domingo, 19 de julho de 2015

O Alcorão: suas origens nebulosas e suas diversas versões


José Atento

Neste artigo, iremos ver que:
  1. A narrativa islâmica confirma que não existia nenhum livro chamado Alcorão quando Maomé morreu, mas apenas pedaços das “revelações” registradas oralmente ou em fragmentos escritos. 
  2. Os registros eram contraditórios em termos de número de tamanho e conteúdo. 
  3. Segundo a narrativa islâmica, o Alcorão foi compilado como livro vinte anos após a morte de Maomé. O califa da época, Uthman, mandou queimar todos os registros existentes de modo que a sua versão passou a ser a versão oficial. 
  4. Uma outra narrativa diz que o mesmo foi feito pelo governador do Iraque, Hajjaj ibn Yusuf, 60 anos após a morte de Maomé.
  5. Em termos históricos, a primeira edição escrita do Alcorão foi compilada em Bagdá, cem anos após a morte de Maomé.
  6. Existem hadices (ou seja, as próprias fontes islâmicas) que mencionam a falta de capítulos e versículos na versão corânica atribuída ao califa Uthman. 
  7. Existem diferenças entre os alcorões mais antigos que ainda existem, guardados em museus no mundo islâmico, bem como diferentes versões codex com conteúdo e número de capítulos e versículos diferentes. 
  8. E modernamente, existem duas versões em uso, a transmissão Warsh e a transmissão Hafs. 

Em primeiro lugar, vamos falar sobre o Alcorão segundo a crença islâmica. Depois disso, vamos falar sobre o Alcorão à luz da História.


O Alcorão segundo a crença e tradição islâmicas

O Alcorão, que significa "recitação", é um livro considerado sagrado pelos muçulmanos, que acreditam conter as palavras inalteradas da sua divindade, Alá. O que está escrito no Alcorão é imutável, único, literal, 100% correto e inquestionável. Tudo o que está escrito no Alcorão saiu da boca de Maomé (e apenas dela). O islão ensina que o Alcorão foi escrito antes do universo ter sido criado e que ele descansa em uma mesa de esmeralda situada à direita de Alá.

O Alcorão é um livro sem contexto. Em primeiro lugar, ele foi compilado fora de ordem cronológica. Em segundo lugar, as "revelações" que Maomé teve ocorreram ao longo da sua vida, atendendo às necessidades momentaneas de Maomé, e o contexto não é explicado no Alcorão. Para entender o contexto no qual o Alcorão foi "inspirado" é necessário ler a biografia e as tradições do profeta.

O primeiro capítulo do Alcorão é uma oração. Os demais foram compliados começando pelo maior capítulo e terminando com o menor capítulo. Ao final deste artigo você vai encontrar uma tabela que mostra a ordem cronológica dos capítulos do Alcorão, seguindo os eventos que ocorreram durante as supostas revelações à Maomé.

A tradição islâmica diz que o Alcorão foi preservado devido a algumas pessoas que foram capazes de decorá-lo, em todo ou em parte (tradição oral), e que fragmentos foram escritos em folhas ou cascas de árvore.

A tradição islâmica diz que o Alcorão foi compilado  pelo terceiro califa Uthman no ano 653 (21 anos após a suposta morte de Maomé). Segundo a tradição, os muçulmanos estavam começando a dizer que haviam várias versões do Alcorão. Uthman, como governante absoluto, recolheu todos os exemplares do Alcorão e encarregou um secretário de compilar uma versão única e padronizada. Assim que esta nova versão foi concluída, Uthman mandou queimar todo o material que constituía as fontes originais, e impôs a sua versão.

O que se alega Uthman de ter feito é muito suspeito. Por que ele queimaria as fontes originais se não pelo motivo de existirem variações nas narrativas corânicas?

Hoje em dia, muçulmanos se vangloriam de que o Alcorão não possui variações, tendo sido entregue da forma atual por Alá, quando na verdade, foi Uthman quem garantiu isso. Porém, conforme iremos ver adiante, existem várias versões do Alcorão.

Uma outra versão da tradição islâmica diz que o Alcorão foi compilado por Hajjaj ibn Yusuf, governador do Iraque, na década de 690 (mais de 60 anos após a suposta morte de Maomé). A narrativa é semelhante do que é atribuido a Uthman. O texto foi padronizado e todas as versões existentes foram queimadas. Hajjaj ibn Yusuf fez outra alteração importante. Ele adicionou acentuações diacríticas (acentos) para permitir ao leitor distinguir entre várias consoantes, e, deste modo, o texto poder fazer sentido. O interessante é que uma outra narrativa islâmica diz que foi Hajjaj ibn Yusuf quem introduziu a prática da leitura do Alcorão nas mesquitas.

O Alcorão é semelhante ao Novo Testamento em termos de tamanho.

O islão afirma que o Alcorão contém as próprias palavras de Alá, transmitidas para Maomé através do anjo Gabriel. Não se pode verificar isso em termos históricos. O islão também afirma que o Alcorão é desprovido de imprecisões científicas ou históricas. Bem, isto é facil de comprovar que não é verdade. (Isso será feito em outro artigo)

Mas o problema é que, como o Alcorão é considerado como perfeito pelos muçulmanos, não pode existir erro algum, pois isso indicaria um erro de Alá. De modo que os erros que existem no Alcorão têm que estar certos, mesmo que para tal a realidade dos fatos tenha que ser negada ou re-escrita. Ou seja, se um fato contraria o Alcorão, o fato está errado. Este é o motivo pelo qual o islamismo matou a lógica racional da "causa e consequência", substituindo-a por um pensamento dualísta.


O Alcorão à luz da história

No ano de 749, Damasco foi conquistada pelos muçulmanos xiítas, pondo um fim à agressiva dinastia omíada, a dinastia original dos árabes muçulmanos, e o soerguimento da dinastina dos abássidas. Os abássidas tomaram o seu nome de um tio de Maomé, al-Abbas, porque os seus descendentes haviam se revoltado contra o controle omíada. Sob os omíadas, os não-muçulmanos nos territórios ocupados foram relegados a um estado de escravidão. Os abássidas eram menos piores, desde que os povos conquistados pagassem os seus impostos. Os abássidas levaram a capital do califado para Bagdá.

A primeira edição escrita do Alcorão foi compilada em Kufu, nos arredores de Bagdá, em torno do ano 725 DC, ou seja, quase um século após a morte de Maomé (várias outras compilações seriam feitas após esta). É interessante (e irônico) que, à luz da história, a religião do islão nasceu em Bagdá, sob os xiítas.

John Gilchrist, estudioso em manuscritos antigos do alcorão, disse: "Os manuscritos mais antigos do Alcorão, ainda em existência, datam de cerca de cem anos após a morte de Maomé."


As diversas versões do Alcorão em existência

O fato é que, ao contrário do que muçulmanos e apologistas afirmam, existem várias versões do Alcorão. Por exemplo, o parágrafo seguinte vem do livro “Which Koran?: Variants, Manuscripts, Linguistics” escrito por Ibn Warraq, que trata exatamente da questão das várias versões, particularmente a “transmissão Warsh, encontrada no Oeste e Noroeste da África, e a transmissão Hafs, decorrentes de Kufa, e amplamente disponível através da edição egípcia padrão de 1924."
“Poucos muçulmanos percebem que existem vários alcorões em circulação no mundo islâmico, com variações textuais cujo significado, extensão e significado nunca foram devidamente examinados. Ibn Warraq tem aqui reunidos importantes artigos acadêmicos que abordam a história, a linguística, e as implicações religiosas dessas significantes variantes no livro sagrado do Islã. Em uma longa introdução, Warraq observa que a evidência histórica e linguística sugere que houve uma confusão considerável sobre o que deveria ser incluído no Alcorão no início dos anos da história muçulmana. Embora o califa Uthman tenha canonizado um texto específico cerca de quinze anos após a morte de Maomé, leituras variantes de certas passagens têm persistido até o presente. Isto pode ser visto nas discrepâncias entre as duas principais versões impressas do Alcorão disponíveis hoje (a transmissão Warsh encontrada no Oeste e Noroeste da África, e a transmissão Hafs, decorrentes de Kufa, e amplamente disponível através da edição egípcia padrão de 1924). Isso, aliado ao fato de que a literatura secundária muçulmana (os Hadiths) discute versos corânicos que não foram incluídos no Alcorão, e até mesmo a memória por vezes defeituosa de Maomé, indicam fortemente que o Alcorão não pode ser considerado uma revelação inerrante. Warraq organiza os artigos deste volume em subseções que lidam com a linguagem do Alcorão; poesia pré-islâmica e sua possível influência sobre a escrita do Corão; influências de fontes judaicas e cristãs e de Qumran (Manuscritos do Mar Morto); problemas de vocabulário obscuro e ortografia; leituras variantes em diferentes manuscritos do Alcorão; e questões em torno da biografia do profeta Maomé. Como uma ajuda visual, Warraq compilou um gráfico único e valioso de trinta e duas variantes do Corão encontrados em alcorões disponíveis no mundo islâmico, junto com observações sobre seu significado. Em profundidade ainda acessível a não especialistas interessados no Islã, o livro What Koran? levanta questões importantes sobre o livro sagrado do Islã.”
Ou seja, existem duas versões do Alcorão em uso!

Isso sem falar no manuscrito de Sana’a, Iêmen. Ele foi descoberto recentemente e é considerado como o manuscrito mais antigo (mesmo considerando as dificuldades para a datação do manuscrito, estima-se ele ser do final do século VII). O manuscrito de Sana'a contém texto diferente do usado hoje. O manuscrito de Sana'a é um tabu no mundo islâmico e o seu acesso para estudo é lacrado.

Além disso, existem diferenças entre os próprios manuscritos uthmânicos, guardados nos museus de Topkapi (Turquia) e Tashkent (Uzbequistão). Por exemplo, Behnam Sadeghi e Mohsen Goudarzi, estudiosos em manuscritos antigos do alcorão, ao compararem manuscritos antigos, como o de Sana'a, Topkapi ou Tashkent, vêm diferenças com o Alcorão árabe atualmente publicado, incluindo inúmeras inserções, edições e variações.

E tem mais. Além da “versão uthmânica padrão” contendo 114 capítulos, existe a versão codex ibn Masud com 113 capítulos, as versões codex Ubay e codex Abu Musa com 116 capítulos, e a versão Nurain e Al Wilaya com 188 capítulos, esta última ainda preservada na tradição xiiíta.

Os próprios hadices (ou seja, as fontes islâmicas) mencionam a falta de capítulos e versículos na versão corânica de Uthman (Muslim 2286; Muslim 3422).


Algumas questões curiosas

Existem algumas perguntas que eu me faço sempre que eu penso sobre o Alcorão.

A primeira é que Maomé nunca disse que as revelações deveriam ser escritas em um livro. Como é possível que Maomé, auto-proclamado “mensageiro para toda a humanidade”, nunca pensou na preservação da sua mensagem?

Como seria possível que todas as “revelações de Maomé” fossem preservadas, considerando que o próprio Maomé disse ter esquecido de algumas? (Sahih Bukhari 6:61:558)

Como conciliar afirmações oriundas das Tradições de Maomé (Suna) que afirmam que uma sura semelhante a at-Tawba, em tamanho e severidade, foi esquecida e perdida? (Muslim, Vol. 2, p.501)

Se existem tantas versões do Alcorão ao longo da história, inclusive hoje, como podem muçulmanos afirmar que o Alcorão impresso hoje é  o mesmo que está em uma mesa do lado de Alá?

E também, sendo o Alcorão um livro que contém uma história do seu desenvolvimento, incluindo nela a existência de várias versões, porque muçulmanos acusam os outros "livros sagrados" (como a Bíblia, por exemplo) de serem "corrompidos"? (É como jogar pedra no telhado do vizinho, sendo que o seu telhado é de vidro)


Bibliografia

Which Koran?: Variants, Manuscripts, Linguistics”, Ibn Warraq, 2008, Prometheus Books.

What the Koran Really Says, Ibn Warraq, 2002, Prometheus Books.

Jam' Al-Qur'an: The Codification of the Qur'an Text - A Comprehensive Study of the Original Collection of the Qur'an Text and the Early Surviving Qur'an Manuscripts, John Gilchrist, 1989, MERCSA.

Behnam Sadeghi, Mohsen Goudarzi, "Sana'a and the Origins of the Qu'ran", Der Islam, 2012

Chronological Order of the Quran, Wikiislam



Apêndice: 
Tabela com a ordem cronológica 
dos capítulos do Alcorão


Ordem Cronológica
Nome do Capítulo (Sura)
Número de versos
Local da "Revelação"
Ordem no Alcorão
1
19
Meca
96
2
52
Meca
68
3
20
Meca
73
4
56
Meca
74
5
7
Meca
1
6
5
Meca
111
7
29
Meca
81
8
19
Meca
87
9
21
Meca
92
10
30
Meca
89
11
11
Meca
93
12
8
Meca
94
13
3
Meca
103
14
11
Meca
100
15
3
Meca
108
16
8
Meca
102
17
7
Meca
107
18
6
Meca
109
19
5
Meca
105
20
5
Meca
113
21
6
Meca
114
22
4
Meca
112
23
62
Meca
53
24
42
Meca
80
25
5
Meca
97
26
15
Meca
91
27
22
Meca
85
28
8
Meca
95
29
4
Meca
106
30
11
Meca
101
31
40
Meca
75
32
9
Meca
104
33
50
Meca
77
34
45
Meca
50
35
20
Meca
90
36
17
Meca
86
37
55
Meca
54
38
88
Meca
38
39
206
Meca
7
40
28
Meca
72
41
83
Meca
36
42
77
Meca
25
43
45
Meca
35
44
98
Meca
19
45
135
Meca
20
46
96
Meca
56
47
227
Meca
26
48
93
Meca
27
49
88
Meca
28
50
111
Meca
17
51
109
Meca
10
52
123
Meca
11
53
111
Meca
12
54
99
Meca
15
55
165
Meca
6
56
182
Meca
37
57
34
Meca
31
58
54
Meca
34
59
75
Meca
39
60
85
Meca
40
61
54
Meca
41
62
53
Meca
42
63
89
Meca
43
64
59
Meca
44
65
37
Meca
45
66
35
Meca
46
67
60
Meca
51
68
26
Meca
88
69
110
Meca
18
70
128
Meca
16
71
28
Meca
71
72
52
Meca
14
73
112
Meca
21
74
118
Meca
23
75
30
Meca
32
76
49
Meca
52
77
30
Meca
67
78
52
Meca
69
79
44
Meca
70
80
40
Meca
78
81
46
Meca
79
82
19
Meca
82
83
25
Meca
84
84
60
Meca
30
85
69
Meca
29
86
36
Meca
83
87
286
Medina
2
88
75
Medina
8
89
200
Medina
3
90
73
Medina
33
91
13
Medina
60
92
176
Medina
4
93
8
Medina
99
94
29
Medina
57
95
38
Medina
47
96
43
Medina
13
97
78
Medina
55
98
31
Medina
76
99
12
Medina
65
100
8
Medina
98
101
24
Medina
59
102
64
Medina
24
103
78
Medina
22
104
11
Medina
63
105
22
Medina
58
106
18
Medina
49
107
12
Medina
66
108
18
Medina
64
109
14
Medina
61
110
11
Medina
62
111
29
Medina
48
112
120
Medina
5
113
129
Medina
9
114
3
Medina
110


2 comentários:

Anônimo disse...

SOU CONTRA O ISLÃ, SOU CONTRA O ISLAMISMO....Religião(Seita) que prega o terror, violência, pedofilia e a IGNORÂNCIA! Bando de fanáticos religiosos assasinos...E nem vem dizer que não!! Por que crescem nessas "Leis" podres e vivem no dominio da filosofia do Demônio!

Sandro Molina disse...

Maomé foi um FALSO Profeta!!! Ele não recebeu revelações de anjo nenhum! A revelação que ele diz ter recebido, ele COPIOU da Torá dos judeus e da Bíblia dos cristãos. Parafraseou tudo! Repaginou narrativas, mudou histórias bíblicas - até teve a ousadia de dizer que os Profetas do Antigo Testamento eram árabes e não judeus - e fundou o Islamismo, em 612 d.C.
Saibam que o Velho Testamento fechou seu cânon em 410 a.C., e que o Novo Testamento, em 100 d.C.; e que Maomé morreu em 632 d.C., e somente 20 ANOS DEPOIS é que o terceiro califa muçulmano, Otman, decidiu o que deveria ser INCLUÍDO ou EXCLUÍDO do texto final do Alcorão. Ou seja, quase 1.200 ANOS DEPOIS que o Antigo Testamento já tinha fechado seu cânon, e 552 ANOS DEPOIS que o Novo Testamento tinha sido revelado.
Maomé era um simples coraixita (tribo árabe nômade) analfabeto, sem nenhum conhecimento teológico, pobre, que só "subiu" na vida, dando o golpe do baú na velha viúva Khadija, uma rica comerciante judia (e também devido aos espólios de guerra). Ele conviveu muitos anos com judeus (e cristãos) em Medina (atual Arábia Saudita), que dominavam o comércio da época.
Maomé rejeitou o cristianismo e tinha ódio dos cristãos da época - na mesma intensidade que os judeus tinham - pois eles não o receberam como Mensageiro de Deus (Alá) e não negaram a Jesus Cristo para se converterem ao islamismo! É por isso que ele colocou tantos versículos (suratas) de "morte aos infiéis". Maomé repetiu a crença dos judeus com quem ele conviveu que negavam a Divindade de Jesus, como Filho de Deus; que negavam a doutrina da Trindade: "um Deus em três pessoas": o Pai, o Filho (Jesus Cristo) e o Espírito Santo.
"Waraca Bin Nawfal" foi um judeu, parente de Khadija, primeira esposa de Maomé, que tinha se convertido ao cristianismo e que traduzia a Torá e os Evangelhos para o árabe, a pedido de Maomé. Muita coisa Maomé aprendeu com ele. É por isso que a inspiração de Maomé no início foi de fonte judaico-cristã! É por isso, por exemplo, que os muçulmanos rezam voltados para Meca, porque Maomé copiou tal ato dos judeus que rezam voltados para Jerusalém. É por isso que o antitrinitarismo (negação da doutrina de "um Deus em três pessoas") é tão forte no islamismo, assim como o é no judaísmo. Tudo isso explica as inúmeras "coincidências" de práticas islâmicas com práticas judaicas, sejam na forma de rezar, nas proibições quanto à comida, no jejum, na relação homem-mulher, nos comportamentos etc.
Maomé foi um SAFADO, MENTIROSO e OPORTUNISTA. Criou uma religião FALSA, plagiada do judaísmo e do cristianismo, mergulhada no ÓDIO, VIOLÊNCIA e MORTE!!!