leva a duas coisas: causa uma união de pessoas além das fronteiras e permite que o grupo cresça mais do que qualquer outra entidade. Em outras palavras, a "Nação do Islã" pode crescer mais do que qualquer outro país, não importa quão grande seja (fato que dá ao grupo uma vantagem numérica maciça).

11. Morrer enquanto se luta pelo o Islã é a única forma de garantir a entrada de um homem no Paraíso

Essa é uma grande ideia para criar guerreiros destemidos e entusiasmados, especialmente tendo em conta as descrições do Alcorão das delícias sexuais no Paraíso.

Um homem muçulmano tem a chance de chegar ao paraíso se for um bom muçulmano, mas não é garantido. No entanto, se ele morrer, enquanto luta pelo o Islã, ele garante sua entrada, e essa é a única coisa que ele pode fazer para garantir isso.

12. Você deve ler o Alcorão em árabe

Isso une os crentes pela linguagem, e a linguagem é um poderoso fenômeno unificador. Outra ideia do conjunto-de-ideias diz que você não pode ir para o Paraíso, a menos que você reze em árabe. Um incentivo a mais para aprender árabe.

Então, todos os muçulmanos do mundo inteiro compartilham a mesma língua. Isso torna mais fácil coordenar amplas campanhas de protesto, de pressão política e guerra. Duvido que Maomé tenha previsto essa possibilidade, mas essa ideia é brilhante, mesmo que tenha sido só um acidente.

13. Você deve rezar cinco vezes por dia

Esse é um dos cinco "pilares" – isso é, uma das cinco práticas centrais do Islã. Dentro de um estado islâmico, isso é imposto por lei. Todo muçulmano deve rezar cinco vezes por dia. A prática ajuda o conjunto-de-ideias a dominar a vida de um muçulmano, infundindo sua rotina diária com o Islã.

Seria impossível esquecer qualquer coisa que você fazia deliberadamente com frequência. Cinco vezes por dia, todos os dias, um muçulmano deve se curvar e orar a Alá.

Pesquisas mostram que quanto mais esforço uma pessoa faz por uma causa, mais ela tende a acreditar nisso e valorizar isso. Portanto, esta é uma boa forma de, eventualmente, tornar as pessoas, que se tornaram muçulmanas através da coerção, em crentes.

O Islã rege completamente todos os aspectos da vida dos muçulmanos. Não só eles são obrigados a rezar cinco vezes ao dia, mas eles têm que passar por um ritual de ablução (lavagem) antes delas. O Islã dita as leis, e as leis regem muitos comportamentos públicos e privados. Em um estado islâmico, é impossível de ser muçulmano casual.

14. As orações envolvem movimentos conjuntos e simultâneos

Quando os muçulmanos oram, todos eles oram para a mesma direção, eles se curvam para baixo, abaixam suas mãos e se ajoelham, e encostam o rosto no chão, todos em sincronia, e, em seguida, se levantam. De novo e de novo.

Quando as pessoas se movimentam juntas ao mesmo tempo, seja dançando, marchando ou orando, cria-se um vinculo físico e emocional entre elas. É por isso que todo o treinamento militar envolve marcha em ordem e sincronia, apesar de que tenha sido usado por necessidade ao um longo tempo atrás pelos grupos militares que realmente marchavam em combate, Não há mais a necessidade dessa habilidade, mas o treinamento militar manteve a prática, porque é tão eficaz na criação de um sentimento forte de unidade entre soldados.

O mesmo vale para todos os outros movimentos físicos que as pessoas fazem em sincronia. Assim, o método de oração do Islã é uma ideia unificadora adicionada ao conjunto-de-ideias.

15. Uma mulher está em uma posição completamente subordinada

Essa ideia realmente ajuda a apoiar outras ideias no conjunto-de-ideias, como a cinco e a seis. Se as mulheres tivessem tido muita influência, elas iriam tentar conter os conflitos. As mulheres em geral não gostam de mandar seus maridos e filhos para a guerra, mas se as mulheres não têm voz, então o resto das ideias poderiam se expressar sem interferência feminina. Pela subordinação das mulheres, o conjunto-de-ideias impede seu voto eficaz contra a guerra, a violência, e conquista.

As regras e leis dentro do Islã que mantêm as mulheres subordinadas são numerosas. Por exemplo, ela não tem permissão para sair de casa, a menos que ela esteja acompanhada por um parente do sexo masculino. Sob a lei islâmica, uma mulher é proibida de ser uma chefa de estado ou uma juíza. Ela só pode herdar metade do que um homem pode herdar. No tribunal, o seu testemunho vale apenas a metade do testemunho de um homem. Ela não tem permissão de escolher onde ela vai viver ou com quem ela vai se casar. Ela não tem permissão para se casar com um não muçulmano ou divorciar de seu marido. Ele, no entanto, pode se divorciar dela com um aceno de mão. E de acordo com a Sharia, ele pode (e deveria) bater se ela o desobedecer.

Todas essas ideias as mantêm subordinadas, o que ajuda a manter a máquina de guerra seguindo desimpedida de rebeliões internas.

16. A única forma certa de uma mulher pode chegar ao paraíso é se o seu marido estiver feliz com ela quando ela morrer

Quando eu li sobre isso, eu pensei: "Maomé, você é um astuto."Essa ideia obviamente, ajuda com a subjugação das mulheres, pois as motiva a subjugarem a si mesmas. Dá a elas um forte incentivo parar se subordinar aos desejos de seu marido, porque muito embora ela possa ter uma chance de entrar no paraíso se ela for uma boa muçulmana, a única forma através da qual ela pode garantir a entrada no Paraíso (e evitar o sofrimento eterno no inferno) é certificar-se que o seu marido está feliz com ela quando ela morrer.

17. Alá se dá a permissão para alterar o seu próprio trabalho

Esta é uma questão interessante. Ele diz no Alcorão que, se uma passagem mais antiga contradiz uma passagem mais recente, então a mais recente é a melhor. O Alcorão foi escrito em seções (as “revelações” de Maomé, cada uma escrita como uma sura, ou capítulo) durante um período de 23 anos. As circunstâncias da vida de Maomé e da sua religião mudaram muito ao longo desses 23 anos.

Uma das ideias no Alcorão é "essa é a palavra de Deus." As pessoas já tinham memorizado suas revelações anteriores, de modo que Maomé não poderia simplesmente mudar suas revelações, seria algo um pouco estranho para o um ser onisciente, o infinitamente sábio Alá, mudar algo que Ele já havia dito.

Mas, com essa nova ideia – as revelações mais recentes revogam ou se sobrepõem a quaisquer outras revelações antigas contra as quais exista contradição – os métodos de Alá poderiam mudar à medida que Maomé encontrasse ideias mais eficientes.

Como disse anteriormente, em seus primeiros 13 anos de pregação pacifica, Maomé só conseguiu arregimentar 150 seguidores. Após isso, como um líder militar e conquistador violento, ele foi capaz de subjugar toda a Arábia à lei islâmica em menos de 10 anos. Os caminhos pacíficos eram muito lentos. Conversões por conquistas e uso da Sharia foram muito mais rápidas e mais eficientes. Então, mais tarde,  os versos intolerantes e violentos revogaram as passagens anteriormente pacíficas e tolerantes.

18. O Alcorão usa o “morder e assoprar” para reforçar o comportamento

Ao longo do livro são feitas descrições do inferno, onde os pecadores e não muçulmanos terão que beber água fervida e fedida, serão jogados de bruços em um fogo ardente, e vão estar lá por toda a eternidade, sofrendo tormentos intermináveis em agonia.

Há também descrições do Paraíso. No Paraíso, ele diz, os crentes usarão túnicas de seda verde e reclinarão sobre sofás de veludo.  As árvores os protegerão, frutas vão balançar nas proximidades. Eles vão ter comida saborosa e bebidas refrescantes servidas em taças de prata. Para ter uma chance de conseguir isso, eles devem ser muçulmanos devotos. Para garantir isso, eles devem morrer na jihad (para homens) ou certificar se seus maridos estão satisfeitos com elas (para as mulheres).

19. Ele proporciona um objetivo enorme e inspirador

Líderes de países, empresas ou religiões têm descoberto que se pode obter o máximo de motivação e entusiasmo de seus seguidores se proporcionar a eles  uma visão expansionista – uma grande meta. No conjunto-de-ideias islâmico, o objetivo exige um esforço contínuo para expandir o domínio da lei islâmica até que todo o mundo esteja subjugado a ela.

Muitas religiões têm o objetivo de converter a todos, mas o Islã tem um método disponível que ninguém mais tem:  Expandir por conquistar e converter os governos à Sharia.

Uma vez que o mundo inteiro for mulçumano, a paz reinará. É por isso que até mesmo terroristas podem dizer com toda a sinceridade, "O Islã é uma religião de paz."

O Alcorão diz que é melhor que para os não muçulmanos aceitem o Islã e se tornem muçulmanos sem o uso da força. Mas se eles se recusarem, então deve-se combatê-los e vencê-los para salvar suas pobres almas, insistindo que eles vivam pelas as leis de Alá.

Uma vez que todos os países estão conquistados, o mundo estará em paz. Portanto, o Islã é uma religião de paz.

Este é um objetivo um enorme e inspirador, e um propósito fortemente unificador. Ele cria seguidores motivados e entusiasmados.

20. Os não muçulmanos devem pagar uma taxa

Uma vez que os muçulmanos conquistem um país e convertam o governo para a lei islâmica, qualquer não muçulmano tem a escolha entre se tornar muçulmano ou se tornar um dhimmi. Dhimmis estão autorizados a praticar a sua religião não muçulmana se pagarem a jizya (uma taxa). Se eles se converterem ao Islã então eles já não precisam pagar a taxa, dessa forma há um incentivo prático para a conversão.

Mas um outro aspecto que torna essa ideia brilhante para adicionar ao conjunto. A taxa leva o dinheiro para longe dos não muçulmanos e dá esse dinheiro para apoiar ao Islã.  Pura genialidade!

Os rendimentos dessas taxas (geralmente um imposto de renda de 25%) ajudaram a financiar as conquistas islâmicas durante as duas primeiras e principais jihads. Eles conquistaram vastas terras, a maioria delas já ocupadas por cristãos e judeus, muitos dos quais não foram convertidos em primeiro lugar, e sua jizya derramou grandes somas de dinheiro na máquina de guerra islâmica.

Eventualmente, o número de cristãos e judeus foi diminuindo à medida que se convertiam ou escapavam, até chegarmos à situação atual onde, na maioria dos países islâmicos, os judeus e cristãos são pequenas minorias.

A ideia de taxa para os não muçulmanos ajudou o conjunto-de-ideias islâmico a fazer mais cópias de si mesmo por suprimir a concorrência de outros conjuntos-de-ideas religiosos e apoiar financeiramente o Islã.

Várias ideias dentro das leis da Sharia estendem esse efeito. Por exemplo, os não muçulmanos não têm permissão para construir quaisquer novas casas de adoração. Eles não estão sequer autorizados a reparar igrejas ou sinagogas já existentes. Isso coloca as casas de adoração de qualquer conjunto-de-ideias concorrente em um estado de declínio permanente. Brilhante.

Além disso, as orações não islâmicas não podem ser faladas ao alcance do ouvido de um muçulmano – de novo, impedir que os muçulmanos sejam infectados por uma religião concorrente. E não pode haver demonstração pública de quaisquer símbolos de outra fé.

Tudo isso impede a divulgação de qualquer religião concorrente, e faz  qualquer conjunto-de-ideias concorrente morrer ao longo do tempo. É por isso que hoje existem tantos "países muçulmanos." Quase todos os outros países do mundo são compostos de muitas religiões diferentes.

Uma ideia adicional que torna muito mais fácil aos muçulmanos dominarem os não muçulmanos dentro de um estado islâmico: os não muçulmanos não estão autorizados a possuirem armas de qualquer tipo. Para subjugar um povo, todos os governantes ditatoriais na história do mundo fizeram a mesma coisa: desarmar as pessoas subjugadas. A porção desarmada da população é muito mais fácil de gerenciar, menos perigosa, e incapaz de se levantar contra o status quo.

21. É proibido um muçulmano fazer amizade com os infiéis

Um muçulmano é permitido fingir ser um amigo, mas em seu coração ele nunca deve realmente ser um amigo de um não muçulmano. Essa é uma das melhores proteções que o Islã tem para impedir os muçulmanos de abandonarem a fé, porque conversões de uma religião para outra são geralmente induzidas por um amigo. Sendo proibido fazer amizade com os infiéis isso acaba prevenindo efetivamente que isso aconteça.

22. O Alcorão aconselha o uso da mentira quando se negocia com os infiéis

Maomé instruiu um de seus seguidores a mentir se fosse preciso (de modo a assassinar um dos inimigos de Maomé). O princípio era claro: pode-se enganar os não muçulmanos se isso ajudar o Islã.

Esse princípio tem servido bem aos objetivos islâmicos ao longo da história. E serve aos objetivos de hoje. No DVD  “Obsessão: A Guerra do Islão radical contra o Ocidente”, você pode assistir exemplos de líderes islâmicos dizendo uma coisa em inglês para a imprensa ocidental, e dizendo algo completamente diferente para seus próprios seguidores em árabe alguns dias depois.

Enganar o inimigo é sempre útil na guerra, e o Islã está em guerra com o mundo não mulçumano até que o mundo inteiro siga as leis da Sharia. Todos os não muçulmanos que vivem em estados não islâmico são inimigos. Enganar os ocidentais é totalmente aceitável e é encorajado se isso puder adiantar os objetivos de expansão do Islã.

E assim temos o estranho fenômeno coberto por Steven Emerson em “Terroristas entre nós”, onde as organizações islâmicas nos EUA estavam ostensivamente arrecadando dinheiro para os órfãos, mas na realidade davam o dinheiro para os terroristas. Enganaram bons corações de infiéis ocidentais para dar dinheiro para as organizações que estavam matando ativamente infiéis ocidentais. Como se diz no Alcorão: "A guerra é trapacear." Essa idéia deu ao Islã uma vantagem enorme sobre conjunto de idéias que encorajam o uso indicriminado da verdade. Leia mais sobre esta “trapaça religiosa” aqui.

23. O Islã deve ser sempre defendido

Essa ideia é um dos principais pilares que dá justificativa para a guerra contra quase qualquer um, como você verá na ideia abaixo. Depois que o inimigo é derrotado, é claro, os muçulmanos são obrigados a estabelecerem um estado islâmico.

24. Escritos islâmicos ensinam o uso de pretextos para iniciar guerras

O Alcorão gasta muito tempo reclamando sobre as pessoas que não apoiaram Maomé quando ele começou sua religião, com Alá, muitas vezes, os condenando ao tormento no inferno no futuro. O Alcorão é intensamente intolerante com os não muçulmanos.

Maomé era bastante agressivo e insistente com a sua religião, e quando os outros se sentiam invadidos e protestavam, Maomé levava isso como se eles estivessem tentando impedir o santo profeta de Alá de trazer a palavra revelada por Alá para o mundo. Ele usava esta  justificativa para combate-los e destrui-los como inimigos de Alá. Essa é uma demonstração do princípio de pretexto.

Os não muçulmanos do mundo precisam urgentemente tomar consciência deste princípio. De todas essas ideias do conjunto islâmico, essa é a mais perigosa para o Ocidente, pois remove as nossas defesas naturais de auto-preservação. O uso de pretexto tende a tornar o Ocidente indefeso contra a invasão islâmica já em andamento. Terroristas muçulmanos não são pessoas ingênuas. Eles são inteligentes, educados, bem financeiramente, e estão sendo usados por um conjunto de idéias muito inteligente.

A invasão do Ocidente está em andamento, e está sendo feita de forma inteligente, a maioria dos ocidentais não sabem nem mesmo o que está acontecendo. Leia sobre a Islamização da Europa aqui.

O uso de pretexto significa que você só precisa de uma desculpa para começar as hostilidades. Isso significa que você está realmente procurando por uma desculpa, e ao mesmo tentando provocar os outros para um primeiro golpe ("começar"  as hostilidades).

Se a única maneira de chegar ao Paraíso é morrendo, enquanto se luta pelo o Islã, você precisa de guerra. E se é o seu dever sagrado fazer todos os governos usarem as leis da Sharia, você precisa conquistar esses governos. Mas se você realmente não quer se parecer com o agressor, as aparências contam. Ao longo de todo o Alcorão, Maomé tentou justificar sua agressão como defesa do Islã.

O Alcorão repete 91 vezes que os seguidores do Islã devem usar Maomé como modelo e imita-lo em todos os aspectos da vida. Assim, os muçulmanos de todo o mundo tentam encontrar ou criar ressentimentos, para que possam começar uma guerra santa, para que eles possam lutar e morrer pela causa de Alá e ajudar a fazer o mundo ser regido pelas leis de Alá.

E por causa do aumento do multiculturalismo (respeito por todas as outras culturas) no Ocidente que o uso do pretexto se torna muito mais eficaz contra as pessoas que não estão familiarizados com o Islã. Muitas pessoas pensam que a Al Qaeda está irritada com o Ocidente por ter tropas na Arábia Saudita, por exemplo, mas isso é apenas um pretexto. Eles querem que todos os não muçulmanos saiam fora do Oriente Médio. Em seguida, eles dizem que vão cessar as hostilidades. É um objetivo ridículo e impossível, por isso eles têm justificativas para guerra permanente contra o Ocidente.

É surpreendente que tantos ocidentais aceitem esse pretexto em particular, porque ele voa ao encontro de um princípio ocidental fundamental:  a igualdade. O que Osama bin Laden está dizendo é "infiéis são tão indignos, sua própria presença contamina nossos lugares santos." Uau. O que isso diz sobre os não muçulmanos?

Por que esse tipo de racismo, preconceito ou Infielfobia (ou o que você quiser chamar) não afronta mais os ocidentais? Em vez disso, muitos pensam que devemos nos retirar do Oriente Médio, para que esses pobres supremacistas islâmicos não se sintam tão ofendidos com a gente!

O princípio do pretexto significa tentar provocar uma reação hostil e, em seguida, usar essa reação hostil como uma razão para mais hostilidades. É o mesmo método dos valentões dos recreios escolares que tem sido utilizado há anos: "O que você está olhando? Você tem algum um problema?! Você quer resolver lá fora?"

25. O uso explícito de duplo padrão

O Islã tem um padrão para os muçulmanos, e um padrão diferente para os não muçulmanos, que sempre dá a vantagem para os muçulmanos, assim dentro de um país muçulmano, ele oferece incentivos para se converter.

Por exemplo, o Islã deve ser divulgado por seus fiéis, onde quer que estejam, mas quando outras religiões tentam divulgar o seu próprio conjunto de ideias, os muçulmanos devem ver isso como uma agressão contra o Islã – e um ato de agressão que deve ser "defendido". Lembre-se, o Islã deve ser sempre defendido.

Outro exemplo de como a ideia de duplo padrão dá ao Islã uma vantagem: Quando o Islã é difamado de qualquer forma, os muçulmanos devem defender o Islã violentamente, mesmo se for em uma charge, mas os muçulmanos podem e devem difamar os judeus e cristãos na televisão e em jornais muçulmanos, e eles devem difamar qualquer infiel ou inimigo, como eles difamam o Ocidente hoje.

Aqui está outro exemplo: Os supremacistas islâmicos da Arábia Saudita estão gastando dinheiro em construções de mesquitas em todo o mundo livre, entretanto de acordo com a lei islâmica, que é a lei na Arábia Saudita, construções religiosas não muçulmanas não têm permissão para serem construídas.

Muçulmanos de todo o mundo protestam em voz alta e violenta quando alguém na Europa ou na América resiste a construção de mais mesquitas em seus países.

Supremacistas islâmicos não vêm a ironia nisso. Eles não se sentem estranhos por terem um duplo padrão tão óbvio. Eles são, afinal, os seguidores de Alá e todo mundo está iludido. Justiça e igualdade com esses infiéis indignos parece muito fora de questão. Duplo padrão parece completamente adequado visto dessa perspectiva.

O princípio de duplo padrão é uma parte fundamental do conjunto de ideias, e tem dado uma grande vantagem na propagação do Islã (com a consequente  supressão das religiões concorrentes).

Cerca de sessenta e um por cento do Alcorão é de como lidar com os não muçulmanos. Nem um verso no Alcorão sobre os não muçulmanos é positivo.

26. É proibido matar um muçulmano (exceto por justa causa)

Não é proibido matar um infiel. Isso cria um laço entre os muçulmanos. Amedrontar os não-muçulmanos e motivar a eles a se tornarem muçulmanos. Esse também é outro exemplo de um duplo padrão islâmico explícito.

27. Se os muçulmanos se afastarem dos ensinamentos de Maomé, Alá vai acabar com o mundo

Isso faz com que a conversão dos não muçulmanos e a divulgação do Islã seja uma questão de sobrevivência. Isso também motiva os muçulmanos a vigiar uns ao outros sobre a perda da fé islâmica.

28. A mensagem em um Alcorão padrão é difícil de decifrar

Se foi feito intencionalmente ou não, a mensagem do Alcorão tem sido mexida e em certo sentido, codificada. Isso desencoraja quase todos os não muçulmanos e um percentual significativo de muçulmanos de tentar entender o Alcorão.

