sábado, 26 de novembro de 2016

Jihad do Incêndio Florestal: incêndio criminoso pela causa de Alá


Já não é de hoje que se especula que jihadistas tem causado incêndios criminosos em terras infiéis como uma forma de causar terror no coração dos infiéis, e, por conseguinte, avançar a causa de Alá, ou seja, a implementação política da lei islâmica (Sharia). Vários casos foram registrados, dos EUA até a Europa, passando pela Austrália (veja exemplos abaixo). No momento, estamos vivenciando esta modalidade de jihad em Israel.

Israel está presenciando uma jihad dos incêndios criminosos, alguns a chamam de "intifada do fogo." O fato é que, no momento em que eu escrevo este artigo, o New York Times relata que mais de 22 jihadistas incendiários já foram presos.

E aí, alguém me diz, "mas José, o Oriente Médio é seco nesta época do ano, e incêndios são comuns," E eu respondo que "sim, mas enquanto que os países vizinhos e fronteiriços, Líbano, Síria, Jordânia, Egito, bem como a Cisjordânia e Gaza não registram nada de extraordinário, Israel está em chamas." Coincidência?

Houve um pequeno incêndio em Neve Shalom, uma comunidade onde vivem judeus e árabes. Apesar de origem desconhecida, nada de anormal. Mas, depois, os incêndios começaram a surgir em velocidade vertiginosa em várias partes do país. Nem vento e nem a secura explicam. Apenas a ação criminosa pode explicar.  

A coisa é séria, quando 60 mil pessoas precisam ser evacuadas de Haifa. E, lembre-se, Israel, em área, é menor do que o Estado do Alagoas (20.770 km²  contra 27.768 km²).

Os muçulmanos estão felizes como só. A mídia social islâmica está fervilhando. Até mesmo os peixes graúdos estão exalando sua alegria em tons celebratórios.

O Grão-Imame do Kuweit, Xeique Mishary Alfasy, escreveu um twitter para os seus 11 milhões de seguidores desejando "tudo de bom para os incêndios." Outro xeique do Kuweit, Nabil Ali al-Awad, compartilhou com seus 6 milhões de seguidores que "Alá queimou os seus corações e as suas casas, o seu dinheiro e os seus corpos, e inflamou as suas sepulturas ... por causa do que fizeram aos crentes [muçulmanos]." Hashtags em árabe como "Tel_Aviv_IsBurning" e "Israel_IsBurning" tornaram-se populares, e neles, comentários pediam por mais incêndios.  (Independent, JPost, NeverAgainCanada)

Mídia social muçulmana celebra os incêndios em Israel

Muitos muçulmanos disseram que os incêndios (criminosos) eram uma vingança de Alá pelo fato de Israel estar estudando a possibilidade de proibir a chamada à oração na madrugada e à noite. Por exemplo, o chefe da Segurança Geral em Dubai, Dhahi Khalfan Tamim, disse em um twitter: "Israel proibiu o muezin e pegou fogo, bendito seja Alá." (ibtimes)

Exemplos da "Jihad do Incêndio Florestal"

Daniel Pipes, em um artigo Bushfire Jihad, apresenta um série de eventos de incêndios florestais provocados por jihadistas, desde 2009. Outros exemplos são apresentados abaixo.

1- O chefe da inteligência russa culpou a Al-Qaeda por uma série de incêndios florestais na Espanha e em outros países europeus nos últimos meses. Alexander Bortnikov, chefe do Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB), disse que os incêndios foram provocados como parte da estratégia de ataque de baixo custo da al-Qaeda. Segundo ele, "Esse método permite que a Al-Qaeda inflige danos econômicos e morais significativos sem preparativos preliminares sérios, equipamentos técnicos ou despesas significativas." (Gatestone Institute)

2- Revista da Al-Qaeda ensina como provocar um incêndio florestal
A Revista Inspire, da Al Qaeda, edição de maio de 2012, dedicou 11 páginas descrevendo em detalhes como iniciar incêndios florestais com instruções sobre como fazer bombas incendiárias", nos países da OTAN. "O fogo é um dos soldados de Alá", afirma a revista. "Imagine que, depois de todos os danos causados, uma organização de jihad assumisse a responsabilidade pelos incêndios florestais, você pode imaginar o pavor que causaria as pessoas nos Estados Unidos, na Europa, na Rússia e na Austrália?" (Gatestone Institute, DailyMail)

3- Bulgária, setembro de 2016, Um incêndio que começou na terça-feira na área de Gramatikovo, não muito longe da fronteira búlgaro-turca, tem se espalhado por 24 horas, dizem os bombeiros. Um grupo de sete migrantes afegãos foi detido em relação aos acontecimentos (Novinite).
http://pamelageller.com/category/fire-jihad/

4. Espanha, setembro de 2016. "Acredita-se que incendiários adolescentes tenham iniciado um incêndio florestal que forçou 2 mil turistas britânicos a serem evacuados de um balneário espanhol." Vocês sabem quem a imprensa chama de adolescentes, certo?   (DailyMail)

5- EUA, julho de 2013. Grupo jihadista palestino reivindica crédito pelos incêndios florestais no Arizona (longwarjournal).

6- Junho de 2013. O jornal alemão Algemeiner escreve um artigo sobre a Jihad Florestal nos EUA, enfatizando o caráter criminoso de vários incêndios.

7- Austrália. Mervyn F. Bendle, conferencista sênior em História e Comunicações na Universidade James Cook, Queensland, disse que os incêndios de fevereiro de 2009 foram provocados por islamistas. Ele defendeu este argumento em um artigo de 6.000 palavras, "Australia's nightmare: bushfire jihad and pyroterrorism", publicado no National Observer. (Daniel Pipes)

8- Outubro de 2008. Jonathan Fighel, coronel aposentado do exército dos EUA, escreveu para o International Institute for Counter-Terrorism sobre o perigo dos jihadistas começarem a fazer nos EUA o mesmo que fazem em Israel: provocar incêndios florestais criminosos.




3 comentários:

Anônimo disse...

As vezes me pergunto se a maior fraqueza dos muçulmanos é a sua crença de que eles são a última coca cola do deserto,são muito confiantes de que irão dominar o mundo não estou querendo dizer que eles não estão ganhando espaço pois estão mas fico indagando se eles não estão cavando o próprio buraco ao expor sua podridão a sua gente que cada vez mais adquire o conhecimento de que a crença a que foi imposta é corrosiva e perigosa só quem vive em uma constante pressão e terror pode explicar esse sentimento muitos deixam o país de origem e deixam a religião por outra ou por nenhuma quando apresentados a liberdade e o acolhimento principalmente os jovens e aqueles que já tinham questionamentos mais não ousavam cita los outros que já nasceram em sociedades que garantem sua liberdade de expressão ou se converteram a um islã de "paz e amor" ludibriados por uma ideia de que representam a verdadeira crença islâmica vivem uma vida de hipocrisia onde seriam mortos ou presos sobre a própria lei deles a sharia por muitas de suas atitudes na sociedade ocidental que consideram "inocentes e naturais",tudo é uma questão de aparência,todos os seus rituais são vazios, automáticos,repetitivos que me faz lembrar o filme tempos modernos.

Oliveira da Figueira disse...

Mais um post que vamos destacar...

Anônimo disse...

ai ai é melhor eles abrirem o olho pois vem uma avalanche por ai ,ficam tão preocupados em islamizar o mundo que se esquecem do próprio rabo, é que nem o sapo sendo cozido lentamente,O ocidente e países do extremo oriente tem uma coisa que eles não tem que é uma identidade nacional,resiliência,uma grande capacidade de se reerguer e se adaptar as diversas situações principalmente SEM PERDER SEU EU coisa que o islã principalmente o fundamentalista tira os sinais estão ai o Reino Unido saiu da União Européia,Paises do leste europeu estão bem acordados,EUA elegeu Trump,Marine le pen na França entre outros.