quinta-feira, 14 de março de 2019

Paquistão: menina cristã de 13 anos raptada, forçada a se converter ao islamismo e casar-se com seu sequestrador

Conversão forçada está no Alcorão

Por Leah MarieAnn Klett , repórter do Christian Post

Uma adolescente cristã no Paquistão foi sequestrada e forçada a se converter ao islamismo. E agora seus seqüestradores estão usando o sistema legal do país para impedi-la de voltar para casa.

O grupo cristão de vigilância da perseguição internacional Christian Concern (ICC) relatou que em 6 de fevereiro, Sadaf Masih, de 13 anos, foi sequestrada por três homens identificados como Maqbool Hussain, Mubashir Hussain Baloch e Azhir Hussain Baloch.

Quando a família de Masih tomou conhecimento do rapto da menina cristã, eles procuraram a família dos sequestradores que lhes disseram que ela seria devolvida a eles.

No entanto, após oito dias, os sequestradores disseram à família cristã que Masih era casado e se converteu ao islamismo. Eles então mostraram à família uma certidão de  casamento que falsamente alegava que ela tinha 18 anos, uma idade suficiente para se casar legalmente no Paquistão.

Quando sua família protestou, os raptores os ameaçaram e avisaram que, se tentassem contatar a adolescente, haveria “conseqüências da lei”.

O ICC observa que sequestros e conversões forçadas ao Islã são comuns para as minorias religiosas no Paquistão, já que cerca de mil mulheres das comunidades cristãs e hindus do Paquistão são raptadas, estupradas e violentamente convertidas ao islamismo a cada ano. O Paquistão classifica-se como a quinta pior nação do mundo quando se trata de perseguição cristã, segundo a World Watch List da Open Doors USA.

"A violência contra mulheres e meninas - incluindo estupro, homicídio por causa dos chamados crimes de honra, ataques com ácido, violência doméstica e casamento forçado - permanece como rotina", observou um relatório recente da Human Rights Watch sobre o Paquistão.

William Stark, gerente regional do Sul da Ásia no ICC, comentou ao Christian Post: “O que é mais perturbador em muitos desses casos é como o estupro é usado como arma para prender vítimas. Para muitas mulheres no Paquistão, garantir um bom casamento é a única maneira de garantir uma boa vida. Quando essas mulheres vitimadas são estupradas, elas se sentem presas porque isso tira sua capacidade de garantir um bom casamento devido à vergonha associada a ser uma vítima de estupro.

“Outro elemento preocupante dos casos de conversão forçada é a questão da custódia. Quando os seqüestradores afirmam que a vítima foi casada com eles, especialmente quando a vítima é uma mulher, eles mantêm a custódia da vítima. Isso torna especialmente difícil para as mulheres cristãs que foram raptadas, forçadas a se converterem ao islamismo e forçadas a se casarem com seus sequestradores para prestar depoimento contra seus seqüestradores.”

Nos últimos anos, numerosos relatos surgiram sobre mulheres cristãs no Paquistão sendo seqüestradas, estupradas e forçadas a casar com seus estupradores. Muitas vezes, as meninas raptadas são forçadas a se converter ao islamismo, o que torna seus casamentos subsequentes legais sob a lei paquistanesa.

Além disso, os muçulmanos que sequestraram moças e mulheres cristãs e as forçaram a casar-se muitas vezes são tratados com um nível de impunidade pelas autoridades locais.

No ano passado, uma menina cristã paquistanesa de 12 anos foi seqüestrada e forçada a se converter ao islamismo e se casar com seu raptor, segundo o World Watch Monitor. Quando seu pai tentou procurar assistência legal, ele foi detido pela polícia por “apresentar falsas acusações” contra seu seqüestrador.

Eventualmente, a menina foi levada para casa depois que ela foi incapaz de convencer o tribunal que ela havia se convertido voluntariamente ao islamismo.

Em abril passado, Fouzia Bibi, uma mãe cristã de três filhos que foi raptada e forçada a um casamento islâmico com seu patrão, obteve liberdade e divórcio em um tribunal de família em Lahore.

A decisão chegou quase dois anos depois que Bibi foi sequestrada pela primeira vez. Também veio depois de sua família ter sido pressionada pelas autoridades locais a devolver Bibi à casa do seu patrão muçulmano depois que ela escapou.

Um homem arruma flores em forma de coração em um mercado em Lahore



6 comentários:

Anônimo disse...

José Atento, tenho duas perguntas:

1- Na sua opinião, os imigrantes muçulmanos que vem morar no Brasil, com o passar dos anos, e as futuras gerações, eles não se tornarão mais liberais?

2- No Brasil como existe liberdade religiosa, não seria possível os imigrantes largarem o islamismo e virarem cristãos?


Digo isso porque em qualquer lugar que eles olhar, vão ver gente tomando bebida alcoólica, mulher com roupas curtas. E os filhos dos imigrantes muçulmanos vão crescer em escolas públicas brasileiras, com a cultura liberal do funk, etc.

Unknown disse...

Oi José eu seguia o blogue português amigo de Israel mais não consegui mais acessar o blogue você pode me ajudar?

José Atento disse...

1- Na sua opinião, os imigrantes muçulmanos que vem morar no Brasil, com o passar dos anos, e as futuras gerações, eles não se tornarão mais liberais?

Depende de nós. Basta dizermos não aos radicais quando começarem a exigir que mudemos o nosso modo de pensar e agir para não ofendê-los.

2- No Brasil como existe liberdade religiosa, não seria possível os imigrantes largarem o islamismo e virarem cristãos?

Sim, mas, novamente, depende de nós. Por exemplo, o atual papa Francisco é contra converter os outros. De modo que este trabalho está na mão dos Evangélicos.

José Atento disse...

Amigo de Israel https://www.blogger.com/blogin.g?blogspotURL=http://amigodeisrael.blogspot.com/

José Atento disse...

https://amigodeisrael2.blogspot.com/ <<<<====== MELHOR ESSE

Unknown disse...

Obrigado pela atenção