sábado, 1 de julho de 2017

Exemplos de "Direitos" das Mulheres sob o Islã - PARTE 3


Leia uma lista dos "direitos" das mulheres sob o islão AQUI.

Exemplos mais antigos estão listados na PARTE 1 (até set/2013) e na PARTE 2 (até dez/2016).

(Você pode estar se perguntando: porque é que eu tenho que me preocupar com isso? Porque esta droga está se espalhando pelo mundo, inclusive no Brasil!)
A imigração muçulmana aliada ao políticamente correto do Ocidente estão tornando as mulheres ocidentais igualmente sem defesa frente ao avanço implacável da Sharia.

Atualizações em novembro de 2018

Suécia: polícia esconde nome do estuprador de uma menina de 10 anos (Mohammed)
Uma menina de 10 anos foi estuprada em um pátio em Malmö na semana passada. Um imigrante de 30 anos da Líbia foi preso pelo estupro. A polícia não quis revelar a classificação do crime no início, mas depois admitiu que foi uma violação de uma criança. De acordo com a ordem de detenção, Mohammed, que é o primeiro nome do perpetrador, nasceu em 1988. (Voice of Europe)

Malásia: casal de lésbicas muçulmanas açoitadas em punição pública
O casal, de 22 e 32 anos, recebeu seis açoites de cana-de-vime nas costas por policiais do Tribunal Superior da Sharia. Segundo o tribunal, a cana não era "dura" e tinha a intenção de educar as mulheres para que se arrependessem. (hermannherald)

Paquistão: Homem mata prima e seu amigo em 'crime de honra'
Um homem matou sua prima, Noor Bibi, e seu amigo Muhammad Yousaf. Em média, 650 pessoas são mortas por "honra" no país anualmente, de acordo com a Comissão de Direitos Humanos do Paquistão (HRCP). Vale ressaltar que, uma vez que a maioria dos crimes de honra não é declarada no país, o número real deve ser muito maior. (pakistantoday)

França: cresce o assédio de mulheres parisienses nos bairros infestados de "imigrantes" 
Um ano após terem assinado um abaixo assinado, as mulheres moradoras do distrito de Chapelle-Pajol dizem que a situação piorou. Os "imigrantes" que assediam mulheres tem algo em comum ... advinha o que? (leparisien)

França: refugiado absolvido de estupro "pois ele tem normas culturais diferentes" - sua vítima tentou suicídio
A jovem é colegial do ensino médio. O refugiado de Bangladesh já havia sido condenado por tentativa de estupro dois anos atrás (VoiceofEurope).

Grã-Bretanha: menina foi estuprada por 100 muçulmanos aos 16 anos de idade 
Uma gangue de seis homens foi condenada a um total de 101 anos depois de explorar sexualmente cinco adolescentes vulneráveis ​​em Rotherham. As ofensas foram cometidas contra cinco meninas menores de 16 anos na área de Rotherham, entre 1998 e 2005.  Os homens visavam meninas que eram "fáceis de explorar porque queriam ser amadas" - eles abusaram sexualmente delas em parques, prédios abandonados e locais isolados. As meninas disseram em declarações como os homens as "destruíram" e que a infância delas foi tirada delas. Uma das vítimas disse no julgamento como foi obrigada a fazer sexo com "pelo menos 100 homens asiáticos" aos 16 anos e outra descreveu como foi estuprada em uma floresta e ameaçou ser abandonada lá. (Daily Mail)
O nome dos "asiáticos": Nabeel Kurshid, Mohammed Imran Ali Akhtar, Asif Ali, Tanweer Ali, Iqlak Yousaf e Salah Ahmed El-Hakam.


Itália: somaliano desnudou-se na rua e estuprou idosa que tomava banho de sol
A idosa estava tomando sol em uma praia na cidade de Ortona, em Abruzzo. O homem tem um status de imigrante protegido. (ansa)

Sudão: pai leiola filha de 16 anos pelo Facebook
O Facebook tem sido criticado por permitir que uma noiva de 16 anos no sul do Sudão seja leiloada para o maior lance em sua plataforma. Seu pai recebeu 500 vacas, 2 carros, 2 bicicletas, um barco, alguns telefones celulares e 13.800 dólares em troca de sua filha. Ela se tornou a nona esposa do homem. (abc)

EUA: Juiz ordena que acusações de mutilação genital feminina sejam descartadas 
Um juiz nos EUA mandou soltar dois médicos muçulmanos que estavam cortando o clítoris de meninas muçulmanas, alegando ser "prática religiosa" deles. Para fazer isso, o juiz alegou que a lei que proíbe a mutilação genital aprovada pelo Congresso em 1996 é inconstitucional, já que este tipo de crime de ser regido por leis estaduais e não por uma lei federal. O caso deve ir para a Suprema Corte.  (thehill)

Atualizações em outubro de 2018

Grã-Bretanha: polícia prende 900 sírios na Inglaterra e no País de Gales por crimes como estupro e abuso infantil
As autoridades dizem que os migrantes foram acusados ​​de crimes doentios, incluindo estupros e abuso infantil. Entre os detidos, quatro imigrantes sírios foram acusados ​​depois que duas garotas de 14 anos foram supostamente agredidas sexualmente - a poucos metros do estádio do Newcastle United. (express)

Grã-Bretanha: gangue do aliciamento de garotas de Huddersfield condenada a 221 anos (paquistaneses)
Dezesseis homens foram presos por mais de 200 anos como parte de uma gangue que abusou de 15 meninas em Huddersfield e arredores entre 2004 e 2011. O líder do grupo, Amere Singh Dhaliwal, 35 anos, foi condenado à prisão perpétua no começo deste ano e disse que ele deveria cumprir no mínimo 18 anos de prisão pelo juiz Geoffrey Marson QC, que disse: "Seu tratamento dessas garotas era desumano". (news.sky)

Iraque: cristã, Miss Badgá assassinada à tiros por "não se vestir islâmicamente"
Ela era famosa por suas roupas ousadas e posts em mídias sociais. (CNN)

Paquistão: artigo publicado na revista Sister-hood narra a experiência de mulheres muçulmanas vítimas do Moothra
Moothra é um termo usado para se referir a mulheres que ficam restritas à casa de seus pais após o seu casamento ter terminado sem divórcio. Quando um relacionamento entre homem e mulher se desfaz, ele a deixa na casa dos pais. Mesmo que ela deseje o divórcio ele não o concede para resguardar a honra da sua família. Ela passa a viver em um limbo social. Enquanto isso, ele passa para um segundo casamento com facilidade. (Sister-hood)

Arábia Saudita: mulheres sauditas que lutaram pelo direito de dirigir estão desaparecendo 
ou se exilando (Intercept).

Prêmio Nobel da Paz para ativistas anti-estupro Nadia Murad e Denis Mukwege

Murad é uma iázide iraquiana que foi torturada e estuprada por militantes do Estado Islâmico e que mais tarde se tornou o rosto de uma campanha para libertar o povo iázide. O Dr. Mukwege é um ginecologista congolês que, juntamente com seus colegas, tratou dezenas de milhares de vítimas de estupro da guera civil no Congo. (BBC)

Irã executa mulher de 24 anos, meio curda, presa, condenada quando criança
Zeinab foi presa em fevereiro de 2012, após ser acusada de matar o marido com quem se casou aos 15 anos. A acusada foi detida em uma delegacia por 20 dias após o crime, onde foi espancada por policiais do sexo masculino e forçada a confessar ter esfaqueado o marido depois que ele abusou dela verbal e fisicamente por meses e rejeitou seus pedidos de divórcio. (Arabiya)

Alemanha: 8 sírios envolvidos no 'estupro em grupo' de jovem de 18 anos em Freiburg
Majd H. (sírio, 21 anos) drogou uma jovem de 18 em uma discoteca e a levou a um arbusto onde ela a estuprou. Após isso, ele chamou seus 7 amigos, também sírios, para estuprarem a jovem indefesa  por mais de quatro horas. Todos estão agora sob custódia da polícia. Majd já tinha mandado de prisão da polícia e deveria estar preso, o que teria evitado o estupro. (bilddw)

Itália em estado de choque: terceiro migrante africano preso em um caso de estupro coletivo e homicídio de menina adolescente italiana
Desiree Mariottini, de 16 anos, foi encontrado em um prédio abandonado em Roma no sábado. Dois cidadãos senegaleses já foram presos: Mamadou Gara, 26 anos, e Brian Minteh, 43 anos. Hoje, um terceiro suspeito foi preso também. O homem de 40 anos veio da Nigéria, detalhes sobre o seu nome não foram dados. (voiceofeurope)
Atualizações em setembro de 2018

Índia proíbe "talaq triplo", o 'divórcio instantâneo islâmico' - muçulmanos clamam 'islamofobia'
Leia o artigo no blog.

Canadá: menina de 13 anos estuprada e assassinada por refugiado sírio; muçulmana reage violentamente contra protesto
Leia artigo no blog.

Síria: jovem mulher descreve como seu pai a forçou a "jihad sexual" com os rebeldes muçulmanos
Vídeo de 2013 traz o testemunho de Rawan al-Dah, que, aos 16 anos, foi forçada pelo pai a fazer sexo com os jihadistas do Estado Islâmico. O seu pai alegava que isso era uma forma de jihad e que a cada vez que ela era consumida por um jihadista pela causa de Alá, ela se tornava uma mártir e ficava mais perto do paraíso islâmico. (YouTube OK)

Indonésia (Achem): governo proíbe que homens em mulheres façam refeições em público a não ser que eles sejam casados ou parentes, de modo a tornar as mulheres "mais obedientes e comportadas"
A lei também proíbe que restaurantes sirvam mulheres desacompanhadas. (Daily Mail)

Grã-Bretanha: adolescente aliciada já havia feito sexo com '100 muçulmanos ao completar 16 anos'; havia ficado grávida aos 15
Jurados no julgamento do abuso sexual de menores, em Rotherham, ouviram ainda que ela começou a ser abusada aos 13 anos de idade. A imprensa inglesa usa o termo "asiáticos" para se referir aos muçulmanos de origem paquistanesa (Sun)

Grã-Bretanha: grupo muçulmano promove a mutilação feminina no Twiter
Um grupo muçulmano chamado Dawoodi Bohra Mulheres pela Liberdade Religiosa postou um tweet na semana passada justificando 'khafz' - ou circuncisão feminina - em meninas jovens. O anúncio pago foi aceito pelo Twiter (dailymail).



Canadá: Ibrahim Ali, refugiado sírio, 28 anos, preso pelo assassinato de Marrisa Shen, 13 anos
A polícia encontrou o corpo de Marrisa em um parque na cidade de Barnaby, e julga ter sido um "crime aleatório" (ou seja, estupro seguido de morte). O crime ocorreu em julho de 2017, quatro meses após a chegada de Ibrahim ao Canadá. O interessante é que o governo perdeu seus dados migratórios  (Vancouver Sun).

Canadá: Mohammad Zadeh estuprou velhinhas em asilo, mas crime foi acobertado pelo hospital, polícia e imprensa por 3 anos. Por que os muçulmanos recebem tratamento especial que os coloca acima da lei?
Entre março de 2015 e outubro de 2015, Shojaadin Mohammad Zadeh, então com 51 anos, agrediu e agrediu sexualmente pelo menos cinco pacientes idosos, com idades entre 88 e 91 anos, no Mackenzie Health Hospital. A gerência do hospital sabia dos incidentes mas orientava explicitamente sua equipe a não divulgar nada à polícia ou às famílias das vítimas, para proteger a reputação do hospital. Após sua demissão definitiva do hospital em 19 de outubro de 2015, após dois dias de prisão, Zadeh foi contratado pela Comunidade e Assistência Doméstica para Seniores e passou a agredir sexualmente mais mulheres em Hadley Grange, uma instalação de idosos assistida em Aurora, Ontario. Zadeh também agrediu sexualmente um homem idoso na própria casa da vítima enquanto servia como assistente para a We Care Home Health Services. O sistema de saúde canadense manteve isso em silêncio; o sistema legal canadense varreu isto debaixo do tapete, os jornais parecem ter medo de divulgar isso e as famílias das vítimas são forçadas ao silêncio. (myalzheimersstory)

Paquistão: Casamentos forçados são a principal razão por trás do aumento da taxa de suicídio em Chitral
Houve 21 suicídios em 2017 devido a “casamentos [principalmente femininos] sem consentimento” e a cifra ficou em 12 para 2018 até agosto. (Pakistan Today)

Índia: mulher muçulmana enforcada e mutilada por irmão e pai por estar em 'relacionamento' com o homem hindu
Mais um caso de assassinato por honra. A mulher foi estrangulada e mutilada por seu pai e irmão, no distrito de Purba Burdwan, em Bengala Ocidental. Os dois admitiram ter matado a mulher com uma corda dentro de um veículo em movimento, enquanto a levavam de volta a Jamalpur, e depois jogavam seu corpo na terra agrícola depois de desfigurar seu rosto com uma pedra. (OPIndia)

Somália: mais duas meninas morrerem devido a FGM, a mutilação da genitália feminina
Duas irmãs, de 10 e 11 anos, morreram sangrando na semana passada depois de terem sido cortadas na remota aldeia pastoril de Arawda North, no distrito de Galdogob, em Puntland.  Na Somália, 98% das mulheres e meninas sofrem FGM, a taxa mais alta do mundo. A população da Somália é 99,8% muçulmana. (Guardian)

Itália: Menina adolescente espancada pelo pai por usar trajes 'muito ocidentais'
Um marroquino de 58 anos, que vive e trabalha em Solesina, está sob investigação por bater e abusar de sua filha adolescente por ficar "ocidentalizada demais." A filha, de 16 anos, tinha hematomas no rosto, disse à polícia que foi atropelada e jogada contra a parede por seu pai, porque ele não queria que ela fosse integrada à comunidade local nem se vestisse com roupas típicas do Ocidente. (Ansa)

Egito: vida das mulheres cristãs no Egito é o inferno
No início deste ano, uma jornalista copta do sexo feminino chamada Engy Magdy escreveu um editorial, publicado pelo site de notícias católicas baseado emm Nova York, The Tablet, documentando como a vida das mulheres cristãs no Egito era "o inferno". (Christian Post)
"Para ser uma mulher em um país onde a maioria das pessoas vê as mulheres como uma desgraça e, na melhor das hipóteses, olham para elas de um ponto de vista sexual, é um fardo pesado, mas ainda pior quando você é uma mulher cristã."
"A maioria das mulheres muçulmanas no Egito usam um hijab (o véu islâmico) e, portanto, as outras que não usam o véu são cristãs. Isso significa que o homem egípcio acha que tem o direito de assediá-la, simplesmente porque a vê como uma prostituta e um descrente."
Egito: muçulmana narra sobre casamento forçado com um primo "inútil" 
“Meu pai era muito rigoroso conosco. Sua oficina estava do outro lado da rua do nosso prédio, e ele gritava se nos visse espiando pela janela. Era como uma prisão. Nós ficávamos em casa, fazíamos chá e comida, e assistíamos TV. Naquela época, eram principalmente filmes em preto e branco, com artistas egípcios. Meus favoritos eram as histórias de amor. Mas era apenas uma fantasia para mim, porque meu pai afugentava todos os meus pretendentes. Durante esse tempo eu me apaixonei pelo vizinho da minha avó. Ele era alto, pele clara e usava o cabelo penteado para trás. Eu fingia visitá-la só para poder vê-lo. Eu usava meus vestidos mais bonitos, arrumava meu cabelo e ficava do lado de fora de sua janela. Ele sempre sorria para mim. Eu era bonita naquela época. Eu o amava. E ele me amava. Ele disse ao meu amigo que queria se casar comigo. Mas meu pai me casou comigo com meu primo e foi aí que começou a tragédia. Eu dei à luz um filho após o outro. Eu tive que trabalhar em tempo integral porque meu marido é tão inútil. Ele é um vagabundo total. Mas ainda moro ao lado do meu primeiro amor. Ele tem um diploma universitário. E toda vez que ele me vê, ele sorri." (Cairo, Egito) (humansofnewyork)

Malásia: mulher condenada ao açoite por infringir a lei islâmica

Um tribunal religioso do estado oriental de Terengganu, governado pelo Partido Islâmico Pan-Malaio (PAS) condenou uma mulher ao açoite por oferecer serviços sexuais. A mãe solteira de 30 anos, que foi capturada por policiais islâmicos em um hotel em 17 de setembro, havia pedido clemência, dizendo que se voltou para a prostituição para criar seu filho e não recebia apoio financeiro de seu ex-marido (reuters).

Atualizações em agosto de 2018

Dinamarca: clérigo ensina sobre islã autêntico (apedrejamento, açoites, morte)
A TV 2 da Dinamarca usou uma câmera escondida para documentar como o imã dinamarquês Abu Bilal da mesquita em Grimhøjvej  ensina os muçulmanos sobre as regras islâmicas de apedrejamento e flagelação e mortes (filme de 2016).


Arábia Saudita: a anunciada liberalização não aconteceu
Mais duas ativistas de direitos humanos mulheres presas em repressão implacável. Samar Badawi e Nassima al-Sada foram detidas no início desta semana. "Apesar das repetidas tentativas das autoridades sauditas para projetar a imagem de um país que implementa amplas reformas para 'modernizar' o reino, a triste realidade é a prisão permanente de ativistas por seu trabalho pacífico com os direitos humanos. "Esse nível sem precedentes de perseguição aos defensores dos direitos humanos na Arábia Saudita é um sinal perturbador de que a repressão está longe do fim."
https://www.amnesty.org/en/latest/news/2018/08/saudi-arabia-two-more-women-human-rights-activists-arrested-in-unrelenting-crackdown/

Índia: a mutilação genital feminina (FGM) é um aspecto integrante da prática religiosa muçulmana
Quem disse isso foi Abhishek Manu Singhvi, advogado que representa a comunidade de Dawoodi Bohra frente a Suprema Corte do páis, à favor da FGM. Ele afirmou que a FGM tem a sanção de textos religiosos. Ele disse: “É um aspecto essencial do Islã e não pode ser submetido ao escrutínio judicial. Citando textos religiosos, ele demonstrou que esta prática tem sido seguida há séculos. Uma petição, sendo considerada pela Suprema Corte, pede a criminalização da FGM. (The Asian Age)

Índia, uma muçulmana deu queixa na polícia contra a prática da nikah halala (que envolve uma mulher divorciada se casar com outra pessoa, consumando o casamento e depois se divorciando a fim de permitir que se casar novamente com seu marido anterior)
Ela foi obrigada a se divorciar 3 vezes em 4 meses e foi estuprada várias vezes em nome do nikah  halala. Primeiro, o marido não ficou satisfeito com o dote e se divorciou com o "talal triplo (dizer 3 vezes "eu me divorcio"). Para poder se casar de novo com o marido ela teve que se casar primeiro com o seu irmão, e depois com o seu cunhado. Ou seja, ela virou uma boneca sexual na mão da família do marido.  (Times of India)

Holanda: vereadora se mata após ser estuprada e ameaçada por muçulmanos
A polícia holandesa e a prefeitura de Haia nada fizeram.

Turquia: o fenômeno das "noivas-crianças" 
Onde você gostaria que sua filha estivesse aos 13 anos de idade? Na escola ou na cama com um adulto? A resposta a uma pergunta dessa natureza é o óbvio ululante em grande parte do mundo. Nas sociedades islâmicas, no entanto, como na Turquia, que não é árabe e teoricamente secular, a resposta é um tiro no escuro. Normalmente nesses países o poder da polícia do governo não combate essa tradição patriarcal, muito pelo contrário, ela a apoia. (Gatestone)
  • De acordo com o Fundo Turco de Filantropia, 40% das meninas com menos de 18 anos na Turquia são forçadas a se casarem.
  • Em janeiro de 2018, um órgão do governo sob jurisdição do presidente Recep Tayyip Erdoğan sugeriu que, de acordo com a lei islâmica, meninas a partir dos 9 anos de idade e meninos a partir dos 12 podem se casar.
  • "Baixa escolaridade" abrange quase toda a Turquia: a escolaridade média no país é de apenas 6,5 anos.
  • Na Turquia não dá em nada abusar de uma menina de 13 anos de idade, mas mexer com o presidente é algo passível de prisão.
Grã-Bretanha: Veja a lista do nome dos trinta e um homens acusados ​​de abusar sexualmente de garotas em West Yorkshire
Alegações de estupro e tráfico de cinco meninas (entre as idades de 12 e 18 anos) datam de 2005 a 2012.
  • Banaras Hussain, 37, de Shipley, acusado de uma acusação de estupro de uma mulher com mais de 16 anos.
  • Banaris Hussain, 35, de Huddersfield, acusado de uma acusação de estupro de uma menina de 13 a 15 anos.
  • Mohammed Suhail Arif, 30, de Huddersfield, acusado de estupro de uma menina de 13 a 15 anos.
  • Iftikar Ali, 37 anos, de Huddersfield, acusado de tentativa de estupro de uma menina de 13 a 15 anos e três acusações de estupro de uma menina de 13 a 15 anos.
  • Mohammed Sajjad, 31 anos, de Huddersfield, acusado de quatro acusações de estupro de uma mulher de 13 a 15 anos, um estupro de uma menina com menos de 13 anos e que facilitou a prática de uma ofensa sexual infantil.
  • Fehreen Rafiq, 38, de Huddersfield, acusado de duas acusações de facilitar a prática de uma ofensa sexual infantil.
  • Umar Zaman, 30, de Huddersfield, acusado de duas acusações de estupro de uma mulher de 13 a 15 anos.
  • Basharat Hussain, 31, de Huddersfield, acusado de duas acusações de estupro de uma mulher de 13 a 15 anos.
  • Amin Ali Choli, 36, de Huddersfield, acusado de duas acusações de estupro de uma mulher com mais de 16 anos de idade.
  • Shaqeel Hussain, 35, de Dewsbury, acusado de estupro de uma mulher de 13 a 15 anos e de duas acusações de tráfico.
  • Mubasher Hussain, 35, de Huddersfield, acusado de estupro de uma mulher de 13 a 15 anos e agressão sexual.
  • Abdul Majid, 34, de Huddersfield, acusado de duas acusações de estupro de uma mulher de 13 a 15 anos.
  • Mohammed Dogar, 35, de Huddersfield, acusado de duas acusações de facilitar a prática de uma ofensa sexual infantil.
  • Usman Ali, 32 anos, de Huddersfield, acusado de duas acusações de estupro de uma mulher de 13 a 15 anos.
  • Mohammed Waqas Anwar, 29, de Huddersfield, acusado de cinco acusações de estupro de uma mulher de 13 a 15 anos.
  • Gul Riaz, 42, de Huddersfield, acusado de estupro de uma mulher de 13 a 15 anos.
  • Mohammed Akram, de 41 anos, de Huddersfield, acusado de duas acusações de tráfico com vista à exploração sexual de uma mulher e violação de uma mulher de 14-15 anos.
  • Manzoor Akhtar, 29, de Huddersfield, acusado de tráfico e três acusações de estupro de uma mulher de 13 a 15 anos.
  • Samuel Fikru, 30, of Camden, charged with two counts of rape of a female aged 13-15.
Outros doze outros homens, que não podem ser nomeados por razões legais, também foram acusados ​​de numerosos crimes relacionados à mesma investigação, informou a polícia de West Yorkshire.
(guardian)

Irã: jovem condenada a 2 anos de prisão por não usar hijab
A jovem nesta foto é uma das meninas da rua da Revolução. Ela foi levada para a prisão hoje para iniciar um mandato de dois anos. O crime dela? Tirar o lenço de cabeça desafiando o hijab compulsório no #Irã. (Twitter)

Roya Saghiri

Alemanha: mulher Yazidi foge da Alemanha depois de encontrar seu captor do Estado Islâmico na rua
Ashwaq Haji Hamid foi escravizada em Mosul, em 2014. Ela chegou a Baden-Württemberg com sua família em 2015 por meio de um programa destinado a ajudar mulheres yazidis que foram submetidas à violência pelo Estado Islâmico. "Eu fugi do Iraque para não ver aquele rosto feio e esquecer tudo o que me lembra, mas fiquei chocado ao vê-lo na Alemanha." A primeira vez foi em 2016. "Ele estava me perseguindo. Ele era a mesma pessoa. Na segunda vez, ele chegou perto de mim e me disse que sabia tudo sobre mim." (USA Today)



Atualizações em julho de 2018

Afeganistão: 80% dos suicídios são cometidos por mulheres
Globalmente, há mais suicídios masculinos do que suicídios femininos, mas não no Afeganistão. O artigo menciona exemplos, como, casamento de crianças com velhos, abuso do marido, mulheres se sentindo abandonadas pelo marido por ele ter casado novamente, coisas que a Sharia permite. (BBC)

Índia: Mulher Muçulmana que entrou com pedido na Suprema Corte contra a inconstitucionalidade da Nikah Halala e poligamia enfrenta ameaças de estupro e morte
Sameena Begum solicitou à Suprema Corte que a Seção 2 da Lei de Aplicação de Leis Pessoais Muçulmanas (Sharia), de 1937, seja declarada arbitrária e que viola as normas constitucionais. Ela alega ter enfrentado ameaças de vida de moradores e gângsteres em Okhla Vihar, onde tentou alugar uma casa. Ela diz que eles estão "tentando forçá-la a retirar o caso". (news18)
Nikah Halala - se um marido se divorciar de sua esposa pronunciando talaq, ele pode revogar o divórcio dentro do iddah, isto é, o período de separação que precede o divórcio. Se o divórcio for concluído, o casal pode se casar novamente. O casal pode se divorciar e se casar novamente duas vezes. No entanto, se eles se divorciarem uma terceira vez, eles não podem se unir dentro do período iddah nem se casar novamente até que a ex-mulher se case com outro homem, para garantir que o divórcio seja levado a sério. Essa crença tem sido a base da exploração financeira e sexual de mulheres muçulmanas.
Índia: mulher estuprada é morta por seus familiares, para defender a honra da família
A mulher, de 18 anos, estava grávida como consequência do estupro. Ela foi morta pelo seu tio com ajuda dos seus primos. O pai da vítima, Muhammad Younus Bhatti, disse à polícia que seu irmão Allah Dito Bhatti e seus filhos Attaullah Bhatti e Sanaullah Bhatti estrangularam sua filha até a morte. (Tribune)

Tailândia: "Eu vou continuar casado com a menina de 11 anos de idade, diz homem de 41 anos
O casamento foi acordado pelos pais da menina que participaram da cerimônia de casamento em Sungai Golok, no sul da Tailândia, em 18 de junho. Ele prometeu obter a certidão de casamento de sua esposa em cinco anos, quando completar 16 anos antes de morarem juntos. "Estou decepcionado com as acusações infundadas e ridículas lançadas contra mim nas redes sociais porque me casei com minha terceira esposa", disse ele. (star) O "maridão" é um imã (clérigo islâmico) (Fox)

Alemanha procura um refugiado 'árabe' que estuprou 10 mulheres
De outubro de 2017 a junho de 2018, um total de dez agressões sexuais de mulheres ocorreu no distrito de Salzgitter em Lebenstedt, além de uma tentativa e uma violação completa de uma prostituta em seu apartamento de trabalho. O suposto agressor (homem de aproximadamente 30 anos de idade, entre 170 e 175 cm de altura, figura estável, cabelo preto curto, barba curta preta e curta, fala alemã quebrada, aparência do sudeste europeu para árabe) aponta para um acusado desconhecido, que foi levado por uma câmera de vigilância (fotos anexadas). A polícia de Salzgitter gostaria de receber informações sobre a pessoa representada em 05341 / 1897-0. (searchlight-germany).

Alemanha: imigrante egípcio sobre passar a mão nas mulheres "isso é OK de onde eu venho"
Um imigrante egípcio que admitiu ter cometido ataques a 13 mulheres na capital alemã, Berlim, reclamou que ninguém o avisou de que era ilegal agarrar mulheres por partes privadas ou se masturbar em público. Ele disse que tais coisas eram perfeitamente normais em sua terra natal egípcia, e ficou chocado quando soube por intermédio de um tradutor que havia infringido a lei. O homem se mudou para a Alemanha quando tinha 14 anos de idade. Ele agora tem 29. (express)

Malásia: muçulmano justifica seu casamento com menina de 11 anos dizendo que queria se casar com ela quando tinha 7 anos
Seguindo o exemplo de Maomé.  (Ecoando)

Somália: menina de 10 anos morre após ritual religioso da mutilação da genitália feminina; pai defende a prática mesmo após morte da filha
A menina morreu em um hospital dois dias depois de sua mãe levá-la a um local que faz tradicionalmente a “circuncisão” num vilarejo remoto perto da cidade de Dhusamareb.  (EcoandoBBC)

Iraniana presa pela República Islâmica por dançar no Instragram
Maedeh Hojabri, 18 anos, possui um canal no Instagram, que se tornou popular. Ela compartilhou este vídeo dela dançando. Ela foi presa e obrigada a gravar um vídeo confessando o seu crime. Isso é o que a lei islâmica (Sharia) faz na vida cotidiana das pessoas. A Sharia arruina a vida das pessoas e de um país como um todo. (Clarion)


EUA: Imigrante jordaniano considerado culpado de assassinatos por "crimes de honra" no Texas, de genro e amigo de sua filha depois que ela se converteu ao cristianismo
Ali Irsan, 60 anos, foi condenado de dois "crimes de honra" em Houston: os assassinatos de Coty Beavers, marido cristão da filha de Irsan, Nesreen, e seu amigo Gelareh Bagherzadeh, ambos mortos em 2012. Sua esposa, Shmou Ali Alrawabdeh, de 40 anos, e o filho mais velho, Nasim Irsan, de 24 anos, também foram acusados ​​de assassinato, sendo que sua esposa, Alrawabdeh, testemunhando contra Irsan. A punição é execução ou prisão perpétua. Ali Irsan tinha uma outra esposa na Jordânia, com quem ele teve 8 filhos (dailymail).


Paquistão: feminista luta contra preceitos da lei islâmica
Aisha Sarwari luta contra o purdah (segregação da mulher), vani (casamento infantil como forma de pagar dívida), zina (estupro marital e adultério), e assassinatos de honra. Tudo isso como decorrência da mulher ser propriedade do homem (folha).

Atualizações em junho de 2018

Lista de países que proibem / impõem restrições à burca e ao niqab
Veja a lista no blog

França: mulher  espancada por requerentes de asilo por estar "levemente vestida"
Uma mulher de 33 anos foi espancada por dois requerentes de asilo afegãos na semana passada, informou a publicação francesa Valeurs Actuelles. O assalto aconteceu em um trem saindo de Paris. (voiceofeuropevaleursactuelles)

No Islamismo, menstruação é mais um motivo para segregar e estigmatizar as mulheres 
Em um artigo no Refinery29, mulheres muçulmanas relatam sobre a segregação que elas sofreram e sofrem durante o Ramadã (o mês de jejum muçulmano) pelo fato de estarem menstruadas. No islamismo, mulher menstruada não reza por estar "impura." Seguindo a mesma lógica, quando menstruadas, as muculmanas não participam nem do jejum, nem das orações e nem das festas noturnas diárias para quebrar o jejum (quando, incidentalmente, os muçulmanos comem mais do que quando não fazem jejum). Isso é um estigma, pois toda a sociedade sabe então quem está no período menstrual, ou seja, sabe-se quais as mulheres que estão sujas e impuras.
https://www.refinery29.uk/2018/05/200467/muslim-women-periods-ramadan

Yazidi ativista: Estado Islâmico detém mulheres iraquianas, crianças em prisões subterrâneas na Síria
Falando à agência de notícias russa Sputnik, Hussein Ali al-Khansouri disse que o Estado Islâmico detém nada menos que 2000 pessoas nas regiões de Sousa, Hegeen, Shoafa e Baguz na província síria de Deir az-Zour e na região de Desheisha, perto das fronteiras entre a Síria e IraqueEntre os presos, estão mulheres e crianças. https://www.iraqinews.com/iraq-war/yazidi-activist-islamic-state-detains-iraqi-women-children-in-underground-prisons-in-syria/

Suíça: Taxista paquistanês HIV positivo em julgamento por estupro e assalto a seis passageiros
O pai de cinco filhos pegou uma mulher australiana de 18 anos como cliente nas primeiras horas da manhã e estuprou o adolescente no banco de trás de seu táxi. O taxista também é acusado de agredir sexualmente outros cinco passageiros, com idades entre 17 e 25 anos.
http://www.breitbart.com/london/2018/06/01/hiv-pakistani-taxi-driver-rape-passengers/

Cachemira, Índia: 'Curandeiro da fé' acusado de "abuso sexual em massa de menores" 
Depois de supostamente cometer abuso sexual em massa de meninos menores de idade, Aijaz Sheikh, um "curandeiro da fé" da aldeia de Mundji, de Sopore, estava evitando as audiências da corte por um ou outro motivo. Após uma espera de cinco meses, as vítimas deram um suspiro de alívio quando a audiência do caso ocorreu na quinta-feira. Um dos sobreviventes do abuso, Siraj (nome alterado), testemunhou contra ele.
https://freepresskashmir.com/2018/05/31/after-a-5-month-delay-victim-testifies-against-alleged-paedophile-faith-healer-of-sopore/amp/

Suécia impõe Sharia, ignora casamento forçado e dá guarda dos filhos a marido iraquiano.
Uma menina muçulmana sueca de 12 anos foi levada à força ao Iraque e forçada a se casar com o primo de 25 anos, que ao que consta, a estuprou. Depois ela voltou para a Suécia onde deu à luz a gêmeos. Sua família obrigou-a a voltar ao Iraque para morar com seu "marido". Na sequência a família do marido tirou os filhos dela, depois, finalmente, concordou que ela se divorciasse. Os filhos ainda estão no Iraque. O tribunal sueco, ignorando todas as evidências, deu a este homem, cidadão iraquiano, a custódia dos gêmeos que agora já têm 10 anos de idade. (GP)

Grã-Bretanha: ataques com ácidos contra mulheres aumenta assutadoramente, na "Londres multicultural" do prefeito muçulmano Khan
No mês passado, uma menina foi esborrachada no rosto por uma substância nociva enquanto andava de ônibus em Brixton, no sul de Londres. No mais novo ataque, um homem foi a vítima. (Daily Mail).

Alemanha: mais uma menina (14 anos) assassinada por um refugiado muçulmano
Susana Maria Feldman desapareceu no dia 22 de maio. Sua mãe recebeu uma mensagem em texto dizendo "mãe, estou indo a Paris, volto em 1 mês." Sua mãe reclamou para a polícia que só começou a agir duas semanas depois. Seu corpo foi encontrado escondido em uma moita, perto de uma residência para refugiados. Ela foi estuprada e depois enforcada. O assassino foi descoberto: Ali Bashar, que já havia sido acusado de ter estuprado uma refugiada de 13 anos, dentre outros crimes, mas mesmo assim não havia sido expulso da Alemanha. (Frontpage)


Alemanha: O corpo da política social-democrata Sophia Lösche encontrado na Espanha - caminhoneiro marroquino confessa estupro e assassinato de ativista do grupo "refugiados bem-vindos"
Sophia Lösche, 28 anos, ativista alemã de "refugiados bem-vindos", foi encontrada morta por volta das 15h20 no posto de gasolina Egino, na comunidade de Asparrena, em Álava, na Espanha. Ela havia embarcado em um caminhão com placa do Marrocos, em Schkeuditz, na Alemanha Oriental. Ela havia trabalhado com uma ONG na ilha grega de Lesbos, onde ajudou os chamados refugiados. Fontes consultadas pela mídia enfatizaram que o corpo apresentava "sintomas claros de violência". (searchlight-germany)

"Em Portugal há líderes islâmicos a recomendar a mutilação genital feminina"
Artigo trata do esforço para se erradicar a prática na Guiné-Bissau, mas, infelizmente, a prática está sendo promovida por líderes islâmicos em Portugal. (RTP)

Sem palavras ...

Atualizações em maio de 2018

Relembrando o conceito da ESCRAVIDÃO SEXUAL no Islão
Leia o artigo no blog.

Pedofilia islâmica: casamento de meninas com homens adultos
Você vai encontrar muçulmanos e apologistas dizendo que "não, não existe casamento de crianças no islamismo." Isso é balela. Existe sim. Veja esta promoção em uma página do Facebook do grupo "Sharia for America" (lei islâmica para os EUA).

Mas José, por que eles promovem isso? Resposta: isso vem da lógica tortuosa do islamismo. Maomé se casou com Aisha quando ela tinha 6 anos, consumindo o casamento quanto ela tinha 9 anos. E Maomé é o homem perfeito, o exemplo de conduta para toda a humanidade. De modo que proibir casamento com meninias pequenas seria dizer que o que Maomé fez estava errado, o que seria blasfêmia, pois suas ações foram todas aprovadas por Alá.



Sudão: Noura, forçada a casar aos 16 anos, matou o marido que a violava. Agora, ela foi condenada à pena de morte
Ela foi volentada com a ajuda de familiares, em um casamento arranjado que ela não queria (Expresso)

EUA: mesquita de NY barras mulheres de celebração importante
As muçulmanas foram impedidas de participar da celebração do início da construição de uma mesquita em Nova York, apesar do convite mencionar "Prezados irmãos e irmãs". Uma muçulmana reclamou e acabou sendo acusada de denegrir a comunidade e até prejudicar as chances da mesquita ser construída. Membros do sexo masculino de sua família foram insultados, sua mãe foi marginalizada por seus colegas de trabalho.  (BBC)

Egito: homem estuprou sua mãe, várias vezes, pois ela era uma "mulher sem honra"
O filho de 25 anos amarrou a mãe e a estuprou repetidamente. Foi visto e preso. Ele declarou que sua mãe mereceu a punição pois ela não obedecia o seu pai, desonrando-o. (stepfeed)

Paquistão: 2 adolescentes enamorados mortos pela honra suas famílias
Amjad, 18 anos, e Firdous, 16 anos, mortos em "crime de honra." Ele teve o crânio aberto com um machado, e ela foi sufocada até a morte. Na vila de Shahbazi Bullo (Pakistan Today).

Iraque: "noivas da jihad" estrangeiras serão executadas
O Iraque deve executar até 40 noivas estrangeiras do ISIS, depois do estrago causado por três anos de ocupação jihadista, apesar dos pedidos de clemência das mulheres e delas alegarem que são "vítimas" (Daily Mail). Elas são tão jihadistas quando os seus maridos.

Índia: dois devotos moslestam menina de 12 anos quando iam para a mesquita orar
Mohammad Nihal e Mohammad Rashid estavam indo a uma mesquita para oferecer namaz quando avistaram uma menina menor na área de Baghmugaliya. A vítima estava indo para a casa da avó sozinha. Os dois a atacaram despindo-a. Um rapaz de 14 anos tentou ajudar a menina mas acabou sendo surrado. O barulho chamou atenção e o dois fugiram para dentro da mesquita. Eles acabaram presos.

Atualizações em abril de 2018

Alemanha: paquistanês degola filha para punir a esposa
Segundo relatado por um tribunal alemão, o requerente de asilo paquistanês, Shohail A., de 34 anos, "praticamente decapitou sua filha de dois anos quando a matou com raiva para punir sua esposa."(dailymaill).

Alemanha: mais um crime bárbaro cometido por um refugiado muçulmano, ferindo gravemente uma adolescente. Família do refugiado pergunta o que a menina fez de errado para provocar o seu filho!
Família da menina diz "Queremos que todos vejam o que um selvagem muçulmano sírio pseudo-refugiado fez à nossa filha" (amigodeisrael).

Canadá: imã de Toronto diz que “alguns de nossos irmãos” usam taco de baseball, varas e cinto para bater em suas esposas
Esposas que desejam abandonar o islamismo e abraçar o cristianismo são alvo de agressões, para serem "educadas." (ACDemocracy).

Paquistão: menina cristã incendiada por recusar proposta de casamento de homem muçulmano
Rizwan Gujjar incendiou Asma usando gasolina depois que ela se recusou a renunciar a sua fé e se casar com ele (Pakistan Today). Ela não resistiu às queimaduras e faleceu dias depois (Christians in Pakistan)

Paquistão: Atriz revela que ela foi sexualmente assediada enquanto usava uma 
Adicionando sua contribuição ao movimento #MeToo no Paquistão, Armeena Khan no sábado compartilhou um incidente no Twitter, lembrando como ela foi assediada sexualmente no Mercado Anarkali de Lahore enquanto usava uma burca. Sua família viu isso disse que isso era uma coisa muito comum lá. (pakistantoday).

Suécia: mulher sueca se encontra com dois imigrantes muçulmanos à noite para provar que os "xenófobos estão errados." Resultado: ela foi brutalmente assediada e estuprada Uma mulher sueca de meia-idade foi estuprada e abusada por dois requerentes de asilo afegãos em suas acomodações de refúgio, relata a Fria Tider. A mulher, que era membro de um grupo do Facebook contra deportações de imigrantes, "queria provar que os xenófobos que reclamam dos crimes sexuais praticados pelos refugiados estão errados." Ela também queria provar que os afegãos não são perigosos. Um dos homens, chamado Anwar, estuprou-a vaginal e analmente, enquanto o outro se masturbava ao lado dela. Foi uma experiência muito dolorosa, ela disse. Um Tribunal Distrital multou os dois por estupro e abuso sexual. O promotor não pediu a explusão de nenhumm dois dois da Suécia. (voiceofeurope).


EUA: Partido Democrata derruba lei que criminalizava a Mutilação da Genitália Feminina (FGM)

A lei daria ao Estado do Maine amparo legal para combater a FGM. Mas ativistas de esquerda, bem como organizações como o Southern Poverty Law Center, se aliaram os deputados "progressistas" do Partido Democrata e derrubaram a lei. Todos estes grupos acusaram os promotores da lei de racistas e islamófobos. Todos os republicanos votaram a favor da criminalização da FGM, mas não tinham maioria (clarionproject).

Atualizações em março de 2018



Egito: dançarina de "dança do ventre" condenada a dois anos de prisão por "promover imoralidade"
Ela gravou um vídeo e colocou no YouTube. (Al Arabiya)

Grã-Bretanha: crimes de honra e estupro 
Quatro casos recentes:
  1. Bradford. Turkan Lowmani (33 anos ) esfaqueou sua esposa 21 vezes ao pegar sua esposa comversando com um outro homem sem sua permissão. Felizmente, ela sobreviveu e defendeu o marido no tribunal! (síndrome de Estocolmo). Ele foi condenado a 19 anos de prisão (Telegraph&Argus).
  2. Leeds. Imigrante ilegal afegão de 20 anos, Aryan Rashidi, foi condenado a 14 anos de prisão devido ao hábito noturno de invadir casas e tentar estuprar várias mulheres ameaçando-as com uma faca. A lista de vítimas inclui uma mulher grávida. Para reduzir sua pena, Rashidi alegou ter 15 anos de idade, mas não adiantou (Telegraph&Argus).
  3. Bradford. Zahid Younas, de 35 anos, foi preso por dois anos e três meses por espancar a sua esposa e roubar o celular de um homem. Younas já tinha oito condenações anteriores (Telegraph&Argus).
  4. Bradford. Imran Khaliq, de 38 anos, entorpeceu a sua vítima adolescente com drogas antes de estuprá-la. Ele foi condeando em duas instâncias. Como é normal no Reino Unido, quando se trata de estupros islâmicos, a polícia recusou um pedido do jornal local para emitir uma foto de Khan durante o julgamento (Telegraph&Argus).
Alemanha: dois crimes de honra islâmicos chocam o país: "Eu sinto prazer em vê-la morrer"; "Este assassinato é uma mensagem para todas as mulheres"
O "enriquecimento cultural" da Alemanha continua de "vento em proa." Leia o artigo todo no blog.

Alemanha: adolescente assassinada por requerente a asilo por se recusar a se converter ao islamismo
Ahmad G., um afegão de 18 anos, foi preso esta semana por esfaquear Mireille B., de 17 anos, que foi assassinada na noite de segunda-feira na cidade alemã de Flensburg. De acordo com um amigo da família da vítima, Ahmad G. estava irritado com ela por sua recusa em se converter ao Islã. (Bild)

Irã: governo prende 20 mulheres em manifestação contra a imposição do véu no Dia Internacional das Mulheres; condena outra a 2 anos por não usar o véu
Enquanto isso, o Aitaolá Ali Khamenei exaltava as virtudes das mulheres muçulmanas que se cobrem em contraste com as mulheres do do Ocidente, onde "o modelo feminino é a nudez" (cnsnews). Em outro caso mais antigo, uma mulher foi condenada a dois anos de prisão por "promover corrupção moral ao não vestir o véu islâmico (Daily Mail)

Uganda: clérigo muçulmano, casado com três esposas, condenado a prisão perpétua pelo estupro menina de 2 anos de idade
Musa Mulo era o Imã da Mesquita da Kibbubu. Para azar dele, o seu ato foi denunciado e a Uganda não segue a lei islâmica Sharia. Resultado, ele foi preso e agora condenado. Deve estar zangado por ter sido condenado por um tribunal infiél. (NTV)

Suécia: sírio é preso após estuprar cinco vítimas; 98% são "imigrantes"
Ele tem 30 anos e precisa de intéprete pois apenas fala árabe. Dois dos estupros ocorreram no mesmo dia. (Friatider). Estudo revela que 98% dos membros de gangues de estupradores têm "origem migratória" (Voice of Europe).

EUA: óleo quente jogado na garota muçulmana do Texas que recusou o casamento arranjado
Maarib Al Hishmawi, 16 anos, foi encontrada três meses depois de fugir de seus pais, que arranjaram um casamento para ela e supostamente a espancaram com um cabo de vassoura e derramaram óleo quente nela, segundo a Fox News. Os pais de Hishmawi - Abdulah Fahmi Al Hishmawi, 34 anos, e Hamdiyah Saha Al Hishmawi, 33 - supostamente organizaram um casamento para sua filha em troca de 20 mil dólares. O "noivo" também pode ser acusado no caso. (Clarion)

Atualizações em fevereiro de 2018

#NoHijabDay: mulheres ao redor do mundo queimam o véu islâmico (hijab)
Leia este artigo no blog.

Conselho Central Islâmico da Suíça defende a mutilação da genitália feminina (FGM)
Leia este artigo do blog.

França: 30% das mulheres que vivem nos subúrbios controlados por muçulmanos estão sob o risco de sofrerem mutilação genital (FGM)
Socióloga francesa e diretora do Grupo para a Abolição da Mutilação Sexual (GAMS), Isabelle Gillet-Faye, afirma que a prevalência da FGM nos subúrbios de Paris, frequentemente chamados de zonas proibidas (no-go zones), na Île-de-France, é algo de grande preocupação (Breitbart).

Irlanda: muçulmano defende "circuncizão feminina" e diz que criticá-la é racismo
Ali Selim, médico e porta-voz do Centro Cultural Islâmico da Irlanda em Clonskeagh, afirmou que a mutilação genital feminina (FGM) era parte do Islã por causa de um provérbio de seu profeta Maomé. Para ele, criticar a circuncisão feminina é racismo e preconceito, já que a maioria dos casos acontece com negros. O médico fez jogo de palavras ao dizer que a "circuncizão feminina" é diferente da "muitilação da genitália feminina." (mas como se em ambas o clítoris é removido?) (RTE)

Indonésia: mutilação genital feminina (FGM) feita em massa; líderes muçulmanos defendem a prática
Na Indonésia, o país mais populoso da maioria muçulmana do mundo, as meninas têm seus clítoris mutilados em massa em grandes cerimônias anuais (Guardian), e o Conselho Indonésio de Ulema - a maior autoridade clerical islâmica do país - opôs-se fortemente contra os esforços mundiais para proibi-los (Jakarta Post).
[notícias de 2012 e 2013, mas o problema persiste]

Somália: fatwa do governo da Somalilândia torna FGM obrigatória para todas as mulheres
Fatwa é um decreto islâmico. A Somalilândia é uma região autônoma dentro da Somália, um país onde 98% das mulheres e meninas sofrem FGM (Clarion)

Irã: pesquisa comprova que cresce oposição contra a obrigação do véu islâmico
Um estudo realizado pelo Centro de Estudos Estratégicos, um braço do escritório do presidente, entrevistou os iranianos quatro vezes entre 2006 e 2014. De acordo com o estudo, em 2006, 34% dos iranianos indicaram que desaprovavam o governo ditar o que as mulheres deviam usar. Até 2014, esse número aumentou para 49%. Da mesma forma, em 2006, 54% concordaram que as mulheres deveriam usar um chador, mas em 2014, apenas 35% pensavam assim. Não se sabe o motivo que levou o presidente do Irã divulgar este estudo (Clarion).

Irã: "Policia da Moralidade" prende mulher pelo uso indevido do véu islâmico (mostrava um pouquinho do cabelo)
Vídeo mostrando agentes da polícia da moralidade iranianas humilhando e assediando uma jovem mulher apenas eplo fato dela não estar usando usando o véu islâmico do modo islâmicamente adequado. Vídeo original de My Stealth Freedom.


Arábia Saudita: muçulmano casa com quatro esposas no mesmo dia
Ele se casou com quatro marroquinas (Tribune).

Alemanha: Feminista pró-refugiados admite que estava errada sobre imigração e vê Polônia e Hungria como “ilhas de estabilidade”
Após anos de atividades e militância a favor de refugiados, uma ativista feminista alemã, Rebecca Sommer, admite que sua visão sobre imigração e tudo aquilo pelo qual tinha lutado estava errado. Ela também disse à revista polonesa Do Rzeczy que ela conhece pessoalmente alemães que se preparam para migrar para a Polônia. (Panoramalivreamigodeisrael)

Suécia: adolescente usa porrete para espancar irmã que se recusava a usar o véu islâmico
Em defesa da honra (Breitbart24blekinge)

Austrália: ex-muçulmana teve que correr de casa para evitar sua mãe que a forçava a usar o hijab
Em uma conferência em Melborne, ela relatou como a sua mãe a obrigava a usar o véu islâmico e a ofendia quando ela se recusava, chamando-o de prostituta. Ela mantém o anonimato para evitar represálias dos adeptos da "religião da paz" (Daily Mail)

Marrocos: lei sobre violência contra a mulher não proíbe marido de bater na esposa
A legislação engloba como violência aos atos de agressão e abuso através de mensagens de texto, mensagens vocais ou fotos, exploração sexual, agressão e abuso no local de trabalho e amplia a punição em situações como gravidez ou no caso de violência ser perpetrada por pessoas que são conhecido pela vítima, como colegas. No entanto, a legislação não contempla o abuso conjugal, uma questão controversa na sociedade civil. (ansamed)

Holanda: mulheres do governo se submetem e usam o véu islâmico durante visita ao Irã
Meses atrás, as mulheres do "governo feminista" da Suécia foram ao Irã e desfilaram usando o véu islâmico. Agora, foi a vez das "feministas" do governo holandês. O interessante é que a ministra Sigrig Kaag havia declarado a uma revista feminina SheDecides que era preciso criar condições para que as mulheres e meninas tivessem oportunidade de decidir sobre o seu corpo." (https://www.facebook.com/StealthyFreedom/posts/2103749626305787)


Afeganistão: jornalista ameaçada por deputado ao perguntar sobre estupro
A proeminente jornalista Isobel Yeung foi ameaçada de ter o nariz cortado por um deputado afegão depois de discordarem sobre "estupro" durante uma entrevista. Ela simplesmente queria saber se ele acreditava que a mulher deveria ser punida por estupro ou pelo homem.

Alemanha: movimento #120db tenta fazer as mulheres alemães reagirem aos ataques sexuais e assassinatos de mulheres por refugiados muçulmanos
Mais detalhes na website http://www.120db.info/en/.
[Video English subtitles: https://youtu.be/RJxU8iiyOS0]

Legendas em português (OK)

Nigéria: Boko Haram sequestra 111 alunas de escola feminina (para escravidão sexual)
Forças militares resgataram 76 delas e recuperaram o corpo de outras duas. As restantes estão desparecidas. Em 2014, o Boko Haram sequestrou 270 meninas de uma escola. Elas servem sexualmente aos jihadistas do grupo terrorista islâmico. (Guardian)

Atualizações em janeiro de 2018

Itália: Imigrante somali entra em sala de partos em Roma e tenta violar uma mulher em trabalho de parto
Escândalo no Hospital Sant'Eugénio, onde um somali, de 38 anosdepois de iludir todos os controles, entrou na sala de partos e tentou estuprar uma mulher de 43 anos em pleno trabalho de parto. O homem foi preso por polícias em flagrante, em 31 de Dezembro passado e enfrenta acusações de violência sexual. O agressor introduziu as mãos na vagina da parturiente e começou a masturbar-se, desencadeando a reacção da mulher, que começou a gritar pelas enfermeiras e pelo médico, que imediatamente alertou a polícia. A defesa do somali alegará problemas psiquiátricos. O julgamento está agendado para o dia 10 de Janeiro. (Libero QuotidianoAmigo de Israel)

Argélia: afetadas por câncer são abandonadas pelo marido após mastectomia
"Depois da operação, seu marido a chamava de “nass mraa” (meia mulher) e “lamgataa” (a mutilada)." Centenas de argelinas são abandonadas por seus maridos por causa de um câncer de mama. (IstoÉ)

Irã: mulheres se manifestam contra a Sharia; feministas e mídia de Esquerda caladas ou contra elas
Leia mais sobre as manifestações no Irã neste artigo do blog.


Alemanha: "não me sinto mais segura", diz jornalista
A modelo e a jornalista Anabel Schunke explica, em entrevista, como as liberdades que as mulheres, e os alemães em geral, estão se deteriorando na Alemanha com o aumento drámatico de muçulmanos salafistas e wahabistas (Renova Mídia).

Egito, Marrocos, Líbano e Palestina: maioria dos homens acreditam que as mulheres gostam de ser assediadas sexualmente; mulheres e homems são favoráveis a mutilação da genitália feminina, estudo 
Consistente com a lei islâmica! Leia no artigo.

Atualizações em dezembro de 2017

Jordânia: exemplo do valor da mulher no mundo islâmico


Alemanha: muçulmano tenta afogar namorada alemã em um rio gelado, mas ele é quem acaba afogado
O "refugiado" afegão (19 anos) tentou afogar sua namorada (17 anos) durante uma "disputa de relacionamento." Ela escapou e ele teve que ser reanimado pela polícia, sendo levado para um hopsital em estado grave. O crime ocorreu no Rio Havel, em Spandau, na grande Berlin (10News).

Finlândia: menina estuprada e queimada viva por "namorado afegão" quando tentava desmanchar o namoro
A garota tem 17 anos. O caso aconteceu em Pori. O rapaz, Ramin Azimi, foi preso e condenado a prisão perpétua (10News).

Campeã de xadrez não vai ao Mundial por se negar a se submeter às regras impostas pelo anfitrião, Arábia Saudita
"Uma questão de princípio." Foi assim que Anna Muzychuk se recusa sujeitar-se às regras impostas às competidores do Campeonato Mundial Feminino pelo país organizador, a Arábia Saudita. Ela criticou as leis que obrigam as mulheres a se cobrirem e não poderem andar desacompanhadas em público. Anna Muzychuk é campeã mundial em duas modalidades, rápido e blitz. Ela prefere perder seus títulos. Segundo ela "o triste é que ninguém realmente se importa com o que acontece." Para sediar o evento, a Arábia Saudita pagou 1.5 milhões de dólares para a Federação Internacional de Xadrez (Daily Mail).

Suécia: adolescente estuprada, depois, estupradores "refugiados" jogaram gasolina na sua vagina e tacaram fogo
Polícia alerta mulheres para não andarem desacompanhadas pelas ruas de Malmö (Speisa). Segundo a lei islâmica, Sharia, as mulheres precisam da companhia de um guardião.

Líbano: motorista do Uber estuprou e matou diplomata britânica por usar mini-saia ("carne exposta")
Rebecca Dykes saiu de um bar tarde da noite, e pegou um taxi Uber dirigido por Tarek Hawchieh. Ele viu as pernas da mulher e achou que era "carne exposta." Dentro da mentalidade torta que maometanos são inculcados, isso significa que a mulher quer ser estuprada. "Rebecca foi estuprada pelo menos uma vez — a hipótese mais provável é que, depois do abuso sexual, ela tenha tentado fugir, foi perseguida, arrastada de novo para o carro e então estrangulada. O corpo foi achado com uma corda amarrada ao redor da garganta e as roupas rasgadas." (O Globo)

Atualizações em novembro de 2017

Imã de Berlin: as mulheres devem ficar confinadas ao lar e nunca dizer não ao sexo com o marido
Durante um sermão de sexta-feira em Berlim, Sheik Abdel Moez Al-Eila disse que as mulheres deveriam ficar confinadas em casa e não deveriam trabalhar sem a permissão do marido. Durante o sermão, entregue na Mesquita Al-Nur em 23 de janeiro de 2015, Al-Eila disse que uma mulher não pode se negar a fazer sexo com o marido, mesmo durante o período menstrual.


Egito: advogado muçulmano diz em rede de TV ser um "dever nacional" estuprar mulheres vestidas com "roupas reveladores"
Nabih al-Wahsh disse isso durante um debate na TV. Para ele, "roupas reveladoras" são vestidos curtos ou que mostrem os ombros ou as costas e calças compridas rasgadas. Esse advogado não é estranho à controvérsia. No ano passado, ele atirou seu sapato em clérigo australiano durante programa na TV egípcia, ao vivo, porque o clérigo disse que as mulheres não deveriam usar o hijab e que beber álcool er OK.  (PJMedia)



Se o paraíso islâmico tem 72 virgens, que interesse despertaria em uma mulher-bomba?
A mulher muçulmana fica apenas com um único homem, pois a mulher "por sua natureza, só consegue amar um homem." Este homem único seria o marido que ela teve em vida. Porém, ela nunca iria menstruar (Veja).

Turquia: Estado Islâmico mantém mercado de escravas sexuais, até mesmo na capital Ancara
A denúncia foi feita pelo ativista iázide Ali el-Hansouri. Segundo ele, também existem mercados de escravos em Gizantep e Urfa. (Clarion)

Iraque: parlamento caminha para aprovar lei que permite casamento de meninas a partir dos 9 anos de idade
Esta é a mais horrenda herança deixada por Maomé, o "exemplo de conduta", que consumiu Aisha quando ela tinha 9 anos. Maomé tinha 57. (rudawKurdistan24albawaba)

Suécia: ninguém ajudou mulher violada por 20 imigrantes muçulmanos - os vizinhos "aprenderam a não ver nem a ouvir demais"
A decadência da Suécia e a erosão da liberdade que a mulher sueca havia se acostumado, devido ao aumento dos seguidores da lei islâmica. Leia o artigo todo neste link.

Afeganistão: Meninas afegãs são vendidas como esposas por menos de R$ 10 em Cabul
O Talebã foi derrotado militarmente, mas a ideologia islâmica que ele defendia continua firme e forte.
(GospelEl Mundo)

Atualizações em outubro de 2017

 Grã-Bretanha: esposas da rede de estupradores islâmicos culpam as vítimas: "Sujas. Como se vestem. Elas não têm vergonha. Não temem Alá." 
Repórter muçulmana relata entrevista com esposas de alguns dos estupradores de Rotherham, que aliciavam e drogavam adolescentes britânicas brancas para sexo grupal. Elas culpam as vítimas! Uma delas disse: "isso não aconteceria com as nossas filhas pois não as deixamos nas ruas." Outra chamou as meninas britânicas de "sujas" devido ao modo que elas se vestem. Outra admitiu que estupro é algo comum dentro da comunidade islâmica, dizendo: "Você sabe que nossas meninas são estupradas por tios, pais, irmãos e imãs. A filha do meu vizinho teve um bebê quando tinha 12 anos. Era do seu tio. Eles a culparam e a mandaram para o Paquistão. Nós não vemos a verdade."
Fica evidente nas entrevistas que as mulheres muçulmanas parecem não entender o conceito de sexo consensual. Em seu mundo, o desejo sexual é um desejo masculino que deve ser satisfeito. Os homens abusaram das garotas brancas do mesmo modo que abusam das suas esposas. (Daily Mail)

Austrália: líder islâmico diz que homens devem ter segunda esposa como um favor para as mulheres
Keysar Trad chega a afirmar que ter mais do que um esposa é uma obrigação social do homem para evitar que elas fiquem solteironas. E, claro, ele nega a possibilidade da mulher ter dois maridos, dizendo que o islão não permite isso (Daily Mail).

Enxadrista iraniana banida de participar de campeonato internacional por se recusar a usar o véu hijab se junta à delegação dos EUA 
Dorsa Derakhshani, campeã iraniana, fez isso em um torneio em Gilbratar. (Telegraph)

Índia: Corte Suprema decide que homem que tem relações sexuais com esposa-criança é estuprador
Apesar da idade para casamento ser 18 anos, existe um enorme número de meninas que são forçadas a casamento ainda quando crianças. A lei era omissa nestes casos. Agora, isso mudou. (Daily Mail) Existe uma minoria islâmica considerada em torno de 100 milhões de muçulmanos vivendo na Índia. Quem precisa muitíssimo de uma leia como essa é o Paquistão, mas, sendo de maioria muçulmana, algo semelhante nunca irá acontecer por lá.

EUA: muçulmano deixa namorada queimando no carro
Saeed Ahmad dirigia um carro e com ele estava a sua namorada, uma "infiel". De repente, na auto-estrada, sofreram um acidente e o carro começou a pegar fogo. O que fez o muçulmano, salvou a namorada? NÃO !!! Deixou-a queimando dentro do carro, saiu andando, pegou um táxi e foi a um hospital cuidar de seus ferimentos (Daily Mail).
Comportamento esperado pois pior do que ser uma mulher, ainda era uma "infiel"? Teria Ahmed  sentido mais pena do carro queimando do que da "infiel" agonizando nas chamas?

Canadá: juiz adota Sharia e solta muçulmano que estuprava a esposa
Segundo a Sharia, a esposa tem a obrigação de satisfazer o marido sempre que ele quiser, mesmo contra a sua vontade. Após se separarem, ela soube que no Canadá é diferente e denunciou o ex-marido para a polícia. Mas o juiz acreditou no homem, que disse que não sabia que estuprar a esposa era crime, e o soltou (Ottawa Citizen).

Canadá: pai preso por atacar sua filha por ela não usar o hijab
Ele mora em Gatineau, Quebec, e descobriu que ela não usava o hijab quando estava longe dele. Ele a estava atormentando e ameaçando, inclusive com arma, por um ano. A filha tomou coragem e denunciou o pai à polícia (MontrealCTV).

Suécia: estudo mostra que 95% dos estupradores são muçulmanos "requerentes de asilo" 
Estudo foi conduzido entre 2012 e 2017. (fonte)

Turquia: pai comete "suicídio pela honra" 
Eis algo inusitado, mas que segue a mesma idéia de que a mulher é propriedade de um guardião. O pai de uma mulher turca, que se casou sem pedir autorização para ele, deu um tiro na cabeça em transmissão ao vivo pelo Facebook. Ele disse que a sua família o desonrou (Clarion).

Síria: Raqa liberada, mulheres retiram o véu que cobria o rosto, o niqab 

https://youtu.be/DG6y3fpBbZ8

Atualizações em setembro de 2017

Organização Internacional do Trabalho: pelo menos 13 milhões de mulheres forçadas a se casarem contra a sua vontade 
Dentro deste número, 44% foram forçadas a se casarem antes de completar 15 anos. Casamento forçado leva muitas das vítimas a perderem  da liberdade sexual bem como a se sujeitarem a trabalho forçado (ILORelatório da ILOResumo ExtendidoReuters

Irã: aiatolás furiosos com programa feminino transmitido de Londres
As apresentadoras são mulheres iranianas que se vestem fora dos padrões islâmicos e os temas envolvem assuntos dos mais diversos, desde política a crítica a fatwas ridículas passando por moda. Uma das apresentadoras é filha de um aiatolá (Marie Claire)

Tunísia: presidente deseja dar direitos às mulheres, mas muçulmanos dizem que isso é anti-islâmico

O presidente de 90 anos Beji Caid Essebsi deseja dar às mulheres os mesmos direitos de herança que os homens, permitir que muçulmanas casem com homens de outras religiões ou ateus. Ele criou uma comissão presidida por uma advogada. Mas os clérigos islâmicos de toda a parte estão reclamando, inclusive da universidade Al Azhar (que é o principal centro islâmico do mundo sunita), pois as propostas contradizem o Alcorão e a lei islâmica Sharia  (Breitbart).  

Paquistão: namorados adolescentes são eletrocutados em um "crime de honra"
O casal de namorados foi morto por membros da família que seguiram a orientação de uma corte islâmica em Karachi (Arabnews).

Paquistão: mulher submetida a estupro grupal para pagar o casamento temporário do irmão
O irmão havia se casado temporáriamente com a filha do senhorio sem ter pago a conta.(Nation)

Paquistão: duas irmãs mortas pelo pai em "crime de honra"
Peshawar. Elas tinham 20 e 10 anos de idade, respectivamente. O pai estava envergonhado pois as duas saiam de casa a qualquer hora (NDTV)

Índia: Patrulhas da Dawa caçam adolescentes indianas, que são convertidas e exploradas
Isso acontece em Kerala, um dos locais de concentração muçulmana na Índia, segundo um relatório da Agência de Segurança Nacional da Índia. Patrulhas de Dawa (dawa significa converter os outros ao islão) assediam meninas hindus de cabeça mais fraca. A mentora do grupo é uma muçulmana membro do grupo radical Frente Popular da Índia (Times Now)

Índia: xeiques árabes presos por tráfico de meninas
Cinco deles são do Omã e outros três são do Catar. Eles estavam tentando se casar com meninas e traficá-las para o Oriente Médio (step feed).

Austrália: devoto mata sua esposa, mutila seu corpo e tira seus olhos fora 
Este devoto, dizia aos seus parentes que queria se juntar ao Estado Islâmico. Ele tornou a vida da sua esposa, mãe de 3 filhos, em um inferno, forçando-a a usar a burca até mesmo no quintal da casa. A polícia encontrou outras marcas no corpo da mulher, sinal que ele batia nela sistematicamente (Herald Sun via Pamela Geller)

Afeganistão: menina de 10 anos estuprada por 7 homens, e depois degolada
Isso ocorreu na província de Helmland (RawaNews)

Áustria: refugiado afegão mata sua irmã de 14 anos de idade em "defesa da honra"
O crime ocorreu em Viena e a polícia trata o caso como "crime de honra." (Breitbart)

Itália: Turista alemã de 57 anos é estuprada e amarrada em poste em Roma
Ela foi estuprada por um "estrangeiro." O líder do partido de extrema-direita Liga Norte, Matteo Salvini, criticou a situação da Itália e afirmou que o país sofre uma "epidemia" de estupros." (Band)

Finlândia: livro ensina refugiados a como se casarem com mulheres finlandesas
Eles não escondem as suas intenções. A capa parece mais com "como estuprar uma finlandesa no dia do seu casamento."





Atualizações em agosto de 2017

Canadá: polícia de fronteira alerta que praticantes de mutilação da genitália feminina (FGM) estão entrando no Canadá
Autoridades de imigração e fronteiras sabem que meninas muçulmanos tem sido levadas do Canadá para países islâmicos para terem seus clítores removidos. Agora, um relatório alerta que praticantes de medicida indocumentada especializados em FGM estão atuando no Canadá. Eles fazem os serviços nas casas dos seus clientes muçulmanos. (GlobalNews)

Arabia saudita: companhia aérea diz que mulher pode ser expulsa de avião se mostrar braços ou pernas
O código de vestimenta da Saudi Arabian Airlines foi colocado no seu site, mas retirado após uma chuva de comentários negativos oriundos de leitores de diversas partes do mundo. Mulheres podem ser expulsas se exporem pernas ou braços;ou usarem roupas transparentes; ou roupas colantes. Homens caso usem bermudas. (dailymail)

Grã-Bretanha: Saiel Bashar, estudante afegão de 23 anos, queria desvirginar infiél de 13 anos
Ele chorou e rezou por misericórdia para não ser denunciado, ao ser pego indo de encontro a uma menina de 13 anos, para abusá-la na cama da sua mãe enquanto ela estivesse fora trabalhando. O muçulmanos foi pego por um grupo que caça pedófilos, que mostraram para ele mais de 300 páginas da transcrição do seu contato via Internet com uma menina fictícia de 13 anos, enviando todo o tipo de material pornográfico e prometer um celular para que ele tirasse a virgindade dela.
Existem pedófilos em todo o mundo. Mas existe apenas uma religião que tem um pedófilo como exemplo de conduta (dailymail).

Grã-Bretanha: líder islamico receia preconceito anti-islâmico apos condenação da rede de estupradores paquistaneses
O problema é que o islamismo permite o estupro e escravidão sexual de mulheres não-muçulmanas. Seria bom que estes líderes reconhecessem isso, o que facilitaria que isso fosse combatido. Ao invés disso, eles dizem que eles não precisam condenar nada pois "a comunidade branca não condenou os crimes de Jimmy Saville."  (Jimmy Saville era um apresentador da BBC e foi acusado de diversos crimes sexuais - ele morreu durante os processos contra ele). (jihadwatch)

Grã-Bretanha: 6 mil crianças reclaman de aliciamento por gangues de "estupradores paquistaneses" em Birmingham
Isso tudo apenas no no bairro de Sandwell. Isso segue o Alcorão que diz que os muçulmanos podem fazer das mulheres infiéis suas escravas sexuais. (Breitbart)

Grã Bretanha: atriz pronô muçulmana recebe ameaças de morte de todos os tipos
Muçulmanos a ameaçam com fotos de execuções. Em alguns dos seus vídeos, ela usa o véu islâmico (hijab) durante a "performance." (Daily Mail)

Irã: mulheres com pelos ou espinhas no rosto proibidas de darem aula
Também estão banidos professores que tiverem menos de 20 dentes. (Daily Mail)



Atualizações em julho de 2017

Grã-Bretanha: 3 ataques com ácido por semana são relatados em Londres
Dados da polícia metropolitana indicam um aumento de 83% este ano. (RT)

Grã-Bretanha: migrante sírio que traficou e agrediu sexualmente duas garotas, 13 e 14, enquanto sob fiança por estuprar um jovem de 17 anos, é condenado a 12 anos de prisão
Zohair Tomari, 20 anos, convidou uma vítima de 17 anos e sua amiga para o apartamento. Ele então embebedou a menina mais velha antes de violá-la. Mas ele recebeu a fiança e, em liberdade, passou a traficar duas adolescentes mais jovens.  Elas foram seduzidas em um carro e tomaram bebidas e cigarros antes de serem conduzidas para um apartamento em Foleshill, Coventry, onde ele as atacou sexualmente (Daily Mail).

Dinamarca: adolescente sendo processada por usar spray de pimenta para evitar estupro
Uma garota de 17 anos se salvou de estupro usando spray de pimenta. O agressor era um homem descrito como "de pele escura" no centro de Sønderborg. Mas usar spray de pimenta é ilegal e ela responde a processo. O uso de spray de pimenta se tornou comum entre as mulheres pois a polícia é incapaz de protegê-las da onda de ataques sexuais de requerentes de asilo e refugiados. (tribunist)

Alemanha: mulher abre "mesquita liberal" em Berlin. Agora, ameaçada de morte, precisa de proteção policial
Seyran Ates, uma feminista liberal - uma advogada descendente de turcos que migraram para a Alemanha - abriu uma mesquita "liberal" onde mulheres, homossexuais, xiitas e curdos poderiam rezar no mesmo local que homens sunitas turcos pró-Erdogan. Ela (uma mulher) seria a líder religiosa. Mas não demorou nem 1 mês após a abertura da "Mesquita Liberal" para que ela começasse a receber ameaças de morte, além de fatwas oriundas do "mundo muçulmano." Esse episódio ilustra bem toda a "tolerância" da ideologia islâmica. Onde isso ocorre? Em algum país islâmico que segue a Lei Sharia? NÃO, em Berlim, na Alemanha "multiculturalista" e "politicamente correta" de Merkel. (Breitbart)

Arábia Saudita: mulher se filma de mini-saia na rua; muçulmanos a querem morta
O escritor Ibrahim al-Munayif se aliou aos usuários que viram a audácia como uma infração e destacou que permitir a quebra das leis levaria o país ao caos.  (O Globo)

Austrália: poligamia e pedofilia (casamento de meninas) cada vez mais comuns
Um clérigo xiíta denuncia esta prática. A imprensa australiana comprova as ocorrências. O governo ignora o problema. E os demais clérigos e líderes muçulmanos aproveitam e avançam a lei islâmica (Sharia).


Canadá: dois ex-bispos Mórmons culpados de poligamia por tribunal canadense
A Suprema Corte da província da Columbia Britânica condenou dois ex-bispos mórmons de poligamaia. Um deles, de 60 anos, era casado com 25 mulheres, enquanto que o outro, de 53, tinha 5 esposas. O caso estabelece um precendente importante. Existia incerteza sobre se a seção do Código Penal que proíbe a poligamia violava os seus direitos religiosos até 2011, quando a Suprema Corte decidiu que a lei era constitucional e que a poligamia é um crime. O caso de desenrola até hoje. O caso para esta referência constitucional se baseia em que os danos da poligamia superam todas as reivindicações de liberdade de religião e incluem abuso físico e sexual, noivas infantis, subjugação de mulheres e expulsão de jovens, os chamados meninos perdidos, que não têm mulheres sobrando para se eles se casarem. Será que esta decisão vai ser aplicada sobre os muçulmanos no Canadá? (ctvnews)

Ex-modelo conta sua experiência como uma das 11 esposas de um saudita
Este artigo exemplifica bem o conceito islâmico do CASAMENTO TEMPORÁRIO, nada mais do que prostituição sagrada islâmica, praticada tanto por xiítas quanto por sunitas. (BBC)

Atualizações em junho de 2017

Alemanha: Onda de Assassinatos em Nome da Honra
Artigo do Gatestone Institute relata diversos incidentes. Ótima referência!
Segundo o Instituto Max Planck, 14 assassinatos "em nome da honra" ocorreram entre 1998 e 2004. Contudo, em 2016, o número saltou para mais de 60.

Suécia: instrutor de condução muçulmano diz: "Se não fosse o Ramadã, eu teria "fodido você toda"
Um instrutor de direção de 60 anos de origem árabe é acusado de agressão sexual em várias de suas estudantes. De acordo com a acusação, ele agarrava as mulheres nas coxas e seios. Ele também pegou a mão de uma aluna e colocou-a em suas próprias calças, dizendo em seguida "Por que você não coloca na sua boca?" Ele usou a mão da mulher para se masturbar e, em seguida, empurrou a parte superior do corpo contra sua virilha e forçou-a a fazer sexo oral com ele. (10News)

Suécia: autoridades admitem que 150.000 mulheres sofrem Mutilação Genital Feminina (MGF)
O relatório foi parcialmente escrito pela SVT, a mídia estatal sueca.  Um relatório de 2015 concluiu que "apenas" 38 mil mulheres sofreram mutilação genital. Este aumento acentuado provavelmente resulta da decisão dos políticos suecos de cumprir a Convenção da ONU sobre Refugiados e os regulamentos da UE sobre as quotas de refugiados. (10news)

Canadá: marido (Mohammad Rafia) não sabia que bater na esposa era ilegal
O refugiado sírio de 54 anos, que mora na cidade de Fredericton, capital da província de New Brunswick a 6 meses, alegou que desconhecia a lei canadense que criminaliza violência doméstica. Ele ameaçou matá-la se ele o deixasse, puxou o seu cabelo e a esbofeteou no rosto. Depois, ele a espancou com um bastão de hoquéi por meia hora. No seu depoimento, a esposa disse que "apanhar do marido é algo aceitável culturalmente no país de onde eles vieram", a Síria. (Telegraph)

Canadá: casamentos forçados são mais comuns do que se imaginava
Samra Zafar foi forçada a se mudar dos Emirados Árabes Unidos, onde morava com sua família, para o Canadá, para se casar. Ela tinha 16 anos. Após 10 anos de abuso, e duas filhas, ela conseguiu se livrar do marido, e agora denuncia casamentos de crianças e casamento forçados, que são comuns na comunidade muçulmana canadense. (CTV)

EUA: médicos muçulmanos fizeram mais de 100 mutilações da genitália feminina
O julgamento dos médicos muçulmanos continua. O advogado de acusação apresentou evidências que os médicos cortaram o clítoris de mais de 100 meninas (muçulmanas). Os acusados são o Dr. Jamana Nagarwala, o dono da clínica onde as mutilações ocorreram, Dr. Fakhruddin Attar, e sua esposa, Farida Attar, que ajudava segurando os braços das meninas durante o procedimento (Detroit Free Press).
A defesa alega que o julgamento fere o direito dos médicos de praticarem a religião islâmica. Se a justiça americana não os condenar, ela estará definindo um precedente terrível, na prática, legalizando a remoção ritual do clítoris de meninas.

"Uma mulher pode ir para o céu desde que ela esteja acompanhada por um parente do sexo masculino"
Quem disse isso foi o clérigo Imã Ela Ikh Salah Al-Budair. Pela primeira vez na história do país, um líder religioso importante declarou que é possível para as mulheres serem admitidas no céu, desde que elas estejam acompanhadas por "parentes Mahram" (parentes do sexo masculino). Um grupo de estudiosos conservadores e líderes religiosos de toda a Arábia Saudita, supervisionada pelo Ministério de Assuntos Islâmicos do país, assinaram uma declaração que condena o sermão do Imam como uma blasfêmia, e reafirmando que "só os homens são dignos de ir para o Céu". (worldnewsdailyreport)

Arábia Saudita: mulher é transformada em bola em anúncio de piscina portátil
A Arábia Saudita censurou a mulher do anúncio original, transformando-a em uma bola.

Paquistão: homem mata filha em "crime de honra"
A menina de 24 anos estava na companhia de um outro homem. Nem o pai, nem o tio, gostaram. Ela foi baleada e morreu. (Dawn

Turquia diz que mesquita alemã onde homens e mulheres rezam lado a lado é "incompatível" com o Islã
De acordo com a agência de assuntos religiosos da Turquia, a mesquita "negligencia" os princípios básicos do Islã, sendo "incompatível com o culto, conhecimento e metodologia", acumulada desde que a fé foi fundada pelo profeta Maomé há 14 séculos. (France24)

Atualizações em maio de 2017

Escritora brasileira relata em livro sua experiência como esposa de um muçulmano
Helen Dantas lançou o seu livro Dois Mundos: Uma só Mulher, no qual ela relata as suas experiências como esposa de um muçulmano, um refugiado afegão. Este livro serve de alerta sobre os problemas inerentes a este tipo de relacionamento. 

Artigo destrói a argumentação de muçulmanos e apologistas que dizem que o islamismo é feminista, que ele defende as mulheres, e que representou um avanço para as mulheres.

Feliz Dia das Mães
E neste Dia das Mães, lembramos das mães terroristas muçulmanas, sempre dispostas a transmitir seus valores aos filhos.


Repórter italiana atacada por "refugiados" 
O vídeo não confirma que refugiados a atacaram, mas dá para imaginar que são.

https://youtu.be/IkrPZ1uFK2Q OK

França: mulheres sendo caçadas no bairro de Chapelle-Pajol, Paris 
As mulheres desta parte do Leste de Paris queixam-se de que não podem se mover sem serem submetidas a comentários e insultos dos homens, mas não de qualquer tipo de homem. Cafés, bares e restaurantes são proibidos, assim como as calçadas, a estação de metrô e as praças. Por mais de um ano, o distrito de Chapelle-Pajol (10º e 18º distritos administrativos) mudou completamente de aspecto: grupos de dezenas de homens solitários, vendedores de rua, estrangeiros, migrantes e contrabandistas mantêm as ruas, assediando mulheres. (Le ParisienDaily Mail)

Paquistão: o feminismo na sociedade islâmica
Jamaat-e-Islami é o braço da Irmandade Muçulmana no Paquistão. Segundo os nossos parceiros jornalistas paquistaneses, tais grupos "feministas" são usados para lavar o dinheiro vindo de entidades internacionais que financiam o terrorismo islâmico e NUNCA defendem mulher alguma.
Paquistão: muçulmano assassina sua irmã de 18 anos com machado
O homem achou que sua irmã deseonrou a família ao se casar sem permissão (ecoandoavozdosmartires).

Anúncio de Shampoo na Malásia
Um pais onde 61% da população é adepta do islamismo. Ridículo! 


Grã-Bretanha: Conselhos da Sharia e Abuso Sexual
A erosão dos direitos das mulheres ocorrendo sob a desculpa esfarrapada do "multiculturalismo" (Gatestone). 

Grã-Bretanha: uma em cada cinco mortes infantis num bairro de Londres deve-se à consaguinidade dos pais
Este é um problema que acompanha o casamento cosanguíneo que é hiper-super-comum no mundo islâmico ... e que se espalha pela Europa, junto com o casamento forçado entre primos. (sapo)

Grã-Bretanha: muçulmana desafia outras mulheres a usarem o hijab por 15 minutos
Hipócrita! Por que ela não faz um experimento para saber como as mulheres que não usarm o hijab se sentem ao não usá-lo na Arábia Saudita e no Irã? (Delas)

Assim eram as 100 concubinas do harém do Xá da Pérsia no Século XIX
Fotos mostram como eram as "gatinhas" do harém do Xá (mdig).


Atualizações em abril de 2017

Suécia: clérigo muçulmano afirma que violar crianças faz parte da cultura islâmica
Documentário da emissora dinamarquesa TV2 mostra o pregador Abu Bilal Ismail, filmado secretamente, dizendo ainda que (Amigo de Israel):
"Se uma mulher casada ou divorciada se envolver em fornicação, e se ela não for virgem, deve ser apedrejada até à morte".
"Se alguém violar o seu casamento, homem ou mulher, eles cometem adultério, e é, portanto, halal [aceitável sob a lei muçulmana] matá-los por lapidação".
"Se alguém mata um muçulmano, então deve ser morto", diz ele, antes de acrescentar que qualquer um que deixa o Islão (Apostasia) também deve ser assassinado.
Arábia Saudita: estudantes vestindo niqab controladas como gado
Um vídeo feito na porta de uma escola feminina em Riyadh, mostra um guarda controlando as estudantes, certificando-se que elas estão islâmicamente cobertas e que elas estão enjauladas até que os seus respectivos guardiões cheguem para buscá-las. (Daily Mail)
  

EUA: médica muçulmana presa pela prática da mutilação genital feminina
Jumana Nagarwala, de 44 anos, foi presa e acusada de levar a cabo a mutilação genital feminina em meninas de seis a oito anos. por 12 anos em uma clínica médica em Livonia, Michigan. Se condenada, ela enfrenta uma sentença de prisão perpétua por trás das grades. (BBC)

Como é um Mercado de Escravos (islâmico, é claro)
Ativistas curdos mostram isso em forma de teatro nas ruas de Londres.


Escola islâmica australiana proíbe meninas de correr para não perderem virgindade
As autoridades da Austrália deram hoje início a um inquérito sobre o assunto. (sapo)

Irã: campeã de xadrez, de 18 anos, foi expulsa da equipe nacional por se recusar a cobrir seu cabelo
Em fevereiro, Dorsa Derakhshani, uma grande mestre de xadrez foi expulsa da equipe nacional de xadrez iraniana depois de competir em um torneio internacional sem hijab. Derakshani não representava o Irã no Tradewise Gibraltar Chess Festival. Seu irmão Borna, 15, também foi banido por jogar com o israelense Alexander Huzman no mesmo torneio. (RT twiter)

Estrela de futebol iraniana proibida de competir por não usar hijab durante jogo amistoso
Shiva Amini esteve em uma turnê pela Suíça e Itália quando participou de um jogo de exibição ao lado de jogadores masculinos recentemente. A ofensa de Amini foi descoberta depois que fotografias do jogo na capital suíça, Zurique, foram postadas no Instagram mostrando seus calções e brincando sem um véu.

Atualizações em março de 2017

Alemanha: duas mulheres, um fiscal e uma médica, atacadas
Um jovem de 19 anos assediou duas mulheres em um trem. O fiscal do trem que interviu foi também atacado. A polícia levou o jovem para o hospital onde ele atacou a médica. Como o artigo omite a origem do jovem, ele deve ser imigrante muçulmano, aplicando-se a lógica reversa do ocidente pró-islâmico. (Bild)

Grã-Bretanha: mulheres paquistanesas mutiladas com ácido jogado no rosto devido a "casamentos forçados"
Em 2012 movimentos populares organizados pela sociedade civil obrigaram o governo britânico a tornar esta uma ofensa criminal. A maioria dos casos envolveu mulheres menores de 18 anos, a maioria das vítimas foram identificadas como sendo migrantes do Paquistão, sendo que em 43% dos casos as vítimas eram descendentes de migrantes paquistaneses nascidos na Grã-Betanha, ou seja, cidadãs inglesas. As demais eram de Bangladesh com 121 casos, da Somália com 47 casos, do Afeganistão com 39 casos e a Arábia Saudita que teve 16 casos. O relatório afirma: "Em 2016, a "Unidade de Casamento Forçado" deu conselhos ou apoio relacionado a um possível casamento forçado em 1.428 casos." De acordo com o relatório 157 dos casos não tinha nenhum elemento ultramarino, ou seja, o que significa que o casamento forçado ocorreu inteiramente dentro do Reino Unido. (Mirror)

Grã-Bretanha: casamentos forçados crescem 17%
Um número recorde de crianças está sendo forçada a se casar. Estatísticas divulgadas no relatório dos ministérios do Interior e do Exterior mostram que a quantidade total de casamentos forçados saltou de 1.220 casos em 2015 para 1.428 em 2016, um aumento de 17%. (Express)

Grã-Bretanha: documentário mostra ação dos Tribunais da Sharia, e as mulheres se lascam 
Existem entre 85 e 100 tribunais de Sharia no Reino Unido, com permissão para resolver problemas de família e disputas financeiras na comunidade muçulmana. Mas as mulheres, e logo, os filhos, são tremendamente prejudicadas. Exemplos mostrados incluem (Daily Mail):
  • Aplicação do talaq triplo. Para se divorciar, basta ao marido dizer 3 vezes "Eu me divorcio de você"; para a esposa o processo é mais penoso. 
  • Fátima, uma mulher de 33 anos e mãe de quatro filhos tentou obter "permissão para se divorciar do marido traficante que tem abusado dela durante todo o seu casamento de 14 anos."
  • Um tribunal Sharia proferiu sentenças de aprovação das mortes por honra, e outro ordenou uma mulher traumatizada a voltar ao seu abusivo marido.
Abu Dabi: Casal estrangeiro é preso por "sexo antes do casamento"
Enquanto que o prefeito de São Paulo corre para vender o patrimônio do paulistano para o capital islâmico, em Abu Dabhi um casal de extrangeiros foi preso acusados de "sexo ilícito" já que eles não são casados. João Dória, Isso é a lei islâmica em ação. E você está trazendo-a para o Brasil. (Tião Cazeiro)

Rússia: clérigo muçulmano pede ablação de todas as mulheres na Rússia
Ablação é o nome técnico para a mutilação da genitália feminina, ou seja, a remoção do clítoris (IstoÉ).

Turquia: radicais gritando Allahu Akbar atacam ato no Dia Internacional da Mulher
"Um grupo de 15 a 20 pessoas atacou nesta quarta-feira aos gritos de “Alá é grande” um ato pelo Dia Internacional da Mulher que estava sendo realizando na Universidade Bilgi, em Istambul, na Turquia." (Turkeypurgeturkishminute)
https://www.turkishminute.com/2017/03/08/video-women-celebrating-intl-womens-day-attacked-mob-istanbul/

Mulher sem véu: carne exposta, pronta para os "predadores islâmicos"


Indonésia: Mutilação da Genitália Feminina


Atualizações em fevereiro de 2017

Grã-Bretanha: predadores sexuais muçulmanos de Rotherham gritam "Allahu akbar" ao ouvirem suas sentenças de prisão
Uma gangue de seis predadores sexuais muçulmanos gritaram 'Allahu Akbar' ao serem condenados por um total de 81 anos sobre o abuso sexual "sórdido" de duas meninas em Rotherham. Três irmãos e três outros homens foram condenados por crimes como estupro, agressão indecente e prisão falsa depois que as vítimas pré-adolescentes foram "sistematicamente aliciadas". (BreitbartMirror)
escândalo sexual de Rotherham, no qual 1.400 meninas foram abusadas sexualmente por gangues de estupro muçulmanas, em sí só já era bastante ruim. Depois, vieram notícias chocantes de que até um milhão de garotas britânicas foram abusadas sexualmente por gangues muçulmanas, um comportamento sancionado pelo Alcorão.

Um caso de mutilação genital feminina relatado a cada hora no Reino Unido
Entre abril de 2015 e março de 2016 houve 8.656 vezes em que mulheres ou meninas foram atendidas em consultórios médicos ou hospitais e o problema foi avaliado - o equivalente a um a cada 61 minutos. (Independent) A inépcia do governo britânico em prender quem faz e os pais ou responsáveis é algo igualmente criminoso.

Afeganistão: esposa-criança tem suas orelhas arrancadas por "falar com outros homens"
Zarina, que casou aos 13 anos, teve suas orelhas arrancadas pelo seu marido. Ele a proibia de se comunicar até mesmo com a sua família, e ela desejava o divórcio. Ele esta foragido. (Daily Mail)

Afeganistão: multidão ataca delegacia e mata os namorados
Uma multidão armada, incluindo os parentes da mulher, atacou uma delegacia, arrastando o jovem casal de namorados e os matando em seguida. (NYTimes)

Meninas iázidis são vendidas como escravas sexuais enquanto mulheres marcham contra Trump
Mulheres cheias de privilégios reclamando que têm que pagar impostos quando compram absorventes ... mas se calam com respeito às mulheres iázides ou cristãs que são escravizadas sexualmente pelo Estado Islâmico. (Gatestone)

Canadá: refugiado sírio assedia sexualmente 6 adolescentes em piscina pública
Soleiman Hajj Soleiman, de 39 anos, e pai de 6 filhos, foi preso após 6 meninas terem chamado a ajuda do salva-vidas da piscina do West Edmonton Mall World Waterpark. O refugiado sírio estava as assediando sexualmente na piscina. (GlobalNews)

Canadá: crime em defesa da honra ... mulher morta por não usar o véu islâmico
A paquistanesa Bano Shahdady jogou fora seu niqab e largou o marido. O marido, também paquistanês, a matou disfarçado em um niqab. A vítima foi estrangulada, tendo lutado por sua vida por 30 minutos. O crime ocorreu em Toronto, em 2011, e o marido foi condenado a 17 anos de prisão. (Tarek Fatah)

Suécia: 38.000 mulheres mutiladas genitalmente
O Departamento de Saúde estima que existem 38.000 meninas e mulheres mutilados genitalmente na Suécia. O relatório diz também que muitas delas tentam esconder o fato porque não querem causar problemas para seus pais. O trabalho envolve as meninas e mulheres que chegam à Suécia oriundas de países onde a prática é prevalente. (advinha que países são esses?) (Friatider)
A "circuncizão feminina" é proibida na Suécia.

Suécia: "governo feminista" se curva ao islão
A parte de cima da foto mostra as mulheres do governo da Suécia, que se auto intitula "o primeiro governo feminista do mundo", tirando uma foto em protesto ao presidente Trump, considerado por elas como misógino (apesar dele empregar homens e mulheres, sem distinção, nas suas empresas).
A parte de baixo da foto mostra estas mesmas mulheres do "primeiro governo feminista do mundo" visitando o Irã e se encontrando com o Presidente  Rouhani. E como elas se vestem? Sim, se submetendo ao islão e cobrindo a cabeça. (UN Watch)
Estas "feministas" usufruem da sociedade liberal criada pelo sangue e suor de homens e mulheres. E agora, elas pegam estas liberdades que elas herdaram e as destroem, rendendo-se ao islão. Elas são traidoras e hipócritas!


Suécia aceita casamento de menores satisfazendo a Sharia
Uma corte suéca aceitou a validade do casamento de uma menor de 14 anos com o seu primo. A corte alegou que a menina é "madura" e também citou motivos religiosos e culturais. Ao fazer isso, esta corte abre um precendente e valida o casamento de mulheres menores de idade se ocorrerem por "motivos religiosos." A corte se submeteu à Sharia. (Speiza). 

Suécia: casamentos de menores "imigrantes" são comuns  
A Agência de Imigração identificou 132 crianças casadas, sendo 129 meninas e 3 meninos. A maioria tinha 16 ou 17 anos, sendo que 14 deles eram menores de 15 anos. A maioria das crianças vêm da Síria, do Iraque ou do Afeganistão. O Provedor de Justiça analisou a situação em Malmö em 2015. Foram identificadas 65 crianças casadas, sendo que 61 delas tiveram autorização da justiça para continuar vivendo com seu marido (Expressen). Outras duas reportagens discutem vários casos onde as "noivas" (meninas) são estupradas e engravidadas (Barometernvlt)

EUA: professor universitátio defende estupro e escravidão sob a Sharia 
O professor Jonathan Brown, um muçulmano convertido do International Institute for Islamic Thought, uma organização ligada à Irmandade Muçulmana e que funciona dentro da (outrora católica) Universidade Georgetown, deu uma aula na qual ele fez afirmações que o levariam à demissão, se os tempos fossem outros. Leia mais sobre isso neste artigo clicando aqui.  

Europa: "refugiados" matam mulheres que os ajudam
  1. Suíça: Migrante nigeriano é preso por esfaquear uma "ajudante de refugiados" à morte. Um migrante nigeriano de 27 anos de idade foi preso na Suíça depois de assassinar uma mulher de 22 anos, uma voluntária que ajudava requerentes a asilo na Alemanha, fugir do país (Breitbart). 
  2. Na Alemanha, Maria Ledenburger foi estuprada e morta por um candidato a asilo afegão de 17 anos no seu caminho para casa. Como Soopika, Ladenburger também ofereceu seu tempo ajudando solicitantes de asilo. (Breitbart)
  3. Na Suécia, no ano passado, um migrante somali esfaqueou a trabalhadora do centro de asilo Alexandra Mezher para morrer em um lar para migrantes menores de idade. O requerente de asilo acabou por não ser menor de idade depois que a polícia investigou seus antecedentes, levando muitos a questionar os métodos usados ​​pelo governo sueco para determinar a idade real dos imigrantes. (BreitbartBreitbart)
  4. Na Áustria, um migrante assassinou uma mulher que estava tentando ajudá-lo no ano passado. Uma americana trabalhando como babá em Viena foi estrangulada até a morte por um migrante gambiano em seu apartamento depois de deixá-lo ficar ali para evitar a deportação. Ele também foi capturado na Suíça depois de fugir do país. (Breitbart)
Nigéria: clérigo islâmico depila e estupra menina
Akeem Ibrahim, clérigo islâmico em Ikeja, disse para uma menina que ele sonhou que eles tinha se casado. Ele a levou para a sua casa onde ele depilou os pelos pubianos da menina e a penetrou com os seus dedos. A menina sofreu ferimentos, e ele está sendo julgado (Daily Post).


Atualizações em janeiro de 2017


França: TV 2 mostra que mulheres estão abandonando as ruas em bairros islâmicos
Reportagem da TV 2 francesa, mostra que as mulheres estão literalmente desaparecendo de cafés e bares em determinados subúrbios predominantemente muçulmanos na França. Enquanto que as mulheres francesas reagem, as mulheres muçulmans acham isso algo normal. Leia mais no artigo "Europa: O Caso do Desaparecimento de Mulheres" do Gatestone Institute. (video: Vlad Tepes).



EUA: casamentos forçados também ocorrende entre os imigrantes ou cidadãos oriundos do Paquistão, Afeganistão, Egito, ... 
Entre 2009 e 2011, pelo menos 3.000 meninas e mulheres jovens de 47 estados dos EUA foram forçadas a se casar - incluindo muitas com idade inferior a 18 anos. Os dados provêm de uma pesquisa realizada pelo Tahirih Justice Center, uma organização não-governamental que oferece serviços de advocacia gratuito para mulheres e meninas imigrantes e abusadas nos Estados Unidos. (Truthdig)

Afeganistão: mulher é degolada por ir às compras sem o marido
Segundo a lei islâmica (Sharia) a mulher precisa de permissão do homem para sair de casa, e precisa de um acompanhante. (NoticiasaoMinuto)

Síria: maridos se divorciam das esposas que trabalham
Com a guerra civil, e o maior envolvimento masculino no exército, houve uma falta de mão-de-obra sendo ocupada pelas mulheres. Mas muitos maridos não concordam que as esposas trabalham e as estão divorciando. (Clarion Project)

Espanha: rainha se recusa a visitar a Arábia Saudita
“Letizia nunca visitaria um país que proíbe as mulheres de conduzir, em que as mulheres casadas não podem viajar sozinhas e têm de ser acompanhadas por alguém da família do marido; um país onde 150 pessoas foram executadas nos últimos anos, por decapitação na sua maioria, por se oporem aos governantes; um país que subsidia milhares de mesquitas em todo o mundo; um país onde as mulheres divorciadas não podem entrar em locais públicos por serem consideradas adúlteras (…)”.. (Observador)

Canadá: muçulmano ataca sexual motorista de ônibus enquanto ela dirigia
Mohammed Sahib, é um imigrante muçulmano já conhecido pela polícia de Vancouver, no Canadá. Ele atacou sexualmente, metendo a mão por dentro da calça da motorista, enquanto ela dirigia. Felizmente, ela conseguiu se manter calma, mantendo controle do ônibus. Ele acabou preso.
É claro que existem tarados. Mas neste caso, deve-se questionar até que ponto a pregação islâmica, que defende que mulheres que não se cobrem são como "carne exposta", não o está estimulando a fazer aquilo que lhe foi ensinado. (CBC)

Mais relatos sobre o extermínio do povo iazide e a escravidão sexual de suas mulheres
Mas as feministas americanas e canadenses não estão nem aí. Elas têm previlégios e não se interessam pelas outras mulheres. Elas apena se interessam é em usar "direitos das mulheres" como pretexto para avançar a sua ideologia criminosa. (Independent)

Irã: Fisiculturista iraniana é presa por postar fotos mostrando corpo sarado em rede social
Ela mostrou o cabelo, os braços e a calça que mostra o contorno das suas pernas! Isso é a lei islâmica em ação sendo praticada pelo GOVERNO do Irã. (extra)

Arábia Saudita: mãe oferece filha como presente ao policial que agiu como herói.
Ela disse que não se importa se sua filha se torna a segunda ou até terceira esposa de Awaji e disse que sua oferta era genuína e sincera. Ela disse que não quer o mahr (preço da noiva) e vai pagar as despesas do casamento. O pai concordou. (Ecoando a Voz dos Mártires)

"Um homem nunca será perguntado sobre o motivo que o levou a bater na sua esposa" 
Hadice de Abu Dawud, Volume 2, Capítulo 41/42, 2147
(Este capítulo tem como título: "Com respeito a bater na mulher.")

Suécia: estupro mostrado ao vivo pela Internet. Quem são os 3 estupradores? 
O estupro coletivo de uma mulher sueca foi mostrado em live stream. O nome ou a origem dos estupradores não foi revelada, mas as fotos indicam que eles não são suecos. Seriam refugiados? (blastinnewsultimo segundo)



Um comentário:

Anônimo disse...

A revista VEJA publicou recentente essa notícia (http://veja.abril.com.br/saude/meninas-de-apenas-11-anos-procuram-cirurgia-intima/) sobre crianças fazendo labioplastia, especialmente na Inglaterra, e algo nela me levou a pensar se esse crescimento não estaria relacionado a mutilação genital feminina, com médicos muçulmanos ocultando as circuncisões como labioplastias.

Até porque a mídia não vincula a imigração muçulmana com o aumento nos casos de circuncisão feminina que a Inglaterra vem apresentando. E muçulmanas são grandes "consumidoras" deste mercado de cirurgias íntimas por outro motivo: elas reconstroem o hímen cirurgicamente antes do casamento.

Tentei escrever isso na seção de comentários da página, mas fui misteriosamente censurado, como sempre. aff