sábado, 14 de novembro de 2015

Terror em Paris: créditos e louvores a Alá



Em primeiro lugar, os atentados de ontem em Paris foram apenas mais um de uma série de atentados motivados por uma mesma ideologia, construída a partir dos dizeres a ações de Maomé (Sunna), e corroborados pelo seu alter-ego, Alá, no Alcorão. Só para se ter uma idéia do problema, 27.269 atos de terror e morte pela causa de Alá foram registrados no mundo, deste setembro de 2001 até o momento que escrevo (segundo contagem do site The Religion of Peace -- os números verdadeiros podem ser maiores). Enquanto que as desculpas para estes atos podem variar, o fundamento destas ações é comum: o ódio no Alcorão e na Sunna contra TODOS os não muçulmanos. E aqui deve-se entender uma coisa: não muçulmanos são todos aqueles vistos como infiéis mas também aqueles vistos como falsos seguidores do islão. Por exemplo, sunitas acham que xiítas e ahmadis são falsos seguidores, e mesmo sunitas que tenham uma vida mais liberal, como beber bebida alcoólica, ouvir música, ou permitir que sua esposa e filhas não cubram a cabeça com algúm véu.

Esta é a raiz do problema, e o motivo que leva muçulmanos a se degladiarem, bem como a desejarem exterminar os kufar (não muçulmanos). O islão será a religião da paz apenas quando o último muçulmano, o salafista mais radical e fiel maometano, conseguir impor o seu modo de vida ... mesmo que ele seja o último humano vivo.

Mas então, vejamos. Ontem, uma sucessão de atentados aconteceram em Paris. Segundo a declaração do Estado Islâmico "oito irmãos, usando cintos com explosivos e armas de assalto, atacaram áreas cuidadosamente escolhidas no coração da capital francesa."

O Estado Islâmico chama Paris de  "a capital das abominações e da perversão, aquela que carrega a bandeira da cruz na Europa." PS. Amigos ateus e agnósticos, eu sinto muito, mas os jihadistas nos consideram cristãos.

A declaração do Estado Islâmico inicia mencionando o verso 59:2 do Alcorão, destinado ao Povo das Escrituras: "Em nome de Alá misericordioso - Alá o  mais alto disse: "e eles pensaram que suas fortalezas iriam defendê-los de Alá, mas Alá veio até eles, onde eles não estavam esperando-o e feriu o terror em seus corações, destruiu as suas habitações, por suas próprias mãos e pelas mãos dos crentes muçulmanos."

Isso é Jihad pela causa de Alá. O islão é a única religião que manda seus adeptos matarem os seguidores das outras:
Alcorão: 9: 5 - "Lute e mate os descrentes onde quer que você os encontre, leve-os em cativeiro, atormente-os, fique à espreita e os embosque usando todos os estratagemas de guerra. Mas se eles se tornarem muçulmanos, deixe-os ir."
A declaração do Estado Islâmico termina dizendo "Alá ajudou a seus irmãos e deu-lhes o que eles esperavam (martírio) - eles acionaram seus cintos explosivos no meio desses infiéis após ficarem sem munição. Alá vai aceitá-los entre os mártires e permitir que eles se juntem a ele."

Se o inferno existir, é lá que estes "mártires" se encontram agora.

Veja os dois principais alvos dos "valorosos soldados de Alá":

1. Restaurante Le Carillon. Os jihadistas sairam matando e ferindo sem perguntar nada. As pessoas estavam lá bebendo, e a Sharia proíbe a bebida alcoólica. Logo, eram todos kufar (não muçulmanos). Bala neles.


2. Casa de Concertos Bataclan. Os jihadistas tomaram mais de mil jovens como reféns e os executaram em sequência, com calma, recarregando os seus rifles automáticos com a frieza de assassinos cruéis, enquanto que os jovens aterrorizados tentavam fugir de qualquer modo. A Sharia proíbe a música, bem como bebidas alcoólicas, logo, eram todos kufar. Bala neles.

Corpos de infiéis espalhandos no chão da Boate Bataclan depois da jihad pela causa de Alá

PS. Para piorar, parece que o dono do Bataclan era judeu e que a banda de rock que estava fazendo um show tinha dado um concerto em Israel.




Existiram outros alvos. Segundo o Guardian pelo menos 129 pessoas morreram e 352 foram feridas.


(leia aqui um resumo do que a Sharia prescreve)

(veja aqui os 164 versos sobre Jihad - estes versos ab-rogaram os "versos pacíficos" do Alcorão)


O Estado Islâmico avisou que a Grã-Bretanha é o próximo alvo. Aguardemos. É tudo uma questão de quando. As elites da Europa Ocidental, os capitalistas e a "esquerda traidora" deixou eles entrarem. Agora o povo europeu é quem paga o pato.

O mesmo padrão existe no Brasil de hoje. O governo, cuja matiz ideológica se identifica com o que existe de mais retrógrado no mundo, abriu as portas do país, sem controle, e ainda chama quem se opõe a isso de xenófobo, na tentativa de silenciar e humilhar os patriotas.


PS.1. - Em julho o Estado Islâmico havia dito que iria encher as ruas de Paris com cadáveres.

PS.2. - Vídeo mostra carreata de simpatizantes do ISIS em Gaziantep, na Turquia, celebrando a jihad em Paris.


PS3. - O governo francês acobertou até quando pode o fato que as vítimas da Boate Bataclan foram torturadas antes de serem assassinadas. As torturas incluíram castração, enfiar os testículos na boca das vítimas, e arrancar fora os seus olhos (Mail).




Um comentário:

Anônimo disse...

Mesmo ouvi na rádio uma entrevista com uma reporter q fez a mesma viagem com os imigrantes. Tudo posando de coitados mas q tem potencial pra se tornar membros de gangues como acontece em muitos lugares na europa. Nesse mesmo programa, nao tenho certeza de quem era mas era um presidente de uma federação muçulmana no brasil. Ele disse q nao existe nenhuma referência da violência praticada pela estado islamico no corão. Pedi, via whatsapp, pra perguntar ao mesmo pra explicar sobre a taqqya. Uma pena mas não fizeram a pergunta