domingo, 15 de maio de 2016

Livro "O Impacto do Islamismo" e a sua real contribuição para a Europa: guerra santa e tráfico de escravos



Emmet Scott é um historiador especializado na história antiga do Oriente Médio, e autor de ensaios, artigos e livros, dentre eles o excelente livro Mohammed and Charlemagne Revisited: The History of a Controversy (Maomé e Carlos Magno Revisitados: A História de uma Controvérsia), publicado em 2012.

Em 2014, o seu novo livro The Impact of Islam (O Impacto do Islã) foi publicado pela New English Review Press (ISBN 978-0-9884778-8-9).

Este livro trata do impacto que o islamismo teve sobre a Europa, e mostra que as maiores contribuições do Islã para a Europa foram negativas, a saber: guerra santa e tráfico de escravos.

O que segue abaixo é a descrição do livro oriunda do site Amazon.


De acordo com Bernard Lewis, o decano de estudos do Oriente Médio da Universidade de Princeton, durante "a maior parte" da Idade Média, "os principais centros da civilização e do progresso não foram as culturas mais antigas do Oriente, nem as culturas mais recentes do Ocidente, mas o mundo do islâmico no meio. Foi lá que as ciências antigas foram recuperadas e desenvolvidas e novas ciências criadas; onde novas indústrias nasceram e fabricação e comércio expandiu-se para um nível acima do anterior." (Bernard Lewis, o que deu errado? (2002), p. 156)

Os comentários de Lewis podem ser considerado como bastante representativo do pensamento acadêmico contemporâneo. Na verdade, o mundo civilizado e progressista do islamismo medieval é muitas vezes comparado favoravelmente sobre o do cristianismo medieval, que é quase universalmente visto como atrasado e intransigente com superstição. No entanto, é duvidoso que em qualquer outro campo de estudo uma opinião tão diametralmente oposta à verdade jamais tenha conquistado uma exposição tão ampla.

No alvorecer do século X, a maior parte da Europa era um remanso rural. Todas as terras a leste do Rio Elba (e quase todas a leste do Reno) eram terrenos baldios infestados de bárbaros sem vestígios da civilização alfabetizada. Os territórios para o oeste, na Gália e Grã-Bretanha, e mesmo na Itália, não eram muito melhores. No entanto, por volta de 1492, quando Colombo partiu em sua grande viagem de descoberta, a Europa estava a ponto de dominar o mundo. O continente, do Atlântico aos Urais, estava cheio de vilas e cidades construídas, em parte, de pedra e tijolo, com dezenas de universidades e uma economia próspera. Toda a Europa era atravessada por estradas que transmitiam uma panóplia de riqueza e produtos de uma região para outra. Livros estavam por toda parte, e a alfabetização era extremamente comum, mesmo entre os relativamente pobres.

No mundo islâmico, vemos o mesmo processo no sentido inverso. A Casa do Islã começou o século X como, possivelmente, a mais esplêndida civilização na Terra naquele momento. Ela possuía grandes cidades como Bagdá, Samarra, Damasco e Alexandria, algumas das quais tinham cerca de 500.000 almas. Sua civilização, na época, estava impregnada com o espírito da Pérsia Sassânida e da Síria e Egito Bizantinos, cuja riqueza, ensinamentos e população havia herdado. No entanto, cinco séculos depois, toda a região era uma relíquia em declínio, e, em alguns lugares, um terreno baldio. O contraste com a Europa não poderia ser maior.

Em seu novo livro The Impact of Islam (O Impacto do Islamismo), o historiador Emmet Scott explora a origem do mito do "Islã progressista", e chega a algumas conclusões surpreendentes: foi o cristianismo, ele conclui, e não o Islã, quem civilizou a Europa bárbara entre os séculos X e XI .

O que o Islã deixou de herança para a Europa nesta época foi a guerra, a pirataria, e um reavivamento enorme do tráfico de escravos - em uma época quando o cristianismo estava quase exterminando-o por completo. Pior ainda, pelo seu exemplo, os muçulmanos parecem ter influenciado o crescimento na Europa de várias ideias tóxicas entre os séculos XI e XIV, idéias que viriam a ter consequências de longo alcance. Entre elas, estavam o conceito de "guerra santa" (totalmente alheio ao cristianismo), o uso da violência para suprimir a dissidência religiosa, o uso judicial da tortura e da aceitabilidade da violência contra os judeus. Todas essas coisas foram encontradas no Islã antes que elas fossem encontrados no cristianismo.

Além disso, Scott considera que as conquistas turcas na Europa a partir do século XIV atrofiaram severamente o desenvolvimento dessas regiões, e que o exemplo do comércio de escravos praticado pelos turcos-otomanos, que era enorme, com toda a probabilidade inspirou os espanhóis e português a iniciarem o comércio atlântico de escravos durante o século XVI.



Um comentário:

Anônimo disse...

Talvez esteja explicado. Não concordei no princípio com um video em que um ex-muçulmano disse que se conhece a árvore pelos frutos, se referindo à violencia praticada por muçulmanos. Mas e a inquisição? O que tem a ver com Cristo? Então quer dizer que a inquisição é um sincretismo do cristianismo com o islamismo. Agora faz sentido.