sexta-feira, 29 de abril de 2016

Áustria, islamização, e a luta entre patriotas e anarquistas: impressões no local



Ao passar pela Áustria eu procurei buscar uma visão sobre a situação atual neste país, e conversei bastante com pessoas na rua. Estive em bairros de "fim-de-linha" tais como Heiligenstadt, Hütteldorf e Leopoldau. É claro que o meu levantamento de opinião junto com "pessoas comuns", não é científico, mas, pelo menos, serve como uma descrição de, pelo menos, uma parte da realidade. 
A minha avaliação, baseado no que eu conversei, os autríacos não estão satisfeitos com o governo no tocante a como ele tratou da crise migratória (invasão islâmica) e vem tratado o assunto até o momento. A eleição para presidente austríaco está oferecendo um panorama mais concreto nas tendências políticas: o candidato do Partido da Liberdade (FPÖ) venceu o primeiro turno com 36% dos votos e é o favorito a vencer o segundo turno, dia 22 de maio.   
A Áustria se tornou um ponto de passagem durante o ápice da crise em setembro do ano passado. Cerca de 800 mil migrantes passaram pela Áustria, sendo que 300 mil por Viena. Neste processo, Viena ficou com cerca de 25 mil refugiados. Destes, cerca de 5 mil ainda se encontram em residências de emergência. Durante a crise, não existia lugar em Viena, mesmo o centro histórico, que não tivesse refugiados na rua. A pressão popular, e o crescimento da popularidade de partidos de direita, levaram o governo austríaco a controlar o acesso à fronteira com a Itália, em Brenner, mesmo sob críticas da Alemanha e dos burocratas da União Européia. A princípio, "apenas" 3.200 refugiados passariam. Na prática isso se reduziu, hoje, a praticamente zero.

A massa humana (de homens) avança pelo território austríaco rumo a Alemanha.
Apenas uma pequena porção ficou na Áustria, mas o suficiente para fazer um estrago

Outros oito estados da Áustria estão relutantes em aceitar a sua quota dos refugiados, deixando Viena, com quase 20% mais do que deveria ter.

Pequenas comunidades fora Viena tem visto recursos do governo sendo desviados para cuidar dos refugiados, as escolas estão a reorientar os orçamentos para trazer tradutores, o sistema de saúde está sobrecarregado com os migrantes inundando as clínicas, e assim por diante. Os austríacos estão furiosos, e a mídia esconde o assalto e comportamento criminoso de parte dos refugiados.

A população local se ofereceu para ajudar os refugiados, aulas de alemão foram organizadas, os migrantes foram alimentados, vestidos e alojados. No entanto, após alguns meses, as pessoas começaram a notar que os jovens refugiados do sexo masculino não estavam interessados em aprender alemão, mas sim interessados em adquirirem cigarros e iPhones. Percebeu-se que a criminalidade aumentou. Hoje em dia há pouca simpatia para os refugiados e um forte clamor pelo fechamento das fronteiras da Áustria para eles.

Para piorar, atual governo da Áustria deixou de impor as leis do país, e a população acabou sentindo-se abandonada por ele. O atual governo da Áustria é um governo de coalizão formado pelo Partido Social-Democrata da Áustria (SPÖ) e pelo Partido Popular da Áustria (ÖVP). O SPÖ é considerado como de centro-esquerda, ao passo que o ÖVP como de centro-direita.

Duas reações visíveis contra tudo isso foram o surgimento do PEGIDA Áustria e o fortalecimento do Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ).


O PEGIDA (Patriotische Europäer gegen die Islamisierung des Abendlandes ou Patriotas Europeus contra a Islamização do Ocidente), surgiu e começou a fazer manifestações e se tornar um aglutinador do descontentamento da população, usando-se da mídia social.

Porém, o PEGIDA pode fazer muito pouco sem uma ação política. E esta ação política acabou encampada pelo Partido da Liberdade (FPÖ), que assumiu uma linha crítica contra o governo de coalizaão do SPÖ e do ÖVP, bem como da extrema-esquerda pró-islâmica representada pelo Partido Verde.

A situação pode ser resumida por uma afirmação do presidente do FPÖ, Norbert Hofer:
O governo da Áustria não respeitou as leis, não protegeu as fronteiras, e encorajou organizações de contrabando (humano). Isso tudo levou a um estado de emergência, no qual mais de um milhão de pessoas sem registro e sem controle, cruzaram a fronteira da Áustria, em 2015. Os convites e a política de boas-vindas da Chanceler alemã Merkel foram endossados pelo chanceler austríaco Faymann, do SPÖ. Tudo isso não seria necessário se eles tivessem simplesmente aplicado as leis. 
Além disso, o FPÖ se manteve atento e descobriu mais problemas do governo austríaco em aplicar a lei, por exemplo, ao estudar a concessão de 100 pedidos de asilo vindo de presidiários, ao invés de deportá-los.

O FPÖ propõe em sua plataforma itens tais como:

  • Rígido controle de fronteira contra traficantes e criminosos
  • Aplicação das regras de deportação para quem não possui direito de asilo ou que tenha abusado deste direito
  • Requerentes de asilo genuínos só recebem proteção por algum tempo
  • Alojamento regulamentado para os requerentes de asilo ao invés de benefícios em dinheiro
  • Nenhum alojamento dos requerentes de asilo contra a vontade dos cidadãos
  • Solução de crises humanitárias devem ser resolvidos no continente onde elas ocorrem
O outro partido de oposição, o Partido Verde, endossou a política do governo de abuso do asilo e da imigração em massa. Os Verdes defendem uma fronteira aberta e que nenhum refugiado seja deportado. O melhor que os Verdes podem fazer para vencer o FPÖ é acusá-lo de racista e islamófobo. Mas o povo já está cansado disso. 

O resultado das eleições de 24 de abril foi a vitória do Partido da Liberdade (FPÖ). Ele venceu primeiro turno das eleições presidenciais, com 36% dos votos, seguido pelo candidato do Partido Verde, com 21%. Os dois vão para o segundo turno em poucas semanas. Os partidos que dividiam o poder, os sociais democratas e os partido popular foram pulverizados. A candidata independente Irmgard Griss obteve 18% dos votos e será o fiel da balança. 

Veremos como fica tudo isso no dia 22 de maio. 

Enquanto isso, o grupo anarquista ANTIFA se coloca como o maior promotor da islamização da Europa. Este grupo defende a extinção das fronteiras, em todo o mundo, e utiliza da tática de rotular os oponentes, com os usuais gritinhos de "racismo", "xenofobia",  "islamofobia" ... Eles promovem contra-demonstrações durante as demonstrações do PEGIDA e, junto com os islamistas, são geralmente violentos. O ANTIFA se auto-denomina "anti-facista." Porém, sua linha de ação é muito próxima do mesmo. 

Parede no centro de Viena pintada com o dizer "Antifa"

Conforme eu tenho escrito diversas vezes, me frusta ver segmentos que se auto-denominam como "esquerda" apoiarem o islamismo. O islamismo é contra tudo, seja "esquerda", "centro" ou "direita",  e qualquer variação ou combinação. O islamismo é contra a Democracia. O islamismo quer a lei islâmica Sharia, que é um conjunto de leis imutáveis, que eles acreditam terem sido dadas por Alá.  


Algumas notícias da imprensa sobre este assunto

Milhares protestam contra a política de refugiados em Viena, The Local

Segundo incidente com bomba em Viena em uma semana, The Local

Julgamento de terrorista em Graz, The Local

Aumento na criminalidade, Kronne

Crime de extorção sobre os donos de bares, The Local

Parlamento endurece legislação sobre imigrantes e refugiados, The Local

Planos para a fronteira austríaca no Tirol cria problemas para a UE, Guardian

Áustria irá construir muro na fronteira com a Itália, The Local


terça-feira, 26 de abril de 2016

Internacionalismo de Esquerda: Irã financia partido Espanhol PODEMOS


A ligação do Internacionalismo de Esquerda com o islamismo.

Pablo Iglesias, apresentador da TV espanhola e deputado no parlamento europeu, é o fundador do partido político espanhol PODEMOS. O Podemos é mais um partido que se intitula como "de esquerda", quando na verdade ele pertence ao internacionalismo de esquerda. O Internacionalismo de Esquerda está aliado ao islamismo, bem como alinhado com o globalismo corporativo.

"Sim, podemos" é o mesmo que "Yes, we can",  palavra de ordem usada por Obama e seus correligionários durante a campanha presidencial americana em 2008.

Na reportagem mostrada pelo vídeo, o dirigente do Podemos comenta sobre o financiamento do Irã ao seu partido, se referindo ao regime totalitário islâmico xiita: "Aos iranianos, interessa difundir na América Latina e na Espanha um discurso de esquerda porque atinge os seus adversários. Aproveitamos ou não nos aproveitamos disso?"


O PODEMOS enfrenta acusações de ser financiado pela Venezuela e pelo Irã.

O Irã, o regime dos aiatolás, o que tem a ver com o comunismo? Nada, mas mesmo assim, a Esquerda internacionalista os apóia, em troca de "favores."

É uma relação simbiótica. Por exemplo, o Podemos planeja instalar, nos distritos que ele governa, praias exclusivas para as mulheres muçulmanas.
Para quem ainda acha que o islão não segrega, que o islão é tolerante e multicultural, veja aí um exemplo, O partido de extrema-esquerda Podemos, que tenta atrair o voto muçulmano, pretende criar praias apenas para as muçulmanas, sem os homens, e sem as mulheres infiéis promíscuas de biquinis. 

Este mesmo partido, o Podemos, deseja o cancelamento da tradicional celebração "Cristãos e Mouros", que festeja a vitória dos reis Isabela e Ferdinando sobre o último rei de Granada, Abu Abdil. O Podemos acha que a festa é uma provocação e um insulto aos muçulmanos (Yabiliadi). 

Propaganda islâmica visando a re-ocupação da Espanha.
A postura internacionalizante do PODEMOS facilita este processo


Jovens muçulmanos querem lutar, jovens europeus querem se render


O que se observa atualmente é o confronto entre muçulmanos, assertivos nas suas convicções de que o seu modo de pensar e de ser é o único correto, e europeus ocidentais, que vem sendo educados já a várias décadas de que a sua cultura é um lixo e não merece ser defendida.

Advinha quem irá ganhar este embate?

Duas notícias mostram bem o resultado deste confronto.

Um artigo recente do The New York Times revelou que 90% dos adolescentes nos bairros predominantemente muçulmanos de Molenbeek e Schaerbeek, em Bruxelas, consideram como heróis os jihadistas que levaram a cabo os atentados em Bruxelas. Ou seja, estes adolescentes admiram aqueles que morrem defendendo uma causa que eles acreditam. É de se esperar que estes adolescentes estejam predispostos a lutarem pela mesma causa.

Enquanto isso, na Itália, um trabalho feito em uma turma de 25 meninos de 13 anos revelou que 90% deles se tornariam muçulmanos se eles fossem ameaçados pelo Estado Islâmico na sua cidade.

O resultado aterrorizante desta enquete mostra o resultado da educação na Europa, que destitui das crianças qualquer senso de identidade cultural (sem dizer da religiosa). As crianças crescem com o sentido "do momento." Nenhuma motivação para lutar e defender o seu país, a sua terra, a sua cultura ou a sua família.

Apenas 2 meninos dentre os 25, disseram que se recusariam a se tornar muçulmanos, ambos oriundos de famílias católicas (imagina o quanto estes 2 devem ser ridicularizados por seus colegas "seculares"). Os Romanos tinham "pão e circo." Hoje temos "sexo e circo." Qual a diferença? (Gates of Vienna)

O que esta comparação indica é que, confrontados com a Jihad, os europeus irão se converter em massa, já que eles não possuem mais a vontade de lutar. Será que eu estou exagerando?

E para se tornar muçulmano, basta falar uma única frase, a shahada, 3 vezes. O autor francês Houllebecq antevê conversões em massa acontecendo na França deste jeito, no seu livro Submissão.

Aparentemente, estes adolescentes italianos nunca ouviram falar dos 800 mártires de Otranto, que, ao resistirem aos invasores turco-otomanos, permitiram que o rei de Nápoles tivesse tempo para arregimentar um exército para expulsar os invasores turcos da Itália. Bem, mas isso ocorreu no século XV, quando os europeus tinham disposição de lutar e defenderem as suas casas e as suas famílias.

Mas hoje, como seria possível pedir para estes jovens lutarem. Conforme o site katolisches.info:
O roubo da nossa própria identidade está a ocorrer em vários níveis ... E agora espera-se que peçamos aos nossos jovens a tomarem armas e se defenderem ... Em nome de que ideais e valores podemos pedir-lhes isso? Em nome de ideais que nunca lhes ensinamos, mas que foram denegridos perante os seus olhos?
William Kilpatrick diz sobre este assunto:
O resultado final da de-cristianização da Europa, muito provavelmente, será a islamização da Europa, a menos que os europeus sejam capazes de recuperar a fé que fez a Europa crescer. Foi em grande parte por causa de sua fé cristã que os europeus de outra época foram capazes de resistir às forças muçulmanas em Tours, Lepanto, Malta, e Viena, e para retomar a Espanha de mãos muçulmanas.
A ausência da fé parece resultar em pouca esperança para a Europa. Sem a confiança cultural da fé cristã, uma vez fornecida, as várias panacéias seculares de combate ao "extremismo violento",  e evitando "islamofobia", parecem fadadas ao fracasso. Mesmo o poderio militar da OTAN será de pouca ajuda porque a OTAN não está equipada para lutar uma guerra cultural ou espiritual. A OTAN não pode reajustar o desequilíbrio da taxa de natalidade (em si mesmo um resultado de descristianização). A OTAN não pode inverter a conquista, lenta mas constante, das escolas, conselhos escolares, conselhos municipais, ruas e praças públicas por parte dos islamistas. E a OTAN certamente não pode proporcionar aos europeus as crenças transcendentes fizeram a  "resistência decisiva" de outrora possível.

Leia mais sobre os Oitocentos de Otranto neste artigo externo: Quando os Otomanos invadiram a Itália (1480-1481).




segunda-feira, 18 de abril de 2016

Manifestação dos alunos da Mackenzie e a manipulação da notícia (aviso para a Esquerda: o islão odeia todos nós)



O Brasil de hoje está polarizado, algo que não é bom. Muitas pessoas têm investido em separar ao invés de unir, usando todo o tipo de argumento. E isso vai além da dicotomia "Direita vs Esquerda" que herdamos da Revolução Francesa, e que no fim só serve para desunir e confundir, já que a Esquerda de um pode ser a Direita do outro, quanto mais alguém se aproxima de um dos extremos. E também, nem sempre o modo que nós nos vemos é o modo como os outros nos vêm.


Este artigo não versa sobre sobre impeachment ou golpe (dependendo de onde você veja o problema) e nem sobre quem está roubando quem. O artigo versa sobre o cuidado que se deve ter ao disseminar a notícia, claro, partindo do pressuposto que o objetivo não seja distorce-la visando propaganda. O artigo também versa sobre o islão, que é uma ideologia contrária a qualquer ideal político, seja de Direita ou de Esquerda.

Dias atrás, os alunos da Universidade Mackenzie fizeram uma manifestação contra a corrupção e pelo impeachment da presidente Dilma. Uma pessoa, uma senhora, em uma ação independente. Pegou um cartaz dizendo "Não Islamização do Brasil - Fechar Fronteiras." Ela se juntou aos manifestantes. Muitos alunos da Mackenzie reclamaram do cartaz, achando que aquele não era o tema da manifestação.

Vejam bem. Este foi um cartaz no meio de centenas de outros.


Mas, alguns órgãos da imprensa alternativa não viram deste modo. O Pragmatismo Político, a Revista Forum, os Jornalistas Livres e a Catraca Livre apenas viram este cartaz e se perderam nas suas manchetes. Eles ampliaram o ocorrido, mas, pior, tentando mostrar o teor do cartaz como algo ruim.
Pragmatismo Político:
Revista Forum: 

Jornalistas Livres: 
Catraca Livre: 


Pessoal, olha só. Usar palavreado como "neonazistas", "cultura de ódio", "xenofobia", é conversinha de garotinho da terceira série primária para intimidar os menininhos da segunda série.

Amigos, o problema é sério! Querer esconder um problema com gritinhos estéricos de "islamofobia" não resolve. O islamismo é uma ideologia político-religiosa totalmente contraditória aos ideais de Esquerda. Abram o olho. Como é mesmo a atividade sindical na Arábia Saudita ou no Irã? Como é mesmo o tratamento das mulheres segundo a lei islâmica Sharia?  E os ateus? E os gays? Vejam o vídeo de como a Sharia manda tratar os gays.


O islamismo não é um problema da Direita ou da Esquerda. Ele é um problema para ambas, pois todo o espectro político e econômico desaparece sob a Sharia.

Olha só. Aproveita os artigos do meu blog para vocês expandirem a visão. Sugestão inicial:
Livro: Lei Islâmica Sharia para os não muçulmanos
Livro: A História de Maomé 
Ou seja, parafraseando a Luciana Genro, "vai estudar."




https://catracalivre.com.br/geral/cidadania/indicacao/em-ato-contra-corrupcao-manifestante-pede-fim-da-islamizacao-no-brasil/

http://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/03/alunos-do-mackenzie-imitam-neonazistas-europeus-em-ato-pro-impeachment.html













domingo, 17 de abril de 2016

Papa Francisco adota 12 muçulmanos (e se esquece do genocídio dos cristãos)


Eu não quero criticar o papado. Eu respeito a figura do Papa. Mas acho que o señor Bergoglio, no afã de dar bom exemplo, está cometendo alguns erros.

O Papa Francisco foi até a Ilha de Lesbos, que é o reduto escolhido pelos contrabandistas de pessoas que levam "refugiados sírios" através da Turquia. O Papa fez ações totalmente cobertas pela grande imprensa internacional. Acompanhado pelo Patricarca Ortodoxo Grego e pelo Primeiro-Ministro da Grécia, ele visitou refugiados (muçulmanos) e apertou a mão de tantos quanto fosse possível (BBC).

Papa Francisco, Alexis Tsipras e Patriarca Bartolomeu

Ao final do dia, ele adotou 3 famílias, um total de 12 muçulmanos (12 apóstolos?) e os levou para morarem no Vaticano, com tudo pago. Sendo todos muçulmanos, e considerando que o Papa não gosta que se converta os outros, é possível que as 5 orações diárias islâmicas sejam rezadas no Vaticano (tornando-o em uma espécie de mesquita). (Washington Post)

Papa recebe 12 muçulmanos, que serão mantidos pelo Vaticano, no aeroporto Ciampino, de Roma

O Papa Francisco havia, anos atrás, visitado a Ilha de Lampedusa, local para onde os "refugiados" africanos se aglomeram. Na oportunidade, ele denunciou a "globalização da indiferença" (Guardian).

Enquanto que é difícil saber a reação destas visitas do Papa, em geral, junto aos muçulmanos, o que a se sabe a partir da Sharia é que ações que para nós são símbolos de tolerância, para o islão elas são sinais de fraqueza, e mostra da superioridade do islamismo sobre o cristianismo.

Fica aqui um desafio para o Papa Francisco. Por favor, visite os acampamentos dos cristãos e iázides no território autônomo do Curdistão. Tanto os cristãos quanto os iázides foram expulsos, mortos, escravizados, ou submetidos ao pagamento da jizya, por serem káfirs, como os muçulmanos chamam os infiéis não muçulmanos. Os sunitas, a quem o Papa acabou de acolher 12 no Vaticano, não são perseguidos. Eles são vítimas de conflito armado, mas as partes beligerantes não os têm como alvo por serem muçulmanos.

E, ao ir até lá, aproveite e adote 12 cristãos para viverem no Vaticano.

Papa, denuncie a "globalização da indiferença" pela qual os cristãos são submetidos (alguém se lembra da Asia Bibi?).

Papa Francisco, a impressão que me dá é que existe discriminação contra os cristãos da sua parte.

As figuras abaixo ilustram o nível de perseguição pelos quais os cristãos são submetidos pelo islão.

Meninas cristãs armênias crucificadas durante o Genocído Armênio

Cristão crucificado no Iêmen

Cristãos crucificados na Síria

Cristãos, que vivem sob condições precárias no Curdistão, aguardam que o 
Papa Francisco denuncie a sua situação ao mundo. 
Como será que eles sentem ao saberem que o Papa apenas alardeia para o mundo o 
dever de se proteger aqueles que os perseguem (muçulmanos sunitas)?


Atualização em 19 de abril

Um vídeo sobre a visita do Papa a Lesbos mostra que existiam cristãos e iázides no meio dos refugiados. Mas eles foram preteridos na escolha do papa.

Cristãos paquistaneses

Iázides pedem por socorro e mencionam o genocídio contra o seu povo



sábado, 16 de abril de 2016

"Documentos do Panamá" e a corrupção das autoridades palestinas e do Hezbollah (com conexões na América Latina)


A Europa, Estados Unidos, Canadá, e até mesmo o Brasil do ex-presidente Lula, vem dando bilhões de dólares para os palestinos, na vã tentativa que eles construam um país viável. Mas as "autoridades palestinas" usam o dinheiro para se enriquecerem e para financiarem o terrorismo, contra Israel, contra os países vizinhos e em vários outros lugares no mundo.

Pois bem, os "Papéis do Panamá" acabam de desmascarar os "pobres palestinos" (entre aspas, me refiro aos crápulas que se usam do povo como massa de manobra). Os palestinos de verdade, sim, são alimentados com ódio e enganados por aqueles os lideram (e os roubam). E o Hezbollah também está "na onda."

Vamos então a lista.

Tarek, o filho de Mahmoud Abbas (presidente da Palestina desde 2007) está relacionado a uma sociedade domiciliada no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas (estranhas para uma região descrita como a mais pobre do mundo), o árabe palestino Companhia de Investimento Árabe Palestina (Arab Palestinian Investment Company o ou APIC ) que "intervém" (entendido no sentido de que se beneficia de corrupção) em muitas partes da economia na Cisjordânia.

O Fundo de Investimento Palestino , criado em 2003, é diretamente dependente da Autoridade Palestiniana, detém 18% de participação nesta empresa. Tareq Abbas se juntou ao conselho de administração da APIC em 2011. Ainda de acordo com os Documentos de Panamá, Tareq tomou um interesse em APIC até 982 mil dólares (de onde vem o dinheiro?)

Em 2009, a Reuters tinha investigado as fortunas dos dois filho de Mahmoud Abbas. Uma das suas empresas, a empresa Sky Relações Públicas, tinha descontado dois milhões de dólares para "melhorar a imagem dos Estados Unidos nos territórios", financiado pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID).

Tarek também é proprietário e presidente de vários shopping centers e centros comerciais na Cisjordânica, sendo também é diretor do  Unipal General Trading Company, principal distribuidora de produtos alimentares, as marcas de cigarros, cosméticos territórios.


Outras personalidades palestinas citadas Nos Documentos de Panamá:

Khaled Osseili, prefeito de Hebron desde 2007.

Mohammed Mustafa, assessor econômico Mahmoud Abbas, que abriu as suas contas no exterior com um passaporte jordaniano!

Mohammed Rashid, ex-assessor de Yasser Arafat, condenado por corrupção por um tribunal em Ramallah, em junho de 2012, por desvio de 34 milhões de dólares de um fundo de investimento para ajudar a economia palestina.

Tarek Aggad, um membro do conselho de administração do Fundo Palestino de Investimento (PIF), parte da Autoridade Palestina, creditado com uma carteira de um bilhão de dólares no Wikileaks.

Durgham Maraee, advogado árabe-israelense representando o BIP e patrono de uma das duas maiores empresas de telefonia celular territórios, Wataniya Mobile.


Hezbollah

O empresário libanês Abd Al Nur Shala.

Salah Ezzedine outro homem de negócios ligados ao grupo terrorista.

Bilal Mohsen Wehbe, representante-chefe do Hezbollah na América do Sul.

Fawzi Kan'an, importante provedor de ajuda financeira Hezbollah na Venezuela. É ele quem está patrocinando viagens para terroristas do Hezbollah no Líbano e repatria os fundos levantados na Venezuela.

Ghazi Nasserdine, diplomata venezuelano, e presidente do Centro Islâmico Xiita, em Caracas, o apoio financeiro do Hezbollah.

Dino Bouterse, Hezbollah financeira, condenado a 16 anos de prisão por tribunal dos Estados Unidos, após se declarar culpado de apoiar o Hezbollah.

Os irmãos Ayman Saied joumaa e Akram (o último é gerente-geral do hotel de luxo Caesar Park Hotel Beirut). Os irmãos Joumaa desviam uma média de 200 milhões de dólares por mês para o Hezbollah.

Tajudeen Hussein, dono da maior cadeia de supermercados em Gâmbia (Kairaba) antes de ser expulso da Gâmbia, e ligados à rede Hezbollah.

Tajudeen Ali, ex-comandante do Hezbollah em Tiro, sul do Líbano, presidente da empresa de construção Jihad al Bina'.

Youssef Ali Sharara, presidente da empresa de telecomunicações Spectrum Investment Group Holding (SAL) e agente do Hezbollah em seus investimentos comerciais.


Não é surpresa que árabes palestinos, bem como elementos ligados ao Hezbollah, façam parte das últimas revelações: a Autoridade Palestina é odiada por muitas razões, uma dos principais sendo o grau de corrupção doentio das autoridades palestinas.

Reprodução autorizada com o seguinte: © Jean-Patrick Grumberg para Dreuz.info.

fontes:

JSS Notícias
Ponto
Haaretz

terça-feira, 12 de abril de 2016

Atualizações em março de 2016


Veja o que entrou de novo no blog em março de 2016

Análise da carta aberta para o Califa do Estado Islâmico
Leia o artigo no link


Arábia Saudita: homem que abandonou a fé islâmica é condenado a 2 mil chibatadas
Este é o wahabismo em ação (DI). 

Bangladesh: Estado Islâmico mata ex-muçulmano 
O Estado Islâmico  reivindicou a responsabilidade pelo assassinato de um cristão convertido no norte do Bangladesh, Hossain Ali, 68 anos, que se converteu ao cristianismo do islamismo em 1999. Um comunicado postado no Twitter disse: "Um destacamento de segurança dos soldados do Califado foi capaz, pela graça de Alá, o Todo-Poderoso, de matar o apóstata (Ali), que mudou sua religião e se tornou um pregador do cristianismo politeísta." Nos últimos meses, o Estado Islâmico disse estar por trás de uma série de ataques contra os convertidos e minorias religiosas em Bangladesh, incluindo xiitas, sufis e Ahmadi, muçulmanos, cristãos e hindus (Al Arabiya).

Apenas países islâmicos punem apostasia (para quem deixar de ser muçulmano)
"Em 2014, APENAS países muçulmanos criminalizavam a apostasia pública, e as suas leis de apostasia apenas se preocupam com a apostasia do Islã, citando a lei islâmica como justificativa ... em todo o mundo, nenhum país com cristãos, budistas, hindus, a maioria judaica, agnóstico ou ateu possui quaisquer leis criminais ou civis proibindo ou encorajanndo a apostasia, ou tinham leis que restringem o direito de um indivíduo converter de uma religião a outra." de Wiki. E ninguém nos Altos escalões" parece se importar ou querer cuidar disso. Ao contrário, eles querem abraçar uma doutrina que diz que é ok matar os apóstatas.




Pedofilia: não existe idade para casamento no islão
Leia o artigo neste link.

Purdah, reclusão da mulher, mais uma contribuição do islão para o mundo
Leia o artigo neste link.

Arábia Saudita, 2002: meninas morrem em incêndio; polícia religiosa não as deixou sair por não se cobrirem islâmicamente
A polícia religiosa impediu que meninas de um colégio deixassem a escola em chamas porque elas não estavam usando as roupas islâmicas adequadas, ou seja, os lenços de cabeça, cobrindo também o rosto, e abayas (túnicas pretas) necessárias dentro do reino do Islã. Quinze meninas morreram no incêndio e mais de 50 ficaram feridas (BBC). Absurdo e fanatismo. Isso é a lei islâmica em ação.

31 mil mulheres do Estado Islâmico estão grávidas, carregando os bebês jihadistas 
Estas mulheres estão envolvidas na jihad al-nikah, a jihad do sexo, e vem de várias partes do mundo justamente para se tornarem fábricas reprodutórias (Breibart).

Menina Iazide se incendiou por não aguentar mais se estuprada
Segundo o doutor Jan Ilhan Kizilhan, a menina de 8 anos de idade foi estuprada centenas de vezes por 8 jihadistas em 10 meses. O médico, que resgatou mais de mil mulheres e meninas iazides, ouviu a narrativa de 1400 vítimas sobre o estupro e abuso de iázides e cristãs escravizadas sexalmente. (CP)

Paquistão: grávida é morta a tijoladas por 30 pessoas, inclusive membros da família
Mais um caso de Crime de Honra no Paquistão. Vídeo: https://youtu.be/X4ZVHbfPqaE. ok

Paquistão: avô estupra neta de 2 anos e mãe mata a filha para preservar a honra da família
Avô estuprou a neta de 2 anos. A mãe acordou com a criança aos berros e ensanguentada. Amãe não atacou o estuprador para salvar sua filha. Pelo contrário. Para preservar a honra da família, a mãe decidiu que só havia uma coisa a fazer para salvá-los de "escândalo" em sua cidade predominantemente muçulmana: matar a sua própria filha, afogando-a na banheira (Emirates). Isso se chama crime de honra.

Alemanha: grupo de 30 refugiados atacam meninas no Shopping
Cidade de Kiel. Os refugiados eram todos do Afeganistão. A intervenção da polícia evitou o pior (Express).

Alemanha: menina de 7 anos estuprada por cinco árabes
Todos muçulmanos. Isso ocorreu em Hamburgo (fonte).

Suécia: vítima de agressão diz: "eles me chamavam de puta sueca"
Nathalie hager, 29 anos, estava voltando para casa de um ponto de ônibus quando um grupo de homens que falavam árabe subitamente a atacou. Ela conseguiu escapar, mas ficou gravemente ferida. "Eles me bateram e me chamaram de 'puta sueca'"- disse ela a Fria Tider. (Mulheres contra o Islã)

Suécia: 46% das mulheres acima de 16 anos têm medo de sair de casa por medo de estupros
Mesmo durante o dia, muitas se sentem desconfortáveis em sua própria cidade e um terço delas disseram ter medo das cidades suecas (Mulheres contra o Islã). Existem "refugihadistas" demais na Suécia.

Suécia: estupros e assédio nas piscinas públicas
Ingrid Carlqvist detalha os casos de assédio sexual e estupro de meninas e mulheres suecas nas piscinas públicas perpetrados por requerentes de asilo muçulmanos. Eles tomam banho com a roupa do corpo e se masturbam nas piscinas. Os suecos estão deixando de frequentá-las, mesmo tendo pago a anuidade. Os políticos tentam esconder a situação proibindo que os funcionários façam queixa a polícia (Gatestone Institute).

Turquia: "harém é escola para mulheres"
Quem disse isso foi a primeira-dama da Turquia, Emine Erdogan, sob a justificativa que as concubinas recebiam aulas de costura (BBC).

Mulheres fazem vídeo secreto no seio do Estado Islâmico
A reportagem termina com as duas mulheres a confessarem que esperam um dia poderem tirar o nikab e viverem em liberdade. Não existe livre escolha sob o islão (Jornal de Notícias).

Australia: 3 muçulmanos condenados por Mutilação da Genitália Feminina
Um Imã, uma parteira, e a mãe das duas meninas foram condenados a 15 meses de prisão (Guardian).

Egito: mulheres cristãs sequestradas por muçulmanos e forçadas a se casarem
https://youtu.be/Ukqcd6TyEbg OK

Doutrinação

Dinamarca: imã ensina crianças que apóstatas, adúlteros e qualquer um que ferir um muçulmano deve ser morto
Uma câmera secreta da TV 2 da Dinamarca capturou o imã Abu Bilal Ismail, da mesquita de Grimhøj, dizendo para a sua congregação que "Se uma mulher casada ou divorciada se envolver em fornicação, e ela não for virgem, ela deve ser apedrejada até a morte". Continuando: "Se alguém viola seu casamento, seja homem ou mulher, comete adultério, e seu sangue é, portanto, halal e ele deve ser mortos por apedrejamento [aceitáveis sob a lei muçulmana, ndr.]. Se a mulher for virgem, a punição é chicoteando". O imã defende a política do "olho por olho." "Se alguém mata um muçulmano, então eles devem ser mortos."
O presidente da mesquita, Osama el-Saadi, defendeu o imã dizendo "Nosso imã precisa responder o que ele leu na Sharia. Não podemos enganar e dizer coisas incorretas sobre nossa religião." Ele acrescentou, "Acreditamos no Islã como ele é, mas como nosso Imam diz que vivemos na Dinamarca, onde há liberdade, e nós seguimos regras dinamarquesas e leis dinamarquesas. Então apedrejamento e açoitamento não são válidos na Dinamarca". (Breibart, TV2) Espera se tornarem maioria.

Brasil: Muçulmanas treinadas a doutrinarem crianças com as "raízes culturais" do islamismo
A foto abaixo mostra o treinamento de mulheres muçulmanas, para como serem boas propagadoras do comportamento islâmico na família e na sociedade. Esse foi um treinamento da Mesquita Pari e a foto é do Facebook da página. O item 1 da lista dos "princípios básicos" diz "Raizes Culturais." O islamismo impõe uma transformação na pessoa que passa necessariamente no seu desculturamento, e na adoção das "raízes culturais" do islamismo, que são definidas na Sharia. Isso se dá através da roupa, adoção de um nome árabe, e, principalmente, em fazer com que o muçulmano seja diferente do resto da população. Não existe a co-existência. Não existe integração. O islão existe para governar e não para ser governado. O processo conduz a criação de guetos, como se vê ocorrem aos milhares na Europa, bairros inteiros onde a Sharia é adotada. Estes guetos se foram ao redor de mesquitas. No Paraná, existem cidades pequenas que começam a ser transformadas com uma presença cada vez maior de muçulmanos. Logo teremos os nosso próprios guetos, e, não seria surpresa se alguma pequena cidade no inbterior do Paraná se tornar "islâmica."


Alemanha: muçulmana de 15 anos esfaqueia policial
Esta menina da foto abaixo, Safia S., alemã de descendência marroquina, esfaqueou um policial em Hannover. Ela havia tentado se juntar ao Estado Islâmico, mas não conseguiu. Safia pertencia a um grupo salafista desde os 7 anos de idade, inclusive tendo aparecido em um vídeo sendo elogiara por usar o hijab tão cedo. A sua preocupação, após ter esfaqueado o policial, era se o seu hijab estava no lugar. Agora fica a pergunta: foi esta menina que deturpou o islamismo, ou foi o islamismo que deturpou esta menina? (JW)

Safia S., alemã, possui o rosto sereno dos psicopatas

Catar: "Não vestir o Hijab desafia Alá, e aproxima você de Satanás"
Isso é ensinado por software educacional para meninas. Esta é a lavagem cerebral pela qual passa uma criança no mundo árabe e o mesmo vem sendo ensinado no Ocidente nos guetos de muçulmanos da América do Norte, Europa pelos equipamentos educacionais da Irmandade Muçulmana. E os não-muçulmanos que se protestam contra isso na Europa e na América do Norte são taxados de "racistas" e "islamofóbicos" (fonte).



O vídeo mostra um dos métodos que o islamismo recomenda deve ser usado para matar os homossexuais
ok 




Milo Yiannopoulos, gays, e cultura islâmica no Ocidente 
OK



Xeique al-Arifi e a presença do Wahabismo no Brasil
Leia o artigo todo neste link.

O islão tenta penetrar nas periferias
Um artigo de 2009, mas que já mostra bem a estratégia principal da penetração do islamismo no Brasil: trabalhar nas favelas e enganar a população de menor instrução. Já pensou um traficante se tornando muçulmano wahabista, com a permissão sagrada de ter 4 esposas e escravas sexuais (mulheres que a sua mão direita possui) e de roubar dos infiéis? (Época)

Aliciadores do Estado Islâmico buscam brasileiros na Europa; Folha seguiu seus passos
O jovem brasileiro se sentiu curioso sobre o islão, começou a frequentar cursos sobre o islão, e , rapidinho, ele se tornou um jihadista (Folha).

Conexão Wahabista no Brasil - Mesquita do Pari
A Mesquita do Pari, em São Paulo, se consolida como uma fonte do Wahabismo no Brasil. Ela não apenas tem conexões com o notório Xeique al-Arifi, banido da Grã-Bretanha, como ela promove cursos com professores sauditas. O último deles, o Primeiro Curso Intensivo da Liga da Juventude Islâmica, ocorreu em Março e teve como instrutores os professores Abdullah al-abdul-Karim e Sultan al-Tobayshi, ambos da Universidade King Saud, da Arábia Saudita (fonte).

Professores Abdullah al-abdul-Karim e Sultanal-Tobayshi, da Universidade King Saud, 
da Arábia Saudita. Ao centro, o xeique Rodrigo Rodrigues.

Lula ganhor carro ômega de R$ 170 mil de Federação Muçulmana
Lula aceitou doação da Central Islâmica Brasileira de Alimentos Halal (O Antagonista).

Muçulmanas treinadas a doutrinarem crianças com as "raízes culturais" do islamismo
A foto abaixo mostra o treinamento de mulheres muçulmanas, para como serem boas propagadoras do comportamento islâmico na família e na sociedade. Esse foi um treinamento da Mesquita Pari e a foto é do Facebook da página. O item 1 da lista dos "princípios básicos" diz "Raizes Culturais." O islamismo impõe uma transformação na pessoa que passa necessariamente no seu desculturamento, e na adoção das "raízes culturais" do islamismo, que são definidas na Sharia. Isso se dá através da roupa, adoção de um nome árabe, e, principalmente, em fazer com que o muçulmano seja diferente do resto da população. Não existe a co-existência. Não existe integração. O islão existe para governar e não para ser governado. O processo conduz a criação de guetos, como se vê ocorrem aos milhares na Europa, bairros inteiros onde a Sharia é adotada. Estes guetos se foram ao redor de mesquitas. No Paraná, existem cidades pequenas que começam a ser transformadas com uma presença cada vez maior de muçulmanos. Logo teremos os nosso próprios guetos, e, não seria surpresa, de se ter algum lugarejo no Paraná que seja "islâmico."


Lula doou R$ 25 milhões ao movimento Hamas através de decreto? 
Está no site do Planalto e no do Diário Oficial da União (DOU). Esse dinheiro foi mandado a partir da criação da lei 12292 de 2010. (Diário do Brasil)


Governo alemão ensina "refugiados" a como "transar" com as alemães
Leia o artigo todo neste link.

França: 25% dos adolescentes são muçulmanos
Pesquisa indica que:
- 38,8% dos jovens franceses não se identificam com uma religião.
- 33,2% se descrevem como cristão.
- 25,5% chamam-se muçulmano.
- 1,6% se identificam como judeus.
Apenas 40% dos jovens crentes não-muçulmanos (e 22% dos católicos) descrevem a religião como "algo importante ou muito importante"; mas 83% dos jovens muçulmanos concordaram com essa afirmação.

França: 90 jihadistas entraram como "refugiados"
Uma muçulmana que estava com a irmã do jihadista belga que comandou o ataque ao Bataclã, em Paris, disse para a polícia que ele entrou na França junto com um grupo de 90 jihadistas fingindo-se de refugiados (CTV News).

França condecora mandante das decapitações sauditas
O ministro do Interior e príncipe herdeiro saudita, Mohammed ben Nayef, foi agraciado pelo presidente francês com a Legião de Honra, máxima condecoração atribuída no Hexágono. Os partidos tradicionais calam-se - e só a Frente Nacional, de extrema-direita, protesta (RTP). O poder corrompedor do dinheiro.

Bélgica: polícia silencia professor que comentou que seus alunos muçulmanos estavam comemorando os atentados em Bruxelas 
Estudantes muçulmanos celebram os ataques de Bruxelas e o professor comenta sobre o ocorrido em sua conta no twitter. O que acontece? Três horas depois, a polícia pede para que o professor pare de comentar sobre o assunto. A Europa está se tornando a terra dos absurdos, a cada dia que se passa. E olha que ele não fez crítica alguma, apenas relatou o fato. (RedStateWatcher)

Alemanha: 500 mil refugiados sumiram!
Conclusão é baseada em cruzamento de informações (New Observer).

Alemanha: crescimento do Salafismo preocupa Inteligência
Relatório Anual da Agência de Inteligência da Alemanha, BfV, descreveu o salafismo como o "movimento islamista mais dinâmico da Alemanha". O Relatório acrescenta: "A Natureza absolutista do salafismo contradiz com a ordem constitucional alemã. Especificamente, o salafismo rejeita os princípios democráticos de separação do Estado da Religião, soberania popular, liberdade religiosa e sexual, igualdade de género e o direito fundamentais da integridade física."
"Os salafistas querem estabelecer um estado islâmico na Alemanha". (Gatestone)

Suécia: equipe de TV australiana é agredida em um gueto islâmico
Equipe do programa "60 Minutos" foi fazer reportagem sobre a imigração em Rinkeby, subúrbio de Estocolmo. Os jornalistas foram agredidos com socos e pontapés, sendo obrigados a fugir do local
(Speiza). Quem manda aqui sou eu, infiél.

Suécia: mulheres tiram "sefies" usando hijab após ataques em Bruxelas 
Elas desejam mostar "solidariedade ao islão." Para os jihadistas isso é uma indicação de que o que eles estão fazendo está funcionando, e as mulheres desejam se tornar muçulmanas (Tiao Cazeiro).

Fronteira Macedonia-Grécia: "refugiados" tentar entrar à força, aos gritos de Allahu Akbar
Homens, fortes, que podiam estar lutando contra o Estado Islâmico. Contudo, eles mostram toda a sua ira contra os guardas fronteiriços da Macedonia, que estão fazendo o seu papel ao impedir que extrangeiros sem documentação entrem no seu país.
OK

Suíça rejeita expulsão de estrangeiros que cometam crimes
O povo suiço deu um tiro no pé. (Folha)

Canadá: prefeitura comemora "Dia do Hijab"
Multiculturalismo cego e apoio ao proselitismo islâmico. "A aceitação do governo de um Dia da Solidariedade da Hijab de Ottawa equivale à aceitação de um sistema jurídico radical completamente contrário aos valores democráticos do Canadá além de desrespeitar os limites que separam igreja e estado. Endossar a hijab é endossar o primeiro passo de uma ideologia extremista que conduz e avaliza assassinatos em nome da honra, mutilação genital feminina (MGF) e a opressão das mulheres." (Gatestone Institute). Estamos esperando pelo "dia do crucifixo" ou o "dia do quipá."

Grã-Bretanha: zonas proibidas ("no-go zones")
Segundo a polícia “existem áreas muçulmanas em Preston onde para entrarmos nós precisamos pedir a permissão dos líderes da comunidade muçulmana local." (Mail online)

Grã-Bretanha: escola muçulmana proíbe meninas de jogar tenis
O balanço dos seios estava incomodando os instrutores. O pior é que a escola foi premiada por uma associação de tenis com 5 mil libras (Birmingham Mail).

Grã-Bretanha: patriotas e entreguistas se encontram nas ruas
De um lado, o Britain First, grupo de militantes nativos ingleses, cristãos, contra a islamização da Inglaterra e contra a "jihad de imigração" dos rapefugees, portando numerosas bandeiras da Inglaterra e protestando pacificamente e com a face à mostra. De outro lado, militantes pró-islamização e "pró-jihad da imigração",  em sua maioria membros do Partido dos Trabalhadores da Inglaterra e de ONGs financiadas por partidos políticos da esquerda como a "Socialist Workers", sem nenhuma bandeira do seu país e agredindo os policiais que faziam o seu trabalho, com um lenço palestino escondendo suas faces (suas identidades). E os militantes pró-islamização e "pró-jihad da imigração", gritam que os militantes do Britain First são "islamofóbicos", "fascistas", "racistas". Mas espere, qual grupo mostra comportamento fascista no vídeo?
ok

Britain First, fez uma caminhada da "patrulha cristã" pelas "NO GO ZONES" da Inglaterra, veja a violência da comunidade muçulmana simplesmente porque cristãos nativos ingleses andavam pelas ruas do seu próprio país. Os muçulmanos pode ter a "patrulha Sharia" nas ruas inglesas, mas os nativos ingleses não podem fazer a "patrulha cristã"?
ok

Europa estuda conceder viagem sem visto para turcos
Enquanto que a Turquia recebeu quase 3 bilhões de Euros para estancar o movimento migratório que passa pelo seu território, a União Européia planeja retirar a necessidade de visto para os turcos entrarem na Europa. Um político alemão, Johannes Singhammer, alertou que isso irá provocar um influxo de turcos, notadamente para a Alemanha. (Express)

EUA: muçulmana pede que muçulmanos se revoltem
A muçulmana Khalilah Sabra, que faz parte da "Sociedade Americana dos Muçulmanos (Muslim American Society)" convocou os muçulmanos presentes a um evento para realizarem uma segunda revolução por todo os EUA. "Basicamente vocês são as novas pessoas negras da América" e "Nós somos a comunidade que organizou uma revolução por todo o mundo. Se nós podemos fazer isso, porque não podemos ter essa revolução na América?" O evento foi realizado em dezembro de 2015 (fonte)

Jordânia: Rei Abdullah acusa Turquia de enviar jihadistas para a Europa
Segundo ele, a crise dos refugiados seria uma parte da estratégia política  do presidente turco  Recep Tayyip Erdogan para infiltrar  grande número de terroristas muçulmanos  na Europa. Disse ainda não haver mais dúvidas no mundo árabe, de que as milícias terroristas do Estado Islâmico recebem ajuda do chefe turco para a exportação de petróleo, bem como o acobertamento de seus crimes (Wildleaks, MEY).

Portugal: "mesquitas que pregam ódio devem ser fechadas"
Não vai sobrar nenhuma! Miguel Souza Tavares continuou "Estamos a chegar a um ponto em que, desgraçadamente, teremos de concluir que o mal está no Islão. O mal está no uso que deram ao Islão. O Corão farta-se de pregar a violência. É um texto profundamente agressivo e punitivo" (Portugal Glorioso).


Bélgica: Jihad pela causa de Alá em Bruxelas
Leia detalhes no link.

Rússia: muçulmana degola criança de 4 anos da qual era a babá
A muçulmana não apenas degolou uma criança de 4 anos, mas ela ainda saiu mostrando a cabeça degolada na rua, com orgulho, o fruto do seu louvor a Alá, gritando o infame "Allahu Akbar" e com o dedo indicador levantado.
1. Seu nome é Gulchekhra Bobokulova, tem 38 anos, e é orginal do Uzbequitão, um pais de maioria muçulmana. Divorciada, é mãe de 3 filhos (pergunta: porque ela não degolou os seus filhos?)
2. Ela disse que Alá mandou ela degolar a criança (considerando o caráter de Alá, eu acredito nela)
3. Ela esta namorando um outro muçulmano, que agora está sendo procurado como cúmplice.
4. Ao aparecer perante a Juíza, ela mostrou desprezo e mostrava-se sem remorso.
5. A mãe da criança degolada sofreu um colapso ao receber a notícia e está no hospital. (Yahoo, Express



Espanha apreende 20 mil uniformes e equipamentos do ISIS 
Vinte mil uniformes e equipamentos do Estado Islâmico e do grupo Al Nusra foram encontrados em containeres. Eles eram declarados como "roupa usada." Segundo as forças de segurança, a quantidade do material apreendido é suficiente para suprir um exército.  (CNN)

Jihad Islâmica na Costa do Marfim
Os soldados de Alá chegaram de barco, desembarcaram na praia, e começaram a chacina. Total de mortos: 16. Testemunha viu um homem armado, barba, língua árabe abordar duas crianças na praia. Uma das crianças se ajoelhou em oração islâmica, enquanto que o outro não fez e foi assassinado." O menino cristão foi baleado e morto bem diante dos meus olhos", disse a testemunha. (Al Jazira)

Canadá: esfaqueador disse "Alá me falou para eu fazer isso"
Foi a justificativa apresentada por Ayanle Hassan Ali por ter esfaqueado dois soldados canadenses em Toronto (National Post).

Nigéria: mulheres-bomba se explodem em mesquita matando 24
As fiéis seguidoras de Alá se fizeram passar por homens. Uma se explodiu dentro da mesquita. A outra se explodiu do lado de fora quando as pessoas fugiam (Correio).

Paris, França: nova jihad evitada
A polícia apreendeu célula jihadista que estava próxima a promover jihad pela causa de Alá (matando e ferindo inocentes) (Daily Mail)

Estado Islâmico treina 400 jihadistas para atacar a Europa
Eles se usam do território conquistado na Síria e Iraque, e a relativa paz que os EUA de Obama os oferece, para treinarem (Al Arabyia).

Turquia: bomba na Istiklal Caddesi, Istanbul, mata 5 e fere 36
A Avenida Istiklal é muito popular entre turistas e cidadãos locais. O homem-bomba tinha ligações com o Estado Islâmico (Guardian).

Iraque: homem-bomba se explode em estádio, matando 29 
e ferindo 60. Jihadista do Estado Islâmico se explodiu na cidade de Iskanderiya (Alexandria), ao sul de Bagdá, região predominantemente xiíta (CBC).


Jihad, Tipos de Jihad

Jihad Cultural

Exército sírio reconquista Palmira
Apenas agora iremos saber o quanto da História os jihadistas amantes de Alá destruiram (BBC).  

Jihad da Vitimização 

Grã-Bretanha: imã morto pelos próprios muçulmanos
O imã Jalal Uddin foi assassinado e os muçulmanos logo gritaram que foi um "crime de ódio." Na verdade, o imã foi morto por muçulmanos. Ele alertava as crianças muçulmanas contra o Estado Islâmico. Ele foi morto por adeptos do mesmo (Manchester).

Jihad Stealth – financeira, cultural, (para montar)




Turquia: intelectual criticou Maomé, agora apodrece na cadeia
Sevan Nisanyan (60), um intelectual turco proeminente de origem armênia, foi condenado a uma pena de prisão acumulada de 16 anos e 7 meses depois que ele cometeu o erro fatal de usar a língua zombeteira sobre Maomé, o profeta do Islã, em uma entrada de blog em setembro 2012. Ele foi mantido em uma prisão turca de segurança máxima desde 2 de janeiro de 2014. Ele não será elegível para liberdade condicional até 2024. (blog)

Enquanto que os países ocidentais, cegos pelo multiculturalismo e pela ilusão de que "se formos bonzinhos eles não irão nos matar" permitem que o islão se instale, nos países islâmicos as expressões de diversidade são destruídas. Em breve, o mesmo irá acontecer nos países Ocidentais, que se tornarão islâmicos, se os patriotas não retomarem as rédeas políticas enquanto existe tempo.


Raheel Raza discute o percentual de muçulmanos pró-Sharia ao redor do mundo e seu efeito na demografia 
Raheel Raza é uma muçulmana, ativista de Direitos Humanos.
https://youtu.be/VySgb9ecl0I OK 


Perseguição Cristãos

Expulsão e genocídio dos gregos da Anatólia (atual Turquia)
Em 1922, as mulheres gregas, crianças e idosos de Bagarasi (Grk: Μπαγαράσι) no oeste da Ásia Menor foram deportados. Eles foram deportados em primeiro lugar, Konya (600 km de distância), em seguida, para Nigde (a mais 250 km). Ao longo do caminho, os turcos estavam usando cativos gregos para bater nos deportados. Foi o insulto final. Gregos surrando e matando gregos. Marianthi Karamousa começou a deportação com 9 dos seus filhos. Apenas 3 sobreviveram. Seu testemunho: "Um cristão batendo em um cristão. Isto é o que os cães (os turcos) estavam fazendo a nós. Nós não eram humanos. Eramos nada para eles!" Sua história pode ser lida neste link.

Bangladesh: islão deixar de ser religião oficial?
Suprema Corte de está considerando abandonar o islão como religião oficial do país em virtude da onda de crime e terroristmo que assola o país. Sinceramente, eu acho isso muito difícil de acontecer. Vamos acompanhar. (Daily Mail)

Paquistão: um milhão no enterro do assassino do governador que defendia cristãos
Salmaan Taseer era o governador de Punjab, e defendia a igualdade de todos os paquistaneses perante a lei, inclusive dos cristãos. Devido a isso, o seu guarda-costa, Malik Muntaz Qadri, o assassinou, em janeiro de 2011.  Muntaz Qadri foi apoiado pelo partido religioso islâmico Sunni Tehreek. Esta semana, Muntaz Qadri foi enforcado pelo governo do Paquistão. O enterro de Muntaz Qadri foi presenciado por um milhão de pessoas, uma indicação do apoio popular ao assassino. O líder islâmico disse para a multidão que "vocês são os seus herdeiros." (Gateway)

Para milhões de paquistaneses, o assassino de um governador que defendia os cristãos é um herói

Governo dos EUA declara que Estado Islâmico pratica "genocídio" contra cristãos"
Após muita pressão por parte do Congresso e de grupos civis, o governo Obama deixou de se esquivar do assunto, e declarou que existe de fato um genocídio sendo executado contra os cristãos, e os iázides (UOL; Globe and Mail). 

Paquistão: "mártir muçulmano" mata 65 e fere 340 cristãos celebrando a Páscoa
Ele se explodiu em um parque público em Lahore, que estava apinhado de cristãos celebrando a Páscoa. A maioria das vítimas são mulheres e crianças. O mártir islâmico morre matando pela causa de Alá (O GloboCTV News). Tão covarde quanto Maomé, que atacava as aldeias árabes à traição.

Irã condena 18 cristãos a prisão por sua fé em nova onda de perseguição sobre o cristianismo
"As acusações incluem evangelismo, propaganda contra o regime, e criação de igrejas domésticas para praticarem sua fé", com penas de prisão até 24 anos. (Christian Post)

Iêmen: freiras que ajudavam muçulmanos idosos são mortas por serem cristãs
Estas 4 freiras mantinham um lar para idosos no Iêmen, servindo 80 anciãos muçulmanos. Elas eram ajudadas por outros cristãos leigos da Etiópia. As freiras, e os voluntários, foram assassinados há poucos dias por jihadistas, que pensam que matando os cristãos, ou qualquer um que eles considerem como incrédulos, eles estão adorando a Deus (Alá). No total, 16 mortos. Os idosos, agora, estão desamparados (CNA). As feiras eram Missionárias da Caridade.

Iêmen: Padre indiano foi crucificado
O Padre Tom Uzhunnallil, natural da Índia, trabalhava com a freiras que foram mortas (notícia acima). Ele foi sequestrado durante o ataque e foi crucificado na sexta-feira santa pelos jihadistas do Estado Islâmico (Telegraph). PS. Notícias recentes são contraditórias. Ainda existe esperança que ele possa estar vivo.


Uruguai: Muçulmano gritando "Allahu akbar" apunhala judeu até a morte
David Fremd, empresário local de 54 anos, foi apunhalado e morto na cidade de Paysandu. Um dos seus três filhos também foi ferido no ataque. (Times of Israel)


Dubai: "Estado Palestino independente seria outro estado árabe falido"
Chefe do Serviço de Segurança de Dubai, Tenente-General Dahi Tamim, disse que os palestinos deveriam abandonar a aspiração por um estado independente e juntarem-se a Israel (JPost). 
                                                                         


EUA: jurou lealdade aos EUA meses antes de matar infiéis durante a Maratona de Bostom  
O marginal que aparece na foto é Tamerlan Tsarnaev, um dos jihadistas que explodiu uma bomba durante a maratona de Boston. A notícia dis que ele passou no teste de cidadania e negou ter ligações com terrorismo apenas alguns meses antes de detonar a bomba com o seu irmão. Muçulmanos têm lealdade apenas para o islão.  (Fox News)


Grã-Bretanha: cheiro de bacon ofende muçulmanos
Os vizinhos de uma lanchonete na cidade de Manchester reclamaram que o cheiro do bacon estava-os incomodando, e que amigos não os visitavam mais. Todos muçulmanos. A cidade mandou o dono, um turco (e também muçulmano) a retirar o exaustor (Telegraph).

Grã-Bretanha: muçulmano que desejou Feliz Páscoa foi assassinado por outro muçulmano
Asad Shah, de 40 anos, dono de uma loja de bairro, em Glasgow, fez um vídeo desejando "Feliz Páscoa para o meu querido país cristão." Por isso, ele foi esfaqueado por um outro muçulmano. (Mirror, O Globo). A polícia afirmou que o assassino viajou 200 quilometros para poder assassinar Asad (Mirror).

Alemanha: imigrante mata imigrante que o ajuda
Professor de matemática do ensino médio da cidade de Celle, na Alemanha, Mehdi Hushmand, de 55 anos e vindo do Irã, decide adotar a política de portas abertas que o governo vem promovendo e acaba permitindo que um muçulmano refugiado afegão viva em sua residência. Mas o que acontece logo depois? Ele acaba sendo assassinado por esse mesmo afegão, tudo por causa de um desentendimento. E para variar, o viés do professor morto era de esquerda. (fonte)