sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Aviso ao Papa: São Francisco queria converter os muçulmanos!

O Papa Francisco muitas vezes se apresenta como seguidor dos passos de São Francisco de Assis. Em 2013, ele  explicou por que ele havia adotado o nome de Francisco: “o homem da pobreza, o homem da paz, o homem que ama e protege a criação.”

Um fato histórico pouco mencionado é o de São Francisco ter tomado parte da Quinta Cruzada com a intenção de converter o sultão egípcio al-Malik al-Kāmil.

Isso talvez explique a obsessão do papa no "diálogo inter-religioso" com o islamismo. Porém, ao contrário de São Francisco, o papa defende a mantra "o Islã é a religião da paz" (mesmo com todas as evidências apontando o contrário, inclusive a crescente perseguição dos cristãos por parte de muçulmanos ao redor do mundo). O Papa Francisco não quer converter os muçulmanos.

Este ano, comemora-se os 800 anos do encontro de São Francisco com o sultão egípcio. E o Vaticano está apresentando a viagem do Papa Francisco ao Marrocos como uma celebração dos 800 anos deste "encontro histórico."

O que exatamente ocorreu neste  encontro histórico? E como ele se encaixa nos esforços do Papa Francisco para “promover o diálogo inter-religioso e a compreensão mútua”? Uma compreensão clara destas questões oferece lições úteis sobre as abordagens passadas e presentes para com o Islã.


São Francisco à frente do Sultão (Prova de Fogo), por Giotto Di Bondone (1325) 

O texto abaixo foi retirado do artigo de Raymond Ibrahim.
Quanto ao que o papa está caracterizando como um “encontro histórico entre São Francisco de Assis e o sultão al-Malik al-Kāmil”, eis a história: depois de séculos de invasões islâmicas que conquistaram pelo menos dois terços do território cristão - como documentado no livro Espada e Cimitarra: Quatorze Séculos de Guerra entre o Islã e o Ocidente - os europeus finalmente começaram a reagir através das Cruzadas no final do século XI.
Em 1219, durante a Quinta Cruzada, Francisco de Assis (1182-1226), e outro companheiro, procuraram fazer a sua parte viajando para o Oriente Médio, onde procuraram audiência com o sultão al-Kāmil. Eles foram apesar da promessa de al-Kāmil de que "qualquer um que trouxesse a cabeça de um cristão deveria receber uma peça de ouro bizantina", confirme citado em São Francisco de Assis e a Conversão dos Muçulmanos, um bom livro sobre o assunto, escrito por Frank M. Rega (um franciscano).


Os contemporâneos de São Francisco também o advertiram que os muçulmanos “eram um povo mau que tem sede de sangue cristão e tentam até mesmo as mais atrozes atrocidades”. Os homens determinados continuaram sua jornada, apenas para experimentar o inevitável:
Os primeiros documentos são unânimes em concordar que os dois franciscanos foram submetidos a um tratamento grosseiro ao atravessar o território muçulmano. Os homens de Deus foram tomados de maneira violenta pelas sentinelas, agredidos e presos em correntes. Celano relata que Francisco “foi capturado pelos soldados do sultão, foi insultado e espancado, mas não demonstrou medo, mesmo quando ameaçado de tortura e morte.
O que motivou Francisco a essa perigosa missão? Estaria ele, como o Papa Francisco regularmente sugere, tentando “promover o diálogo inter-religioso e a compreensão mútua”? Sim e não. Ele certamente confiava na palavra, não na espada. Mas a palavra que ele ofereceu era tão afiada quanto qualquer espada. Como escreve Rega, “plenamente consciente dos perigos, Francisco estava decidido a ir em missão aos incrédulos das nações muçulmanas. As fontes primárias estão de acordo que ele agora estava pronto para sacrificar sua vida e morrer por Cristo, então pode haver pouca dúvida de que a intenção de sua jornada era pregar o Evangelho mesmo com risco de martírio.”
Juntamente com as almas salvadoras, Francisco também procurou salvar vidas: “Converter os muçulmanos com a sua pregação era o objetivo final dos esforços de Francisco, e um fim pacífico para a guerra seria uma consequência de sua conversão.” Como explica Christoph Maier, “Francisco, como os cruzados, queria libertar os lugares santos da Palestina do domínio muçulmano. O que foi diferente foi a sua estratégia. … Ele queria a submissão total deles à fé cristã.”
Eventualmente perante o Sultão al-Kamil, os monges procuraram “demonstrar aos conselheiros mais sábios do sultão a verdade do cristianismo, ante os quais a lei de Maomé [Sharia] não serve para nada”. Pois “se você morrer enquanto mantendo a vossa lei”, alertou Francis “você estará perdido; Deus não aceitará sua alma. Por essa razão, viemos a você."
Intrigado pelos frades atrevidos, “o sultão chamou seus conselheiros religiosos, os imãs”. No entanto, e como hoje acontece quando os debatedores muçulmanos não sabem o que dizer, “eles se recusaram a discutir com os cristãos e em vez disso insistiram que eles fossem mortos [por decapitação] de acordo com a lei islâmica.”
O sultão recusou: "Estou indo contra o que meus conselheiros religiosos exigem e não cortarão suas cabeças ... vocês arriscaram suas próprias vidas para salvar minha alma."
Durante sua disputa e em referência à "conquista e ocupação muçulmana secular de terras, povos e nações que haviam sido anteriormente cristãs", al-Kāmil tentou vencer os monges, de modo ardil, usando da sua própria lógica: se Jesus ensinou os cristãos a "virarem a outra face" e a "pagarem o mal com o bem", ele perguntou, por que os "cruzados ... estavam invadindo as terras dos muçulmanos?"
Francisco retrucou citando Cristo: “Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o fora. É melhor você perder uma parte do seu corpo do que todo o seu corpo ser jogado no inferno.”
Francisco então explicou: "É por isso que é justo que os cristãos invadam a terra que vocês habitam, porque vocês blasfemam o nome de Cristo e afastam todos os que vocês podem da Sua adoração." Esta é uma referência às regras do Islã para os dhimmis que, além de debilitar a adoração cristã, tornavam as vidas cristãs tão onerosas e degradantes que milhões de pessoas se converteram ao islamismo ao longo dos séculos para aliviar seus sofrimentos.
Como deveria ser evidente até agora - e ao contrário do que muitos sugerem, incluindo o papa atual, São Francisco não pregou passividade antes da agressão. O principal especialista sobre Francisco e  Quinta Cruzada, o professor James Powell, escreve: “Francisco de Assis foi até Damietta [Egito, onde o sultão al-Kāmil estava] em uma missão de paz. Não pode haver dúvidas sobre isso. Não devemos, contudo, tentar torná-lo um pacifista ou rotulá-lo como um crítico da cruzada.”

São Francisco pregando para o sultão e seus imãs
Outro estudioso das cruzadas, Christoph Maier, ressalta este ponto: “Francisco aceitou assim a cruzada como legítima e ordenada por Deus, e obviamente não se opunha ao uso da violência quando se tratava da luta entre cristãos e muçulmanos.”
De fato, Francisco observou certa vez que os “valentes paladinos e cavaleiros que eram poderosos em batalha perseguiram os infiéis [muçulmanos] até a morte”. Como tais, eles eram “santos mártires [que] morreram lutando pela fé de Cristo.”
Tal é o homem cujos passos o Papa Francisco afirma estar seguindo ao se encontrar com os potentados muçulmanos "para promover o diálogo inter-religioso e a compreensão mútua". Não é de admirar que aqueles que conhecem a verdadeira biografia de São Francisco deplorem sua transformação moderna em algum tipo de hippie medieval” - ou, nas palavras do Papa Francisco, “o homem da paz, o homem que ama e protege a criação.” Como o Papa Pio XI escreveu em 1926:
"Que maldade eles fazem e quão longe de uma verdadeira apreciação do Homem de Assis [São Francisco] são eles que, a fim de reforçar suas idéias fantásticas e errôneas sobre ele, imaginam uma coisa tão incrível ... que ele foi o precursor e profeta daquela falsa liberdade que começou a se manifestar no começo dos tempos modernos e que tem causado tantos distúrbios tanto na Igreja quanto na sociedade civil!"
No contexto do confronto com o Islã, Rega igualmente lamenta que, “para os revisionistas, o Francisco 'real'  não era um evangelista ousado, mas um homem tímido, cujo objetivo era fazer com que os frades vivessem passivamente entre os sarracenos [muçulmanos] 'ficando sujeitos a eles.'”
E estas são precisamente as diferenças entre São Francisco e o Papa Francisco: enquanto ambos estão dispostos a dialogar pacificamente com os muçulmanos, o santo medieval não estava disposto a comprometer as verdades cristãs ou a pedir desculpas pela realidade violenta do Islã. Mas o atual papa pós-moderno está.
Um artigo interessante sobre o verdadeiro São Francisco (em inglês) é Desbancando o mito de São Francisco como um ecumenista moderno.

Eu tive a oportunidade de escrever diversos artigos sobre o erro enorme que o papa comete nesta sua aproximação com o islamismo, defendendo uma imagem irreal do Islã. 

Mensagem ao Papa Francisco frente à perseguição dos cristãos ao redor do mundo, e no Oriente Médio, e sobre o “diálogo inter-religioso” com o islamismo http://infielatento.blogspot.ca/2014/09/mensagem-ao-papa-francisco-perseguicao.html

Papa Francisco e líder muçulmano afirmam: Deus 'quer' várias religiões (heresia do papa?)

O Papa Francisco e o Grã-Imame da Al-Azhar
Leia o artigo todo no link.

Para o Papa Francisco, 'jihad' é o mesmo que 'evangelizar'
Leia o artigo todo aqui.

Carta aberta para o Papa Francisco, com respeito a sua exortação apostólica Evangelli Gaudium

O Bispo que não reza, e o Papa que só vê o bem em tudo



Um comentário:

Unknown disse...

José meu caro que tal você falar sobre aquele filme do Maomé se você fala e explicar o que tá certo e o que foi omitido ou inventado no filme vai ser muito legal