segunda-feira, 25 de março de 2019

Destruição das igrejas armênias pela Turquia - a história sendo apagada para que os turcos possam dizer "vejam só, a Asia Menor foi sempre nossa, Allahu Akbar."

De acordo com as Condições de Omar, contido na lei islâmica (Sharia), cristãos e judeus (chamados de "povo do livro" em referência à Bíblia) não podem construir, nas suas cidades ou arredores, novos mosteiros, igrejas, conventos, ou célula para monges, nem sequer consertá-las, de dia ou de noite, mesmo que eles caiam em ruinas. 
Este artigo exemplifica o fato que ocupação muçulmana leva a destruição da cultura local. 
Das mais de 2,5 mil igrejas que existiam antes do Genocídio Armênio (1915), apenas 6 igrejas estão em operação, mas nenhum monastério sobreviveu até hoje. No território conhecido desde o século 13 como "a possessão dos otomanos", os armênios eram os povos indígenas, especialmente na área que hoje é chamada de Anatólia Oriental (leste da Turquia de hoje).

Igreja Armênia em Ani (Turquia)

Mas mesmo agora, depois de 800 anos, as ruínas de igrejas e monastérios armênios com inscrições e khachkars (cruzes de pedra) quebrados foram preservadas em alguns lugares.

Das outroras belas criações arquitetônicas permaneceu apenas pilhas de escombros e raras lembranças de pessoas idosas que ainda se lembram que os armênios costumavam viver nesta terra. Eles construíram templos, escolas, cidades, que mais tarde, na melhor das hipóteses, simplesmente mudariam de proprietário. Isso aconteceu com o ginásio de Kars, que ainda em funcionamento.

Em 1912-1913, em nome do Ministério do Interior do Império Otomano, o Patriarcado de Constantinopla da Igreja Apostólica Armênia deveria compilar uma lista das igrejas armênias no território do império.

De acordo com as estatísticas coletadas pelo arcebispo Magakia Ormanian, o número de igrejas armênias operando na Armênia Ocidental (sem contar a Cilícia histórica, Constantinopla e outras regiões) era de 2.200.

Mapa com a localização das Igrejas e Monastérios Armênios 
antes do Genocídio Armênio de 1915 na Turquia Otomana

A lista não inclui antigas igrejas cristãs destruídas nos últimos anos em todo o Império Otomano, bem como aquelas localizadas nas áreas remotas das Terras Altas da Arménia. Dos 2.200 templos descritos por Ormanian, 2.150 foram saqueados, danificados e destruídos durante o Genocídio Armênio de 1915.

Dr. Raymond Gevorgyan em sua obra “Les Arméniens dans l'Empire Otomano à Veloia do Genocídio”, publicada em 1992 em Paris e baseada em dados inéditos dos arquivos do Patriarcado de Constantinopla da Igreja Ortodoxa Armênia, referenciou 2.528 igrejas, 451 monastérios, e cerca de 2.000 escolas.

Até hoje, apenas 6 igrejas existentes e nenhum monastério foram preservados, como mencionamos no início. Das 6 igrejas existentes, 4 estão localizadas em Istambul, uma é a Igreja da Santa Cruz na Ilha Akhtamar no Lago Van, que foi renovada em 2007, e a última é a Igreja de St. Giragos em Diyarbakır (Tigranakert), que foi aberto há 2 anos.

No entanto, é um pouco difícil que elas estão em funcionamento - os templos são abertos para a liturgia apenas uma vez por ano. Os templos de Istambul estão em uma posição melhor nesse sentido.

Depois de 1928, o processo de mudar os topônimos (nomes de lugares geográficos) armênios locais começou na nova Turquia. O assentamento Mogk na província de Vaspurakan foi renomeado Müküs e depois Bahçesaray, Anzay tornou-se Görüşlü, Sevan foi renomeado Ortaca, Aren foi renomeado Golduzlu.

Hadjn se transformou em Saimbeyli em honra do organizador dos pogroms armênios no próprio Hadjn em 1920. Akhtamar Island foi renomeada Akdamar, Ani tornou-se Ani (que por coincidência significa “memória” em turco), o Monte Ararat Ağrı Dağı e vários monumentos sobreviventes foram apresentados sem referência à sua origem arménia.

Segundo a UNESCO, de 913 templos que permaneceram após o genocídio de 1915 na Turquia, em 1974, 464 haviam sido completamente destruídos, 252 estavam em ruínas e 197 haviam sido submetidos a restauração imediata sob ameaça de destruição. Hoje, a Turquia é membro da UNESCO, mas há uma enorme quantidade de evidências de que o governo turco ainda está destruindo a herança cultural armênia em seu território.

Em 18 de junho de 1987, o Conselho Europeu adotou uma resolução sobre o genocídio armênio, cujo parágrafo 6 diz: “O governo turco deve mostrar justiça à identidade, idioma, religião, cultura e monumentos históricos do povo armênio. O Conselho da Europa exige que os monumentos históricos e arquitetônicos preservados localizados na Turquia sejam restaurados ”.

De fato, a resolução ecoou as disposições do Tratado de Lausanne de 1923 sobre a preservação do patrimônio cultural e os direitos das minorias nacionais na Turquia. No entanto, 90 anos depois, nada foi feito - pelo contrário, o que poderia ter sido salvo foi destruído pelos habitantes locais com a conivência das autoridades e com o fluxo do tempo.

Mas mesmo hoje, em lugares inacessíveis, nas montanhas, há antigos mosteiros armênios em pé. Um exemplo é a recente “descoberta” do complexo Tsarakar, localizado no coração da província real de Ayrarat. E quem sabe quantos desses complexos de templos estão “escondidos” nas terras altas da Armênia.

Karine Ter-Sahakyan

Fonte. https://allinnet.info/world/demolition-of-armenian-churches-in-turkey/


quarta-feira, 20 de março de 2019

ONU promove substituição populacional através da imigração (migração de substituição)

Isso não é teoria conspiratória, mas sim consistente com o desejo da ONU de se redefinir como um governo global. 

Imigração deve ser parte da política de desenvolvimento de cada país, e a origem dos imigrantes uma decisão soberana da nação, e não uma decisão de grupos supra-nacionais que não tem compromisso algum com o bem estar do povo nativo. 

Por exemplo, a Polônia aceitou 2,5 milhões de imigrantes ucranianos fugindo dos conflitos no leste do país. Mesmo assim, os burocratas da União Européia (uma instituição supra-nacional) acusam a Polônia de racismo por não receberem "imigrantes sírios" (ou seja, além de sírios, paquistaneses, afegães e outros do norte da África e Sahel, todos estes lugares de maioria absoluta muçulmana). 

Caramba, 2,5 milhões de imigrantes não é um bom número? Não para os globalistas. Para eles, é preciso que seja o imigrante certo. Ucranianos cristãos que se integram na sociedade polonesa não serve. Poloneses racistas! Tem que ser imigrantes muçulmanos, que desejam alterar a sociedade polonesa em favor da lei islâmica Sharia. Segundo os globalistas (apoiados pela esquerda internacionalizante e pelos islamistas) uma sociedade estruturada sob bases cristãs é racismo e xenófobia. O certo é que as sociedades  estruturadas sob bases cristãs sejam remodeladas com uma maciça injeção de muçulmanos. Mas as sociedades muçulmanas, bem, estas ficam como estão. 


Migração de substituição: é uma solução para declínio e envelhecimento das populações?
As projeções das Nações Unidas indicam que, nos próximos 50 anos, as populações de praticamente todos os países da Europa, assim como o Japão, enfrentarão o declínio da população e o envelhecimento da população. Os novos desafios do declínio e envelhecimento das populações exigirão reavaliações abrangentes de muitas políticas e programas estabelecidos, inclusive os relacionados à migração internacional.
Concentrando-se nestas duas tendências populacionais notáveis ​​e críticas, o relatório considera a migração de substituição para oito países de baixa fertilidade (França, Alemanha, Itália, Japão, República da Coreia, Federação Russa, Reino Unido e Estados Unidos) e duas regiões (Europa e União Européia). A migração substitutiva refere-se à migração internacional que um país precisaria para compensar o declínio da população e o envelhecimento da população, resultantes de baixas taxas de fertilidade e mortalidade.
Fonte. Press Release.

Lembre-se: quem manda nas Nações Unidas são os 57 países da Organização para a Cooperação Islâmica (OIC). Funciona deste jeito. A OIC é maioria dentro dos "países não alinhados" (ou seja, aprova o que quer dentro deles), e os países não alinhados são maioria na assembléia da ONU. Simples.

Isso se encaixa como luva dentro do Pacto Migratório da ONU. Felizmente, o novo governo retirou o Brasil dele (mas nada impede que daqui a quatro anos, um novo governo de esquerda alinhado aos globalistas retome o poder e assine o Pacto - como impedir que isso ocorra?)

Este estudo da ONU é de 2010, ou seja, a ONU já vem preparando o terreno já faz tempo.

Leia mais sobre Pacto Migratório.

Leia mais sobre a Hégira, o modo como o islamismo se propaga através da imigração.




sexta-feira, 15 de março de 2019

Atentado a mesquitas na Nova Zelândia: resposta do senador australiano Anning

Atentado contra duas mesquitas na Nova Zelândia deixam um saldo de 49 mortos. Os assassinos, três homens e uma mulher, atacaram durante as orações da sexta-feira.

Um deles deixou um manifesto disponível na Internet para justificar suas ações. Neste manifesto, ele disse que, durante sua juventude, ele se identificava como comunista, depois passou para anarquista, mais tarde um libertário e agora se auto-denominava um eco-fascista. Ele não se identifica como conservador e não gosta da sociedade de consumo. A China seria o país com o qual ele mais se identifica. No Manifesto ele alega não ser nazista, pois não tem problemas com judeus, mas se auto-intitula racista. Um maluco, mas a imprensa mundial o rotula como um radical de extrema-direita.

Ele critica as pessoas de culturas não-europeias se estabelecendo em países de cultura europeia e branca, dizendo que, devido às suas altas taxas de natalidade, estes imigrantes estavam conquistando países que não os seus. Neste particular eles têm razão.

A imprensa ocidental destaca o atentado como uma forma de colocar o islamismo como vítima, dentro de uma narrativa do Marxismo Cultural. É claro que isso leva a pergunta: por que esta mesma imprensa omite o fato de que no "mundo islâmico", a cada mês, 322 cristãos são mortos e 214 igrejas são destruídas? Resposta: por que a verdade contradiz com a narrativa.

A mulher segura um cartaz dizendo: "Não mais terrorismo branco"
Quer dizer que o "terrorismo negro" (e islâmico) do Boko Haram está OK? 
Quer dizer que o terrorismo paquistanês (e islâmico) está OK?


A melhor resposta à este atentado é a carta do senador Fraser Anning, do senado do estado de Queensland, na Austrália, transcrita abaixo.
Data: 15 de março de 2019
Atentado na mesquita da Nova Zelândia
Pronunciando-se sobre os relatos dos atentados múltiplos contra duas mesquitas na Nova Zelândia hoje cedo, o Senador Fraser Anning respondeu com uma forte condenação.
"Eu sou totalmente contrário a qualquer forma de violência dentro da nossa comunidade, e eu condeno totalmente a ação dos bandoleiros," disse ele.
"Entretanto, enquanto que este tipo de vigilantismo nunca pode ser justificada, o que ela ressalta é o medo crescente dentro da nossa comunidade, tanto na Austrália quanto na Nova Zelândia, da presença islâmica crescente."
"Como sempre, políticos da extrema-esquerda e a imprensa irão se apressar em que o motivo do atentado de hoje por causa da legislação de armas e daqueles que têm uma visão nacionalista mas isso é um clichê absurdo."
"O real motivo da chacina nas ruas da Nova Zelândia hoje é o programa de imigração que permite que muçulmanos fanáticos imigrem para a Nova Zelândia."
"Sejamos claros, enquanto que muçulmanos são as vítimas de hoje, em geral eles são os autores. Ao redor do mundo, muçulmanos matam pessoas em nome da sua fé em uma escala industrial."
"Toda a religião islâmica é simplesmente uma ideologia violenta de um déspota do século sexto disfarçado como líder religioso, que justificou a guerra sem fim contra todos aqueles que se opuseram a ele, clamando pelo assassinato de descrentes e apóstatas."
"A verdade é que o Islã não é como qualquer outra fé. É um equivalente religiosos ao fascismo. E apenas porque  os seguidores desda crença selvagem não eram os assassinos neste caso, não os torna sem culpa."
"Como lemos em Mateus 26:52, "quem vive pela espada, morre pela espada" e aqueles que seguem uma religião violenta que convoca pela nossa morte não podem ficar surpresos quando alguém toma-os pela sua própria palavra e responde de acordo," o senador Anning concluiu.


quinta-feira, 14 de março de 2019

Paquistão: menina cristã de 13 anos raptada, forçada a se converter ao islamismo e casar-se com seu sequestrador

Conversão forçada está no Alcorão

Por Leah MarieAnn Klett , repórter do Christian Post

Uma adolescente cristã no Paquistão foi sequestrada e forçada a se converter ao islamismo. E agora seus seqüestradores estão usando o sistema legal do país para impedi-la de voltar para casa.

O grupo cristão de vigilância da perseguição internacional Christian Concern (ICC) relatou que em 6 de fevereiro, Sadaf Masih, de 13 anos, foi sequestrada por três homens identificados como Maqbool Hussain, Mubashir Hussain Baloch e Azhir Hussain Baloch.

Quando a família de Masih tomou conhecimento do rapto da menina cristã, eles procuraram a família dos sequestradores que lhes disseram que ela seria devolvida a eles.

No entanto, após oito dias, os sequestradores disseram à família cristã que Masih era casado e se converteu ao islamismo. Eles então mostraram à família uma certidão de  casamento que falsamente alegava que ela tinha 18 anos, uma idade suficiente para se casar legalmente no Paquistão.

Quando sua família protestou, os raptores os ameaçaram e avisaram que, se tentassem contatar a adolescente, haveria “conseqüências da lei”.

O ICC observa que sequestros e conversões forçadas ao Islã são comuns para as minorias religiosas no Paquistão, já que cerca de mil mulheres das comunidades cristãs e hindus do Paquistão são raptadas, estupradas e violentamente convertidas ao islamismo a cada ano. O Paquistão classifica-se como a quinta pior nação do mundo quando se trata de perseguição cristã, segundo a World Watch List da Open Doors USA.

"A violência contra mulheres e meninas - incluindo estupro, homicídio por causa dos chamados crimes de honra, ataques com ácido, violência doméstica e casamento forçado - permanece como rotina", observou um relatório recente da Human Rights Watch sobre o Paquistão.

William Stark, gerente regional do Sul da Ásia no ICC, comentou ao Christian Post: “O que é mais perturbador em muitos desses casos é como o estupro é usado como arma para prender vítimas. Para muitas mulheres no Paquistão, garantir um bom casamento é a única maneira de garantir uma boa vida. Quando essas mulheres vitimadas são estupradas, elas se sentem presas porque isso tira sua capacidade de garantir um bom casamento devido à vergonha associada a ser uma vítima de estupro.

“Outro elemento preocupante dos casos de conversão forçada é a questão da custódia. Quando os seqüestradores afirmam que a vítima foi casada com eles, especialmente quando a vítima é uma mulher, eles mantêm a custódia da vítima. Isso torna especialmente difícil para as mulheres cristãs que foram raptadas, forçadas a se converterem ao islamismo e forçadas a se casarem com seus sequestradores para prestar depoimento contra seus seqüestradores.”

Nos últimos anos, numerosos relatos surgiram sobre mulheres cristãs no Paquistão sendo seqüestradas, estupradas e forçadas a casar com seus estupradores. Muitas vezes, as meninas raptadas são forçadas a se converter ao islamismo, o que torna seus casamentos subsequentes legais sob a lei paquistanesa.

Além disso, os muçulmanos que sequestraram moças e mulheres cristãs e as forçaram a casar-se muitas vezes são tratados com um nível de impunidade pelas autoridades locais.

No ano passado, uma menina cristã paquistanesa de 12 anos foi seqüestrada e forçada a se converter ao islamismo e se casar com seu raptor, segundo o World Watch Monitor. Quando seu pai tentou procurar assistência legal, ele foi detido pela polícia por “apresentar falsas acusações” contra seu seqüestrador.

Eventualmente, a menina foi levada para casa depois que ela foi incapaz de convencer o tribunal que ela havia se convertido voluntariamente ao islamismo.

Em abril passado, Fouzia Bibi, uma mãe cristã de três filhos que foi raptada e forçada a um casamento islâmico com seu patrão, obteve liberdade e divórcio em um tribunal de família em Lahore.

A decisão chegou quase dois anos depois que Bibi foi sequestrada pela primeira vez. Também veio depois de sua família ter sido pressionada pelas autoridades locais a devolver Bibi à casa do seu patrão muçulmano depois que ela escapou.

Um homem arruma flores em forma de coração em um mercado em Lahore



quarta-feira, 6 de março de 2019

Notícias sobre a Jihad Global do mês de fevereiro de 2019

Veja o que entrou de novo no blog em fevereiro de 2019, exemplificando a aplicação da lei islâmica Sharia ao redor do mundo, seja por governos de países com maioria muçulmana, grupos islâmicos ou mesmo ações individuais.


Direitos das Mulheres sob o Islão: Parte 3Parte 2Parte 1
A imigração muçulmana aliada ao políticamente correto do Ocidente estão tornando as mulheres ocidentais igualmente sem defesa frente ao avanço implacável da Sharia.
#HijabDay 2019: a esquerda pró-islâmica internacional continua promovendo a segregação islâmica da mulher
Leia artigo no blog.

Metade rainha, metade prisioneira: a vida da rainha Nazli do Egito
Quando a noite de núpcias terminou, veio a escuridão. A rainha foi enviada para um harém de estilo otomano, onde teve que se submeter a um estilo de vida antiquado que não estava de acordo com sua educação e cultura. Ela foi a última rainha do último harém do século XX. (Rainhas Malditas)

Mulher que usar perfume em público é uma adúltera
"O Mensageiro de Alá [SAW] disse: 'Qualquer mulher que colocar perfume e depois passar por pessoas para que elas possam cheirar sua fragrância, então ela é uma adúltera'".
Hadith Sunan an-Nasa'i Vol. 6, livro 48, Hadith 5129

Áustria: mulheres em Viena estão usando lenços de cabeça para evitar assédio sexual dos imigrantes muçulmanos do sexo masculino
Isso vem acontecendo nos subúrbios onde existe uma maior presença islâmica. (Voice of Europe)

Arábia Saudita: aplicativo de celular permite que homens controlem suas mulheres
O "sistema de guardião" estabelecido pela lei islâmica (a mulher só pode fazer algo com a permissão do seu guardião do sexo masculino) conseguiu atingir novo patamar de podridão. (CNN)

'Nós só queremos sobreviver': as irmãs sauditas que temem a pena de morte após fugirem do país
Existem muçulmanos e apologistas que dizem que o islamismo é feminista. (BBC)

Irã: multidão ataca a "polícia da moralidade" após prender duas jovens por usarem o véu islâmico compulsório de modo errado
A multidão conseguir tirar as mulheres da viatura e se dispersou, libertando as mulheres na confusão. (CNN)

Quênia: menina de 14 anos morta ao ser submetida à mutilação da genitália feminina (FGM)
O corpo da menina está sendo guardado no necrotério pois os pais estão foragidos há dois meses e meio. Segundo o laudo médico ela morreu ao contrair uma bactéria (como decorrência da FGM)  o que causou penoumonia. (Nation)

Síria: Grávida de apenas 10 anos, a menina é apanhada como escrava sexual na capital do Estado Islâmico enquanto tia revela que crianças são espancadas com cabos pelas esposas dos jihadistas e "estupradas por 100 homens"
O impressionante relato da vida de Marwa Khedr, que tinha apenas 10 anos quando foi capturada pelo Estado Islâmico na região de Sinar, no Iraque. Ela foi levada para Raqqa, onde uma amiga da família notou que ela estava grávida. Marwa ainda está desaparecida junto com cerca de metade dos 6.500 Yazidis sequestrados pelo IS. (Daily Mail)


Leia este artigo "Boicote Produtos Halal" para saber o que é "comida halal" e o porquê de boicotá-la. E visite os demais links.


História (Arte e Jahiliyya)

Islã: o inimigo mais formidável e persistente do Ocidente
Leia o artigo no blog.

Cruzadas - artigos e vídeos
Leia no blog, material sendo atualizado.

Um al-qaid (comandante muçumano) andaluz retorna de uma razia, trazendo o seu espólio de guerra: uma escrava sexual
Razia (ou gazia) significa incursão árabe em território inimigo, que visa a destruição e o saque. Maomé inventou isso: um ataque rápido, geralmente à traição (quando o inimigo menos espera) e contra alvos fáceis (civis desarmados).

Quadro de José Daniel Cabrera Pena



Ribeirão Preto: mulher denuncia marroquino por violência doméstica
A vítima relata que sofre agressões e ameaças todos os dias; segundo a polícia, homem já tem passagem pelo crime. A mulher é onze anos mais velha que o marroquino. (revide)

Enquanto isso, no Pará, a delegação paquistanesa que busca atrair brasileiros para o sunismo continua em ação, livre e desempedida 
O sunismo paquistanês (deobandi) é o da "lei da blasfêmia" que prendeu Asia Bibi por 9 anos e que persegue e mata e sufoca a pequena comunidade cristã e ateus no Paquistão.






Canadá: professora primária se diz orgulhosa por ter obrigado alunas a usarem o véu islâmico no "dia do hijab"
A professora fez isso sem pedir permissão aos pais. E, claro, ela se sente bem ajudando a "quebrar os tabus" e ajudar a propagar o islamismo. Mas a professora claro não faz o mesmo com outras religiões, apenas uma.

Os socialistas canadenses, incluindo os professores progressistas, levaram 30 anos para retirar o Pai Nosso das salas de aula (o Pai Nosso era rezado pela manhã), alegando que isso era necessário para criar um ambiente secular na sala de aula. Agora, eles todos se fazem passar de "multiculturalistas pra-fren-tex" e promovem o islamismo nas salas de aula, e, apenas o islamismo.


Grã-Bretanha: força policial diz que pode permitir que policiais usem burcas como parte do uniforme
A polícia de West Midlands deseja se tornar mais inclusiva. (telegraph)

Grã-Bretanha: governo retira cidadania britânica de esposa de jihadista do Estado Islâmico
Shamima Begum tem descedêcia do Bangladesh e, na Síria, se casou com um jihadista holandês e teve um filho. Ela está presa na Síria mas quer que o governo a liberte. O governo britânico tomou a decisão "em prol do bem comum." Shamina havia fugido para a Síria, com outras três colegas de escola, em 2015, e declara abertamente seu apoio à jihad islâmica e que não se arrepende do que fez (Telegraph). Em entrevista para o jornal The Sun, Shamina Begum disse apoiar o estupro e a morte das escravas sexuais iázidis. Ela ainda disse que apoia alguns valores do islâmicos sendo introduzidos no Reino Unido.

Alemanha: dezenas de alemães que lutaram pelo Estado Islâmico estão presos no norte da Síria, dentre eles assassinos e torturadores, mas também mulheres e crianças. O governo alemão não tem um plano coerente para lidar com eles
"Você sabe qual foi a melhor coisa da minha jihad para Allah?" perguntou Bajram G. a um conhecido seu no Facebook. A melhor coisa, ele escreveu, respondendo a sua própria pergunta, foi atirar em três inimigos até a morte, todos eles "infiéis". Então ele pegou um dos telefones de sua vítima, ligou para uma mulher na lista de contatos, e disse que estava de pé com a sua bota na cabeça da vítima. A mulher, ele alegou, começou a gritar. Bajram G., 25, é um cidadão alemão e filho de imigrantes do Kosovo, e classificado como uma ameaça potencial pelas autoridades alemãs.  (spiegel)

Canadá: governo sem saber se recebe de volta os jihadistas do Estado Islâmico, e suas esposas, presos na Síria e no Iraque 
O governo atual diz que não existe nada de mais em recebe-los de volta, mas em ano eleitoral, ele não faz nada para não perder votos: a maioria do povo canadense é contra. O mais notório deles, o narrador de diversos vídeos promocionais do Estado Islâmico (para arregimentar mais seguidores), é canadense (National Post).

Holanda: professor suspenso depois de insultar o profeta
Segundo o instrutor de engenharia, a acusação seguiu um incidente na sala de aula no final de janeiro. "Uma aluna disse a uma colega que a mãe dela me acha 'haram', ou sujo. Eu peguei isso e falei com ela sobre isso. No intervalo de repente outros estudantes vieram em torno de mim e falaram em tom alto que eu teria insultado o profeta", disse o instrutor que por razões de privacidade pediu para permanecer anônimo.
A carta de suspensão do diretor indica o suposto insulto ao Profeta Maomé. "Você disse que Maomé foi casado com uma menina de oito anos e que na Holanda um homem adulto que se casa com uma menina de oito anos é visto como um pedófilo." (Telegraaf)



O Obstinado Silêncio do Papa em Relação à Perseguição aos Cristãos
Talvez tenha chegado a hora dos católicos aposentarem o Bergoglio ... ou rezarem muito por uma intervenção do Espírito Santo ... talvez as duas ações mereçam ser contempladas. (gatestoneinstitute)

Papa Francisco e líder muçulmano afirmam: Deus 'quer' várias religiões (heresia do papa?)
Leia o artigo no blog. 

Papa Francisco e seu lobo muçulmano vestido de ovelha
Leia o artigo no blog.

Aviso ao Papa: São Francisco queria converter os muçulmanos!
Leia o artigo no blog.

Até João Paulo II e Bento XVI eram mais realistas quanto ao Islã (ao contrário do Papa Francisco)
Leia o artigo no blog.

Cardeal Burke: "muçulmanos e cristãos não adoram o mesmo Deus”
Leia o artigo no blog.



Austrália: 6 homens condenados por planejarem derrubar o governo das Filipinas para implantar a lei islâmica Sharia
(Não existe causa mais nobre para um muçulmano do que matar e ser morto para fazer com que a religião de Maomé governe o mundo) Eles iriam se juntar aos jihadistas que atuam no sul das Filipinas. Dois deles eram irmãos e o pai deles destinou 90 mil dólares para financiar a empreitada.  (ABC)


Liberdade de Expressão e Blasfêmia - Exemplos

Paquistão suspende a libertação de Asia Bibi por temer que ela fale
Apesar do Canadá ter oferecido o asilo de 47 anos, o  The Times  informa que as autoridades paquistanesas estão deliberadamente obstruindo sua saída porque temem que ela possa lançar uma luz negativa sobre o país se ela falar com a mídia uma vez no exterior. O Paquistão deu garantias de que Bibi está livre para deixar o país depois que a documentação final foi completada, mas o atraso contínuo está causando alarme entre as autoridades canadenses, assim como seus amigos e familiares. Um diplomata canadense disse ao The Times que não conseguiu entrar em contato direto com Bibi. O jornal relata que um funcionário paquistanês sugeriu que Bibi prometesse não falar sobre seu caso na mídia estrangeira ou em acordos de livros como condição para deixar o país. (Christian Today)

Malásia (um país de maioria islâmica que dizem ser "moderado"): polícia abre investigações contra 3 pessoas acusadas de "insultar o islamismo" nas redes sociais 
Segundo a lei islâmica Sharia, insulto é quando um muçulmano não gosta do que ouve ou lê. Qualquer crítica verdadeira a Maomé (por exemplo, por ele ter torturado Kinana até a morte) ou ao islamismo (por exemplo, por definir muito mais direitos para homens do que para mulheres) pode ser considerado um insulto se o muçulmano não gostar disso. (The Sunday Daily)

Twitter adverte usuários por estarem desrespeitando a lei da blasfêmia do Paquistão
O Twitter tem alertado usuários de todo o mundo de que seus posts na plataforma violam a lei sharia do Paquistão, e que eles “podem querer consultar um advogado”. Dentre aqueles que receberam a notificação do Twitter se incluem a comentarista conservadora Michelle Malkin, bem como o reformista muçulmano Imã Mohamad Tawhidi, a blogueira e crítica do Islã Pamela Geller, o ativista de direitos humanos Ensaf Haidar, e o editor da revista FrontPage Jamie Glazov. (Breitbart) Por que uma empresa americana está impondo a lei da blasfêmia islâmica sobre usuários ao redor do mundo?


Perseguição Cristãos: Parte 1Parte 2
"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
O Obstinado Silêncio do Papa em Relação à Perseguição aos Cristãos
Talvez tenha chegado a hora dos católicos aposentarem o Bergoglio ... ou rezarem muito por uma intervenção do Espírito Santo ... talvez as duas ações mereçam ser contempladas. (gatestoneinstitute)

Genocídio armênio na TV egípcia!
O canal de TV egípcio "Sada El Balad" fala sobre Erdogan e menciona que seus antepassados massacraram 1,5 milhão de inocentes armênios em 1915 no primeiro genocídio do século 20, também deportaram 600 mil armênios de suas cidades e aldeias para o deserto para que eles morressem. Também menciona que o Genocídio começou nos dias do sangrento Sultão Hamid e envolveu a eliminação de intelectuais armênios, médicos, poetas, líderes comunitários e membros do parlamento. Menciona que o Presidente francês Emanuel Macron declarou recentemente 24 de abril de 1915 como um dia de recordação do genocídio armênio! Conclui que não há diferença entre Erdogan e a atual Turquia, o Sultão Hamid e o Império Otomano. A TV egípcia disse: "Erdogan é um criminoso e assassinado como seus ancestrais". vídeo: https://youtu.be/YUmOtLktXYw.

Myanmar: militares intensificam operações contra minoria cristã (etnia Karen)
Desde que a Birmânia se tornou independente dos britânicos em 1948, as minorias étnicas - talvez a mais significativa delas é a etnia Karen - foram trancadas em uma latente sucessão de guerras e supostos crimes contra a humanidade em sua busca por estabelecer e manter sua independência. A Karen National Union (KNU), uma organização política que representa os interesses da minoria Karen e cujo braço armado, o Exército de Libertação Nacional Karen (KNLA), concordou com o que foi aclamado como um acordo histórico em 2015. Mas esse pedaço de papel não pôs fim à luta. Violações do cessar-fogo têm ocorrido, o que força que populações inteiras fujam de suas vilas.  (www.foxnews)

Paquistão: cristão "espancado e ameaçado por extremistas islâmicos", esconde-se após deportação no Reino Unido
Asher Samson, de 41 anos, perdeu a longa batalha legal para permanecer no Reino Unido desde que chegou em 2004. "Ele está escondido no Paquistão e sua família está terrivelmente preocupada com ele". Uma nova pesquisa da Igreja Católica descobriu que 187 cristãos estão enfrentando acusações de blasfêmia no Paquistão. (premier)

Turquia: igrejas milenares armênias usadas com estábulo
A maior parte da Armênia se encontra no território hoje ocupado pela Turquia. Os armênios foram mortos, expulsos ou convertidos à força ao islamismo (na Turquia de hoje, ser turco e ser muçulmano são sinônimos). Claro, que o governo turco não tem interesse em preservar a história armênia e cristã no território que ocupa hoje.


Burquina Faso: padre espanhol assassinado por jihadistas
Os jihadistas interceptaram o carro que levava o padre, e outras pessoas, quando retornavam de uma reunião. O padre foi retirado do carro e fuzilado (news24)

Alemanha: migrante do Iraque é preso por assassinato de ex-namorada cristã
O cadáver encharcado de sangue foi encontrado em um campo perto de Gremersdorf, uma cidade no estado alemão mais setentrional de Schleswig-Holstein. O corpo foi identificado por suas tatuagens únicas. A vítima é Fatemeh B., 28 anos, uma iraniana cristão que fugiu do Irã devido à perseguição por suas crenças cristãs. https://www.unzensuriert.de/content/0029042-Iraqi-Migrant-Arrested-Murdering-Christian-Ex-Girlfriend

Perseguição outras religiões
Mas quando os meses sagrados tiverem transcorrido, mate os idólatras onde quer que você os encontre, e capturai-os, e cerque-os, e arme ciladas para eles usando de todos os estratagemas (da guerra); mas caso eles se arrependam, observem a oração e paguem o zakat [ou seja, se tornem muçulmanos], abra o caminho para eles. Sabei que Alá é Indulgente, Misericordiosíssimo. (Alcorão 9:5)
Índia: ativista encontrado brutalmente assassinado horas após ter impedido muçulmanos de converter hindus
Ramalingam, de 42 anos, foi agredido em Kumbakonam, no distrito de Thanjavur, a caminho de casa, por um grupo de pessoas não identificadas, e suas mãos foram decepadas. Ramalingam morreu a caminho do hospital devido a sangramento excessivo. (opindia

Paquistão: quota de emprego para "minorias religiosas" oferece apenas vagas para serviços santários (limpar latrinas e banheiros)
Serviços sanitários, envolvendo limpeza de banheiros, etc., estão sendo destinados exclusivamente a membros minoritários - sikhs, hindus e cristãos etc. Os não muçulmanos, mesmo qualificados tem apenas opção de emprego público equivalente ao dos 'chuhras' 'varredores de rua', um termo que é usado como um insulto para os cristãos. (britishpakistanichristians)

Arábia Saudita: motorista de táxi sunita degola criança xiíta de 6 anos
O motorista levava a criança e sua mãe para a mesquita de Medina. Ao saber que eles eram xiítas, ele parou o carro e degolou a criança com pedaços de uma garrafa quebrada. Autoridades sauditas usam a desculpa que o motorista sunita tinha problemas mentais (Daily Mail).


Ultraje Eterno

Austrália: clérigo muçulmano declara que Alá pune homens que usam mictório
Ele diz que os homens estão expondo as "suas partes" em público.
Me responde aí, o esperto. Imagina um exército de jihadistas no deserto. Eles vão mijar como? Alá irá puni-los? Ou será que ele gosta de mijar agachado? (Daily Mail)


.➽