sábado, 8 de julho de 2017

Trump na Polônia defende Civilização Ocidental


O discurso que o presidente Donald J. Trump fez na Polônia dois dias atrás é um discurso digno de Winston Churchill or J. F. Kennedy. Mas na situação atual, onde uma grande porção da esquerda se tornou pró-islâmica e lideranças políticas de diversos países estão na cama com o capital árabe-islâmico, defender a Civilização Ocidental se tornou "discurso de ódio."  

Não, defender a Civilização Ocidental é sinal de bom-senso e sanidade.

Estamos entrando em uma fase da história quando estamos sendo forçados a escolher o lado: defender a Civilização Ocidental, com sua base judáica-cristã que permite a liberdade de expressão e cujos fundamentos levou ao desenvolvimento do Humanismo, ou defender a propagação do islamismo que é, em sua essência, anti-ateu, anti-cristão, anti-hindú, anti-judeu, anti-espírita, ... anti-tudo que não seja islâmico (vídeo). Ficar em cima do muro significa apoiar o islamismo.


Eu estou traduzindo porções do discurso de Trump na Polônia. Leia por você mesmo e me diga se você concorda ou discorda do seu conteúdo.
... 
A Polônia é o coração geográfico da Europa. Mas, mais importante ainda, no povo polonês, vemos a alma da Europa
...
A história da Polônia é a história de pessoas que nunca perderam a esperança, que nunca foram quebradas e que nunca, nunca esqueceram quem são.
(Aplausos)
AUDIÊNCIA: Donald Trump! Donald Trump! Donald Trump!
TRUMP: Muito obrigado. Obrigado. Muito obrigado. Uma grande honra.
Esta é uma nação com mais de 1000 anos de idade. Suas fronteiras foram apagadas há mais de um século e apenas restauradas há apenas um século.
Em 1920, no milagre de Vístula, a Polônia parou o exército soviético inclinado à conquista européia.
(Aplausos)
Então, 19 anos depois, em 1938, vocês foram invadidos novamente. Desta vez pela Alemanha nazista do oeste e da União Soviética a partir do leste. Isso foi um problema. Isso foi muito difícil.
Sob uma dupla ocupação, o povo polonês suportou males indescritíveis: o massacre da floresta de Katyn, a ocupação, o Holocausto, o Gueto de Varsóvia e o levante do Gueto de Varsóvia, a destruição desta bela cidade capital e as mortes de quase um em cada cinco poloneses.
...
Ainda assim, vocês nunca perderam esse espírito.
(Aplausos)
Seus opressores tentaram quebrá-lo, mas a Polônia não pôde ser quebrada. (Aplausos)
E quando chegou o dia 2 de junho de 1979 e 1 milhão de poloneses reuniram-se em torno da Praça da Vitória para a sua primeira missa com o seu papa polonês, naquele dia, todos os comunistas em Varsóvia devem ter sabido que seu sistema opressivo logo se derrubaria.
(Aplausos)
Eles devem ter percebido isso no momento exato durante o sermão do Papa João Paulo II quando um milhão de homens, mulheres e crianças polonesas levantaram de repente as vozes em uma única oração.
Um milhão de poloneses não pediram riqueza. Eles não pediram privilégios. Em vez disso, 1 milhão de poloneses disseram três palavras simples: "Nós Queremos Deus".
(Aplausos)
Nessas palavras, o povo polonês lembrou a promessa de um futuro melhor. Eles encontraram nova coragem para enfrentar seus opressores. E eles encontraram as palavras para declarar que a Polônia seria a Polônia mais uma vez.
Enquanto estou aqui hoje diante desta incrível multidão, essa nação fiél, ainda podemos ouvir aquelas vozes que ecoam pela história. Sua mensagem é tão verdadeira como sempre. O povo da Polônia, o povo da América e o povo da Europa ainda gritam: "Nós Queremos Deus".
(Aplausos)
TRUMP: Juntamente com o Papa João Paulo II, os polacos reafirmaram sua identidade como uma nação dedicada a Deus. E com essa poderosa declaração de quem você é, você entendeu o que fazer e a forma de viver.
Você se solidarizou contra a opressão, contra uma polícia secreta sem lei, contra um sistema cruel e perverso que empobreceu suas cidades e suas almas, e você ganhou. A Polônia prevaleceu. A Polônia sempre prevalecerá.
AUDIÊNCIA: Donald Trump! Donald Trump! Donald Trump!
...
TRUMP: Somos confrontados com outra ideologia opressiva, que procura exportar terrorismo e extremismo em todo o mundo.
A América e outros sofreram um ataque terrorista após o outro. Isso vai parar.
estamos lutando contra o terrorismo radical islâmico. E prevaleceremos.
(Aplausos)
Não podemos aceitar aqueles que rejeitam nossos valores e quem usa o ódio para justificar a violência contra os inocentes.
Hoje, o Ocidente também é confrontado com os poderes que procuram testar nossa vontade, minar nossa confiança e desafiar nossos interesses.
Para encontrar novas formas de agressão, incluindo propaganda, crimes financeiros e guerra cibernética, devemos adaptar nossa aliança para competir efetivamente de novas maneiras e em todos os novos campos de batalha.
Instamos a Rússia a cessar suas atividades desestabilizadoras na Ucrânia e em outros lugares e seu apoio a regimes hostis, incluindo a Síria e o Irã e, em vez disso, se juntar à comunidade de nações responsáveis ​​em nossa luta contra inimigos comuns e em defesa da própria civilização.
(Aplausos)
Finalmente, em ambos os lados do Atlântico, nossos cidadãos são confrontados com outro perigo, seguramente ao nosso controle. Esse perigo é invisível para alguns, mas familiar para os poloneses: a fúria constante da burocracia governamental que drena a vitalidade e a riqueza das pessoas.
O Ocidente tornou-se ótimo, não por papeladas e regulamentos, mas porque as pessoas podiam perseguir seus sonhos e perseguir seus destinos.
Os americanos, os poloneses e as nações da Europa valorizam a liberdade e a soberania. Devemos trabalhar juntos para enfrentar as forças, quer elas entrem ou saiam, do sul ou do leste, que ameaçam ao longo do tempo minar esses valores e apagar os laços de cultura, fé e tradição que nos tornam quem somos.
(Aplausos)
Se não forem controladas, essas forças minarão nossa coragem, prejudicarão nosso espírito e enfraquecerão nossa vontade de nos defendermos e nossas sociedades.
Mas, assim como nossos adversários e inimigos do passado aprenderam aqui na Polônia, sabemos que essas forças também estão condenadas a falhar se quisermos que falhem. E nós realmente queremos que eles falhem.
(Aplausos)
Eles estão condenados não só porque nossa aliança é forte, nossos países são resilientes e nosso poder é incomparável. Para tudo isso, você tem que dizer que tudo é verdade.
Nossos adversários, no entanto, estão condenados porque nunca esqueceremos quem somos. E se não nos esquercemos de quem somos, simplesmente não podemos ser derrotados. Os americanos nunca esquecerão. As nações da Europa nunca esquecerão. Somos a comunidade mais ágil e melhor. Não há nada como a nossa comunidade de nações. O mundo nunca conheceu nada como a nossa comunidade de nações.
Nós escrevemos sinfonias. Nós buscamos a inovação. Celebramos nossos heróis antigos, abraçamos nossas tradições e costumes intemporais e sempre procuramos explorar e descobrir novas fronteiras.
Nós recompensamos o brilho, nos esforçamos pela excelência e apreciamos obras de arte inspiradoras que honram a Deus. Nós valorizamos o estado de direito e protegemos o direito à liberdade de expressão e a prática da liberdade de expressão.
(Aplausos)
Nós capacitamos as mulheres como pilares de nossa sociedade e de nosso sucesso. Nós colocamos fé e família, não governo e burocracia, no centro de nossas vidas.
E discutimos tudo. Nós desafiamos tudo. Buscamos saber tudo, para que possamos nos conhecer melhor.
(Aplausos)
E acima de tudo, valorizamos a dignidade de toda vida humana, protegemos os direitos de cada pessoa e compartilhamos a esperança de que cada alma viva em liberdade.
Isto é quem nós somos. Esses são os laços inestimáveis ​​que nos unem como nações, como aliados e como civilização.
O que nós temos, o que nós herdamos da nossa - e vocês sabem isso melhor que ninguém e você o vê hoje, com esse incrível grupo de pessoas - o que herdamos de nossos antepassados ​​nunca existiu até aqui. E se não conseguirmos preservá-lo, nunca mais existirá. Então não podemos falhar.
Esta grande comunidade de nações tem algo em comum. Em cada um deles, são as pessoas, não as poderosas, que sempre formaram o alicerce da liberdade e a pedra angular da nossa defesa.
As pessoas foram esse alicerce aqui na Polônia, como o foram aqui em Varsóvia. E elas foram o alicerce desde o início nos Estados Unidos. 
Nossos cidadãos não ganharam a liberdade juntos, não sobreviveram aos horrores juntos, não enfrentaram o mal unidos apenas para perderem nossa liberdade com a falta de orgulho e confiança em nossos valores. Nós não fizemos isso e não vamos fazer. Nunca nos abaixaremos.
(Aplausos)
AUDIÊNCIA: Donald Trump! Donald Trump! Donald Trump!
...
É também por isso que saudamos o povo polonês por ser um dos países da OTAN que realmente alcançou o padrão de investimento em nossa defesa comum.
Obrigado. Obrigado, Polônia. Devo dizer-lhe que o exemplo que definiu é verdadeiramente magnífico e aplaudimos a Polônia. Obrigado.
(Aplausos)
Temos que lembrar que nossa defesa não é apenas um compromisso de dinheiro, é um compromisso de vontade. Porque, como a experiência polonesa nos lembra, a defesa do Ocidente, em última instância, repousa não só nos meios, mas também na vontade de seu povo de prevalecer e ser bem sucedido e obter o que for preciso.
A questão fundamental do nosso tempo é se o Ocidente tem a vontade de sobreviver. Temos a confiança em nossos valores para defendê-los a qualquer custo? Temos o suficiente respeito pelos nossos cidadãos para proteger nossas fronteiras? Temos o desejo e a coragem de preservar nossa civilização frente a quem deseja subverte-la e destruí-la?
Nós podemos ter as maiores economias e as armas mais letais em qualquer lugar da Terra, mas se não possuímos famílias fortes e valores fortes, então seremos fracos e não vamos sobreviver.
(Aplausos)
Se alguém esquecer a importância crítica dessas coisas, que venha a um país que nunca esqueceu disso, deixe-os vir para a Polônia ...
...
... e que cada centímetro de terreno e cada último metro de civilização valha a pena defender com a sua vida.
Nossa própria luta pelo Ocidente não começa no campo de batalha. Começa com nossas mentes, nossas vontades e nossas almas. Hoje, os laços que unem nossa civilização não são menos vitais e não exigem menos defesa do que aquela ninhada de terra em que a esperança da Polônia foi totalmente descansada.
Nossa liberdade, nossa civilização e nossa sobrevivência dependem desses vínculos de história, cultura e memória. E hoje, como sempre, a Polônia está em nosso coração, e seu povo está nessa luta.
(Aplausos)
Assim como a Polônia não pôde ser quebrada, declaro hoje que o mundo ouviu que o Ocidente nunca será quebrado. Nossos valores prevalecerão, nossa gente prosperará, e nossa civilização triunfará.
(Aplausos)
AUDIÊNCIA: Donald Trump! Donald Trump! Donald Trump!
TRUMP: Obrigado.
Então juntos vamos todos lutar como os poloneses, pela família, pela liberdade, pelo país e por Deus.
Obrigado. Deus o abençoe, Deus abençoe o povo polonês, Deus abençoe nossos aliados e Deus abençoe os Estados Unidos da América.
Obrigado. Deus te abençoê. Muito obrigado.




2 comentários:

Anônimo disse...

Visite meu novo canal Zé: https://www.youtube.com/channel/UCSLhT_ke0TXlYQZSEWLfe3g

Pode divulgar os vídeos.

liliane lima disse...

fiel atento só lhe peço uma coisa:
NÃO PARE O COM SEU VALIOSO TRABALHO;NÃO SÓ DE UTILIDADE PUBLICA=COMO HUMANA...