terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Orações Islâmicas: supremacismo e ódio contra os não muçulmanos


A gente pensa em oração como algo que seja uma súplica ou adoração a uma divindade. A gente pensa em pedir pela proteção de entes queridos, ou pedindo para que algo bom ocorra, ou agradecendo quando algo de bom tenha acontecido. Ou mesmo, rezar pelo bem daqueles que nos fazem mal. Isso faz sentido. Se uma divindade é boa, é claro que as orações apenas irão envolver coisas boas.

Mas, é claro, que nós sabemos de exemplos onde isso não ocorre, quando se amaldiçoa os outros, pedindo o mal. Neste caso, nós tendemos a imaginar a divindade para a qual se reza como algo maligno. Um exemplo que me vem à memória era o culto dos Aztecas, que involvia sacrifício humano.

Adoração ao deus Tezcatlipoca

Agora vem a novidade que talvez você não sabia: o islamismo contém orações de ódio dirigidas aos não muçulmanos. Nós iremos apresentar algumas delas abaixo bem como alguns vídeos como exemplo. Um não-muçulmano faz parte integral da oração islâmica, diáriamente. É interessante você saber disso. Muçulmanos rezam 5 vezes por dia, e isso é um dos 5 "pilares do islão." E você é mencionado, como algo ruim.

Veja exemplos disso em vídeos ao final deste artigo.

O primeiro capítulo do Alcorão, considerado o mais exaltado de todos os capítulos, é uma oração dirigida a Alá pedindo-lhe para manter os muçulmanos longe do caminho equivocado de judeus e cristãos. Este capítulo é uma parte necessária das cinco orações diárias obrigatórias, e é recitado não uma vez, mas em qualquer lugar de 17 a 100 vezes por dia por muçulmanos devotos (ou em um sentido mais amplo, 6200 a 36.500 vezes por ano).

Repetição inculca a noção de superioridade sobre não-muçulmanos na mente de todos os muçulmanos, instilando uma profunda desconfiança dos não-muçulmanos. Esta oração diz:
"Guie-nos pelo caminho certo, o caminho daqueles que você favorece (referindo-se a muçulmanos), e não o caminho daqueles que ganharam a sua ira (referindo-se aos judeus), ou daqueles que se desviaram (referindo-se aos cristãos). 
O islamismo considera-se a religião mãe do judaísmo e do cristianismo, que existia antes dessas duas falsas religiões que se afastaram do caminho do monoteísmo estrito. Elas se tornaram corruptas e ignorantes até Maomé ser enviado por Alá como um dom para definir as coisas em linha reta e converter todos de volta ao Islã ou "a religião da verdadeira natureza intocada", como escrito na Declaração dos Direitos Humanos no Islã.

As orações de sexta-feira incluem também a recitação dos capítulos corânicos 62 e 63, onde judeus que rejeitam os mandamentos de Alá na Torá são detestados e "semelhantes a um jumento que carrega livros, mas não os entende." Os judeus são ordenados desejarem a morte se eles fingirem serem os favoritos de Alá. Os incrédulos são condenados a um estado de erro até que Maomé seja enviado por Alá para purificá-los da imundície da descrença e do politeísmo com seus versos ou revelações de Alá. "Hipócritas" ou os apóstatas do Islã são considerados inimigos, "então, cuidado com eles, que Alá os destrua!" Não é de admirar porque muitos muçulmanos são proibidos de serem amigos com judeus e cristãos. O Alcorão os condena ao inferno (que derrete suas peles e barrigas) em quase 500 versos por não acreditarem em Maomé e por não se converterem ao Islã.

Tais são as orações que são recitadas repetidamente nas mesquitas, e agora em algumas igrejas e sinagoga em todo o mundo (até mesmo no Vaticano!) como mais comunidades muçulmanas continuam a crescer e expandir. Os ignorantes anfitriões judeus e cristãos, que o Alcorão retrata como filhos de macacos e porcos e como a pior das criaturas, não sabem de nada.

O Dr. Bill Warner, do Centro de Estudos do Islão Político, apresenta em um vídeo algumas destas orações. Elas são reproduzidas abaixo (o vídeo vem em seguida). Káfir (plural kufar) é uma palavra estremamente ofensiva que se refere ao "não muçulmano."
“Ó Alá, pedimos a sua ajuda, buscamos seu perdão, cremos em você e confiamos em você. Nós o elogiamos do melhor modo, e agradecemos, e nunca somos ingratos, e nós evitamos e rejeitamos o káfir."
Existem nada menos que 12 versos no Alcorão que dizem que muçulmanos nunca devem ser amigos de verdade de um káfir. Podem ser amistosos mas nunca amigos. E a oração os lembra disso.
“Ó Alá, nós o adoramos, rezamos e nos prostramos corremos para você e o servimos, esperando receber sua misericórida, e tememos o seu castigo. Certamente, o káfir irá receber o seu castigo."
Novamente, a menção ao káfir, que vai sofrer ... no inferno. O Alcorão está cheio de descrições detalhadas do inferno. Existem mais que 100 menções ao inferno, mas não são apenas menções.
Elas descrevem com detalhes, por exemplo, uma dela diz que "a sua pele irá queimar toda e uma pele nova irá crescer para que o sofrimento continue." Essa oração é para que não se esqueçam disso.

