terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Cardeal Burke: "muçulmanos e cristãos não adoram o mesmo Deus”

Cardeal Raymond Burke, é um prelado cardeal americano, arcebispo e patrono da Soberana Ordem Militar de Malta. Ele  tem sido um dos mais contundentes críticos do Papa Francisco devido a confusão que o papa vem causando em termos de doutrina católica. O Cardeal Burke chegou co-assinar, com outros cardeais, uma carta oficial dirigida ao papa, chamada de dubia, solicitando esclarecimentos dele. O papa nunca respondeu esta carta. 

No rastro do acordo assinado entre o papa e o grande-imã de Al-Azhar, é bom relembrar uma entrevista do cardeal Burke na qual, dentre outros assuntos, ele falou sobre o islão (o grifo é nosso).
Voltando à pergunta sobre o Islã, o cardeal Burke disse acreditar que “a resposta ao Islã, pelo menos do que eu vejo por parte de alguns, é muito influenciada por um relativismo de uma ordem religiosa. Eu ouço as pessoas dizendo para mim, bem, todos nós estamos adorando o mesmo Deus. Nós todos acreditamos no amor. Mas eu digo pare um minuto, e vamos examinar cuidadosamente o que é o Islã e o que nossa fé cristã nos ensina. E quando chegamos à questão da fé cristã, imediatamente está envolvida uma metafísica porque na fé cristã Deus é o criador tanto da razão quanto ele é o doador da revelação, pelo qual aquilo que ele nos ensina, em que a lei está escrita nossos corações estão iluminados e recebemos uma graça divina para viver de acordo com essa lei.
"Isso não é verdade no Islã", disse ele. “Eu fui acusado de ter uma visão extrema sobre o Islã ou de ser influenciado por pessoas que não entendem o Islã, tudo o que eu disse sobre o Islã, incluindo especialmente o que está no livro, é baseado no meu próprio estudo sobre o Islã. texto do Islã e também de seus comentaristas, e quando eu escrevi sobre o Islã eu me esforcei para citar seus próprios autores. E o ponto que eu queria chegar é isto, eu não acredito que seja verdade que todos nós estamos adorando o mesmo Deus, porque o Deus do Islã é um governador. Em outras palavras, fundamentalmente o islamismo é, a sharia é sua lei, e essa lei, que vem de Allah, deve dominar todo homem eventualmente.
 “E não é uma lei fundada no amor. Dizer que todos nós acreditamos no amor simplesmente não é correto. E embora nossa experiência possa ser com indivíduos, os muçulmanos podem ser pessoas gentis e gentis, e assim por diante, temos que entender que, no final, o que eles acreditam mais profundamente, aquilo que atribuem em seus corações, exige que governem. o mundo. Enquanto na fé cristã somos ensinados que pelo desenvolvimento da razão correta, pela metafísica do som, e depois pelo que leva à fé e à luz e força que é dada pela fé, fazemos nossa contribuição para a sociedade também em termos de fé. sua governança, mas a Igreja não finge que é para governar o mundo, mas sim que é para inspirar e ajudar aqueles que governam o mundo a agir de maneira justa e correta em relação aos cidadãos”.
 Ele acredita que o relativismo vem no sentido: “[Não] respeitamos a verdade sobre o que o Islã ensina e o que, por exemplo, a Igreja Católica ensina, e apenas fazemos essas declarações gerais, todos acreditamos no mesmo Deus e assim por diante, e isso não é útil e, finalmente, será o fim do cristianismo, ou seja, nada mudou na agenda islâmica de tempos anteriores em que nossos ancestrais na fé tiveram que lutar para salvar o cristianismo. E porque? Porque eles viram que o Islã estava atacando verdades sagradas, incluindo os lugares sagrados de nossa redenção.
 “Temos que ter um profundo respeito pela razão correta, pela lei natural que Deus escreveu em todo coração humano. Eu acho que a maioria das pessoas não percebe que não há doutrina da lei natural no Islã e nem existe um oceano de consciência, tudo é ditado das leis que são dadas tanto em seu texto sagrado ou por aqueles que são confiados a interpretar o lei."
 O cardeal disse acreditar que "o que é mais importante para nós hoje é entender o Islã a partir de seus próprios documentos e não presumir que já sabemos do que estamos falando".
 Finalmente, nunca perca a esperança.

Cardeal Raymond Burke



2 comentários:

Anônimo disse...

Perfeito, Cardeal! Apóstolo de Cristo, estamos com o senhor. Que a Virgem Imaculada o defenda, guarde e oriente sempre. Sê forte, aguente firme, não se entregue, o Senhor é contigo.

Paulo Francisco disse...

Esse Cardeal é crente.