domingo, 17 de abril de 2016

Papa Francisco adota 12 muçulmanos (e se esquece do genocídio dos cristãos)


Eu não quero criticar o papado. Eu respeito a figura do Papa. Mas acho que o señor Bergoglio, no afã de dar bom exemplo, está cometendo alguns erros.

O Papa Francisco foi até a Ilha de Lesbos, que é o reduto escolhido pelos contrabandistas de pessoas que levam "refugiados sírios" através da Turquia. O Papa fez ações totalmente cobertas pela grande imprensa internacional. Acompanhado pelo Patricarca Ortodoxo Grego e pelo Primeiro-Ministro da Grécia, ele visitou refugiados (muçulmanos) e apertou a mão de tantos quanto fosse possível (BBC).

Papa Francisco, Alexis Tsipras e Patriarca Bartolomeu

Ao final do dia, ele adotou 3 famílias, um total de 12 muçulmanos (12 apóstolos?) e os levou para morarem no Vaticano, com tudo pago. Sendo todos muçulmanos, e considerando que o Papa não gosta que se converta os outros, é possível que as 5 orações diárias islâmicas sejam rezadas no Vaticano (tornando-o em uma espécie de mesquita). (Washington Post)

Papa recebe 12 muçulmanos, que serão mantidos pelo Vaticano, no aeroporto Ciampino, de Roma

O Papa Francisco havia, anos atrás, visitado a Ilha de Lampedusa, local para onde os "refugiados" africanos se aglomeram. Na oportunidade, ele denunciou a "globalização da indiferença" (Guardian).

Enquanto que é difícil saber a reação destas visitas do Papa, em geral, junto aos muçulmanos, o que a se sabe a partir da Sharia é que ações que para nós são símbolos de tolerância, para o islão elas são sinais de fraqueza, e mostra da superioridade do islamismo sobre o cristianismo.

Fica aqui um desafio para o Papa Francisco. Por favor, visite os acampamentos dos cristãos e iázides no território autônomo do Curdistão. Tanto os cristãos quanto os iázides foram expulsos, mortos, escravizados, ou submetidos ao pagamento da jizya, por serem káfirs, como os muçulmanos chamam os infiéis não muçulmanos. Os sunitas, a quem o Papa acabou de acolher 12 no Vaticano, não são perseguidos. Eles são vítimas de conflito armado, mas as partes beligerantes não os têm como alvo por serem muçulmanos.

E, ao ir até lá, aproveite e adote 12 cristãos para viverem no Vaticano.

Papa, denuncie a "globalização da indiferença" pela qual os cristãos são submetidos (alguém se lembra da Asia Bibi?).

Papa Francisco, a impressão que me dá é que existe discriminação contra os cristãos da sua parte.

As figuras abaixo ilustram o nível de perseguição pelos quais os cristãos são submetidos pelo islão.

Meninas cristãs armênias crucificadas durante o Genocído Armênio

Cristão crucificado no Iêmen

Cristãos crucificados na Síria

Cristãos, que vivem sob condições precárias no Curdistão, aguardam que o 
Papa Francisco denuncie a sua situação ao mundo. 
Como será que eles sentem ao saberem que o Papa apenas alardeia para o mundo o 
dever de se proteger aqueles que os perseguem (muçulmanos sunitas)?


Atualização em 19 de abril

Um vídeo sobre a visita do Papa a Lesbos mostra que existiam cristãos e iázides no meio dos refugiados. Mas eles foram preteridos na escolha do papa.

Cristãos paquistaneses

Iázides pedem por socorro e mencionam o genocídio contra o seu povo



5 comentários:

Mib disse...

Seria interessante também, em retribuição a atitude generosa do papa, que os líderes mulçumanos da Arábia Saudita adotassem 12 cristãos, que vivem nas zonas de conflitos, para viver dignamente em Meca.

Edu disse...

Totalmente absurdas as posições infames deste Papa, sou católico e fico envergonhado com as atitudes infames deste apóstata. Me solidariso com todos os povos e raças vitimas destes animais jrracionais.

Sheo Shipper disse...

Sinto incomodada com os muçulmanos mais tradicionais aq no Brasil me incomoda ver as mulheres todas cobertas e os homens ñ alem da liberdade e namoro

Anônimo disse...

Os muçulmanos já devem ter até adotado cristãos... Como escravos...

Oliveira da Figueira disse...

Divulgando mais este excelente post.