sexta-feira, 29 de junho de 2018

Lista de países que proibem / impõem restrições à burca e ao niqab


Eis uma lista dos diversos países e regiões que impõem restrições legais a burca e ao niqab.

Áustria, França, Dinamarca, Holanda, Bélgica, Bulgaria, Letônia, Camarões, Chad, Gabão, Marrocos, Turquia, ... 



Dinamarca - maio de 2018

A lei sobre a proibição total de revestimentos de rosto foi aprovada  na quinta-feira por uma votação parlamentar e entrará em vigor em agosto de 2018.

A violação da lei resultará em penalidades financeiras e qualquer pessoa que forçar uma pessoa a usar roupas que cobrem o rosto usando força ou ameaças pode ser multada ou enfrentar até dois anos de prisão.

Áustria - maio de 2017

A Áustria aprovou uma lei em maio de 2017 que proibia o uso de véus islâmicos de rosto inteiro em público como parte de um pacote de integração mais amplo.

Os infratores enfrentam multas e, após a entrada em vigor da legislação em outubro de 2017, cerca de 50 multas foram  emitidas  até o final de março.

Bulgária - outubro de 2016

O país do leste europeu  tem uma comunidade muçulmana que responde por 15% da população total (7 milhões), mas o parlamento aprovou uma lei nacionalista apoiada pela coalizão para reduzir os benefícios das mulheres que cobrem seus rostos em público.

Letônia - abril de 2016

A república báltica proibiu a roupa por motivos de segurança, apesar dos  relatos de  que apenas três mulheres no país as usavam.

“A tarefa de um legislador é adotar medidas preventivas”, disse o ministro da justiça Dzintars Rasnacs.

Bélgica - julho de 2011

Substituindo várias proibições regionais de obscurecer sua identidade, a Bélgica introduziu uma proibição nacional do véu integral no verão de 2011.

A Bélgica tem uma população muçulmana notável em alguns subúrbios de Bruxelas, incluindo a "zona proibida" Molenbeek, que tem conexões com terroristas jihadistas conhecidos, incluindo os autores dos ataques de Paris Bataclan em novembro de 2015 e um dos terroristas terroristas de 2004 em Madri.

França - abril de 2011

A França tornou-se o primeiro país da Europa a impor a proibição total da burca. Qualquer mulher, cidadã francesa ou estrangeira, poderia ser multada por sair de casa com o rosto coberto.

No verão de 2016, várias cidades francesas à beira-mar tentaram proibir a roupa de natação aprovada pela sharia, conhecida como "burkini", mas as leis regionais foram anuladas pelo mais alto tribunal administrativo da França. A França tem a maior minoria muçulmana na Europa Ocidental, com cinco milhões de habitantes.

Proibições parciais ou regionais 

Há proibições regionais em vigor em toda a Europa, incluindo o cantão suíço de Ticano proibindo o véu em 2015. Uma  votação pública sobre uma proibição nacional pode ser realizada em toda a Suíça no próximo ano.

Várias cidades na Itália e na região norte da Lombardia proibiram o véu, assim como a cidade espanhola de Barcelona, ​​e a Noruega baniu -as nas escolas em 2017.

Os legisladores da Alemanha aprovaram uma proibição parcial em abril de 2017, que se aplica aos funcionários públicos - como funcionários eleitorais, militares e funcionários judiciais - que desempenham suas funções. Metade dos 16 estados do país proibiu os professores de usar lenços de cabeça, e a conservadora Baviera proibiu o uso de véus em escolas, postos de votação, universidades e escritórios do governo no início de 2017.

Na Holanda, em novembro de 2016, os deputados apoiaram uma proibição parcial, onde seria ilegal cobrir seu rosto em alguns locais públicos, como em transportes públicos e em escolas e hospitais. O Senado holandês ainda está para aprovar o projeto.

Camarões (um quinto da população muçulmana) e Chade (55 por cento muçulmanos) 

Proibição da burca por motivos de segurança em 2015, após atentados suicidas. (economist)

Gabão

País de maioria cristã, que não sofreu nenhum ataque islâmico, foi inspirado a promulgar a proibição depois do que aconteceu em Camarões.

Marrocos 

Proibiu a fabricação, o marketing e a venda da burca em janeiro de 2017. (breitbart)

Síria 

Proibiu o véu nas universidades em 2010 para impor sua identidade secular. (bbc)

Turquia

Após a queda do Império Otomano, em 1922, o fundador da República Turca Mustafa Kemal Atatürk levou o país a um caminho de secularização, criando restrições contra a burca e o niqab. Na década de 1970, o véu islâmico foi proibido em escritórios do governo, hospitais, universidades e escolas, mas o país se tornou mais fundamentalista  nos últimos anos, sob o Presidente Recep Tayyip Erdoğan, acom a proibição sendo suspensa em 2013.

Leia mais sobre os direitos das mulheres segundo a lei islâmica Sharia.


quinta-feira, 28 de junho de 2018

Crise migratória amplia a crise política na Europa; Merkel pode estar com seus dias contados


Neste artigo, iremos fazer um resumo do que ocorreu na Europa desde junho de 2017: uma crescente desilusão do povo nativo europeu com os "partidos políticos tradicionais" (notadamente a "social democracia" e os "socialistas e "trabalhistas" - mas também os "conservadores" no Reino Unido), que se advogam o direito de decidir o que é bom para o povo, mesmo quando o povo é contra o que eles decidem. Isso nada mais é do que uma forma de autoritarismo.

A raiz do problema reside no funcionamento político da União Européia (UE). Não existe representatividade na UE. As decisões são tomadas por um grupo que inclue, majoritáriamente, burocratas (que não foram eleitos, ou seja, que não tem compromisso além da sua ideologia) que acham que a Europa deve ser um um bloco sem fronteiras e sem nações. Acontece que os europeus não desejam perder as suas identidades nacionais, história e cultura!

Existem problemas crônicos na UE, tais como falta de equilíbrio econômico (alta concentração da produção na Alemanha) e desemprego crônico em diversos outros países. Mas, a questão prioritária que levou a crise atual é, sem dúvidas, a crise migratória de 2015.

Já existia uma falta de balanço na imigração para a Europa, com os partidos tradicionais impondo regras que facilitavam a entrada, em massa, de "qualquer um". Em geral, os países trazem imigrantes para fortelecerem a mão de obra qualificada. Mas isso não estava ocorrendo no Reino Unido, Alemanha, Bélgica, França, Holanda e Suécia. Ou seja, "qualquer um" entrava, mesmo quem não traria benefício algum para o país. E a maioria destes "qualquer um" tinham uma procedência. Na Inglaterra vinham do Paquistão; na Alemanha, da Turquia; na Bélgica e França da Argélia e Tunísia; na Holanda do Marrocos; e na Suécia, de qualquer destes países. A crise já existia e suas consequências já eram visíveis!

Então, veio a crise migratória de 2015 e seus frutos: aumento da criminalidade, dos estupros e dos guetos islâmicos.

Eu diria que a maioria do povo europeu começou a perceber que algo estava muito errado.

Eleições Britânicas de junho 2017 foi um resultado ruim, mas não existia opção viável boa; caminho aberto para o autoritarismo pró-islâmico

O Reino Unido (Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte) tinha duas péssimas opções nas eleições gerais realizadas em junho de 2017. Por um lado, a opção ruim, a atual primeira-ministra conservadora Theresa May, uma apologista do islamismo e do politicamente correto. E do outro, a opção prá lá de péssima, o trabalhista (pró-islâmico e anti-semita) Jeremy Corbyn. Os conservadores detinham a maioria no parlamento, mas Theresa May quiz ampliar a maioria conservadora no parlamento. Mas exatamente o contrário ocorreu. Apesar dos conservadores terem eleitos mais deputados que os trabalhistas, eles perderam a maioria. Para governarem, os conservadores tiveram que se co-ligar com um partido pequeno da Irlanda do Norte, o Partido Democrático Unionista (sigla DUP, de Democratic Unionist Party).

Um pouco mais tarde acontece a tragédia: a eleição de um Sadiq Khan (muçulmano e islamista) como prefeito de Londres. A dupla May-Khan tem feito todo o possível de silenciar as vozes daqueles denunciam a islamização do Reino Unido como algo terrível. Alguns exemplos:
  • A polícia de Londres prende dezenas por "Crime de Ódio" como a "islamofobia", mas não rastreia os terroristas islàmicos (Middle East Forum)
  • Pela primeira vez na história, Londres tem mais crimes que Nova York. Maioria dos crimes feitos com facas (The Times).
  • Grã-Bretanha no caminho do autoritarismo pró-islâmico: 3 jovens conservadores e anti-Jihad foram banidos da Inglaterra (Daily MailBreitbart), e proíbe entrada de norueguês crítico da "imigração descontrolada" (SputinikAftenposten).
  • Reino Unido propõe sentença de seis anos de prisão para quem criticar o Islã (Leia o artigo no blog).
  • O governo continua tentando cobrir as gangues de estupradores paquistaneses (muçulmanos) para não ser chamado de racista ... e as vítimas que se danem (Gatestone).
  • Ativista Tommy Robinson preso por denunciar as gangues de estupradores (Gatestone
Atualmente, o Reino Unido caminha a passos largos para um autoritarismo pró-islâmico.

Alemanha: pivô da crise, Merkel perde poder político

No dia 31 de agosto de 2015, durante uma entrevista na cidade de Dresden, a Chanceler Angela Merkel  abriu as portas da Alemanha para os candidatos a asilo que invadiam a Europa dizendo a famosa frase Wir haben so vieles geschafft - wir schaffen das ... "conseguimos muitas coisas - podemos fazer isso" (Frankfurter Allgeminer). Com isso, Merkel suspendeu o Protocolo de Dublin e fez com que a Alemanha acolhesse algo perto de 1,5 milhões de refugiados.

Na verdade, Merkel abriu as portas do inferno para o povo alemão.
  • O custo econômico desta irresponsabilidade é altíssimo, com estimativas variando entre 55 bilhões a 1,5 trilhões de Euros até 2022. A Alemanha estaria gastando quase 10% do seu PIB. Isso retira recursos destinados aos alemães mais carentes (sim, eles existem: 15%  dos idosos e pensionistas alemães estão agora classificados em nível de pobreza de acordo com o site DW.com (Voice of Europe).
  • Aumento do crime e uma onde de estupros feitos por requerentes de asilo (Gatestone).
  • Aumento das "zonas proibidas" (no-go zones), fato admitido pela própria Merkel (Breitbartrtl).
Os descontentamento do povo alemão se traduziu nas eleições gerais em setembro de 2017, com o crescimento dos partidos de oposição (leia mais neste artigo do blog). As eleições gerais enfraqueceram a Chanceler Angela Merkel, mas ela permaneceu no poder. Mas a crise continua.

Angela Merkel e o presidente da União Européia, Jean-Claude Juncker e o vem tentando forçar, com ameaças de todos os tipos, os demais países da UE a aceitarem repartir os "refugiados da Merkel." Mas, vendo o que está ocorrendo não apenas da Alemanha, mas também no Reino Unido e na Suécia, os demais países, notadamente a Polônia, Hungria, Republica Tcheca e Eslováquia, se recusam em por sua população em risco para consertar o erro da Merkel. Áustria e Itália se juntaram na oposição a Merkel.

Hoje está ocorrendo uma reunião entre os chefes de Estado. Iremos tratar disso ao final deste artigo.

Eleições na Hungria, República Tcheca, Áustria, Eslovênia e Itália: povo elege governos que prometem defender suas fronteiras e sua soberania 

Na República Tcheca, as eleições puseram os partidos "anti-estabelecimento" e "críticos da União Européia" no poder.  O magnata Andrej Babis e seu partido político eurocéptico (anti-UE) ganharam as eleições parlamentares da República Tcheca - de goleada - levando este empresário bilionário "politicamente incorreto" ao posto de primeiro ministro e líder de uma coligação de centro-direita.
"É impensável que a população indígena europeia se adapte aos refugiados. Devemos acabar com um políticamente correto tão absurdo. Os refugiados devem se comportar como convidados, isto é, devem ser educados e certamente não têm direito a escolha do que eles querem comer .... Há um profundo abismo entre o que as pessoas pensam e o que a mídia lhes diz," Estas foram as palavras de Andrej Babis, no jornal checo Pravo, 16 de janeiro de 2016. 
Na Hungria, mesmo com os milhões de dólares gastos pelo magnata globalista húngaro George Soros, o partido do primeiro-ministro Hugo Órban venceu as eleições gerais. Em seu discurso, ele disse que "os países que não param com a migração em massa estão perdidos: lentamente, mas certamente eles serão consumidos": 
A situação, caros amigos, é que há aqueles que querem tirar nosso país de nós. Não com o golpe de uma caneta, aconteceu há cem anos em Trianon; agora eles querem que voluntariamente entregamos nosso país para outros, ao longo de algumas décadas. Eles querem que entreguemos nosso país a estrangeiros provenientes de outros continentes, que não falam nossa língua e que não respeitam nossa cultura, nossas leis ou nosso modo de vida: pessoas que querem substituir o que é nosso com o que é deles. O que eles querem é que, doravante, não será cada vez mais nós e nossos descendentes que vivemos aqui, mas outros. Não há exagero no que acabei de dizer. Hoje em dia, vemos os grandes países e nações européias que perdem seus países: pouco a pouco, de distrito a distrito, e de cidade em cidade. A situação é que aqueles que não param a imigração nas suas fronteiras estão perdidos: lenta mas seguramente são consumidos. As forças nacionais e globalistas nunca se juntaram tão abertamente. Nós, os milhões com sentimentos nacionais, estamos de um lado; os "cidadãos do mundo" de elite estão do outro lado. Nós, que acreditamos nos estados-nação, a defesa das fronteiras, a família e o valor do trabalho são de um lado, e nos opor são aqueles que querem uma sociedade aberta, um mundo sem fronteiras ou nações, novas formas de família, trabalho desvalorizado e trabalhadores baratos - todos governados por um exército de burocratas sombrios e inexplicáveis. De um lado, forças nacionais e democráticas; e do outro lado, forças supranacionais e antidemocráticas. Forças estão aparecendo, como as que o mundo não viu há muito tempo. Na África, haverá dez vezes mais jovens do que na Europa. Se a Europa não fizer nada, eles irão dar uma saída à nossa porta. Bruxelas não está defendendo a Europa e não está impedindo a imigração, mas quer apoiá-la e organizá-la. Quer diluir a população da Europa e substituí-la, abandonar nossa cultura, nosso modo de vida e tudo o que separa e distingue os europeus dos outros povos do mundo. Será um pequeno consolo que os povos da Europa não perdoem os líderes que mudaram completamente a Europa sem primeiro lhes perguntar. A Hungria irá receber os "verdadeiros refugiados oriundos da Alemanha, França, etc, que desejarem encontrar a Europa que eles perderam em casa. (Breitbart)
A Áustria elegeu o mais novo chanceler da Europa, Sebastian Kurtz, de 31 anos, levando à formação de uma coligação de centro-direita entre o partido do povo, de Kurz (ÖVP),  e o partido da liberdade (FPÖ). Ambos estão cumprindo as promessas de campanha de serem duros com a imigração ilegal e cortar impostos e burocracia (leia neste artigo as metas do novo governo austríaco).

As eleições da Eslovênia elegeram o Partido Democrata Eslovêno, de centro-direita, liderado por Janez Jansa. A exemplo da Hungria, Áustria e República Tcheca, o foco é a defesa da identidade nacional eslovena  (REUTERS).

E, finalmente, a Itália, onde a União Européia tentou torpedear o novo governo patriota. Mas a democracia venceu e o governo eleito tomou posse.

As eleições gerais na Itália foram vencidas pelo Movimento Cinco Estrelas e pelo Partido da Liga. Apesar de possuirem vertentes idológicas distintas,  ambos empunham a mesma bandeira: contra a política econômica imposta pela União Européia, pró nacionalismo, e tremendamente críticos da invasão contínua de centenas de milhares de imigrantes muçulmanos que afeta a Itália como nenhum outro país da Europa. As diferenças foram colocadas de lado e estes partidos formaram uma coligação. Como manda a constituição, o primeiro-ministro e demais ministros do governo devem ter os seus nomes enviados para aprovação do parlamento pelo presidente, Sergio Matarela. Mas Matarela vetou o governo por temer que o indicado para ministro da economia, Paolo Savona, poderia provocar a saída da Itália da União Européia. O pior, Matarela nomeou um tecnocrata pró União Européia, que não tinha sido eleito, como primeiro ministro, pedindo para ele formar um governo. Claro que o parlamento não iria aprovar este governo sem legitimidade e novas eleições aconteceriam. A indignação contra a decisão do presidente Matarela foi tamanha que as pesquisas indicavam uma vitória ainda maior do Movimento Cinco Estrelas e do Partido da Liga. O presidente retrocedeu e resolveu concordar com o novo governo. A Itália tem, deste modo, um governo patriota e "anti-estabelecimento", liderado por Giuseppe Conte, primeiro-ministro, tendo como um dos vice-primeiro-ministro Matteo Salvini, líder da Liga, sendo o outro vice-primeiro-ministro Luigi Di Maio, líder do Movimento Cinco Estrelas. O ministro da economia é Giovanni Tria, que também questiona o euro mas de modo mais brando (Publico). 

Itália e a Bavária aprofundam a crise na União Européia

Itália fecha a via marítima usada no tráfico de refugiados. O estado alemão da Bavária promete fechar as suas fronteiras, independente do que o governo da chanceler Merkel pense ou faça.

O novo governo italiano começou a colocar em prática o que havia prometido durante a campanha eleitoral, não autorizando o atracamento de navios que contrabandeiam refugiados para a Itália (Global News; Independent). Os navios são manobrados por ONGs que, deste modo, colaboram com o tráfico humano: a crise migratória é um excelente negócio. O presidente francês, Emmanuel Macron, ficou furioso e acusou a Itália de ser anti-Européia, comparando a atitude do governo italiano à lepra. Claro que isso não caiu bem e o governo italiano respondeu com firmesa, acusando Macron de hipocrisia (REUTERS). Como Malta também se recusou a receber os navios (Global News), o governo socialista espanhol decidiu os receber (Observador). Até quando a população espanhola irá tolerar isso?

(Salvini, o líder do partido da Liga italiana, disse: “não temos condição de aceitar mais ninguém. Pelo contrário, queremos mandar embora alguns. “Os portos italianos não estão mais à disposição dos traficantes. Abra os portos malteses! Abra os portos franceses. Ele acrescentou: "Eles só verão a Itália em um cartão postal".)

O Navio Aquarius transportava 600 "imigrantes", a maioria homens jovens, 60 mulheres e 3 crianças 

Agora, sobre a revolta do partido da Bavária que pode (finalmente) derrubar Merkel. O governo alemão é uma coalizão entre 3 partidos. Um deles (o CSU) é da Bavária, e o seu líder (Horst Seehofer) é o ministro do interior. Ele deu um ultimato à chanceler Angela Merkel: ou ela resolve a crise dos refugiados (que ela mesmo criou) ou o CSU vai começar a expulsar os refugiados. Isso dissolveria a coalizão, levando a uma nova eleição (Daily Mail). O CSU está assustado com o crescimento do partido de oposição Alternativa para a Alemanha (AfD) tendo em vista as eleições estaduais de outubro. Pesquisas indicam que 62% dos alemães aprova se recusar a receber os migrantes e que 86% desejam que as deportações acelerem.


Merkel pode estar com seus dias contados após reunião dos chefes de Estado

Numa tentativa de salvar a sua vida política, Angela Merkel convocou uma reunião de líderes europeus. Ela deseja impor quotas aos países, prometendo ser mais rigorosa daqui para frente. Mas ninguém mais confia nela. As consequências do impasse são difíceis de prever.

Antes de viajar para Bruxelas, em  um discurso apaixonado ao parlamento alemão, a chanceler Angela Merkel advertiu que a questão da migração poderia quebrar a União Européia. "A Europa enfrenta muitos desafios", disse Merkel, cujo próprio destino político está em risco em sua postura de boas-vindas em relação à migração. "Mas a migração pode determinar o destino da União Européia."

O novo governo italiano tem sido inflexível, com o primeiro-ministro Giuseppe Conte se recusando a concordar sobre questões como inovação digital ou cooperação de defesa até que a migração fosse tratada. A Itália insiste em mudar os regulamentos que regem a migração para a União Européia, dizendo que, como país de primeiro pouso, já teve o suficiente. (NY Times)

Vice-primeiro-ministro italiano Matteo Salvini





sábado, 23 de junho de 2018

Relatório: 67% dos muçulmanos entrevistados acreditam que existe apenas uma interpretação verdadeira dos ensinamentos do Islão.


"UMA NOVA MÉTRICA GLOBAL DE CRENÇAS E PRÁTICAS MUÇULMANAS

William DiPiuccio, Frontpage Magazine

Existe apenas um islamismo. Jihadistas, fundamentalistas, moderados todos acreditam no mesmo Alcorão, mesmo Sunna. Interpretações podem diferir, mas todas funcionam com os mesmos textos.

Pesquisas conduzidas pela Pew Research revelaram muito sobre as crenças e práticas muçulmanas em todo o mundo. Mas eles ficam aquém de fornecer uma visão geral do mundo muçulmano porque eles estão divididos por país ou região.

O Projeto Demográfico Global Muçulmano foi criado para responder a essa necessidade compilando as informações da pesquisa Pew para calcular porcentagens globais e estatísticas da população global sobre crenças e práticas islâmicas relacionadas à segurança, ao terrorismo e à ameaça potencial à cultura ocidental. [1] 

Juntos, cerca de 1,1 bilhão de muçulmanos estão representados nos 39 países onde os levantamentos do Pew foram concluídos entre 2008 e 2012. [2]  Isso engloba dois terços dos 1,6 bilhão de muçulmanos do mundo (com base em uma estimativa de 2010), embora nem todos os países tenham sido entrevistados em todas as perguntas da pesquisa. [3]  Como as pesquisas abrangem apenas países com populações muçulmanas substanciais, os Estados Unidos e a Europa Ocidental não foram incluídos.

Algumas das principais conclusões do projeto são apresentadas aqui. Para o relatório completo e análise, consulte "Crenças e Práticas Muçulmanas: Uma Avaliação Demográfica Global".

A maioria dos muçulmanos acredita que existe apenas um islamismo

67% (736,3 milhões) de muçulmanos pesquisados ​​acreditam que há apenas uma interpretação verdadeira dos ensinamentos do Islã. Desentendimentos sobre a interpretação do Islã às vezes resultaram em violência mortal, principalmente entre sunitas e xiitas. No entanto, a aceitação dos xiitas pelos muçulmanos sunitas varia consideravelmente entre os países. Embora a maioria dos muçulmanos esteja certa sobre a verdadeira interpretação do Islã, eles estão divididos sobre até que ponto estender as fronteiras do Islão.

Muçulmanos devotos - aqueles que dizem que suas vidas refletem o hadith e a sunna em um grau considerável - compreendem 41% (369,7 milhões) da população da pesquisa. [4]  Estatisticamente, eles são mais propensos a dizer que (1) a sharia é a palavra revelada de Allah, (2) que o Islão e a sharia têm apenas uma interpretação, (3) que o proselitismo é um dever religioso e (4) a sharia deveria ser a lei oficial de seu país. [5] 

A maioria dos muçulmanos prefere viver sob a sharia

Embora os muçulmanos estejam divididos sobre a crença de que existe apenas uma interpretação da sharia, 64% (581 milhões) acreditam que é a palavra revelada de Allah, em vez de uma forma de lei desenvolvida pelos homens e baseada na palavra de Allah. 69% dos muçulmanos (741,8 milhões) nos países pesquisados ​​são a favor de tornar a sharia a lei oficial de seu país. Este foi o maior número de perguntas de pesquisa do projeto.

Cerca de um terço (274,0 milhões) acreditam que a sharia deve ser aplicada aos não-muçulmanos de alguma forma, e cerca de um terço a metade dos muçulmanos (352,2 milhões - 463,3 milhões) apóiam punições extremas como chicotadas, amputações, apedrejamentos adultério, e a pena de morte por apostasia.

Essas punições pertencem a uma classe legal de penalidades conhecida como Hudud. Eles são prescritos pelo Alcorão, a suna (o exemplo e os ensinamentos de Maomé) e a sharia tradicional (veja a tabela abaixo). Ofensas hudud são consideradas crimes contra Alá.

Ofensa
Punição de Hudud  
Referência
Adultério
Apedrejamento
Bukhari 6814, 6827, 6828; Ibn Ishaq 267, 652; Reliance o12.2
Fornicação (ou sodomia)
100 chicotadas
Alcorão 24: 2; Bukhari 6827, 6828, 6833; Reliance o12.2
Falsa acusação de adultério
80 chicotadas
Alcorão 24: 4; Confiança o13.3
Beber álcool
Até 80 chicotadas
Muçulmano 4452; Bukhari 6780; Reliance o16.3
Roubo ou Assalto furtivo
Amputação da mão e / ou pé
Alcorão 5:33, 38; Bukhari 6787, 6789; Ibn Ishaq 678; Confiança o14.1, o15.0
Assalto furtuvo com homicídio
Crucificação ou Morte por Espada
Alcorão 5:33 (ver Bukhari 6802-6805); Ibn Ishaq 678; Confiança o15.2                       
Apostasia
Morte
Bukhari 3017, 6922; Ibn Ishaq 550; Reliance o8.1
CHAVE:
Bukhari - uma coleção sunni, canônica e hadith (numeração da versão DarussalemIbn)

Ishaq - Vida de Maomé, tradução de A. Guillaume (Oxford U. Press, 1955)

Confiança - Confiança do Viajante: Um Manual Clássico da Lei Sagrada Islâmica, traduzido. por Nuh Ha Mim Keller (publicações de Amana, 1991)



Uma grande minoria de muçulmanos apoiam a obrigação do véu e os crimes de honra

Cerca de um terço dos muçulmanos entrevistados apóiam o véu forçado de mulheres (349,4 milhões) e dizem que os crimes de honra são justificados (361,8 milhões), pelo menos em algumas circunstâncias, por mulheres que cometem sexo pré ou extraconjugal. Os muçulmanos são menos propensos a justificar assassinatos de honra para homens que cometem as mesmas ofensas.

A morte por honra não é ensinada no Alcorão e é condenada por muitos clérigos muçulmanos. No entanto, uma provisão da tradicional lei sharia chamada Qisas, que é encontrada em alguns países, fornece uma brecha legal para assassinatos por honra ao permitir que parentes consigam perdoar o perpetrador. [6]

Muitos Muçulmanos Rejeitam Direitos e Liberdades Básicas Universais

Quando considerados em conjunto, cerca de um terço a metade dos muçulmanos (274,0 milhões - 463,3 milhões) nos países pesquisados defendem crenças e práticas (além do apoio à sharia) que são contrárias a muitos valores ocidentais e direitos humanos internacionalmente reconhecidos, como mostrado nesta tabela.

Pergunta de pesquisa
Número de quem afirma
Conflito com ocidentais

Princípios e Valores

Favorecer a sharia em seu país

69%
741,8 milhões
Separação de religião e estado
Liberdade religiosa
Aplicar a sharia a não-muçulmanos no seu país
31%
274,0 milhões
Separação de religião e estado
Liberdade religiosa
Liberdade individual
Liberdade de expressão
Igualdade de todas as pessoas sob a lei
Açoites e amputações para crimes como assalto e roubo

44%
456,7 milhões
Punição cruel e incomum
Apedrejando por adultério

45%
463,3 milhões

Punição cruel e incomum
Pena de morte por apostasia
35%
352,2 milhões
Liberdade religiosa
Liberdade de expressão
Punição cruel e incomum

Véu forçado de mulheres
32%
349,4 milhões
Direitos individuais
Igualdade de gênero

Justificam assassinatos de honra para mulheres que cometem sexo pré ou extra-marital
40%
361,8 milhões
Liberdade religiosa
Direitos individuais Igualdade de gênero
Conspiração para assassinar


Mais de 100 milhões de muçulmanos podem justificar o uso da violência em defesa do Islão

Quase 17% (que inclui 114,7 milhões de adultos) da população da pesquisa disseram que a violência contra civis é justificada para “defender o Islã de seus inimigos”. Embora o percentual seja pequeno, o número da população é significativo e implica uma base substancial de apoio moral e, talvez, material para a violência e o terrorismo. Se assumirmos que 17% são representativos da população global muçulmana como um todo (ou seja, 1,75 bilhões em 2015), então o número sobe para aproximadamente 191,5 milhões de adultos. Concordando que apenas uma pequena percentagem daqueles que justificam o terrorismo realmente cometeriam um ato terrorista, esses números ainda são mais do que suficientes para sustentar uma significativa ameaça terrorista global no futuro previsível.

A defesa do Islão pode ser mais ampla do que a resistência a ataques armados. Para muitos muçulmanos, insultar o Islão ou Muhammad é considerado um ataque ao Islão. O apoio histórico a essa visão vem dos textos tradicionais do Islão. Aqueles que criticaram ou zombaram de Maomé, incluindo mulheres, idosos e possivelmente crianças, foram assassinados por ordem dele ou com a aprovação deles, tanto do hadith (Bukhari 1067, 4037, Abu Dawud 4361) quanto da biografia de Muhammad (Ibn Ishaq). , 551, 665, 675). Numerosas ameaças e ataques terroristas contra alvos ocidentais foram provocados por nada mais que palavras ou imagens que alguns muçulmanos consideravam ofensivas.

Há outras conclusões importantes sobre a população da pesquisa que têm implicações importantes para a imigração. Estes são discutidos no relatório completo do projeto:

  • Muçulmanos devotos são mais propensos a rejeitar a legitimidade das leis e do governo ocidentais.
  • Converter não-muçulmanos e promover a sharia são imperativos religiosos para muitos muçulmanos.
  • A intolerância dos não-muçulmanos é generalizada e continua a ser ensinada.
  • Uma minoria significativa de muçulmanos está em conflito sobre a sociedade moderna.
  • Uma cosmovisão pré-científica continua a inibir a investigação histórica e científica islâmica.

O relatório analisa 16 perguntas da pesquisa em detalhes, fornecendo o histórico, teológico, político e social das crenças e práticas muçulmanas. Também inclui uma avaliação de segurança, terrorismo e áreas de potencial conflito com a cultura ocidental - informações cruciais para formuladores de políticas e analistas.


[1] O projeto foi possibilitado por um generoso esforço voluntário. Greg Oxnard, antigo Gerente de Projetos e Sistemas de Informações de Dados do Manchester City Council, Reino Unido, projetou e gerenciou a planilha do Excel e organizou o esforço voluntário para a entrada de dados. Marilyn “Micki” Neidich Lewis, editora freelance profissional, ofereceu suas habilidades para revisar e editar este artigo e o relatório final.

[2] O Projeto Demográfico Global Muçulmano não é afiliado ao Pew Research. As percentagens e os números da população foram calculados diretamente a partir dos dados do Pew Research, que foram obtidos pelo valor nominal. Veja, “Os Muçulmanos do Mundo: Unidade e Diversidade” (Pew Research Center, 2012) http://assets.pewresearch.org/wp-content/uploads/sites/11/2012/08/the-worlds-muslims-full -report.pdf; “Os Muçulmanos do Mundo: Religião, Política e Sociedade” (Pew Research Center, 2013) http://assets.pewresearch.org/wp-content/uploads/sites/11/2013/04/worlds-muslims-religion-politics- society-full-report.pdf; "Islã e Cristianismo na África Subsaariana" (Pew Research Center, 2010) http://assets.pewresearch.org/wp-content/uploads/sites/11/2010/04/sub-saharan-africa-full-report .pdf

[3] O número total de muçulmanos representados pelas questões selecionadas para este projeto varia de 826 milhões a 1,094 bilhões.

[4] O hadith contém as tradições canônicas dos ensinamentos de Maomé. A sunna refere-se ao exemplo de Maomé.

[5] Muitos muçulmanos devotos nos EUA e na Europa Ocidental podem não compartilhar esses pontos de vista. Mais de 90% da população da pesquisa vive em países onde os muçulmanos são 50% ou mais.

[6] Veja “As mulheres ainda são vítimas de crimes de honra, apesar da nova lei”, The Express Tribune (31 de outubro de 2017) https://tribune.com.pk/story/1545802/1-women-still-victims-honour-killings-despite -nova lei/

[7] De acordo com a Radio Free Europe, “as reações ao tiroteio [2015 Charlie Hebdo] no mundo árabe foram misturadas, com alguns veículos condenando o ataque e outros sugerindo que a revista satírica francesa havia trazido o ataque contra si mesmo”. Imprensa Muçulmana Reage ao Ataque Charlie Hebdo ”, por Joanna Paraszczuk (9 de janeiro de 2015) https://www.rferl.org/a/muslim-press-reacts-charlie-hebdo-attack/26783014.html. Uma pesquisa patrocinada pela BBC após o ataque revelou que “cerca de 27% dos muçulmanos britânicos simpatizam com os pistoleiros de Paris, enquanto mais de um em cada dez afirmam que caricaturas satíricas 'merecem' ser atacadas”. Veja “Trimestre de muçulmanos britânicos simpatizantes da Charlie Hebdo terroristas ”, por Matthew Holehouse, The Telegraph (25 de fevereiro de 2015) https://www.telegraph.co.uk/news/religion/11433776/Quarter-of-British-Muslims-sympathise-with-Charlie-Hebdo- terrorists.html




sexta-feira, 1 de junho de 2018

Atualizações em maio de 2018

Veja o que entrou de novo no blog em maio de 2018, exemplificando a aplicação da lei islâmica Sharia ao redor do mundo, seja por governos de países com maioria muçulmana, grupos islâmicos ou mesmo ações individuais.



Síria: cristãos sendo forçados a se converterem ao islão em cidade recém-ocupada militarmente pela Turquia 
Afrin fica no norte da Síria. A Turquia a invadiu e a ocupou sob a desculpa esfarrapada de que estava se defendendo dos curdos. Dezenas de milhares de cristãos fugiram para Afrin para escaparem do Estado Islâmico. Agora, eles se vêm defronte do mesmo destino: conversão ou morte, só que desta vez imposto por um país com assendo na ONU e não por um grupo jihadista (ahvalnews).


Direitos das Mulheres sob o Islão: Parte 3Parte 2Parte 1
A imigração muçulmana aliada ao políticamente correto do Ocidente estão tornando as mulheres ocidentais igualmente sem defesa frente ao avanço implacável da Sharia.
Relembrando o conceito da ESCRAVIDÃO SEXUAL no Islão
Leia o artigo no blog.

Pedofilia islâmica: casamento de meninas com homens adultos
Você vai encontrar muçulmanos e apologistas dizendo que "não, não existe casamento de crianças no islamismo." Isso é balela. Existe sim. Veja esta promoção em uma página do Facebook do grupo "Sharia for America" (lei islâmica para os EUA).

Mas José, por que eles promovem isso? Resposta: isso vem da lógica tortuosa do islamismo. Maomé se casou com Aisha quando ela tinha 6 anos, consumindo o casamento quanto ela tinha 9 anos. E Maomé é o homem perfeito, o exemplo de conduta para toda a humanidade. De modo que proibir casamento com meninias pequenas seria dizer que o que Maomé fez estava errado, o que seria blasfêmia, pois suas ações foram todas aprovadas por Alá.



Sudão: Noura, forçada a casar aos 16 anos, matou o marido que a violava. Agora, ela foi condenada à pena de morte
Ela foi volentada com a ajuda de familiares, em um casamento arranjado que ela não queria (Expresso)

EUA: mesquita de NY barras mulheres de celebração importante
As muçulmanas foram impedidas de participar da celebração do início da construição de uma mesquita em Nova York, apesar do convite mencionar "Prezados irmãos e irmãs". Uma muçulmana reclamou e acabou sendo acusada de denegrir a comunidade e até prejudicar as chances da mesquita ser construída. Membros do sexo masculino de sua família foram insultados, sua mãe foi marginalizada por seus colegas de trabalho.  (BBC)

Egito: homem estuprou sua mãe, várias vezes, pois ela era uma "mulher sem honra"
O filho de 25 anos amarrou a mãe e a estuprou repetidamente. Foi visto e preso. Ele declarou que sua mãe mereceu a punição pois ela não obedecia o seu pai, desonrando-o. (stepfeed)

Paquistão: 2 adolescentes enamorados mortos pela honra suas famílias
Amjad, 18 anos, e Firdous, 16 anos, mortos em "crime de honra." Ele teve o crânio aberto com um machado, e ela foi sufocada até a morte. Na vila de Shahbazi Bullo (Pakistan Today).

Iraque: "noivas da jihad" estrangeiras serão executadas
O Iraque deve executar até 40 noivas estrangeiras do ISIS, depois do estrago causado por três anos de ocupação jihadista, apesar dos pedidos de clemência das mulheres e delas alegarem que são "vítimas" (Daily Mail). Elas são tão jihadistas quando os seus maridos.

Índia: dois devotos moslestam menina de 12 anos quando iam para a mesquita orar
Mohammad Nihal e Mohammad Rashid estavam indo a uma mesquita para oferecer namaz quando avistaram uma menina menor na área de Baghmugaliya. A vítima estava indo para a casa da avó sozinha. Os dois a atacaram despindo-a. Um rapaz de 14 anos tentou ajudar a menina mas acabou sendo surrado. O barulho chamou atenção e o dois fugiram para dentro da mesquita. Eles acabaram presos.



EUA: o filho do policial de Boston abraça o Islã ... e tenta explodir a faculdade 
Alexander Ciccolo, filho de um capitão da polícia de Boston, se confessou culpado na segunda-feira de usar armas e bombas caseiras para atacar um campus universitário para apoiar o grupo Estado Islâmico, três anos depois de sua prisão, depois que seu pai alertou o FBI. Seu pai, o capitão Robert Ciccolo, avisou as autoridades depois que seu filho disse que queria se juntar ao grupo. (ABC)

Paquistão: parlamento aprovou ensino obrigatório do Alcorão nas escolas estatais 
Eles dizem querer garantir a "paz e a tranquilidade" e acabar com "o caos" (o oposto irá ocorrer). "A Assembleia Nacional (Parlamento) aprovou hoje a Lei de ensino obrigatório do Alcorão", disse o porta-voz do hemiciclo, Junaid Iqbal. A lei apresentada pelo governo da liga muçulmana do Paquistão estabelece o ensino do Alcorão nos estabelecimentos de ensino de propriedade do governo central em todo o país e nos públicos e privados de Islamabad e das áreas tribais (fronteira com o Afeganistão) (amigos de Iraq).

EUA: por que as crianças são submetidas a doutrinação islâmica nas escolas públicas?
Causou furor junto aos pais o fato de que escolas dos EUA estavam convidando os alunos da sétima série a escreverem a shahada, a declaração islâmica de fé, como parte da “prática de caligrafia” em sua classe de religião mundial. Mas a caligrafia foi inventada na China 3.000 anos antes de Maomé. A shahada - que afirma: "Não há Deus senão Alá, e Maomé é seu mensageiro" - é usada no processo de conversão ao Islã. A natureza religiosa da designação era inconsistente com o que os estudantes foram solicitados a fazer enquanto estudavam outras religiões. As unidades sobre o cristianismo e o judaísmo não continham nenhum versículo bíblico, nem recitação dos Dez Mandamentos ou o Pai Nosso, ao passo que o pacote do Islã continha passagens do Alcorão. "Eles cruzaram a linha com o Islã ao passaram do aspecto secular para o aspecto da fé", declarou um dos pais. "Sejamos honestos, se eles tivessem voltado para casa para recitarem o Pai Noss, teríamos ateus processando em todo o lugar." (Clarion)

As crianças são obrigadas a copiar a Shahada como trabalho de casa



Relembrando o conceito da ESCRAVIDÃO SEXUAL no Islão

Uganda: meninas regatadas de cativeiro em mesquita estão grávidas - tráfico humano a partir da mesquita
A polícia fez uma operação na mesquita de Usafi para resgatar 63 meninas que eram mantidas sob cativeiro. Onze delas tinham sido estupradas, ao passo que 7 delas estão grávidas. O número de vítimas que resgatamos do cativeiro agora é de 154 e, dessas, 28 são mulheres, 63 meninas e 63 meninos. Suas idades variam de dias a 50 anos ou mais. O vice-porta-voz do Exército, Tenente-Coronel Deo Akiiki, disse que a invasão da Mesquita Usafi ocorreu depois que uma investigação sobre o assassinato de Susan Magara indicou que foi planejada a partir dali. O grupo de Anti-terrorismo está investigando outras acusações de tráfico humano, abuso sexual e terrorismo. (Daily Monitor).



Leia este artigo "Boicote Produtos Halal" para saber o que é "comida halal" e o porquê de boicotá-la. E visite os demais links.


História (Arte e Jahiliyya)

Alemanha: radialista muçulmano diz que o Ramadã é uma "velha tradição alemã" celebrada mais do que a Oktoberfest
A emissora de rádio alemã Deutschlandfunk Kultur afirmou que o mês sagrado islâmico do Ramadã não é apenas um "velho costume alemão", mas que foi celebrado no país mais do que a Oktoberfest. Em um artigo, o jornalista Eren Güvercin (muçulmano) afirma que o Ramadã é um feriado completamente alemão e que não há dúvida de que o Islã pertence à Alemanha.Güvercin sustenta que a prática é mais antiga da Oktoberfest, também conhecida na Baviera como Wiesn. Embora ele não forneça nenhuma evidência para sua afirmação, acredita-se que as primeiras celebrações de Wiesn tenham ocorrido em 12 de outubro de 1810 para celebrar o casamento do príncipe Ludwig, mais tarde o rei Ludwig I, e a princesa Therese da Saxônia-Hildburghausen. A mesquita mais antiga da Alemanha, em contraste, foi construída em Berlim em 1915 e foi descoberta por uma equipe de arqueólogos em 2015. Acredita-se que a mesquita, feita de madeira, tenha sido destinada a prisioneiros de guerra muçulmanos quando construída dentro de Berlim. um campo de prisioneiros da Primeira Guerra Mundial. (Breitbart)

A propaganda islâmica mente para você.



São Paulo: Muçulmanos do Senegal em confronto com a PM no Bairro do Brás
Leia o artigo e assista ao vídeo neste artigo do blog.

Onze brasileiros presos, acusados de montarem célula do Estado Islâmico (ISIS)
Leia o artigo no blog.

Membros de célula do Estado Islâmico presos na Operação Hashtag pedem revisão de pena
Os réus sustentam que as condenações foram baseadas em suposições. O líder do grupo, Leonid El Kadre de Melo, foi condenado a 15 anos, 10 meses e 5 dias de reclusão (Políbio Braga).

Projeto de Lei que torna Cascavel cidade-irmã da Beitunia na Palestina é aprovado - Câmara Municipal de Cascavel
"Em 2015 o vereador Paulo Porto (PCdoB), fez uma viagem à Palestina com uma comitiva composta por ele, pelo vice-prefeito de Foz do Iguaçu, Nilton Bobato e pelo presidente da Sociedade Árabe Palestina de Foz do Iguaçu, Jihad Abu Ali. Viagem a qual, inclusive, resultou em um livro com texto de Bobato e fotos de Porto. “Palestina, Um Olhar Além da Ocupação” foi lançado em Cascavel em fevereiro deste ano. Durante esta viagem, a comitiva esteve em Beitunia onde um protocolo de cooperação, entre a cidade da Palestina e Cascavel, foi assinado por Porto e pelo prefeito da cidade Ribhi Dola. Em fevereiro deste ano, o embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Alzeben, esteve em Cascavel para participar do lançamento do livro “Palestina, Um Olhar Além Da Ocupação”. Além de Ibrahim, fazia parte da comitiva o presidente da Confederação Palestina Latinoamericana e do Caribe, Rafael Araya Masry." (camaracascavel)

Em ano de eleições, vamos ver quais candidatos têm um "romance" com o Islã e por isso mesmo, direta ou indiretamente, apoiam a Lei Sharia ...
"Guilherme Boulos, pré-candidato do PSOL à Presidência, viajou para a Palestina. De 27 a 30 de abril, o coordenador do MTST inaugurou no Oriente Médio a perna internacional de sua campanha — insistindo em uma mensagem de solidariedade ao povo palestino. A escolha do destino coincide com o posicionamento do PSOL e do MTST, críticos ao Estado de Israel e à ocupação da Cisjordânia." (Folha de São Paulo)



Estamos em um ponto crucial da História: islã e "progressistas" contra nós
Leia o artigo no blog.

Especialista da Jihad: Parem de aceitar refugiados muçulmanos - a Europa está importando uma guerra civil
Leia o artigo no blog.

EUA abandona acordo nuclear com Irã; centenas de milhares de documentos provam que Irã estava mentindo
Leia o artigo no blog.

Finlândia: sexo com 10 anos menina de idade não é estupro, se abuso for cometido por "imigrante"
Em um caso que provocou indignação pública, um tribunal finlandês manteve uma decisão de que o sexo entre um requerente de asilo e uma menina de 10 anos de idade não constituiu estupro. Juusuf Muhamed Abbudin, um requerente de asilo, foi condenado por abuso sexual agravado, e também condenado a pagar à criança € 3.000. O promotor pedia condenação por estupro agravado (RT)

Dinamarca: polícia admite ter escondido estupros de menina para proteger a identidade do estuprador
Os estupradores, refugiados afegãos, estupraram e assediaram várias meninas de 14 anos em um Shopping em Esbjerg. População se queixa da polícia: ao não saber dos fatos, ela não pode se proteger (Breitbart).

Texas: Muçulmanos da Síria flagrados entrando nos EUA via México indicam a existência de contrabando humano
Os agentes da Patrulha da Fronteira no Setor Laredo dizem que a prisão dos sírios confirma que há um contrabando humano de países com conexões com o terrorismo para os EUA. (Breitbart)

Alemanha: Merkel e Macron ameaçam países que não aceitam "cotas de imigração" definidas pela União Européia
Emmanuel Macron exigiu uma integração mais próxima e mais rápida da UE em direção a um superestado, em um discurso em que ele prometeu "não ceder nada" aos membros conservadores da Europa Orienta; que acreditam em uma Europa de nações fortes. (Telegraph)

Alemanha: alemães terão que trabalhar até os 70 anos de idade para sustentar centenas de milhares de refugiados
Em fevereiro de 2016, o professor Matthias Lücke, da Universidade de Kiel, calculou que este custo para manter os refugiados chegaria a € 55 bilhões até 2022.  Cinco meses depois, outro economista, o Dr. Bernd Raffelhüschen, calculou que total da dívida contraída para pagar principalmente os migrantes árabes, 70% deles não qualificados, chegaria a 1,5 trilhão de euros ao longo de sua estada na Alemanha.  Em fevereiro de 2017, o conselheiro econômico da Merkel, Hans-Werner Sinn, alertou que os custos totais poderiam chegar a 340 bilhões de euros, quase 10% do PIB total da Alemanha naquele ano. E, ainda em 2017, saiu um estudo mostrando que esses “refugiados” não planejam retornar aos seus países de origem após a guerra, mas sim permanecerem permanentemente na Europa. E, para piorar, 15%  dos idosos e pensionistas alemães estão agora classificados em nível de pobreza de acordo com o site DW.com. (Voice of Europe)

Grã-Bretanha proíbe entrada de norueguês crítico da "imigração descontrolada" 
Tore Rasmussen, do grupo Geração Identidade, foi detido no aeroporto de Gatwick, em Londres. Mesmo residindo em Londres, ele foi mandado de volta para a Áustria (de onde seu voo originou) sob a alegação de que ele "compartilha de valores que não correspondem aos valores britânicos" (o que significa, ele rejeita o multiculturalismo). Ele está sendo punido por "crime de pensamento" ou seja, crime político. (Sputinik, Aftenposten)

Reino Unido propõe sentença de seis anos de prisão para quem criticar o Islã
Leia o artigo no blog.

Bélgica: muçulmanos espancam pai e filho por beberem cerveja na Antuérpia
Vídeo: https://www.bitchute.com/video/ttfVX4sm3KIF/

Canadá: primeiro-ministro Justin Trudeau permite que terrorista confesso ande solto pelas ruas
Um ex-combatente do ISIS admitiu ter matado um prisioneiro em nome da organização terrorista. O Partido Conservador (oposição) quer que o primeiro-ministro Justin Trudeau e a polícia prendam o homem. O homem se identifica como canadense e está supostamente de volta ao Canadá. O governo de Trudeau se recusa a prender os jihadistas do Estado Islâmico que retornam para o Canadá sob a alegação de que é impossível provar que eles cometeram algum crime. (News1130)

Canadá: grupo islâmico aterroriza praias na província de Ontario
Um grupo que se  auto-denomina "Força Islâmica Revolucionária" escreveu uma carta ameaçando destruir as praias de Toronto até North Bay. Leia o artigo no blog.



Suécia: bispo luterano (Igreja da Suécia) apoia transmissão da chamada à reza islâmica
Isso irá ocorrer todas as sextas-feiras por três minutos, segundo permissão da polícia. Os muçulmanos e o bispo alegam que isso vai aumentar a integração. Diversos políticos locais e nacionais se declaram contra a medida, alegando que isso irá ampliar as divisões (Breitbart).

EUA: universidade católica e universidade metodista abrem salas de oração apenas para muçulmanos, onde segregação entre os sexos é permitida
Isso ocorreu na Univerdiade de Davenport, no estado do Iowa, e na Universidade Metodista, no Texas (College_Fix_1, College_Fix_2).



Holanda: esfaqueador gritando Allahu Akbar deixa 3 feridos
O homem entrou em um café, na cidade de Haia, e começou a esfaquear os clientes aos gritos de Allahu Akbar, mas a polícia diz não saber o motivo desta jihad privada (Sputnik).

Paquistão: ex-primeiro ministro admite ter enviado jihadistas para atacar Mumbai em 2008
Nawaz Sharif admitiu que os jihadistas eram "atores fora-do-estado." O ataque jihadista de 26 de novembro no centro financeira do Índia deixou 150 mortos (Republic World).

França: esfaqueador da Chechênia gritando Allahu Akbar mata 1 e fere 4 em Paris
O jihadista foi morto a tiros pela polícia no centro de Paris no sábado. O ataque ocorreu junto à principal casa de ópera de Paris. Fontes próximas à investigação dizem que o jihadista estava em uma lista antiterrorista de supostos extremistas. (France24)

Iraque: preso o líder do ISIS que comandou queima do piloto jordaniano
Sadam al-Jamal é um dos 5 líderes do Estado Islâmico presos esta semana. Foi ele quem coordenou a execução do piloto jordaniano al-Kasasbeh, em 2015, queimando-o vivo dentro de uma cerca, e distribuindo um vídeo que chocou o mundo. (Daily Mail)


Canadá: bomba em restaurante indiano deixa 15 feridos, 3 em estado grave
Dois jihadistas mascarados entraram no restaurante indiano próximo a Toronto, e detonaram duas bombas. Eles permanecem foragidos na polícia (BTNews).

Bélgica: recém-converso gritando Allahu Akbar mata à tiros duas policiais femininas e um civil que passava na rua 
Isso aconteceu na cidade de Liége. O jihadista, que havia sido solto da prisão um dia antes, foi morto por policiais após se refugiar em uma escola. Seu nome é Banjamin Herman, de 36 anos, um muçulmano recém-converto (Daily Mail).

Lucile Garcia e Soraya Belkacemi foram enterradas com Honras de Estado



Jihad da Vitimização
 

Alemanha: vídeo expõe como falsa alegação feita por muçulmano que ele teria sido atacado por um cachorro
Um muçulmano acusou um alemão de te-lo insultado e incitado o seu cão a atacá-lo. Agora, vídeo mostra que o dono do cachorro estava se defendendo. O alemão fez queixa contra o muçulmano na polícia. (mdr)


Liberdade de Expressão e Blasfêmia - Exemplos

Reino Unido propõe sentença de seis anos de prisão para quem criticar o Islã
Leia o artigo no blog.



Afeganistão: bomba sendo montada em mesquita detona prematuramente
Onze "militantes" (jihadistas muçulmanos) mortos. (KP)

Bélgica: mesquita distribuia manual de jihad para futuros imãs (clérigos)
Trata-se da Grande Mesquita de Bruxelas, que é controlada pela Arábia Saudita. Eles também eram ensinados a perseguirem homossexuais e judeus (Brussels Times)



Áustria: imã declara desejar tornar país em Estado Islâmico governado pela Sharia
O vídeo do imã da mesquita As-Sunnah foi entregue pela promotoria que deseja processar criminalmente o clérigo. (voiceofeurope, kronen zeitung)

Bélgica: muçulmanos espancam pai e filho por beberem cerveja na Antuérpia
https://www.bitchute.com/video/ttfVX4sm3KIF/


Perseguição Cristãos: Parte 1Parte 2
"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
França: Ahmed, um reincidente, grita na catedral "é o Alcorão que deve ser lido" e ameaça explodi-la com uma granada
Sábado 28 de abril de 2018, Ahmed X, 37 anos, entrou na catedral de São Vicente em Chalon sur Saône. Bêbado, ele ainda tinha uma garrafa na mão. Na frente do padre ele grita: "Eu tenho uma granada e vou explodir tudo!", "É o Alcorão que deve ser lido." Ahmed X é reincidente, já tendo 27 condenações, incluindo 3 por ameaças de morte e 7 por roubo e violência (mas prender muçulmano, vocês sabem, é islamofobia). Durante a audiência, Ahmed X cospe na direção do assistente do promotor, esboçando um gesto ameaçador. Ele será julgado no final de maio.
Fonte: www.fdesouche.com/998283-chalon-sur-saone-71-ahmed-multireci, www.info-chalon.com/articles/faits-divers/2018/05/01/37332/t (liveleak)

República Centro Africana: padre morto, 24 fiéis mortos, 170 feridos
Ex-membros do grupo majoritariamente muçulmano Seleka são acusados de matar o padre Albert Toungoumale-Baba na terça-feira (1 de maio) na igreja de Notre Dame de Fátima. Das centenas de fiéis reunidos na igreja, pelo menos 24 foram mortos e 170 feridos por militantes que jogaram balas no meio da multidão e detonaram granadas. (cruxnow)

Os crimes de ódio anti-cristãos na Alemanha estão sendo escondidos porque os imigrantes estão envolvidos
No ano passado, informamos sobre como 200 igrejas e símbolos cristãos foram danificados ou destruídos em um ano em apenas um estado alemão. Recentemente, a polícia começou a investigar seis casos de vandalismo em igrejas na cidade de Bamberg. Em dezembro do ano passado, um imigrante paquistanês tentou explodir uma igreja em Mannheim. Na semana passada, outro imigrante paquistanês foi preso por danificar uma igreja em Chemnitz. Mas houve piores incidentes: pessoas foram espancadas por usarem uma cruz em áreas povoadas por imigrantes, ameaçadas por serem cristãs ou assassinadas por um refugiado por se converter ao cristianismo. A mídia, predominantemente de esquerda, esconde os incidentes para não alimentar apoio popular aos partidos de direita. (voiceofeurope)

Irã mantém 10 anos de prisão para pastor e 3 outros cristãos por "cristianismo sionista" 
Acusados também de agirem contra a segurança nacional e de terem recebido dinheiro do governo britânico. O pastor Yousef Nadarkhani, Mohammadreza Omidi (Youhan), Yasser Mossayebzadeh e Saheb Fadaie, os quatro cristãos que perderam seus recursos, foram inicialmente presos em maio de 2016, depois que agentes do governo realizaram uma série de ataques às casas dos cristãos na cidade.
Nadarkhani foi preso e libertado em várias ocasiões no passado, todas ligadas à sua prática e pregação da fé cristã. Mais notavelmente, ele foi libertado da prisão em setembro de 2013, depois de ter sido absolvido da apostasia, uma condenação que originalmente o sentenciara à morte. A sentença de morte foi anunciada em novembro de 2010, um ano depois de o pastor ter sido preso por supostamente protestar contra a instrução islâmica em escolas para seus filhos e por procurar registrar sua igreja. (Christian Post)

Indonésia: pastor condenado a 4 anos de prisão por fazer comentários sobre o Alcorão durante evangelismo
Pastor Abraham Ben Moses compartilhou o evangelho com um motorista de taxi muçulmano. Ele foi acusado de blasfêmia pelo motorista por ter mencionado o Alcorão. Ele mencionou versos sobre o casamento e disse que Maomé tinha sido inconsistente com os seus ensinamentos. O pastor disse a verdade. A verdade, porém, é irrelevante. Ele critivou o Alcorão é Maomé e isso é o bastante para sua condenação segunda a lei islâmica (Sharia) (Christian Today).

Indonésia: família de "homens-bomba" atacam 3 igrejas, matando 7 e ferindo 40
Seis jihadistas, todos da membros da mesma família, atacaram três igrejas católicas durante missa de domingo em Surabaya, a segunda maior cidade do país. As filhas de 12 e 9 anos acompanhadas de sua mãe, atacaram uma igreja. Dois filhos, com idades entre 18 e 16 anos, atacaram a segunda igreja usando uma motocicleta. O pai atacou a terceira igreja usand uma SUV.  O grupo militante do Estado Islâmico confirmou a responsabilidade pelos ataques. A família pertence a um grupo de 300 indonésios simpatizantes do Estado Islâmico que retornou da Síria (Washington Post).

Rússia: Sete Mortos Após Ataque à Igreja Ortodoxa na Província Russa da Chechênia
Quatro homens armados atacaram a igreja ortodoxa russa do Arcanjo Miguel, no centro de Grozny, a capital da província russa da Chechênia, de maioria muçulmana, no sábado, mas foram mortos por forças de segurança em um confronto que deixou dois policiais e um morto mortos. Os assaltantes estavam armados com armas de fogo e facas, e tentaram fazer reféns dentro da igreja. (Breitbart).

Síria: igreja de Alepo em 2012, 2015 e 2017
  • Foto à esquerda: 2012 antes da al-Qaeda e do "Exército Sírio Livre" apoiado pelos EUA (Irmandade Muçulmana) atacar os bairros em Aleppo e assumir o controle;
  • Foto do meio: em partes de Aleppo que foram ocupadas pelo "Exército Sírio Livre" (Irmandade Muçulmana) e pela Al-Qaeda, as igrejas foram bombardeadas;
  • Direita: Em dezembro de 2016, as Forças Armadas sírias libertaram Alepo. Logo que Aleppo foi libertado, as Forças Armadas sírias participaram na restauração de todas as igrejas de Aleppo.
Esta foto à direita foi tirada na sexta-feira santa de 2017. A igreja ainda não tinha um telhado concluído, mas graças às Forças Armadas sírias (e Assad) os cristãos estão novamente 100% seguros em Aleppo (apesar do número de cristãos ter diminuido consideravelmente após as atrocidades cometidas contra eles).


Síria: soldado cristão explodido pelo Estado Islâmico
O exército sírio continua lutando contra o Estado Islâmico (ISIS) no sul de Damasco. ISIS divulgou imagens de uma execução de um membro cristão do exército sírio capturado durante a batalha. Eles amarraram explosivos em volta do capacete e o derrubaram de um prédio. O nome do soldado era Issa - Jesus em árabe.

A mídia ocidental nunca relata histórias sobre os cristãos no exército sírio, dando a entender que é um exército de "regime" quando não é. Os cristãos desempenharam um papel importante na libertação de Aleppo e outras grandes cidades em toda a Síria nos últimos anos. O sul de Damasco é um dos últimos redutos do Estado Islâmico na Síria. E os cristãos estão participando da luta.


Paquistão: cristão, acusado de blasfêmia, liberado após 2 anos na prisão
Não existia evidência para que Usman Liaquat (32 anos de idade) fosse preso. Bastou que um muçulmano o acusasse para ele ser preso. Ele permaneceu preso por 2 anos, sendo finalmente por falta de provas. Isso é uma forma de intimidação, para ele e para os membros de outras minorias no Paquistão: fiquem quietinhos e aceitem preconceito e perseguição calados, ou enfrente prisão ou linchamento. Lembre-se. Usman Liaquat foi preso pelo governo do Paquistão, um país que segue a Lei Islâmica (Sharia) como ponto de partida do seu sistema legal. (britishpakistanichristians)

Nigéria: contínuo assassinatos de cristãos acontecendo dentro do esforço para disseminar a Sharia
O presidente da Associação Cristã da Nigéria (CAN), Revd Samson Ayokunle, disse que os assassinatos de cristãos em todo o país são o resultado resultado de movimentos para espalhar a Sharia por todo o país, como declarado anteriormente pelo líder da seita Boko Haram, Abubakar Shekau (SunNewsOnline).

"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
EUA inauguram sua embaixada em Jerusalém


Hamas celebra mudança da embaixada dos EUA para Jerusalém levando palestinos à morte

Palestino dança de muleta (provocando soldados israelenses
Vídeos como este é que tiram a credibilidade dos palestinos. Um homem fingindo precisar de muletas em frente à fronteira de Gaza com Israel, provocando os soldados israelenses vistos ao fundo. É para mostrar todo o "esforço" dos muçulmanos contra a "ocupação" israelense, até mesmo quem "precisa de muletas" participa das manifestações. E, no caso dele levar um tiro, acusar os israelenses malvados de atiraram em alejado. É como diz o ditado: “me engana que eu gosto.”


Síria: Forças de Assad bombardeiam campo de refugiados palestinos controlado pelo Estado Islâmico
Forças sírias e russas lançaram um ataque em larga escala contra um campo de refugiados palestinos sob o controle do Estado Islâmico (ISIS), com o regime se aproximando do último território controlado pelos rebeldes na capital síria. Tropas pró-governo dispararam uma enxurrada de ataques aéreos e mísseis terrestres contra o campo de Yarmouk, no sudeste de Damasco, na manhã de ontem, enquanto procuravam livrar as áreas de jihadistas. Rebeldes do grupo islâmico Hayat Tahrir al-Sham concordaram em um acordo de evacuação depois que o governo lançou sua ofensiva em 19 de abril. No entanto os militantes do ISIS se recusaram a desistir de sua luta. Os ataques aéreos aumentaram mais de 60% do campo nas últimas semanas, deixando os civis que permanecem presos em condições inabitáveis. (Independent).

Líder do Hamas em Gaza confirma ação conjunta com Hezbollah e Irã
O líder do Hamas em Gaza, Yahya Al-Sinwar, disse segunda-feira que o grupo terrorista palestino está coordenando com o Irã e o Hezbollah, o grupo terrorista apoiado pelo Irã baseado no Líbano, "quase diariamente". Ele fez o comentário na TV Al-Mayadeen, onde ele discutiu os laços estreitos do Hamas com o Irã e com a Guarda Revolucionária do Irã, de acordo com um clipe traduzido pelo Middle East Media Research Institute.



Ultraje Eterno

Mufti Palestino: quem comer em público durante o Ramadã deve ser processado judicialmente
Leia o artigo no blog.

Bélgica: muçulmanos espancam pai e filho por beberem cerveja na Antuérpia
Ontem (12 de maio de 2018) uma briga aconteceu fora de um bar pita no Rooseveltplaats em Antuérpia. Dois homens, um pai e seu filho, estavam sentados no terraço bebendo álcool, mas isso não era do agrado do proprietário, que não vende bebidas alcoólicas. Isso se transformou em uma briga séria. “O gerente abordou os homens sobre seu comportamento e depois começou uma briga. Parecia uma briga enorme, mas aparentemente também havia muitos espectadores. Os dois homens foram levados ao hospital para tratamento por seus ferimentos. Um deles também teve uma perna quebrada, então as consequências podem ser consideradas graves ”, disse o porta-voz Wouter Bruyns. O político Filip Dewinter (Vlaams Belang) postou um vídeo da briga no Twitter.


Ramadã: pesquisadores concluem que Ramadã aumenta o risco de pedras no rim e de AVC
De acordo com pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Soroka, que descobriram um aumento na incidência de pedras nos rins e derrames entre aqueles que jejuam todos os dias do amanhecer ao pôr do sol, como sua religião exige, devido ao reduzido consumo de água. Este estudo foi publicado recentemente no Journal of American Heart Association. (JP)


.➽