domingo, 22 de abril de 2018

al Wala wal Bara: ame quem e o que Alá ama; odeie quem e o que Alá odeia



Se as pessoas soubessem o que al Wala wal Bara significa, isso seria o fim do Islã.

Al Wala wal Bara é uma doutrina islâmica essencial. A definição mais breve: é o apartheid islâmico.

Al-wala significa lealdade e al-bara significa rejeição. No contexto do Islã, al-wala é lealdade a Alá e o que quer que ele esteja satisfeito, bem como amizade e proximidade com os crentes (muçulmanos), enquanto al-bara significa se libertar daquilo que desagrada a Alá, deserdando os descrentes (káfir).

Os muçulmanos devem estar sempre no topo. Todo o resto deve ser sempre odiado, ridicularizado e humilhado, vivendo uma vida de pária na sociedade ou simplesmente exterminado.

Os muçulmanos devem ter sua socialização separada, livre da contaminação de kafirs (uma palavra muito negativa para os não-muçulmanos) que tendem a enfraquecer sua fé e fazê-los adotar o estilo de vida dos descrentes. Em outras palavras, os muçulmanos devem ter uma sociedade separada e paralela.

O conceito islâmico fundamental de al Wala wal Bara tira do Islã sua defesa mais forte no Ocidente: vitimização, a justificativa de que as más práticas do Islã são uma consequência do “malvado Ocidente”. Quando aprendemos sobre al Walla wal Bara, o foco dá uma reviravolta: o centro das atenções vai para o código moral do Islã, com o al Wala wal Bara ganhando o lugar central. A dissimulação se foi.

Pode ser por isso que a maioria de nós não ouve falar sobre isso, enquanto ouvimos o tempo todo sobre o hijab, Alcorão, jihad, niqab, burka, califado. Quase certamente, o Islã não quer que aprendamos e entendamos o que é o al Wala wal Bara.

A fraqueza mais fundamental do Islã é seu código moral. Do apartheid islâmico, à suposta inferioridade das mulheres, à aceitação dos escravos sexuais, à difamação de todos os não-muçulmanos como káfir (a pior ofensa que existe), etc. O código moral do Islã é seu calcanhar de Aquiles.

O argumento mais forte contra a escravidão é o argumento moral. O argumento mais forte para a igualdade de direitos entre mulheres e homens é o argumento moral. O argumento mais forte para os direitos dos animais é o argumento moral. O Islã perde em cada questão.

Al Wala wal Bara é uma doutrina obrigatória de ódio dirigida aos káfirs e ao nosso modo de vida. Abdul-Latif ibn Abdur-Rahman Rahimullah, uma autoridade na lei Sharia, disse: "Não é possível para alguém promover Tawheed [monoteísmo - a doutrina de que Alá é o único Deus] e agir sobre isso, e ainda não ser hostil contra os mushrikeen [adoradores errados]. Assim, quem não é hostil contra o mushrikeen não pode ser dito que ele age em favor de Tawheed nem que ele realize isso"(ad-Durar as-Saniyyah 8/167).

A propósito, ad-Durar as-Saniyyah é uma coleção salafista qualificada. Ela estabelece que al Wala wal Bara é um ensinamento islâmico oficial, sem qualquer sombra da dúvida, e que a hostilidade contra o káfir é o Islã normativo, e não alguma estranha aberração.

Desvendar o conceito de al Wala wal Bara é uma arma que devemos usar! Sempre que houver qualquer referência à islamofobia, qualquer palavra sobre as maravilhas do Islã ou sobre o Islã como religião de paz, mencione e explique o conceito de al Wala wal Bara, a mais horrível das coisas, segundo a ideologia ocidental: uma doutrina de apartheid, apartheid islâmico.

É importante notar que al Wala wal Bara é uma doutrina essencial - literalmente "essencial da fé" (usul ud-deen). Isso significa que os muçulmanos que não acreditam e nem a pratiquem não podem ir para o paraíso e são chamados de hipócritas (murtad) no Alcorão.

Al Wala wal Bara é o oposto da Regra de Ouro.

Al Wala wal Bara é também o reverso dos modernos conceitos ocidentais de tolerância e de celebração da diversidade.

Esse conceito torna o Islã inerentemente intolerante a qualquer outra ideologia que não a sua. O islamismo celebra a uniformidade e conformidade.

A maior fraqueza do Islã é sua moralidade. Por exemplo, falta-lhe a Regra de Ouro, parte de qualquer outra religião mundial importante.

Se perguntarmos ao clero cristão: "Os cristãos devem amar os não-cristãos?", O clero responderá: "Sim, eles devem". Se perguntarmos a eles: 'Os cristãos devem amar os pecadores que não crêem em Deus?' o clero responderá: "Sim, eles devem". Se lhes perguntarmos: "Os cristãos devem até amar os piores pecadores?" o clero responderá: "Sim, até o pior dos pecadores".

Todos nós sabemos: ame o seu próximo como a si mesmo. Odeie o pecado, ame o pecador.

Se você se voltar para a literatura islâmica e perguntar: "Os muçulmanos devem amar os kafirs?" a resposta é muito diferente. A resposta é um não absoluto. O Alcorão, Hadices, comentários canônicos e estudiosos modernos de diferentes escolas teológicas concordam. Não há espaço de manobra para os mulás ou xeiques fugirem da clara resposta: "Não, um muçulmano odeia o káfir pelo amor de Alá. Se não, o muçulmano não vai para o paraíso islâmico. Em vez disso, o muçulmano que ama os káfirs vai direto para o inferno islâmico porque ela próprio passa a ser considerado um káfir por amar os káfirs.

Usar um argumento moral prova que o Islã é supremacista e não amoroso.

Isso é muito importante porque, em todo o Ocidente, uma campanha bem financiada está em andamento, promovendo a palavra psicofóbica "islamofobia".

Esta é realmente a projeção psicológica da "káfirfobia" muito real do Islã (também conhecida como al Wala wal Bara). Al Wala wal Bara é uma doutrina oficial muçulmana de hostilidade e apartheid.

Sun Tzu, em A Arte da Guerra, diz que é para concentrar a força nos pontos mais fracos do inimigo e depois derrotar cada pequeno alvo, um por um. É fácil derrotar os muçulmanos usando a mutilação da genitália feminina ou o espancamento de mulheres, por exemplo. É fácil derrotar o Islã revelando seu conceito fundamental de al Wala wal Bara.

Al Wala wal Bara - uma definição acadêmica

O memorando abaixo foi escrito por Robert Frankling e enviado a todos os membros do parlamento e senadores canadenses antes da discussão e votação de uma moção, M-103, marcada para 16 de fevereiro de 2017. A Moção M-103 foi reconhecida por muitos canadenses como um importante passo em direção ao objetivo islâmico de criminalizar a crítica do Islã. A moção condena a islamofobia sem defini-la - mesmo sem olhar para o islamismo, e por que alguém poderia reagir com medo.

Por tratar da al wala wal bara, estamos transcrevendo uma versão em português deste memorando


MEMORANDO AOS HONROSOS SENADORES  E PARLAMENTARES DO CANADÁ
   
por Robert Frankling

É irônico que os parlamentares considerem proibir a islamofobia, que é indefinida, teórica, nebulosa e não oficial.

No entanto, os parlamentares estão evidentemente desconsiderando que o Islã contém uma doutrina que é intolerante e discriminatória. Essa doutrina, além disso, é "ESSENCIAL" dentro do Islã. Ou seja, é, diferentemente da "islamofobia", claramente definida, juridicamente vinculante, precisa e oficial.
  • "Al Wala wal Bara" - (Allegiance and Disassociation) é uma doutrina islâmica muito semelhante ao apartheid.
  • "Al Wala wal Bara" é uma "doutrina essencial" (usul ud-deen). "Essencial" significa que todos os muçulmanos devem acreditar e praticar al Wala wal Bara como condição para serem admitidos no paraíso.
  • "Al Wala wal Bara" é uma parte do Islã altamente desenvolvida, bem apoiada e canônica, aprovada pelo consenso de juristas islâmicos.
  • "Al Wala wal Bara" é juridicamente vinculativo e obrigatório para todos os muçulmanos.
  • "Al Wala wal Bara" é precisamente definido por juristas islâmicos e não é uma ideia nebulosa.
  • "Al Wala wal Bara" é uma doutrina islâmica oficial e considerada a segunda doutrina mais importante do Islã.
Definição de "Al Wala wal Bara" de fontes islâmicas:
  • do Conceito Islâmico de al-Wala 'wal-Bara' de Khalid El-Gharib: "para mostrar inimizade para aqueles que mostram inimizade para Alá e Seu Mensageiro" (ou seja, os muçulmanos devem demonstrar visivelmente sua inimizade para com os kufaar - não- Muçulmanos) https://www.kalamullah.com/manhaj14.html.
  • de uma palestra dada pelo xeque Abdullah al-Faisal (HA): "A implicação de al-Bara é que se ODEIE por causa de Alá (SWT) ... Al-Bara significa reconhecer quem são seus inimigos e odiá-los e EXTERMINAR eles em seu esforço para se livrar de seu Deen, al-Islam ... Al-Bara é para ODIAR as pessoas que propagam Baatil (falsidade) - o muçulmano deve odiá-los e (pelo menos desejar) matá-los quando chegar a hora." (isto é, o ódio dos muçulmanos em relação ao kufaar é para fins de limpeza étnica) https://youtu.be/jUgDJmpmj14?t=855.
Exemplos de Bara de líderes islâmicos históricos:
  • de Ahmad Sirhindi (1564-1624): "A honra do Islã está em insultar o kufr e os káfirs. Aquele que respeita os káfirs desonra os muçulmanos ... O verdadeiro propósito de cobrar jiziya neles é humilhá-los a tal ponto que eles se tornem incapazes de se vestir bem e viver em grandeza. Eles devem permanecer constantemente aterrorizados e tremendo. Pretende-se mantê-los sob desprezo e elevar a honra e o poder do Islã."
  • de Abd-Allah al-Ashqar, "Crença em Alá", de Umar Sulayman: "Os muçulmanos devem considerar os Kuffar como inimigos e odiá-los por causa da sua kufr (descrença), do mesmo modo como ele odeia a própria descrença deles." http://www.kalamullah.com/belief-in-allah.html (English, 2002). 

**

Os 3 principais conceitos do Islã

por Robert Frankling

Existem três doutrinas essenciais do Islã ('usul-ud-deen' - 'essencial da fé').

Eles vêm em pares:
1) Unicidade de Deus e Profeta Final;
2) Al Wala wal Bara;
3) Jihad e Hégira.

A primeira doutrina essencial é a premissa do Islã.

A segunda é a "emoção" do Islã. Isso foi tratado acima.

A terceira é o "método" do Islã.

A terceira doutrina é como implementar a 'emoção' do Islã, combatendo os káfirs (não-muçulmanos - os mais baixos dos baixos). O "método" do Islã prossegue por um "movimento" de avanço e recuo. É luta e emigração, ou luta e retirada para lutar outro dia.

Hégira é o período de inserção, seguido pela jihad contra o "inimigo próximo". Estamos vendo a hégira na Europa, Austrália e América do Norte neste momento.

Também estamos vendo a jihad "quase inimiga" na Europa, Austrália e América do Norte, mas é apenas o começo dessa guerra.

A Jihad tem quatro formas:
1) luta militar ("pela espada")
2) luta com a língua (fala)
3) luta com a caneta (escrita)
4) luta com dinheiro (financiamento de militares ou outros jihadistas, ou processando os káfirs na justiça visando intimidá-los e silenciá-los).

Os muçulmanos devem obrigatoriamente participar da jihad, já que é um 'usul-ud-deen', algo  'essencial da fé ' que é 'essencial para a salvação' e admissão no paraíso islâmico. Um muçulmano que não participa em pelo menos uma das quatro formas de jihad morrerá como um "hipócrita" e irá para o inferno.




Nenhum comentário: