terça-feira, 21 de maio de 2019

Últimas palavras de Maomé: amaldiçoar cristãos e judeus (e também os muçulmanos)

(Leia depois Quem matou Maomé?, que explora a coincidência interessante que Maomé morreu sentindo sua "veia da vida" (aorta) sendo cortada - assim como o Alcorão alertou como punição para quem mudasse as palavras de Alá)

Maomé foi envenenado por uma mulher judia, Zainab, cuja família havia sido massacrada pelos muçulmanos durante a sua jihad contra a tribo judáica instalada no oásis de Khaibar. Ela colocou veneno em um prato preparado por ela para o profeta. Zainab havia sido escravizada sexualmente por Maomé.

Um dos seguidores de Maomé, que partilhou da comida, morreu quase imediatamente; mas Maomé, que havia comido com mais moderação, escapou. Ele, no entanto, reclamou dos efeitos do veneno até o fim de sua vida.

Além de vingança, a idéia de envenenar Maomé era um teste. Os judeus raciocinaram que, se Maomé fosse realmente um profeta, Deus o salvaria do veneno. Maomé foi reprovado no teste.

Hadice autêntico (Sahih) de Al-Bukhari, 5.713:
Narrado por Aisha: O Profeta, sofrendo da doença que o matou, costumava dizer., "Ó Aisha! Eu ainda sinto a dor causada pela comida que comi em Khaibar e, neste momento, sinto como se minha aorta estivesse sendo cortada por aquele veneno."
Maomé não engoliu veneno suficiente para matá-lo rapidamente, mas o veneno causou danos internos que o deixaram em agonia crescente. Seus seguidores tinham que carregá-lo.  Aisha (criança-esposa de Maomé) disse nunca ter visto ninguém experimentar tantas dores como Maomé.

Mas qual a mensagem que Maomé desejou passar adiante enquanto jazia em seu leito de morte, com seus órgãos internos pararam de funcionar devido aos efeitos do veneno? Algo positivo? Algo de paz e amor? Perdoar seus inimigos? Claro que não.

Hadice autêntico (Sahih) de Al-Bukhari, 435:
Narrado por Aísha e Abdulláh bin Abbás: “quando o último momento da vida do Mensageiro de Alá chegou, ele começou a vestir um pano de algodão sobre seu rosto e quando sentiu calor e com pouco fôlego tirou o pano de seu rosto e disse, que Alá amaldiçoe os judeus e cristãos por construírem templos de adoração sobre os túmulos de seus profetas”
Talvez o profeta desejava alertar os muçulmanos para não construírem uma mesquita no seu túmulo. Ele poderia ter dito simplesmente: “Irmãos, não construam uma mesquita no meu túmulo."

Ao invés disso, ele resolveu dar este recado amaldiçoando judeus e cristãos. Ele não queria que Alá os perdoasse. Ele queria que Alá os amaldiçoasse.

E para tornar as coisas ainda piores para Maomé e os futuros muçulmanos, a segunda mais sagrada mesquita do Islã, a mesquita "Al Masjid Nabawi," de Medina, foi construída sobre o túmulo de Maomé.

Então, se judeus e cristãos são amaldiçoados por Alá por construírem templos de oração sobre os túmulos de seus profetas, os muçulmanos também são amaldiçoados por Alá por construírem um templo de oração sobre o túmulo do profeta deles.

Ou seja, no final da sua vida, Maomé amaldiçoou a todos, judeus, cristãos e muçulmanos.

(Leia esta comparação entre as últimas palavras de Jesus, Maomé e Nabeel Qureshi)

Al Masjid Nabawi, a mesquita construída sobre o túmulo de Maomé


Nenhum comentário: