quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

BRASIL DEIXA O PACTO MIGRATÓRIO DA ONU

José Atento: "agora, falta reformular a Lei de Migração!"

O governo do presidente Bolsonaro cumpriu com uma promesa de campanha e retirou ontem o Brasil do Pacto Migratório da ONU. O G1 menciona reportagem da BBC.
Em telegrama emitido nesta terça-feira (8), o Ministério das Relações Exteriores pediu a diplomatas brasileiros que comuniquem à Organização das Nações Unidas (ONU) que o Brasil saiu do Pacto Global para a Migração, ao qual o país tinha aderido em dezembro, no fim do governo Michel Temer.
A BBC News Brasil teve acesso ao documento em que o Ministério solicita às missões do Brasil na ONU e em Genebra a "informar, por nota, respectivamente ao Secretário-Geral das Nações Unidas e ao Diretor-Geral da Organização Iternacional de Migração, ademais de quaisquer outros interlocutores considerados relevantes, que o Brasil se dissocia do Pacto Global para Migração Segura, Ordenada e Regular".
O documento diz, ainda, que o Brasil não deverá "participar de qualquer atividade relacionada ao pacto ou à sua implementação".
Procurado, o Itamaraty não confirmou a informação até a publicação desta reportagem. Porém, diplomatas afirmaram à BBC News Brasil em condição de anonimato que o telegrama está circulando no sistema do Ministério e chegou aos destinatários.
Nas últimas semanas, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, já haviam anunciado no Twitter que o país deixaria o pacto. Araújo o classificou como um "instrumento inadequado para lidar com o problema (migratório)", defendendo que "imigração não deve ser tratada como questão global, mas sim de acordo com a realidade e a soberania de cada país". 
Sim, isso era algo que o presidente Bolsonaro mencionava claramente antes da posse. O vídeo abaixo é parte de uma live do dia 18 de dezembro de 2018, onde ele deixa isso bem claro.




Advinha quem lamenta o Brasil deixar o Pacto? 

O mesmo artigo do G1 menciona o ex-chanceler Aloysio Ferreira Nunes se lamentando da decisão. Aloysio Nunes, do PCdoB (Partido Comunista do Brasil) foi quem assinou o Pacto em dezembro último, no Marrocos.

Outros que lamentam são as ONGs que se sustentam com a imigração.
Para Camila Asano, coordenadora de Política Externa da ONG Conectas, o abandono do acordo pelo Brasil é "extremamente lamentável".
A ONG Conectas tem na sua lista de doadores diversas entidades globalistas internacionais, tais como a infame Open Society Foundation, do George Soros. Camila diz ainda:
"Mostra que o governo não está olhando para a totalidade das pessoas que precisam de proteção", ela afirmou, assinalando que há mais migrantes brasileiros vivendo no exterior do que estrangeiros no Brasil.
Segundo Asano, ao deixar o acordo, o governo brasileiro não considera os "muitos brasileiros que vivem em outros países e sofrem pela negação de direitos básicos".
Isso é bobagem. Os brasileiros que vivem no exterior legalmente ou aqueles que imigram de modo legal não tem o que temer. Quem vive ilegalmente, bem, está ilegal. O que Camila Asano faz é criar um clima que não existe. Em lugar algum do Pacto Migratório diz-se que ele sobrepuja legislação internacional já existente. Não existe o menor risco, por exemplo, de algum país retaliar contra o Brasil pelo fato do Brasil não ser signatário do Pacto. Baseado em que legislação internacional isso ocorreria?
Ela diz que o pacto exprime um "consenso muito mínimo, mas ainda assim muito valioso, sobre quais seriam boas práticas para o acolhimento dos fluxos".
"O Brasil vai minando uma das suas principais credenciais internacionais: ser um país formado por migrantes e com uma política migratória vista como referência, o que vinha dando voz potente ao Brasil nas discussões internacionais sobre o tema", lamentou.
Essa história do "Brasil ser um país formado por migrantes" é retórica usada para manipular idiotas. Veja bem, o fato do Brasil ser, em parte, formado por imigrantes, não quer dizer que o Brasil irá permitir que um entidade supra-nacional, como a ONU, ou ONGs financiadas por organizações globalistas ditem o seu futuro. 

Isso aqui é Brasil.

Notícia no Jornal Nacional (8/1/2019)





Um comentário:

Rejane disse...

Bravo! clap! clap! clap! clap!
Parabéns ao Presidente Bolsonaro pelas medidas tomadas, cumprindo assim uma das promessas de sua campanha eleitoral.