quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Estudioso muçulmano afirma não existir separação entre Estado e religião no islão


Estudioso muçulmano destaca as diferenças entre o islamismo e o cristianismo e condena o relativismo cultural do Ocidente que defende que todas as religiões são iguais. Segundo ele, o Islã não é simplesmente uma denominação que possa ser incluída no reino livre de uma sociedade pluralista.
O Alcorão é o discurso de Alá, e Alá é imutável e perfeito, então é assim o seu discurso. Questionar a origem divina do Alcorão, então, é questionar o próprio Alá.
No islão, Alá apenas reina de verdade onde a lei islâmica, a Sharia, é praticada como a lei da terra.
(Leia mais sobre a incompatibilidade entre democracia e o Islã clicando aqui)

Em artigo para o jornal americano LA Times entitulado From burkinis to the Koran: Why Islam isn't like other faiths (Do burquíni para o Alcorão: Por que o Islã não é como outras crenças), Shadi Hamid, um membro sênior do Brookings Institution e autor do livro Excepcionalismo Islâmico: Como a luta pelo Islão está a remodelar o mundo, afirmou que suposição ocidental de que todas as religiões são basicamente as mesmas e querem as mesmas coisas é fundamentalmente errada.

Estas diferenças, Hamid afirma, surgem a partir da visão do texto sagrado que conduzem para uma compreensão da natureza do Estado e sua relação com a religião. "Os muçulmanos acreditam que cada palavra do Alcorão vem diretamente de Alá. Se o Alcorão é o discurso de Alá, e Alá é imutável e perfeito, então é assim o seu discurso. Questionar a origem divina do Alcorão, então, é questionar o próprio Alá, e Alá não é facilmente colocado em uma caixa, longe da esfera pública."

Segundo Hamid, "ao contrário do que muitos pensam, não há equivalente cristão do conceito corânico de "infalibilidade", nem mesmo entre os evangélicos de extrema-direita."  

Hamid declara que a diferença entre o cristianismo e o islamismo sobre o Estado advém das diferenças da figura central de cada fé. Enquanto que Jesus pregou dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus, Maomé uniu fé e o Estado em sua própria pessoa.

"Ao contrário de Jesus," Hamid afirma, "Maomé foi tanto profeta quanto político. E mais do que apenas um político, ele foi um construtor de um Estado, bem como um chefe de Estado. Não foram só as funções religiosas e políticas entrelaçadas na pessoa de Maomé, elas foram feitas para ser interligadas."

"Defender a separação entre religião e política, então, é argumentar contra o próprio modelo do homem que muçulmanos mais admiram e procuram imitar", argumenta Hamid.

Devido a isso, Hamid conclui que o islão "não se presta facilmente ao liberalismo moderno", o modelo de democracia adotado pelo Ocidente judaico-cristão.

No islão, Alá apenas reina de verdade onde a lei islâmica, a Sharia, é praticada como a lei da terra.

"Eu percebo que alguns dos meus colegas muçulmanos americanos vão ver esses argumentos como inconveniente, retratando o islão de uma forma não tão positiva", escreve Hamid.

"Mas não é o meu trabalho fazer que o Islã tenha uma boa aparência, e não se ajuda a ninguém manter ficções que nos fazem sentir melhor, mas não refletem verdadeiramente o poder e relevância da religião."

As afirmações contundentes de Hamid sobre o Islã, de fato, se encaixam com o que outros estudiosos têm dito há anos, e obriga os ocidentais a olharem mais de perto a relação entre democracias liberais e uma fé que rejeita alguns dos princípios fundamentais que a tornam possível, tal como a separação entre igreja e estado.

Um caso em questão são os escritos de Joseph Ratzinger, que se tornaria Papa Bento XVI, ao refletir bastante sobre relações Igreja-Estado.

Em seu livro de 1996 Sal da Terra, Ratzinger escreveu que "a interação entre a sociedade, a política e a religião tem uma estrutura completamente diferente no Islã" do que no Ocidente. Ele chegou a dizer que muito da discussão de hoje no Ocidente sobre o Islã "pressupõe que todas as religiões têm basicamente a mesma estrutura, que todas elas se encaixam em um sistema democrático com seus regulamentos e as possibilidades oferecidas por estes regulamentos."

No entanto, isto não é consistente com os fatos, ele continuou, mas em vez disso, "contradiz a essência do Islã, que simplesmente não tem a separação da política e da esfera religiosa que o cristianismo tem tido desde o início."

Ao contrário do Cristianismo, o Islã atribui à religião um papel mais amplo, que abrange a vida política ou social, bem como o que é religioso, espiritual ou moral.

"O Islã tem uma organização total da vida que é completamente diferente da nossa; ela abraça simplesmente tudo", escreveu Ratzinger. "Há uma subordinação muito acentuada da mulher ao homem; existe uma lei criminosa muito coesa, na verdade, uma lei que regulamenta todas as áreas da vida, que se opõe às nossas idéias modernas sobre a sociedade."

A conclusão a que ele chegou foi decepcionante. Ele alertou que devemos ter uma compreensão clara de que o Islã "não é simplesmente uma denominação que possa ser incluída no reino livre de uma sociedade pluralista."

Como Hamid sugere em seu artigo do LA Times, o discurso sobre o Islã deve começar com um reconhecimento honesto sobre o que ela ensina e aquilo que os muçulmanos acreditam.

Adaptação de artigo de Thomas D. Williams, Ph.D.



Nenhum comentário: