domingo, 22 de maio de 2016

Muçulmanos caminham para sua destruição


Esta é uma versão em português do discurso de Klára Samková, advogada, jornalista e ativista tcheca, durante o Simpósio Devemos Ter Medo do Islã? ocorrido no parlamento da República Tcheca, em Praga, em 18 de maio. Os embaixadores dos países muçulmanos, entre eles, Turquia e Egito, deixaram o plenário durante o discurso. 
No seu discurso, a advogada diz, em claro e bom som, que o islão é uma ideologia totalitária e que a Europa precisa declarar a própria existência do Islã como um acto criminoso que contradiz a naturalidade humana, liberdade e especialmente a dignidade humana. 
Eu fiz esta tradução baseada na versão para o inglês do original em tcheco feita por Lubos Motl
Klára Samková, Devemos Ter Medo do Islã?

A conferência de hoje tem por objetivo ajudar a responder à pergunta se devemos ter medo do Islã. Minha resposta para a pergunta é simples: nós definitivamente não devemos ter medo do Islã. Devemos lidar com o islã da mesma maneira em que a civilização européia tem lidado com todos os regimes totalitários e desumanos que teve de enfrentar durante mais de 2.000 anos de sua história. Em particular, devemos lutar contra o Islã, vencê-lo, e evitar a sua proliferação uma vez por todas, e, assim como no caso das ideologias monstruosas anteriores, declarar a própria existência do Islã como um acto criminoso que contradiz a naturalidade humana, liberdade e especialmente a dignidade humana.

Porque isso é exatamente o que o Islã é, ou seja, um sistema que contradiz a naturalidade, liberdade e dignidade humama.

É o mesmo que o nazismo, o fascismo e o comunismo costumava ser. Ele tem essas características, apesar de seu esconderijo atrás da máscara de uma religião. Na realidade, é principalmente uma ideologia criminosa (tanto no sentido de cometer um crime como por ser controlada por criminosos) e um sistema irreformável de governança.

O Islã está se escondendo atrás da máscara da religião por duas razões. Um deles são as circunstâncias históricas que cercam o nascimento do Islã, quando apenas uma religião era uma forma permitida de uma apresentação ideológica. Mesmo na Grécia antiga, era proibido construir construções filosóficas que fossem independentes da religião do Estado, fato que Sócrates poderia nos dizer muito sobre. Foi ainda menos possível criar um paradigma composto de ideias sem religião no século VII dC, no mesmo limite do mundo civilizado da época.

A segunda razão pela qual o Islã gosta de se esconder por trás da máscara religiosa é seu abuso permanente, deliberado e intencional do sistema legal euro-americano e dos valores para os quais as civilizações construídas sobre as bases judaico-cristãos têm convergido. Não há nada melhor ou mais eficiente do que abusar do sistema de valor de um inimigo, especialmente quando não se compartilha com esse sistema. E isso é exatamente como o Islã se comporta. Quer ser protegido de acordo com nossa tradição, que ele explora, desta forma, enquanto ele não está disposto a se comportar de forma recíproca. Ele se baseia em nossas tradições, alega que as tradições são importantes, enquanto nos bastidores, ele está rindo de nós e nosso sistema de valores.

Vamos primeiro ver porque é totalmente adequado colocar o Islã a par com os regimes totalitários. Mesmo se chamando uma religião, é principalmente um sistema totalitário de governo em que só Deus desempenha um papel substitutivo porque o conteúdo principal do Islã é nada mais do que o arranjo das questões de Estado. Em oposição ao cristianismo, o hinduísmo, o budismo, o taoísmo, ou o xintoísmo, o coração do Islã é a lei, ou seja, a lei islâmica Sharia. A lei é uma parte intrínseca e inseparável da ideologia islâmica. Ela constitui o núcleo do conteúdo do Islã enquanto as regras alegadamente religiosas ou éticas são componentes apenas secundárias e marginais da ideologia. Do ponto de vista do Islã, o conceito de religião como um assunto privado, íntimo de um indivíduo é absolutamente inaceitável. No entanto, isso é exatamente o princípio sobre o qual o cristianismo de hoje e as civilizações derivadas dela dependem. É a relação privada de um indivíduo para com Deus, que é mais ou menos mediado por uma das igrejas. Até mesmo os membros do nosso reino da nossa civilização que se  consideram ateus, ou seja, aqueles que  dizem não crer em Deus, automaticamente extraem suas atitudes para com a vida das tradições cristãs, enquanto estas tradições assumiram uma forma qualquer de folclore ou automatismos culturais que fazem eles compartilhar o espírito geral aceito na Europa e nas duas Américas. Mais uma vez, é preciso lembrar que este ponto de vista não só é inaceitável para o Islã, mas também é denunciado e explicitamente nomeado como um crime. O Islão rejeita a concepção individual de fé em Deus e, de uma forma totalitária, proíbe todas as dúvidas sobre si mesmo. Se alguém pensa que não temos o direito de julgar o que é totalitarismo e hegemonia, e que não temos o direito de classificar o islã, desta forma, deixe-me dizer que, em um país que teve governantes estrangeiros por 300 anos, e passou 48 anos dos 78 anos recentes sob regimes totalitários, nossas antenas foram treinadas para o reconhecimento de padrões muito bem e fez-nos capazes de reconhecer o totalitarismo imediatamente. Temos o direito e a capacidade de identificá-lo e julgá-lo.

O Islã não compartilha a idéia do Iluminismo, do progresso social associado com o futuro. De acordo com o Islã, os bons tempos já tiveram lugar - na era do Profeta Maomé. As melhores coisas que poderiam ter sido feitas já foram feitas, a melhor coisa que poderia ter sido escrita já foi escrita, ou seja, o Alcorão. Em sua essência, o Islã é uma religião baseada no livro de Eclesiastes que foi dito um milênio inteiro antes do Profeta Maomé:
O que as pessoas ganham a partir de todos os seus labores em que labutam sob o sol? Gerações vêm e gerações vão, mas a terra permanece para sempre.
Judaísmo, cristianismo e a civilização que surgiu a partir deles ultrapassaram esse ceticismo injustificável, este desprezo das pessoas para sí. No mesmo momento, o Islã permaneceu um natimorto da gnose, deformado em um desejo monstruosamente mutado para se misturar com o universo mais uma vez, em uma visão paranóica obsessivamente psicopata retardada sobre a natureza excepcional do próprio caminho para a reunificação da essência de um devoto com Deus. Esta concepção defeituosa também dá origem à idéia de penetrar todo o Islã sobre a identificação da matéria com o mal e o desprezo pela nossa civilização, que é considerada materialista e, portanto, intrinsecamente mau e chocando-se com Deus. É uma verdadeira tragédia para os próprios muçulmanos que eternamente fecharam a sua jornada para Deus, prosseguindo neste beco sem saída.

Depressão, morte, a ausência de fé no ser humano e seu valor insubstituível, ceticismo em relação a dignidade de cada ser humano, independentemente de suas características, tais como religião, condição social, sexo e nacionalidade, isso é o que caracteriza o Islã. O Islã rejeitou a filosofia como a conhecemos, como uma possibilidade de uma visão crítica e racional sobre a natureza da realidade. Esta atitude também está impedindo os muçulmanos de refletirem sobre as perguntas sobre a liberdade humana, a dignidade, o papel de uma pessoa e do estado, e - paradoxalmente - também as perguntas sobre Deus, que tornou-se, no contexto da civilização euro-americana, uma componente inerente dos esquemas de pensamento perseguidos pelos melhores cientistas - astrofísicos, matemáticos, biólogos, que estão tocando os próprios fundamentos do Universo e, portanto, a essência de Deus,, com suas pesquisas. No entanto, os muçulmanos são sempre proibidos de ganhar qualquer contacto directo com Deus, perdido no momento da morte do Profeta Maomé. Quão imensamente desesperada a sua vida deve ser quando é essencialmente apenas a espera para a morte.

Graças a esta paralisia total do espaço-tempo do Islã, as nações que sofrem da ideologia muçulmana são as mais devastadas. Exatamente essas nações são desprezadas pelas condições quasi-religiosas lamentáveis ​​e seu potencial que lhes foi dado a todos os seres humanos não podem ser transformados em realizações ainda que consciente ou inconscientemente longa para eles. Assim como os russos foram as mais miseráveis ​​vítimas do comunismo, porque o comunismo total de nasceu na Rússia, assim como as primeiras vítimas do nazismo alemão foram os alemães, as pessoas mais devastadas pelo Islã são os árabes e outras nações forçadas a viver sob a hegemonia do Islã. Eu uso este espaço para expressar a minha mais profunda compaixão com estes povos e especialmente com as mulheres muçulmanas que sofrem mais do que outras.

Para os muçulmanos, o caminho para a ruína é o único, porque a eles são negados até mesmo a essência da naturalidade humana, ou seja, a evolução. O Islã não respeita o desenvolvimento, progresso e humanidade. Em seu desespero, ele está tentando levar o resto da humanidade com ele, porque do ponto de vista islâmico, o resto do mundo é fútil, inútil e impuro.

O Islã e sua legislação Sharia é incompatível com os princípios do direito europeu, especialmente com os direitos enumerados na Convenção Europeia de 1950 sobre os Direitos Humanos (e Liberdades). Como é possível que os nossos especialistas em direito não vejam este conflito? Como é possível que eles permaneçam em silêncio? Como é possível que possam aprovar todos os pedidos dos muçulmanos que se referem ao artigo 9º da referida Convenção, que garante a liberdade de pensamento, consciência e fé religiosa? E como é possível que os muçulmanos em nosso mundo estejam exigindo serem protegidos de acordo com este documento legal, enquanto o nosso sistema legal não parece fornecer a mesma proteção às opiniões, ideias e crenças religiosas aos que não concordam com o Islã? Será que os nossos advogados só são capazes de contar até quatorze quando o artigo 14 da Convenção diz que o uso dos direitos e liberdades descrito pela Convenção deve ser garantido sem discriminação com base em qualquer critério? Deixe-me assegurar a todos que podemos contar, pelo menos, a dezessete porque o artigo 17 da Carta diz:
Nada na presente Convenção pode ser interpretada como o reconhecimento a qualquer Estado, agrupamento ou indivíduo, o direito de exercer qualquer atividade ou praticar qualquer ato destinado à destruição de quaisquer dos direitos e liberdades aqui estabelecidos ou as suas limitações, em maior medida do que está prevista na Convenção.
Este artigo foi introduzido na Convenção, pessoalmente, por Winston Churchill, que fez isso por uma razão especial, ou seja, como uma proteção contra os regimes totalitários. Ele estava obviamente pensando nos mais relevantes da época, os regimes comunistas. Eu tenho o Islã em mente já que ele é igualmente totalitário e ameaçador como os regimes que Winston Churchill estava lutando contra e que ele derrotou. A proteção do artigo 17 aplica corretamente contra qualquer ideologia e o fato de que os países europeus constrangidos pela Convenção decidiram não aplicar o artigo até agora não significa que eles não tenham a vontade de fazê-lo. Estes países são muito gentis e benevolentes, muito conscientes do preço que pagaram enquanto aprendem sobre o valor mais alto da humanidade, e muito pacientes. A suposição dos países e líderes muçulmanos, que decidiram aterrorizar os europeus com sua compreensão do mundo, que a causa da inatividade da Europa é a sua fraqueza, é totalmente falho. A Europa convergiu para a sua opinião e visão de mundo ao preço de dezenas de milhões de vítimas humanas, ela pagou com um sofrimento que nenhum muçulmano pode sequer imaginar.

Hoje em dia, a Europa continua a pedir aos muçulmanos: "Você quer viver com a gente?" Porque não o nosso medo do Islã, mas esta é a suprema questão fundamental que deve ser respondida e somente as nações muçulmanas podem dar a resposta.

Até agora, parece que os muçulmanos não querem compartilhar pacificamente o planeta com o resto  do mundo (não-muçulmano). Seus atos terroristas, declarados e cometidos em nome do Islã, estão sugerindo que eles não estão interessados ​​na fraternidade entre as nações e os povos. Eles estão gritando palavras sobre a superioridade do Islã e seu sistema legal e eles afirmam que temos o dever de subordinar-nos a eles. Nós não estamos encontrando nenhuma evidência de que os muçulmanos não se sentem seres superior relativamente a nós - os não-muçulmanos, mulheres ou homossexuais, ou qualquer outra pessoa que não respeite estritamente o Alcorão.

Por algum tempo, a Europa irá continuar a fazer esta pergunta sobre a co-existência pacífica. Em algum momento, a questão passará por uma metamorfose e ela vai soar muito diferente. A pergunta não será mais "VOCÊS QUEREM VIVER CONOSCO?" mas "VOCÊS QUEREM VIVER?" Vocês, os muçulmanos, querem sobreviver? Porque se os devotos do Islã não vão querer viver em paz, a Europa e América vão fazer o que fizeram duas vezes quando foram ameaçados por ideologias que atacavam a essência da humanidade: eles vão travar uma guerra e esmagar o inimigo. Assim como nas guerras do passado, este conflito vai incorporar algum progresso científico, técnico ou tecnológico grandioso, desta vez, sem dúvida, associados à obtenção da independência total de energia. Eu não tenho uma ideia de que maneira isso acontecerá: talvez o tokamak será concluído. Talvez vamos extrair energia a partir das flutuações quânticas de ponto zero, talvez vamos trazer um pedaço de matéria escura aqui para nos servir [LOL]. De qualquer forma, a principal consequência dos atos violentos cometidos por muçulmanos e a guerra que vai se materializar por causa deles será uma desgraça completa para a ideologia islâmica. O Islã será seguido por vários indivíduos degenerados rastejando no deserto a partir do qual o óleo desnecessário e indesejado vai fluir inutilmente para pântanos intermináveis, um grupo de indivíduos que vão se lembrar, usando suas vozes gritando, as luzes antigas nas ruas de Damasco e as belezas de Meca que se transformaram em nada mais do que um buraco para o inferno. Este grupo de indivíduos sem nome serão reclassificados como lixo pelo resto da humanidade, lixo que se desviou do caminho para Deus e que nunca poderá encontrá-lo novamente, porque eles foram conquistados por desdém para a entidade que Deus achou tão amável, ou seja, os seres humanos. Para ter certeza: todos os seres humanos e todo o planeta.

Hoje em dia, somos artificialmente alimentados com ideias de que seria a Europa que deva se sentir assustada e com medo de seu futuro, cultura, filosofia e visão do mundo. Não, é exatamente o contrário. Por seus atos maléficos, os muçulmanos fizeram os primeiros passos para a sua própria desgraça absoluta.

Eu estou usando esta reunião e apelo a todos os muçulmanos e todos os países que afirmam que o Islã é uma religião: pare com isso. Você está em um caminho errado. Você está em uma trilha que leva para longe de Deus. Você está na estrada dos assassinos. Sua morte não o levará para o Barbelo, para a terra de um Deus não criador, mas para a terra do nada e inutilidade sem nome. Nada será deixado de fora de você e o nome de sua suposta religião só será pronunciado quando as pessoas cuspirem saliva que foi misturada com a poeira da estrada das pessoas bem-sucedido, felizes e amados por Deus.

Porque é isso que está escrito no Apocalipse de João, capítulo 12, com o nome "O Inimigo conquistado":
E apareceu um grande sinal no céu; uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e sobre sua cabeça uma coroa de doze estrelas.
O casaco azul da mulher esvoaça em cada bandeira da União Europeia. A coroa de doze estrelas é encontrada em cada bandeira da União Europeia, também.

Muçulmanos, façam a pergunta quem é a serpente ou o dragão que será pisado e derrotado pela mulher. E o mais importante, não se esqueça de dar a resposta certa para a pergunta acima mencionada: Você quer viver? A resposta certa é - nesse caso, você terá que aprender a viver com a gente e (em nossos países) de acordo com nossos princípios.



6 comentários:

Luboš Motl disse...

Obrigado pela tradução, José.

Lu Thomaz disse...

Que texto maravilhoso!
Enfim, alguém com brio e coragem!
Amo essa mulher, pensei ser a única a chama-los de psicopatas?
José, grata pela tradução, pela sua página, seu face, por toda informação que nos tem dado!!

K. S.A. disse...

Belo discurso. Vi uma esperança quase utupica desta mulher, mas pelo andar da carruagem, parece que a Europa e talvez americas ñ lutem contra o islamismo, mas acabem se convertendo a esta seita de psicopatas. Que Deus nos proteja desse islam em nome de Jesus.
Obrigado Jose Atento!! Que nosso Senhor Deus o abençoe e proteja em nome de Jesus.

K. S.A. disse...

Belo discurso. Vi uma esperança quase utupica desta mulher, mas pelo andar da carruagem, parece que a Europa e talvez americas ñ lutem contra o islamismo, mas acabem se convertendo a esta seita de psicopatas. Que Deus nos proteja desse islam em nome de Jesus.
Obrigado Jose Atento!! Que nosso Senhor Deus o abençoe e proteja em nome de Jesus.

Anônimo disse...

Lindo. Pena q ainda temos q lutar muito para que essa visão predomine em nossas sociedades.

Marcela Gabriela disse...

Eu espero realmente que todos os outros continentes nao-islamicos abram os olhos! Eles estão destruindo países e culturas incríveis, que finalmente conseguiram "paz" ou estão no caminho dela. Acho que está na hora mesmo, de uma nova cruzada....Eu irei participar dela, como os meus antepassados participaram e luataram para manter a Espanha, livre desta Praga.