terça-feira, 4 de outubro de 2016

O que o Brasil ganha com a introducão da ideologia xiíta oriunda do Irã, um país que segue a Sharia e é um dos mais intolerantes do mundo? Xeiques xiítas no Brasil


José Atento

Alguém pode me responder a pergunta do título? Ela está ligada a mais uma visita do xeique Hussein Khaliloo. Ele veio visitar as obras de construção de mais um centro islâmico em São Paulo, desta vez na Vila Matilde. Nesta visita, ele foi ciceroneado pelo xeique Rodrigo Jalloul (veja sua foto ao final do artigo).


Mas quem é o xeique Hussein Khaliloo? Qual a sua formação? A descrição abaixo é relativa a uma visita anterior, em 2013:
O Sheik Hussein Khalilo, um sábio do Islam Shiia Jafarya está visitando o Brasil novamente. Ele ficará por 3 meses em território brasileiro, proferindo aulas, palestras e visitando brasileiros muçulmanos. Ontem na Mesquita Muhammad Mensageiro de Deus (também conhecida como Mesquita do Brás) o Sheik Hussein já proferiu uma aula sobre a Ashura e conclamou na mesma a todos os muçulmanos a estudarem os eventos da Ashura, principalmente as mulheres. Logo após a aula, o mesmo tomou um chá com os brasileiros muçulmanos.
O Sheik Hussein Khalilo já é conhecido dos brasileiros, por ter visitado esse país a cerca de 3 meses. Khalilo é natural de Qom, Irã, e é formado na Universidade dessa mesma cidade. A Universidade de Qom é a mesma que formou líderes xiitas proeminentes, como o Aiatollah Tabatabai, e o Sayeed Hassan Nasrallah."
Então sabemos que ele tem a mesma formação que "líderes xiítas de expressão."  Vejamos Sayeed Hassan Nasrallah. (PS. Sayeed não é nome, mas uma denominação para indicar que ele é, supostamente, descendente de Hussein).

Líderes político-religiosos da República Islâmica (teocrática) do Irã: 
Aiatolá Khamenei, Aiatolá Khomeini e Aiatolá Nasrallah

Xeique Nasrallah é o secretário-geral do grupo político e paramilitar Hezbollah ("Partido de Alá"), no Líbano. Este grupo é, na prática, um apêndice do governo islâmico do Irã, que gasta 200 milhões de dólares na sua manutenção. O Hezbollah foi designado uma organização terrorista pelos Estados Unidos, União Européia e diversos outros países. O Hezbollah funciona como um "Estado dentro do Estado" e, em termos efetivos, controla o sul e o nordeste do Líbano. Nasrallah, e o Hezbollah, é virulentamente oposto a reconhecer a legitimidade de Israel, denominando o país uma "entidade cancerosa" e um "mal absoluto", cuja "aniquilação ... é uma questão definitiva." Como líder do Hezbollah, ele usa seus recursos para fomentar a violência na região, incitando, apoiando e financiando atividades terroristas, inclusive em apoio ao Hamas. A exemplo do Irã, o Hezbollah é ferrenho inimigo da civilização ocidental, representada, na sua visão tortuosa, pelos Estados Unidos.

Tropas paramilitares do Hezbollah

O Hezbollah vem atuando na América do Sul, com conexões com o tráfico de drogas, motivo pelo qual ele é referido, algumas vezes, como uma organização narco-jihadista. Por exemplo, notícias recentes dizem que Hezbollah movimenta 'toneladas de cocaína' na América do Sul, Europa para financiar operações terroristas, que redes de tráfico de drogas internacionais 'conectam o Hezbollah aos cartéis da América Latina, e especialistas dizem que os cartéis da América Latina estão pagando uma 'taxa do Hezbollah' para movimentar drogas para a Europa. Uma análise estratégica também recente diz que o Irã e o Hezbollah continuam super ativos na América Latina. Esta mesma análise menciona que as atividades do Hezbollah no Brasil e países vizinhos não podem ser ignoradas."

