sexta-feira, 11 de maio de 2018

Reino Unido propõe sentença de seis anos de prisão para quem criticar o Islã


O projeto de lei apenas menciona "criticar a religião", mas todos sabem que religião ele se refere. Ninguém vai para a prisão por criticar o cristianismo ou o judaísmo. Este projeto de lei é mais um passo gigante da Grã-Bretanha em direção à Sharia e à sua própria ruína.

10 DE MAIO DE 2018 - ROBERT SPENCER

"Reino Unido propõe sentenças de prisão de seis anos por postagens on-line contra religião ou pessoas transgênero" (Breitbart)

Pessoas que promovam “hostilidade” em relação a uma religião ou aos transgêneros na Internet podem receber sentenças muito mais severas, de até seis anos de prisão, especialmente se tiverem um grande público on-line de acordo com novas propostas.

O Conselho de Sentenças da Inglaterra e do País de Gales elaborou mudanças em delitos de ordem pública, incluindo qualquer pessoa que se desconfie ter como alvo online “características protegidas”, incluindo “raça; sexo; incapacidade; orientação sexual; religião ou crença; gravidez e maternidade; e redesignação de gênero.”

As punições mais severas serão entregues àqueles “em posição de confiança, autoridade ou influência e que abusam de sua posição para incitar ódio”, como líderes políticos ou figuras de mídia e qualquer pessoa cujas ofensas sejam “persistentes”.

Se um “agressor for um membro, ou estiver associado a um grupo que promova hostilidade baseada em raça ou religião”, a sentença também será mais severa.

O Conselho de Sentenças acredita que o uso das mídias sociais, do YouTube e de outros “sites” para provocar o ódio é um problema crescente - apesar do número de processos permanecer relativamente baixo.

"Os volumes desses delitos são extremamente baixos e não houve condenados por algumas ofensas", disse o Conselho de Sentenças.

“No entanto, dado o clima social recente e um foco ampliado neste tipo de delito, o conselho considera que seria útil que os sentenciados fossem equipados com orientações sobre a sentença dessas ofensas”, continuam eles.

Acrescentando: “Entre os casos analisados, houve várias ofensas do tipo “discurso do ódio”, em que discursos inflamatórios foram dados por figuras influentes com a intenção de incitar o ódio.

“Outros casos envolveram a publicação no YouTube de conteúdo que incita violência séria em relação a determinados grupos religiosos, sites publicados incluindo conteúdo ofensivo e insultuoso e pretendendo alcançar audiências globais.”

As propostas estarão agora sujeitas a uma consulta pública de três meses, que termina em agosto.

Outras diretrizes relacionadas a “crime de ódio” divulgadas em janeiro do ano passado reafirmaram que nenhuma evidência é necessária para denunciar um “crime de ódio”, bastando que a suposta vítima se sinta ofendida.


Primeira-Ministra do Reino Unido, Theresa May


5 comentários:

Anônimo disse...

Que também se faça cumprir a lei quando o CRISTIANISMO for criticado

Boroc disse...

Alguém duvida que isso é devido a aliança com os árabes e seus financiamentos de petrodólares? A Arábia Saudita exporta e financia essa cultura maligna pelo ocidente, e os países que dependem de seu petróleo aceitam passivamente a penetração dessa ideologia supremacista travestida de religião.

PR. JORGE BRAZ disse...

Daqui poucos anos os ingleses verão e sentirão a mão de ferro do Islã, onde eles não terão a mesma sorte que os muçulmanos estão tendo sob seu governo.

Anônimo disse...

Indonésia "moderada”: Homem é preso por cinco anos por “insultar o Islã” no Facebook

https://gellerreport.com/2018/05/indonesia-insulting-islam.html/

Q disse...

Cruzadas, precisamos de novas cruzadas !!