sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Jahiliyya: ignorância pré-islâmica, e o ódio islâmico às artes, religiões e culturas dos outros - Exemplos



O que leva muçulmanos a destruírem símbolos culturais e religiosos dos outros? Resposta: o exemplo de Maomé. 
O que é Jahiliyya? É um conceito islâmico dos "dias da ignorância" referentes às condições em que os árabes se encontravam na Arábia pré-islâmica, ou seja, antes da "revelação" do Alcorão a Maomé. O termo jahiliyyah tem suas raízes no verbo jahala, que significa "ser ignorante ou estúpido, agir estupidamente".

O significado de Jahiliyyah tem sido estendido para indicar todos os períodos da história da humanidade em que as pessoas associam parceiros com Alá, seja por adorar ídolos, atribuindo-lhes algumas funções divinas, por endeusar algumas pessoas, ou mediante a atribuição de criatividade para natureza e materiais causas. Neste caso, ele se assemelha a shirk que significa "atribuir parceiros a Alá."

O teórico sênior da Irmandade Muçulmana, Sayyed Qutb (1906-1966), explorou este significado mais amplo em seu trabalho. De acordo com Qutb, qualquer sociedade não-muçulmana, ou uma sociedade secular muçulmana, qualifica-se como jahiliyya porque Alá não é soberano, sendo que as leis humanas substituem as leis da Alá (Sharia).

Nas palavras de Qutb "O abismo entre o Islão e a Jahiliyyah [o mundo não-islâmico] é grande, e uma ponte não é a ser construída entre eles para que as pessoas dos dois lados possam se misturar umas com as outras, mas apenas para que as pessoas do lado da  Jahiliyyah possam vir para o Islão."

Alguns séculos antes de Qutb, Muhammad Wahhab (1703-1792) defendeu um retorno ao islamismo como praticado por Maomé e seus companheiros, iniciando um movimento conhecido hoje como wahabismo. E o que Maomé fazia?

O site Islam Question and Answer traz os motivos que tornam uma obrigação para os muçulmanos destruírem o que é dos outros. Isso vem de ordens da Maomé nos hadices:
"Não deixe qualquer imagem sem que seja desfigurada ou qualquer sepultura construída sem a nivelar." (Muslim, 969)
"Com o que você fui enviado?" Ele disse: "Eu fui enviado para manter os laços de parentesco, para quebrar os ídolos, e para que Alá seja adorado sozinho, sem parceiro ou associado." (Muslim, 832)
E isso não devemos esquecer o que Maomé fez ao entrar vitorioso em Meca e forçar os seus residentes à rendição: Maomé destruiu todas as estátuas e pedras que representavam outras religiões da Arábia, ou seja, mostrou claramente toda a sua intolerância.

O que leva muçulmanos a destruírem símbolos culturais e religiosos dos outros? O exemplo de Maomé. Fazer isso é seguir a sunna (tradição) do profeta.

Abaixo, vamos listar alguns exemplos.

Século XV: Templo Hindú do Sol Martand (na Caxemira) destruído pelo Sultanato de Delhi
O Templo Hindu do Sol Martand, na Caxemira, contruído no século VIII, foi considerado como lugar de culto infiel e destruído pelos exércitos do sultanato muçulmano de Delhi. (Richard Eaton (2000), Temple Desecration and Indo-Muslim States, Journal of Islamic Studies, 11(3), pp 283-319)



1920: Arábia Saudita destrói o cemitério al-Baqi

As autoridades sauditas destruiram este mausoléu, parte do cemitério al-Baqi, em Medina, no início de 1926, logo após assumirem o poder da cidade no ano anterior. Na verdade, eles aplainaram o sítio inteiro, que remontava ao século VII, sendo considerado por alguns como contendo os restos de alguns dos primeiros profeta compatriotas de Maomé.

Segundo Dr. James Noyes, autor de The Politics of iconoclatia, este ato "chocou a comunidade muçulmana internacional."

Os sauditas não fizeram isso apenas por um capricho. Eles eram, e ainda são, em linha com a facção religiosa chamada os wahabitas - um grupo de fundamentalistas sunitas que, como algumas denominações cristãs, rejeitam qualquer forma de adoração através santuários religiosos e ícones. Porém, eles vão ao extremo de destruí-las.

"Os ataques a santuários e túmulos são uma rejeição ao 'shirk' (adoração a Alá através de santuários)", explicou Noyes.

Teologicamente, os wahabitas e outros islamistas traçam isso de volta para a história do bezerro de ouro que aparece no Corão e da Bíblia, em que os israelitas construiram e oraram a um ídolo, o que provocou a fúria de Alá. Um número de muçulmanos vêm este conto como uma proibição geral contra a adoração de imagens e santuários.

Como os wahabitas sauditas consolidaram o controle sobre o que é agora a Arábia Saudita, eles destruíram tudo, até mesmo aquilo que insinuasse a adoração de ídolos. "A Península Arábica costumava ter comunidades judaicas, tribos pagãs pré-islâmicas, santuários favorecidos por peregrinos xiitas e sufistas no Hajj à Meca e Medina, influências otomanas e egípcias, e o reino hachemita." Segundo Noyes "tudo isso se foi." (fonte)



2001: o Taleban explode Bamiyan Buddhas do Afeganistão

O modo como os wahabitas vêm a adoração de ícones influencia grupos militantes sunitas em todo o mundo muçulmano de hoje. Em 2001, o Talibã explodiu duas estátuas de Buda, de 1.700 anos de idade, esculpidas em um penhasco no vale de Bamiyan no centro do Afeganistão, provocando um enorme clamor internacional. Elas eram as estátuas mais altas de Buda do mundo, com cerca de 50 metros de altura. A UNESCO tem planos para reconstruir as figuras imponentes, mas o trabalho tem sido atolado em disputas. (fonte)



2006: bombas da Al-Qaeda destroem a mesquita milenar de al-Askari do Iraque

A motivação deste tipo de destruição nem sempre é puramente teológica: às vezes ele pode servir objectivos políticos mais mundanos. Em 2006, no auge da guerra civil iraquiana, a al-Qaeda no Iraque bombardeou a mesquita al-Askari, um dos mais sagrados santuários xiitas do mundo, construído na cidade de Samarra, no ano 944. A cúpula dourada icónica da mesquita foi reduzida a escombros em uma tentativa do grupo militante sunita para inflamar ainda mais a guerra sectária do Iraque. A Al-Qaeda no Iraque, é claro, viria a evoluir no que é hoje o ISIS, e o bombardeio a mesquita al-Askari, em muitos aspectos, pressagiou o tumulto que iria seguir o ISIS. (fonte)



2008: al-Shabaab destrói túmulos sufistas e santuários na Somália

O vídeo mostra o grupo somali al-Shabaab destruindo túmulos e santuários dos sufistas, em Kismayo, a terceira maior cidade da Somália, em 2008. Anteriormente, o grupo havia destruído uma igreja antiga, independente do fato de que um único cristão vivia na cidade no momento (todos expulsos).



2012: al-Qaeda e Ansar Dine fazem um estrago em Timbuctu

Governos estabelecidos nas linhas islâmicos como a da Arábia Saudita e do Afeganistão sob o Talibã durante o final da década de 1990, são relativamente raros. Mas o surgimento de grupos islâmicos gerando conflitos caóticos tornou-se comum. E quando esses grupos invadem cidades e vilas com tesouros históricos, os resultados muitas vezes são desastrosos.

Em 2012, os islamistas da Al-Qaeda e Ansar Dine invadiram a antiga cidade de Timbuctu, um Patrimônio Mundial da ONU, no Mali. A imagem abaixo mostra a porta da frente da mesquita Sidi Yahya de Timbuctu. Diz a lenda que a porta deveria permanecer fechada até o fim do mundo, mas o jihadistas a ; os islâmicos romperam. Pelo menos metade dos santuários da cidade foram destruídos antes de uma força internacional empurrar os jihadistas para fora. (fonte, fontefonte)



2013 Islamização da cultura no Egito

Durante o ano em que esteve no poder, a Irmandade Muçulmana destruiu cerca de 130 igrejas, conventos, mosteiros, orfanatos, asilos e escolas cristãs. Muitos destes prédios eram seculares. Mas não foi apenas esta a Jihad feita pela Irmandade Muçulmana. Eles também investiram contra a arte teatral e a música.

Funcionários da Casa da Ópera do Egito fizeram greve em protesto  contra o governo da Irmandade Muçulmana, e outros aliados islâmicos do presidente Mohammed Morsi. Eles acusavam o governo de planejarem a destruição da cultura e das artes no Egito. (maio/2013, National Post) A retomada do poder pelos militares salvou a Casa da Ópera do Egito (dentre outras coisas).

Alguns islamitas egípcios pediram a abolição do balé no Egito - exibições que são geralmente realizadas no Cairo Opera House - descrevendo-o como "imoral" e "nu artístico"


2013: Hamas danifica sítio histórico em Gaza

Em uma carta urgente enviada ao diretor-geral da UNESCO, Irina Bokova, da UN Watch, exigiu uma ação imediata para parar a demolição pelo Hamas de um porto 3000 anos em Gaza para uso como um campo de treinamento terrorista, como relatado pelo  Al Monitor Palestine Pulse. Uma cópia também foi enviada ao ministro das Relações Exteriores da União Européia, Catherine Ashton chamando a UE a tomar medidas. (fonte)


2014: ISIS explode a antiga igreja assíria de Tikrit

Há duas razões pelas quais o ataque de ISIS contra a história é muito mais devastador do que o que veio antes dele. Primeiro, o ISIS controla uma enorme quantidade de território (um pouco maior do que o Reino Unido), por isso tem uma área enorme na qual pode travar a sua campanha de vandalismo cultural. Em segundo lugar, o território que ele controla é repleta de santuários religiosos históricos, sagrados a todos os povos, como a Igreja assíria Verde em Tikrit, originalmente construída no ano de 700. Em setembro, surgiram relatos de que ISIS tinha explodido a igreja.

Segundo Dr. James Noyes, autor de The Politics of iconoclatia, "o grande volume de sítios importantes, que sobrepõem o antigo e o bíblico é exclusivo da Síria e do Iraque. Assim, também, é o grande volume de sobreposição de expressões religiosas de fé para os sunitas absolutistas, que torna esta área o principal alvo, com muitas coisas para alvejar." (fonte)

"A Síria e o Iraque são o centro disso tudo."



2014: Bombas ISIS o túmulo do profeta bíblico

A "purificação" do território controlado pelo Estado Islâmico  é um meio de afirmar o seu controle sobre a população local e enviar uma mensagem de que este território será, a partir de agora, governado ao longo de linhas islâmicas. Noyes escreve: "Como o ISIS luta para definir as fronteiras do seu chamad califado,  a iconoclastia representa um meio de conectar os princípios de unidade teológica e política."

Isso explica porque você se vê tantos vídeos como este, que mostra o ISIS detonando o túmulo do profeta bíblico Jonas (ou Yunus), em Mosul, Iraque. O vídeo, junto com este outro vídeo que mostra jiahdistas do ISIS desfigurando o túmulo antes da sua demolição, serve como um meio de afirmar seu controle sobre o território que foi apreendido. (fonte)


Outro vídeo aqui: https://youtu.be/ehUvMLBTTTg

2014: Estado Islâmico desfigura a Igreja do Memorial do Genocídio Armênio, na Síria

A imagem abaixo mostra a Igreja do Memorial do Genocídio Armênio, em Deir ez-Zor, na Síria. No blog Hyperallergic, Sam Hardy fez um trabalho muito bom ao indicar o dano à igreja, cuja desfiguraçãoque se acredita ser o resultado da ação de jihadistas do ISIS. Talvez a igreja seja restaurada após a guerra, mas muito do detalhe original foi perdido. E a mensagem já foi dada. Leia mais sobre o Genocídio dos Armênios aqui e aqui. (fonte)



2015: Estado Islâmico destrói milhares de livros raros em bibliotecas iraquianas

Militantes do Estado Islâmico destruíram milhares de manuscritos, documentos e livros raros após invadirem a Biblioteca Pública de Mosul, no norte do Iraque, de acordo com relatos do diretor da instituição, informou o jornal britânico "The Independent". A estimativa é que pelo menos 10.000 livros e mais de 700 manuscritos raros tenham sido destruídos. (fonte)




2015: ISIS destrói esta estátua do antigo rei de Hatra

ISIS não apenas destrói edifícios religiosos. De acordo com Christopher Jones, um estudante de PhD da história do Oriente Médio na Universidade de Columbia, EUA, a estátua seendo destruída na imagem abaixo, parte do acervo do Museu de Mossul, representa um antigo rei de Hatra. Hatra foi uma cidade-estado da época romana, e não uma parte importante da teologia islâmica.

Noyes acredita que isso também faz parte do projeto de construção do Califando Islâmico do ISIS. Ele explica como o grupo está usando a palavra "shirk", a adoração a Alá através de santuários, para se referir a uma gama muito mais ampla de conceitos que considera herético. "Tornou-se uma espécie de frase pega-tudo usada para descrever a forma como o Estado Islâmico define-se: combater o shirk de Bashar (al-Assad, o presidente sírio), o shirk de passaportes, o shirk dos poetas e dos museus nacionais, o shirk das mesquitas xiitas", etc. (fonte). (dailymail)

Mais sobre isso: UNESCO acusa Estado Islâmico de “razia cultural” e “crime de guerra”



2015: ISIS destrói a própria cidade de Hatra

ISIS não apenas destruir arte em Hatra. Segundo a ONU, o ISIS tem tentado destruir o que resta da própria Hatra. A cidade, Património Mundial da ONU, pode ter sido demolida completamente.

"A destruição de Hatra marca um ponto de viragem na estratégia terrível de limpeza cultural em curso no Iraque", disse o diretor da UNESCO, Irina Bokova, em comunicado conjunto com Abdulaziz Othman Altwaijri, diretor de uma organização dedicada à preservação do patrimônio cultural islâmico. "Este é um ataque direto contra a história das cidades árabes islâmicas, e confirma do papel da destruição do patrimônio na propaganda de grupos extremistas." (fonte)



2015: ISIS bulldozes a cidade assíria de Nimrud

ISIS também saqueou e nivelou Nimrud, uma antiga cidade assíria no norte do Iraque. A cidade compartilha um nome com a figura bíblica Nimrod, então poderia haver alguma motivação teológica aqui. Mas é importante notar que o Estado Islâmico também lucra com o contrabando de antiguidades (do mesmo modo que o Talibã com ópio): O Estado Islâmico destrói publicamente alguns artefatos, e depois tomar o que pode e os vende para alimentar os seus esforços militares e de construção do Califado Islâmico (Reuters).

Segundo Mark Vlasic, um professor adjunto na Universidade de Georgetown Law Center: "Eles foram muito consistentes em fazer duas coisas: eles destroem as antiguidade como um show e propaganda, e eles usam a cortina de fumaça da destruição para cobrir-los enquanto eles movem itens mais transportáveis ​​para o lucro", (US News): "É, afinal, uma organização criminosa." (fonte). Sim, islão parece ser, em última essência, crime organizado em escala global.

Mais sobre isso: Estado Islâmico destrói antiga capital assíria no Iraque



2015: A tragédia acontecendo na cidade histórica de Palmira

Leia sobre isso no artigo Palmira: a Jihad islâmica contra a História da Humanidade



2015: Homem-bomba ataca templo do Egito Antigo em Luxor

Os devotos jihadistas islâmicos no Egito começaram a atacar a indústria turística visando amedrontar os turistas e também tentando destruir a História, sob a desculpa de destruir "ídolos." (CBC)

2016: Estado Islâmico destrói mosteiro de São Elias, de 1420 anos

Datado do ano de 595 dC, no século VI, o mosteiro de São Elias é mais um dos símbolos cristãos destruídos pelo grupo terrorista Daesh no Iraque. Ele tinha 1420 anos, e era localizado a sul de Mossul, a capital da província iraquiana de Ninawa, na região Assíria. O Estado Islâmico quer destruir toda presença e herança cristã no Iraque. (Toronto Sun)


2016: Estado Islâmico destrói "Portal de Deus" em Nineve

A estrutura tinha mais de 2 mil anos, também conhecida como Portal de Mashqi (UPI



Tornando arte universal em arte islâmica




Nenhum comentário: