domingo, 22 de julho de 2018

Festival de Cinema de Zanzibar: lidando com a horrível história da escravidão islâmica

Os negros residentes em Zamzibar, hoje, são os descendentes dos mercadores de escravos ou dos escravos trazidos da África Oriental. Os negros originais de Zamzibar foram dizimados, escravizados pelos árabes e vendidos nos mercados de escravos ao redor do mundo islâmico.  O tráfico islâmico negreiro em Zamzibar apenas terminou como resultado da intervenção britânica de 1896. 
"Zanzibar já foi um dos maiores mercados de escravos na área do Oceano Índico. Consequentemente, este ano o foco do Festival Internacional de Cinema de Zanzibar foi em filmes que lidam com a questão da escravidão." Um artigo de Detlef Langer relata sobre o programa e os debates acalorados que o tema provocou. Abaixo, relatamos os aspectos do artigo diretamente relativos à escravidão em Zamzibar.

O Festival Internacional de Cinema de Zanzibar, também chamado de Festival dos Países do Dhow, e ocorre a cada ano. Este ano o tema foi ligado a escravidão.

Os "países do Dhow" se refere aos países do Oceano Índico e Mar Vermelho que eram servidos por esta embarcação. O dhow é o nome genérico que se dá a veleiros possuem um ou mais mastros com velas latinas. Os historiadores estão divididos a respeito do dhow ter sido inventado pelos árabes ou pelos indianos. Independente de quem tenha-o inventado, o fato é que o dhow foi usado para transporte de itens pesados, como frutas, água doce ou mercadorias, mas também para o transporte de escravos.

O dhow, embarcação usada no tráfico negreiro islâmico

Agora, nos parágrafos seguintes, os trechos do artigo.


Celebração de Águas e Sonhos, foi o título do Festival Internacional de Cinema de Zanzibar deste ano, que decorreu entre 29 de junho e 8 de julho e ofereceu mais do que apenas filmes. Como o Festival dos Países do Dhow, também tenta criar um diálogo com os outros países no Oceano Índico, desde a península arábica até a Índia e a Indonésia. Esses são os países que, há mais de dois mil anos foram trocando mercadorias, pessoas, ideias, conhecimentos e tradições culturais como eles enviaram seus dhows através do mar.

Este é o décimo ano do festival, e este ano o foco estava em como os filmes lidam com a escravidão e seus efeitos. Pela primeira vez, a UNESCO ofereceu seu prêmio Breaking the Chains. Cerca de quinze filmes estavam na competição, incluindo o Manderlay, de Lars Von Trier .

As cavernas escuras de Mangapwani

Não foi por acaso que a UNESCO escolheu Zanzibar para esta competição: Zanzibar já foi um dos maiores mercados de escravos na área do Oceano Índico. E ainda há muitos lugares impressionantes que continuam a recordar essa grande tragédia humana, como as cavernas escuras de Mangapwani, nas quais os escravos estavam escondidos, mesmo depois da proibição da escravidão, ou o antigo mercado de escravos próximo ao mercado municipal de Stonetown.

Até a década de 1880, quinze mil escravos africanos eram vendidos por ano à península arábica e ao Império Otomano, ao Irã e à parte muçulmana da índia - em outras palavras, ao contrário do tráfico atlântico de escravos, esses escravos percorriam o mundo muçulmano. E também ao contrário do comércio do Atlântico, esse tráfico de pessoas, que era reconhecidamente menor em escopo, dificilmente foi pesquisado ou aceito pela mídia. Isso torna a iniciativa da UNESCO ainda mais importante.

Escravos otomanos

Hoje, todos os países do mundo muçulmano aboliram a escravidão, incluindo a Arábia Saudita em 1966. Mas o sofrimento social e a discriminação sofrida pelos descendentes de escravos continuam a ter efeito até hoje. O filmo turco, Baa Baa Black Girl, mostra isso de forma impressionante. Conta a história do Mustafa Olpak, de pele escura, cujo avô africano foi comprado como escravo doméstico por uma família otomana-turca, e que chegou a Istambul como resultado da revolução kemalista.

Ele pode ter sido legalmente um homem livre, mas ele ainda não conseguiu alimentar todos os seus filhos, e assim ele desistiu de uma de suas filhas para adoção por uma família desconhecida. Até 1964, essa era uma forma padrão de escravidão doméstica na Turquia. Movimentando-se, Mustafa conta como seu pai redescobriu a irmã que uma vez desapareceu na adoção. Em 2006, Mustafa Olpak organizou o primeiro encontro de afro-turcos com histórias semelhantes.

Escravos beduínos negros do Negev

O documentarista israelense Uri Rosenwaks conta a história dos beduínos negros na The Film Class, que ele fez com um grupo de jovens negras da cidade beduína de Rahat, no deserto de Negev. "Esses beduínos negros foram sequestrados na África por mercadores de escravos árabes", diz ele, "e vendidos em Zanzibar, Arábia Saudita e Egito. Até cinquenta anos atrás, esses beduínos negros eram escravos do beduíno branco. Quando comecei a filmar esse grupo, eu não tinha ideia sobre tudo isso. As jovens mulheres do filme também não falavam sobre isso."

Levou dezoito meses para criar confiança, e precisou de uma súbita revelação, quando um jovem beduíno usou o termo "cabeça de escravo" para descrever algo que estava comendo, antes que as jovens mulheres que participavam do filem criassem coragem para quebrar o tabu. e falar sobre a contínua discriminação contra os descendentes de escravos.

O filme mostra, de modo comovente, como as jovens aprendem a falar sobre o estigma que enfrentam, como começam a ter uma ideia do que era a escravidão e como começam a desenvolver a autoconfiança para usar a câmera para combater sua discriminação. Por exemplo, elas conversam com o prefeito de sua cidade, que defende a "velha tradição" de que beduínos brancos e negros não deveriam se casar.

Debates emocionais

As pessoas em Zanzibar hoje também sofrem com o fardo histórico da escravidão, como foi mostrado por um programa de televisão ao vivo, Hatua, que foi produzido no forte durante o festival. As pessoas estavam amargas ao falar sobre os descendentes dos traficantes de escravos. O Zanzibari Mohamed Omari mencionou tendências discriminatórias, como o fato de que os conjuges de casamento ainda estão restritos àqueles que estão no mesmo bairro da cidade.

Outros que falaram no debate emocional disseram que não eram apenas os árabes envolvidos no tráfico de escravos. Mahfouha Hamid, membro da família do famoso comerciante de escravos Tippu Tip (c.1837-1905), disse: "A escravidão é a pior forma de injustiça na história, mas não permitamos sentimentos de amargura".

Outros argumentaram que não se deve falar apenas do passado. Eles apontavam formas modernas de escravidão na África, escravos sexuais e crianças-soldados. Tais tópicos ardentes não foram ignorados na escolha de filmes para o festival. Elfu Huanza Moja, que teve sua estréia mundial no festival, mostrou cinco histórias de casos reais de abuso infantil na sociedade da Tanzânia. Outros filmes da Tanzânia, como Hali Halisi e Fimbo ya Baba, lidavam com a ameaça da AIDS.

O artigo completo pode ser encontrado aqui.



3 comentários:

Unknown disse...

José eu tentei uma vez pesquisa sobre os nativos da ilha de Zanzibar mais não consegui você pode me indicar um site que trate sobre isso mais uma coisa você sabe o paradeiro desses nativos ainda podem aver decentendes deles para poder fazer justiça sobre o caso da escravidao

José Atento disse...

Se você for no https://en.wikipedia.org/wiki/History_of_Zanzibar, veja sob o Sultanato de Zamzibar, onde existe texto com fartas referências sobre o assunto.

O livro Islam's Black Slaves: The Other Black Diaspora de Ronald Segal também trata do assunto. https://www.amazon.com/Islams-Black-Slaves-Other-Diaspora/dp/0374527970/

Unknown disse...

Obrigado