quinta-feira, 11 de maio de 2017

Direitos das Mulheres ao longo da História


Este artigo apresenta uma série de citações relacionadas aos direitos das mulheres "infiéis" ao longo da História. Ela está sendo compilada com o intuito de servir de contra-argumento a declarações de islamistas, muçulmanos e apologistas (muitos deles, pasmem, professores de história) que querem nos vender a idéia de que o islamismo é feminista, e que, do ponto-de-vista histórico, ele representou um avanço para as mulheres. Isso não é verdade. 
Provar que o islamismo não é feminista é fácil, basta consultar o que a lei islâmica define como direito das mulheres
O artigo Direito das mulheres árabes antes e depois do Islã: abrindo a porta da história árabe pré-islâmica demonstra que o islamismo não representou avanço para as mulheres da arábia pré-islâmica.  
Abaixo, são apresentados exemplos que retratam direitos e poderes que as mulheres tiveram ao longo da História, em várias partes do mundo, e que destroem a narrativa do imperialismo islâmico (exemplos sendo acrescentados à medida do possível)

Zurich, Suíca. Na época medieval, as mulheres tinham o maior poder político da região
Em 853 A.D., Louis o alemão, rei de Baviera e neto de Carlos Magno, fundou a Abadia de Fraumünster - um presente para sua filha Hildegard. Este pequeno convento era muito pouco convencional desde o início. A abadia foi dotada das terras circunvizinhas e, no século XI, as mulheres de Fraumünster - e em particular a abadessa - detinham quase todo o poder econômico e político da região. Por exemplo, a abadia realizava mercados comerciais, cunhava moedas, e até mesmo selecionava o prefeito. Infelizmente, as mulheres do Fraumünster perderam o seu poder com a ascensão das guildas de comércio, chamadas de Zunfts, no século XIV.  (FreewalkWikiEurope-City)

Fraumünster abbey

Melisende, Rainha de Jerusalém de 1131 a 1153
Melisende (nascida em 1105 - morreu em 11 de setembro de 1161) foi a rainha de Jerusalém de 1131 a 1153, e regente pelo filho entre 1153 e 1161 enquanto estava em campanha. Ela era a filha mais velha do Rei Baldwin II de Jerusalém, e a princesa armênica Morphia de Melitene. Ela recebeu o nome de sua avó paterna, Melisende de Montlhéry, esposa de Hugh I, Conde de Rethel. Ela tinha três irmãs mais novas: Alice, princesa de Antioquia; Hodierna, condessa de Trípoli; e Ioveta, abadesa de São Lázaro em Betânia. A filha de Hodierna, Melisende de Trípoli, foi nomeada em homenagem à rainha.

Melisende, Rainha de Jerusalém


Nenhum comentário: