quarta-feira, 11 de abril de 2018

Facebook baniu historiador alemão por dizer "o islamismo não faz parte da história alemã"


O islão faz parte da história da Europa no sentido que as invasões incessantes e o expansionismo islâmico levaram a Europa a se unir para se defender dele. 

Tyler O'Neal, PJ Media

No mês passado, o Facebook censurou um historiador alemão que postou uma mensagem sobre o impacto histórico do islamismo na Alemanha. O Facebook proibiu o historiador por 30 dias, apesar de 76% dos alemães concordarem que o islamismo não "pertence à Alemanha".

Michael Hesemann, jornalista e historiador do Vaticano com um doutorado honorário por seu trabalho na descoberta de documentos do genocídio armênio, publicou uma mensagem que o Facebook disse que "não corresponde aos padrões da nossa comunidade". A mensagem ofensiva era uma declaração histórica precisa - se exagerada. [Nota do Tradutor: a declaração não foi exagerada]

"O Islã sempre desempenha apenas um único papel na história de 1700 anos do Ocidente Cristão: o papel da espada de Dâmocles que pairava acima de nós, a ameaça da barbárie contra a qual era necessário se unir e lutar", escreveu Hesemann, segundo o NRW Direkt. "Nesse sentido, o Islã não faz parte da história alemã, mas a defesa contra o Islã!"

O Facebook argumentou que excluiria qualquer comentário que "atinja pessoas por causa de sua raça, etnia, origem nacional, orientação religiosa, orientação sexual, identidade sexual ou deficiência física", informou o site católico OnePeterFive.

A relação histórica entre o Islã e a Alemanha tornou-se um tema quente no último mês, com a ascensão do novo ministro do Interior, Horst Seehofer. O ex-presidente da Alemanha, Christian Wulff, declarou que "o Islã pertence à Alemanha" - e a chanceler Angela Merkel concordou.

"Não. O Islã não pertence à Alemanha", declarou Seehofer logo após assumir o cargo. "A Alemanha é caracterizada pelo cristianismo". Mesmo assim, ele acrescentou: "Os muçulmanos que vivem conosco naturalmente pertencem à Alemanha".

(leia artigo do Gatestone Institute sobre esta declaração do ministro do interior alemão)

Em uma recente pesquisa WELT-Trends, 76% dos alemães concordaram com Seehofer sobre esta questão, com 61% dizendo que "concordam fortemente". Apenas 20% dos alemães discordaram, insistindo que o Islã é fundamental para a Alemanha. Apenas quatro por cento disseram que estavam "indecisos".

O historiador lamentou o silêncio forçado da correção política nesta questão. "Isso diz muito sobre o estado deplorável de nossa democracia sob a chanceler Angela Merkel, quando um historiador pode não expressar fatos históricos simples", disse Hesemann à NRW Direkt.

"A questão de saber se o Islã pertence à Alemanha, como Merkel afirma, ou não, como Horst Seehofer afirmou, tem uma terceira resposta: sim, é parte de nossa história, embora de uma forma que pode ser desconfortável para muitos", afirma o historiador. disse.

"O Islã contribuiu significativamente para a integração européia. Sem o Islã, não teria havido Carlos Magno, cujo avô, como herói de Poitiers, cresceu além de seu papel como Hausmeier e lançou as bases para a dinastia carolíngia", disse Hesemann. Sem o Islã, não haveria "cruzadas e nenhuma transferência cultural associada, nem Renascimento - a conseqüência da queda de Constantinopla e a fuga de seus estudiosos para o Ocidente, nenhuma liga sagrada como a primeira aliança de defesa européia contra os turcos, e assim muito mais. "

O historiador estava se referindo à Batalha de Tours (732 dC), quando Charles Martel derrotou um exército muçulmano na França depois que os muçulmanos se espalharam para o norte da Espanha. Essa batalha uniu várias tribos francas, ajudando a criar a nação da França. O neto de Charles Martel, Carlos Magno ou Carlos Magno (742-814), uniu um vasto território sob seu domínio e fomentou um período de aprendizado conhecido como o "Renascimento carolíngio". Seu "Sacro Império Romano" desempenhou um papel colossal na história européia e durou cerca de 1000 anos.

Tantos momentos decisivos da história européia, da Batalha de Tours à Batalha de Lepanto (1571) e dos cercos de Viena (1529 e 1683), resultaram de conflitos diretos com a expansão islâmica.

Mesmo a descoberta das Américas por Cristóvão Colombo em 1492 teria sido incompreensível sem o Islã. O Rei Fernando e a Rainha Isabella, dos reinos unidos da Espanha, enviaram Colombo em sua viagem depois de derrotar os muçulmanos em Granada. Os portugueses iniciaram o colonialismo europeu em resposta ao controle muçulmano das rotas comerciais do leste, e os espanhóis contrataram Colombo para encontrar outra rota para o leste.

Sem a presença do Islã como uma "ameaça da barbárie", os europeus não teriam descoberto e colonizado as Américas, com todo o bem e o mal que vinham de suas expedições.

Na Alemanha em particular, o Sacro Império Romano de Carlos Magno inspirou uma identidade alemã separada, unindo eventualmente reinos díspares e estados-cidades no Império Alemão em 1871. Assim, sem o Islã, não haveria Alemanha - mas isso não significa que a Alemanha é islâmica. .

Resumindo esse tremendo impacto, o historiador vaticano Hesemann acrescentou: "Então o Islã certamente desempenhou um papel importante na história da Europa, e especialmente na Alemanha, mas não como parte de nossa cultura, na qual nunca foi integrado - mas como uma ameaça contra que se unir e superar todas as fronteiras e desacordos ".

"Diga: sem o Islã, um cristão ocidental nunca teria se definido nessa clareza", concluiu Hesemann.

O historiador disparou contra a ideia de que ele atacou pessoas por causa de sua afiliação religiosa. "Essa análise da história de nossa relação com o Islã no período entre os séculos 7 e 18 não afeta uma única pessoa viva", disse Hesemann.

"Ele não ataca o Islã, embora afirme que ele foi percebido pelo Ocidente cristão como barbarismo, um termo que, aliás, vem da Grécia antiga e significa todas as características não-gregas", explicou. "O Islã realmente não tem raízes gregas."

Hesemann explicou: "Ninguém se ressentiria quando um historiador afirma que os francos e os cruzados, por sua vez, foram entendidos por muitos muçulmanos como 'bárbaros' em alguns aspectos".

"Mas aqui, a avaliação histórica do Islã é simplesmente censurada e indigna de uma sociedade livre", brincou o historiador. "Obviamente, qualquer engajamento crítico com uma religião que se espalhou através da subjugação de outros povos e ainda hoje segue uma lei bárbara do século VII que segue a Sharia com suas brutais punições corporais e capitais, incluindo o apedrejamento e a crucificação."

"Aparentemente, cada historiador crítico deve agora calar a boca", disse Hesemann. "Eu protesto fortemente e pleiteio pelo direito de liberdade de expressão e livre discussão de fatos históricos."

De fato, eventos recentes na Alemanha sugerem que o Islã está se tornando uma espécie de religião estatal. Críticas à religião são consideradas inaceitáveis, e os imigrantes se safaram com crimes tão horríveis quanto o estupro por causa de sua herança cultural.

No mês passado, uma diretora alemã teria dito a uma garota cristã que tinha sido espancada por colegas muçulmanos que ela deveria usar uma hijab [véu islâmico] para evitar mais intimidação. No mesmo mês, um juiz alemão ordenou que a Volkswagen recontratasse um homem que era suspeito de recrutar para o Estado Islâmico (ISIS). No ano passado, um turco foi absolvido após estuprar uma alemã porque seu sexo violento forçado não era "culturalmente" considerado estupro.

Onde o Islã é ou não fundamentalmente bárbaro, a interpretação da história de Michael Hesemann está correta. Os europeus temiam o Islã e se uniam para combatê-lo, forjando uma identidade cristã em contraste com a religião de Maomé.

O Facebook não deve banir historiadores que dizem verdades difíceis. Com o Facebook banindo Hesemann por essa história, será que ele censuraria um muçulmano por dizer que os cruzados eram "bárbaros"? O Facebook consideraria um insulto para os ateus se um cristão falasse que os regimes ateus mataram centenas de milhões de pessoas no século 20? Os fatos históricos nunca devem ser censurados, e o Facebook deveria ter vergonha desse comportamento.

Nota: Infelizmente, os grupos mais poderosos de mídia social (Facebook, Twiter e Google-YouTube) vem retirando a monetização (modo de ganhar dinheiro pela Internet) e suspendendo temporáriamente ou mesmo banindo para sempre canais e contas particulares daqueles que criticam a islamização e o apoio que governos (de países tais como Alemanha, Inglaterra, Suécia e Canadá) vêm dando para isso.



Nenhum comentário: