sábado, 14 de julho de 2018

Bispo italiano diz que está pronto para "transformar todas as igrejas em mesquitas" para ajudar a causa da migração muçulmana em massa

Um artigo no Il Giornale descreve como padres e bispos estão desafiando a política migratória do recém-empossado governo italiano, planejando "jejum e protestos contra ele" (Mas, o governo italiano foi eleito exatamente por prometer uma política migratória mais responsável!)

Sacerdotes, freiras e missionários contra Salvini (ministro do governo italiano): “Solidariedade com os migrantes”. Dez dias de jejum e protestos entre o Vaticano e Montecitorio. Os sacerdotes “vermelhos” se juntaram à esquerda e ao "radical chique".

Para expressarem sua discordância contra o governo, eles organizaram uma espécie de “jejum de revezamento”. Durante dez dias, eles tomarão as ruas contra as políticas migratórias do ministro da Liga do Norte, começando no dia 10 de julho, ao meio-dia, com “um dia de jejum de justiça em solidariedade aos migrantes” diante da Basílica de São Pedro. Então, por mais dez dias, eles estarão no mesmo local em frente ao Montecitorio, onde vão realizar um protesto permanente.

Os defensores do apelo são todos homens da Igreja. Desde o Padre Alex Zanotelli, que assinou em nome dos Missionários Combonianos, ao Monsenhor Raffaele Nogaro, bispo emérito de Caserta, ao Pe. Alessandro Santoro, que assinou em nome da Comunidade da Piagge de Florença, à Irmã Rita Giaretta da Casa Ruth de Caserta. Relembrando quando o papa Francisco desafiou as políticas restritivas da "Fortaleza Europa" durante a missa celebrada em Lampedusa (em julho de 2013) pelos 33 mil imigrantes que morreram no mar Mediterrâneo, os organizadores perguntaram: "Você já chorou quando viu um barco de migrantes afundar?" Então, referindo-se também ao cardeal Gianfranco Ravasi que, durante a luta de braço entre Salvini e o navio Aquarius, citou o Evangelho no Twitter: “Eu era um estrangeiro e você não me recebeu”. “As escolhas do governo são incompatíveis com o Evangelho e com a Constituição”, explicou padre Alessandro Santoro, da comunidade do Piagge de Florença, a Fatto Quotidiano: “defendemos o princípio da humanidade com as armas que temos: nossos corpos.”

Para o primeiro dia de protesto na Praça de São Pedro (assista ao vídeo) poucas pessoas apareceram. E o protesto dos padres de rua caiu em ouvidos surdos [aparecem apenas alguns "gatos pingados"]. Mas os manifestantes vão protestar contra Salvini novamente nos próximos dias. “Continuaremos em Montecitorio para testemunhar com jejum contra as políticas de migração deste governo”, disse padre Zanotelli. “Continuaremos jejuando por mais 10 dias com um protesto em frente ao Montecitorio das 8h às 14h.” O padre diz ainda que “o naufrágio dos migrantes, o pobre, o desesperado. é também o naufrágio da Europa e seus ideais de ser a pátria dos direitos humanos.” Ao lado do padre Zanotelli, em San Pietro, havia também o cartunista Vauro Senesi. Os dois leram as palavras ditas em uma entrevista do monsenhor Raffaele Nogaro, bispo emérito de Caserta, na qual ele disse que estava pronto para “transformar todas as igrejas em mesquitas se isso fosse útil para a causa e se isso nos permitisse salvar as vidas de homens e mulheres.”
Deixe-os; eles são guias cegos. E se um cego guiar um cego, ambos cairão num buraco. (Mateus 15:14)

Leia o artigo Por que São Tomás de Aquino se opõe a fronteiras abertas? e O Papa Francisco e sua falta de bom-senso no tocante à crise migratória na Europa para se compreender porque estes "padres vermelhos" estão equivocados naquilo que defendem.

Eu acho corretíssimo da Igreja Católica, ou qualquer outra igreja cristã, em ajudar os imigrantes, e, em ajudando-os, permitir que eles se tornem cristãos. Mas fazer o contrário, ou seja, se renegar o cristianismo para fazer com que os imigrantes muçulmanos se sintam em casa é uma traição total. E é exatamente isso que esses "padres vermelhos" estão fazendo.

O pior, existe um crescente distanciamento entre a posição destes segmentos "progressistas" da igreja e os católicos italianos.


O dever dos cristãos é seguir a Grande Comissão


2 comentários:

Anônimo disse...

Dê uma lida neste acontecimento e acho importante vc repostar aqui traduzido na sua página. Shoebat faz uma análise muito bem feita desses fatos sobre essa "crise" criada para se chegar a um objetivo final na Europa.

http://shoebat.org/2018/07/13/migrant-goes-on-drunken-rampage-in-italy-smashing-car-windows-after-streetfight-with-another-migrant-italians-form-a-mob-and-beat-the-migrant-to-a-pulp-and-leave-him-in-a-pool-of-his-own-blood/

Paulo Vizeu disse...

Que absurdo