quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Suécia: ninguém ajudou mulher violada por 20 imigrantes muçulmanos - os vizinhos "aprenderam a não ver nem a ouvir demais"


Um caso de violação tão brutal que mesmo a grande imprensa sueca está relatando sobre ele, pois ele mostra sinais de colapso total da moral e da cultura na sociedade sueca.
"Que nojo, você tem esperma no seu rosto e na sua roupa, não nos envolva", disseram à mulher. Ela tinha acabado ser abusada e violentada sexualmente por até vinte agressores em uma escada em Fittja, mas ninguém no subúrbio ao sul da capital Estocolmo queria ajudar a vítima, informou o jornal Metro.

Mais detalhes estão sendo sobre o caso, que ocorreu em agosto de 2016, estão sendo tornados públicos. A mulher foi estuprada e também espancada por uma gangue de até vinte homens. A mulher foi chutada, espancada, ameaçada com uma faca e sua cabeça foi golpeada contra o chão até que ela ficou inconsciente.

Um vizinho que testemunhou o ataque brutal optou por ignorá-lo. Mais tarde, ele declarou à polícia que "aprendeu a não ver nem a ouvir demais". O homem vive há 15 anos em Fittja, uma área dominada pelos muçulmanos.

Procurando ajuda após o estupro, a mulher tocou a campainha de um apartamento para pedir assistência para chamar a polícia. Mas o homem que abriu a porta ignorou seu apelo e se recusou ajudar a vítima ensanguentada e coberta pelo esperma dos estupradores.

A mulher então conseguiu chegar ao centro da cidade de Fittja para procurar ajuda, mas aí lhe disseram que estavam "enojados". Ninguém queria ajudá-la. "Um pessoa disse a ela que ela era nojenta e ela tinha esperma nos cabelos", como descrito no relatório da polícia. Ela também tentou obter ajuda de um policial na estação de trem, mas ele também não se preocupou com a situação da mulher. Em vez disso, a mulher foi forçada a tomar o metrô para o centro de Estocolmo para buscar ajuda.

Vários homens são agora acusados do crime. De acordo com a acusação, eles também filmaram a violação e riram durante seu abuso sexual.

Todos os estupradores tem "origem migratória", a expressão da impensa sueca para migrantes muçulmanos.

Versão portuguesa baseada no texto de 10news.



segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Alemanha: Merkel não consegue formar coalização e deverá enfrentar uma nova eleição


Após as últimas eleições gerais na Alemanha, tratada no artigo Algumas reflexões sobre as eleições na Alemanha: AfD fica em segundo lugar na antiga Alemanha Oriental, o partido de Merkel tentou fazer uma coligação com o Partido Democratico Livre (FDP) e com o Partido Verde (GRÜNE). Esta coalizão estava sendo chamada de Jamaica devido as cores dos 3 partidos juntos formaram as cores da bandeira jamaicana. Mas o sucesso desta coalizão era pouco possível devido ao fato do FDP ser de Centro-Direita e o GRÜNE porta-voz do ambientalismo de Esquerda.

O FDP queria mudança na política migratória e mais liberdade econômica, enquanto que o GRÜNE queria exatamente o contrário.

O FDP pleiteava um limite no número de imigrantes e a proibição da chamada "integração familiar", que permitiria que os familiares dos refugiados na Alemanha (mais de um milhão) pudessem trazer as suas famílias (e as famílias muçulmanas são, em sua maioria, enormes). Isso seria o fim do povo alemão. O FDP também pleiteava uma maior liberdade econômica e uma desaceleração no projeto do governo de erradicar fontes de energia tais como o carvão e a energia nuclear em prol das fontes alternativas.

Os Verdes queriam um aumento na imigração, a integração familiar, e um aceleramento da proibição de fontes energéticas. O que os Verdes desejam iria inviabilizar a economia alemã.

Outras fontes de desacordo é a situação do EURO, o dinheiro dado aos "países do sul" (notadamente Grécia) sem que dinheiro algum tenha retornado, e a questão dos incentivos para a antiga Alemanha Oriental.

O líder do FDP, Christian Lindner, deixou as conversações acusando Merkel de ser uma pessoa pouco confiável.  Alguns dizem que estamos vivendo os meses tempos do "Merkelismo." Outros dizem que Merkel sepultou a sua carreira ao convidar o milhão e meio de refugiados para se mudarem para a Alemanha.

Hoje, Angela Merkel é uma "chanceler temporária."

A única opção para Angela Merkel permanecer no poder seria os socialistas mudarem de opinião e aceitarem uma coligação. O líder do Partido Social Democrata (SPD), Martin Schultz, diz não desejar participar de uma coligação. Mas neste momento de incertezas, tudo é possível.


Christian Lindner


domingo, 26 de novembro de 2017

Jogadores de futebol muçulmanos não cantam o hino nacional da Alemanha, França, ...


É interessante notar que os jogadores muçulmanos da seleção alemã não cantam o hino nacional alemão.

Os jogadores muçulmanos parecem rejeitar qualquer sentido normal de patriotismo. São notoriamente eles que se recusam a cantar o hino nacional. Até o ancestralmente francês Franck Ribéry, muçulmano converso que deu ao seu filho o nome de «Espada do Islão», se recusa a cantar o hino. Este é um padrão recorrente nas equipas de futebol europeias.

Mesut Ozil, o turco muçulmano que joga pela Alemanha, também se recusa a cantar o hino nacional alemão. O vídeo abaixo mostra-o abraçado aos também silenciosos Jerome Boateng e Sami Khedira. Anos atrás um muçulmano foi expulso da equipa nacional sérvia depois de se ter recusado a cantar o hino nacional.

E nada disto surpreende quem souber que o Islão foi sempre um inimigo visceral das Nações. Segundo a lei islâmica (Sharia), o único dever do muçulmano é apenas com a ummah, na nação do islão. Eles não devem ter qualquer tipo de aliança com o páis que eles vivem se este país não for governado pela Sharia. O islão existe para dominar e não para ser dominado, conquistar e não se integrar.


Karim Benzema muçulmano da seleção francesa responde porque não canta o Hino francês La Marseillaise, e o caso sua cuspidela depois do hino francês em homenagem ás vitimas do ataque de Paris em 2015.

Em uma entrevista Benzema respondeu porque ele não canta La Marseillaise: "Se logo na primeira vez que eu estive na França, tivessem me dito que era obrigatário cantar La Marseillaise, eu a teria cantado. Mas, enquanto me disserem que não é obrigatório, então você não vai me ver a cantar. Por eu não cantar não significa que eu não respeito o hino...isto é pessoal ... nada a fazer...Se eu não canto La Marseillaise, mas no jogo marco três gols, acho que não vão me perguntar no final do jogo por que eu não cantei.

O caso da cuspidela após o hino.

Acusado de ter desprezado o hino da França antes da partida entre Real Madrid e Barcelona em Novembro de 2015... o atleta qualificou essas interpretações como "escandalosas". Por meio de um comunicado, os advogados indicaram que o jogador da seleção francesa estava "extremamente surpreso com a interpretação que se fez do ato, em geral banal, praticado por todos os jogadores do mundo". No caso, ele se referiu ao cuspe no chão, que de fato é uma prática comum de se ver nos gramados de futebol.

Na época a imagem causou revolta aos franceses, inclusive à deputada que representa o país na União Europeia, Nadine Morano, que pediu a exclusão do jogador da seleção nacional por sua atitude. "Depois de muito tolerarmos as vaias contra a Marselhesa em estádios de futebol, precisamos de dura punição a Benzema, que não é mais digno de vestir as cores da seleção francesa. Não vamos encontrar desculpas para o imperdoável. Benzema deveria ser permanentemente excluído da seleção francesa", escreveu Morano em sua página no Facebook.

Nadine Morano, entretanto, destacou que Benzema "cuspiu justo no fim da Marselhesa", o que para ela configurou um ato que "se enquadra em desprezo e insulto às vítimas, suas famílias e toda a nação". "Todo mundo sabe o fascínio da juventude por jogadores de futebol. Os jogadores precisam mostrar seu melhor comportamento." (Algerie Patriotique, Estadão, Eurosport)


Lembre-se de outros dois incidentes. Um deles, quando os torcedores turcos vaiaram o minuto de silêncio para as vítimas do ataque do terrorismo islâmico em Paris (Reuters) e o outro quando os jogadores da Arábia Saudita desrespeitaram o minuto de silêncio para as vítimas do ataque do terror islâmico em Londres (Guardian).

Torcedores turcos vaiam o minuto de silêncio pelas vítimas do terrorismo islâmico

Jogadores da Arábia Saudita desrespeitam o minuto de silêncio pelas vítimas do terrorismo islâmico

Os dois primeiros vídeos e texto correspondente vieram do Canal Portões de Viena.



quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Doenças extintas reaparecem na Europa, e a "Jihad Fecal"



Aqui apresentamos links para 4 artigos externos.

O primeiro artigo é intitulado Alemanha: Disseminação de Doenças Infecciosas à Medida que Migrantes se Instalam, escrito por Soeren Kern, do Gatestone Institute. Nele, relata-se o reaparecimento de doenças extintas, trazidas pelos refugiados muçulmanos.

Os outros três tratam da "Jihad Fecal", na qual muçulmanos contaminam com fezes a comida servida ao público em geral (não muçulmano).
Introdução à Jihad Fecal - o Lambedor de Frangos
Jihad Fecal - O Pulverizador de Urina e Fezes
Um cheirinho de Jihad Fecal (salvo seja)





domingo, 12 de novembro de 2017