Segunda oração:
''Ó Alá, verdadeiramente buscamos a sua ajuda. Nós cremos em você, o elogiamos, confiamos e não somos ingratos. Ó Alá, nós adoramos apenas a você, oramos e nos prostramos. Nos esforçamos por seu amor e misericórdia e por temer a sua punição, pois a sua punição irá certamente atingir o káfir."
"Ó Alá, puna o káfir, do Povo do Livro, pois eles impedem outros de o seguirem."
Esta referência significa que os cristãos impedem outros de seguirem o islão,

As referências contra os não-muçulmanos são todas negativas, sem exceção. Elas pedem que eles sofram. Mas isso não é uma surpresa, porque o Alcorão está cheio de sofrimento que deve se abater sobre o káfir. Toda a menção ao káfir no Alcorão, na Sira e Hadice, ou seja, na biografia e tradições de Maomé, são negativas e de sofrimento, e as orações refletem isso.

Então, os muçulmanos incluem o káfir nas suas orações 5 vezes por dia. Elas dizem que o káfir deve sofrer porque ele está tão errado. Ele deve ser punido. O káfir deve sofrer porque ele está tão errado. Ele deve ser punido.


Este ódio contra o não-muçulmano é inculcado nos recém-conversos. Veja a oração que o cantor inglês recém-converso Cat Steven (Yusuf Islam) canta (ouça no vídeo):
O que você diz? O que você diz? Eu rezo para Alá para ele nos dar VITÓRIA SOBRE O KUFAR (não-muçulmanos). Porque ele estará onde os bons muçulmanos estão, aqueles que se viram para Alá.
Os "bons muçulmanos" rezam pela "vitória sobre os não muçulmanos."

Os tempos finais islâmicos, segundo Bukhari, o mais autêntico de todas as coleções hadith, ocorre quando Jesus, considerado o último profeta muçulmano no Islã, retorna à Terra para destruir o cristianismo ("quebrar a cruz") e forçar todos a converter ou morrer. Mas até esse momento, os "bons muçulmanos" devem continuar lutando a sua jihad contra os cristãos e judeus, que devem pagar um imposto islâmico chamado jizya, ou mesmo pagar um imposto indireto ao consumir produtos halal, cuja parte é usada para apoiar a jihad global.

Pense sobre isso antes de compartilhar a sua igreja ou sinagoga para que fiéis muçulmanos rezem nelas. É essas orações que eles irão rezar.

E se pergunte se os muçulmanos permitem que judeus ou cristãos usem uma mesquita para as suas orações.

Exemplos adicionais são apresentados abaixo.

1. Imã amaldiçoa cristãos e judeus durante o serviço ecumênico de posse do presidente Trump
Os idiotas presentes acham que o imã está desejando algo bom para os Estados Unidos. O imã pratica taquia.

https://youtu.be/cK1oaUjEAKw OK

2. Imãs de mesquita no Canadá continuam a orar a Alá pela vitória dos muçulmanos sobre os 'Kufar,' ou seja, não-muçulmanos
“Ó Alá, dê a vitória aos nossos irmãos, os muçulmanos, os oprimidos, os que sofrem tirania e os ‘mujahidin’ [aqueles que guerreiam na jihad] ao redor do mundo.
“Ó Alá, derrame paciência, sobre os muçulmanos, fortaleça os seus pés, e dê-lhes vitória sobre os não-muçulmanos (qawn el Kafiroon).” 
-- Abdool Hamid
Imã treinado pelos sauditas
Associação Muçulmana do Canadá (MAC)
Sexta-feira, 9 de janeiro de 2015
(Tarek Fatah)



3. Sermões Típicos das Mesquitas Egípcias Idênticos ao “Não Islâmico” Estado Islâmico
Artigo de Raymond Ibrahim, traduzido por Tião Cazeiro

4. Islão Permite Orações para a Aniquilação de Cristãos e Judeus

https://youtu.be/8IjzH2mRPRE OK


5. Segmento do sermão pregado por Sa'ad Ateeq al-Ateeq na Grande Mesquita Imam Muhammad ibn Abd al-Wahhab, em Doha. 30 de janeiro de 2015

6. Canadá: oração islâmica na Mesquita Masjid, em Toronto, amaldiçoa judeus
A oração também amaldiçoa os politeístas (que incluem os cristãos, devido ao conceito da Trindade).

https://youtu.be/an27UGsuBDQ OK
 

7. Oração proferida pelo Imã da Grande Mesquita de Meca (Mesquita Sagrada) que rodeia a Caaba
E o comentário de apresentador da TV egípcia.

A oração foi a seguinte:
"Ó Alá, conceda vitória, dignidade e poder aos nossos irmãos mujahadin (jihadistas) no Iêmen
Em Sham (Síria) e Iraque
e em todo o lugar, Ó Senhor dos Mundos
Conceda-os vitória sobre os Rafidah (xiítas) ateus,
Conceda-os vitória sobre os traiçoeiros judeus
e sobre os malévolos cristãos
e sobre os não confiáveis hipócritas
Ó Alá, conceda-os vitória, ajuda e força"

https://youtu.be/b7pXJWfC8KE OK

8. Oração na Mesquita Sagrada de Meca

Alá, caia sobre os cristãos opressores
e sobre os judeus criminosos
e sobre seus irmãos tiranos.
Alá dê-lhes miséria e dor em seus caminhos
Alá  dê-lhes miséria e dor em seus caminhos.
Alá, os cubra com sofrimento
e com roupas de luto
e os repreenda com dor e enfermidade.
Alá, dê-lhes sofrimento e dor para as suas vidas,
e lhes prepare uma morte violenta.
Alá, dê-lhes castigo, martírio e angústia
aos cristãos opressores
e aos judeus criminosos.
Alá, tome nossa súplica e dê o que eles merecem.





Nenhum comentário: