domingo, 16 de junho de 2019

A conexão islâmica do IntercePT, e uma nova tentativa de derrubar Bolsonaro

Você deve saber sobre esta confusão criada pelo vazamento de uma suposta conversa entre o então juiz Sérgio Moro e Deltan Dallagnol. Claro que a oposição ao governo Bolsonaro vai fazer o maior alarde possivel, com o apoio da imprensa corporativa globalista (por exemplo, manchete do jornal globalista espanhol El Pais: "Mensagens entre Moro e Dallagnol podem abalar imparcialidade da Lava Jato", citando um site chamado The IntercePT).

Vale a pena lembrar que a Força Tarefa da Lava-Jato colocou na cadeia corruptos ligados ao governo do PT, corruptos estes que quebraram o Brasil! Muito dinheiro roubado foi resgatado, mas a maior parte do dinheiro roubado permanece perdido e talvez nunca seja recuperado. A Lava Jato desvendou o maior escândalo de corrupção do Brasil e o segundo maior do mundo!

Mas, a quem pertence o The IntercePT, que se opõe à Lava Jato?

O dono do site The Intercept é é Pierre Omidyar, filho de iranianos, que financia sites anti-semitas pelo mundo e apoia o Hamas, e, por conseguinte, a Irmandade Muçulmana. A atuação "filantrópica" de Pierre Omidyar se dá através do grupo A First Look Media, de tal modo que seu apelido é "George Soros das sombras." Assim como George Soros, Omidyar é acusado de fomentar interferência externa sobre governos de diversos países, no seu caso, governos da Ucrânia, Zimbábue, Filipinas. Ele atua contra o Brasil desde agosto de 2016, desde a época do impeachment da Dilma.

Pierre Omidyar fez sua fortuna como fundador e primeiro diretor do site de leilão on line e-bay. Ricaço aos 31 anos, com uma fortuna estimada em 8 bilhoes de dólares.

O The IntercePT se tornou famoso quando Edward Snowden confiou a Laura Poitras e Glenn Greenwald, os documentos ultrassecretos que ele roubou da Agência de Segurança Nacional, e de outros órgãos de inteligência dos EUA, antes de se refugiar na Rússia. Apesar do grupo Omydiar dizer que financia e apoia democracias e os direitos humanos mundiais e Glenn Greenwald ser defensor LGBT, esse site ,The IntercePT, nunca, repito, NUNCA publicou nada contra o Irã. 

Enquanto isso, o fundador do e-bay financia ódio contra Israel. Porque? Lembre-se, o e-bay, a exemplo da Google, Facebook, YouTube e Twitter, é uma gigantesca corporação globalista multinacional. É o capitalismo a serviço do islamismo e aliado com uma esquerda internacionalizante.


Agora, vem o discurso que tenta vender uma imagem de "bom-mocismo" mas que na verdade apenas tenta enganar os trouxas, pois os objetivos, escritos como algo bom, são aplicados de forma seletiva. Veja o que diz o site da Fundação Omidyar:
"Bom governo. Decisões sábias emergem da governança eficaz que é justa, responsiva e sensível às nossas interdependências. Acreditamos que uma democracia forte respeita a liberdade e a privacidade individuais, valoriza o engajamento dos cidadãos e exige transparência e responsabilidade do governo.'
"Cidadãos informados e engajados. Uma sociedade saudável depende de os cidadãos serem envolvidos e informados. Apoiamos uma imprensa livre e robusta e jornalismo de qualidade para fornecer aos cidadãos as informações precisas de que necessitam para responsabilizar os responsáveis."
Mas se isso for verdade, porque ele não se interessa pela democracia, transparência, responsabilidade do governo, respeito à liberdade e imprensa livre no Irã, na Faixa de Gaza governada pelo Hamas, ou nos outros "paraísos islâmicos"?

Lembre-se que as organizações islâmicas Hamas (Irmandade Muçulmana) e Hizbolá (Irã) são inimigos declarados de um Brasil independente. Dentro a visão geopolítica destas organizações, o Brasil deve servir como centro no tráfico de armas e drogas, e, claro, dezenas de receber milhões de imigrantes muçulmanos para facilitar a islamização do Brasil. Eles estão alinhados com a nossa esquerda míope. Lamentável.

A aliança entre o narcotráfico e o avanço islâmico no Brasil

O que eu também gostaria de registrar aqui é que existe uma mudança na dinâmica política no mundo de hoje. Não existe mais uma diferença entre Direita e Esquerda, entre Comunismo e Capitalismo. Hoje em dia a separação se dá em termos de globalismo e nacionalismo. O globalismo defende que o mundo seja governado por instituições supra-nacionais em um mundo de países sem fronteiras, e que as tradições e cultura locais sejam pulverizadas por um multiculturalismo cego. O nacionalismo defende a manutenção da soberania das nações e seu auto-governo, a defesa das fronteiras e a preservação das tradições e cultura locais, com imigrantes se inserindo nelas.

A esquerda brasileira, infelizmente, se tornou globalista, aliando-se às grandes corporações e aos grupos e países que desejam a difusão da lei islâmica.

O vídeo abaixo discute um pouco o papel de Pierre Omidyar, Glenn Greenwald e do The IntercePT.

PS. as duas letras ao final do intercept são usadas como maiúsculas de propósito.





Denunciada possível influência do Irã na eleição em favor de Haddad (PT-PCdoB) - Cristãos do Oriente Médio ameaçados

As eleições e a islamização do Brasil. Como usar seu voto?

Transferência por Bolsonaro de embaixada a Jerusalém seria 'provocação', diz representante palestina
As ameaças já começaram da OLP e do Hamas já começaram. Mas não seria diferente. Afinal, o próprio Maomé disse ter sido vitorioso através do terror. (Hadice de Bukhari, 52:220)


sexta-feira, 7 de junho de 2019

Azerbaijão promove "o maior genocídio cultural do século 21" ... sob os nossos olhos

Um novo relatório contundente detalha a destruição do patrimônio cultural armênio por parte do Azerbaijão, incluindo a destruição de dezenas de milhares de esculturas de pedra, protegidas pela UNESCO. Muçulmanos destroem a história para poder afirmar "esta terra sempre foi nossa. Allahu Akbar!" A Turquia tem feito o mesmo

Artigo escrito por Dale Berning Sawa, em 1/3/2019, no jornal londrino The Guardian,  e complementado com dados e fotos do relatório da revista de arte Hyperallergic.

Pequena revisão histórica para contexto

Antes, porém, talvez seja oportuno uma pequena explicação sobre a origem do Azerbaijão e a situação geopolítica no Cáucaso. O Cáucaso é uma região compreendida entre o Mar Negro e o Mar Cáspio, composta atualmente pela Rússia, Geórgia, Turquia, Irã, Armênia e Azerbaijão.

O Cáucaso de hoje
(repare os dois enclaves ao sul da Armênia: à esquerda, o Naquichevão destinado ao Azerbaijão; 
à direita, o Alto Carabaque, destinado à Armênia)
(imagem: wiki commons)

Já sabemos que a Armênia é uma das nações mais antigas do mundo, e reinos armênios sempre existiram naquela região, variando de tamanho, chegando algumas vezes a alcançar o Mar Mediterrâneo. Em 301, a Armênia se tornou o primeiro país oficialmente cristão do mundo. A Armênia foi assolada pelas diversas ondas de invasões e massacres islâmicos turcos apartir do século XI. Mesmo assim, os cristãos se mantiveram como maioria aquela região, apesar do assentamento gradativo de povos turcomanos muçulmanos, particularmente no entorno do Mar Cáspio e na fronteira com a Pérsia. No começo do século XX, a União Soviética conquistou o Cáucaso, incluindo a recém criada República do Azerbaijão, que possuia um grande contingente de cristãos armênios, notadamente na região do Alto Carabaque (Nagorno-Karabakh). Em 1988, um plebiscito decidiu pela unificação desta região com a Armênia, o que desencadeou na Guerra de Nagorno-Karabakh, pois o Azerbaijão nunca aceitou esta unificação. A trégua de 1994 não encerrou o conflito, que continua como guerra de baixa intensidade até os dias de hoje.

Numa tentativa de apagar os séculos de história armênia da região, o Azerbaijão (a exemplo da Turquia) vem destruindo tudo o que seja armênio, sejam igrejas, pedras de túmulos e cruzes arménias de pedra (khachkar). Ou seja, a exemplo da Turquia, o Azerbaijão tenta apagar a história, alegando que os armênios nunca viveram naquelas terras.

Leia depois sobre o Genocídio Armênio.

O genocídio cultural cometido pelo Azerbaijão

A mais extensa campanha de limpeza cultural do século XXI não ocorre na Síria, como se poderia supor, mas numa parte largamente ignorada do planalto da Transcaucásia.

Perdido no tempo ... alguns dos milhares de khachkars de Djulfa, por volta do século XVI, fotografados na década de 1970 antes de sua destruição. Foto: © Argam Ayvazyan, 1970-81

De acordo com um longo relatório publicado na revista de arte Hyperallergic em fevereiro, o governo do Azerbaijão tem, nos últimos 30 anos, promovido a eliminação sistemática da histórica herança armênia do país. Essa destruição oficial, ainda que oculta, de artefatos culturais e religiosos excede a destruição de Palmira pelo estado islâmico, segundo os autores do relatório, Simon Maghakyan e Sarah Pickman.

Maghakyan, analista, ativista e conferencista em ciência política, com sede em Denver, EUA, rotula como "o maior genocídio cultural do século 21". Ele cresceu com as histórias de seu pai visitando um lugar bonito e misterioso chamado Djulfa. Localizado no enclave de Naquichevão (sob a custódia do Azerbaijão), nas margens do rio Araxes, era o local de uma necrópole medieval, o maior cemitério armênio antigo do mundo. Os visitantes através dos séculos, de Alexandre de Rhodes a William Ouseley, notaram o esplendor deste local remoto.

No seu auge, o cemitério continha em torno de 10.000 khachkars, ou pedras cruzadas, em posição ereta, o khachkar mais antigo datado do século VI. Exclusivas das tradições funerárias armênias, estas distintas e altas pedras vermelhas e amarelas róseo apresentam cruzes, cenas e símbolos figurativos e padrões de relevo altamente decorativos. Quando os soviéticos formalizaram as regiões autónomas de Nagorno-Karabakh e Naquichevão, em 1920, após décadas de pilhagem, restavam menos de 3.000 khachkars. O subsequente vandalismo episódico levou a Unesco, em 2000, a ordenar que os monumentos fossem preservados.

Mas isso teve pouco efeito. Em 15 de dezembro de 2005, o prelado da igreja armênia do norte do Irã, Bispo Nshan Topouzian, filmou - do outro lado do rio, no Irã - as forças armadas do Azerbaijão metodicamente devastando com marretas tudo o que restava de Djulfa. Os soldados carregaram os destroços para os caminhões e jogaram no rio Araxes.

As imagens podem ser encontradas em um filme de 2006 intitulado The New Tears of Araxes postado no YouTube, editado por Maghakyan e roteirizado por Pickman. Imagens de satélite mostram que, em 2003, a paisagem irregular e texturizada estava repleta de múltiplas estruturas pequenas. Em 2009, estava achatada e vazia.


O governo do Azerbaijão recusou repetidamente a entrada de inspetores internacionais no sítio, não responde a pedidos de comentários - inclusive para este artigo - e nega que os armênios tivessem vivido em Naquichevão. Tal obstáculo dificulta a verificação independente, mas a enorme quantidade de evidências forenses que Maghakyan e Pickman apresentam faz deste um caso sólido, difícil de ser contextado. Eles alegam que os eventos dramáticos em Djulfa marcaram o estágio final de uma campanha mais ampla para desnudar Naquichevão de seu passado nativo, cristão e armênio.

Muito pouca atenção internacional foi dada a esta história. A maior parte do material em que este relatório se baseia não foi reunida por órgãos oficiais, mas por indivíduos que, como Maghakyan e Pickman, operaram com seu próprio dinheiro.

O pesquisador local Argam Ayvazyan, agora exilado na Armênia, fotografou 89 igrejas armênias, 5.840 khachkars e 22.000 lápides entre 1964 e 1987 - que, segundo o relatório, desapareceram. Um escocês chamado  Steve Sim viajou pelo leste da Turquia em 1984 e coletou mais de 80.000 slides e fotografias nos últimos 35 anos, documentando a antiga herança armênia em toda a região: “Era o lugar mais distante da Grã-Bretanha na época, e também o mais barato para visitar", diz ele. Ele vem retornando regularmente desde então, acumulando uma biblioteca de 1.000 livros - com muitos livros de Ayvazyan - principalmente sobre a arquitetura armênia.

O antigo diretor do tesouro nacional do Azerbaijão, Akram Aylisli , por sua vez, vive sob prisão domiciliar virtual desde 2013, quando publicou textos críticos sobre as ações de seu governo. Ele primeiro protestou contra o que chamou de "vandalismo maligno" em um telegrama de 1997 ao presidente do país. “Essa ação sem sentido”, escreveu ele, “será percebida pela comunidade mundial como uma manifestação de desrespeito pelos valores religiosos e morais”.

Steven Sim indica que o relatório hiperalérgico não explica adequadamente o valor artístico do que foi perdido. A arquitetura armênia é única, diz ele - aparentemente minimalista na aparência, mas altamente sofisticada estruturalmente e construída para suportar a volatilidade sísmica da paisagem. Ele descreve as igrejas diminutas mais como escultura do que construção, com estruturas do topo das cúpula compreendendo um volume único, que parecem terem sido moldadas em pedra. Os khachkars, por sua vez, são regionais, o significado da iconografia e do simbolismo que eles mostram em grande parte perdidos no tempo. Essa perda é mais intensamente sentida com a destruição das pedras da cruz de Djulfa, que exibiam cenas da vida medieval diária - pessoas andando a cavalo, carregando jarros de água ou fazendo piqueniques em jardins. a comida disposta em tapetes - e estranhas criaturas míticas, incluindo uma fera de quatro patas com dois corpos, uma única cabeça e asas. "Eu olhei para milhares de khachkars em toda a Armênia", diz Sim, "e eu só vi um que tenha esse animal de cabeça única de corpo duplo. Mas todos eles os tinham em Djulfa."

O mundo legitimamente reconheceu a destruição de Palmyra pelo Estado Islâmico como um crime de guerra, uma imensa perda para o povo sírio e para a humanidade como um todo. Maghakyan espera que tanto os armênios quanto os azerbaijaneses vejam o que aconteceu em Naquichevão como um crime contra todos, cometido por um regime implacável. O historiador do Azerbaijão que agiu como revisor do artigo, mas desejava permanecer no anonimato por temer por sua segurança, disse a Maghakyan que o relatório era “para todos nós, independentemente de etnia e religião”, mas especialmente para os azeris que não perderam ou renderam sua consciência.

O pesquisador de arte armênio Argam Ayvazyan em 1981, ao lado de um khachkar do século XIV em Nors, perto de seu local de nascimento. Foto: © Argam Ayvazyan, 1970-81


Material adicional

A Regime Conceals Its Erasure of Indigenous Armenian Culture. Simon Maghakyan e Sarah Pickman, Hyperallergic, 2019. 

Tragedy on the Araxes. Sarah Pickman, Archaeology. 2016. 

Para mais fotos do cemitério de Djulfa, incluindo fotos da destruição final de dezembro de 2005, visite www.armenica.org

Para fotos maiores dos khachkars antes da destruição, visite international.icomos.org


Artigos relatos no blog sobre o Genocídio Armênio, grego e assírio

descrição do genocídio , (texto e vídeo) 
bacia do Eufrates preenchida com os ossos dos armênios
extermínio dos gregos de Constantinopla (1955)
destruição das igrejas armênias pela Turquia (apagando a história)
o esquecido genocídio armênio de 1019 AD
reflexão (no ano do centenário)


terça-feira, 4 de junho de 2019

Novo livro afirma que halal é "tradição inventada", e não um pilar do Islã

Nós já tratamos da "certificação halal" em diversos artigos, ressaltando que ela não passa de um engodo para enriquecer capitalistas, sejam muçulmanos ou não. Claro, os capitalistas muçulmanos levam a maior parte do bolo.

Certificação Halal não era exigida no tempo de Maomé, e não é exigida nos dias de hoje. Isso é uma artimanha para enganar consumidores ingênuos (ver vídeo abaixo).


Texto abaixo retirado de artigo no France24, escrito por Assyia Hamza

Um novo livro da antropóloga Florence Bergeaud-Blackler, “O Mercado Halal ou A Invenção de uma Tradição”, confirma que comprar produtos halal não é uma obrigação religiosa.

Bergeaud-Blackler escreve em seu livro que muito embora o Alcorão e a Sunna (os ensinamentos e práticas do Profeta Maomé) proíbam explicitamente a carne de porco, o sangue e o álcool, não existe imposição de nenhuma regra que dite o comportamento com respeito aos demais produtos.

Existe uma condição a respeito do abate de animais, que deve ser morto “durante a caça, ou sangrado na garganta ou no esterno.” Apenas isso.

O mercado halal é uma “tradição inventada” que apareceu pela primeira vez no início dos anos 80, explica ela, ampliando uma teoria previamente desenvolvida pelo historiador britânico Eric Hobsbawm.

“Comer halal é apresentado hoje como uma prática obrigatória para os muçulmanos, embora o termo não existisse no mundo muçulmano antes de ser exportado pelos países desenvolvidos.”

Segundo Bergeaud-Blackler, que estudou halal nos últimos 20 anos, o mercado floresceu especialmente em países não muçulmanos, devido à aceleração da imigração muçulmana.

"Há uma pesquisa recente do Instituto Montaigne que mostra que 40 por cento da população muçulmana da França pensa que comer o halal é um pilar do Islã, o que é falso", disse ela.

Na realidade, a indústria alimentar halal é um produto da “convergência aleatória do neo-fundamentalismo e do neoliberalismo” durante o início dos anos 80, explicou Bergeaud-Blackler.

“Na época, essas duas ideologias eram dominantes no cenário internacional. Sua convergência mudaria a definição teológica de halal de "recomendado" para "obrigatório", que é uma marca do fundamentalismo ", disse ela.

A ascensão do halal pode ser rastreada até o Irã pós-revolucionário em 1979, quando o aiatolá Khomeini proibiu a importação de alimentos, em particular carne, de países não muçulmanos. O líder supremo foi mais tarde forçado a reconsiderar sua posição depois que um embargo levou à escassez de alimentos.

Khomeini decidiu que se o Irã tivesse que começar a importar carne do Ocidente novamente, insistiria na "islamização" do processo de abate. Embora os protocolos tenham sido estabelecidos para a indústria alimentar halal, eles nunca foram oficializados pelos líderes religiosos.

"O mercado é facilitado pela existência de leis em países seculares que reconhecem o abate religioso, que foi inicialmente estabelecido para a diáspora judaica", disse Bergeaud-Blackler.

Outros países muçulmanos, como os Estados do Golfo, a Malásia e a Turquia, logo seguiram os passos do Irã, levando a um conjunto cada vez mais complexo e expansivo de regras. E assim o consumidor muçulmano nasceu.

A cobiça leva à sua disseminação

O mercado halal tornou-se a galinha dos ovos de ouro na França , que abriga cerca de 4 a 5 milhões de muçulmanos - uma das maiores populações da Europa.

Tem um valor estimado entre 5,5 e 7 bilhões de euros por ano, de acordo com a Agência Solis, especializada em pesquisa de mercado étnico-religiosa.

Como não há lei regulando a carne halal, um número crescente de organizações tem se oferecido para certificar produtos, que devem ser abatidos e abençoados por um matadouro credenciado por uma das três mesquitas em Paris, no subúrbio a sul de Evry ou na cidade de Lyon. O único problema é que qualquer um pode abrir um negócio de certificação, independentemente de terem aprovação religiosa.

"Os produtores são obrigados a contratar um matadouro credenciado por uma das três mesquitas, mas não têm obrigação de usar uma agência de certificação halal", escreve Bergeaud-Blackler em seu livro. "Não há nada que os impeça de rotular seus próprios produtos como 'halal certificado'".

Embora o mercado halal tenha sido abalado por inúmeros escândalos ao longo dos anos - incluindo produtos falsamente rotulados ou traços de carne de porco encontrados em salsichas de merguez -, seu sucesso não foi diminuído na França.

Se alguma coisa, mais e mais pessoas estão comprando halal, e cantando seus louvores. A crescente popularidade do setor aumentou o temor de que possa ser usado por extremistas religiosos como os salafistas ou o movimento da Fraternidade Muçulmana para promover sua interpretação do Islã.

Ameaça de extremismo religioso

Comer exclusivamente halal traz o risco de isolar os consumidores muçulmanos dos espaços públicos, limitando igualmente outras formas de interação social.

"Dividir um espaço entre o que é permitido e o que é proibido cria ansiedade social e leva à evitação", escreve ela. “Quando você come exclusivamente halal, você pode não convidar alguém que não coma halal para sua casa para evitar que o convidado se ofereça para recebê-lo em troca. É ainda mais verdade que esses atos de evitação são acompanhados por uma retórica rejeitando a comida. A confusão entre halal e pureza é preocupante.”

Bergeaud-Blackler também advertiu contra o que ela chama de “umnico” halal (um termo derivado da palavra árabe umma usado para designar a comunidade muçulmana), ou comida halal que é feita para os muçulmanos, pelos muçulmanos.

Até 2005, os não-muçulmanos eram livres para fabricar produtos halal desde que respeitassem as normas e regras internacionais. Desde então, os Estados do Golfo e a Turquia acusaram o Ocidente de assumir o controle dos padrões de produção halal e lançaram uma espécie de "superioridade técnico-religiosa."

"Eles acreditam que devem estar no controle dos padrões de produção halal, de como é financiado até como é consumido, introduzindo assim uma economia global islâmica que inclui todos os países muçulmanos, bem como as comunidades imigrantes muçulmanas", disse ela.

Para alguns, o ato de comprar e consumir produtos halal é semelhante ao cumprimento dos preceitos do Profeta. Em outras palavras, é uma maneira totalmente nova [bida] de alcançar o paraíso eterno.


Florence Bergeaud-Blackler é antropóloga e pesquisadora sênior do  Centro Nacional Francês para Pesquisa Científica (CNRS) . Ela é uma especialista reconhecida no mercado halal na Europa, já que acompanha sua evolução há mais de vinte anos. Seus trabalhos mais recentes estão relacionados com a normatividade islâmica nas sociedades seculares e mercados halal. Publicou vários livros sobre o mercado halal, tais como Le marché halal ou l ' invento d ' une tradition  (2017),  Halal Matters: Islam, Política e Mercados em Perspectivas Globais  (2016). Les sens du halal: une norme dans un marché mondial (2015) e  Comprendre le halal: conceitos économiques, religieux et sociaux face au halal  (2013).

Leitura adicional:

Europe: "Big Business" Colludes with Islamism, Yves Mamou, Gatestone Institute, 2017.

The Global Halal Market, entrevista com Florence Bergeaud-Blackler, Revue du MAUSS, vol. 49, no. 1, 2017, pp. 48-61.

Entrevista en francês, no YouTube.



segunda-feira, 3 de junho de 2019

Notícias sobre a jihad global em maio de 2019

Veja o que entrou de novo no blog em abril de 2019, exemplificando a aplicação da lei islâmica Sharia ao redor do mundo, seja por governos de países com maioria muçulmana, grupos islâmicos ou mesmo ações individuais.


Islamismo Corânico (quem diz "eu sigo apenas o Alcorão" não é muçulmano)
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/islamismo-coranico.html

Crimes de cristãos (são contra Cristo) e crimes de muçulmanos (imitam Maomé)
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/crimes-de-cristaos-e-crimes-de.html


Apostasia

Irã: mantida a prisão de dois ex-muçulmanos convertidos ao cristianismo, acusados de “propagação de propaganda contra o regime”
Os cristãos Saheb Fadaei e Fatimeh Bakhteri, tinham sido sentenciados a prisão de 18 e 12 meses, respectivamente. A sentença foi confirmada pelo tribunal de recurso. Saheb já está cumprindo outra sentença na Prisão de Evin, em Teerã. Saheb, juntamente com o pastor Yousef Nadarkhani, Mohammadreza Omidi e Yaser Mosibzadeh, receberam sentenças de 10 anos de prisão por propagação de igrejas domésticas e promoção do “Cristianismo Sionista.” (meconcern)


Direitos das Mulheres sob o Islão: Parte 3Parte 2Parte 1
A imigração muçulmana aliada ao políticamente correto do Ocidente estão tornando as mulheres ocidentais igualmente sem defesa frente ao avanço implacável da Sharia.
EUA: Crime de Honra" muçulmano do Arizona mata esposa e duas filhas pela honra, diz que Alá disse a ele para fazer isso
Além de matar a esposa e duas finlhas (7 e 5 anos de idade), Austin Smith também matou um amigo achando que sua esposa tinha um caso extra-conjugal. (fox10)

Paquistão: tráfico de meninas cristãs sendo levadas como noivas para a China
Centenas de meninas cristãs pobres foram traficadas para a China em um mercado para as noivas que cresceu rapidamente no Paquistão desde o final do ano passado, com o aumento da presença comercial e influência política da China no Paquistão. A reportagem relata a denúncia de ativistas cristãos que acusam clérigos cristãos de financiarem as transações. Os cristãos são a camada mais pobre do Paquistão o que os torna mais vulneráveis. O fato é que o governo paquistanês não faz muita força para combater isso. O que são meninas cristãs frente ao interesse de bom relacionamento com a China? (apnews)

Nigéria: clérigo islâmico diz "As mulheres devem aceitar a realidade da poligamia"
Ustaz Sa'eed Abdur-Rauf, diretor do Escritório do Instituto Internacional de Terapia Islâmica da Nigéria, pediu às mulheres, particularmente às muçulmanas, que apreciem a realidade da poligamia na construção de relacionamentos duradouros. O ativista de Dawah em uma palestra intitulada "O Caos Marital: O Antídoto Islâmico", disse que a poligamia era uma lei de Deus. “Como mulher muçulmana, você deve saber que não há alternativa a isso. Se o seu marido trouxer uma nova esposa, você deve ser capaz de tolerar isso. Não é fácil, mas você deve ser capaz de apreciar e tolerar  isso”, disse ele. https://www.pmnewsnigeria.com/2019/05/12/ramadan-lecture-women-must-accept-reality-of-polygamy-islamic-cleric/

Grã-Bretanha: muçulmanos afirmam que "Deus criou a mulher para o prazer do homem"
Muçulmanos afirmaram isso durante manifestações contra educação sexual nas escolas inglesas (Sky)


Doutrinação

Grã-Bretanha: relatório secreto do governo adverte mais de 48 escolas islâmicas britânicas estão ensinando intolerância e misoginia a futuros imãs
Imames são treinados em escolas acusadas de promover intolerância, alerta o relatório. Relatório secreto do governo afirma que pregadores têm opiniões extremas (ou seja, seguem o Islã como ensinado por Maomé). Foram identificadas 48 madrassas Darul Ulooms (Casa do Conhecimento) que seguem estrito currículo chamado Dars-E-Nizami. São deobandi, que é o wahabismo como praticado no Afeganistão e Paquistão (dailymail).

"Homem-bomba suicida do Sri Lanka" foi radicalizado pelo notório pregador islâmico Anjem Choudary em Londres
Abdul Lathief Jameel Mohamed, 37 anos, era o elo entre o Estado Islâmico e os homens-bomba, segundo os serviços de segurança. Ele estava "completamente radicalizado" e que ele assistiu aos sermões de Anjem Choudary. Mohamed tentou explodir o luxuoso hotel Taj Samudra na capital cingalesa, Colombo, no Domingo de Páscoa. https://www.dailymail.co.uk/news/article-7025759/Sri-Lankan-suicide-bomber-radicalised-Anjem-Choudary.html


Escravidão - Exemplos

Alemanha: indignação com o Partido AfD por usar um quadro mostrando homens muçulmanos escravizando mulheres brancas em campanha publicitária
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/alemanha-indignacao-com-o-partido-afd-escravidao-islamica.html


Gays
O profeta (a paz esteja com ele) disse: "Se encontrardes alguém fazendo como o povo de Lot fez, matai aquele que faz e aquele a quem a coisa é feita." (Hadice Abu Dawood 38:4447) -- PS. O "povo de Lot" são os homens que aparecem na Bíblia querendo fazer sexo com os homens que se hospedaram na casa de Lot (Gênese 19:4-5)
Grã-Bretanha: manisfestação dos muçulmanos contra 'ensinar tolerância aos gays em escolas' se espalha pelo país
Começou em Birmingham, agora acontece em várias cidades. Nesta guerra de braço entre homossexuais e muçulmanos advinha quem vai ganhar? (https://www.bbc.com/news/uk-england-48294017)

Tunísia: governo invoca lei da sharia na tentativa de fechar grupo de direitos LGBT
Assédio judicial e aumento das detenções sob a lei anti-sodomia aumentam o clima de tensão e medo. Artigo 230 do código penal criminaliza a homossexualidade com até três anos de prisão. (Guardian)

Cuba decide descartar a lei do casamento entre pessoas do mesmo sexo na nova constituição apesar do apoio da maioria
Além disso, uma manifestação pró-LGBT foi dissipada pela polícia com muitos gays presos.
As lideranças LGBT no Brasil e no mundo está em silêncio. Isso porque o objetivo final não é o bem-estar e a aceitação dos homossexuais pela sociedade (algo que já acontece). O objetivo é político. Daí o silêncio contra o mundo muçulmanos que persegue homossexuais. Daí o silêncio para o que se passa em Cuba. A hipocrisia é total!!! (telegraph ; pinknews)



Halal - Boicote Halal 

Leia este artigo "Boicote Produtos Halal" para saber o que é "comida halal" e o porquê de boicotá-la. E visite os demais links.

Grã-Bretanha: Lanchonetes Subway removem presunto e bacon de quase 200 lojas e oferecem apenas carne halal após 'forte demanda' dos muçulmanos (boicote Subway na Inglaterra)
Isso é a "lei dos números do islão" sendo posta em prática. Mesmo em minoria, eles já se sentem fortes o bastante para exigirem que os outros se curvem às demandas da lei islâmica Sharia. (Daily Mail)

Você já ouviu falar de "Meias Halal" (halal socks)? No Canadá elas estão disponíveis ....
O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, usou-as na Parada Gay de 2017.
Um dos "muitos" novos empregos criados por Trudeau e sua equipe islâmica: "meias halal" agora disponíveis no Canadá.
A pessoa da esquerda é Omar Alghabra, um dos conselheiros mais próximos de Justin Trudeau e ex-redator de discursos. O Sr. Alghabra é um sírio nascido na Arábia Saudita que foi nomeado por Trudeau para o cargo de Secretário Parlamentar do Ministro dos Negócios Estrangeiros (Global).
Leia sobre Alghabra.
Algumas das realizações notáveis ​​do Sr. Alghabra incluem:
1. Comparando Israel à ditadura de Saddam Hussein
2. condenar os jornais canadenses por rotularem o Hamas e o Hezbollah como organizações terroristas
3. recusando-se a condenar homens-bomba
4. dizendo que ele não acredita que o Hamas seja dedicado à destruição de Israel
5. criticando o chefe de polícia de Toronto por participar de uma caminhada de caridade para Israel;
6. luto pela morte do arqui-terrorista Yasser Arafat
7. Expressando "decepção" quando Ontário rejeitou a lei da Sharia
8. servir como presidente da Federação Árabe do Canadá, um grupo tão tóxico, que o governo canadense cortou seu financiamento devido ao seu repetido apoio expresso ao Hamas e ao Hezbollah.
(texto de Boycott Halal in Canada)



História (Arte e Jahiliyya)

O esquecido genocídio armênio de 1019 AD
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/o-esquecido-genocidio-armenio-de-1019-ad.html

A guerra que enfraqueceu Roma e Pérsia, facilitando as conquistas militares da jihad islâmica
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/guerra-bizantino-sassanida-facilitou-invasao-islamica.html

A aspiração islâmica de conquistar Roma é antiga
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/a-aspiracao-islamica-de-conquistar-roma.html



Marxismo e Islã: de mãos dadas com o terror
A estranha aliança entre duas ideologias mortais, inclusive no Brasil (ecoandoavozdosmartires).

Aliança profana entre os religiosos muçulmanos e comunistas ateus
 “A esquerda quer destruir a civilização ocidental por considerá-la desigualitária e querem substituí-la por uma utopia comunista; os Muçulmanos querem destruir a civilização ocidental por achá-la maligna e querem substituí-la por um Califado Mundial”. – Ben Shapiro (pensa960)

Por que a esquerda adora muçulmanos?
Esta é a contradição que me enlouquece. Mas ambos têm um objetivo comum: destruir a civilização ocidental, construída sobre princípios greco-romanos, judáico-cristãos. Inclusive no Brasil  (sensoincomum).

Objetivos da Esquerda e do Islã não são incompatíveis
Artigo de Ben Shapiro e vídeo (blogdoluigi)


Preso o chefe de uma quadrilha de roubo de cargas no Rio de Janeiro: Mohamad
O Mohamad cópia segue o exemplo do Mohamad original (o "profeta"), transforma o roubo de "caravanas" (caminhões) em uma "profissão" lucrativa (O Dia)




Erdogan planeja abrir escolas secundárias turcas na França, que, entre outras coisas, ensinam "boa jihad"
A abertura dessas instituições turcas na França pode denotar uma política de “inspiração salafista”, pelo menos se o conteúdo das aulas for modelado sobre o que está na Turquia. A islamização de programas de Erdogan em seu país já levantou preocupações na mídia francesa nos últimos anos. Em julho de 2017, o conceito de “jihad” foi introduzido na maioria das instituições. “A jihad está em nossa religião e é tarefa do Ministério da Educação assegurar que esse conceito seja ensinado de maneira justa e apropriada” (voiceofeurope)

Canadá: Turquia de Erdogan promete ajudar a repatriar jihadistas do Estado Islâmico
A Turquia está disposta a cooperar com a polícia montada para repatriar as dezenas de canadenses capturados pelas forças curdas apoiadas pelos EUA durante o colapso do Estado Islâmico. (GlobalNews)

Áustria apresenta regras para imigrantes muçulmanos
As dez regras incluirão: Aprender alemão, obedecer à lei austríaca, adotar "valores austríacos" e educar crianças adequadamente, resolver conflitos de maneira não violenta, respeitar a liberdade religiosa, prevenir sofrimento "desnecessário" aos animais e expressar obrigado e apreciação à Áustria. (israelnationalnews)

Áustria bane véu islâmico nas escolas primárias
O texto refere-se a qualquer “vestimenta influenciada ideologicamente ou religiosamente associada à cobertura da cabeça” (Guardian).

Alemanha: Tribunal multa 7 homens da 'polícia da Sharia' por causa do vestimento (e não por causa de estarem tentando impor um sistema legal paralelo ao alemão)
Eles foram condenados por violarem regras sobre o uso de uniformes. Claro, todos eles são muçulmanos pois apenas muçulmanos desejam implementar a lei islâmica (Sharia). O grupo foi às ruas da cidade de Wuppertal em 2014, vestindo coletes laranja com as palavras "polícia da Sharia" e distribuindo panfletos declarando que a área era uma "zona controlada pela Sharia" onde álcool, música e pornografia eram proibidos sob o Islã. (The Local)

Itália: Salvini diz que Merkel e Macron “arruinaram” a Europa
Salvini e Merkel entraram em confronto apenas uma semana antes das eleições europeias (epochtimes)

França devolve ao Iraque sete cidadãos que se juntaram ao Estado Islâmico; o veredicto foi rápido: morte por enforcamento
Os sete cidadãos franceses foram levados perante um juiz iraquiano em uma corte de Bagdá acusados de terem entrado para o Estado Islâmico. Após julgamento de quatro dias, o juiz Ahmed Mohamed Ali proferiu sete sentenças idênticas: morte por enforcamento. (National Post)

Austrália: conservadores vencem eleições gerais e mantém Scott Morrison como primeiro-ministro
A Australia se mantém com uma linha nacionalista. A Esquerda, a exemplo do que acontece nos EUA, Canadá, Reino Unido, se radicaliza cada vez mais (O Globo).

Secretário-Geral da ONU visita mesquita atacada por eco-radical na Nova Zelândia ... mas não visita igrejas atacadas por jihadistas no Sri Lanka 
Antonio Guterres visitou as igrejas atacadas no Sri Lanka? Ele se importa com os negros cristãos sendo moídos vivos pelo Boko Haram e pelos Fulani?
NÃO!
A UN é controlada pelo maior grupo dentro dela, a Organização para Cooperação Islâmica, majoritária dentro do grupo dos não-alinhados, que por sua vez é majoritária dentro da Assembléia Geral. Logo, a UN é controlada pela Organização para Cooperação Islâmica, e este o atual presidente da UN, um português traidor do espírito de luta e pioneirismo de Portugal, é hoje um lacaio do islamismo. (observador)

Coca-Cola na Noruega se rende: usa símbolo islâmico para celebrar o Ramadã 
Alguém já viu a Coca-Cola usar uma cruz? (RT)





Alemanha: revista afirma que islamistas mataram 149. 811 pessoas nos últimos 18 anos
Desde o 11 de setembro, extremistas islâmicos perpetraram pelo menos 31.221 ataques e mataram 146.811 pessoas em todo o mundo, segundo um estudo da agência alemã Die Welt am Sonntag. Segundo seu artigo “18 anos de terror”, o número de ataques violentos com pelo menos 12 vítimas excede 3.000 atos, com 95.934 mortos. A maioria das vítimas é muçulmana. O jornal analisou informações do Global Terrorism Database compilado pela Universidade de Maryland e contou os ataques realizados por jihadistas e membros de diferentes grupos terroristas, incluindo a al-Qaeda, Daesh (Estado Islâico), Boko Haram e al-Shabaab. (Sputinik)

França: polícia detém suspeitos de planejar atentado no palácio do Eliseu
Quatro extremistas islâmicos (entre 17 e 39 anos de idade), que planejavam um atentado no início do Ramadã na França, o tradicional jejum muçulmano, que começa dia 5 de maio, visavam o palácio do Eliseu e chegaram a sondar os arredores da sede da presidência francesa. (rfi)

EUA: FBI desmonta acampamento de terror islâmico no Alabama de propriedade do terrorista Siraj Wahhaj e seus defensores
O muçulmano Siraj Ibn Wahhaj foi preso no verão de 2018 em um complexo no Novo México, que também treinava crianças para cometerem assassinato em massa nas escolas dos EUA. Siraj ibn Wahhaj é filho de um imã do Brooklyn que foi nomeado como um possível co-conspirador no atentado de 1993 no World Trade Center. (thegatewaypundit.com)

Canadá: Reza Mohammadiasl, 47 anos, e seu filho Mahyar, 18 anos, foram presos por terem materiais explosivos encontrados dentro de casa
Mas, claro, o governo pró-islâmico do "liberal" Justin Trudeau, na impossibilidde de esconder este caso, veio logo dizendo que "não há conexão conhecida para segurança nacional." A exemplo de outros casos no Canadá, a investigação foi iniciada pela Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos. (cbc)

Malásia: policiais frustram conspiração terrorista para atacar casas de culto não muçulmanas
Quatro homens ligados a uma célalula do Estado Islâmico foram presos durante a primeira semana do Ramadã em conexão com um plano para atacar locais de culto não-muçulmanos e centros de entretenimento em torno de Kuala Lumpur. O inspetor-geral da polícia Abdul Hamid Bador disse que os quatro também estavam planejando assassinar vários indivíduos "de alto perfil" acusados ​​de não defender o Islã e insultar a religião. (malaysiakini)



Índia: políticos pedem pela proibição da burca e do niqab 
Seguindo a decisão de Sril Lanka de proibir este (ridículo) traje que anula as mulheres, e que tem sido usado como arma pela jihad islâmica por homens e mulheres suicidas escondendo bombas, um grupo de políticos da Índia pede que o governo deste país faça o mesmo. O Estado Islâmico está ameaçando razias (ataques rápidos, como Maomé fez durante sua vida) na Índia. (Daily Mail)


Liberdade de Expressão e Blasfêmia - Exemplos

Ilustração oriunda do Alcorão banida das redes sociais como discurso de ódio
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/alcorao-9-29-banido-como-discurso-de-odio.html

Afeganistão: ativista de direitos humanos foi assassinada; O Globo esconde a real causa
"Quer saber como funciona a sharia comandando a mídia global? Leia essa matéria que OCULTA a real motivação do assassinato dessa jornalista... Em momento algum é frisado que o Afeganistão é um país muçulmano onde a religião islâmica promove - através do governo, parlamento e grupos diversos - toda sorte de violação de direitos humanos contra a população vulnerável, inclusive, mulheres. A base religiosa para assassinatos no mundo muçulmano está sendo literalmente APAGADA de todos os noticiários." (O Globo)

Egito: Professor de religião da Universidade Americana do Cairo perde cargo por ensinar religiões igualmente 
Bilionário e doador saudita, Tarek Taher, queria que o professor de religião, Adam Duker, encorajasse seus estudantes não-muçulmanos a se converterem ao Islã. Duker ensinava um currículo ecumênico que apresentava aos alunos o estudo acadêmico do cristianismo, islamismo, judaísmo, incluindo palestras sobre budismo e hinduísmo, em um curso de pesquisa “Religiões do Mundo”.
https://religionnews.com/2019/05/14/american-university-cairo-religion-professor-loses-post-in-academic-freedom-fight/

Arábia Saudita irá executar três estudiosos moderados influentes após o Ramadã
Salman al-Odah, Awad al-Qarni e Ali al-Omari, todos acusados ​​de "terrorismo." O mais proeminente deles é o xeque Salman al-Odah, um estudioso de renome internacional conhecido por suas visões comparativamente progressistas no mundo islâmico sobre a Sharia e a  homossexualidade. Os outros dois são  Awad al-Qarni, um pregador sunita, acadêmico e autor, e Ali al-Omari, de uma emissora popular. Todos tinham sido presos em setembro de 2017 (middleeasteye).

Facebook e Instagram banem personalidades anti-Islão ...
O Facebook diz que estas pessoas estão indo contra "normas da comunidade." Dentre eles o jornalista Paul Joseph Watson (que conhecemos pelos seus vídeos críticos do islamismo) e outros que fizeram campanha para o Donald Trump, tais como Alex Jones e Laura Loomer. Na verdade, eles estão sendo silenciados por serem críticos do globalismo e imigração islâmica em massa. Um outro banido foi o líder do grupo anti-semita Nação do Islão, Louis Farrakhan, mas a exterma-imprensa está o classificando como "extrema-direita." Para as grandes corporações globalistas, criticar o islão é crime (Daily Mail).

... mas Facebook permite que extremismo islâmico anti-cristão continue 
O Facebook está permitindo que a extremistas anticristãos vendam o ódio, apesar do fechamento de contas de líderes de extrema-direita e anti-semitas. Pregadores de ódio como o clérigo paquistanês Khadim Hussain Rizvi - líder espiritual do grupo extremista Tehreek-e-Labbaik - espalha a retórica anti-cristã para milhares de seguidores na rede. Grupos extremistas como o Hizb ut-Tahrir e a Irmandade Muçulmana continuam ativos no Facebook, tanto como organizações como indivíduos. (dailymail)

Governo do Paquistão registra reclamação legal contra vídeos que falam a verdade sobre o Islão e Maomé no YouTube 
Dois casos. O primeiro foi contra o canal Príncipe Cristão (Christian Prince), um árabe que tem um canal com bastante penetração no mundo islâmico. O segundo caso, foi contra David Wood, do Canal Acts17Apologetics. O Paquistão tem problemas sociais seríssimos. Mas, ao invés de tentar resolvê-los, o governo gasta recursos para impor a lei islâmica (Sharia) à nível internacional.


Twitter adverte Michelle Malkin e outros escritores por violarem a lei Sharia do Paquistão 
O Twitter tem alertado usuários de todo o mundo, incluindo a escritora e comentarista conservadora Michelle Malkin, de que seus posts na plataforma violam a lei sharia do Paquistão, e que eles “podem querer consultar um advogado”. A comentarista conservadora Michelle Malkin recebeu a notificação da Sharia no Twitter, bem como o reformista muçulmano Imam Mohamad Tawhidi, a crítica do Islã Pamela Geller, o ativista de direitos humanos Ensaf Haidar, e o editor da revista FrontPage Jamie Glazov. (Breitbart)



David Horowitz banido momentariamente da plataforma Twitter
A sua conta foi reativada, mas ele perdeu os 62 mil seguidores. Horowitz é ativo na luta contra a jihad islâmica e a lei islâmica (Sharia). 



Mesquitas: lugar de oração ou central de operação?

Sri Lanka: polícia descobre explosivos sendo guardados em mesquita 
Três bombas fabricadas localmente e 100 gramas de amônia foram encontrados enterrados em um quintal de uma mesquita em um distrito do Sri Lanka, informou a polícia. As autoridades também apreenderam diversos componentes eletrônicos. A polícia disse que um suspeito de 42 anos foi preso após a recuperação de explosivos. (khaleejtimes)

Alemanha: ex-chefe de inteligência admite que “imãs turcos agem como espiões”
Hans Georg Maaßen fez uma confissão impressionante sobre a DITIB, a organização religiosa que funciona como o braço da Alemanha no regime de Erdogan. O ex-chefe de inteligência falou sobre a União Islâmica Turca de Assuntos Religiosos (DITIB), que trabalha com a Diretoria de Assuntos Religiosos da Turquia com quase 900 mesquitas na Alemanha e disse: “Eles eram conhecidos por se envolver em atividades de inteligência e enviar as informações Autoridades turcas.” (anfenglish)

Turquia construiu mais de 100 mesquitas no exterior
A Diretoria de Assuntos Religiosos da Turquia (Diyanet) construiu 103 mesquitas no exterior em mais de uma dúzia de países, a um custo de quase meio bilhão de dólares, informou a BBC Turca. A Diyanet completou projetos na Albânia, Rússia, Alemanha, Inglaterra, Estados Unidos, Filipinas e além.

As mesquitas financiadas pelos turcos não são locais de culto legítimos”, escreveu David L. Phillips, diretor do Programa de Construção e Direitos da Paz do Instituto para o Estudo dos Direitos Humanos da Universidade de Columbia, no ano passado .

Eles propagam o islamismo político como fontes de divisão e proponentes da discórdia. O financiamento turco de mesquitas fora da Turquia deveria ser proibido”, acrescentou Phillips, um colaborador da Ahval e ex-conselheiro sênior do Departamento de Estado dos EUA.  (ahvalnews)

EUA: Mesquitas da Irmandade Muçulmana num raio de 32 km de Houston, Texas
 Mesquitas são onde a Lei Islâmica é ensinada, onde a jihad é ensinada e onde a jihad é organizada e implementada. O islamismo ensina que o raio de 5 quilometros ao redor de uma mesquita pertence ao Islã. A área ao redor de uma mesquita se torna território islâmico. Os texanos acreditam que, por estarem armados, podem impedir isso. Mas os muçulmanos ligados à Irmandade estão lentamente sendo eleitos e assumindo o governo estadual e local, assim como o "território". Eles são totalmente organizados e estão muito mais preparados para uma batalha armada do que o texano médio que não vai saber o que os atingiu caso unidades militantes organizadas saírem de todos os lugares ao mesmo tempo. O pior é que com a infiltração da Irmandade Muçulmana pode até mesmo começar a controlar a polícia.



Muçulmanos desejam Sharia -Exemplos

Islamismo Corânico (quem diz "eu sigo apenas o Alcorão" não é muçulmano)
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/islamismo-coranico.html

Australia: "se você for contra cortar a mão de ladrão você é intolerante", diz conferência do grupo muçulmano radical Hizb ut-Tahrir em Sydney 
O título do evento era 'Muçulmano sem remorso: me recuso a pedir desculpas pois a verdade não precisa de perdão." (Daily Mail)
  • Palestrante disse que seus filhos não cantavam o hino nacional 
  • O líder do Hizb ut-Tahrir, Wassim Doureihi, riu quando foi pedido para condenar o ISIS 
  • Homens e mulheres foram segregados: homens na frente, mulheres (todas vestindo hijba) atrás.
Separação entre homens (na frente) e mulheres (atrás) feita pela linha amarela

Esposas e viúvas dos jihadistas, presas na Síria, desejam a volta do Estado Islâmico
E elas ainda tentam impor a Sharia nos acampamentos onde elas estão detidas.



Sudão: militares assumem governo, e querem continuar seguindo a Sharia
O sanguinário presidente Omar al-Bashir, responsável pela matança de cristãos no atual Sudão do Sul, foi deposto após manifestações de rua. Mas o grupo de 10 militares que foram o governo provisório não têm intenção de mudar nada no país. (https://www.bbc.com/news/world-africa-48196336


Perseguição Cristãos: Parte 1Parte 2
"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
O esquecido genocídio armênio de 1019 AD
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/o-esquecido-genocidio-armenio-de-1019-ad.html

Judeus e cristãos amaldiçoados logo no primeiro capítulo do Alcorão (Al Fatihah)
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/judeus-e-cristaos-amaldicoados-no-Alcorao-Al-Fatihah.html

Últimas palavras de Maomé: amaldiçoar cristãos e judeus (e também os muçulmanos)
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/ultimas-palavras-de-maome-amaldicoar-cristaos-e-judeus.html

A aspiração islâmica de conquistar Roma é antiga
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/a-aspiracao-islamica-de-conquistar-roma.html

Jihad contra a França: Catedral de Notre Dame (e demais igrejas) sob ataque
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/jihad-contra-franca-catedral-de-notre-dame.html

Você já ouviu falar nos muçulmanos Rohingya? E nos cristãos Hmong?
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/voce-ja-ouviu-falar-nos-muculmanos.html

BBC admite, perseguição cristã "em níveis próximos de genocídio"
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/bbc-admite-perseguicao-crista-em-niveis-de-genocidio.html

Relatório do governo britânico diz que perseguição contra cristãos é genocídio, mas está sendo ignorada por causa do "politicamente correto"
Mesmo assim, a imprensa pró-islâmica inglesa, BBC e The Guardian, jogam com palavras para evitar ofender seus prediletos islâmicos.

Asia Bibi chega ao Canadá; jihadistas prometem matá-la
Asia Bibi deixou finalmente o Paquistão e agora está no Canadá (Globo and Mail). Mas ela está escondida, pois jihadistas prometem matá-la, alguns vindo do exterior com este propósito (EcoandoaVozdosMártires).

Como foi no passado, é no presente, e será para todo o sempre ... pois está escrito no Alcorão (9:5)


Nigéria: Foto de um ataque dos muçulmanos fulani contra a comunidade Tiv, Mkgovur, estado de Benue, que deixou dezenas de mortos. 
Isso ocorreu em março de 2017. A jihad continua. (Nigeria Bulletin)

Religião da paz em ação

Nigéria: vídeo da Open Doors de 2012, mais atual do que nunca


Nigéria: 25 cristãos mortos pelo grupo jihadista Boko Haram, atacados casa por casa
Na segunda-feira, 29 de abril, por volta das 20 horas, os combatentes do Boko Haram invadiram a comunidade cristã de Kuda, perto de Madagali, no estado de Adamawa, no nordeste da Nigéria. Os terroristas cercaram a comunidade e foram de porta em porta, matando até 25 pessoas. No dia seguinte, eles retornaram durante o enterro. (Open Doors)

Nigéria: 10 mortos, 30 feridos, durante procissão de Páscoa em Gombe
Adamu Abubakar, guarda do Corpo Nigeriano de Segurança e Defesa Civil (CNDD), saiu atropelando membros do grupo cristão Brigada dos Meninos e Meninas durante marcha de Páscoa. Dias depois, o enterro das vítimas foi interrompido ao ser atacado por "arruaceiros." (vanguardngr.saharareporters)

Nigéria: 16 cristãos metralhados e sequestrados durante ensaio de coral
Isso inclui o pastor evangélico e uma de suas filhas (ChristianPost).

Perseguição retratada em uma única foto


Egito: igreja fechada após muçulmanos espancarem padre na frente das crianças da escola dominical
Uma igreja copta no Alto Egito foi fechada depois que uma multidão de muçulmanos irados atacou e espancou um padre e outro copta na frente de mais de 200 crianças que se reuniam para lições da Bíblia. Os muçulmanos não concordam com a construção de um novo andar e foram "chamados à ação" pelo prefeito da cidade, também muçulmano. (Christian Headlines)

Irã aperta o cerco contra os cristãos
O ministro da Inteligência da República Islâmica do Irã, Mahmoud Alavi, expressou preocupação com a conversão dos muçulmanos iranianos ao cristianismo em várias partes do Irã. Ele ampliou a ação do órgão "combater os defensores do cristianismo." (radiofarda)

Burqina Faso: militantes islâmicos matam padre e cinco paroquianos durante missa em igreja em Dablo
“Por volta das 9 horas da manhã, pessoas armadas irromperam na igreja católica. Eles começaram a atirar quando a congregação tentou fugir." Grupos jihadistas que atuam na região incluem o Ansarul Islam, o Grupo para Apoiar o Islã e os Muçulmanos (GSIM) e o Estado Islâmico no Grande Saara. (The Journal)

Quatro católicos mortos em novo ataque em igreja de Burquina Faso
Agressores não identificados mataram quatro católicos e destruíram uma estátua da Virgem Maria no norte de Burkina Faso, disse um bispo na terça-feira, o terceiro ataque mortal contra cristãos no país da África Ocidental em duas semanas. Um padre no oeste do Níger também foi baleado na mão e na perna na segunda-feira, mas sobreviveu ao ataque. (reuters)

Burquina Faso: mais cristãos assassinados na onda do terror islâmico
Um grupo católico estava levando uma estátua de Nossa Senhora de uma cidade para outra. Eis que veio os jihadistas armardos. Eles separaram os homens e os balearam. Quatro morreram. (Persecution)

Síria: 5 crianças e professora mortos por jihadistas
Consequencia de um ataque a uma escola dominical em Suqaylabiyeh /Hama, no noroeste da Síria, ontem. Não se sabe o número de feridos. Normalmente, quando militantes atacam Sqaylabiyeh ou Mhardeh, cidades cristãs em Hama, a Força Aérea Russa responde com  ataques aéreos contra os militantes. (almasdarnews)


Iraque: cristão sobrevive após ser queimado vivo pelo ISIS 3 vezes: '[Jesus] falou comigo'
Um cristão iraquiano compartilha sua história de ser preso pelo ISIS, no qual eles tentaram queimá-lo vivo por três vezes, mas seu corpo não queimou. Sua história é de um próximo documentário chamado "Heart and Hands: Iraq", de Sean Feucht, com seu trabalho através do Light A Candle Project. (foxnews)

Aumentam atentados contra cristãos
Reportagem da Euroneus.



Perseguição Judeus (Boletim de Anti-Semitismo)
"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
Quem são os palestinos? Uma invenção árabe!


EUA: Rashida Tlaib, deputada federal, diz que palestinos acolheram judeus durante a Segunda Guerra; até a CNN disse que ela estava mentindo
Rashida Tlaib é um exemplo do problema criado quando ativistas muçulmanos galgam cargos de importância. A sandice mais recente desta deputada do Partido Democrata, ela disse que "foram os meus ancestrais, os palestinos, que perderam tudo ... ao tentar criar um refúgio seguro para os judeus, pós-Holocausto." Mas essa é uma mentira tão grande que até John King, da CNN (conhecida pelo seu viés pró-islâmico), observou que durante a Segunda Guerra Mundial, os líderes palestinos eram aliados dos nazistas e tinham o mesmo objetivo de eliminar o povo judeu quando Israel foi criado. Sim, quando você escolhe o lado errado de uma guerra, você vai perder algumas coisas, especialmente se você estiver do lado de Hitler. John King: Tlaib "ignorou o fato de que os líderes palestinos na época se aliaram a Hitler e que a guerra total foi como o mundo árabe reagiu à declaração de independência de Israel" (TownHall; vídeo no twitter).

Documento do líder nazista Himmler atesta sua ligação com os palestinos durante a Segunda Guerra Mundial
A Alemanha se manterá firme com os árabes da Palestina em sua luta contra a “criminosa” Declaração de Balfour, foi a principal mensagem transmitida no telegrama que foi recentemente descoberto nos arquivos da Biblioteca Nacional de Israel. “O movimento nacional-socialista da grande Alemanha fez de sua luta contra o judaísmo mundial um princípio orientador desde o seu início”, escreveu Himmler. “Por essa razão, [o movimento] vem acompanhando de perto a batalha dos árabes em busca de liberdade – e especialmente na Palestina – contra os invasores judeus“, acrescentou o líder nazista. (europaemchamas)


Perseguição outras religiões
Mas quando os meses sagrados tiverem transcorrido, mate os idólatras onde quer que você os encontre, e capturai-os, e cerque-os, e arme ciladas para eles usando de todos os estratagemas (da guerra); mas caso eles se arrependam, observem a oração e paguem o zakat [ou seja, se tornem muçulmanos], abra o caminho para eles. Sabei que Alá é Indulgente, Misericordiosíssimo. (Alcorão 9:5)
Kaka'i (iarsani), um outro grupo de "infiéis" sendo exterminado pelo Islã
https://infielatento.blogspot.com/2019/05/kakai-iarsani-um-outro-grupo-de-infieis.html


Punições Islâmicas (sob a lei islâmica)

Indonésia: açoitamento 
Vídeo indica que punição ocorreu em 2015



Recursos para debates (Recursos para cristãos)

Resposta à pergunta: "Existem grupos terroristas de orientação cristã ou budista?"
https://ecoandoavozdosmartires.wordpress.com/2019/05/20/ha-de-fato-grupos-terroristas-de-orientacao-crista-ou-budista/


Ultraje Eterno

Paquistão: homem preso por 5 dias, por vender comida durante o dia no Ramadã, solto 6 anos depois
Ele foi preso sob uma lei de 1981, que torna ilegal para muçulmanos comer ou beber em público deste o nascente ao poente no Ramadã (Tribune).





.➽