(como ilustração adicional, este documentário sobre a narco-jihad em espanhol)

Um lembrete que o atentado na AMIA em Buenos Aires, em 1994, que deixou 85 mortos e 151 feridos, foi feito pelo Hezbollah sob ordens do próprio Aiatolá Kamenei, hoje o líder supremo do Irã (UOL, Veja). O islão é tão lindo. 


Não estamos aqui dizendo que o xeique Khaliloo está envolvido no tráfico de drogas. Apenas afirmamos que, ao citarem Hassan Nasrallah como um "xiíta proeminente", os xiítas no Brasil mostram claramente que abraçam a mesma ideologia. Claro, a ideologia xiíta.
"Maomé é um bom apóstolo.  Aqueles que o seguem são cruéis com os não-muçulmanos mas gentis entre sí."  Alcorão 48:29
O que distingue o xiísmo do sunismo é a rixa milenar que eles têm entre sí para decidir quem deve ser o califa. No resto, eles seguem o mesmo Alcorão, o mesmo "profeta" e a mesma Sharia. De modo, que, sim, ambos são ruins e contrários aos Direitos Humanos! (Leia aqui um resumo do que não presta na lei islâmica).

A aplicação do xiísmo, em particular, é melhor representada no Irã (país de onde estes cléricos se originam ou estudam). Se você deseja saber como é o xiísmo posto em prática basta olhar para o Irã.

O Irã é um país teocrático, que persegue as minorias, sejam elas Bahá'í, cristãos, homossexuais, ex-muçulmanos, etc. E, claro, sem dizer as mulheres, cujos direitos seguem o estipulado na lei islâmica Sharia (leia sobre o direito das mulheres segundo a lei islâmica clicando aqui). O vídeo abaixo trata dos direitos das mulheres no Irã. Mais detalhes podem ser lidos no relatório Gender Inequality and Discrimination: The Case of Iranian Women.


Alguns exemplos recentes ... 

Irã se "moderniza": pena para adultério deixa de ser apedrejamento. Agora, a pena é o enforcamento (fonte).

Irã: líder supremo, Aiatolá Khamenei, emite fatwa que proíbe as mulheres de andarem de bicleta. O motivo citado é para evitar que os homens se excitem ao verem as mulheres sentadas no assento da bicicleta. A fatwa diz que mulheres andando de bicicleta "expõe a sociedade à corrupção" e é "contrária a castidade feminina" (irannewsupdate). (a verdade é que os clérigos islâmicos acham que todos os homens são pervertidos sexuais como eles são, e como Maomé foi)

No Irã, as mulheres não podem sequer assistir a um jogo de volei masculino. Uma iraniana-britânica, Gonche Ghavami, foi levada para a temida prisão de Evin e colocada em prisão solitária por ter tentado assistir a um jogo de volei masculino (independent).

Apenas semana passada, o líder supremo, Aiatolá Khamenei, declarou que o "papel e a missão" das mulheres é "maternidade e serviço de limpeza" (nrc-iran). A propósito, no Irã, as próprias leis constitucionais impedem as mulheres de trabalhar fora de casa. O artigo 1117º do Código Civil afirma: "O marido pode impedir a sua esposa de ter uma ocupação ou profissão técnica que seja incompatível com os interesses da família ou a dignidade dele ou da esposa" (iranhrdc).

Contudo, as mulheres podem ser usadas nos casamentos temporários, nos quais os próprios xeiques e mulás funcionam como o cafetão.

E além da polícia moral e do esquadrão para a proteção da virtude e prevenção do vício, foi criada a "polícia do véu" para impor ainda mais o uso compulsório do véu (fonte). As mulheres que não se cobrem apropriadamente são multadas ou presas. E isso vale também para estrangeiras, por exemplo, as participantes do campeonato mundial de xadrex feminino já foram avisadas que terão que cobrir a cabeça com o hijab. (quando o islão tem o controle, a lei islâmica é imposta a todos, sem exceção).

No Irã, o cristianismo é coibido e perseguido. Por exemplo, 3 cristãos foram presos e açoitados por beberem vinho consagrado durante a missa a alguns dias atrás (Clarion).
"Mais de 300 cristãos foram presos desde 2010, e dezenas de líderes da igreja e membros da comunidade ativos têm sido condenados por crimes contra a segurança nacional em conexão com as atividades da igreja, como a organização de grupos de oração, proselitismo e participando de seminários cristãos no exterior." (Clarion)
Os não muçulmanos são najis (impureza equivalente a urina e fezes). Um manual de lei islâmica escrito pelo Aiatolá Sistani (considerado um moderado) diz que cristãos e judeus são geralmente considerados najis e que é melhor evitá-los (fonte).

No Irã, ex-muçulmanos são presos ou mortos. A lista é longa: Mostafa Bordbar, Saeed Abedini, Benham Irani, Farshid Fathi Malayeri, Youcef Nardakani ... (fontefontefontefontefonte). (leia mais sobre o crime de apostasia)

No Irã, os Bahá'í, uma minoria religiosa, são preseguidos implacávelmente.

Apesar de ser o segundo país em número de execuções, apenas atrás da China, o Irã é o líder mundial de execuções em termos proporcionais à sua população: 980 execuções, em 2015 (Amnesty). Os motivos das execuções são dos mais diversos, incluindo-se aí a execução de homossexuais. O último homossexual executado foi Hassan Afshar, de 19 anos, enforcado na prisão de Arak, após ter sido condenado por lavat (sexo anal de homem para homem) em 2015 (Amnesty).  O Irã resolve o seu "problema com os homossexuais" seguindo a máxima: os mortos não falam.
A punição para sodomia (lavat) onde penetração tenha ocorrido é a morte, e o método de execução fica a critério do juiz da Sharia (Artigo 110, Codigo Penal do Irã).
A exemplo da Arábia Saudita (e do Estado Islâmico), o açoitamento é largamente praticado no Irã

E sem falar na repugnante celebração da Ashura.

Em geral, a situação dos direitos humanos no Irã tem apenas piorado, segundo o último relatório do Foreign and Commonwealth Office. Isso é islamismo posto em prática.

Voltando ao xeique Khaliloo, um vídeo mostra ele falando fluentemente o português. Este fato, aliado a sua presença constante no Brasil, pode indicar que ele seria um dos responsáveis em trazer a ideologia xiíta para o Brasil. Como o Irã é uma teocracia, esta seria uma ação ligada de algum modo ao governo iraniano. Estão tentando nos "iranizar"! 

Não precisamos do islamismo, seja xiíta ou sunita no Brasil: os dois não acrescentam nada de bom para nós. E deve-se desconfiar quando se verifica um esforço orquestrado vindo do exterior para trazer esta ideologia para dentro do nosso meio.

Não queremos Sharia no Brasil. A Sharia é 100% contrária à nossa Constituição. 




Xeique Rodrigo Jalloul


2 comentários:

Anônimo disse...

Prezado José Atento,

Esta semana começa o festival de filmes arabaes patrocinado majoriatariamente com fundos do ministerio da cultura(Isto é dinheiro Brasileiro)

Um dos titulos é o "Nós Descobrimos a América Antes de Colombo" da Arabia Saudita. Filme sem nenhuma base histórica ou cientifica. Que é catalogo como documentário ao invés de ficção cientifica ou Terror que é o que realmente é!

Publique algo sobre o tema para esclarecer os desavizados.

Existe um interesse enorme de paises ricos Arabes como o Qatar e Arabia Saudita de espalhar o wahabismo no Brasil (Pois o filme ta queimando na Europa e America do Norte)Por isso investem em propaganda Religiosa disfarçada de "Culutura" para propagar a sua religião. Eh o pior paga é o dinheiro Brasileiro financiamentos culturais. Outro dia me deparei com um Centro Cultural Africano (Que rece dinheiro do Brasil) que na verdade era um centro cultural Islamico disfarçado!

RASEK disse...

Como estes desgraçados têm liberdade no mundo ocidental!! Na terra deles os adeptos doutras religioes são execrados e mortos, mas aqui eles podem tudo.