De que maneira é que a mensagem foi mexida? Em primeiro lugar, os capítulos são publicados fora de ordem em todo o Alcorão padrão. Ao invés de imprimi-los usando a ordem cronológica em que foram revelados, os 114 capítulos (suras) do Alcorão estão organizados através de um método desconcertante: Eles estão dispostos em ordem a partir do capítulo mais longo para o mais curto. Essa é a ordem tradicional.

Quando você lê o Alcorão padrão direto como um livro normal, a mensagem é desarticulada e a história salta para fora e isso parece contraditório. Uma consequência curiosa importante dessa desordem  é que ela esconde a progressão clara da semi-tolerância de Maomé  para os não muçulmanos até o seu ódio violento a respeito deles.

A desordem também impede que alguém descubra quais as passagens foram ab-rogadas, a menos que eles saibam a ordem cronológica do Alcorão.

Em segundo, o Alcorão foi posto em código e a chave foi colocada em outro lugar. Grande parte do Alcorão não pode ser entendida sem estar familiarizado com a vida de Maomé (pela leitura da Sira e do Hadice). Trata-se essencialmente sobre Maomé - o que ele disse e fez.

Em outras palavras, o Alcorão, o livro sagrado mais importante do Islã, não pode ser compreendido sem a chave, e a chave só pode ser encontrada em outro lugar, o que é semelhante a uma das maneiras que uma mensagem pode ser escrita em código: coloque a chave para entender a mensagem em outro lugar e além disso inclua isso na mensagem. Isso é o suficiente para manter a maioria dos não muçulmanos longe de compreender o Alcorão, e também mantém a maioria dos muçulmanos em uma base necessidade de adquirir conhecimento. Assim, os únicos que sabem realmente o que está acontecendo são os imãs e os estudiosos.  Todo mundo está no escuro.

Se o Alcorão foi ou não colocado em código deliberadamente, então isso tem sido um acidente imprevisível que vem servido muito bem aos objetivos do Islã ao longo da história. Felizmente, alguém descodifica o Alcorão para nós.

Ok, podemos admirar o brilho do conjunto de ideias islâmicas de uma forma intelectual e abstrata, mas ele é terrivelmente real. Milhões de pessoas tentam seguir essas ideias ao pé-da-letra. E sua crença no conjunto de ideias é fortemente apoiada pelos efeitos colaterais das leis da Sharia. Ao fazer o governo e as leis governadas pelo Islã, o conjunto de ideias aplica dois poderosos princípios de influência: a prova social, e a autoridade.

Todo mundo pratica a religião em um estado islâmico (ou eles são açoitados, tributados ou mortos) e ninguém pode criticar isso, nem de amigo para amigo,  ou através de qualquer mídia. O impacto psicológico disso é enorme. Três gerações depois seria quase impossível para qualquer ser vivo muçulmano nesse estado pensar fora do Islã. A autoridade e a prova social são esmagadoras.

Claro, não é só porque eu admiro a genialidade do conjunto de ideias que eu seja a favor do mesmo. Como um não muçulmano, eu sou de todo o meu coração contra ele. Lembre-se, o sucesso de um conjunto de ideias não tem nada a ver em fazer as pessoas felizes ou saudáveis. O "sucesso" apenas significa que ele se propaga bem.

O mesmo serve para os genes. Um gene de sucesso é aquele que obtiver a maioria das cópias de si mesmo nas gerações futuras. Os genes que formam um vírus mortal podem matar milhões de pessoas e causar um enorme sofrimento, mas de um ponto de vista genético, o vírus é bem sucedido. Genes não se preocupam com as pessoas. Eles não tentam nos fazerem felizes. Eles são frios e indiferentes à nossa condição.

Mesmo com ideias, o conjunto de ideias vai usar e cuspir vidas humanas a serviço de sua propagação, indiferente à dor, miséria, morte ou o que for que ele cause.

Um conjunto de ideias, bem plantado na cabeça de alguém e reforçado pela autoridade poderosa e prova social de toda a sociedade, pode levar o muçulmano a se explodir apenas para matar os outros em cumprimento de um objetivo fantasioso a fim de alcançar a paz mundial e o triunfo de Alá (e um harém de 72 belezas de olhos escuros dedicadas aos seus desejos).

O conjunto de ideias islâmico é formidável. É uma força a ser reconhecida e nós ignoramos os riscos. Ele já tomou conta das mentes e vidas de quase um bilhão e meio de pessoas, e é a mais jovem das grandes religiões.

E, no entanto, eu não acho que a situação seja desesperadora. Muitos muçulmanos que vivem agora em estados islâmicos estão presos e se defenderiam do Islã se isso fosse seguro.

A primeira coisa que nós, no multicultural e tolerante  Ocidente temos que fazer é ajudar uns aos outros a tomar consciência do formidável conjunto de ideias que ameaça a nos ultrapassar. Precisamos ajudar nossos concidadãos a se despertarem para o fato de que os supremacistas islâmicos deliberadamente tiram vantagem da nossa tolerância e nossa liberdade, a fim de, por fim, a eliminarem.

Essa é uma guerra ideológica, por isso as ideias nas cabeças de nossos colegas ocidentais pode fazer toda a diferença. E você pode ajudar a virar o jogo. Encontre maneiras de introduzir essas informações para seus colegas não muçulmanos.

Você ficará chocado com o quão pouco a maioria das pessoas sabe sobre o Islã e eles vão ficar mais chocados ainda ao descobrir. E quando um número suficiente de não muçulmanos souberem sobre as táticas islâmicas como pretexto e engano eles serão vistos pelo que são, e deixarão de nos fazerem indefesos. Quando soubermos mais sobre o fundador (o que todos os muçulmanos devem imitar) e os objetivos do Islã, as nossas decisões e ações coletivas podem efetivamente frustrar os seus planos. A nossa compreensão coletiva da situação real trará mudanças mais racionais para as nossas leis e políticas (tais como as nossas atuais políticas de imigração).

Mas para fazer este tipo de inoculação, você tem que ter um bom conhecimento sobre os ensinamentos islâmicos. Isso vai exigir algum estudo. Eu sei que você tem outras coisas para fazer, e você não pode fazer isso uma ocupação em tempo integral, mas também sei o quão sério isso é, por isso vai exigir certo sacrifício de sua parte.

Eu criei uma lista de referências. Tentei imaginar o qual seria o material que você poderia estudar que pudesse te dar um conhecimento mais crítico da maneira mais fácil com o menor investimento de tempo. Você pode ver a minha lista no final deste artigo.

Estude esse material, e comece imediatamente. Depois de milhões de pessoas terem lutado contra a tirania e morrido para obter os direitos e as liberdades que temos hoje, somos agora confrontados com um pernicioso conjunto de ideias que teima em nos tirar isso. E o conjunto de ideias islâmico poderia realmente ter sucesso com esse brilho aterrorizante.

Aja hoje. Saiba mais sobre o Islã. Com cada novo entendimento que você tem, e com cada nova certeza e clareza que você ganha, você vai se sentir mais ousado em falar,  essa é a primeira coisa que temos que fazer para ganhar.

Lista de Referências:

Introdução ao Islão

Lei Islâmica (Sharia) para os não-muçulmanos

A verdade sobre Maomé: conquistador e soberano da Arábia: Parte 1, Parte 2, Parte 3

“Direitos das Mulheres” sob a Lei Islâmica




3 comentários:

Anônimo disse...

Um tanto longo mas é o melhor post até o momento. Muito bom. Parabéns. Deveria ter um sistema do tipo thumbs up e down pra avaliarmos os artigos. Até pra vc ter uma idea melhor do alcance desses artigos, penso eu. Abraço.

Cláudio André disse...

Um ótimo e revelador artigo! Vamos espalhar essas idéias. O blog está de parabéns!

Rodrigo Salles disse...

Eu sabia que o Islã tinha uma série de princípios belicosos e imorais, mas não achei que fosse muito diferente do Antigo Testamento, que, aliás, não é muito aplicado mesmo por bons cristãos ou judeus. Este artigo traz novo entendimento... penso que o que ainda nos salva é que os próprios muçulmanos, em sua maioria, ignoram a totalidade destas regras...

Acredito na evolução, não só física como espiritual, acredito que este mundo, no conjunto, não vai "dar pra trás" e voltar à idade média que o Islã quer, mas sem dúvida, se a maioria das pessoas não tomar conhecimento destes elementos, teremos seríssimos problemas mundiais nas próximas décadas. Um ponto positivo é que, mesmo não conhecendo, a maioria das pessoas instintivamente rejeita muçulmanos, até em razão da aparência...