sábado, 26 de novembro de 2016

Jihad do Incêndio Florestal: incêndio criminoso pela causa de Alá


Já não é de hoje que se especula que jihadistas tem causado incêndios criminosos em terras infiéis como uma forma de causar terror no coração dos infiéis, e, por conseguinte, avançar a causa de Alá, ou seja, a implementação política da lei islâmica (Sharia). Vários casos foram registrados, dos EUA até a Europa, passando pela Austrália (veja exemplos abaixo). No momento, estamos vivenciando esta modalidade de jihad em Israel.

Israel está presenciando uma jihad dos incêndios criminosos, alguns a chamam de "intifada do fogo." O fato é que, no momento em que eu escrevo este artigo, o New York Times relata que mais de 22 jihadistas incendiários já foram presos.

E aí, alguém me diz, "mas José, o Oriente Médio é seco nesta época do ano, e incêndios são comuns," E eu respondo que "sim, mas enquanto que os países vizinhos e fronteiriços, Líbano, Síria, Jordânia, Egito, bem como a Cisjordânia e Gaza não registram nada de extraordinário, Israel está em chamas." Coincidência?

Houve um pequeno incêndio em Neve Shalom, uma comunidade onde vivem judeus e árabes. Apesar de origem desconhecida, nada de anormal. Mas, depois, os incêndios começaram a surgir em velocidade vertiginosa em várias partes do país. Nem vento e nem a secura explicam. Apenas a ação criminosa pode explicar.  

A coisa é séria, quando 60 mil pessoas precisam ser evacuadas de Haifa. E, lembre-se, Israel, em área, é menor do que o Estado do Alagoas (20.770 km²  contra 27.768 km²).

Os muçulmanos estão felizes como só. A mídia social islâmica está fervilhando. Até mesmo os peixes graúdos estão exalando sua alegria em tons celebratórios.

O Grão-Imame do Kuweit, Xeique Mishary Alfasy, escreveu um twitter para os seus 11 milhões de seguidores desejando "tudo de bom para os incêndios." Outro xeique do Kuweit, Nabil Ali al-Awad, compartilhou com seus 6 milhões de seguidores que "Alá queimou os seus corações e as suas casas, o seu dinheiro e os seus corpos, e inflamou as suas sepulturas ... por causa do que fizeram aos crentes [muçulmanos]." Hashtags em árabe como "Tel_Aviv_IsBurning" e "Israel_IsBurning" tornaram-se populares, e neles, comentários pediam por mais incêndios.  (Independent, JPost, NeverAgainCanada)

Mídia social muçulmana celebra os incêndios em Israel

Muitos muçulmanos disseram que os incêndios (criminosos) eram uma vingança de Alá pelo fato de Israel estar estudando a possibilidade de proibir a chamada à oração na madrugada e à noite. Por exemplo, o chefe da Segurança Geral em Dubai, Dhahi Khalfan Tamim, disse em um twitter: "Israel proibiu o muezin e pegou fogo, bendito seja Alá." (ibtimes)

Exemplos da "Jihad do Incêndio Florestal"

Daniel Pipes, em um artigo Bushfire Jihad, apresenta um série de eventos de incêndios florestais provocados por jihadistas, desde 2009. Outros exemplos são apresentados abaixo.

1- O chefe da inteligência russa culpou a Al-Qaeda por uma série de incêndios florestais na Espanha e em outros países europeus nos últimos meses. Alexander Bortnikov, chefe do Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB), disse que os incêndios foram provocados como parte da estratégia de ataque de baixo custo da al-Qaeda. Segundo ele, "Esse método permite que a Al-Qaeda inflige danos econômicos e morais significativos sem preparativos preliminares sérios, equipamentos técnicos ou despesas significativas." (Gatestone Institute)

2- Revista da Al-Qaeda ensina como provocar um incêndio florestal
A Revista Inspire, da Al Qaeda, edição de maio de 2012, dedicou 11 páginas descrevendo em detalhes como iniciar incêndios florestais com instruções sobre como fazer bombas incendiárias", nos países da OTAN. "O fogo é um dos soldados de Alá", afirma a revista. "Imagine que, depois de todos os danos causados, uma organização de jihad assumisse a responsabilidade pelos incêndios florestais, você pode imaginar o pavor que causaria as pessoas nos Estados Unidos, na Europa, na Rússia e na Austrália?" (Gatestone Institute, DailyMail)

3- Bulgária, setembro de 2016, Um incêndio que começou na terça-feira na área de Gramatikovo, não muito longe da fronteira búlgaro-turca, tem se espalhado por 24 horas, dizem os bombeiros. Um grupo de sete migrantes afegãos foi detido em relação aos acontecimentos (Novinite).
http://pamelageller.com/category/fire-jihad/

4. Espanha, setembro de 2016. "Acredita-se que incendiários adolescentes tenham iniciado um incêndio florestal que forçou 2 mil turistas britânicos a serem evacuados de um balneário espanhol." Vocês sabem quem a imprensa chama de adolescentes, certo?   (DailyMail)

5- EUA, julho de 2013. Grupo jihadista palestino reivindica crédito pelos incêndios florestais no Arizona (longwarjournal).

6- Junho de 2013. O jornal alemão Algemeiner escreve um artigo sobre a Jihad Florestal nos EUA, enfatizando o caráter criminoso de vários incêndios.

7- Austrália. Mervyn F. Bendle, conferencista sênior em História e Comunicações na Universidade James Cook, Queensland, disse que os incêndios de fevereiro de 2009 foram provocados por islamistas. Ele defendeu este argumento em um artigo de 6.000 palavras, "Australia's nightmare: bushfire jihad and pyroterrorism", publicado no National Observer. (Daniel Pipes)

8- Outubro de 2008. Jonathan Fighel, coronel aposentado do exército dos EUA, escreveu para o International Institute for Counter-Terrorism sobre o perigo dos jihadistas começarem a fazer nos EUA o mesmo que fazem em Israel: provocar incêndios florestais criminosos.




sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Donald Trump foi eleito. E agora? (islamistas e seus apologistas preocupados)


José Atento
Neste artigo, nós iremos rever o que levou Trump à vitória eleitoral, algumas de suas propostas e possíveis repercussões na luta contra o imperialismo islâmico.
(Depois de ler este artigo, leia também este outro: Eleição nos EUA e o apoio de Clinton e Obama ao salafismo, wahabismo e Irmandade Muçulmana)
Donald Trump foi eleito o 45o presidente dos EUA. Trump é um empresário de sucesso, porém uma pessoa sem experiência na administração pública e sem nunca ter ocupado um cargo político ou ter sido eleito. Ou seja, ele é uma pessoa fora do mundo político (um outsider como se diz em inglês). Este fato, aliado às suas propostas que ressoavam junto à maioria dos americanos, incluindo partidários democratas do senador Sanders, e a sua determinação de lutar contra os poderes oligárquicos (em ambos os partidos políticos, a grande imprensa, e banqueiros e grande investidores) o levaram à vitória.

O povo americano viu em Trump um modo de derrotar os oligarcas. Hillary Clinton, uma agente da oligarquia, foi derrotada apesar da campanha viciosa por parte da imprensa contra Donald Trump. Isso mostra que a imprensa e os estabelecimentos dos partidos políticos perderam a credibilidade com o povo americano. Era "todos contra Trump, e Trump contra todos." Venceu o outsider.

A revista Newsweek teve que recolher 120 mil exemplares da sua edição 
que celebrava a "presidenta Hillary Clinton"

Enquanto que as oligarquias tentavam destruir Trump ridicularizando-o, e o chamando de palhaço, tarado, racista, etc., ela se mantinha na sua mensagem de "fazer os EUA gradiosos novamente." Venceu a mensagem positiva.

https://youtu.be/iK9ksTnGXUw OK
Obama zomba do Trump

Todas as pesquisas de opinião indicavam que Hillary Clinton seria eleita com segurança, apesar das pesquisas admitirem que a amostra era tendenciosa (um número maior de democratas era entrevistado). Apenas uma pesquisa de opinião de um jornal, o Los Angeles Times, mostrava Trump como vencedor. Os grupos que fizeram as pesquisas de opinião estão sendo acusadas de terem sido propositalmente tendenciosos a favor da Hillary Clinton, numa tentativa de convenceram que ela já havia ganho a eleição.

Progressão temporal da pesquisa do LA Times

Grupos que eram considerados como "no bolso" por Hillary Clinton e seu time, acabaram votando para Trump. Por exemplo, os católicos haviam votado majoritariamente para Obama na duas eleiçoes passadas. Mas, nesta eleição, eles foram menosprezados pela Hillary, que os chamou de medievais e disse que tinha chegado a hora do cristianismo se moldar aos tempos modernos. Resultado: 54% deles votaram em Trump (Church Militant). E outros segmentos, tais como negros, latinos e mulheres, votaram em Trump, pelo menos 15% mais do que as pesquisas de opinião diziam.

Agora, vamos ver, dentre as promessas de campanha de Trump, o que mais preocupa os islamistas e seus apologistas. Algumas delas são apenas impor a lei vigente! Elas fortalecem a civilização ocidental, ao servirem de exemplo.

1. Defender as fronteiras americanas e aplicar a lei de imigração vigente
Obama se recusou a impor a lei de imigração vigente e favoreceu os imigrantes ilegais, dentre eles muitos muçulmanos. A fronteira com o México é porosa e Obama era duro contra aqueles que a patrulhavam, e não contra aqueles que a cruzavam ilegalmente. Uma série de cidades, governadas por Democratas, se tornaram refúgio para imigrantes ilegais, inclusive criminosos, as chamadas cidade-santuário (CIS). Trump irá cortar financiamento federal para elas por não cumprirem a lei (QZ).
O que Trump se propõe a fazer é simplesmente impor a lei. Defendar as fronteiras do seu país é um dever, que Trump promete cumprir, ao contrário de Obama. O muro na fronteira com o México é apenas um detalhe em termos de defesa da fronteira nacional. Isso é importante não só para os EUA mas para todos os outros países que desejam defender as suas fronteiras e decidir sobre imigração tendo em vista seus interesses nacionais, e não as pressões de grupos tais como a União Européia e a ONU.

2. Limitar a imigração muçulmana
Os islamistas e os marxistas culturais chamaram Trump por todos os nomes possíveis e imaginários quando ele declarou que "Donald J Trump requer um fechamento total e completo da entrada de muçulmanos nos EUA até que nossos representantes do Congresso possam descobrir o que está acontecendo." A preocupação dele é que é praticamente impossível saber que tipo de muçulmano está entrando nos EUA, distinguindo entre uma pessoa boa e um jihadista. Essa é uma preocupação válida, e a própria Hillary Clinton admitiu isso em um e-mail tornado público pelo Wikileaks (Breitbart). Mas, mesmo assim, Hillary desejava admitir 50 mil "refugiados" muçulmanos a cada ano.

3. Fim da influência da Irmandade Muçulmana nos altos escalões do governo dos EUA
Durante o governo Obama, posições importantes no governo e mesmo na agência de segurança foram ocupadas por muçulmanos com ligações com a Irmandade Muçulmana (Breitbart). Isso vai acabar. Trump também prometeu se aproximar do governo do Egito na sua luta contra a Irmandade Muçulmana (CBN).

4. Segurança interna
Durante a sua campanha, Trump prometeu fechar as "mesquitas radicais" (TIME)

5. Implacável com o Estado Islâmico e com  a jihad armada; reaproximação com a Rússia
Trump vê a Rússia não como um inimigo, mas como uma aliado na luta contra a jihad armada em geral e o Estado Islâmico em particular. Ele disse várias vezes que irá destruir o Estado Islâmico muito rapidamente. (Express)

6. Retomar um relacionamento amigável com Israel 
Obama esteve mais preocupado em favorecer aqueles que empreendem a jihad contra Israel e seus habitantes. Parece que estes dias estão contados.

https://youtu.be/SpGa8wm85nQ OK
Donald Trump fala sobre o incitamento à violência feito pelos islamistas palestinos

7. Critica ao acordo nuclear com o Irã
Donald Trump tem chamado este acordo como o pior acordo da história. Ele pretende estancar o fluxo de dinheiro e negócios para o Irã. O governo iraniano teme que o Irã será o mais afetado por uma administração Trump (Algemeiner).


Ryan Mauro, do Projeto Clarion, mencionou os cinco desafios de Trump quanto ao islamismo:
  1. Escolher as pessoas corretas e não se deixar envolver com pró-islamistas (sim, eles irão tentar se infiltrar. Sempre fazem isso. Faz parte da natureza deles).
  2. Ter em mente que o Estado Islâmico e a Al-Qaeda continuam suas operações, e mesmo que o Estado Islâmico perca os territórios no Iraque e na Síria, a Al-Qaeda, ou outros grupos jihadistas, continuarão operando.
  3. O acordo com o Irã.
  4. Trump diz que irá combater o "islamismo radical" e dar voz aos "muçulmanos moderados" ao redor do mundo. Mas, ele sendo menos intervencionistas, fica difícil imaginar com ele irá fazer isso. Por exemplo, no Irã, onde existe o desejo da população em substituir o governo dos aiatolás. 
  5. E, finalmente, ele precisa designar a Irmandade Muçulmana como uma organização terrorista. Organizações afiliadas a Irmanada Muçulmana, tais como o Council for American-Islamic Relations (CAIR), Islamica Society of North America (ISNA) North American Islamic Trust (NAIT) deverão ser também designadas como tal. É claro que estas organizações irão tentar criar uma crise política com isso, com a ajuda usual dos grupos marxistas culturais dos EUA. 
https://youtu.be/yBMyd7nujNc OK

E para concluir o artigo, apenas um registro do que a vitória de Trump representa para o presidente Hussein Obama e seu legado:
  1. o fim da sua política de um país sem fronteiras;
  2. o fim do Obamacare, o sistema de saúde que fracassou terrívelmente;
  3. o fim da sua puxação de saco do islamismo.  

Extra: compilação que mostra como a imprensa tentou ridicularizar Donald Trump de todos os modos possíveis, na tentativa de mostrar a Hillary Clinton como favorita. Talvez o maior perdedor nesta eleição foi a imprensa. E também no Brasil.

https://youtu.be/RRVocTh28tw OK


domingo, 6 de novembro de 2016

Eleição nos EUA e o apoio de Clinton e Obama ao salafismo, wahabismo e Irmandade Muçulmana


José Atento
O presidente Hussein Obama é responsável pela guinada pró-islamista dos EUA. Hillary Clinton está envolvida talvez no maior esquema de corrupção da história dos EUA, e, como Secretária de Estado do presidente Obama, é co-partícipe da guinada pró-islamista dos EUA. 
Como presidente, Hillary Clinton irá acelerar a guinada dos EUA para o lado do islamismo, defender suas causas, incluindo a criminalização de toda e qualquer análise crítica como "blasfêmia", e acelerar a imigração muçulmana sem controle.
(Depois de ler este artigo, leia este outro: Donald Trump foi eleito. E agora? (islamistas e seus apologistas procupados))

Estamos a poucos dias das eleições presidenciais dos EUA, que irá apontar o novo presidente, entre Hillary Clinton e Donald Trump. Esta eleição tem sido apontada por muitos como a mais importante dos últimos 50 anos, ou talvez, a mais importante de todas. Eu concordo com isso. De um lado está Hillary Clinton, representando o poder corporativo e globalista que vem governando de fato os EUA nas últimas décadas. Por outro, está Donald Trump, que mantém o discurso de quem desafia os grupos no poder e defende uma postura anti-globalista e nacionalista.

O mais bizarro é que o poder corporativo e globalista que vem governando os EUA, e, de certo modo, a ONU e a União Européia, nas últimas décadas, anda de mãos dadas com o poder econômico e político associado ao que de pior e mais puro existe no islamismo, representado por países, tais como a Arábia Saudita, o Catar e a Turquia, bem como a grupos, tais como a Irmandade Muçulmana e seus derivados (e.g. Hamas). E a Esquerda internacionalista se tornou um apêndice disso tudo. As reações de grupos mais tradicionais, por exemplo, defensores de ideais da liberal democracia, devem ser reduzidos a uma fração do nada.

Este blog, que busca alertar sobre os aspectos perniciosos do islamismo e da lei islâmica (Sharia), é de opinião que uma eventual eleição de Hillary Clinton irá acelerar a expansão de ambos, nos EUA e no mundo. Presidente Obama tem sido o maior aliado que o islão poderia ter encontrado. Presidente Hillary vai ser muito pior.

O problema de Hillary Clinton não é apenas o fato dela comungar do mesmo viés ideológico que Hussein Obama, mas também o fato dela estar metida em um enorme esquema de corrupção e favorecimentos. Ela está totalmente vendida e comprometida. Há várias décadas.

Nós iremos tentar resumir em seguida o grande esquema de corrupção que serve de combustível para Hillary Clinton, e como ele acabou favorecendo "a causa de Alá." Ao final, nós também listamos eventos que exemplificam o trabalho de Obama em prol do islamismo.


Hillary Clinton: uma máquina de corrupção e pró-islamismo

Durante a presidência do seu marido, Bill Clinton (1993-2001), Hillary esteve envolvida em escândalos de corrupção, e pessoas que cruzaram o seu caminho acabaram morrendo. Hillary usou a Casa Branca para movimentar dinheiro em prol de seus amigos durante esta época, já em vistas ao seu desejo de vir a se tornar senadora, e mais tarde, presidente. Os crimes de corrupção que envolveram a Hillary receberam o seguintes nomes: Travelgate (Hillary controlou a agência de viagens da Casa Branca, 31 milhões de dólares por ano), Hillary Care (seu marido a tornou responsável pela criação de um novo sistema de atendimento médico e hospitalar, sem que ela tivesse a menor experiência. Seu plano foi rejeitado por todos, mas custou 32 milhões de dólares. Hillary foi multada em 450 mil dólares por desonestidade), Whitewater (condomínios fraudulentos), Cattlegate (compra e venda de bovinos, com lucros acima do mercado), Filegate (acesso ilegal a arquivos do FBI sobre seus inimigos políticos conservadores), Chinagate (doações ilegais feitas pelo governo chinês para a campanha de Bill Clinton), IRS (Hillary usou do Imposto de Renda para assediar inimigos políticos em organizações conservadoras), Pardongate (o perdão presidencial de 450 condenados, vários deles tinham conexões com Hillary Clinton e a apoiaram na sua candidatura ao Senado), terroristas do FALN (perdoados por Bill Clinton em troca de apoio à campanha de Hillary para o Senado). Ela escapou destes crimes devido ao trabalho de um enorme time de advogados, bem como ao usufruir da simpatia da grande imprensa americana.

Após deixar a presidência, Bil Clinton criou a Fundação Clinton, renomeada como Fundação Bill, Hillary and Chelsea Clinton em 2013.

Já Hillary, se candidatou ao Senado por Nova York. Sua candidatura ao Senado recebeu doações ilegais, que a forçaram a pagar uma multa pesada. Como Senadora, ela propôs apenas 3 projetos de lei, um deles, para dar nome a uma agência de correio. Ela apoiou com entusiasmo a invasão do Iraque, tendo votado a favor da resolução no Congresso.

Hillary cumpriu o mandato de Senadora de 2001 a 2009. Após isso ela foi candidata a presidente, perdendo a nomeação pelo Partido Democrata para o novato Hussein Obama. Durante a presidência de Obama ela foi Secretária de Estado, que é o segundo cargo mais importante, até mesmo que o de vice-presidente, pois é quem define a política externa dos EUA.

Como Senadora e como Secretária de Estado, ela esteve muito preocupada em angariar fundos para a Fundação Clinton de todos os modos possíveis. Os escândalos são dos mais diversos e variados.

Abaixo, iremos citar alguns destes escândalos ocorridos durante o seu período como Secretária de Estado, quando ela usou da influência do cargo para benefício próprio. Este jogo de influência remunerado, em inglês, é chamado de pay and play, algo como "pague e leve":
  1. O Departmento de Estado autorizou o governo russo a comprar 20% das reservas de urânio dos EUA após a Fundação Clinton ter recebido uma doação de 2.35 milhões de dólares, e Hillary ter recebido 500 mil dólares por uma palestra em Moscou. 
  2. A Boeing doou 900 mil dólares para a Fundação Clinton depois que Secretário de Estado Hillary Clinton convenceu os russo a comparem 50 aviões, avaliados em 3.7 bilhões de dólares. 
  3.  As companhias petrolíferas deram à fundação cerca de 3 milhões de dólares, e Hillary Clinton aprovou um gasoduto lucrativo nas areias betuminosas canadenses que as companhias estavam buscando há muito tempo.
  4. Outro exemplo de "pague e leve" foi a doação que a Arábia Saudita fez para a Fundação Clinton (25 milhões de dólares) pouco antes do Departamento de Estado autorizar a venda de armamentos no valor de 80 bilhões de dólares. Outras tiranias do Golfo, tais como o Catar, Bahrein, também fizeram doações exorbitantes para comprar influência, por exemplo, para que os EUA ignorem as violações contra os Direitos Humanos, incluindo mulheres e gays.
A Fundação Clinton repassa apenas 5.7% do dinheiro arrecadado para caridade. O restante é custo administrativo e pagamentos de pró-labore. E, doações para campanhas políticas, como a da Hillary para a presidência.

Hillary Clinton diz ser uma pessoa que é contra os bancos e contra os "1%" que detêm a riqueza. Na verdade, ela é parte deste "1%", e tem feito discursos pagos para bancos, agências internacionais e governos extrangeiros. A taxa cobrada para estes discursos variava em torno de 200 mil dólares. Veja para quem ela fez discursos remunerados entre 2013 e 2015.  Na sua palestra para a Goldman Sacks ela afirmou usar de "um discurso para a elite e outro para o povão."

O bilionário George Soros é o mestre que controla as marionetes do Partido Democrata de Hillary Clinton.

Todas as falcatruas por detrás da Fundação Clinton são apresentadas no livro "Clinton Cash: a história não contada de como e porquê governos e empresas estrangeiras ajudaram a tornar Bill e Hillary Clinton milionários." O termo "Clinton Cash" pode ser traduzido como "Máquina Registradora dos Clinton" (referindo-se a família toda, Bill, Hillary e a sua filha Chelsea, todos corruptos). 

https://youtu.be/PxpTIdfI-1U OK
"Clinton Chash" (com legendas em Português)

Apoio à Jihad Global. Hillary Clinton, através da Fundação Clinton, aceitou doações da Arábia Saudita (25 milhões de dólares) e Catar (5 milhões de dólares), muito embora ela soubesse que estes dois países estavam dando apoio logístico e financeiro para o Estado islâmico e para outros grupos sunitas extremistas, segundo comunicação interna revelada pelo Wikileaks (veja entrevista do Assange abaixo).

https://youtu.be/8QJLPCvVFng OK

Hillary Clinton e Obama são responsáveis pelo tumulto vigente no Oriente Médio. Especificamente, o que aconteceu no Egito, Líbia e Síria. Nestes 3 países, Obama e Hillary decidiram que os déspotas deveriam deixar o governo. A questão é que os déspotas nestes 3 países eram exatamente aqueles que seguravam os jihadistas. Ao promoverem a queda de Mubarak (Egito), Kadafi (Líbia) e Assad (Síria), Obama e Hillary abriram a porteira para o pior tipo de gente possível: os jihadistas. O caos que se seguiu é bem conhecido. No Egito, o caos criado pela Irmandade Muçulmama se estabilizou com um golpe militar. Na Líbia, os jihadistas do Estado Islâmico e da Al-Qaeda conseguiram matar Kadafi e o país está um caos. E na Síria, como bem sabemos, está sendo travada uma guerra civil que já dura 4 anos.

Particularmente na Líbia, existe o incidente em Bengazi, em 11 de setembro de 2012, que culminou na morte do embaixador americano Stevens e de outros 4 funcionários, quando a embaixada americana foi atacada por jihadistas. Apesar de bases militares americanas estarem de prontidão, a Secretária de Defesa Hillary Clinton não permitiu que qualquer tipo de regate fosse feito. Para justificar a sua omissão, Hillary e Obama disseram que o motivo deste ataque foi um filme sobre a vida de Maomé (na verdade, o ataque foi orquestrado). Mais tarde, questionados pelos familiares dos mortos, Hillary os chamou de mentirosos.

A morte de Muamar Kadafi. Kadafi era um ditador. Mas ele distribuia para a sua população lucros auferidos com a venda do petróleo, e a Líbia era estável. Os EUA e a UE, ilegalmente, impuseram restrição ao voo de aeronaves, de modo a que eles pudessem livremente bombardear as forças de segurança do governo líbio, permitindo o avanço dos rebeldes. Em um destes ataques, o comboio de Kadafi foi atingido, permitindo que os rebeldes o prendesse e o linchasse até a morte.  Hillary Clinton celebrou este "feito heróico" dizendo: nós viemos, nós vimos, e ele morreu, seguido por uma gargalhada diabólica. A Líbia agora é um caos, e um enorme terminal dos barcos que levam centenas de milhares de imigrantes ilegais africanos para a ilha italiana de Lampedusa, e, dela, para a Europa.

Ao esculhambar com a Líbia e a Síria, Hillary Clinton e Hussein Obama são responsáveis pela crise migratória que afeta a Europa e o mundo (inclusive o Brasil). 

https://youtu.be/vqYJRc0TJkQ OK
Malévola Clinton - remix (veja ela dizendo "nós viemos, nós vimos, e ele morreu"

Hillary Clinton quebrou a lei e mentiu sob juramento. Hillary Clinton quebrou a lei ao usar uma servidora doméstica, e não servidora do próprio governo. Isso permitiu que correios eletrônicos e documentos confidenciais fossem transmitidos de forma insegura e, hoje, já se sabe que estes correios foram hackeados, sejam por adolescentes ou sejam por outros governos. Em depoimento, sob juramento, no Congresso ela disse que estes correios haviam sido deletados. Ela mentiu. E o FBI a investigou duas vezes por quebrar a lei, por ter mentido para o Congresso, e porque os correios a incriminam ao misturar a sua ação de Secretário de Estado com os interesses da Fundação Clinton. Ela usou uma servidora doméstica para esconder isso tudo do governo. Obama não permite que o FBI prossiga nas investigações.

Conexão direta com a Irmandade Muçulmana. A principal assessora de Hillary Clinton é uma árabe muçulmana chamada Huma Mahmood Abedin, nascida nos EUA mas que cresceu na Arábia Saudita até os seus 18 anos, e tem conexões familiares com a Irmandade Muçulmana. Ela se tornou assistente da Hillary Clinton aos 20 anos de idade, apenas dois anos após se mudar para os EUA. A família de Huma tinha um jornal do Instituto de Assuntos da Minoria Muçulmana, para o qual ela trabalhou, e que pertence a Liga Mundial Muçulmana, da Arábia Saudita. A Liga Mundial Muçulmana foi acusada de fazer doações para a Al Qaeda. Huma foi também membro da diretoria da Associação Estudantil Muçulmana, que é ligada a Irmandade Muçulmana. A mãe de Huma também faz parte da ala feminina da Irmandade Muçulmana. Não é a toa que Hillary Clinton tem tanta afinidade com a Irmandade Muçulmana.

Fica a pergunta sem resposta: os islamistas tinham acesso irrestrito a informações confidenciais do Departamento de Estado dos EUA através de Huma Abedin?

Tornar os EUA em uma Alemanha (ou Suécia). A candidata Hillary Clinton é favorável a que os EUA recebam 55 mil refugiados sírios (muçulmanos) por ano, um aumento de 500%. Refugiados são mantidos pelo governo.


Apoio a lei da blasfêmia islâmica a nível internacional. A Organização para a Cooperação Islâmica (leia mais sobre ela neste artigo) vem lutando a muitos anos pela criminalizaçao de toda e qualquer crítica ao islão, a Maomé e a Sharia junto a ONU, numa espécie de lei da blasfêmia a nível internacional. A OIC chama isso de "difamação da religião." Só que para a OIC só existe uma religião, o islão. Hillary Clinton, como Secretária de Estado, participou de duas reuniões, uma delas organizada por ela própria em Washington, à portas fechadas, dentro do chamado "Processo de Istanbul", dando apoio a Resolução 16/18 do Comissão de Direitos Humanos da ONU, que busca "criminalizar a islamofobia." Existe hoje em tramitação no Congresso dos EUA a Resolução 569, proposta pelo líder do Partido Democrata, criminalizando a islamofobia (ou seja, prender quem criticar o islão - como ocorre no mundo islâmico). Na luta entre a liberdade de expressão e a lei islâmica, já se sabe de que lado a presidente Hillary Clinton vai ficar.

Secretária de Estado Hillary Clinton, Secretário-Geral da OIC Ekmeleddin İhsanoğlu, e Ministro das Relações Exteriores da Turquia Ahmet Davutoğlu (15 de julho de 2011)

Alguns exemplos de mostram o nível de criminalidade que Hillary Clinton irá levar para a Casa Branca, se ela for eleita (se você acha que com Obama foi ruim, aguarde), e como esta eleição tem sido fraudada desde o começo:
  1. Complô durante escolha entre ela e Bernie Sanders para decidir quem seria o candidato do Partido Democrata. Revelações do Wikileaks mostraram conluio e favorecimento a Hillary pela direção nacional do partido, fato que levou demissão da diretora nacional, Debbie Wasserman Schultz.
  2. A diretora nacional interina do Partido Democrata, Donna Brazile, era comentarista da rede de TV CNN. Revelações do Wikileaks mostraram que ela repassou as perguntas que seriam feitas durante o segundo debate presidencial para Hillary Clinton. Jogo sujo! Ela foi demitida pela CNN. 
  3. Em comício, Hillary Clinton disse que os eleitores do Trump, cerca de metade do eleitorado, são nada mais do que um bando de deploráveis: racistas, sexistas, homófobos, xenófobos, islamófobos. Isso é um insulto. Ela vai ser o presidente mais divisivo da história dos EUA. 
  4. Vídeos secretos filmados pelo Projeto Veritas mostram membros da campanha de Hillary Clinton planejando mandar provocadores para criar confusão nos comícios de Trump. 
  5. Revelações do Wikileaks mostram que a campanha da Hillary Clinton vem trabalhando em conluio com a imprensa, inclusive manipulando pesquisas de opinião para colocá-la sempre na frente. Alguns dos jornais e TV fazendo isso são CNN (apelidada de Clinton News Network), ABC, CBS, CNBC, Univision, The New York Times e The Washinghton Post. Um total de 65 jornalistas foram expostos, alguns até se reuniam com elaO público sabe disso.  
  6. Revelações do Wikileaks mostram que a CNN pediu para o Partido Democrata elaborar as perguntas que os âncoras Wolf Blitzer e Jake Tapper deveria perguntar aos pré-candidatos republicanos Donald Trump e Ted Cruz. Wikileaks também revelou que executivos da CNN consultavam John Podesta, o chefe da campanha da Hillary Clinton, periodicamente. 
Para terminar, revelações do Wikileaks mostram que Hillary Clinton, e o que o grupo que a cerca, possuem um tremendo desdém para com evangélicos e a igreja católica, por sua "postura medieval" com respeito ao aborto. Eles chegaram a criar organizações católicas para criar uma renovação por dentro do catolicismo nos EUA. (Mas é claro, o islamismo está fora de qualquer crítica)

Com Hillary Clinton como presidente, os EUA irão se consolidar como uma "república de banana" (perdoe-me as bananas pela comparação).

(Artigo externo: 5 razões porque Hillary Clinton pode ser a presidente mais corrupta já eleita nos Estados Unidos)

(Em 2012 ... Hillary Clinton diz que Dilma Rouseff é a melhor parceira contra a corrupção)


Agora, vejamos uma lista (incompleta) de atos e dizeres de Buraq Hussein Obama, afirmando a primazia do islão sobre tudo e sobre todos:

Ao morar em Jakarta, Indonésia, durante sua pré-adolescência, Obama estudou na escola Besuki, matriculado como muçulmano (por conta do seu pai ser muçulmano), onde teve aulas de islamismo.
Leia mais sobre as evidências que Obama é muçulmano neste artigo de Daniel Pipes.

Em 2007, ainda como pré-candidato à presidência, Obama declarou em uma entrevista ao The New York Times que a chamada à oração muçulmana (azan) é "um dos mais belos sons na Terra", recitando-a em árabe. A chamada à oração inclui a declaração de fé (a shahada), e, de acordo com a Sharia, recitar a shahada torna a pessoa muçulmana.

Em 20007, Obama fez campanha para que seu primo Raila Odinga fosse eleito presidente no Quênia, alinhado com os muçulmanos (e ligação com o al-Shabbab). Ao perder a eleição presidencial, os partidários muçulmanos mataram mas de mil cristãos quenianos, alguns dentro de suas igrejas. Obama não disse nada. Foi relatado que Condoleezza Rice pediu que  Obama intervisse para parar com o massacre horrível por parte dos partidários de Odinga. Esta intervenção de Obama resultou na introdução da lei islâmica (sharia) em partes do Quênia.


2008. No livro biográfico "The Audacity of Hope" ("A Audácia da Esperança"), lançado antes a eleição presidencial de 2008, Obama afirma: "Eu estarei com os muçulmanos se os ventos políticos mudarem em uma direção ruim." Barack Obama, "A Audácia da Esperança", (edição de bolso, página 261). O povo estadunidense elegeu Obama sabendo de que lado ele estava.

Em 2010, Obama deu total apoio à construção de uma mesquita no local onde existiam as duas Torres Gêmeas destruídas no 9/11 (11 de setembro de 2001). A reação popular contrária levou ao arquivamento da idéia. Mesquitas têm um significado simbólico de tomada de posse, neste caso, vitória completa. 

Em 2010, Obama declarou que a NASA deve tentar fazer com que os muçulmanos "se sintam bem." O chefe da NASA declarou que Obama disse-lhe "chegar ao mundo muçulmano" é uma das principais prioridades da agência espacial.

Em 2011 (fevereiro), Obama disse para o então presidente do Egito, Rosni Mubarak, que a sua hora tinha chegado. Mubarak era um presidente repressor que não permitia o crescimento da Irmandade Muçulmana e, de certo modo, protegia os cristãos coptas. A pressão dos EUA levou a prisão de Mubarak e a conquista do poder pela Irmandade Muçulmana através de eleições presidenciais que apenas a Irmandade tinha estrutura para participar. O governo da Irmandade Muçulmana, apoiada pelos salafistas, representou um ano e meio de perseguição implacável dos cristãos coptas no Egito, até ser derrubado pelos militares.

Em 2011 (agosto), Obama disse que o presidente sírio Assad deveria deixar o poder. A partir daí, dá-se início a guerra civil na Síria, na qual os EUA exercem um papel importante no treinamento e armamento dos jihadistas (alguns ligados a Al-Qaeda) visando depor Assad pela luta armada.

Em 2012, Obama saiu pelo mundo pedindo desculpas aos muçulmanos pela queima acidental de alguns exemplares do Alcorão por soldados americanos no Afeganistão. O fato de que dois soldados foram assassinados em represália não fez parte do seu discurso (Washington Post).

Em 2012, Obama disse na Assembléia Geral das Nações Unidas que o "futuro não deve pertencer para aqueles que caluniam o profeta do islão." (White House)


Em 2013, Obama chamou a atenção os cristãos coptas do Egito dizendo que eles não deveriam participar das manifestações contra o governo da Irmandade Muçulmana.

Em 2013, Obama viu seus planos ruírem no Egito, quando os militares derrubaram o governo jihadista da Irmandade Muçulmana, presidido por Mohammed Mursi que ele e a então Secretária de Estado Hillary Clinton apoiavam. 

Em 2013, o governo Obama processou uma companhia transportadora por ter demitido um motorista muçulmano por se recusar a dirigir um caminhão transportando cerveja.

Em 2013, quando o governo da Nigéria decidiu iniciar uma campanha contra o Boko Haram, grupo islâmico que regularmente mata e estupra os cristãos e queima suas igrejas, resultando na morte de alguns dos jihadistas, o Secretário de Estado do presidente Obama,  John Kerry se irritou e pediu para que Nigéria respeitasse os "direitos humanos" dos jihadistas.

Em 2014, Obama libertou 5 jihadistas em troca por um desertor do exército dos EUA, que havia se convertido para o islão. A negociação foi feita à revelia da lei, que obriga o governo comunicar previamente ao Congresso qualquer tipo de negociação desse tipo (ou seja, Obama quebrou a lei para libertar 6 "irmãos de fé"). 

Até o final de 2014, Obama já tinha concedido quase 1 milhão de "green cards" (que dá residência permanente nos EUA) para muçulmanos. 


Em 2014, Obama faz o sinal caracterísco do sunismo, com o dedo indicador levantado, afirmando que Alá é o deus único, após foto em grupo com os presidentes dos países africanos, durante a Cúpula EUA-Líderes Africanos.  Isso não é algum truque fotográfico pois existem muitas outras fotos semelhantes. Este ato causou deleite aos muçulmanos que entenderam bem a mensagem. Desagradável surpresa para os demais líderes, que sabem muito bem o estrago que o islão provoca.


Em 2014, a polícia do Quênia fechou madrassa "radical" ligada a família do Obama.

Em 2015, Obama abriu o encontro de cúpula contra o terrorismo com uma oração para Alá. Obama não foi apelidado de "islamista-em-chefe" à toa. Este encontro, feito na Casa Branca, foi mais um esforço de Obama para fazer "controle de dano" e salvaguardar o islão (White House, CNSNews).

Apenas muçulmanos rezaram neste evento na Casa Branca

Em 2015, Obama justificou os jihadistas que matam inocentes dizendo que os cristãos fizeram e fazem muito pior (WSJ). Isso é um argumento tipicamente islamista. 

Em 2015, o Tenente-Coronel Oliver North declarou que Obama teria se recusado a dar informações ao Egito e à Jordânia sobre alvos do Estado Islâmico. Ele também citou que Obama sequer reconhece que os cristãos egípcios foram mortos por sua fé, chamando-os apenas de "cidadãos egípcios", numa tentativa dissimulada, mas nem por isto menos óbvia, de acobertar a perseguição dos jihadistas aos seguidores do Cristianismo. (Vídeo)

Em 2015, Obama se recusou a fornecer armas para os cristãos iraquianos e sírios, de modo que eles pudessem se defender a se juntarem à oposição ao Estado Islâmico.

Em 2015, Obama mandou um representante do terceiro escalão do governo para representar os EUA em uma reunião para discutir o genocídio contra os cristãos e outras minorias, organizada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas. Os demais países enviaram até mesmo ministros de estado para participarem.

Em 2015, Obama comparou os peregrinos britânicos que imigraram para os EUA no século XVI com os "refugiados" sírios que ele pretendia trazer para os EUA. Ele foi criticado por ser impossível distinguir refugiados verdadeiros dos jihadistas. (Reuters)  

Em 2015, Obama respondeu aqueles que pediam por uma prioridade para os cristãos chamando de "vergonhosa" a sugestão de que os EUA deveriam dar preferência aos refugiados cristãos sobre os refugiados muçulmanos. Ele acrescentou, de modo soberbo, que "isso não é americano, não somos quem somos. Não temos testes religiosos para nossa compaixão." O fato é que Obama discrimina baseado em religião: apenas 0.46% dos quase 11 mil sírios admitidos nos EUA como refugiados são cristãos (CNSNews). 

Em 2015, ao convidar dezenas de representantes muçulmanos para visitarem Washinghton, o Departamento de Estado do presidente Obama foi denunciado, pelo menos duas vezes, por negar vistos para os poucos representantes cristãos.

Em 2015, por decisão do governo Obama, cristãos iraquianos perseguidos que atravessaram a fronteira dos EUA, foram presos por vários meses e depois deportados, possivelmente para serem escravizados, estuprados ou assassinados.

Em 2015, a capa do New York Post criticava a política do presidente dos EUA, Hussein Obama, e seu esforço em promover o islamismo nos EUA e no mundo, sem se interessar o mal que isso está causando, e, certamente, irá causar no futuro, para os EUA e para o mundo.


Em 2016, Obama nomeou, pela primeira vez, um muçulmamo, Abid Quresh, como Juiz do governo federal. Mas, logo em seguida, descobriu-se que ele tem vínculos com o regime saudita (WND).

Em 2016, o Departamento de Justiça do presidente Obama processou a prefeitura da cidade de Pittsfield, Michingan, por não emitir alvará para a construção de uma mesquita em um local que não era designado para tal. A pressão foi tanta que a prefeitura acabou não apenas permitindo a construção da mesquita mas dando 1,7 milhões de dólares para ela. (WND)

Em 2016, tornou-se público um e-mail de 2008, no qual Obama disse dar preferência apenas aos muçulmanos árabes (em detrimento dos cristãos árabes) para trabalho no governo.

E, o mais flagrante, a infiltração da Irmandade Muçulmana em todos os órgãos de inteligência, ao ponto da CIA ser hoje comandada por um muçulmano convertido. Relatório em 5 partes.



quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Atualizações em outubro de 2016

Veja o que entrou de novo no blog em outubro de 2016, exemplificando a aplicação da lei islâmica Sharia ao redor do mundo, seja por governos de países com maioria muçulmana, grupos islâmicos ou mesmo ações individuais.


São Gregório Palamas e o comportamento dos muçulmanos jihadistas
Leia o artigo clicando aqui.

Sim, os muçulmanos idolatram Maomé, um templo pagão e uma pedra
Leia o artigo clicando aqui.

Análise sobre o "Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens", de Russeau
Leia o artigo clicando aqui.

Apostasia

Austrália: muçulmano mata esposa por ela se tornar cristã
A cabeleireira Nasrin Abek, 35 anos, foi encontrada morta após ser esfaqueadas múltipla vezes pelo seu marido, Amir Darbanou, de 42 anos. Ambos são iranianos. (Mail)

Australia: "todas as autralianas são piranhas e devem ser estupradas pelo modo que elas se vestem"
Disse um paquistanês, motorista de taxi, expulso da empresa, depois de reclamações de passageiras. Isso vem do Alcorão e de Maomé. (Mail)

Argélia: ex-muçulmano preso por comentário no Facebook que "insultou o profeta Maomé"
Slimane Bouhafs, 49 anos, é cristão converso do islamismo. O governo o prendeu sob a alegação dele ter insultado Maomé (Times Israel)


Direitos das Mulheres sob o Islão: Parte 1, Parte 2

Mufa'khathat: abuso sexual de menores (mais um exemplo sagrado de Maomé)
Leia o artigo clicando aqui.

"Meninas Cristãs Servem Apenas para Uma Coisa, Satisfazer os Desejos dos Homens Muçulmanos"
Vários exemplos da misoginia islâmica, que segue o comportamento de Maomé, que foi um estuprador e mercador de escravas (Gatestone)

Irã: jogadores de xadrez devem suar hijab durante torneio ou serão presas
A Federação Mundial de Xadrez (FIDE) marcou o campeonato feminino no Irã. Agora, todas as jogadores serão obrigadas a usar o hijab. Muitas já disseram que não vão participar, e reclamam da FIDE por não defenderem os direitos das mulheres (Telegraph).

Irã: líder supremo, Aiatolá Khamenei, emite fatwa que proíbe as mulheres de andarem de bicleta
O motivo citado é para evitar que os homens se excitem ao verem as mulheres sentadas no assento da bicicleta. A fatwa dia que mulheres andando de bicicleta "expõe a sociedade à corrupção" e é "contrária a castidade feminina" (irannewsupdate). (a verdade é que os clérigos islâmicos acham que todos os homens são pervertidos sexuais como eles são e como Maomé foi)

Irã: mulheres proibidas de assistir a jogo de volei masculino
Uma iraniana-britânica, Gonche Ghavami, foi levada para a temida prisão de Evin e colocada em prisão solitária por ter tentado assistir a um jogo de volei masculino (independent).

Irã: "papel e a missão" das mulheres é a "maternidade e serviço de limpeza"
Quem disse isso foi o  líder supremo, Aiatolá Khamenei (ncr-iran).

Irã: leis constitucionais impedem as mulheres de trabalhar fora de casa
Artigo 1117.º do Código Civil afirma: "O marido pode impedir sua esposa de ter uma ocupação ou profissão técnica que seja incompatível com os interesses da família ou a dignidade dele ou da esposa." (iranhrdc)

Mulheres ocidentais usam roupas mais ousadas que as mulheres egípcias, porém são menos assediadas 
Fatema Nouali, colunista do jornal egípcio Egypt Independent, escreveu uma coluna intitulada "Nova York ... sexo e cidade" na qual ela diz que as mulheres usam roupas "mais reveladoreas" dentro dos padrões egípcios e se misturam com os homens. Contudo, elas não sofrem do mesmo tipo de assédio sexual que as mulheres egípcias sofrem. (Egypt Independent)

Egito: deputado solicita que universitárias façam exame de virgindade
E, caso a estudante não seja virgem, isso deve ser informado para a sua família. O deputado se refere aos casamentos temporários (urfi), considerados legítimos por uma parte dos muçulmanos porém como algo ilegal por outros (Egypt Independent). Que tal um teste de virgindade nos estudantes homens e um teste de sanidade em você, deputado?

Noruéga: muçulmano estupra filha por ela estar "muito ocidental"
A filha, de 20 anos, estava integrada na sociedade norueguesa. O pai não gostou disso e começou a discutir com a filha por algum tempo. Sem a convencer a se vestir como uma muçulmana ortodoxa, ele a estuprou como punição. Ela está fazendo tratamento psiquiátrico. Ele está preso (estaria solto em algum país islâmico) (Speiza).

Jordânia: irmãos matam irmãs em crime de honra
Uma das irmãs havia se casado sem o consentimento do pai, e estava na casa da outra. As duas foram mortas "para defender a honra da família." (Al Arabiya)

A cada sete segundos uma menina é forçada a se casar
Informação de relatório divulgado pela ONG Save the Children. Meninas que se casam precocemente acabem sem acesso aos "direitos mais básicos de aprender, se desenvolver e ser criança." "Meninas que se casam cedo demais frequentemente não podem ir à escola e estão mais propensas a sofrer violência doméstica, abuso e estupro. Elas engravidam e são expostas a doenças sexualmente transmissíveis, incluindo o HIV." Os piores países são Afeganistão, Iêmen, Índia e Somália, Níger, Chade, República Centro-Africana, Mali e Somália." (MSN) Problema ocorre predominantemente no mundo islâmico, sendo trazido junto com a imigração.


França: mulher marroquina apanha até desmaiar por se apaixonar por um homem católico
A sua família, incluindo seus primos, estão por detrás da agressão e assédios, que a fizeram se esconconder por segurança. A lei islâmica proíbe que uma muçulmana se relacione ou se case com um homem que não seja muçulmano. E isso vale para qualquer lugar do mundo (Clarion).


Jihadistas recrutados têm nível de escolaridade acima da média
Relatório do Banco Mundial indica que a maioria dos recrutados pelo Estado Islâmico tem uma educação acima da média. Isso significa que não é falta de educação que faz uma pessoa normal se tornar um psicopata disposto a matar e morrer por Alá. Lembre-se disso quando alguém te disser que a causa para o jihadismo é a pobreza. Na verdade, a causa do jihadismo é a Doutrina da Jihad que faz parte da Doutrina do Islã. (scmp)

Londres: mesquita ensina que muçulmanos devem matar todos aqueles que insultarem Maomé
A polícia lançou hoje uma investigação de crimes de ódio após descobrir um livreto dizendo que aqueles que insultam o Islã “devem ser mortos”. (fonte)

Suécia: recrutamento de jihadistas dentro das mesquitas
A Suécia se tornou em central de apoio ao jihadismo internacional. E os jihadistas que retornam para a Suécia não são presos. (UOL)

Turquia: escolas irão se tornar 'centros de treinamento religioso'
Após a demissão maciça de professores, governo pretende tornar o treinamento religioso prioritário. "Com a ajuda de Alá nós iremos criar uma nova escola," afirmou Sakir Voyvot, diretor da Escola Kabatas, em Istambul. (Express)

Tunísia: americanos brancos, convertidos, presos por terrorismo
Os dois tinham passagem criminal, mas encontraram justificativa para seus atos no exemplo de Maomé. A conversão de pessoas sem aparência árabe é algo útil para a jihad global (PJMedia)

Gays
O profeta (a paz esteja com ele) disse: "Se encontrardes alguém fazendo como o povo de Lot fez, matai aquele que faz e aquele a quem a coisa é feita." (Hadice Abu Dawood 38:4447) -- PS. O "povo de Lot" são os homens que aparecem na Bíblia querendo fazer sexo com os homens que se hospedaram na casa de Lot (Gênese 19:4-5)
Xeique muçulmano ensina como matar gays
O xeique xiíta Hamza Sodagar, que se auto-intitula como sendo um modelo para os jovens muçulmanos ao redor do mundo, explica as cinco maneiras de como os gays devem ser mortos segundo o islamismo.
O xeique Hamza Sodagar, é um clérigo xiíta. Ele é original do Irã, tendo crescido nos EUA. Ele é formado na Hawza* de Qom, Irã. (Hawza – escola preparatória para clérigos muçulmanos xiítas, uma espécie de “seminário” xiíta).
https://youtu.be/jRXNjjzuyh4 OK



Leia este artigo "Boicote Produtos Halal" para saber o que é "comida halal" e o porquê de boicotá-la. E visite os demais links.


História e Arte (Jahiliyya)

A verdade sobre Al-Andaluz e Córdoba: cristãos e judeus sob opressão, jihad e escravidão, inclusive a sexual
Leia o artigo clicando neste link.


O que o Brasil ganha com a introducão da ideologia xiíta oriunda do Irã, um país que segue a Sharia e é um dos mais intolerantes do mundo? Xeiques xiítas no Brasil
Leia o artigo clicando aqui.

Ashura no Brasil: "morte aos tiranos"
Leia o artigo clicando aqui.

Brasileiro muçulmano, recém-converso, faz apologia ao crime do apedrejamento
Leia o artigo clicando aqui.

Revista Viagem, da Abril, promove a Mesquita de Paris
Leia o artigo clicando aqui.

Mesquita do Pari publicando livro que diz que Jesus é Muçulmano
O objetivo é criar confusão e aumentar a base da muçulmanos. O pior é que ainda existem os religiosos cristãos que ajudam a propagação da confusão para aparecerem como bonzinhos e politicamente corretos.



Mouhamad (Maomé) Mostafa, acabou com a saúde do Amazonas roubando R$ 110 mil.
Notícia do Fantástico sobre o criminoso Mohamed (Maomé) Mostafa. Ele é primo do ex-governador, e atual senador pelo PSD, Omar José Abdel Aziz.  (Portal CM7Fantástico; vídeo: http://glo.bo/2ehq1KF)

Curiosidade. Um pouco sobre as ligações familiares. A esposa de ex-governador Omar Aziz, Nejmi Jomaa Abdel Aziz, é nascida em Cascavel. Ela é filha de Mohamad Joamaa e Ester Joamaa. Portanto o pai da esposa do ex-governador é muçulmano. Dentro da ortodoxia islâmica, isso a tornaria muçulmana. Dentro desta mesma ortodoxia, para ela se casar, o ex-governador teria que ser também muçulmano. Quanto ao ex-governador, o wikipedia diz que ele nasceu numa família de mistura árabe e italiana. (fonte)

Valdir Pereira da Rocha, preso na Operação Hashtag, foi morto pelos seus companheiros de cela
Ele tinha outras duas condenações relacionadas a homicídio e assalto, e se encontrava na condição de foragido da Justiça do MS quando foi preso (G1).

Preso por ligação com Estado Islâmico tenta matar homem a facadas em Caucaia
Imagens de circuito de segurança mostram Daniel Freitas Baltazar esfaqueando um homem no meio da rua (Tribunal do Ceará)

Empresa árabe irá produzir armamentos em Goiás
Eu gostaria de saber os detalhes deste acordo, e quantas mesquitas e madrassas serão construídas por conta dele. (Mais Goiás)

Fethullah Gulen vai fugir para o Brasil?
Com medo de ser extraditado dos EUA, clérigo Fethullah Gulen estaria considerando pedir asilo no Brasil, segundo serviço de inteligência turca. (IG)

Proposta de emenda à Constituição propõe que imigrantes possam votar e serem votados no Brasil
Quem sugeriu esta pérola foi o deputado federal Carlos Zarattini do PT de SP. A PEC 347/2013 propõe alterar a redação do § 2º do art. 14 da Constituição Federal. Se aprovada ela permite que os estrangeiros residentes em território brasileiro por mais de quatro anos e legalmente regularizados alistem-se como eleitores. Esta PEC foi arquivada em 2013, tendo sido desarquivada em 11/02/2015. O site da Câmara não diz como está o andamento.

Temer anuncia na ONU uma maior abertura do Brasil para receber refugiados
Um país hiper-super estruturado como os EUA acolheu, este ano (um ano de crise migratória), 10 mil refugiados. Pela notícia, o Brasil recebeu, "nos últimos anos" 95 mil refugiados. Que período de tempo "nos últimos anos" engloba? Se for nos últimos 10 anos, resulta um média de tão grande quanto ao que os EUA recebem. (G1)
A pergunta é: temos a mesma estrutura? Resposta: não!


Calais, França: invasão islâmica, terror, e inércia das autoridades
Leia o artigo clicando aqui.

União Européia e mega-investidores planejam invasão da Hungria
Leia o artigo clicando aqui.

Turquia neo-Otomana deseja pedaços da Grécia, Síria, Iraque e Chipre
Leia o artigo clicando neste link

Alemanha Turca? Deutsche Bank próximo do colapso. Será que a Turquia irá adquirí-lo?
As ações do Deutsche Bank vem caindo e investidores retirando investimentos. Angela Merkel, a Louca, nega que irá injetar recusos (bilhões de euros) no banco para estabilizá-lo. Existem rumores, de que o governo turco está tentando comprar o banco, o que colocaria o governo islamista de Erdogan em uma posição de influência na economia (e na política) da Alemanha, além de ser uma desmoralização total para a Merkel, já que com a compra o nome do banco alemão seria alterado para Turkishe Bank. (Express, Express)

Alemanha: presidente diz que gostaria de ser substituido por um político muçulmano
O presidente Joachim Gauck havia dito em outra oportunidade que o povo estava atrapalhando o governo (Express)

Alemanha: clube pró-imigração dá queixa de ataques sexuais de refugiados
Irônico mas real. O clube "anti-racista" Conne Island, em Leipzig, registrou vários casos de ataques sexuais pelos refugiados. Os donos do clube culpam a cultural patriarcal de onde os refugiados se originam. (DW)

Alemanha: imigrantes legais reclamam dos refugiados: "a situação está insuportável"
Imigrantes legais que vivem a dezenas de ano na Alemanha reclamam que os "refugiados" estão criando problemas, aumentando o crime, e roubando empregos (Express).

Hungria: maioria deseja manter soberania sobre política migratória!
Um plebiscito realizado ontem resultou em 95% rejeitando a idéia de se dar carta branca para a União Européia decidir sobre imigração para a Hungria. Quem decide é o parlamento húngaro. A maioria deseja que a Hungria permaneça como um país soberano. (Breitbart)

Canadá: prefeita processa jornalista que denunciou assédio sexual de muçulmanos contra estudantes brancas
Tem ocorrido assédio sexual por parte de meninos muçulmanos sobre as meninas brancas na Escola Secundária Rick Hansen, em Mississauga. Uma jovem repórter relatou o caso na Mississauga Gazette. A reação da prefeita Bonnie Crombie não foi o de abrir um inquérito na escola, mas sim processar a jornalista. A jornalista também recebeu ameaças por parte de muçulmanos e teve que deixar o emprego. O Artigo está republicado aqui.

Grã-Bretanha: muçulmano deseja abolir o hino do Reino Unido
Mahamed Adbulah deseja banir o hino nacional durante formaturas do King's College London. Ele acha o hino muito nacionalista (Express).

França: sindicato dos policiais confirma que existem "zonas proibidas"
Na sequência do ataque contra viaturas da polícia à base de coquetel molotov, o sindicato dos policiais contradisse o governo, afirmando que as zonas proibidas (guetos islâmicos) existem e que elas representam um risco para policiais e bombeiros. Violência contra policiais aumentou 25% nos últimos 5 anos (The Local).

França: repórter estuprada por grupo na "Selva de Calais"
Uma repórter foi fazer uma reportagem sobre assédio sexual e estupros de menores no acampamento de refugiados muçulmanos na cidade de Calais. Ao chegar lá, ela foi rendida e estuprada por um grupo de refugiados. O filmador presenciou os estupros múltiplos com uma faca no pescoço, caso ele reagisse. (Mirror)

Itália: marinha resgata milhares de imigrantes ilegais por dias
O número é assustador. Dez mil nos últimos dois dias. O número varia com as condições do mar (Terra). A hégira continua.

Noruega: muçulmanos pedem renúncia de ministra por dizer que eles devem se integrar 
Sylvi Listhaug, ministra da integração disse que os muçulmanos devem se inserir na sociedade norueguesa e a sua cultura da carne de porco, bebida alcólica e sem usar véus cobrindo o rosto. (The Local)

EUA: Casa Branca apenas contratou árabes que fossem muçulmanos 
Correios eletrônicos vazados pelo wikileaks indicam que a Casa Branca, sob o presidente Obama, deliberadamente excluiu árabes cristãos em detrimento de muçulmanos. Um deles diz: "Com respeito a candidatos para trabalhos superiores, eu excluí aqueles com alguma origem árabe-americana que não fossem muçulmanos (por exemplo, George Mitchell). Muitos americanos libaneses, por exemplo, são cristãos. Na última lista (de grupos/comissões externas), a maioria dos listados parecem ser muçulmanos americano, exceto que um punhado (quando indicado) podem ser americanos árabes, mas de religião incerta (esp. cristão)." (Clarion)

Jihad – lista de atentados

Alemanha: jihadista sírio preso quando estava pronto para ataque
Jaber Albakr, 22 anos, chegou na Alemanha em Fevereiro de 2015 e obteve asilo temporário. Ele agradeceu a generosidade alemã planejando um ataque semelhante ao de Bruxelas. Ele foi preso em Chemnitz com 1,5 quilos de explosivos (Newsweek). Elem cometeu suicídio na prisão, se enforcando com sua própria camisa - esse não vai ter as virgens (VEJA)

Paris: policiais atacados com coquetéis molotov, 2 em estado grave
Aconteceu no conjunto habitacional de La Grande Borne, em Viry-Châtillon, subúrbio de Paris. Um gueto islâmico, também chamado de "zona-proibida" (no-go zone). (RT)


Dois carros da polícia francesa em chamas após ataque em uma "zona proibida"

Líbia: máfia italiana troca armas por artefatos históricos com o ISIS
Informação do La Stampa.


Irã: dois ativistas em pról dos trabalhadores condenados a 22 anos de prisão
Eles foram condenados por organizarem organizações sindicais. Não existe liberdade sindical no Irã. (NCRI)


Alemanha: metade dos salafistas alemães que se juntaram ao Estado Islâmico eram ativos nas mesquitas
Isso indica que seja o que for ensinada nas mesquitas, é o suficiente para levar muçulmanos a se tornarem jihadistas e irem lutar na jihad na Síria. (Jihadwatch)


Marrocos: "islamistas moderados" ganham as eleições
É assim que o EuroNews se refere ao Partido da Justiça e Desenvolvimento (PJD), que venceu as eleições legislativas desta sexta-feira e deve continuar a liderar a coligação que governa o país. O fato é que este partido segue a mesma linha que o partido do líder turco Recep Erdogan, que, alías, tem o mesmo nome. Isso prova, mais uma vez, que a maioria dos muçulmanos irá sempre votar no partido que afirma seguir mais fielmente a lei islâmica, mesmo que em doses homeopáticas.

Itália: manifestação gigante em frente ao Coliseu de Roma contra o fechamento de "mesquitas radicais"
No intuito de evitar a radicalização dos muçulmanos que vivem na Itália, o governo italiano fechou várias "mesquitas de garagem" que são difíceis de monitorar com respeito a "mensagens radicais."  A reação dos muçulmanos foi a de reclamarem, se fazerem de vítima (é claro) e promoverem uma manifestação gigante em frente ao Coliseu Romano. (Militant Church)

Perseguição aos Ateus
Logo infundirei o terror nos corações dos descrentes; decapitai-os e decepai-lhes os dedos! (Alcorão 8:12)
Ativista relata dificuldades em ser ateu no Paquistão
Dr. Faraz Talat é médico e escreve para diversos jornais (Clarion). O islamismo é intolerante.

Perseguição Cristãos: Parte 1Parte 2
"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
Bartela e Qaraqosh libertadas; cristãos em Kirkurk sob ataque
Leia o artigo clicando neste link.

Iraque: pelo menos 1.131 cristãos mortos entre 2003 e junho de 2004Um relatório da organização Knights of Columbus diz que pelo menos 1.131 cristãos foram mortos e 125 igrejas destruídas entre 2003 e o surgimento do ISIS em 2014, na Planície de Níneve. O relatório se intitula Genocídio contra os cristãos no Oriente Médio

Irã: 25 cristãos são presos quando se reuniam em suas casas 
Isso aconteceu na cidade de Kerala. O paradeiro deles é desconhecido (NCRI).

Itália: muçumano depreda 4 igrejas, incluindo basília milenar
O vídeo abaixo mostra o muçulmano oriundo de Gana (um "refugiado sírio") depredando a Igreja de San Vitale. Ele depredou outras 3, inclusive a Basília de Santa Praxedes, em Roma, antes de ser preso. Isso já está virando rotina! A Basília de Santa Praxedes contém os restos mortais de Santa Praxedes e e Santa Pudenciana, as filhas de São Pudêncio, que é considerado, tradicionalmente, como o primeiro convertido de São Pedro em Roma. As duas santas são conhecidas por enterrarem os primeiros cristãos mártires. A Basília atual foi construída sobre uma igreja que data do século V. (Il Giornale, Il Giornale)


Paquistão: irmão obrigado a ouvir irmã ser estuprada por grupo de muçulmanos por recusar a se converter ao islão
 A família pobre é cristã, e vive em uma casa de pau-à-pique. Eles são a única família cristã na região. Os muçulmanos os atacaram armados com revólveres e barras de metal. Mesmo sob violência a família se recusou a se converter ao islão. Os irmãos foram sequestrados, torturados e a irmã estuprada por pela gangue. O irmão foi solto, mas a irmã continua desaparecida. Ela tem 17 anos e se chama Jameela. (BPC, Mail)

Paquistão: Três homens muçulmanos mataram um estudante cristão de 15 anos de idade, porque ele se recusou a se tornar muçulmano
A vítima se chama Wajaesh Shono. De acordo com fontes locais:
"Por causa do sucesso de Shono na escola, um grupo local de muçulmanos o pressionava a se converter ao Islã .... colegas muçulmanos de Shono Shono nunca permitiam que ele usasse sua mesa ou cadeira de estudo. Eles sempre evitaram jogar com ele por causa de seu cristianismo, e eles odiavam quando Shono bebia água da torneira da escola."
Como o menino continuou a rejeitar o Islã, dois homens o agarraram enquanto o terceiro, possivelmente o seu professor, o esfaqueou 15 vezes. (ICC, junho)

Paquistão: Um ex-cristão, que se converteu ao Islã há dois anos, ensinou seus parentes cristãos uma "boa lição"
Sonu tentou convencer seus primos [cristãos] a se converterem ao islamismo, mas quando eles se recusaram, A discussão rapidamente se transformou em uma disputa. Sonu ameaçou Salamat e os outros, dizendo que ele iria "dar-lhes uma boa lição." Em 10 de junho, Sonu foi até a mesquita mais próxima e afirmou que Salamat e seus amigos tinham feito comentários depreciativos sobre o profeta Maomé. Sem esperar para verificar a veracidade daquilo que Sonu disse, mais de uma dúzia de homens de um seminário islâmico nas proximidades atacou a casa dos cristãos. Os homens baterem nos três adolescentes, derrubado utensílios domésticos. Durante o ataque eles gritavam slogans abusivos contra os cristãos. Depois do ataque, os homens foram para a polícia e registraram uma queixa [acusação de blasfêmia] contra os três rapazes. A situação levou os adolescentes a se esconderem. (ICC)
Egito: cristãos buscam vida garimpando lixo
Este é o resultado dos cristãos sob a Sharia: sobreviver a qualquer custo. Lembre-se que o Egito era 100% cristão e que os coptas são os nativos egípcios. Os árabes muçulmanos invadiram e ocuparam. (BBC)

Quênia: igreja atacada com granada, 6 mortos
O ataque foi feito pelo grupo jihadista al-Shabaab, baseado na Somália. Eles desejam expulsar os cristãos do nordeste do Quênia. (SIGHT 200)

EUA: igreja profanada com grafite "Islão ou Morte" 
Igreja em Santo Antônio, Texas, teve seu muro pichado com esta inscrição, acompanhada pela palavra Alá em árabe (Express News)


Usbequistão: cristãos presos por terem literatura cristã em casa
Vários casos nos quais cristãos são presos, têm suas posses confiscadas pelo governo ou têm que pagar pesadas multas. A preocupação do governo é que este material possa ser utilizado para promover o cristianismo. A lei islâmica proíbe que cristãos promovam o cristianismo para muçulmanos, por exemplo, Manual Umdat as-Salik wa 'Uddat an-Nasik, The Reliance of the Traveller, lei o11.5: "Nós não iremos manifestar a nossa religião em público e nem converter ninguém para ela. Nós não iremos impedir que qualquer um de nós se converta para o Islão se ele assim desejar."  (Forum 180)

Indonésia: 10 mil muçulmanos pedem pela morte de um governador cristão
Eles dizem que o governador de Jakarta fez comentários insultosos ao islão. "O blasfemador deve ser morto." (Bankok Post)

Egito: padre cristão copta, Fr. Raphael Moussa, 46, morto a tiros em "uma chuva de balas" 
Ele foi morto do lado de fora da Igreja do Mártir de St George, em Arish (Sinai). Ninguém reivindicou a responsabilidade pelo ataque, mas os terroristas islâmicos filiados ao ISIS já atacaram cristãos em Arish antes. Em 2013, um outro padre cristão copta, Mina Cheroubim, também foi morto a tiros ao deixar sua igreja em Arish. (RT, Raymond Ibrahim)

Egito: estágio da perseguição em 2013
Reportagem da CBN relata um pouco da perseguição que os cristãos Coptas do Egito sofrem nos dias de hoje. Os Coptas são os habitantes originais do Egito, cristãos cuja Igreja foi fundada por São Marcos, um dos 12 apóstolos de Cristo. De comunidade majoritária no Egito, eles foram conquistados militarmente pelos muçulmanos no século VII e vivendo como dhimis, os cidadãos de segunda-classe sob a lei islâmica, desde então. A situação dos Coptas melhorou com o colonialismo europeu, que trouxe para o Egito o conceito de liberdade religiosa. A coisa tem se tornado gradativamente pior para os Coptas com o crescimento da Irmandade Muçulmana e o dos salafistas, financiados pela Arábia Saudita (sempre ela). Em 2013, sob o governo da Irmandade Muçulmana, os Coptas foram violentamente perseguidos. O governo militar que derrubou o governo da Irmandade Muçulmana conseguiu aliviar a situação, mas ela continua precária para os cristãos no Egito.


Suécia: homem gritando "Allahu Akbar" destrói igreja partes de uma igreja em Malmö
Em 27 de junho, um homem invadiu a Igreja de St. Paul, no centro de Malmö e começou a quebrar as vidraças das janelas. Quando a polícia chegou, o homem atacou os policiais que usaram spray de pimenta para dominar o homem "agressivo", acusado de um crime de ódio, "A polícia suspeita que o homem atacou a igreja porque ela é um símbolo da fé cristã. (Fria Tider)

Nigéria: igrejas são queimadas por que um cristão foi acusado de blasfêmia 
Em junho passado, após um cristão ser acusado de fazer uma observação blasfema em sua página no Facebook, os muçulmanos aumentaram em violência, tacando fogo na Fellowship Baptist Church.Outra igreja também foi vandalizada e destruída, e o cristão acusado de blasfêmia foi morto", disse um pastor local. (Morning Star News)

Perseguição Judeus (Boletim deAnti-Semitismo)
"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
Rosh Ha'Shana!
A retórica de ódio da Autoridade Palestina, que incitou os palestinos com a mentira de que Israel estava ameaçando os locais sagrados muçulmanos no Monte do Templo, levaram palestinos, homens, mulheres e até crianças, a atacarem aleatoriamente israelenses nas ruas e em suas casas. Esta foi a "jihad das facadas." Ao longo do ano passado, estes ataques feriram 554 israelenses e mataram 40 pessoas. 

O pior é que a mídia ocidental distorce a cobertura desses ataques, muitas vezes culpando Israel por matar os terroristas que fizeram os ataques ao invés de focar sobre as vítimas inocentes do terror.

Jerusalém: homem e mulher mortos à tiros; "árabes" e Fatah celebram o assassino como mártir
Yosef Kirmeh (29 anos) e Levana Melichi (60 anos). Alguns "árabes" foram vistos celebrando em um café e nas ruas (fonte). O Fatah celebrou o assassino como mártir na sua página do Facebook (fonte).



Punições Islâmicas (sob a lei islâmica)

Indonésia: sete casais de namorados açoitados por passearem juntos 
Todos condenados, exceto uma menina que está grávida. Ela será açoitada ou apedrejada após o nascimento da criança? (G1)