sexta-feira, 24 de maio de 2019

Cardeal Burke: resistir à "imigração muçulmana em larga escala" é ato responsável

ROMA, 17 de maio de 2019 ( LifeSiteNews ) - Resistir à “imigração muçulmana em larga escala” é “um exercício responsável do patriotismo”, disse hoje o cardeal Raymond Burke.

O Cardeal fez a observação durante entrevista esta tarde no Fórum da Vida, em Roma. A entrevista ocorreu imediatamente após o discurso de Burke sobre piedade filial e patriotismo nacional. 


A pergunta feira ao cardeal Burke talvez tenha sido feita em relação à recusa do papa Francisco em conceder audiência ao vice-primeiro-ministro italiano Matteo Salvini. Um um político que resista à imigração muçulmana em grande escala deveria ser recusado da bênção papal?
O Cardeal indicou que ele não comentaria sobre as bênçãos papais, mas que ele pensava que a “questão fundamental” era sobre a moralidade de resistir à migração islâmica em massa. 
"Eu acho que a questão fundamental aqui é: alguém que resista à imigração muçulmana em grande escala comete um ato imoral e, portanto, deve ter, digamos, negada a Sagrada Comunhão ou, de alguma forma, ser reconhecido como pecador público?"
Burke respondeu dizendo que o ensinamento da Igreja sobre imigração, que ele havia discutido em seu discurso, apoiava indivíduos que “não são capazes de encontrar uma maneira de viver em seu próprio país.” 
"E isso não é verdade para os imigrantes que são oportunistas, em particular no caso do Islã, que por sua definição acredita estar destinado a governar o mundo, imigrando em grande número para os países", disse ele. 
“Você não precisa ser um cientista espacial para ver o que aconteceu, por exemplo, na Europa, em países como França e Alemanha e também aqui na Itália. E também está acontecendo nos Estados Unidos.”
Burke citou um livro chamado No Go Zones , que, segundo ele, “relata lugares nos Estados Unidos onde, na verdade, imigrantes muçulmanos criaram sua própria ordem legal.” 
"Em outras palavras, eles resistem à autoridade legítima do Estado", continuou ele. 
Isso sugere ao cardeal, então, que resistir à imigração islâmica em massa para o próprio país é um ato louvável de patriotismo. 
"Então, se opor à imigração muçulmana em grande escala é ... um exercício responsável do patriotismo de alguém", disse ele. 
“Sim, [algumas] pessoas são verdadeiras refugiadas. Precisamos recebê-las e ajudá-las de todas as maneiras, mas esse não é o caso quando você tem simplesmente uma imigração em grande escala.”
Em sua palestra anterior à entrevista, o cardeal citou o catecismo católico de 1992 sobre imigração, citando passagens que diziam que os países deveriam discriminar prudentemente em relação à migração e também delineou o dever dos imigrantes de respeitar os costumes e leis de suas nações anfitriãs: 
"O Catecismo da Igreja Católica assume então as obrigações das "nações mais prósperas ..., na medida em que sejam capazes de acolher o estrangeiro em busca da segurança e dos meios de subsistência que ele não encontra no seu país de origem." Esse bem-vindo, como está claro no texto, não é indiscriminado, pois depende da capacidade das nações aceitarem tais refugiados de suas terras natais e da impossibilidade dos refugiados de encontrar os meios para viver em suas pátrias."
Burke observou que o Catecismo também diz que os imigrantes devem “respeitar com gratidão a herança material e espiritual do país que os recebe, obedecer às suas leis e ajudar a carregar os encargos cívicos.” 

2 comentários:

Anônimo disse...

Nova PIDE-DGS
PIDE- Polícia internacional de defesa da esquerda
DGS- Ditaduras e governos socialistas

Muita secreta até agora, mas muito activa desde sempre.

Arthur Lacerda disse...

A redação ou tradução deste artigo é péssima, com voz passiva onde descabe, crase inoportuna e não só.